30 Nov 2016
4 comentários

Como vestir Crianças e bebês no frio

Baby Everywhere, Dicas Aleatorias & Genericas

Todos os anos vai chegando essa época de Outono/Inverno no hemisfério Norte e as perguntas sobre o clima e temperatura começam a pipocar: o que vestir, como se proteger, etc, e a dúvida sempre é maior quando se trata de crianças, principalmente quando temos que lidar com temperaturas diferentes das que estamos acostumados.

Como vestir Crianças e bebês no frio

Brasileiros sempre acham que as crianças estão morrendo de frio, e os Ingleses sempre acham que as crianças estão morrendo de calor!

Eu já fiz vários outros posts sobre roupas de frio, como se vestir no inverno e tals (Outros posts e dicas sobre como se vestir no frio), mas então dessa vez preferi fazer um vídeo e ir mostrando cada (tipo) de peça, como os visto e como monto os mini-looks para deixar a Isabella e o Oliver bem protegidos do frio.

 

Créditos e produtos mencionados no vídeo:

Ítens para bebês:

Body sem perna: http://fave.co/2gUZaW4
Camisetas kimono: http://fave.co/2gUPw5V
Bodies de manga comprida e pézinho: (para meninos) http://fave.co/2gI5w8D (para meninas) http://fave.co/2gULfiW
ou (minha marca preferida!) meninos: http://fave.co/2gI8lpY  Meninas: http://fave.co/2gUU2Sb
Jaquetas e casacos forrados: http://fave.co/2gULfiW
Kit completo para frio: http://fave.co/2gIaMsV
Snowsuit ou Pramsuit (macacão de inverno): http://fave.co/2gUSY0A
Gorros que cobrem as orelhas: http://fave.co/2gI5cXt

Socks ON (para segurar meias): meninos: http://amzn.to/2gUXdt4 meninas: http://amzn.to/2fCD76D

Ítens para crianças maiores:

Leggings: http://fave.co/2gUUdwP
Camisetas de manga longa: http://fave.co/2gUMU82 ou http://fave.co/2gUW5pd ou http://fave.co/2gUQbEF
Meia calça grossa, de algodão: http://fave.co/2gIbiH2 ou http://fave.co/2gUWgRe

Roupas térmicas:

Leggings: http://fave.co/2gUUxLE
Meias e meia calça: http://fave.co/2gIbZQE
Camisetas: http://fave.co/2gIeq5T
Blusas de gola alta: http://fave.co/2gUVdRy

Botas de inverno: (meninos) http://fave.co/2gUNVwS (meninas) http://fave.co/2gIaiCT

Gorros que cobrem as orelhas e luvas: (meninos) http://fave.co/2gURnb7 (meninas) http://fave.co/2gUOiaK

Casacos de inverno: (meninas) http://fave.co/2fBqd4p
(meninos) http://fave.co/2gIg8Eq

A Isabella tem esse http://fave.co/2fBovQF e esse que mostro no vídeo http://fave.co/2gIciLo

Opçoes de casacões tipo macacão: http://fave.co/2gURYtn

Footmuffs para carrinhos (cobertor de carrinho) http://fave.co/2gUO8Ai ou http://fave.co/2gURUtA ou (para opções mais genéricas e que servem qualquer modelo de carrinho) http://amzn.to/2gwQ2DG

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

 

Me Acompanhe!

Além de todas as dicas que eu posto aqui no blog, você também pode me acompanhar nas redes sociais para mais notícias “ao vivo”:

 

Adriana Miller
4 comentários
09 Nov 2016
2 comentários

Myanmar com crianças – a nossa experiência

Ásia, Baby Everywhere, Bagan, Dicas Aleatorias & Genericas, Myanmar, Viajando com crianças

Volta e meia recebo e-mails e comentários sobre algumas de nossas viagens menos convencionais, com a dúvida: “da pra fazer a viagem X com crianças?”, “você acha tranquilo viajar para o lugar Y com crianças?”.

E a resposta é quase sempre a mesma: depende de você.

Você é “tranquilo” quando viaja? Então provavelmente vai achar tranquilo levar seus filhos a qualquer lugar. Mas se você se estressa facilmente, então consequentemente, qualquer viagem com seus filhos vai causar ainda mais estresse.

Nos realmente não somos pais “convencionais” nesse sentido, e sempre acho um jeito de fazer com que qualquer viagem ou destino se adapte à nossa família (que já cresceu mais um pouco!), com alguns cuidados básicos, mas principalmente, tendo plena consciência de que viajar com crianças impõe muitas limitações.

Na escolha de qualquer destino é preciso alinhar a expectativa com a realidade, entre tudo que o lugar oferece, versus o que realisticamente da pra fazer levando em consideração a idade (e estilo/temperamento) do seu filho.

E Myanmar não foi diferente. Provavelmente teria sido o tipo de lugar onde nós teríamos preferido não levar a Isabella, caso tivéssemos essa opção (como por exemplo, quando fomos ao Peru, e ela ficou com meus pais no Rio), mas como a escolha era entre “leva-la” ou “não ir”, não pensamos duas vezes na hora de incluí-la em nosso planos.

Então esses foram os pontos que eu levei em consideração na hora de planejar uma viagem para Myanmar com uma criança de 3 anos:

Escolha do hotel:

Sempre que viajamos para lugares mais diferentes, principalmente na Ásia/Africa, e países que tem lingua e costumes muito diferentes do nosso, eu tento optar por hoteis de rede internacional. Isso é uma garantia de que o nível de inglês dos funcionários será bom e poderão nos ajudar numa emergência (médica, por exemplo), e até mesmo com coisas corriqueiras do dia a dia (como por exemplo no Japão, que não conseguia achar papinhas prontas de jeito nenhum, até que a recepcionista do hotel nos deu a dica de um supermercado a poucos minutos de distância. Ou na Russia, que nos perdemos com o taxista que não falava nem uma palavra de Inglês, e foi uma funcionária do hotel que ficou guiando ele por telefone até nos encontrarmos novamente).

Mas como comentei no post sobre o hotel que ficamos, quando estava planejando nossa viagem, ainda não existiam hoteis internacionais em Bagan, então queria ter certeza que o hotel escolhido não era muito “local”, e que tinha boas resenhas em relação ao seus serviços e atendimento a estrangeiros.

Porque quando viajamos com crianças temos que estar preparados para emergências, e gerealmente o hotel é seu porto seguro, então o mais básico do básico é conseguir se comunicar bem.

Além disso, tem também o conforto – hotel que seja limpo, confortável (e ofereça caminhas extras ou berços, por exemplo) e com algum tipo de entretenimento infantil, caso seja uma viagem onde você sabe que vai passar bastante tempo no hotel.

E por fim, e principalmente nessa viagem, um hotel que tenha restaurante próprio, com opções internacionais (mais fácil de agradar o paladar infantil, se as opções de comida sejam mais familiares). E nesse caso específico, além da Isabella (com 3 anos na época), eu estava grávida e não me sentindo muito bem, então ter opções variadas, frescas e agradáveis de comida eram essenciais.

Programas

É aí que entra a questão da “expectativa X realidade” da viagem.

Viajar com seus filhos é uma delícia, mas também muito limitante – são vários horários/passeios/programas/lugares que eles simplesmente não podem participar, e você tem que estar consciente disso pra evitar se decepcionar.

Então em Myanmar sabíamos que não seria possível passar o dia todo perambulando entre os templos e visitar dezenas deles por dia, sem compromisso, nem horário pra comer, descansar etc.

Até que conseguimos assistir alguns por do sol em templos, mas na maioria dos dias nos alternávamos entre que saía do hotel pra assistir o nascer ou por do sol nos templos, enquanto o outro ficava no hotel com a Isabella.

E sabíamos que teríamos que fazer nossas refeições no hotel, e evitar grandes aventuras gastronômicas.

E tudo bem. Sabíamos de tudo isso, e fez parte da viagem. Sem arrependimentos nem ressentimento de estar perdendo alguma atração imperdível da viagem.

Uma coisa que nã queríamos deixar de fazer era o passeio de balão – uma de nossas opções era fazer o voo de balão em dias separados (assim um de nós estaria no hotel com ela) – mas conseguimos boas referencias e um hotel que oferecia serviço de baby sitter, então conseguimos fazer o passeio juntos.

 

Horários e rotina

Quando nós viajamos, eu sou “flexível” e anti-frescura em relação a um monte de coisas que em casa sou mais linha dura, mas uma discuplina que não abro mão (dentro do possível) é de manter a rotina e horários da Isabella ao máximo possivel, principalmente na rotina da noite.

Então jantávamos no hotel, e logo depois voltávamos pro quarto, e era hora do banho, leite, historinha e cama.

Então não visitamos nenhum templo a noite, a não ser os que conseguíamos ver pela nossa varanda.

 

Frescuras em geral

Geralmente quando me perguntam sobre “viagem com crianças” em lugares considerados mais exóticos, a grande preocupação é em relação à limpeza e higiene de certos lugares.

Então se você é semi-viciada em álcool gel, e a louca do esterelizador, sem dúvidas o Myanmar não é o lugar ideal pra levar seus filhos!

Claro que um hotel bacana ajuda (o hotel era limpíssimo e a comida muito boa, e nada que um belo banho no fim do dia não lavasse numa boa!), mas de resto, ficamos ao deus-dará! Não tinha lugar pra lavar as mão antes de comer os lanchinhos, os templos não permitem sapatos, então andávamos descalças pra cima e pra baixo todos os dias (e os templos são imundos por dentro), e ela literalmente deitava e rolava na terra, com as crianças locais, pelos templos etc.

Claro que tentei tomar as precauções possíveis (principalmente em relação a comida – nada pior pra estragar uma viagem do que uma infecção alimentar!), mas sou do time que acha que criança tem mais é que se sujar mesmo e uma bela dose de “vitamisa S” (de sujeira!) só nos faz bem!

 

Ou seja, resumidamente, a viagem foi tranquilissima e uma delícia para nós três!

Nossas expectativas estavam alinhadas em relação ao que dava e não dava pra fazer, sabíamos que daria trabalho mante-la entretida o tempo todo num lugar que não tem nada “de criança” pra ela fazer (nenhum parquinho, nenhum playground e coisas do tipo, apenas a piscina do hotel), e vigilância triplicada nas escadarias e ruínas dos templos, sem perde-la de vista nenhum milimésimo de segundo num destino onde ela era considerada tão “exótica” e recebia tanta atenção dos locais (não me incomodo e até acho engraçadinho quando recebemos atenção “coletiva” como família, mas bloqueava toda e qualquer atenção exagerada pra cima dela).

Levamos brinquedos, livrinhos e o iPad recheado de filminhos e desenhos preferidos para os momentos de emergência, e em nenhum momento ela reclamou, ficou chata ou entediada – então o balanço final da viagem foi super positivo!

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
2 comentários
08 Aug 2016
17 comentários

Dicas de viagem da Disneyland Paris (Euro Disney): Como são os parques, como chegar, hotéis, alimentação, custos, etc

Baby Everywhere, Dicas de Viagens, Disneylandia Paris, Europa, França, Viajando com crianças

Durante nossa viagem para a Disneyland Paris eu recebi muitas perguntas, e entendo o porque; Se você resolver pesquisar sobre a Disneyworld na Florida, o que mais tem por aí são sites e blogs especializados que explicam todo o passo a passo de absolutamente tudo que você possa imaginar.

Já para as outras Disneys espalhadas pelo mundo (não só a Européia, mas também a Chinesa, Japonesa e até mesmo a da Califórnia), geralmente se resumem a relatos rápidos que quem aproveitou outra viagem para dar uma passadinha por lá. O que também é totalmente compreensível, já que nenhum dos outros parques d Disney tem a mesma magnitude (em todos os sentidos) do que a Flórida.

E tampouco vou tentar escrever um super guia e me fingir de expert, porque realmente não sou. Mas o legal de ter recebido tantas perguntas, é que acabei prestando atenção em coisas que passariam despercebidas, e como ficamos 3 dias por lá (a maioria das pessoas acaba indo para apenas 1 dia) conseguimos testar e aproveitar o parque sob um outro angulo de vista (essa já foi minha terceira visita à Disneyland Paris, e pela primeira vez passei mais que um dia bate e volta vindo de Paris).

 

  • Parques

Minha primeira visita à Disneyland Paris foi em 1994, num parque pequenininho, recém inaugurado. Depois voltei em 2005, num bate e volta congelante no meio do inverno Francês, e passamos apenas algumas horas.

Disneyland Paris

Então foi meio surpreendente me deparar com um parque tão maior, com mais brinquedos, mais parques e uma infra estrutura bem diferente.

Sim, ainda é infinitamente menor que o parque da Flórida (já já falo sobre isso), mas agora a Euro Disney tem tecnicamente 3 parques (na verdade 2 parques de diversão e uma “village” centro comercial): O “Parc Disneyland”, que é o principal e mais tradicional, e faz as vezes de Magic Kingdon.

O “Walt Disney Studios”, ainda menor que o primeiro, porém mais interativo, e que se assemelha ao Hollywood Studios da Florida.

E por fim o Disney Village, que é uma rua/centro comercial com muitas lojas, cafés e restaurantes, acessível tanto como um pit-stop durante o dia (fica entre os dois outros parques, e a poucos passos de distância), ou para fechar seu dia no fim do parque.

Os 3 são compactos, com menos atrações do que a nave-mãe Americana, mas igualmente mágicos e divertidos. Cada um deles dá pra ser explorado (na pressa) em 1 dia, mas hoje em dia já se expandiram o suficiente para merecerem um pouco mais do seu tempo.

 

  • Como chegar

Os parques ficam em Marne-la-Vallée, uma cidadezinha a cerca de 30 quilômetros de Paris, sendo alcançado via trem (Eurostar, TGV e RER), ou metrô de superfície vindo de Paris. Ou é claro, de carro ou transfer.

O trem Eurostar é útil para quem, como nós, vier desde de Londres, oferecendo opções diretas (que leva cerca de 2 horas e 40 minutos) ou com conexões em Paris e Lille, que demora um pouco mais, porém oferece mais opções de horários.

Na ida para o parque nós fomos de Eurostar até Lille e de lá pegamos uma conexão TGV (trem de alta velocidade) até Marne-la-Vallée, totalizando um pouco mais de 3 horas (compramos as passagens para os dois tipos de trem todos juntos, já direto no site da Eurostar, para evitar complicações), o que nos permitiu sair de casa um pouco mais cedo, chegar no parque mais cedo também e aproveitar boa parte do primeiro dia por lá (infelizmente, os horários dos trem diretos entre Londres e Disneyland Paris são um pouco limitados).

Então nós saímos de Londres num trem as 7 da manhã, chegamos na estação de Marne-la-Vallée ao meio dia (perdemos 1 horas de fuso horário também), passamos no hotel para deixar as malas), e antes da 1 da tarde já estávamos dentro do parque para almoçar e curtir a tarde inteira.

Na volta, pegamos o trem direto da Eurostar até Londres e foi uma maravilha! Estávamos tão cansados que foi ótimo não ter que pensar muito, nem trocar de trem e afins. Sentamos no Eurostar e 2 horas e pouquinho depois já estávamos de volta em casa!

P.S. Eu tenho vários posts sobre o EuroStar aqui (o trem que vai da Inglaterra para a França), caso você precise de mais informações sobre o trem. Uma das vantagesn do Eurostar é que crianças até 4 anos não pagam passagem desde que viagem no colo de um adulto. A Isabella estava com quase 3 anos e meio, e achamos inviável não comprar um passagem para ela para uma viagem de mais de 3 horas de trem!

Para quem estiver em Paris, chegar até lá também é facílimo: basta pegar a linha A do trem urbano RER que se conecta com o metrô de Paris na estação Défense Grande Arche.

Uma outra boa opção para quem estiver no Aeroporto de Paris, são os serviços de shuttle e transfer oferecidos direto pela Disney, que te levam do aeroporto direto para seu hotel dentro do complexo Disney (mas que pelo que entendi, só está disponível para hóspedes dos hotéis Disney)

E claro, você pode alugar um carro ou contratar um transfer que te leve até lá sem complicações.

 

  • Quando ir (e horários de funcionamento)

Uma coisa boa da Disneyland paris, em comparação com alguns dos parques Ingleses (como o da Peppa Pig ou Legoland) é que a Euro Disney fica aberta o ano todo (os parques Ingleses fecham no inverno).

Porém o clima nessa região da França tende a ser bem “Londrino”, com invernos chuvosos, escuros e longos…

Então sim, dá pra ir na Disney Paris ao longo do ano todo, sem problemas nem restrições, mas não esqueça que entre mais ou menos Outubro a Maio as chances de pegar muita chuva, muito frio e dias bem feios é bem alta!

Não acho que isso deva impedir ninguém de tentar combinar uma viagem à França, com uma visita à Disney – mas é claro que não dá pra negar que pode vir a atrapalhar sim.

Mas colocando o clima à parte, a grande vantagem de visitar o parque nos meses de inverno e baixa temporada, são as filas menores e brinquedos mais tranquilos, enquanto que o verão, justamente por causa do clima mais ameno, os parques ficam mais cheios (afinal é época de férias escolares na França e em toda Europa).

Nos meses de ver@ao, da alta temporada, o Disneyland Parc fica aberto entre as 10:00 e 23:00, aproveitando ao máximo as horas de luz do dia no Norte da Europa, enquanto que no inverno, justamente pela falta de luz, os parques fecham as 19:00, diminuindo consideravelmente a quantidade de horas que você terá dentro do parque, e portanto quanto tempo terá para curtir tudo com calma.

 

  • Quanto tempo ficar

Como comentei acima, essa foi a primeira vez que eu fui pra ficar por mais de 1 dia. Nas duas outras visitas à Euro Disney, tínhamos nos limitado apenas a passar o dia a partir de Paris.

Então posso dizer com toda certeza que vale a pena demais passar mais de um dia por lá, passar a noite no complexo da Disney (mais sobre hotéis aqui em baixo), e fazer valer o passeio!

Dessa vez foram 2 dias e meio: chegamos na hora do almoço numa sexta feira, e voltamos pra casa no fim do dia no domingo. Aproveitamos DEMAIS!!

Algumas atrações conseguimos até fazer mais de 1 vez, mas também tivemos que pular outras.

Foi a medida ideal, principalmente considerando que eu não pude participar de várias atrações por estar grávida, e umas tantas outras não permitiam que a Isabella entrasse (por limitações de altura e tals). Para um grupo maior, com crianças maiorzinhas, eu diria até que esses 2 dias e meio não seriam suficientes, e faltaria tempo pra fazer tudo que você quiser.

Mas dá pra fazer a Disneyland Paris em um dia só? Dá, claro que dá. Se esse é todo o tempo que você tem, não deixe de encaixar sua visita.

Mas na minha opinião, por mais que a Euro Disney tenha fama de “pequena”, você vai querer ficar mais tempo, ou então vai embora sem explorar o parque inteiro.

 

  • Como planejar seu dia (app, Fastpass, reservas)

Uma das grandes vantagem da Disneyland Paris, em comparação com a Disneyworld da Flórida é que você não precisa de um PhD em Fastpass, Meal Plans, Magic band etc, para sentir que esta “fazendo” a Disney direito.

Aliais, se não quiser planejar nada, basta pegar um metrô saindo do centro de Paris, comprar seu ingresso na porta do parque e ser feliz. É uma Disney mais simples de ser.

Mas sim, muitas das mesmas facilidades estão disponíveis, como o FastPass, que permite que você gaste menos tempo em algumas das filas dos brinquedos. Os MealPlans, que ajudam a economizar seus suados Euros nas horas da refeições, o sistema de reservas de restaurantes e a App da Disney.

O que mais usamos foi a App da Disneyland Paris, com mapas interativos, informação ao vivo sobre tempo de espera nas filas dos brinquedos, horários dos shows, localização de banheiros, lojas e afins.

Porém, muita gente reclama do fato de que dentro da Disney não tem acesso a WiFi, então para os estrangeiros visitando o parque, a não ser que você esteja com um chip Francês no seu celular, ou tenha um plano internacional de roaming, será bem difícil acessar a app…

Para o Fastpass (que eu recomendo, principalmente pra quem for na alta temporada, ou com criança pequena), é bem simples e pode ser usado da seguinte maneira:

O seu ingresso normal do parque já te dá direito a usar o FastPass em algumas atrações: basta escanear o código de barras do seu ingresso na máquina Fastpass do brinquedo, e ele te dará um outro ticket com o horário certinho que você tem que voltar, para entrar sem pegar fila.

Se eu não me engano, você também pode comprar um FastPass VIP, que te dá acesso mais rápido a todos os brinquedos que tem essa facilidade (nós fizemos isso no parque da Universal de Cingapura e foi ótimo! Valeu bastante a pena!).

O parque também opera um sistema de reservas para restaurantes, que é uma boa ideia para quem quiser garantir alguma refeição com os personagens e princesas. Você pode se informar na recepção do seu hotel ou no “City Hall” do parque, mas se você for passar apenas 1 dia por lá (sem hospedagem), é recomendável fazer sua reserva cm antecedência.

  • Ingressos

A compra de ingressos é facílima!

Você pode comprar sua entrada direto na bilheteria do parque (rola uma fila) no dia que quiser, ou nas lojas disney da Paris (em Paris ela fica na Champs Elyseé, e em Londres na Oxford Street) ou on line.

Nós compramos os nossos ingressos on line, por praticidade e preço. Como iríamos ficar mais de 2 dias e queríamos visitar os 2 parques, saía bem mais barato comprar on line, e conseguimos a promoção que incluía livre acesso aos 2 parques durante 3 dias consecutivos. Ou seja, pudemos ir e vir entre os 2 parques ao longo de 3 dias sem problemas, por praticamente o mesmo preço que 1 dia em 1 parque! No site, basta selecionar a opção “Multi-day” para ver todas as promoções disponíveis para o período de sua visita.

Uma vez comprado on line, você recebe um voucher por e-mail, que precisa ser impresso e apresentado no guichê/máquinas na entrada. E tem que imprimir mesmo! Eles não aceitam apenas o código de reservas, nem confirmação por e-mail – mas se você, como eu, esquecer seu voucher no hotel logo no primeiro dia (fato verídico), você pode pedir para re imprimir seu ingresso na posto de informações turísticas (nos cobraram 2 Euros) bem na entrada da estação de trem.

Mas atrapalhadas à parte, com o voucher na mão, basta escanear seu código de barras numa das maquininhas na entrada do parque, e em questão de segundos, seus ingressos estarão na sua mão!

 

  • Hotéis

A Disneyland paris também funciona num esquema “resort” no que diz respeito aos hotéis, com duas classificações diferentes de hospedagem: tem os hotéis da Disney e os hoteis do complexo Disney.

A diferença entre eles, além do preço, é claro, é que ao se hospedar num hotel “Disney” você tem direito a certas regalias, como FastPass VIP, “Horas mágicas” (podendo entrar no parque 1 hora antes da abertura normal) e opções a mais de escolha no Meal Plan.

Porém apenas um hotel fica dentro do parque, o Disneyland Hotel, que aliais, o hotel é o próprio portão de entrada do parque! Lindo, magnífico, e realmente deve ser uma delícia rolar da cama e cair literalmente dento do parque – e ainda por cima antes de todo mundo!

Se a diferença de preço compensa?! Huuumm… pra gente não conspensou sequer considerar pagar 5 vezes mais só para economizar alguns minutos no transfer do parque…

O resort tem outros 6 hotéis “Disney” espalhados pela área da Disney, com temas diferentes, e diferentes níveis de regalias à disposição dos hóspedes. Alguns deles, são acessiveis a pé, mas nenhum deles fica dentro nem do lado dos parques.

Os hoteis Disney são:

Disneyland Hotel

Hotel New York

Newport Bay Club

Sequoia Lodge

Hotel Cheyenne

Hotel Santa Fé

Davy Crocket Ranch

Eles só estão disponíveis através do site da Euro Disney, e sempre vale a pena dar uma olhadinhas nas promoções vigentes para o período da sua visita (as vezes a hospedagem já inclui algumas refeições, as vezes inclui a entrada nos parques, etc). É uma questão de colocar tudo na ponta do lápis mesmo.

Os outros hotéis parceiros da Disney, que também fica dentro do complexo do parque são:

Dream Castle Hotel

Magic Circus Hotel (onde nós nos hospedamos!)

Explores Hotel

Kyriad Hotel

B&B Hôtel

Esses hotéis podem ser reservados direto pelo site da Disney (também vale a pena verificar se esta rolando alguma promoção específica), ou em sites como o Booking.com, que geralmente significa que você consegue preços melhores e promoções à parte.

Nós nos hospedamos no Magic Circus Hotel, e foi ótimo! Recomendo demais!

O Hotel faz parte do complexo Disney, então inclui facilidades como por exemplo um shuttle de graça que circula entre o hotel e o parque durante o dia todo, até a hora de fechar e leva menos de 10 minutos – foi tão prático! Praticamente não tínhamos que esperar nada, era chegar na recepção e uns minutos depois outros transfer aparecia, e o timer no contador dava cerca de 7 minutos de distância, direto na porta do parque! Foi ótimo não ter que lidar com carro, estacionamento, etc, etc.

Nós ficamos no quarto “Família”, com uma cama de casal e um beliche para crianças, e vocês não imaginam o quanto que a isabella adorou o quarto e o hotel, todo temático de Circo.

O quarto não era enorme não, mas bem confortável, e uma “tenda” de circo, com TV individual por cima da cama das crianças – além de toda decoração temática do resto do hotel, que também tinha piscina interna e externa, spa, 1 bar e 2 restaurantes, loja de souvenir, venda de ingressos e agência de viagens.

E claro, um parquinho interno que foi bem útil! Tinha vários (mini) brinquedos, piscina de bolas, carrossel e afins – porque não adianta, mesmo com a Disney aos nossos pés, no fim do dia, a Isabella sempre queria dar uma passadinha na piscina de bolas! E pelo menos evitou brigas na hora de voltar pra casa, e ela sempre queria voltar pro hotel no fim do dia, pois era tão divertido!

 

  • Comida e Dinning Plan

Nosso hotel incluía café da manhã, então aproveitamos pra tomar um café reforçado todas as manhãs antes de ir pro parque (era num esquema buffet e super bem servido e variado).

E também jantamos no restaurante do hotel na primeira noite que chegamos por lá: optamos pelo buffet e foi bem razoável. Boas opções e bem servido. Nada fora de série, mas foi bem bom – e cada adulto pagante no buffet tinha direito a 1 criança comendo de graça (ótima economia para famílias maiores ou com crianças mais velhas).

Lá dentro do parque as opções de comida e refeições variam para todos os gostos: de lanchinhos rápidos e fast food, até restaurantes de “verdade” com opções mais saudáveis.

Eu não vou nos parques da Florida à muitos anos, então não sou nada atualizada em relação à DisneyWorld, mas de maneira geral achei que se você quiser, dá pra comer melhor na Disney Paris do que na DisneyWorld, pelo simples fato de ser Europa (no geral as pessoas valorizam mais comidas e refeições ” de verdade” do que fast food e sanduiches). Mas em compensação todos os preços são em Euros, e uma vez lá dentro, você não tem pra onde fugir…

Um almoço “lanche” para nós 3 não saía por menos de uns 40 Euros, e um jantar de “comida” por cerca de 80 Euros. Garrafinhas de água ou suco custavam entre 3 e 5 Euros, sorvetes entre 3 e 5 Euros e por aí vai.

Então para grupos e famílias maiores, uma boa opção são os Meal Plans disponíveis nos parques e hotéis da Disney, que podem ser de Meia pensão (café da manha e mais uma outra refeição), ou Pensão completa (café da manha, almoço e jantar). Nós não fizemos um meal plan, mas fica aí a dica pra quem quiser explorar essa opção.

 

  • Compras

Bem, como era de se esperar, todos os brinquedos acabam numa lojinha de souvenir, onde você encontra tudo quanto é quinquilharia da Disney!

Mas na Main Street, bem na entrada no parque, também tem várias outras lojas mais “temáticas” e variadas, além de claro o Disney Village, que é onde estão as mega lojas com ítens Disney.

Então o que não faltarão são oportunidades pra comprar lembrancinhas, brinquedos e souvenirs da Disney – impossível resistir a tanta tentação!

Se você estiver hospedado em um dos hotéis da Disney, eles entregam suas compras direto no seu hotel, evitando que você tenha que carregar sacolonas o dia todo – mas também pode optar por recolher suas compras na loja da Disney no Village, já na saída dos parques.

 

  • Porta volumes e guarda malas

Uma boa dica, que nós usamos no nosso último dia de parque, é o porta volumes do própiro Disneyland Parc, que fica escondidinho numa entrada lateral (pelo lado direito) do parque.

A estação de trem também tem guarda volumes, mas achamos bem lotado e confuso (mas talvés seja por causa dos recentes ataques terroristas, não sei…), já o porta volumes do parque foi bem tranquilo e “civilizado”.

Eles cobram 3 Euros por bolsa/sacola, 7 Euros por malas médias e 9 Euros para malas grandes, e ficam abertos até 1 hora depois que os parques fecham (quanto estivemos lá, por ser verão, eles ficavam abertos até as 23:45).

Então no nosso último dia de parque, chegamos um pouquinho mais cedo, antes da abertura do parque, deixamos nossas malas por lá, e recolhemos no fim do dia, antes de andar de volta pra estação de trem. Mega fácil e simples!

 

  • Dicas extras para gravidas e crianças pequenas

Por fim, uma dica que eu até então nem sequer sabia que existia!

Eles oferecem um facilidade para visitantes grávidas ou visitantes portadores de deficiência, que funciona como um FastPass VIP – ou seja, com esse cartãozinho, eu e meus acompanhantes (a família/grupo todo) podíamos entrar nos brinquedos sem fila.

No caso do passe para gravidez, ele só valia para os brinquedos em que eu podia participar, mesmo grávida (que até que foram bastantes!), mas foi ótimo! E reforçou minha ideia de que vale a pena usar (ou pagar a mais) para o FastPass!

Alguns brinquedos nós entravamos direto, sem fila nenhum, ou então entrávamos pela fila do fast pass (você pega uma filinha, mas beeeem mais rápido que a fila normal), e outras atrações (inclusive para conhecer as princesas) bastava passar na porta e reservar o horário que queríamos entrar; aí era só chegar na porta na hora marcada e entrar direto.

Se você está no começo da gravidez, ou naquela fase entre-safra do “gordinha ou gravida”, não esqueça de levar um atestado médico. NO meu caso não me pedirma nada, porque realmente com quase 8 meses não dava pra esconder, mesmo se eu quisesse!

Ajudou demais, e por isso mesmo disse lá em cima que acho que seja necessário mais que um dia para aproveitar bem a Disneyland Paris! Se mesmo com essa facilidade, levamos mais de 2 dias pra aproveitar tudo, imagina pegando todas as filas normalmente?! Impossível fazer num dia só!

Mas independente de fastpass e gravidez, alguns binquedos mais “adultos” oferecem uma opção “Baby Switch“, onde os pais ou responsáveis pela criança/bebê que não pode participar daquela atração, podem se revezar – entram na fila junto com as crianças, mas cada um anda no brinquedo de cada vez, enquanto o outro fica com o bebê, e depois o outro pai/responsável entra direto sem ter que pegar fila novamente.

Outra opção que nós também usamos foi o “Single riders”, ou “participantes avulsos”, que são as filas onde você entra no brinquedo sozinho, não podendo escolher com quem senta. Essa opção foi ótima para o Aaron, e ele aproveitou bastante nos brinquedos que nem eu nem a Bella podíamos participar (basicamente todas as montanhas russas adultas), e assim ele pode andar em brinquedos sozinho sem praticamente pegar fila nenhuma!

Por exemplo, a Space Mountain e o elevador do Terror estavam com mais de 1 hora de fila, e ele entrou direto em 5 minutos!

Então deu pra aproveitar bastante o parque, mesmo as atrações mais adultas, mesmo estando com criança pequena (e grávida!).

Uma outra dica para quem estiver com crianças pequenas é o aluguel de carrinhos de bebê do parque. Aos 3 anos e meio, a Bella já não usa tanto seu carrinho, mas sabíamos que o ritmo ia ser punk, e acho super necessário um carrinho para as crianças (e sacolas, mochilas, câmeras fotográficas etc).

Como nós fomos de trem, e íamos pegar transporte público etc, levamos o nosso, um guarda chuva mesmo, só pra quebrar o galho – mas se um carrinho não esta nos seus planos, você pode alugar lá, direto no parque.

Os carinhos são todos iguais, feios e com pinta de pega desconfortáveis, mas realmente infinitamente melhores do que ter que ficar caregando colo crianças exaustas depois de horas de andança pelo parque!

 

  • Comparações entre a Disneyland Paris e a DisneyWorld na Flórida.

Um outro pega-pra-capar que deu confusão nas redes sociais durante nossa viagem foram as comparações entre as Disneys mundo à fora.

Alguns leitores que supostamente já foram à Florida N vezes e se sentiram altamente injustiçados e decepcionados com a versão Européia, enquanto que outros amaram as versões internacionais.

Foi uma discussão tão infundada e sem pé nem cabeça, que eu até deletei várias mensagens…

Mas na minha opinião não dá pra comprar. Simplesmente não compare. Quem compara não se diverte! Uma é a DisneyMUNDO enquanto que todas as outras são apenas mini versões.

A Florida é a matriz, carro chefe e nave-mãe. Todas as outras, incluindo a Disneyland Paris são apenas as filiais.

Não dá pra ter a expectativa da mesma grandiosidade, mesma infraestrutura, mesma cultura (afinal os Americanos são os mestres do atendimento ao cliente, e Franceses e Asiáticos deixam a desejar) e mesmas facilidades. Não é a mesma coisa e ponto final. Ajuste sua expectativa, simples.

Mas por outro lado, eu amei visitar a Euro Disney mais uma vez justamente por isso – por tudo que ela não é!

Não é uma viagem-evento, você não precisa reservar refeições com personagens com 6 meses de antecedência, ou caso contrário Deus-me-livre-e-guarde seus filhos não tomarem café da manhã com o Pluto!

As filas são menores, os brinquedos são menores, os parques são menores e mais fáceis de serem curtidos, principalmente por crianças pequenas.

Eu confesso que me senti acuada ao ler e (tentar) pesquisar sobre uma possível viagem à Florida num futuro próximo e fiquei apavorada com o tanto de planejamento que você TEM que fazer hoje em dia pra realmente dizer que fez a Disney! O que aconteceu com aquela coisa de “comprei ingresso, cheguei e me diverti”?! Nas vezes que eu fui à DisneyWorld com meus pais, era assim – o próprio parque já bastava; era isso que a gente queria fazer e pronto; não rolava nenhum outro estresse.

E então senti que a Euro Disney ainda é um pouco assim – planejamos pouco, além do básico e óbvio, e curtimos demais, sem pressão, sem obrigações, e sem  a sensação de que voltamos pra casa faltando alguma coisa porque não deu tempo (ou não conseguimos reserva) pra fazer isso ou aquilo.

Então nós AMAMOS a experiência da Disneyland Paris e con certeza voltaremos outras vezes nos próximos anos, enquanto tomamos coragem de enfrentar a DisneyWorld de novo!

Foi um parque e uma viagem na medida para essa fase da nossa família e n@ao deixou nem um pouco a desejar para nenhum de nós 3!

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

 

Planejando uma viagem para a França e a Disneyland Paris?

Aqui você encontra todas as dicas e recursos para planejar sua viagem, e podemos cuidar dos detalhes práticos para você:

 

Adriana Miller
17 comentários
Página 1 de 812345678