29
Sep
2010
Primeiro dia – o comeco da escalada (do Portao Nale Moru aos 2.600 metros de altitude)
Escrito por Adriana Miller

Nosso primeiro dia na montanha comecou cedo e com um ultimo e reforcado banho!

Tivemos um ultimo briefing com o guia lider, ajudamos a organizar as malas e mochilas no jeep e seguimos na estrada de terra por cerca de 2:30 hrs ate a entrada do Parque Nacional do Kilimajaro, pelo lado norte, perto da fronteira com o Kenya.


A viagem de carro foi bem legal e interessante, onde pela primeira vez na viagem finalmente me senti na Africa estradas de barro e terra sem ter fim, muitos bananais por todos os lados e a pobreza e simplicidade imposible de ignorar! E isso porque devido a industria do turismo a regiao do Kilimajaro eh uma das mais prosperas do pais


Passamos por varios mercados de rua, vilas e valarejos, onde tivemos o primeiro contato e vimos de perto como eh o dia e a dia e a vida da populacao local e acho que a reacao era reciproca! Cada vez que pasavamos por algum vilarejo, nos ficavamos todos animados, tirando fotos e prestando atencao nas roupas coloridas, sacos de batata na cabeca das mulheres, as arvores e frutas exoticas, e etc, e da mesma maneira que assim que a populacao local percebia que tinha um jeep de turistas cruzando suas ruas eles vinham para beira da estrada (principalmente as criancas!) para nos ver, dar tchau, correr atrás do carro


Quando finalmente chegamos no portao da entrada do parque, o tempo tinha virado totalmente!

Um nevoreiro denso, com uma chuvinha chata que de cara desinflou nossos animos la fomos nos desempacotar mais camadas de roupas, colocar nossas capas de chuva, luva, gorros, e afins


Mas antes de finalmente subirmos a montanha, tivemos a primeira apresentacao oficial da equipe de apoio e conhecemos os 4 guias asistentes e o cozinheiro chefe uma ultima sessao de perguntas&respostas, registro de todo mundo com a Guarda Florestal, e lah fomos nos floresta acima!


Esse primeiro dia comecamos a trilha a 1.900 metros de altitude e cruzamos boa parte do dia na zona de floresta Tropical e cultivo, cruzamos um mini-micro vilarejo de cultivo de milho no meio do nada (a criancada fez a festa quando nos viu chegando!!) ate que comecamos a adentrar a zona de floresta Alpina e a montanha ficou absolutamente deserta dai para frente!

Ao longo do dia a chuva apertou bastante, oque foi extremamente frustrante alem dos motivos obvios do frio e humidade, que nao sao nada legais quando se esta totalmente exposto aos elementos, mas principalmente o aspecto psicologico da viagem Mal conseguiamos ver um palmo na frente do nariz, quanto mais conseguir admirar a paisagem da subida, ver os animais etc (conseguiamos ouvir os animais, mas ver que eh bom nada).


Ja no fim do dia, chegamos no acampamento, onde cada um de nos (cada casal/grupo) conheceu sua tenda e seu “ajudante de tenda, nos mostraram como funcionava o banheiro, onde era a tenda comunitaria etc e fomos oficialmente apresnetados ao “washy-washy”…

Quando pensavamos que finalmente iamos poder descansar depois de mais de 5 horas de caminhada. O guia nos levou para mais uma caminhada de aclimatizacao de cerca de mais 1 hora de subida ingreme


Mas pelo menos chegamos no acampamento (a 2.600 metros de altitude) bem na hora do Washy-Washy e jah com tudo pronto para nosso primeiro jantar!

Como a chuva ainda estava apertada, e todos estavamos exaustos, nao rolou muita confraternizacao na barraca comunicataria, e acabamos indo todos dormir assim que o sol se pos

Essa nao foi a primeira vez que acampei na vida, entao sabia muito bem oque esperar. O unico problema eh que todas as outras vezes que acampei na vida (e foram muitas!) era em regiao de praia e fazia calor. Nao me importei nem um pouco em ficar confinada na barraca, pra mim o pior mesmo foi conseguir ficar confortavel “embrulhada” no saco de dormir ultra grosso (era um saco de dormir de 4 estacoes em formato “mumia”), e pior: como paramos pra acampar no meio do nada na montanha, o solo era ingreme! Entao lentamente iamos escorregando pro pe da barraca, e acabei acordando varias vezes durante a noite pra me “empurrar” de volta (ate porque o saco de dormir escorrega no colchao termico, que por sua vez escorrega no chao da barraca…)!

Mas surpreendentemente, acabei apagando e dormi super bem!

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, 34 anos, Carioca. Economista e profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Categorias: Kilimanjaro, Tanzania, Viagens
17

17 Comentários em:
"Primeiro dia – o comeco da escalada (do Portao Nale Moru aos 2.600 metros de altitude)"

  1. Juliana P. Galvão - 29/09/2010

    Olá Dri,
    Que barato esse seu relato do seu primeiro dia de caminhada!
    Vocês subiram quase metade do kilimanjaro no primeiro dia de caminhada?!?!?
    Que horas +/- começa e terminava o dia vocês?
    O que é uma “caminhada de aclimatizacao”?
    Bjs

    • Adriana - 29/09/2010

      Nao… nem tanto! A “entrada” pra montanha (O Portao Nale Moru) fica a mais ou menos 1800 metros de altitude, entao nosso primeiro dia subimos apenas 800 metros de altitude – que eh o maximo recomendado.
      Nos primeiros dias a altitude alcancada era mais alta mesmo, pois ainda eh “facil” andar rapido, pois a quantidade de oxigenio no ar ainda eh relativamente normal. A partir do nosso 3o dia soh subiamos uma meida de 300 ou 400 metros por dia, porque simplesmente o pulmao humano nao aguenta mais que isso! mas chegarei no outros dias com calma! :-)
      Nesse primeiro dia comecamos a caminhada umas 10 da manha, pois tivemos que dirigir entre o hotel e o portao, preparar tudo etc, e andamos por umas 6 ou 7 horas ateh chegarmos no acampamento.
      Depois disso ainda faziamos uma caminhada de aclimatizacao, que significa “subir” mais um pouco a altitude, e assim seu corpo experimenta usar menos oxigenio por um determinado periodo – e logo depois descemos de volta ao acampamento, e assim conseguimos dormir melhor, pois a quantidade de oxigenio no ar eh mais alta. Entao isso faz com que seu organismo se ocostume lentamente com as oscilacoes de O2 na atmosfera, oque melhora nossas chances de adaptacao.
      Nos outros dias, nosso dia comecava as 6 da manha, quando eramos acordados pro washy-washy e cafe da manha – mais ou menos as 7 damanha comecavamos a caminhar, e o dia terminava de acordo com o progresso do grupo. Alguns dias andavamos cerca de 5/6 horas, outros dias andamos 8 ou 9, e no ultimo dia de subida, os que chegaram ate o final, andamos 16 horas seguidas (subida de 9 + descida de 7, + ou -) com apenas 1 hora de descanso! (e foi nesse dia que estourei meu joelho!). O jantar era sempre servido por volta das 6:30/7 da noite (dependendo de que hoas chegamos no acampamento) e as 8hrs jah estava no milesimo sono!

  2. isabel - 29/09/2010

    Que aventura!Sou adepta de caminhadas, mas nada que se compare…é preciso ter mesmo óptima preparação física para se conseguir o seu feito.
    As longas horas de caminhada,as subidas íngremes, a falta de oxigénio exigem treino mesmo. vc fez tudo direitinho e daí o sucesso!;)
    Adorei as fotos das crianças africanas..para eles, ver turistas é a animação do dia…semana..mÊs sei lá..quantos grupos passam lá por mês?
    Engraçado que na aldeia transmontana de onde são meus pais, quando aparece um grupo de turistas, toda a aldeia fica a saber :)
    Sai da rotina deles e adoram encontrar-se com eles e ouvi-los…:)
    .-= isabel´s last blog ..Paixões =-.

    • Adriana - 29/09/2010

      Nao sei quantos grupos passam por lah, mas sao poucos… ate porque nos fizemos a trilha menos usada, entao imagino que o contato deles com o resto do mundo seja bem restrito.
      Uma coisa que eu reparei eh que apesar de que a Tanzania recebe MUITOS turistas o ano todo, eh um tipo de turismo bem “cercado” onde turistas sao evados de um canto pro outro em carros fechados, sem andar nas ruas, e sem contato com a populacao local.
      Entao sempre que resolviamos sair do carro, parar nm vilarejo ou tribo qualquer, etc sempre era um acontecimento, todo mundo vinha nos ver, falar com a gente… as criancas entao faziam a festa por onde passavamos!

      • isabel - 29/09/2010

        Aí está a beleza das viagens!! o contacto com a realidade, coim a terra e suas gentes!Não consigo entender aquele turismo que fazem certas (muiiitas) pessoas, que viajam milhares de kms para ficar “trancados” num hotel, sem ter a curiosidade de ver o país real…mas as pessoas são diferentes mesmo..;)
        .-= isabel´s last blog ..Paixões =-.

  3. Stephanie - 29/09/2010

    Adorei o relato de como foi o primeiro dia. Agora eu tô começando a entender o porque de vocês começarem a se preparar para essa viagem tanto tempo antes. E seu joelho é bom viu, porque tenho certeza que o meu estouraria no primeiro dia.

    Por falar em joelho, o seu já está melhor? Beijos!

    • Adriana - 29/09/2010

      Ja! Praticamente novo em folha!
      Ainda nao consegui voltar a correr, mas essa semana ja voltei pra academia :-)

  4. Renata - 29/09/2010

    Nossa, Dri, pra mim que tenho hernia de disco e morro de dor na coluna, já tô cansada só de ver os seus primeiros dias de caminhada!!!!! Mas a sua conquista de ter chegado ao topo e alcançado seu objetivo vai marcar o resto da sua vida! Parabéns pela sua força de vontade!
    Agora que estou indo morar na África tenho pesquisado bastante. Vi que em cidades de Moçambique tem crianças que até choram de medo ao ver pessoas brancas… Forte né??!!! Se uma criança me olhar e chorar eu começo a chorar junto!!! :-(

    Bjs, Renata

  5. Nossa que aventura… acho (tenho certeza absoluta!) que eu nunca conseguiria fazer isso.
    Sou meio fresca para essas coisas…
    Mas adoro ver quem faça!
    Tô adorando os posts!

    Beijos
    .-= Nathalia T. | Coisas que Amamos´s last blog ..Clones- De listras =-.

  6. Lu Francesa - 29/09/2010

    Que experiência! Com certeza enriquecedor, mas não foi fácil, né? Eu jamais conseguiria,rs.

    beijocas,Lu.
    .-= Lu Francesa´s last blog ..Milão-Itália =-.

  7. dani - 29/09/2010

    q aventura mesmo!!!!
    cansei no seu primeiro dia hahahhaha
    não sou mt fã de caminhar…
    em janeiro estive nos lençóis maranheses e lá tb é assim quando vc chega todos correm pra te ver, as crianças fazem festa… parece outro país…
    bjos

  8. carolina - 29/09/2010

    Vc e o Aaron eram uns dos mais novos do grupo né?! Bacana ver pessoal mais velho encarando uma viagem pesada como essa.
    .-= carolina´s last blog ..E agora eu tô qualificada e ninguém vai me segurar!!!!!!!!!! =-.

    • Adriana - 29/09/2010

      Sim, e eu era a mais nova por vários anos!
      Mas vi bem idade esta na cabeça, e entre os “finalistas” no ultimo dia estávamos os 3 mais novos (eu, Aaron e um escocês) e o mais velho! Um senhor de 60 anos super em forma que desde o primeiro dia repetia mil vezes que ia chegar ate o fim.
      Os outros todos estavam numa de “vim pela experiência” e na verdade não estavam muito ligados se iam conseguir terminar ou não… Não conseguiram, mas não se importaram muito.

      • Juliana P. Galvão - 30/09/2010

        Em algum momento, devido ao cansaço, a altitude, etc, vcs pensaram também em desistir?

        • Adriana - 30/09/2010

          Nao!
          Teve umas horas que eu achei que nao seria fisicamente capaz de seguir em frente… as pernas nao funcionam, o pulmao nao funciona… mas mentalmente eu sempre soube que chegaria ate o final!

    • Wanessa - 30/09/2010

      Também foi o que mais me chamou a atenção, ver o pessoal mais experiente nas fotos. Quero ser assim daqui a uns anos!
      Estou adorando acompanhar os posts, Adriana, você foi muuuito corajosa!