09 Apr 2010
12 comentários

Hatshepsut & Vale dos Reis & Rainhas

Dicas de Viagens, Egito, Luxor

Uma das caracteristicas mais marcantes da mitologia Egipcia é culto ‘a morte, e toda preparação e esforço aplicado em garantir uma vida boa após a morte.

Para todos eles, de qualquer reles mortal ao Faraó, a vida na terra era uma fase passageira da vida eterna, e que para a maioria deles era realmente muito passageira – a expectativa media de vida era de 35/40 anos!

Eles acreditavam que o mundo dos mortos era bem parecida com a vida dos vivos, e que precisariam das mesmas coisas – de joias, a membros da familia a gado, jogos, roupa e abanador.

O grande monumento da Vale dos Reis é o templo a Hatshepsut que foi uma das unicas mulheres Faraós a reinar o Egito – quando seu marido morreu, seu filho ainda era muito jovem pra ssumir o trono, entao ela se elegeu regente, inclusive se fazendo passar por homem.

Em sua propria homenagem, ela construiu um templo onde ela seria embalsamada e mumificada. A construção levou 18 anos e o complexo foi utilizado por apenas 70 dias (periodo que demorar para mumificar um corpo), e retrata sua vida em todas as paredes.

Mas na verdade o templo que vemos hoje em dia é uma reconstrução, um quebra-cabeça montado com oque sobrou do templo depois de um terremoto – e por isso ele parece tao perfetinho. Todo andar superior é uma reconstrução, e as peças originais salvas dos escombros estao ainda sendo montadas no chao em frente ao templo, a medida que os arqueologistas vao decifrando os hieroglifos.

Hatshepsut foi enterrada no Vale dos Reis, pois governou como um Faraó, e é uma das 3 unicas mulheres por lá (que tenham sido encontradas até hoje).

Os Egipcios davam muito mais valor a vida após a morte do que seu propria dia a dia, e quase todos os grandes templos que visitamos hoje em dia no Egito são na verdade compexos funerarios. Muito pouco se sabe sobre onde e como eles moravam, e acredita-se que os Egipcios vivam em tendas de tecido, peles e madeira, e potanto nao há muitos registros sobre a “vida” além dos feitos registrados nas paredes de seus sarcofagos.

A grandiosidade e construções megalimaniacas começaram com a construção de Saqqara, que por ser em formato de escada/degraus facilitaria a viagem de subida do faraó Zoer ao paraiso. Al´m disso, quanto maior o tumulo, maior seu poder na terra, e maior sua divindade e suas chances de de sobrevivencia eterna.

A simbologia das priamides se tornou tão grande importante que passou a integrar o “Livro dos mortos” que eram os textos deixados dentro das tumbas, e que funcionavam como “manual de instruções” sobre como alcalçar o reino dos ceus.

O apogeu dese tipo de contruções foram as piramides de Gizé, que alem de serem em formato de piramide, ainda sao perfeitamente alinhadas aos raios solares, e tinham suas superficie perfeitamente lisa, reproduzindo as imagens de adoracao ao Deus Sol.

Porem, com os passar dos (milhares de ) anos, os Faraós deixaram de contruir piramides e tumbas gigantescas, pois queriam despistar os ladroes de tumulos, que alem de roubar todas as reliquias e riquezas locais, ainda disturbavam a vida dos mortos.

E assim surgiu o Vale dos Reis e das Rainhas

Na verdade o vale é um vale hoje em dia, mas quando foi descoberto, era apenas uma montanha (e ainda é) que foi (e esta sendo) escavada e ao longo das centenas de anos os tumulos foram encontrados.

Hoje em dia já foram descobertos cerca de 60 tumbas, mas existe registro de que pelo menos 200 reis/Faraós estao enterrados sob as montanhas – e portanto o trabalho arqueologico é constante.

E por isso tambem que nao é permitido fotos em lugar nenhum, nem dentro nem fora do vale, para evitar que ladroes de tumbas consigam achar qualquer coisa antes dos arqueologistas.

Ha alguns meses tras, uma nova tumba foi descoberta no Vale dos Nobres, mas as equipes ainda estao cuidadosamente escavando o local pra tentar descobrir quem esta ali.

Infelizmente quanse todas já foram encontradas vazias, saqueadas a milhares de anos atras. E é justamente por isso que a descoberta da tumba de Tutankamos em 1922 é considerada tão magnifica: o Faraó não foi nem de longe dos mais importantes, governou por poucos anos e morreu jovem, mas como seu sarcofago estava escondido embaixo de outro (e possivelmente reaproveitando espaço da tumba de seu pai, já que ele morreu antes de ter tempo de ter sua propria tumba), acabou passando despercebido, e sobreviveu 4 mil anos intacto sobre as montanhas.

Em sua tumba foi possivel entender os rituais de adoração a morte, e como eles achavam que seria a vida após a morte: seu tesouro incluia seu tronos reais, brinquedos, jogos, comida, oferendas, roupas, armas, carruagens, barcos, etc e até memo bengalas e hervas medicinais (hoje em dia sabe-se que ele morreu joven vitma de – provavelmente – hepatite, e sofria terrivelmente de artirite – aos 19 anos! – e por isso sempre é retratado sentado, enquanto que a posiçao real é geralmente de pé).

Adriana Miller
12 comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!
12 comentários
  1. Stephanie - 09/04/10 - 14h23

    Nossa, que legal. Nunca aprendi tanto sobre história do Egito como nessa sequência de posts que você está fazendo sobre a sua viagem. Vou até comprar um livro sobre o assunto porque realmente é muito interessante.

    Estou aquardando ansiosamente pelo próximo post. =))))

    Beijos!!!!

    Responder
  2. TT - 09/04/10 - 15h01

    Fotos não podem, INFELIZMENTE. Mas vai ver que é o melhor procedimento, em muitos lugares são assim. :/
    Mas visitar as tumbas? Pode-se entrar em alguma?
    Agora que estou percebendo que vc está atualizando em tempo real! :)
    Muito, muito legal.

    Responder
    • Adriana - 11/04/10 - 16h45

      Oi TT, podem sim!
      Das 60 e poucas tumbas, tem sempre umas 10/15 abertas a visitação em revezamento ao longo do ano. Nós fomos em 3, e sao realmente impressionantes!
      Eu acho justissimo que nao sejam permitidos fotos lá dentro. Infelizmente tem muito turistas mau educado no mundo, e algumas tumbas sao cobertas de grafiti e rabiscos com nomes!! Um absurdo!

      Responder
  3. Te - 09/04/10 - 16h27
    Responder
  4. Livia H - 09/04/10 - 20h49

    Nossa Dri, estou simplesmente adorando “viajar” com vcs pelo Egito… As fotos estão lindas!

    Responder
  5. Alessandro A. - 10/04/10 - 01h03

    Dri,
    Essa sua viagem ao Egito está sensacional! Os posts estão fantásticos! Estou morrendo de vontade conhecer o Egito.

    Abraços!
    .-= Alessandro A.´s last blog ..Chicago =-.

    Responder
  6. Helena - 10/04/10 - 23h43

    Adriana,
    Seus posts estão maravilhosos, como sempre! Tenho loucura para conhecer o Egito, por isso estou viajando aqui! Isso sem falar nas fotos! Para tudo! Sou apaixonada por fotografia e vcs. estão se superando cada vez mais! Parabéns! Fotos simplesmente indescritíveis!
    P.S. – Este seu blog simplesmente viciaaaa! Hahahahaha!

    Responder
    • Adriana - 11/04/10 - 16h34

      Pode deixar que mais posts virão por ai! E muitas mais fotos! :-)

      Responder
  7. Roteiro de viagem Egito - 21/04/10 - 17h17

    […] segundo dia fizemos um passeio pelo Vale do Reis e das Rainhas, que fica no vale do deserto nos arredores de Luxor. Inicialmente tinhamos pensado em fazer todos […]

    Responder
  8. nati - 29/08/10 - 02h29

    muito legal eu estou estudando isto e agora adorei ver isso amei
    parabens
    bjs

    Responder
  9. briane - 31/07/13 - 13h08

    Ola..primeiro gostaria de te parabenizar seu blog eh uma delicia de ler…gostaria de saber se vc fez o passeio por conta propria?…se sim vc lembra o valor…obrigada

    Responder
    • Adriana Miller - 31/07/13 - 13h13

      Obrigada!
      Fizemos o passeio organizado pelo albergue onde estávamos hospedados – infelizmente não lembro dos valores específicos, mas não foi caro não… (os detalhes do albergue estão nos posts sobre Luxor)

      Responder