11 Oct 2011
3 comentários

Sultanato de Omã

Dicas de Viagens, Oman

O Sultanato de Omã eh um pais de historia milenar, que ocupa a ponto leste da penisula Arabe, fazendo fronteira com os Emirados Arabes Unidos, Arabia Saudita e Iemem, sendo a “porta” de entrada para o Golfo persico.

E eh justamente essa sua posicao estrategica que fez com que a regiao fosse sempre alvo dos conquistadores, desde que se tornou parte do Imperio Persa no seculo VII, marcando o principal caminho comercial entre o oriente medio e a Asia.

Os persas dominaram a regiao por quase mil anos, ate que em 1508 os exploradores Portugueses invadiram a capital Mascate (ou Muscat), tambem de olho no dominio das vias comerciais do mar do Golfo.

Como eu comentei no post sobre Bahrain, os Portugueses tinham duas “bases” na regiao, sendo que o principal polo comercial era em Muscat, enquanto que a ilha de Bahrain oferecia melhor protecao contra inimigos e acesso a recursos naturais (Oma eh um deserto rochoso, enquanto que Bahrain tinha inumeras fontes de agua natural). Dali, por quase 2 seculos inteiros os Portugueses controlaram o comercio entre a Asia e as Indias e o oriente Medio, assim como as colonias do leste Africano.

Mas a festa dos Portugueses durou pouco, e no seculo 18, a regiao foi mais uma vez reconquistada pelo Imperio Otomano, e desde entao o pais intitui um regime de Sultanato, que prevalece ate hoje.

O Sultao de Oma ocupa o posto maximo de poder do pais, e eh um dos 4 Sultanatos ainda existentes na modernidade (os outros sao Brunei, a regiao de Yogyakarta, na Indonesia e sete dos 9 governantes da Malasia).

O Atual Sultao, Qaboos bin Said Al Said que governa desde 1970 e faz parte da linhagem que governa o pais ha cerca de 250 anos – e aparenta ainda ser muito popular no pais, tendo governado Oma de maneira pacifica e aberta, ao mesmo tempo que guia o pais para se manter a par da evolucao da regiao do Golfo. Sua principal caracteristica atual eh a a politica pacifista anti-terrotista que tem mantido firme e forte frente ao ocidente e ao oriente. Ao mesmo tempo que ele nao se compromete com as faccoes extremistas Islamicas, ele tambem nao tem tomado as dores de nenhuma super potencia do ocidente.

Recentemente Oma apareceu nas manchetes de jornais no mundo todo, quando auxiliou a negociacao de libertacao de dois refens Americanos que estavam presos no Iran ha cerca de dois anos.

Mas Oma se diferencia de seus vizinhos em varias areas, sendo a principal delas o tradicionalismo. Apesar de serem considerados um regime Islamico liberal, O Sultao mantem regras bem tradicionais no que diz respeito a arquitetura e construcao, por exemplo, educacao e acesso a recursos.

Uma das primeiras coisas que me chamou atencao ao chegar em Oma foi a ausencia dos arranha-ceus e a ostentacao generalizada, principalmente estando recen chegada de Dubai e Bahrain. O pais me pareceu muito mais “Oriente Medio” doque “Golfo”, com seus tons terrosos e construcoes de baixo porte.

Mas isso nao eh apenas uma questao estetica, pois Oma nao tem as mesmas quantidades de pocos de petroleo como seus vizinhos, e portanto, proporcionalmente nao eh um pais tao rico.

Eu ADOREI ter tido a oportunidade de finalmente conhecer Oma, e apesar de ter ficado poquissimo tempo, achei que foi um daqueles lugares que da vontade de voltar outras vezes, e pretendo em breve voltar com o Aaron e explorar um pouco mais do interiro do pais e os canyons do deserto!

Oma na Pratica:

– Eu voei de Dubai pra Muscat com a FlyDubai, a linha low cost do Golfo. Apesar de ter comprado uma passagem de super ultima hora, ainda assim paguei super pouco, incluindo as taxas pra despachar bagagem na ida e na volta! Mas como em Dubai eles nao cobram impostos, mesmo com as taxas extras (low cost SEMPRE tem taxa extra) meu voo ida e volta custou menos de 100 dolares.

– Oma exige visto de entrada para quase todos os visitantes, a nao ser para os portadores de passaporte do GCC (Gulf Countries Community), que deve ser requisitado com antecedencia ao consulado/embaixada do pais. Porem algumas nacionalidades (incluindo paises Europeus, EUA, e Brasil) podem recolher o visto na entrada, direto no aeroporto de Muscat.

– O Visto quando recolhido na entrada custa 20 OR (Omani Rials), mas se voce estiver viajando internamente entre os paises do golfo, e principalmente se estiver vindo dos Emirados (como foi meu caso), o visto nao eh cobrado, pois os dois paises tem um acordo interno.

Ao contrario de seus vizinhos do Golfo, Oma nao recusa a entrada de viajantes que tenham o visto de Israel no passaporte (que mais uma vez prova sua posicao “neutra” politicamente pacifica na regiao), mas eu li em alguns foruns que volta e meia eles implicam com portadores de passaportes Israelitas.

– Eu fiquei hospedada no hotel Delmon apartments, super baratinho e super simples. Mas apesar da simplicidade, eles tem wifi de graca, restaurante (com room service), TV a cabo com varios canais em Ingles e outras menidades basicas. Infelizmente esse hotel nao eh muito central em relacao a parte turistica da cidade, mas como eu ia ficar poquissimo tempo e sabia que faria uma tour com guia (em vez de fazer um passeio independente) a localizacao do hotel nao fez muita diferenca.

– Meu guia/motorista em Muscat foi recomendado pelo hotel, e eu super recomendo pra qualquer pessoa que va a Muscat um dia: o Sr. Mussa tel +968 99836634 eh super simpatico e gente boa, sabe tudo sobre o pais e a cidade e me fez sentir bem vinda o tempo todo! (eu ate conheci a familia dele!). Ele me disse que nao tinha e-mail de contato, mas quem nao queiser ligar pra entrar em contato com ele, pode mandar um e-mail pra uma de suas filhas, no endereco: dar.al-uons@hotmail.com

 

 

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
3 comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!
3 comentários
  1. Sara - 12/10/11 - 00h19

    Devo confessar que eu não fazia ideia sequer que um sítio chamado Oma, existia. Ignorância a minha!

    Responder
  2. […] E Setembro ainda trouxe uma nova viagem a trabalho inesperada: voltei ao Oriente Medio, dessa vez na Penisula do Golfo onde fui a Bahrain, Dubai e Sultanato de Oma. […]

    Responder
  3. Marcela - 21/01/19 - 14h33

    Olá Adriana. Tudo bem? Você tem outro telefone do seu guia? Estou tentando contato mas diz que o número não existe. Grata

    Responder