13 Jun 2011
33 comentários

Romenia

Bucareste, Dicas de Viagens, Romenia, Transilvania

A Romenia eh geralmente considerada o “velho oeste” da Europa: Costumes e folclores “barbaros” que parecem terem parado no tempo; pobreza, analfabetismo e inseguranca. Ciganos, bruxas e vampiros.

Com a entrada do pais na Comunidade Europeia em 2007, parece que coisas soh pioraram para a imagem do pais, ja que muitos dos outros estados membros nao queriam a Romenia na “panela”.

Entao apesar de ser o pais cacula da EU, a Romania ainda opera sob regras especiais e varios outros paises foram autorizados a criar suas proprias regras locais que impecam que os Romenos tenham os mesmo direitos de ir e vir que seus vizinhos Europeus. Entao ter o passaporte Romeno nao necessariamente permite trabalhar em toda Europa, estudar em toda Europa e afins (eu ja quase entrei numa fria por ter recrutado uma menina Romena pra trabalhar no escritorio de Milao e a empresa quase teve que pagar uma multa milionaria pois Romenos precisam de visto pra trabalhar na Italia, mesmo sendo parte da EU!).

Mas o pior foi que ao abrir as portas da Europa aos Romenos, a enchurrada de imigrantes foi tanta que varios paises fizeram pesquisa sobre “aumento de criminalidade”, “Indice de inseguranca” etc, etc, ligados aos imigrantes Romenos. Basta ler posts e artigos sobre golpes e crimes nas capitais Europeias e voce vai ver que quase todos sao relacionados a imigrantes Romenos.

Conhecer a Romenia, mesmo de longe, pode ser um choque cultural pra quem acha que tudo na Europa eh lindo, glamuroso e perfeito.

Entao quando comentava com amigos, colegas e conhecidos que estava planejando uma viagem a Romenia, recebi os olhares mais assustados e desconfiados do mundo!

Romenia?!?! Pra que?! Porque?!

Mas desde que comecei a trabalhar com Romenos ha uns anos atras e comecei a viajar pelos Balkans a vontade de conhecer o pais so aumentou!

Seu eu ja acho a regiao dos Balkans fasciante, por todo seu misterio, distancia e historia, Romenia entao estava no topo da lista!

Mas nao da pra negar que ficamos com receio sim… Sera que eh seguro? Sera que eh facil de viajar? E a estrutura para turistas?

Entao comecou a relaidade: o pais tem muito a oferecer, mas o dificil mesmo eh saber oque sao essas coisas!

A estrutura turistica praticamente nao existe… Pouquissimas opcoes de voos para o pais, poucas opcoes de hoteis, principalmente na categoria “media” – ou voce paga precos de “Europa” para ficar em hoteis de rede de luxo, ou entao encara um muquifo acima do bordel (que foi nossa opcao).

Alugar carro eh barato, mas as estradas sao pessimas, pouca sinializacao e de dificil navegacao. Trens sao velhos e lentos, e as estacoes sao perigosas. Passeios e day tours atendem apenas a viajantes com muito tempo nas maos e dinheiro no bolso, nao encaixando no perfil de viagens economicas curtinhas que geralmente fazemos.

Tentar conhecer esse pais em apenas 2 dias eh impossivel, entao com as passagens na mao ficamos perdidos sem saber exatamente oque fazer, onde ir, e como fazer.

Mas pelo menos foi facil concentrar os esforcos: tinhamos apenas 3 noites e 2 dias inteiros por la, e a unica coisa que queriamos mesmo conhecer era a Transilvania. O resto era lucro!

Acabei reservando um apartamento de temporada no booking.com e li alguns comentarios sobre o passeio deles na Transilvania – entao numa paulada soh, resolvemos nosso problemas! Acomodacao baratinha (e fuleira) e passeio pela Transilvania com guia e transporte particular (fazendo o roteiro que queriamos, mas pagando menos da metade do preco que vimos em outras agencias!).

Nos ficamos hospedados no Best Flat Apartments bem no centrao de Bucareste, que eh gerenciado pelos irmaos Adrian e Valentin. Ja aviso a quem quiser seguir a dica que a primeira impressao eh pessima! Apesar de estar bem no centro historico de Bucareste e num bairro considerado bom, o apartamento fica mesmo, em cima de um strip club, e foi um susto quando o Valentin (um dos irmao e que foi nos buscar no aeroporto) parou o carro ali na frente… a primeira reacao foi “pronto, caimos no primeiro golpe!”. Mas o apartamento em si eh otimo, super novinho e limpo, ideal pra quem quiser passar bastante tempo (eh tipo um kitinete, com cozinha, banheiro, wifi gratis, TV a cabo e afins), apesar de ficar num predio velho e mal cuidado, que correspondia exatamente a ideia que eu tinha sobre as cicatrizes deixadas pelo comunismo no pais…

A lingua ajuda a se virar entre o caos e a falta da estrutura. O Romeno eh uma lingua latina, e muito, muito parecido com o Italiano. Entao ler placas, sinais e informacoes nao foi dificil, apesar de que a fonia da lingua eh bem diferente (soa como uma lingua Eslava, meio Russo, mas na verade sua origem – e que deu origem ao nome do pais – eh Romana, e a populacao se considera “latina”).

A moeda eh o “Leu” (plural = Lei) mas o Euro era facilmente aceito, e de maneira geral os precos (ainda) sao muito baratos mesmo em comparacao com outros paises Europeus, mesmo os vizinhos do Leste.

Mas oque mais me atraia em uma viagem a Romania (vampiros e Dracula a parte) eh justamente essa coisa “selvagem” que eles ainda vivem. A Romania eh um dos poucos paises Europeus que ainda sao autenticos.

A “maquina” da Comunidade Europeia pode ate ser otima para varios paises pelos mais variados motivos, mas por outro lado, por onde passa, deixa o rastro de uniformidade… os precos aumentam, as cidades se modernizam.

Nao to dizendo que isso seja uma coisa ruim, e realmente a populacao soh tem a ganhar nos proximos anos, mas se voce pretende conhecer a Romenia, a hora eh agora!

Enquanto os ciganos ainda nao sao uma profissao regulamentada (a EU quer regulamentar a “profissao” de ciganos e bruxos na Romenia, assim como fizeram com a prostituicao na Holanda), enquanto Zaras e Starbucks nao ocupam cada esquina, e enquanto nao existem gift shops na saida dos castelos do Dracula.

As coisas mudam rapido, e a evolucao chega voando, mas a Romena ainda tem o gostinho de que parou no tempo, e mesmo cheio de contrucoes, reformas e modernizacoes, ainda tem aquele jeito de Europa do leste como eu sempre imaginei.

E quanto aos Estereotipos e medos pre-viagem?

Todos falsos!

Os Romenos que conhecemos foram incrivelmente simpaticos, alegres e hospitaleiros. Honestidade eh honra, e eles teem um orgulho de sua cultura que da gosto de ver!

Com ou sem vampiros, a historia de lutas e guerras esta na ponta da lingua, e eles sabem que eh questao de tempo ate que a fama de sua historia, beleza e cultura se espalhe pelo mundo.

Pode perguntar a vontade sobre o Dracula, mas cuidado ao fazer compracaoes com a Bulgaria, evite falar da Turquia, e nunca jamais confunda Bucreste com Budapeste! (Os Hungaros sao seus arqui-inimigos historicos, e os Romenos detestam ver sua cidade confundida – Gafe ja cometida por varias celebridades que visitaram o pais!).

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
33 comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!
33 comentários
  1. Liana - 13/06/11 - 20h39

    Eu tava curiosa pra ler seu post da Romenia.
    Até trabalhar quase 2 anos numa sala com 2 romenos, não sabia de nada sobre eles. Sinceridade? tive uma impressão muito negativa. Comportamento, educação, e de tanto ouvi-los falar romeno o dia inteiro, meu nível de tolerância foi lá pra baixo.
    Então a Romenia foi caindo pro fim da lista de lugares a conhecer nos próximos anos!
    Mas quem sabe começo a rever meus conceitos lendo sobre Bucareste..

    Responder
  2. Yago - 13/06/11 - 20h44

    Não tem mais fotos?

    Responder
    • Adriana - 13/06/11 - 20h49

      Calma….
      Claro que tem mais fotos. Virão nos proximos posts!

      Responder
  3. Marta F - 13/06/11 - 21h57

    Bem, estive a ver mais fotos suas na Roménia no Flickr do Aaron.

    Responder
  4. Camila Navarro - 13/06/11 - 22h19

    Ih…. O Flickr do Aaron tá acabando com o suspense. ;) Pelas fotos dele eu já gostei da Romenia. Lindas construções antigas já me conquistam de cara.

    Responder
    • Adriana - 14/06/11 - 09h05

      Isso eh trapaca! :-)
      Sim, a Romenia eh MUITO mais bonita doque eu imaginava!
      A gente ate brincou dizendo que ia ter que “enfeiar” um pouco as fotos no Photoshop porque os lugares eram bonitos demais pra serem Transilvania… hehehhe

      Responder
  5. Si - 13/06/11 - 23h58

    Como vc mesma disse eles nao gostam de compara;oes com a Bulgaria, mas ca entre nos, esses dois paises sao bem parecidos?
    Eu trabalho com uma Bulgara e ela nunca fala abertamente da rixa entre seu pais e a Romenia, mas aqui e acola solta umas q fica subentendido.
    Qual sua opiniao sobre o assunto?
    Post muito bem escrito por sinal!

    Responder
    • Adriana - 14/06/11 - 09h03

      Sim, super parecidos!
      Mas oque percebi eh que os Bulgaros nao suportam os Romenos, mas os Romenos nao estao em ai pros Bulgaros (eles detestam mesmo sao os Hungaros….).
      Mas eh aquela coisa meio PortugalxEspanha ou BrasilxArgentina… pode ter rixa, pode reclamar do vizinho… mas nao da pra negar que os paises sao muito parecidos!

      Responder
  6. Wanessa - 14/06/11 - 01h13

    Enfim matarei minha curiosidade…
    Adorei o post. A ideia que eu tenho da Romênia é bem parecida com a sua descrição, um lugar ainda autêntico, sem sinais do “banho de loja” que a entrada na União Européia já levou para outros países do leste. Mas muita gente não gosta de lugares assim. Quando estava planejando viagem para Budapeste, li muitas críticas à cidade – que era perigosa, feia, escura, velha e mal cuidada. Mas eu vi tanta beleza naquele ar meio decadente! Gosto da aparência mais real, nada cenográfica, de lugares assim… E olha que tenho a impressão de que Bucareste está muuuuuito atrás de Budapeste nesse processo de pasteuriz… digo, de modernização! Vou já ver mais fotos no Flick do Aaron!

    Responder
    • Adriana - 14/06/11 - 09h02

      Eh isso mesmo! Voce conseguiu comentar exatamente oque tentei descrever no post. A entrada na Uniao Europeia da um banho de loja nas cidades, mas tambem cria um clima pasteurizado… tudo igual… e as cidades (principalmente as do leste) perdem um pouco seu charme “selvagem”.
      Eu nao vou ha Budapeste ha anos, mas mesmo assim na epoca (ha uns 5 anos atras eu acho!) eles ja estavam ha anos luz na frente de Bucareste.
      Eu imaginava Bucareste muito pior, justamente porque todo mundo pinta essa imagem negra de “porta dos fundos” da Europa, entao foi uma otima surpresa – mas ainda assim ainda tem muuuuuuito que fazer e concertar por la ate eles chegarem num padrao Europeu mesmo.

      Responder
      • Wanessa - 14/06/11 - 12h42

        Vi as fotos do Aaron e me pareceu um lugar fascinante! Vocês também pegaram uns dias lindos, de muito sol!
        Na minha próxima viagem à Europa, vou procurar incluir uns três ou quatro dias num desses locais mais “exóticos” que você visita a partir de Londres. O mais perto que cheguei disso foi indo à Polônia, que adorei, por sinal. Daqui a pouco, isso tudo vai ser passado!

        Responder
        • Adriana - 14/06/11 - 12h52

          Pois eh, os dias estavam bonitos ate demais! Nem um pouco “vampirescos” nem assustadores… heheheh
          Eu acho que vale demais a pena conhecer um pouco desse “lado B” da Europa, enquanto eles ainda existem! Pouco a pouco estao todos sendo uniformizados e desenvolvidos da mesma maneira.
          Eu tenho muitos amigos e conhecidos Poleneses por exemplo, e ate pouquissimos anos atras eles nao podiam nem sequer comprar barras de chocolate, por exemplo, pois era considerado luxo consumista.
          Hoje em dia qualquer cidade da Polonia tem Zara, Top Shop, Starbucks, Pizza Hut etc.
          Isso eh tudo OTIMO pra economia local, e ate mesmo como estrutura turistica, mas nao da pra pensar no quanto esses lugares estao perdendo em sua “autenticidade”…

          Responder
          • Wanessa - 14/06/11 - 23h09

            Menina, a Polônia é um dos melhores exemplos desse processo. Hoje, até já exporta marca, como a Inglot! Vários blogs brasileiros já falaram de produtos da marca, sempre comprados em Londres, Nova York…

            Responder
  7. isabel Moura - 14/06/11 - 09h17

    Muitos dos preconceitos sobre a Roménia devem-se aos milhares de imigrantes que literalmente invadiram os “velhos” países da UE.
    A maioria, pelo menos em Portugal, são pobres e dedicam-se ao negócio de ferro velho ou…pedir esmola.
    E é esta última actividade que deixa os nacionais desconfiados.O que a mim mais me choca é o facto de eles colocarem crianças a fazer dessa prática uma profissão…
    Mas não censuro o facto de virem para cá. Vêm como qualquer outro emigrante,em busca de uma vida melhor para eles e seus filhos.

    E qual é o português que pode condenar isso,sendo que o nosso país é um país de emigração?

    Gostei do post.Vc surpreende e nos educa. Obrigada!

    Responder
    • Adriana - 14/06/11 - 10h25

      Com certeza!
      Lembro que em minha cidade em Portugal, que era tudo tao pacato e tranquilo, quando chegavam os ciganos (sejam Bulgaros ou Romenos) ficava aquele panico generalizado, todo mundo guardando os carros das garagens, trancando as portas de noite, as criancas nao podiam ficar jogando na praca ate de noite… E geralmente era justamente quando os ciganos estavam pela redondeza que tinhamos problemas de furtos, brigas em bares e tal…
      E hj em dia, tudo que vemos de golpes e confusoes nas capitais europeias, quase sempre sao devido aos imigrantes desse lado do leste Europeu.
      Cada um com seu estigma, neh?
      Os Portugueses serao os eternos padeiros e feirantes, e os Romenos serao os eternos ciganos.

      Responder
      • isabel Moura - 14/06/11 - 18h45

        Mas é estranho como se conseguem distinguir os recém chegados romenos (chamados Roms em certos países europeus como FRança) e os “ciganos”.

        Os ciganos já andam por cá há mtos anos: costumavam morar em barracas, bairros de lata, sem nenhuma condição de higiene.
        Hoje vivem mais em bairros sociais: casas “oferecidas” a preço da chuva pelo Estado.
        O problema é o efeito ghetto. JUntá-los todos num mesmo prédio pode imaginar a confusao…esses bairros são evitados pelos não ciganos. Muitos desses prédios estão completamente destruidos…eles nunca foram educados para viver em prédios…é um facto.
        É difícil eles se integrarem.Frequentam pouco as escolas. Ficam se pela primária…o essencial para aprender a ler, escrever e contar…elementos fundamentais para a actividade predestinada: comércio.
        Geralmente nas feiras, mas muitos envolvidos em negócios ilícitos. È um facto.
        Daí todas as crianças terem medo dos “ciganos”..ainda hoje se ameaçam as crianças dizendo…”lha que vem aí um cigano que te leva”, como se ele fosse o bicho papão…

        Os romenos que chegaram há meia dúzia de anos, parece me na minha modesta opinião, que se tentam “enquadrar” mais…é claro que há de tudo…
        Há sim as redes mafiosas viradas para furtos (da qual fui vitima há bem pouco tempo), mas também há casais, com filhos,que trabalham e apenas querem sobreviver dignamente.

        desculpe eu me “esticar” mas acho q este tema dá pano para mangas como se costuma dizer…:)

        Responder
  8. Isabel O., Portugal - 14/06/11 - 09h27

    Olá A
    Eu também tinha uma má opinião, por todos os motivos que foram descritos.
    Mas, há pouco, passou na nossa televisão (canal 2) um Programa interessantíssimo chamado “Viajante Desconhecido”, de um autor/escritor de viagens português chamado Tiago Salazar, e achei muito bonitos e diferentes os locais por onde ele andou.
    Não foi possível colar o link mas acho que os documentários fazem mesmo o seu estilo e estão disponíveis on-line. Ele fez um périplo sobre os países menos conhecidos da Europa e viaja por eles de forma menos esteriotipada que o comum. É engraçado que o último vídeo é precisamente é de Chipre, onde tb já esteve.
    Foi ainda à Hungria,Malta Eslováquia, Lituânia, Estónia,Letónia, Rep Checa, Polónia…
    Se for no futuro a alguns destes locais, tente ver os programas. São uma boa fonte de inspiração.

    Responder
    • Adriana - 14/06/11 - 10h22

      Que legal! Goistei da dica!
      Acho que ja ouvi falar no Tiago Salazar, ele escrevi um blog, que depois virou livro, neh? OU sera que era outro viajante Portugues?
      Ja fui a todos esses paises, mas em Julho vou a Lituania e Letonia, entao vou tentar achar os videos deles!
      Obrigada pela dica!

      Responder
      • Camila Navarro - 14/06/11 - 12h30

        Então você “enfim” vai a Letônia e Lituânia? rsrs Explico: eu vou em agosto e durante o planejamento fiquei sempre pensando que eram dois dos poucos países que me interessam e que você ainda não conhece. Estava sentindo falta das suas dicas (principalmente de hospedagem!). Mas agora você vai ainda antes de mim e terei tempo de pegar umas dicas de última hora. ;-)

        Responder
        • Adriana - 14/06/11 - 12h49

          Sim!! Enfim vou conhecer o resto do Baltico!
          Vou pra la no ultimo fim de semana de Julho entao ainda deve dar tempo de voce pegar umas dicas! :-)

          Responder
  9. Isabel O., Portugal - 14/06/11 - 12h08

    É só colocar no google o nome do autor e do programa que chega lá.
    Tb tem uma pág. no facebook.
    Um outro autor muito conhecido por cá (dei um livro dele ao Ricardo Freire quando nos encontrámos) e que tb deve fazer imenso o seu estilo é o Gonçalo Cadilhe. Esse faz mesmo de viajar a sua vida e tem feito livros/programas sobre os périplos de Fernão de Magalhães ou Fernão Mendes Pinto (lembra destas personagens históricas do tempo escolar?), por exemplo, ou outros sem esse carater historiográfico. Mas sempre com uma preocupação de entender o outro de forma cativante. Há uns anos, deu uma volta ao mundo sem (quase) usar o avião, ando em cargueiros e outros meios menos usuais hoje em dia. Quando li a sua viagem no Nepal, lembrei-me dele.

    Responder
    • Wanessa - 14/06/11 - 12h53

      Isabel, já li o Planisfério Pessoal do Gonçalo Cadilhe e achei ótimo! Peguei a dica no VnV mesmo. Esse livro é o que você falou, sobre a viagem de volta ao mundo que ele fez sem usar avião (a menos que esse fosse o único meio de transporte viável em algum trecho). Passou por lugares tão diferentes! Aliás, nem tão diferentes para os padrões da Adriana! rsrsrs Os relatos dele são emocionantes.

      Responder
  10. Isabel O., Portugal - 14/06/11 - 14h28

    Por mais coisas negativas que a Net possa ter, esta troca é uma coisa fascinante e insubstituível.

    Responder
  11. Michelle - 14/06/11 - 15h28

    Dri, ja comentei por ai pelo seu blog… sou nova no pedaco e estou adorando. Fico imaginando como vc consegue convencer o Aaron de ir nesses lugares ‘exoticos’. Tbm sou casada com um americano e eh super dificil de convence-lo a ir nesses lugares. Ele eh bem mente aberta se comparado a uns outros americanos que conheco, mas ainda assim tem alguns preconceitos com relacao a alguns lugares. E olha que ele ja rodou o mundo… pra sorte dele moramos nos EUA, entao essas viagens saem caras e longas e sempre ficam pra terceiro/quarto plano. hehe Estou a caminho pra Londres em algumas semanas… imagina so se esbarro com vc na rua! Parabens pelo blog!

    Responder
    • Adriana - 14/06/11 - 16h26

      Tai uma coisa que todo mundo me pergunta… Mas sei lah.
      Acho que ele eh uma Americano “diferente”, e definitivamente eh bem mais mente aberta doque qualquer outro Americano que conheca. Mas isso foi uma cosa que foi evoluindo com o tempo e tal… quando nos conhecemos ele ja morava na Europa a mais de 1 ano e ainda nem tinha saido da Inglaterra, porque nao sabia como viajar sozinho, nao conhecia as outras linguas e tal. E acho que essa eh a diferenca mesmo. Depois que vc comeca a viajar e ve que no fundo no fundo, nenhuma viagem eh um bicho de 7 cabecas…
      E pra falar a verdade, quem decide, pesquisa, plaenja etc nossas viagens sou eu! As vezes ate da um pitaco ou outro, mas geralmente eh so “aviso” que dia tal do mes tal nos vamos viajar pro lugar tal. Ate hoje ele nunca descordou das minhas sugestoes! :-)

      Responder
      • Michelle - 14/06/11 - 18h55

        Ele que nao vai discordar neh? Se ta funcionando bem assim e ele curte as viagens, discordar pra que? : ) Meu marido tbm eh bem mente aberta porque ja viajou o mundo inteiro, mas pra nenhum destino ‘exotico’. Ele ainda tem uns preconceitos dificeis de tirar… o maior deles eh que ele nao come salada nem nada cru do Mexico pra baixo, incluindo o Brasil. Ele diz que se nao pode beber agua da torneira, como pode lavar os vegetais com agua da torneira? Minha mae mente pra ele dizendo que lava tudo com agua mineral quando estamos no Brasil… ate hoje ele nao passou mal. haha Agora vou virar figurinha reperida aqui nesse blog.

        Responder
  12. Igor - 15/06/11 - 18h08

    Belo post. É bom desmistificar países como a Romania que são belíssimos e escondem uma cultura ainda intocada. :)

    Mas alguns dos estereótipos ainda podem ser notados no post. Claro, é uma visão de turista numa viagem bem curtinha, mas como ex-morador dos Balcãs dá pra ver que ainda tem muita coisa não observada.

    Recomendo um passeio mais longo pela Transilvânia! Fiz uma viagem de carro/caminhão por essa região e foi inesquecível. O povo Romeno é fantástico!

    Mas ainda sim bem interessante! :)

    E pra galera dos comentários, gente não confundam “Roma” (ou Roms) com o povo Romeno, hein. :)

    Responder
  13. Jackie - 16/06/11 - 23h34

    Eu imaginava a Romenia mt distante de nos, bem diferente, mas estou estudando com duas romenas no mestrado e temos, obvio, uma historia diferente, mas nossos idiomas pelo menos não são tão diferentes porque são origin[arios do latim, né ? às vezes elas levam livros e dá pra entender mais ou menos o que dizem. E eu pensava que tudo na europa do leste era povos eslavos, mas os romenos são latinos.
    Bom, eu num fui mas gostei de saber que a culinária local é forte em sopas, pq eu adoro =)
    E pelas fotos, a impressão tb é bem distinta do que eu esperava, mais colorida.
    bjs,

    Responder
  14. Jose Luiz - 25/06/11 - 22h45

    Minha esposa e eu estamos “destrinchando” o site de vocês. Em maio do próximo ano, vamos à Itália e meu sonho é conhecer um pouco do leste europeu. Sempre pensei na Romênia como opção, e lendo, vendo as fotos, achamos que é é uma excelente opção.
    Será que é fácil encontrar vôos de Roma à Bucareste ? Pensamos em não ficar além de um dia/noite em Bucareste, mas se quisermos conhecer a Transilvania, vale a pena mais um dia ?

    Esta dica que você dá do hotel, também oferece passeios para a Transilvania ?
    Obrigado!

    Responder
    • Adriana - 27/06/11 - 10h17

      Nao sei qual cia aerea faz Roma Romenia, mas com certeza deve ter alguma! :-)
      Se a intencao for apenas conhecer Bucareste, apenas 1 noite eh suficiente, mas se vcs quiserem conhecer a Transilvania precisam de no minimo mais um dia por la.
      Os passeios que fizemos na Transilvania e Wallachia foram todos organizados direto com os irmaos donos do apartamento onde ficamos.

      Responder
  15. Jose Luiz - 30/06/11 - 03h21

    Obrigado Adriana!

    Se você puder e ainda tiver, há como indicar estes “irmãos”. Pesquisei por algo sobre passeios que saem de Bucareste para a Transilvania e Wallchia, mas é um tanto restrito e dificil encontrar na web alguma coisa.

    Meu e-mail: jlcatap@yahoo.com

    Outra pergunta: É necessário visto para a Romênia, ou basta o passaporte?
    Parabéns pelo site!

    Att.
    Jose Luiz

    Responder
    • Adriana - 30/06/11 - 06h47

      Oi Jose Luiz o site e o e-mail deles (Valentin & Adrian) esta nos posts sobre a Romenia.
      Sobre visto, Europeus e Americanos não precisam, entao imagino que Brasileiros tb não precisem…

      Responder
  16. […] teve um feriado na Romenia, onde fomos conferir de perto as lendas do Dracula na […]

    Responder