25 Mar 2011
24 comentários

Na estrada de Damasco

Dicas de Viagens, Siria

A expressao ” A estrada de Damasco” eh muito comummente usada para caracterizar um momento de “iluminacao” na vida de alguem. Eh a”estrada” metaforica percorrida por quem esta perdido, e de repente se encontra. Ou por aqueles que enfim acham sua razao, seu chamado na vida.

A Damasco de hoje eh dia eh muitos vezes associada a Guerra, aos conflitos do oriente medio, os radicais Islamistas e os ditadores militares – mas a origem dessa expressao eh 100% Biblica, e faz referencia ao caminho feito pelo apostolo Saulo (que depois de convertido virou Paulo), cego, entre Jerusalem e Damasco, onde ele saiu da cidade santa pelo portao de Damasco e seguia a estrada por onde passou por um momento de iluminacao e se converteu ao Cristianismo – e entao virando um dos maiores pregadores da fe crista pelo mundo.

Outra lenda que cerca a fama milenar de Damasco tem origem Islâmica e diz que o profeta Maomé, voltando de sua viagem a Mecca, avistou Damasco de cima das montanhas e se recusou a entrar na cidade – ele disse que só queria entrar no paraiso uma unica vez: quando morresse.

Entao, como era de se esperar, Damasco eh uma cidade cheia de contrastes e cheia de conflitos e cheia de historias pra contar.

Damasco eh, supostamente, a cidade mais antiga do mundo pois tem se mantido continuamente habitada ha mais de 8.000 anos (apesar de que Jerico, na Palestina diz ter 10.000 anos… mas o criteiro “continuamente habitada” eh questionavel…) e eh onde fica a rua mais antiga do mundo (que exista regristro historico, cep e tudo mais) – a Rua Direita, onde Saulo foi recebido por Judas e Ananias e finalmente recebeu seu milagre e teve sua “iluminacao”.

A Damasco moderna eh enorme, complexa, confusa e poluida, sem o charme a opulencia da vizinha Beirute, mas é na Cidade Antiga onde tudo aconteceu!

A cidade já foi tão disputa ao longo dos seus 8.000 anos de historia, e tantos diferentes imperios e colonizadores já deixaram sua marca por ali que um ditado Sírio diz que “todo homem tem duas nacionalidades: a sua propria, e a Síria”.

A entrada principal da cidade eh pelo portão que fica entre os muros da Citadela, onde esta a estatua de Saladin e onde comeca o maior e principal Souk da cidade, o Souk coberto al-Hamidiyya.


A cidade tem varios outros, e cada um tem sua especialidade em mercadorias. Esse Souk eh antiquissimo, ja foi recontrstuido diversas vezes mas mantem seu ar de decadencia. Soh pra dar uma ideia, a sorveteria ja existe por ali e faz parte da mesma familia ha 150 anos!
Uma das caracteristicas principais dos mercados de Damasco eh o teto de ferro, que protege lojistas e fregueses do sol impiedoso do Oriente Medio.

Mas soh quando chegamos no outro lado do Souk eh que finalmente temos ideia do quão antigo aquela area da cidade eh, e a quantos milenios essa mesma rua é usada por comerciantes… Quando finalmente o mercado se reabre para a cidade, damos de cara com as colunas gigantescas do antigo Templo de Jupiter, de origem Greco-Romana, que por sua vez o conquistaram do Fenicios, que por sua vez o conquistaram dos Aramaicos e que ali estabeleceram um tempo que ja foi o maior da regiao e que abrigava o principal mercado da rota Oriental da Seda – o mercado de Damasco.

Nessa mesma praca esta a atracao principal de Damasco, a gigantesta e imponente Mesquita do Omíadas (Mesquita Umayyad, que ja mostrei “ao vivo” aqui nesse video!), que é uma das maiores mesquitas do mundo, e a mais antiga (foi a primeira grande Mesquita construida pelos Omíadas, que como contei aqui foi a primeira linhagem de seguidores do profeta Maomé na fé Islamica).

Originalmente a “estrutura” foi controntruido pelos Aramaicos no ano 3.000 a.c. e era um templo ao Deus Hadad, e mencionado no Livro dos Reis do Velho Testamento) e fazia parte do mesmo conjunto de templos que existem em Palmira (norte da Siria) e Baalbek no Libano.

E antes mesmo de virar mesquita, quando o Imperador Romano Constantino se converteu ao Cristianismo (e consequentemente todo o imperio Romano) no seculo 3d.c., ele transformou o altar pagão to templo numa basilica em homenagem a São Joao Batista.

E até hoje João Batista (que também é considerado um profeta Islamico) é a atração central da mesquita, com um santuario construido bem no meio do edificio, onde supostamente sua cabeça esta sepultada.

Então finalmente em 636 d.c. os Muçulmanos conquistaram Damasco, e tranformaram a Basilica Romano-Bizantina em Mesquita. A recontrução levou 7 anos, e quase levou a Siria a falencia, tamanha a opulencia da construção… mas hoje pouco sobrou dos mosaicos de ouro original – pois Damasco também foi conquistada e dominada pelos Mongois, que fizeram sua parte na devastaçnao e deixaram suas marcas.

Entrar na Mesquita realmente é impressionante, e apesar de ser um lugar tão sagrado na fé Islamica, turistas e não-muçulmanos também são bem vindos, tanto no patio, quanto no interior da mesquita – porém mulheres (e homens que não estiverem “descentes”) tem que alugar uma “burqa”, que vem em diferentes tamanhos, pois precisam te cobrir exatamente da cabeça aos pés.

O engraçado é que no video, as duas turistas que eu filmei estavam com sua “burqa” aberta, e logo depois elas levaram bronca para se cobrirem melhor. E eu tambem levei uma bronca pois deixei o capuz da minha cair (estava olhando pra cima, tirando foto dos mosaicos) e meu cabelo ficou a mostra.

Dentro da Mesquita ainda é possivel ver as colunas da estrutura original do templo Aramaico e Greco-Romano.

Saindo da Mesquita, a cidade antiga é um emaranhados de ruelas e mercados, e um deles é o Souk al-Bzouriyya (que aparece no video) que esconde outra joia de Damasco, o Palacio Khan As’ad Pasha, que tem oito domos, geometricamente organizados e decorados com suas listras (que me lembrou bastante o interior de origem Arabe da Catedral de Cordoba), com uma abertura central, que ilumina uma fonte interna.

Mas é impossivel andar pela cidade antiga sem admirar uma das suas principais caracteristicas: as casas tradicionais de Damasco, com suas tipicas janelas de madeira trabalhada (muitas delas caindo aos pedaços e/ou sendo transformadas em Hotel Boutique ou restaurantes de calibre internacional.

 

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
24 comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!
24 comentários
  1. Carla Soar - 25/03/11 - 10h39

    Êêê que delícia… minhas raízes sirio-libanesas andam deleitadas com estes ultimos posts… Obgda

    Responder
  2. Joaninha - 25/03/11 - 10h51

    Video é video e fotos são fotos!
    Grande passeio por uma das cidades que nunca me tinha suscitado interesse, talvez por nunca ter gostado muito de História.
    Parabéns Dri, continue, sou fã.
    bjs,
    Joana

    Responder
    • Adriana - 25/03/11 - 11h06

      Pois eh!
      O video mostra uma perspectiva diferente do lugar, mas nada como boas fotos pra capturar bem a “memoria”!

      Manina, como voce pode nao gostar de historia?!?! :-)

      Responder
  3. Raquel - 25/03/11 - 11h33

    Oi Adriana,

    Uma dúvida: todas essas informações históricas não devem ser lá muito fáceis de conseguir, principalmente num país de língua e cultura tão diferente . São dos guias (impressos) de turismo da região ou você consegue saber mais um pouco com as pessoas locais, guias contratados etc? Ou rola um google mesmo?
    Boa semana!!

    Responder
    • Adriana - 25/03/11 - 11h36

      Eu gosto de pesquisar bastante sobre um destino antes de viajar, entao ja sei mais ou menos oque esperar, oque gostaria de conhecer etc.
      Mas sempre compro guias de viagem (que trazem sempre muito informacao), alem de sempre pegar folhetos de informacao turistica e tals.
      Geralmente nao contrato guias em minhas viagens, entao aprendo sozinha mesmo. Mas como fiz esse passeio pra Damasco com um guia, ele tambem nos contou bastante coisa legal sobre a cidade.

      Responder
  4. Joaninha - 25/03/11 - 11h35

    Ohhh Dri, sempre fui um zero à esquerda a História, mas confesso que tenho feito um esforço e tenho melhorado e aprendido muito.(Talvez tenha tido maus professores de História, que não captavam a minha atenção…não sei) Além disso adoro viajar e nessas alturas gosto de saber a história do país.alem de fazer sempre uma enorme pesquisa antes de ir para qualquer lado.
    Mas adoro ler todas as informações que escreve sobre os locais onde vai.
    Continue!
    bjs,

    Responder
  5. Sandra - 25/03/11 - 13h38

    Nossa Adriana, amei as fotos!! Que atmosfera mágica! Estou louca pra conhecer um país muçulmano, duro vai ser convencer o meu marido, pois ele tem “medo” de tudo que se refere ao islã, acha perigoso e tal, muito do medo dele é devido aos ataques terroristas que acontecem por ai… mas acho que o Libano ou Síria não são tão extremistas né? Muito interessante as informações que vc. trouxe também.
    Sehr schön!! Abraços

    Responder
    • Adriana - 25/03/11 - 14h02

      Nao, nada extremistas!
      Achei inclusiv bem mais seguro que Turquia por exemplo, e menos radical que Dubai.
      Mas te entendo… eu fui sozinha e fui numa boa. mas quando falei pro Aaron que ia pra Siria ele quase teve um enfarto, acho que era uma missao suicida, e que com certeza eu ia morrer numa atentado terrorista pela caminho…
      Hhahahahhaha
      E olha que passei horas do meu dia andando pela cidade sozinha, sem guia nem ninguem, soh eu e minha camera, e em nenhum momento me senti desrespeitada (como me sentia a todo momento no Egito ou Marrocos) ou ameacada (como no Egito) ou com falta de seguranca (…convenhamos, como no Brasil, infelizmente!).
      Foi bem tranquilo!
      Mas talvez comece por um pais muculmano mais “cafe com leite” que tenha uma infraestrutura mais moderna (como Dubai, que apesar de radicais, tem uma fama pacifica), ou entao num esquema tipo escrusao de agencia, onde vcs serao “protegidos” o tempo todo, e talvez ele se sinta mais confortavel.

      Responder
  6. Aline - 25/03/11 - 14h47

    Oi Dri,

    Aff!Eu me senti tão ignorante lendo este post! Agora bateu curiosidade de conhecer!
    Drieverywhere.net é cultura!

    Esse foi um dos melhores que eu li!

    bjs

    Responder
    • Adriana - 25/03/11 - 15h26

      POr isso gosto tanto de viajar! Olha o tanto que aprendo mundo afora?!?! :-)
      Sala de aula nenhuma substitui…

      Responder
  7. Fernanda - 25/03/11 - 15h32

    Adorei o vídeo e as fotos!! E se Damasco não é muito bonita, Beirute deve ser mesmo incrível(porque pelo que mostraste, achei Damasco bem bonita). Com relação à instabilidade na região, tinha guardas armados na rua como nos outros países, aquela coisa toda? Bjs

    Responder
    • Adriana - 25/03/11 - 15h46

      Em Beirute sim, bastantes e em todas as esquinas. Mas em Damasco nao vi nenhum…

      Responder
  8. Juliana P. Galvão - 25/03/11 - 17h45

    Onde ficou hospedada???

    Responder
    • Adriana - 25/03/11 - 19h14

      Em Beirute!

      Responder
  9. Ana - 25/03/11 - 17h53

    Oi Adriana!
    Uma perguntinha :-)
    andando por esses Souk, tu ñ vistes joalheria? Digo, já ouvi falar que ouro no oriente médio é de melhor qualidade e preço. É verdade? Muito obrigada.

    Responder
    • Adriana - 25/03/11 - 19h14

      Sim, centenas!
      mas essa coisa de “custo beneficio” é relativo né?
      Provavelmente joias no mercado de Damasco é mais barato que na Tiffany’s de LOndres, mas não quer dizer que seja barato…
      Joia é comodity e é caro no mundo todo…

      Responder
  10. A Damasco Bíblica - 25/03/11 - 19h42

    […] contei no post sobre Damasco, a cidade é cercada de lendas, metaforas e historias, mas muitas delas são muito bem documentadas […]

    Responder
  11. Luciana - 26/03/11 - 01h07

    Oi Dri!
    Esses seus comentários estão muito bons… Fiquei encantada com a aulinha de história, muito boa!
    De tudo que você viu nestas duas viajens, o que mais fez mudar sua opinião em relação ao que pensava antes de conclui-las? E como não poderia deixar passar: Que foto mais interessante essa última. Realmente, um dia a casa cai kkkk…

    Responder
  12. Helena - 26/03/11 - 23h28

    Dri,
    Como é que você faz foto panorâmica? Eu tenho uma máquina bem parecida com a sua, mas eu acho que é mais antiga (Sony DSC-H50). É alguma opção da máquina ou é algum programa especial?

    Responder
    • Adriana - 27/03/11 - 19h02

      Eh uma função na própria máquina, mas só os modelos mais recentes da Sony (a partir do HX1) eh que tem.
      Hoje em dia ainda não são todas as câmeras da Sony que tem, mas a maioria dos modelos novos já tem.

      Responder
      • Helena - 28/03/11 - 02h18

        Ai, arrasadaaaa! Sou louca por foto panorâmica. Agora vou ficar ligada. Da próxima vez que trocar de máquina com certeza esse vai ser um requisito indispensável!
        Mas de qualquer forma obrigada pela informação!!!!
        Bjks

        Responder
  13. marcinha - 30/03/11 - 18h53

    nao faço a menor questao de conhecer esses paises muçulmanos…xiitas
    gosto do capitalismo moderno
    da modernidade..
    talvez no maximo
    turquia e egito e marrocos….

    Responder
    • Adriana - 30/03/11 - 19h09

      Ainda bem que nem todo mundo pensa assim, né?
      Mas ferias são ferias, e cada um viaja pra onde gosta e faz oque gosta :-)

      Responder
  14. Carlos Ramalho - 02/10/14 - 01h27

    + Paz
    Atualmente sou estudante de filosofia, por por obrigação do próprio curso, aliado a minha curiosidade, acabei “caindo” aqui, ao buscar sobre São João de Damasco ou Damasceno.
    Gostei das fotos e o histórico de cada, que coloco o visitante deste site no contexto atual e histórico. Não imaginava que Damasco fossa assim tão intrigante e importante para o mundo cristão, islâmico dentre outras religiões e povos. Parabéns pelas exposições das fotos. (eu também sou aficionado pela arte de fotografias). Pena que não estão disponíveis os videos.

    Abraços cordiais.

    Responder