12 Jun 2013
9 comentários

Les Baux de Provence

Dicas de Viagens, França, Les Baux, Provence

Muitos séculos antes de sua fama turística, Les Baux já exercia um domínio na região – só que era um domínio feudal: os senhores feudais que moraram no castelo de Les Baux ao longo de várias gerações dominavam cerca de 79  cidades da vizinhança, controlando o fluxo comercial, de impostos e pessoas da vizinhança.

O feudalismo acabou no século 12, e a cidade foi assimilada pelo reino Francês até que no século 15, a cidade foi doada a família Grimaldi, de Mõnaco, que até hoje usa o título “Marquis des Baux” para identificar o herdeiro do trono (mais ou menos como a coroa Britânica usa o título “Principe de Gales” para identificar o herdeiro ao trono).

Hoje em dia a realidade de Les Baux é muito diferente, mas sua presença na lista das cidades mais bonitas da França (“Les Plus Beaux Villages de France”, assim como Gordes) garante que essa cidadezinha esquecida no tempo continue no topo da lista de quem visita a Provence.

Eles vivem inteiramente do turismo, com uma população oficial de apenas 22 residentes!

Outra característica de Les Baux são seus minérios, principalmente um derivado de alumínio, que foi descoberto nos arredores da cidade (e que portanto em Francês tem o mesmo nome, “Bauxite”), mas que depois de séculos de exploração desenfreada, deixaram apenas grutas e minas vazias…

Mas para uma cidade que vive de turismo, isso não chega a ser um problema, e uma de suas principais atrações atualmente é a gruta-galeria “Carrières de Lumières”, com exposições interativas de arte e música nas paredes da gruta (que foi um sucesso absoluto com as crianças da viagem!).

Eu sei que descrever uma cidade como essas falando que “parou no tempo” é mega clichê, mas realmente não consigo encontrar outros adjetivos!

A autenticidade e o peso dos séculos de história estão em cada esquina, com aquela sensação de tudo ainda esta no mesmo lugar, mas sem estar caindo aos pedaços.

A atração principal é o castelo, que hoje em dia esta em ruínas, mas ocupa uma posição de destaque no topo da cidade, dominando a paisagem e impossível de ignorar!

Lá em cima ha pouco pra ver – mas basta olhar pra baixo e se maravilhar! É de lá que temos as melhores vistas de Les Baux e é possível apreciar o domínio e imponência da cidade em sua vizinhança!

No caminho para Les Baux fica Saint Remy, outra das principais cidade da Provence, mas que infelizmente não conseguimos visitar (preferimos passar mais tempo e visitar Les Baux com calma), mas com um pouco mais de planejamento, pelo pouco que vimos, vale demais a pena parar por lá!

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!
Adriana Miller
9 comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!

9 comentários
  1. Ana Claudia - 12/06/13 - 15h41

    Oi, Adriana! Que delícia dar uma conferida no seu blog (faço isso habitualmente) e dar de cara com “Les Baux de Provence”. Estive lá nas minhas férias do ano passado…amei o local!!! Realmente a região é muito interessante. Parabéns pela escolha. Ah! E parabéns pelas fotos lindas!

    Responder
  2. Larissa Lyra - 12/06/13 - 23h59

    Adriana, achei tudo tão encantador nessa viagem que estou até reconsiderando a ideia de não voltar a França tão cedo. Que lugares lindos! Só uma dúvida: Sei que alugar um carro é a melhor alternativa, mas, como não ainda não tive coragem nem vontade de dirigir na Europa (até porque por vezes viajo sozinha), fiquei pensando se seria possível, embora com alguma dificuldade a mais, visitar esses destinos usando transporte público. Fiz isso na Itália, achei excelente! Visitei lugares pitorescos e MUITO isolados. O que você acha?

    Responder
    • Adriana Miller - 13/06/13 - 07h43

      Infelizmente nao…
      Na verdade eu achei bem estressante dirigir por lá (as estradas nao sao das mais fáceis) entao procuramos alternativas, mas nessa região (com o roteiro que fizemos) transporte publico nao é uma opção…

      Responder
  3. Leo - 13/06/13 - 10h15

    Ei, Dri. Nossa, acabamos de passar por aí também. Acho que só não nos encontramos porque porque o mistral levou meus óculos e não consegui enxergar mais nada.

    Responder
  4. Melisa - 26/11/13 - 12h11

    Ola Dri,
    Estamos planejando uma viajem para Provence com minha familia (irmas,pais, cunhado e meus 2 filhos de 4 e 6 anos). Gostaria que vc me sugerisse alguns lugares interessantes. Pretendemos alugar um carro, dormir em algum castelo, passear por por alguns lugares…O que vc me indica?

    Responder
    • Adriana Miller - 27/11/13 - 14h53

      Oi Melisa,
      Todas as minhas dicas e recomendações estão nos posts sobre a Provence, da uma olhadinha :-)

      Responder
  5. Melisa - 26/11/13 - 12h12

    Outra duvida, qual a melhor epoca para fazer esse passeio com as criancas? E que possamos ver os campos de Lavanda.
    Obrigada
    Melisa

    Responder
    • Adriana Miller - 27/11/13 - 14h54

      Os campos de lavanda só florescem entre Junho e Agosto, mas a cada ano essa data varia de acordo com o clima, então é difícil prever exatamente.
      Nos fomos em Junho pra evitar o calorao de julho e Agosto (por causa das crianças) e acabamos nao vendo as lavandas…

      Responder
  6. Eduardo Molla Dubeux - 24/11/14 - 09h13

    Daí saiu minha família que defendeu a França por seculos dos mais violentos invasores para outros países. após a revolução francesa nosso nome foi alterado para Dubeux. A família é descendente do Rei mago Baltazar, Noé, Seth (irmao de Caim e Abel)
    Matusalém, Conde Maurício de Nassau. É gratificante ver a satisfação de quem visitou. Só pra constar, a bandeira com brasão da casa des baux possui uma estrela de 16 pontas que representa que conheciam pessoalmente Jesus. É como uma certificação naquela época.

    Responder