24 May 2013
32 comentários

Viajando – SOZINHA! – de avião com um bebê

Avião, Dicas (Praticas!) de Viagem, Dicas de Viagens, Viajando com crianças

Além das dicas e experiências que já dei no post sobre como viajar de avião com bebês, eu acabei adaptando algumas coisas para os voos que fiz sozinha com a Isabella (ida e volta da nossa viagem pro Brasil – 11 horas de voo em cada perna!).

A viagem em si não muda muito nem piora… apenas alguns aspectos se tornam mais complexos sem ter mais alguém pra dividir as tarefas de cuidar de um bebê por várias horas seguidas em um ambiente confinado!

– Reserva e escolha de assento:

O básico ainda vale, mas depois de viajar duas vezes com o Aaron do meu lado, me dei conta que a melhor opção seria um assento de corredor (eu SÓ viajo na janela! É mania… mas tive que dar o braço a torcer…).

Porque mesmo nas fileiras frontais, que tem mais espaço pra perna e tal, quando o berço esta posicionado não sobra espaço pra quem estiver na janela/meio sair de sua poltrona, pois as pernas ficam trancadas em baixo da “bandeja”.

Então quando você esta sentada do lado de alguém que conhece, não tem problema pedir pra pessoa se levantar no meio do filme (ou do sono!) pra você conseguir trocar a fralda do seu bebê, mas se vocie tiver que pular o colo de um estranho, a coisa já complica!

Então estando no assento do corredor o seu acesso fica mais livre pra ir ao banheiro, passear pelos corredores se o bebê estiver entediado, caso precise pegar alguma coisa da mala de mão no bagageiro e afins…

– Peça e aceite ajuda!

Eu e o Aaron fizemos a piadinha de que viajar com filhos é como voltar a ser mochileiro: quem já mochilou sozinho sabe numa viagem dessas basta ver outra pessoa com uma mochila nas costas pra virar seu melhor amigo! As mochilas se atraem, vocês trocam dicas de viagem, de albergues, racham o taxi, saem pra passear juntos. Todos unidos pela “doutrina” da mochilagem.

E viajar com bebês é exatamente igual! Bebês, crianças e famílias se atraem!

A anos que não batia tanto papo com tantos estranhos na minha vida! Todos querem saber a idade do seu bebe, se é sua primeira viagem, para onde vai, e sempre tem alguma dica proveitosa!

Na ida pra Denver conhecemos uma mãe viajando sozinha com uma bebe de 9 meses, e acabamos ficando melhores amigos dela!

Claro que você tem que tomar certos cuidados (eu que não vou deixar a Isabella no colo de um estranho no meio do aeroporto!), mas uma vez dentro do avião (que convenhamos, mesmo alguém com a pior das intenções não tem pra onde fugir!) eu pedi e aceitei ajuda sem pudor!

Pedi pra comissária segurar a Isabella enquanto fui ao banheiro, pedi pro passageiro do meu lado colocar minha mala de mão no bagageiro e o que mais precisei!

Lógico que sempre rola algum mau-humorado que te olha de cara feia quando vê um bebê no avião (#EraDessas), mas no geral eu me surpreendi com o quanto as pessoas são super simpáticas com pais e mães viajando com crianças pequenas! Afinal, quem resiste a um sorriso banguela?!?!

– Praticidade!

Eu já fico pra morrer quando vejo #LookDoDia emperequetados em aeroportos (viagem longa tem que ser confortável minha gente!!!), mas com um bebê então nem se fala!

Calça e sapatos confortáveis, para horas sentada numa poltrona apertada (e potencialmente com alguém no seu colo!) e que sejam fácil de trocar.

Não tivemos nenhum acidente com minhas roupas, mas só por precaução fui com calça + regata + uma blusa por cima. A regata por baixo foi simplesmente para que eu pudesse trocar de roupa sem ter que ir ao banheiro caso precisasse trocar alguma coisa.

Afinal, e principalmente viajando sozinha com a Isabella, se ela vomitasse ou tivesse uma fralda explosiva em mim, com que eu a deixaria enquanto vou tranquilamente no banheiro me trocar? Pois é…

Uma coisa é pedir pro desconhecido da poltrona ao lado ficar de olho nela enquanto ela esta de bom humor e sorridente, mas se a coitadinha começasse a vomitar e passar mal, não dava né?!

Outro aspecto que tive que ser bem pragmática foi com minha bolsa de mão.

Assim como falei no outro post sobre viagem com bebês, levei uma bolsa de fralda mais a mala de mão com ítens extras, mas eu sempre fui super fã de viajar com uma super bolsa de mão comigo!

Mas nos voos em que estava sozinha isso mudou… Senti falta de muita coisa, mas nada que não conseguisse sobreviver algumas horinhas (e numa emergência, esses itens estavam todos na mala de mão no bagageiro!).

Então comigo estava apenas uma bolsinha pequena (e com fecho de ziper que eu pudesse abrir e fechar com uma mão só!) com um porta cartões, passaportes, celular, fone de ouvido, protetor labial e lençø de papel. E só. De peso nos ombros já bastou meu pacotinho de 6 quilos!

Equipamento:

Achei super cômodo levar o carrinho até a porto do avião, porém nos voos sem o Aaron, despachei a mala junto com a bagagem, numa tentativa de diminuir a quantidade de tralha a carregar.

Como a Isabella ainda é novinha, ela foi confortavelmente no canguru, e eu fiquei com as mãos livres!

Se seu bebê já for maiorzinho, talvez valha a pena ficar com o carrinho, pra evitar ter que carregar uma criança de muitos quilos nos braços aeroporto afora!

– Entretenimento a bordo:

O voo de ida pro Brasil foi durante o dia e minha principal preocupação era como entreter a Isabella durante o dia sem uma pessoa a mais pra fazer caretas, cantar musiquinhas e pegar no colo…?!?!

E isso sem dúvida foi a parte mais difícil!!

Os voos noturnos foram uma beleza, como se ela nem sequer estivesse lá comigo – em todos eles, dormiu antes de embarcar e só acordou depois de pousar!

Mas nos voos diurnos, ao contrário do que esperava, ela ficou muito mais alerta que o normal (achei que ela fosse dormir bastante por causa do barulho e movimento, mas não!), o que me causou muitas rugas de expressão de tanto fazer caretas, caras e bocas pra ela, chacoalhar o mesmo bonequinho preferido gazilhões de vezes, e depois de ser vencida pelo cansaço, colocar ela de frente pro iPad com alguma cosia passando (ela ainda é muito novinha pra assistir TV, desenhos e tal, então só tinha Downton Abbey no iPad! Hahahah! mas ela gosta mesmo é da claridade da tela!). Se seu bebê já assiste alguma coisa, tenha seus desenhos ou filmes preferidos a mão!

 

De maneira geral voar sozinha com a Isabella foi muito mais fácil e tranquilo do que imiginava, e bastou um pouquinho a mais de preparação para que não passássemos por apertos!

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!
Adriana Miller
32 comentários
21 May 2013
61 comentários

Liquidos na mala de mão: Crianças e bebês – produtos, leite e comidas

Avião, Baby Everywhere, Dicas (Praticas!) de Viagem, Fazendo as Malas, Viajando com crianças

Um dos procedimentos mais óbvios pra quem viaja muito, também é uma das maiores duvidas dos viajantes: afinal quais são as regras para levar líquidos na mala de mão?

Então respondendo algumas dúvidas do post anterior, apesar de algumas variações em alguns países e aeroportos, no geral a regra é bem simples e clara: nada de líquidos (cremes, géis, pastas e afins) em embalagens acima de 100ml, e sempre armazenados em sacos de plástico transparente.

Mas antes da minha primeira viagem com a Isabella me bateu a dúvida: E as coisas de bebê? Como funciona?!

Não foi difícil de descobrir – e na dúvida, basta acessar o site do seu aeroporto local.

Mas depois de passar por aeroportos em 3 países/continentes diferentes com a Isabella, vi que a regra é tão simples quanto – apenas com algumas adaptações.

De maneira geral a regra é menos rígida: é possível passar pela segurança de aeroportos com líquidos acima de 100ml quando se está viajando com um bebê de colo (até 2 anos) desde que se siga algumas regrinhas.

– Produtos industrializados:

Na Europa e nos EUA é muito comum que pais comprem fórmula (leite artificial) para bebês e crianças já na versão preparada, em caixinha ou garrafinha, pois é bem mais prático que levar pó + água e mais durável também (por ser uma mistura estéril).

(Algumas marcas até vendem garrafinhas que encaixam com um bico descartável e esterilizado – então você nem precisa levar mamadeiras se não quiser!)

Essas embalagens variam em tamanho, mas geralmente tem entre 90ml a 200ml – mas desde que sejam produtos industrializados e estejam lacrados, você pode passar com eles pela segurança sem problemas.

A única restrição nesse caso é que você só pode levar leite preparado numa quantidade suficiente para a viagem – ou seja, para um voo transatlântico, por exemplo, você pode levar algumas caixinhas para o voo, mas não pode levar o suficiente para as férias inteiras (nós levamos dezenas de caixinhas – sempre usamos para passeios pois realmente é bem mais pratico – mas todas nas malas despachadas).

Na segurança do aeroporto Heathrow em Londres, nós tivemos que abrir uma das caixinhas, aleatoriamente escolhida pela funcionária do aeroporto para provarmos o leite – mostrando que o liquido não esta contaminado.

Ja no aeroporto de Denver, nos EUA e no Rio de Janeiro, não tivemos que provar nada – bastou estar lacrado.

O mesmo vale para potinhos com papinhas e comidas de criança preparadas. Desde que sejam industrializadas e lacradas você pode viajar com embalagens acima de 100ml, e talvez tenha que abrir uma dela para provar, talvez não.

– Produtos não industrializados:

Se seu filho(a) ainda esta amamentando exclusivamente, então não ha nada que se preocupar: a “embalagem” do leite passa pela segurança sem problemas!

Mas caso você queira levar leite materno numa mamadeira, por exemplo isso pode vir a ser um problema. Na verdade você até pode passar com mais de 100ml de leite materno sem problemas, porém terá que provar o leite, o que pode vir a ser um problema pois a mamadeira/leite já não será mais estéril.

O mesmo é verdade para papinhas.

Caso você seja radicalmente contra dar papinhas industrializadas a seus filhos, qualquer potinho de comida “caseira” deverá ser provado ao passar pela segurança.

Uma boa solução é pedir para a cia aerea uma comida especial para a criança (que pode ser solicitada no momento da reserva da passagem, ou depois a qualquer momento até 24hrs antes do voo), que se aproxime mais com as comidas que ele/ela esteja acostumado em casa.

– Facilidades dos aeroportos de Londres:

Essa dica é pra quem vai viajar a partir de aeroportos em Londres (e Inglaterra em geral).

Os aeroportos da BAA (British Airports Authority) tem uma afiliação com a rede de drogarias Boots (que sempre tem uma filial dentro da area de embarque dos aeroportos Britânicos) onde é possível encomendar comidas, leite e produtos de bebê com antecedência, e recolher sua compra já dentro da area de embarque, depois de passar pela segurança do aeroporto.

Basta efetuar a compra através do link da Boots no site do aeroporto (como por exemplo, no Heathrow), escolher exatamente o que você quer e a quantidade, com pelo menos 48hrs de antecedência e pronto. Assim que você passar pela segurança é só ir na Boots e retirar suas compras.

Eu fiz isso quando fui ao Brasil sozinha com a Isabella – eu não bebo leite (tenho verdadeiro PAVOR do gosto de leite) e fiquei morrendo de medo de ter que provar o leite dela; então pra não correr riscos, fiz minha encomenda uns dias antes de embarcar e passei direto pela segurança do aeroporto, sem me preocupar com líquidos.

Mas caso você esqueça disso antes do voo, não se preocupe. As lojas da Boots dos aeroportos são super bem abastecidas com produtos pra bebês e crianças, com paredes inteiras de prateleiras com todos os tipos de marcas, produtos, papinhas e afins!

 – Cremes, pomadas e afins:

Já todo o resto segue a mesma regra, então caso você use cremes para assadura, ou queria levar na mala de mão hidratantes, alcool em gél, remedios etc, todos esse produtos deverão estar em embalagens menores de 100ml e dentro de um saco plastico transparente, assim como os dos “adultos”.

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

 

 

Adriana Miller
61 comentários
20 May 2013
119 comentários

Viajando de avião com bebê (2 a 4 mêses)

Avião, Baby Everywhere, Viajando com crianças

Antes mesmo da Isabella nascer nós já sabíamos que viajaríamos com ela desde cedo. E não é só por causa dessa coisa de “viciados em viajar” não. Filhos de expatriados é assim mesmo, e seja você um amante das viagens ou não, não tem medo nem insegurança de viajar com crianças que vai te impedir de apresentar seu(s) filho(s) para sua família e cultura!

Então a primeira coisa que fizemos quando ela nasceu foi marcar as passagens para nossa primeira viagem, para o Colorado, nos EUA, para visitar a família do Aaron. Fomos pra lá primeiro pois podíamos combinar uma viagem a trabalho do Aaron, com o final da temporada de esqui com uma abundância de babysitters!

Esse post será uma série de muitos outros, pois acredito que cada fase da vida de uma criança demanda estilos de viagem e preparações de viagem diferentes – então vou escrever com um misto de “dicas” e experiência pessoal, que tenho certeza absoluta vai mudar e evoluir ao longo dos meses e anos, com muitos erros e acertos – nem tudo vai ser útil para todas as crianças e famílias, mas de post em post a gente chega lá!

 – Planejamento pré nascimento:

Como comentei acima, nós sabíamos que essa viagem ia acontecer mais ou menos nessa fase de Março/Abril, mas preferimos não marcar nem reservar nada antes dela nascer. A data prevista de nascimento era dia 9 de Janeiro (e acabou sendo dia 10!), o que fez com que essa viagem fosse super em cima da hora para nossos padrões de planejamento (geralmente planejo viagens com cerca de 4 a 6 meses de antecedência!).

Mas optamos por fazer assim pois o nascimento de um bebê realmente é uma surpresa. Afinal, e se o nascimento for adiantado? E se atrasar? E se tivermos complicações com ela? E se eu acabasse tendo que fazer uma cesárea de emergência que atrapalhasse minha recuperação?

E se ela fosse um bebê reclamão? Ou tivesse muitas cólicas? Ou se acabássemos sendo pais muito mais neuróticos do que jamais imaginamos?!

Ou seja, são muitas incertezas, e preferimos não marcar nem confirmar nada até que ela estivesse em nossos braços, com a certeza de que ela era saudável e que nós aguentaríamos a pressão de sermos pais de primeira viagem!

– A reserva:

Crianças de até 2 anos não pagam passagem inteira de avião se viajarem no colo dos pais, mas essa é uma regra que muda de companhia pra cia aérea. Algumas cobram 10% do valor da passagem , outras cobram apenas as taxas de embarque. Então vale a pena fazer uma pesquisa de mercado e comprar o preço final das passagens da família: por exemplo, as vezes a passagem dos “adultos” é mais barata na cia X, mas o bebê paga uma taxa mais alta, enquanto que na Cia Y a passagem adulta é mais cara, mas a do bebê mais barata, dando um total mais em conta.

Outro ponto que levamos em consideração foi a comparação voo direto Vs voo com escalas, e acabamos preferindo pagar a mais pela segurança (e nosso medo inicial!) e não ter que lidar com conexões, troca de aviões, potenciais atrasos, perda de bagagem etc.

No final das contas, voamos direto Londres-Denver de British Airways pelo mesmo preço que sairia um voo com conexões e ligeiramente mais barato por adulto!

– Escolha de Assento:

Na verdade isso ainda esta relacionado ao item “Reserva”, mas considero tão importante que merece um destaque: ao reservar sua passagem já reserve logo sua poltrona nas fileiras frontais do avião, onde o espaço para pernas é maior e onde é possível colocar um bercinho para o bebê.

Screen Shot 2013-04-28 at 15.41.10

Muitas cias aéreas estão fazendo a sacanagem de cobrar uma taxa para reserva de assento adiantado – meu conselho? Pague!!

Geralmente a taxa não é muito alta, e pelo menos te dá a paz de saber que tanto você quanto seu bebê viajará confortavelmente!

Tecnicamente esses assentos frontais são mesmo reservados para pais com crianças de colo, então você pode arrsicar e deixar pra reservar seu assento na hora do check in, e provavelmente você irá consegui-lo sem problemas. Mas vai que não?

Afinal muitas cias aproveitam o espaço extra nessas fileiras para cobrarem a mais de passageiros em busca de mais conforto (e se alguém já pagou a mais pra sentar lá, eles não vão muda-lo de assento só pra acomodar o seu bebê), ou então o voo pode estar cheio de familias e simplesmente não ter espaço extra!

Na volta de Denver a Isabella era o único bebê no voo, mas na volta do Brasil eram inúmeras famílias com crianças e bebes de todas as idades, e portanto todas fileiras frontais estavam ocupadas! Quem não reservou com antecedência, dançou… (ou pior, passou 11 horas com um bebê no colo!).

Se seu bebê já é maior do que o permitido pelo bercinho do avião (a comissária da BA não soube me informar o limite de peso, mas diria que só bebês até uns 6 ou 8 meses caberiam confortavelmente), algumas cias aéreas também oferecem um bebê conforto, que acomoda bebês maiores, que pode ser encaixado na mesma “bandeja” onde vai o bercinho, e assim nem os pais nem o bebê dormem desconfortáveis.

E por fim, uma dica que uma amiga me deu em relação a esse bercinho: os aviões internacionais tem espaço para cerca de 10 berços (as tais “bandejas”), mas dentro do avião geralmente só tem alguns poucos berços. Se o voo vier vazio, ótimo. Mas se o avião for grande e o voo lotado, mesmo que você esteja no assento correto, pode acabar sem o berço. Então a dica da amiga foi pedir o berço ASSIM que entrar no avião – e foi exatamente o que fiz em todos os voos que peguei com a Isabella (a minha amiga aprendeu essa “dica” depois que uma comissária explicou que não tinha berço pro filho dela pois ela não pediu primeiro…).

O bercinho tem um forro e é até bem confortável, mas não esqueça de levar umas mantas e cobertores a mais, para deixar a “caixa” mais quentinha e aconchegante.

 – Alimentação:

Se você viaja ainda amamentando, isso talvez não seja tão relevante, mas mesmo nos primeiros voos com a Isabella, eu levei uma caixinhas extras de fórmula pronta e um potinho com leite em pó para emergências.

E dito e feito: como a bichinha sentiu fome no voo!!

Talvez seja a altitude, ou quem sabe o ar mais seco… ou até mesmo a mudança na rotina. Mas em todos os voos longos que fizemos até hoje ela acabou mamando MUITO mais, e se não fosse o leite extra, estaríamos perdidos!

– O “equipamento”!

Em todos esses voos nós levamos MUITA coisa extra!

Olha, é um saco mesmo, e essa é um aspecto de ter filhos que eu acho que nunca vou me acostumar: a quantidade de tralha que temos que carregar!

No total foram 4 mudas extra de roupas para ela e mais uma pra mim. Na ida pros EUA ela usou 3 das 5 mudas de roupa. Já na ida pro Brail ela usou TODAS as mudas de roupa que levei…

(Dica: Coloque cada muda de roupa já separada dentro de um saquinho de plástico num compartimento separado na bolsa de fralda – assim, cada vez que você precisar alcançar uma nova troca de roupa, basta puxar um conjunto completo (body, pijama, meias, etc) e depois já colocar a roupa suja dentro do mesmo saco, pra não ficar com cheiro nem sujar as outras coisas dentro da bolsa)

Talvez seja a quantidade maior de leite, ou a pressão do avião, ou seja lá o que for – mas ela bateu todos os recordes de fraldas explosivas de sua vida!! (os voos diurnos foram MUITO piores que os noturnos, já que ela já dorme a noite toda e portanto produz menos conteúdo para suas fraldas!).

Então as roupas, cobertores, mamadeiras, chupetas etc extras foram divididas entre uma bolsa de fralda (que fica mais fácil de acessar) e a mala de mão (para momentos de desespero, ou se sua bagagem for extraviada, ou o voo atrasar e afins).

Comigo, só uma micro bolsa, de cruzar no corpo, com nossos passaportes, celular e o mínimo indispensável.

Todo os resto (laptop, iPad, câmeras, objetos de valor, líquidos, cabos de eletrônicos e afins) vão na mala de mão.

Se seu bebê já tem idade para se entreter com brinquedinhos, leve alguma coisa que vá ajudar a passar o tempo (na viagem para os EUA, com dois meses e meio ela não reconhecia nem se animava com nenhum brinquedo. Ja na viagem pro Brasil, com 3,5 ela já tinha seu bonequinho preferido, que curou qualquer encheção de saco e tédio!). mas cuidado pra não ser alguma coisa barulhenta que vá incomodar nem irritar os outros passageiros!

– Embarque e desembarque:

Na hora do check in confira se sua cia aérea e o aeroporto de partida e chegada, permitem que você leve seu carrinho até a porta da aeronave.

A maioria dos aeroportos internacionais de médio/grande porte aceitam – mas vale perguntar antes, pra você se planejar bem!

Nos voos para os EUA, onde viajei com o Aaron, nós optamos levar o carrinho até a porta do avião. É super cômodo, vc não precisa ficar carregando o bebê no colo por horas enquanto espera o voo, eles ficam mais confortáveis, vendo o mundo passar, dormindo e tal. Ai na hora de entrar no avião, é só desmontar seu carrinho, entregar para o funcionário da cia aerea e pronto. Quando você chegar ao seu destino final, ele estará te esperando mais uma vez na porta do avião.

Porém… nem sempre isso é vantagem!

Nos dois voos que fiz sozinha com a Isabella (sem o Aaron), preferi despachar o carrinho junto com as malas, justamente por ser mais tralha pra carregar!

Ela foi no Canguru (uso da marca Baby Bjorn) e assim fiquei sempre com as duas mãos livres para carregar a mala de mão, bolsa de fraldas, pegar passaporte/passagem na bolsa e o que mais fosse preciso.

Se você decidir despachar o carrinho com sua bagagem, lembre-se de embala-lo bem, para evitar danos e perdas durante o manuseio do carrinho. Algumas marcas de carrinho vendem uma “mala” específica pra levar o carrinho, mas eu achei desnecessário, e simplesmente coloquei aqueles plásticos de embalar mala no aeroporto mesmo (em Londres custou 8 Libras e no Galeão 35 Reais).

Todo bebê tem direito a uma mala despachada MAIS um carrinho MAIS uma cadeirinha de carro! (a não ser que você esteja voando low cost, onde precisará pagar extra por todos esses itens…)

– Pouso e decolagem (e turbulência):

Mesmo com o bercinho do avião ou com o canguru, na hora do avião subir ou descer, ou quando o sinal de cinto de segurança acende durante turbulências, você tem que tirar o bebê de onde estiver e colocar no seu colo com o cintinho especial para crianças.

Eu questionei em todos os voos se não poderia decolar/pousar com ela no canguru (principalmente quando ela estava dormindo), pois não só é mais confortável, é também muito mais seguro. Mas não. A regra é clara, e você sempre tem que colocar o bebê no cinto de segurança, pois só assim a cia aérea poderá se responsabilizar por acidentes.

E caso o bebê esteja no bercinho durante o voo, como o berço não tem nenhum tipo de proteção nem cinto de segurança, o bebe também tem que ir pro colo, pois caso haja uma queda de altitude, eles podem voar longe!

Ainda no tema pouso e decolagem, temos também o problema de pressão dos ouvidos dos bebês!

O que todo mundo sempre recomenda (e deu super certo pra gente!) é sempre amamentar/dar mamadeira/chupeta pro bebê nessas horas.

Então as horas pré voo tiveram uma precisão astro-física de calculo de sonecas e amamentação, para que eles coincidissem com os momentos de decolagem e pouso.

Eu sofro bastante com pressão nos ouvidos, então esta preocupada com isso, mas a Isabella não se afetou muito…. Em todas as decolagens consegui coincidir com mamadas, mas nos pousos não! Tentei insistir ou colocar chupeta, que deu certo algumas vezes, outras não, mas como ela não reclamou de dor de ouvido, não me preocupei muito. E em todas as vezes, o chacoalhar do avião na subida e descida fizeram ela dormir rapidinho (mesmo fora de hora – nisso ela puxou a mãe!), o que foi ótimo!

– Trocando o bebê no avião:

E já que eu falei em conteúdo de fraldas explosivas aí em cima, com certeza em algum momento de um voo longo você terá que trocar a fralda de seu bebê no avião!

Não é um bicho de 7 cabeças, já que todos os banheiros do avião tem uma mesinha “fraldário”.

O que eu levei (não só pra viagens, mas é o que levo sempre na bolsa de fraldas da Isabella) é um necessaire específico com tudo que preciso pra trocar a fralda dela sem ter que carregar a malona toda junto.

Nesse necessaire tenho sempre 2 fraldas (porque acidentes acontecem!), um pacote de lencinhos, sacos de lixo (pra não deixar a fralda pra trás fedendo o banheiro todo!) e um trocador descartável (porque além de que esses fraldários públicos geralmente são sujos, não tem nada pior do que ter que limpar seu trocador portátil de plástico num banheiro publico/minúsculo quando um acidente de fato acontece! Com os trocadores descartáveis, o que sujar, vai direto pro lixo!).

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!
Adriana Miller
119 comentários
Página 4 de 41234