04 Feb 2011
14 comentários

O Líbano na pratica

Beirute, Dicas de Viagens, Libano

Se eu falasse que não estava um pouco apreensiva antes de vir pro Libano, estaria mentindo.

Claro que quando sequer percebi uma remota possibilidade dessa viagem acontecer, me empolguei na hora, comprei guia de viagem, pesquisei possiveis “esticadas” depois do trabalho e tentar aprender e conhecer o maximo possivel do pais.

Mas a reação de todo mundo a minha votla não correspondia a minha empolgação… Meu chefe só falatava me implorar perdão por ter me incumbido com a tarefa de vir pra Beirute, o Aaron ficou peocupadissimo, e minha mãe coitada… apesar de dizer que de mim “espera tudo” me pediu relatos diarios, pra ter certeza que eu não estaria correndo risco nenhum…

E por mais que agora eu veja que 90% das reações sejam puro excesso causado por anos e decadas de midia cobrindo guerras, conflitos e “fanatismo” sobre o pais, ainda assim eu fiz questão de fazer bem meu dever de casa pra não me meter em problemas.

– Visto:

O primeiro ponto foi o visto de entrada. As informações na internet são confusas, alguns sites relatam as dificuldades incriveis de entrar no pais, enquanto outros falam o quão facil é.

Eu me certifiquei que não precisava aplicar pra visto com antecedencia, e tanto Europeus quanto Brasileiros podem pegar o visto direto no aeroporto.

Já para passaportes Americano as informações são mais confusas ainda, e a recomendação é que sempre se aplique para visto com antecendencia pois os criterios para deixar Americanos entrarem no pais ou não podem ser subjetivas…

O visto não custa nada, e nada mais é que um carimbo no passaporte, e na hora eles decidem quanto tempo voce pode ficar no pais – Eu ganhei o visto maximo, de 1 mes.

A unica exigencia que eles fazem é que é terminantemente proibida a entrada a qualquer pessoa que tenha carimbo de Israel no passaporte (que por sorte eu pedi que não carimbassem meu passaporte em Tel Aviv e funcionou), e mesmo pra quem não tem o carimbo, a instrução geral é nunca mencionar que vc já viajou ou pretende viajar a Israel, pois isso tambem seria motivo para negação de visto.

Mesmo no ambiente de trabalho eu tive que me policiar o tempo todo pra não mencionar o escritorio de Tal Aviv e o fato de que usamos os mesmo fornecedores, pois isso poderia causar problemas pro meu lado!

E realmente, como li alguns relatos, a menina que me atendeu na imigração verificou pagina por pagina, varimbo por carimbo, do inicio ao fim do meu passaporte! Não tem como escapar!

De resto, foi só preencher a ficha da imigração que nos deram no avião, e pronto!

– Dinheiro:

Uma vez já no pais minha dica numero um é em relação a dinheiro. A moeda oficial do Libano é a Libra Libanesa (identificada por LBP), que é daquelas moedas que nunca “cortaram 3 zeros” após anos de inflação e portanto tem uma cotação bem louca, e todos os valores são na casa dos milhares, centenas de milhares e milhões de Libras Libanesas!

O resultado? NINGUEM usa LBP na vida real. Então antes de vir pro Libano traga dinheiro vivo em dolares (US).

No geral os preços são baixos, mas bem em linha com preços na Europa, e ATM/caixa automatico são bem faceis de encontrar pela cidade, e ate mesmo os caixa eletronicos te dão a opção de sacar dinheiro em moeda local ou dolar… as lojas imprimem suas etiquetas com preços nas duas moedas e até memso o salario dos funcionarios do BAML é pago em dolar.

– Transporte:

Uma coisa que me impressionou foi a ausencia total de transporte publico em Beirute e pelo resto do pais. Existir até que existe (pelo que me falaram), mas eu não vi um unico onibus, uma unica estção de trem ou metro… E aparentemente os pouquissimos onibus que circulam pela cidade são caidno aos pedaços e super infrequentes, então as pessoas nem sequer cogitam a possibilidade de ir pro trabalho de onibus, por exemplo.

Já os taxis são abundates, e relativamente baratos (mas não achei baratinho nao! Qualquer corridinha de 5 minutos é 10 dolares prá cá, 15 doalres pra lá) mas fui insistentemente instruida pelo pessoal do escritorio e do hotel a NAO pegar taxi direto na rua. A grande maioria dos taxis não sao regulados, não tem taximetro, e uma vez lá dentro, eles vão fazer de tudo pra te cobrar o maximo possivel.

– Estrutura Turistica:

Como comentei nos outros posts, a cidade/pais esta sendo inteiramente reconstruida, depois de quase 2 decadas de uma guerra destruidora entre as decadas de 70 e 90, e mais alguns conflitos recentes no ano 2005/2006.

Grande parte da cidade já esta reconstruida, mais bonita do que nunca, oque inclui muitos novos hoteis de luxo.

Mas isso causa um problema para os turistas, pois as opções de hospedagem são reduzidas as opções de super luxo e as opções super-ralé, sem nada meio termo…

E isso tambem erflete um pouco na ausencia total de outras opções de turismo, porque né, convenhamos, pouquissimas pessoas no mundo veem o Libano como opções turistica. E os que o fazem ou tem muito dinheiro pra se encaixar na faixa “luxo” ou são mochileiros-aventureiros total e não se importam de esperar 5 horas na beira da estrada até o onibus chegar.

Então quando comecei a pesquisar possiveis opções de passeios pra esticar minha viagem no fim de semana, simplesmente não existe uma boa oferta de day trips ou passeios rapidos nos arredores da cidade. Então 99% das opções disponiveis, involvem motorista particular, roteiro exclusivo e coisas do tipo, que consequentemente disparam os preços nas alturas.

Minha escolha então foi seguir a recomendação da Fe Costa e contratar o memso motorista que ela usou quando veio ao Libano ano passado. Uma opção bem mais cara doque eu pretendia gastar para um passeio de 1 dia, mas na falta de outras opções, a dica dela foi otima e a unica maneira que consegui achar de conhecer um pouco mais do pais.

– Lingua:

A lingua oficial do Libano é o Arabe, mas TO-DO mundo fala Frances, em graus de maior ou menor fluencia, mas parententemente é a primeira lingua que as criancinhas aprendem na escola. E alem disso, o Frances e o Aarabe se misturam o tempo todo e é comum que no meio de uma conversa em Arabe voce escute um “Bon Jour”, “Merci”, “Bein Sur” e afins.

Comigo, e com outros estrangeiros a primeira reação dos locais é se sempre se dirigir aos turistas em Frances, mas no geral todo mundo fala Ingles fluentemente, do taxista, ou garçon, a atendente da loja ao carinha da esquina pra pedir informações, então achei bem facil ir e vir pela cidade (apesar das placas quase sempre em Arabe) posi sabia que numa aperto, sempre teria alguem pra me ajudar em INgles ou Frances.

– Voce sabia….

Que no Brasil tem mais Libaneses que no Libano?!

Acho que essa foi a frase que mais ouvi essa semana. De alguma maneira, eles sentem um orgulho tremendo e uma certa participação na colonização e no desenvolvimento do Brasil….

– Como se vestir:

Essa era outra coisa que me preocupava um pouco, e nos poucos segundos que tive pra fazer as malas antes da viagem, confesso que me deu um certo panico… mas como vim pra trabalhar, isso ficou mais facil, pois afinal não uso mini saias nem decotão pra ir pro escritorio! Então usei as mesmas calças sociais, terninhos e saias do meu dia a dia em Londres.

Mas oque reparei nas ruas é que no geral Beirute é uma cidade super ocidentalizada, e as pessoas se vestem “normalmente” – vejo muito mais mulheres usando Burqas em Londres doque vi em Beirute!

As meninas do escritorio usavam saia, sapato alfo, braços e pescoço de fora, e em momento algum quando andei sozinha pelas ruas (inclusive de noite) me senti ofendida ou chamando atenção demais por ser estrangeira ou atraindo atenção id=ndesejada de homens locais (que era uma missão na Turquia, Egito, Marrocos…). E até mesmo vi algumas meninas correndo no calçadão usando shortinho e camiseta regata, como veriamos em Ipanema!

Claro, eu estou aqui em plano inverno, entao é normal que as pessoas se vistam mais conservadoras e “cobertas” mesmo, e não sei se no auge do verão com o calor na casa dos 50 graus se as diferenças culturais do guarda roupa seria mais gritante (ocidentias = semi nuas; Arabes = cobertas da cabeça aos pés), mas arriscaria a dizer que não.

Uma coisa que reparei bastante em Dubai por exemplo é que mesmo as lojas de roupas e marcas “ocidentais” vendiam suas peças em modelagem oriental/arabe, com saias compridas, mangas compridas e golas comportadas, calças de modelagem mais larga etc, enquanto que aqui as vitrines estão recheadas das mesmas mini saias, decotoes e calças skinny que vemos nas vitrines da Zara, H&M, Promod e afins nas ruas da Europa.

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
14 comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!
14 comentários
  1. Mari Campos - 04/02/11 - 21h19

    Belo post, Dri! Que bom ler tudo assim, tintim por tintim, tipo beabá. Depois de ler muito o blog do @gabebrito, ando mesmo pensando super nos chamados “destinos exóticos”, incluindo o Líbano.

    Responder
  2. […] This post was mentioned on Twitter by Andrea and kahcl, Adriana Miller. Adriana Miller said: O Líbano na pratica – http://goo.gl/NrO3b via @DriMiller […]

    Responder
  3. CarlaZ - 05/02/11 - 11h15

    Sabe que uma menina do meu trab é filha de Libaneses então a gente ta sempre enchendo ela de perguntas, curiosidades…
    Ano passado ela foi pro Líbano e Vi as fotos e escutei varias historias. Lembro que vi nas fotos as pessoas vestidas normalmente e tal…a família dela é católica e o guia dela por lá foi até um padre! Também conta que mais nova já foi em estação de esqui no Líbano e é tão estranho pra nós brasileiros escutar isso…
    Essa coisa da comunidade libanesa ser maior no Brasil que no Líbano é muito doido…
    Quando ela chegou fiquei cheia de vontade de ir…

    Responder
    • Adriana - 07/02/11 - 00h39

      Pois é, apesar de ser um pais predominantemente Muculmano, eu acho que vi mais igrejas (ortodoxas, catolicas e outras vertentes cristas) que mesquitas, e no escritorio do BAML, a grande maioria era crista.
      E mais, o papo da semana no escritorio era a qualidade da neve nas pistas de esqui perto de Beirute e todo mundo combinando de ir esquiar no sabado e domingo!
      Definitivamente um novo mundo que eu nunca imaginava!

      Responder
  4. aline - 06/02/11 - 11h27

    Dri,
    tem algum lugar que vc nao iria de jeito nenhum? ou tenha medo? ou nao tenha interesse msm?

    Responder
    • Adriana - 07/02/11 - 00h36

      Bem, nao iria a lugares em guerra ou com conflitos violentos, onde minha vida pudesse estar em perigo real…
      Por isso cancelei a viagem a Tunisia semana que vem, e cancelaria uma viagem ao Egito se fosse esse ano por exemplo.
      Mas não sei se existe lugar algum no mundo que não teria curiosidade de conhecer…
      Se me mandassem pra Bagdad ou Kabul amanha, com garantia se segurança total, eu iria sem pestanejar, dando pulinhos de felicidade! :-)

      Responder
  5. Alexandre Assis - 10/02/11 - 16h01

    Olá , vou a Beirute a trabalho não falo Inglês e nem Frances mas a pessoa que vai comigo fala as duas linguas , queria saber se o homem precisa usar turbante e se existe a possibilidade de encontrar pessoas que falam português ?….obrigado

    Responder
    • Adriana - 10/02/11 - 19h44

      Turbante?!?!?
      Nao, claro que nao…

      Bem, a possibilidade de encontrar alguem que fale portugues sempre existe…. mas seria uma coincidencia e nada mais…

      Responder
  6. […] como comentei em outro post, a estrutura turistica do Libano ainda é bem precaria, e as agencias, ou guias são escassos […]

    Responder
  7. Carolina - 31/05/11 - 17h43

    Olá! Irei para o Libano em Agosto. Minha primeira viagem de avião e sozinha. Não sei falar nenhuma outra lingua que não seja o Portugues. Voce acha que eu terei muuuuuita dificuldade no Aeroporto na hora da Alfandega? Pois passando pela alfandega há uns amigos que irei encontrar que estarão a minha espera no aeroporto. Estou tão empolgada e quase desesperada! Grata!

    Responder
  8. Carolina - 31/05/11 - 17h47

    Olá! Irei para o Libano em Agosto, minha primeira viagem de avião e sozinha! Somente sei o Portugues, nada mais. Terei muita dificuldade em passar pela alfandega? Irei encontrar alguns amigos que estarão me esperando no aeroporto. Mas o problema é no aeroporto! Vc que já passou por isso, por favor, me diga se será muuuuito muuuuito dificil. Estou ansiosa e desesperada! Grata!!!

    Responder
  9. Camila - 27/10/11 - 16h33

    Oi,eu estava pesquisando porque pretendo encontrar meu amore e amigos no libano por alguns dias,é também minha primeira viagem pra fora do país.Pesquisei em sites dizendo que precisamos comprovar que temos emprego fixo no Brasil.(cada site diz uma coisa como você mesma mencionou)Você saberia me dizer se isso procede?eu trabalho com eventos,vez ou outra mas estou desempregada..

    Responder
    • Adriana Miller - 27/10/11 - 16h44

      OI Camila,
      A melhor coisa a fazer eh confirmar direto com a emabaixada do Libano, pois soh eles terao as informacoes atualizadas e relevantes para seu caso.
      mas geralmente pedem comprovante de emprego fixo, mas nao sei quais sao as especificacoes para o LIbano.

      Responder
  10. Camila - 26/11/11 - 14h15

    Oi Adriana,
    obrigada pela resposta,sim de fato liguei para mais informaçoes e me foi avisado que posso embarcar sem visto e obtelo no aeroporto de lá sem problemas..eu perguntei sobre o emprego,foi avisado também que não é necessario.
    E como foi citado no texto não se paga nada pelo visto por um periodo de 1 mes :) que será o tempo maximo de estadia mesmo ;) bjos

    Responder