15
Sep
2013
Fórum Everywhere: Dicas, sugestões, opiniões e pitacos!
Escrito por Adriana Miller

No outro dia rolou uma discussão interessante na caixa de comentários sobre como a blogsfera mudou de uns anos pra cá.

De certa forma, mudou pra melhor – quanto mais gente tem acesso a internet, mas rico o espaço fica, e hoje em dia é praticamente impossível não achar o que você está procurando num site qualquer por ai. Mas por outro lado essa mudança e crescimento fez com que a abundância de informações deixasse tudo muito perdido e impessoal, e as vezes fica difícil saber o que é verdadeiro e genuíno ou apenas poluição cibernética.

forum_lateral

Outra coisa que conversamos e debatemos era de como era mais fácil pedir e receber ajuda, e as pessoas tinham mais facilidade de se aproximar, ainda que virtualmente.

E aí eu fiquei pensando em outra coisa que eu venho sentindo muita falta: comunidades e fóruns!

Quem aqui não se lembra dos áureos tempos do Orkut, e suas comunidades divertidíssimas?! “Orkutização” e brincadeiras a parte, as comunidades do Orkut eram super úteis e informativas, onde muita gente legal participava e dava opinião e divulgava sites e serviços, e eu não planejava nada sem antes dar uma olhadinha por lá!

Gente, meu casamento inteiro foi planejado graças ao Orkut!! Foi lá também que meu blog cresceu e conheci (ainda que virtualmente) MUITA gente legal que estão até hoje entre meus blogs preferidos, e muitos que já passaram do virtual pro real ha muito tempo!

Mas sim, claro. Existem muitos outros fóruns de viagem ótimos, como nos sites do Lonely Planet ou Trip Advisor, mas eles são tão grandes e tão comerciais que as vezes fica difícil levar certas coisas a sério!

Então eu fui juntando uma coisa aqui, outra ali e pensei: porque não criar um fórum aqui mesmo no blog?

Forum

Ultimamente eu mesma tenho usado as redes sociais (principalmente Twitter e Facebook) pra pedir “ajuda aos universitários” quando quero pedir ajuda ou sugestão (relacionada a viagens ou não), o que gera uma interatividade super legal, mas segundos depois a informação se perde, a timeline anda e já era…

Sem falar no mundo de informações bacanas que se perdem nos comentários de posts aleatórios, leitores com dúvidas ou dicas em comum que vão comentando aqui ou ali e aos poucos a informação se perde…

Quantas vezes já não me peguei pensando “já respondi isso antes, mas não lembro onde!”. Ou então quando recebo dúvidas e perguntas que simplesmente não justificam posts (ou gerariam posts que não tem nada a ver com o blog…).

Seus problemas acabaram!!! :-)

Assim nasceu o “Fórum Everywhere

Uma maneira bem simples de abordar temas interessantes mas que não teriam muito a ver com o propósito do blog, e até mesmo conseguir cobrir assuntos que eu não consigo. Adoro quando alguém deixa um comentário e logo logo já vem algum outro leitor e também responde (que muitas vezes entende do assunto bem mais que eu!).

Um bom exemplo? Hotéis em Londres!

Recebo muitos pedidos de dicas de hotéis em Londres, o que faz todo sentido, já que moro aqui, conheço a cidade super bem, e falo tanto sobre turismo em Londres. Mas ao mesmo tempo, justamente por morar aqui eu nunca me hospedei na cidade…

Muitos blogs fazem “posts convidados”, colaboradores ou dica dos leitores, mas nunca achei que isso combinava com meu espaço, e acho que o blog precisa de ter uma identidade pessoal – a minha. Porém isso não quer dizer que não seja útil e válido ter essas informações disponíveis, certo?

Portanto já esta lá criado no fórum o tópico “Resenha de hotéis em Londres“! Você viajou pra Londres e quer contar/recomendar seu hotel? Passa lá!!

E roteiros de viagem? Você esta planejando uma viagem e quer pedir opinião no seu roteiro? Eu sempre publico os meus roteiros aqui no blog, e sempre respondo comentários sobre isso, mas (infelizmente) eu (ainda) não viajei o mundo todo e tem muita coisa que simplesmente não sei nem conheço – mas taaaanta gente que passa por aqui todos os dias já fez e conhecem muito bem, então porque não pedir ajuda pra eles?

Outros exemplos? Um bem bobinho é o carrinho de bebê da Isabella, o Bugaboo Bee. Recebo muitas, muitas perguntas sobre ele, mas nunca achei que faria sentido escrever um post sobre carrinhos, então já transferi todos os comentários e respostas pra lá!

E pra quem quer vir morar ou estudar no Reino Unido? Quais são os melhores cursos de Inglês? E quais são os melhores bairros pra procurar apartamento na cidade? (aqui no blog tem um post S.A.L. bem antigo com várias dicas de cursos de Inglês em Londres e na Inglaterra, mas como o post é antigo, acaba se perdendo – então já transferi os comentários e sugestões para um novo tópico lá no fórum!).

E ainda tem a seção sobre a “Comunidade“, onde todo mundo pode se apresentar (tipo como aconteceu com as “Tias Everywhere”!), divulgar blogs, compartilhar fotos e histórias! (a blogsfera tem se tornado tão competitiva, nesse clima de “pro-bloggers” que falta um espaço pra conhecermos novos blogs, né não?)

Enfim, as possibilidades são inúmeras e novos assuntos e tópicos serão criados a medida que novas ideias forem surgindo, então… boca no trombone!!

P.S. Ah! Outro “fórum” bem legal é o “Álbum dos leitores” lá na página do Facebook! Vários leitores já mandaram suas fotos de viagem  (não precisa ser só de Londres não, e muito menos só de viagem ao exterior! Qualquer foto vale!) – manda a sua também! :-)

 

Para acessar o Fórum basta clicar AQUI (e outros links espalhados pelo post), mas em breve vai ganhar uma aba na barra superior do blog e um novo ícone aqui do lado.

O fórum já pode ser acessado tanto pelo menu na barra superior quanto pelo ícone aqui na lateral!

Forum2

E para facilitar a convivência (e boa educação) também vale a pena ler as “regras” e o passo a passo pra utilizar o fórum, criar novos tópicos, deixar sua resposta, etc.

 

 

Categorias: Blog, S.A.L.
31
18
Jan
2012
S.A.L.: Milhas, milhagem e fidelidade. Oque vale a pena?
Escrito por Adriana Miller

Enquanto eu nao edito e organizo as mais de 3 mil fotos tiradas durante a viagem a Asia e novos posts nao saem do forno, resolvi escrever sobre um assunto que muita gente me pergunta, mas ainda nao sei se tenho alguma opiniao inedita ou dica infalivel pra dar…

Essas sao algumas dicas sobre oque eu faco, e oque tem dado certo pra mim e meu estilo de viagens.

Alem disso, por coincidencia, na ultima noite que passamos em Pequim, assisti um programa na BBC que falava sobre milhagens, e pintava um cenario onde progrmamas de milhagem sao pura falcatrua, e eu discordo totalmente. Entao queridos leitores, malzae, mas resolvi dar minha opiniao tambem!

Pra comecar, acho que devemos levar algumas coisas em consideracao. Uma vez que voce analisa e entende os diferentes aspectos e vantagens de ser fiel a um determinado programa aereo, tudo faz mais sentido, as recompensas se tornam melhores, e entao tudo faz sentido.

- Acumulando milhas:

Eu pessoalmente acho que um dos principais problemas em toda essa questao de “milhagem”, eh que a maioria dos viajantes foca demais na milhagem propriamente dita.

Sim, sempre vale a pena se cadastrar e ter seu cartaozinho de milhagem, mas cuidado pra nao cair no buraco negro das centenas de cias aereas disponiveis no mundo.

Pode ate soar um pouco sem sentido, mas a verdade eh que quantos menos programas de fidelidade voce fizer parte, mais facil sera de acumular milhas.

Afinal, 1.000 milhas aqui, 5.000 acolah nunca vao te levar a lugar nenhum. Mas se todas as suas milhas estiverem concentradas na mesma cia, ou no mesmo grupo de cias (por exemplo a Star Alliance, OneWorld, SkyTeam), ai sim fica mais facil de colher as recompensas.

Eu possuo apenas dois cartoes, o da British Airways, que faz parte do grupo OneWorld, e da Continental, que faz parte da Star Alliance. O programa da BA pra mim, eh o principal pois eh a empresa “da casa” na Inglaterra, mas como a Star Alliance eh enorme e as vezes nao da pra evita-los, eu tambem mantanho minha afiliacao por la.

Como saber qual a melhor pra voce? Facil. Sempre de preferencia pra compania “da casa”, pois a probabilidade de que a maioria dos voos saindo de sua cidade sejam dessa empresa, do que empresas aleatorias de outros paises, alem de voce poder tirar vantagem de outros beneficios locais (como cartoes de credito, grupo de compras, etc).

Entao no meu caso a melhor cia para se afiliar eh a British Airways. Se voce mora no Brasil, talvez seja a TAM. Se mora na Alemanha, a Luftansa. Na Franca, a Air France, e assim por diante.

E considero que oque devemos dar mais importancia eh na verdade o grupo e alianca de cias aereas, e nao cada compania individual.

Entao antes de comprar uma passagem qualquer, eu faco o dever de casa e descubro qual grupo cada cia faz parte, e baseio minhas decisoes nisso.

Por exemplo, quando viajo pro Brasil, geralmente os voos da British Airways sao os mais caros, mas se tenho que optar por outra cia, digamos, a Iberia ou a Air France, sempre que possivel dou preferencia a Iberia, que faz parte do mesmo grupo que a BA.

Entao eu sei que posso acumular milhas (e colher vantagens) pela One World quando viajo Iberia, ou American Airlines, por exemplo. E posso acumular minhas pela Star Alliance quando viajo Tam, United ou BMI, por exemplo.

Mas se pensarmos e focarmos os esforcos apenas nas milhas, o processo se torna incrivelmente frustrante.

Porque pensa bem: mesmo quem viaja muito, a trabalho digamos, e tenha que fazer a ponte aerea RJ-SP todas as semanas (ou digamos Londres-Paris). Cada uma dessas viagens acumula miseras 500 milhas em media.

Ai voce viaja dezenas de vezes ao longo do ano, acha que tem um monte de milhas acumuladas, e vai dar uma olhada nas possibilidades de resgate: uma passagem Europa – America no Norte nao sai por mesno de 50.000 milhas.

Ou seja, eu preciso ir a Paris 100 vezes antes de poder fazer uma unica viagem para os EUA. E sem contar claro, com o lance das datas de black out, numero limitado de assentos por voo, etc.

Entao pra mim hoje em dia a vantagem de fazer parte dos programas de milhagem vai muito alem das milhas.

Outra tecnica eh usar bastante de outros metodos de acumulacao de milhas oferecidos pelas cias aereas.

Por exemplo, no meu caso, mesmo viajando praticamente todas as semanas a trabalho, acumular milhas em viagens curtinhas dentro da Europa eh impossivel.

Entao eu tambem uso o cartao de credito da British Airways. Eh o unico que eu uso, e tento usar pra absolutamente tudo.

Existem tipos diferentes de cartoes etc, o meu, me da cerca de 2 milhas para cada Libra gasta. Entao eu faco questao de pagar todos os meus gastos possiveis com o tal cartao.

Para nao perder a nocao da coisa, eu tambem uso bastante a App deles pro iPhone, e assim vou checando, todas as semanas meus gastos, e ja vou pagando tudo direto, sem deixar acumular juros nem taxas. Entao na verdade hoje em dia, eu acabo usando meu cartao de credito como cartao de debito, sem ter essa coisa de esperar a fatura vencer nem nada, mas entao sem esforco, e sem sair de casa, ganho centenas de milhas todos os meses.

(P.S. Muito cuidado pra nao cair na armadilha do cartao de credito, e usar demais seu “credito”, ou seja, nao gaste mais doque voce ganha, se nao, apesar de ganhar algumas milhas, voce acba pagando mais de juros doque o preco de uma passagem aerea! Ja falei sobre o planejamento financeiro pra viagens aqui)

Outra cosia que a British Airways tem que eu tento usar sempre que possivel, eh a sua loja virtual. Ao seguir o link dentro do site deles, eu acesso uma lista de lojas e sites Inglesas que fazem venda on line e dao milhas por sua compra.

Algumas dessas lojas chegam a dar 8 milhas por Libra gasta (ou seja, se vc comprar algo que custa 120 Libras, ganharam quase tantas milhas que duas viagens ida e volta a Paris! Ja outras lojas oferencem uma premiacao unica. Quando resolvi renovar meu contrato de celular, fiz tudo on line, via o site da BA e por isso a Phones4U me deu um premio de 3.000 milhas – mais doque eu ganharia em duas viagens ida e volta a Madrid!

Uma outra tecnica tambem muito eficaz (principalmente nas viagens a trabalho) eh se afiliar a redes de hoteis, que geralmente te dao a opcao de acumular pontos convertidos em milhas da compania X ou pontos de hoteis. Eu pessoalmente prefiro converter meus pontos Starwoods e Marriott em milhas da BA, e geralmente acabao ganhando mais milhas por causa da estadia em hoteis dessas redes doque com o voo.

Ou seja, apesar de viajar muito, muito mais que a grande maioria das pessoas, acumular milhas apenas dependendo das viagens eh praticamente impossivel – entao eu faco uso de todos os meios possiveis pra ir acumulando por outras vias.

- Acumulando Pontos:

Outra coisa que sempre presto atencao sao os tais dos “pontos”. A BA os chama de “Tier Points”,  e a Continental os chama de “Elite Points”, e quase todas as cias aereas tem algum equivalente proprio.

Sao esses tais pontos que diferenciam as milhas aucmuladas em viagens, e as milhas acumuladas via outroas meios.

Entao eu ate posso ganhar 3 mil milhas numa transacao on line, mas nao ganho Tier Points nenhum. Por outro lado quando viajo a Paris ou Madrid, ganho apenas cerca de 500 milhas, mas em compensacao ganho 40 pontos.

E sao esses pontos que vao acumulando e diferenciando seu nivel de “fidelidade”, que por sua vez te da um cartao de “cor diferente”, e principalmente um status diferenciado dentro da compania.

Ou seja, todo mundo pode se cadastrar on line em determinado programa de milhagem, mas apenas os viajantes frequentes acumulam pontos, e eh exatamente isso que as cias aereas prestam atencao na hora de te recompensar por sua fidelidade.

- Como saber como e quando “gastar” as milhas?

Claro que acumular milhas, e poder viajar “de graca” eh o sonho de todo mundo que ja se cadastrou num programa de milhagem, mas infelizmente a coisa nao eh tao simples.

Geralmente eh muito dificil achar vaga nos voos que voce quer, e apesar da passagem ser de graca voce ainda tem que pagar todas as taxas e impostos, oque muitas vezes significa que a diferenca de precos nao eh tao grande assim, e voce alem de gastar uma grana preta, ainda vai “perder” todas as suas milhas.

Entao geralmente eu so considero uma vantagem gastar minhas milhas quando a diferenca entre o preco da passagem total e o preco das taxas a serem pagas vale a pena.

Na nossa viagem pra Asia essa troca valeu a pena, pois por termos pagos apenas as taxas de embarque e impostos ao utilizar minhas milhas, o preco final ficou cerca de 1/3 do preco de uma passagem comprada.

Ja para viagens aos EUA (que geralmente sao bem baratas saindo de Londres) isso nao vale a pena, pois a quantidade de milhas eh muito alta, e no fim das contas a diferenca de preco a ser pago fica na casa dos 100 a 200 Libras. Entao nessa caso, prefiro pagar a diferenca, acumular mais milhas, e principalmente, acumular mais pontos.

Ou seja, mesmo tendo centenas de milhares de milhas acumuladas, sua viagem nunca vai ser verdadeiramente “de graca”, pois voce sempre tera que pagar os extras por conta propria.

- Mas entao, qual eh a verdadeira vantagem de fazer parte de programas de milhagem?

No meu caso, a verdadeira vantagem de manter minha fidelidade ao programa de milhagem (que no meus caso eh o da British Airways) sao as regalias que fui acumulando ao longo dos anos e das muitas viagens.

Lounge da BA pre-voo

Hoje em dia eu tenho acesso a dezenas de lounges executivos em aeroportos no mundo todo (mesmo quando viajando de Economica), posso fazer cheack in no balcao da primeira classe (mesmo viajando de economica) e posso embarcar primeiro que todo mundo, no grupo “preferncial”. Ou entao passo pela fila do “fast track” na area de seguranca dos aeroportos.

Alem de claro, sempre ter direito a despachar mais malas (o normal para voos saindo da Europa eh sempre apenas 1 mala de 23 quilos), oque eh uma grande vantagem principalmente em voos para o Brasil ou EUA por exemplo (como aconteceu nessa viagem aqui onde me perguntaram sobre a mala extra e o progrmaa de milhagem)

Entao por ser recompensada e ter todas as essas regalias, a British Airways acaba conquistando ainda mais minha fidelidade, pois eu sei que viajar com eles (ou seus afiliados) me dara vantagens e uma moleza que podem transformar uma viagem transatlantica de um pesadelo, a uma experiencia prazerosa e confortavel.

E por isso mesmo, se as vezes tenho que pagar uns dolareas a mais, aqui ou ali, pra viajar numa das cias aereas do grupo, eu sei que no fim das contas vale a pena, em vezes de sempre ficar de olho apenas no preco final.

E eh tambem esse tipo de fidelidade que acaba sendo recompensada de outras maneiras, como os famigerados upgrades.

Upgrade da British Airways

Eu sei que existem trocentos posts em centenas de blogs dando “dicas” de como conseguir um upgrade nas cias aereas, mas a verdade eh que isso soh acontece em duas situacaoes: ou vc da muita sorte; ou voce esta bem cotado no programa de fidelidade.

Todo esse papo de se vestir bem, fingir que esta na lua de mel, ou que esta doente, ou oque for, eh puro bla bla bla.

Por exemplo, desde que passei a ser considerada com “status” executivo da BA eu ganhei upgrades em todos os voos, sem nunca pedir, e na maioria das vezes, vestida como uma mulamba!

Quando o voo esta vazio, eles dao upgrade aos frequent travelers para fazer um agrado. E quando o voo esta lotado, eles dao upgrades aos viajantes frequentes pra desocupar mais assentos na economica e conseguir vender mais passagens.

 

Entao hoje em dia pra mim a grande vantagem desses programas nao se limita as milhas e uma possivel (porem bem dificil de ser relaizada) viagem “de graca”, e sim ser tratada como um cliente especial e recebendo umas regalias aqui ou ali.

E uma ultima dica em relacao a resgatar milhagem eh a antecedencia: quanto antes voce planejar sua viagem e reservar sua passagem, maiores as chances de conseguir usar suas milhas. Na nossa viagem pra Asia, nossas passagens de milhas foram reservadas em Junho (soh viajamos no final de Dezembro) e ainda assim tivemos que voar pela opcao “plano B” em datas ligeiramente diferentes; e tambem queria poder voar pro Brasil esse ano usando milhas, e todos os assentos de resgate para o Rio de Janeiro ja estao esgotados ate Outubro de 2012!

Se voce chegar naquela situacao onde as milhas estao prestes a esgotar, mas voce nao estar conseguindo regata-las em voos, uma outra opcao eh comprar uma pasagem normal, e usar suas milhas pra comprar um upgrade!

 

Categorias: Dicas (Praticas!) de Viagem, S.A.L., Viagens
30
11
Nov
2010
S.A.L.: Carreira “Internacional”
Escrito por Adriana Miller

Volta e meia eu recebo e-mails pedindo dicas sobre como iniciar ou “transformar” uma determinada carreira em “internacional”.

Seja isso alguem que esta a ponto de comecar a faculdade, mas nao sabe se Comercio Internacional eh o caminho certo, ou alguem que simplesmente adora viajar e acha que ao trabalhar num cargo internacional, vai poder viajar a vontade pelo mundo todo as custas da empresa.

Pois entao. Se existe alguna dica magica, ou algum “segredo”, eu nunca descobri nem nunca me contaram, mas posso contar como aconteceu comigo, e dai dah para tirar algunas ideias doque pode ou nao dar certo.

Para comecar, minha opiniao sobre Comercio Internacional; lembrando que eh apenas minha opiniao pessoal e baseada em observacao, e nao tenho nada nem contra, nem a favor do curso universitario.

Mas eu acho que um curso universitario em Comercio Internacional eh possivelmente uma das carreiras mais randomicas que existem; e assim como Administracao, para ter uma carreira de fato, voce acaba tendo que se especializar numa determinada area – entao se esse eh o caso, porque nao ja focar na especializacao, se vc sabe oque quer?

Mas, mais uma vez, eu nao posso dar conselhos sobre o curso X ou Y de Comercio Internacional, pois afinal eu nao sei exatamente como o curso funciona. Mas eu acho que esse tipo de carreira universitaria faria sentido para quem quer focar em importacao/exportacao, por exemplo, e quer entender como funcionam as leis e regulamentacoes do comercio internacional. Comercio. Impostos, aduanas, leis e coisas assim. E ponto. Para fazer marketing, RH, financas, contabilidade, advocacia ou qualquer outro tipo de carreira num ambito internacional, entao melhor ja comecar na carreira especifica, e dai para frente se aplicar para dar o rumo “internacional” que voce quer ter.

Eu sempre quis e sempre sonhei em ter uma carreia internacional, e por muito tempo achei que o melhor caminho seria estudar turismo. Afinal, basta se formar em turismo para vc poder viajar o mundo todo, certo? Mas como eu me dei bem mal e quebrei a cara, descobri que nao eh bem assim (que eh uma historia que ja contei aquí tantas outras vezes…).

Uma coisa que eu me lembro muito nitidamente nesse minha tomada de decisao de querer ser “internacional” foi quando assisti no cinema o filme “Advogado do Diabo” (1997! Hahahah! Como to velha!): uma coisa nao tem nada a ver com a outra, mas uma das cenas aparece a “Business partner” do Keanu Reeves, andando de um lado pro outro em seu escritorio, com o headset do telefone falando com alguem em Italiano (ou em Frances?!), e o Al Pacino a apresenta como “Fulana de tal, cuida de todos os nossos assuntos internacionais” (ou algo do tipo) e eu achei aquela cena o cumulo do glamour, e decidi que queria ser assim quando crescer!

Nunca soube exatamente oque queria ser quando crescer, mas sabia que queria ser aquela pessoa, falando no telefone com alguem do outro lado do mundo.

Entao eu fiz faculdade de Economia, fiz varios estagios e tal (um menos glamoroso que o outro…), e depois de formada entrei num programa de trainee, onde meu primeiro “periodo” (fiz um programa de rotacao em varias areas na mesma empresa) foi justamente na area de exportacao da empresa.

Foi totalmente por acaso, e a principio eu tava achando o maximo, ate que descobri que trabalhar com exportacao/importacao eh uma das cosias mais chatas e macantes que podem existir! Eu passava o dia todo revendo precos de produtos, preco de frete, custo de armazenamento no cais do porto, revendo clausulas de contrato, etc, etc, etc. Internacional que era bom, nunca cheguei nem perto. Nunca tive contato com nenhum dos clientes internacionais, e mal sabia quem eram e de onde vinham.

Depois de 6 meses, passei para area de planejamento financiero, e isso soh solidificou minha certeza de que nao gostava mesmo da carreira de economista, e resolvi largar tudo e ir para Espanha fazer um mestrado em turismo (que ja contei essa historia aqui um zilhao de vezes).

Mas parando para pensar friamente, eu consigo dissecar exatamente como e (mais importante) porque consegui desenvolver uma carreira internacional.

Para cometer eu acho que voce, propriamente dito, tem que SER internacional. TEM que falar varias linguas, e tem que ter esse diferencial do resto da populacao nao-internacional. TEM que ter alguna experiencia internacional, vc tem que saber sobre outras culturas, ter morado ou estudado em outros paises. Tem que entender o lado lah da fronteira, como pensam e como agem seus clientes.

Entao comigo, oque aconteceu foi que quando comecei a procurar emprego em Madrid, uns meses antes de comecar meu mestrado, eu estava mandando meu CV a torto e a direita, para qualquer vaga que visse por ai: garconete, vendedora de loja, recepcionista, secretaria, etc, etc. Ate que me chamaram para uma entrevista para trabalhar numa empresa e num projeto que eu nem sequer sabia oque era. Ou seja, nem sequer tinha aplicado para aquela vaga, mas acabei sendo seleccionada justamente por minha condicao de “internacional” – nesse momento, meu esforco jah estava feito sem nem ter percebido, afinal a vaga pedia alguem que falasse Portugues e Ingles fluente (na epoca meu espanhol era vergonhoso – estava na Espanha ha apenas uns 2 meses), e de quebra ainda falasse Italiano (que nao era necesariamente um requisito da vaga, mas foi um bonus pro projeto). E entao, essa vaga literalmente caiu no meu colo, e passei 1 ano trabalhando num projeto internacional do Service Centre da IBM da Espanha, trabalhando diariamente com colegas e fornecedores de mais de 20 paises.

Ai acabei vindo para Londres, achando mesmo que meu futuro partencia a carreira de Turismo. E essa foi uma outra longa historia que jah contei aqui um zilhao de vezes.

E mais uma vez, sem querer acabei caindo totalmente por acaso na carreira de Recursos Humanos, e mais uma vez numa posicao “internacional” – e mais uma vez porque sabia falar Portugues e Espanhol fluentemente.

Ai pronto. Dai para frente meu perfil virou “internacional” e mesmo se nao quisse, jah nao tinha volta. Nas vezes que quis trocar de emprego nos ultimos anos, se aplico para uma vaga “local” (no caso focada em RH do UK) meu CV morre no limbo, mas se aplicar para uma vaga “internacional”, eh batata: Me ligam no dia seguinte!

Entao agora jah sei que sou “internacional” e nao tem volta! (ainda bem que eu gosto, neh?!)

Mas claro que rolaram varios “por acaso” na minha carreira, e sei que acabei dando bastante sorte, mas ao mesmo tempo, nada vem de graca de nessa vida. Nao tem aquela frase cliche de traseira de caminhao, que diz que “sorte eh quando a oportunidade encontra o preparo”? Entao, eu acredito fielmente nessa teoria!

Hoje em dia, ter conseguido um emprego onde gerencio 15 paises em 3 continentes (com mais 10 paises entrando para lista em 2011), pode parecer uma grande “sorte”, mas nao esquecam que antes disso se passaram anos construindo esse perfil “internacional” que me transformou numa candidata atraente para vagas internacionais: foram anos fazendo curso de Frances, de Ingles, de Espanhol e Italiano, anos estudando para ter uma boa qualificacao, conseguir bons estagios em empresas reconhecidas mundialmente (nessas horas ter nomes de multinacionais no CV tambem ajuda), e ter morado fora muitos anos, seja com minha familia ou fazendo intercambio durante a faculdade.

Entao assim como muitas outras carreiras, o primeiro passo eh sempre o mais difícil de conseguir, e volta e meia rolam aquelas situacoes do ovo-e-a-galinha onde nao te dao experiencia porque voce nao tem experiencia, mas voce nao tem experiencia porque nao te dao experiencia…

Mas no caso da carreira internacional, seja qual for sua area, o primeiro passo eh a tal experiencia inicial tem que vir de voce mesmo – nessas horas sua experiencia de vida vale muito mais do que qualquer outro diploma – ou seja, na hora da verdade uma “work experience” onde vc estudou outra lingua em outro pais enquanto servia mesa vai contar muito mais a seu favor doque fazer um cursinho com “internacional” no titulo na faculdade da esquina do seu bairro.

E alem disso, vc tem que escolher seu foco – ninguem eh especialista no mundo todo, entao sua internacionalidade tem que comecar aos poucos.

No meu caso, comecou com Espanha-Portugal, depois mudou para America Latina (que tem em comum as duas linguas), depois passou para um cargo “Europa do Sul”, que tambem comecou com Portugal e Espanha e evoluiu para Italia, Grecia e a regiao dos Balcans (e volta e meia me metendo nos asuntos da France e Alemanha), e agora num cargo mais “continental” onde estou tendo que aprender do zero como varios paises com os quais nunca trabalhei funcionam – mas ai voce se da conta que depois de aprender como funciona o sistema trabalhista da Romania, aprender como funciona as deducoes sociais da Arabia Saudita nao eh tao diferente, e a politica trabalhista da Franca nao eh tao mais complicada que a Russa, e que a folha de pagamento da Holanda eh bem parecida com a Alema.

Alem disso, hoje em dia tenho o privilegio (ou nao, depende do seu ponto de vista!) de poder viajar bastante a trabalho, coisa que (ainda) gosto bastante de fazer, mas foi uma coisa que tambem aconteceu com o passar do tempo, com a experiencia na carreira. Mas a tendencia eh sempre e cada vez mais as viagens a trabalho diminuirem mais e mais, e a maioria esmagadora de reunioes sao feitas por conference call, video conference, tele-presence etc, que economizam seu tempo e o dinheiro da empresa, e a realidade eh que 90% das pessoas que trabalham internacionalmente nunca saem de sua cadeira.

Entao voce vai gostar de trabalhar numa area (seja ela qual for) internacional se voce realmente gostar da sua carreira (por exemplo se eu tivesse trabalhando em financas internacional em vez de RH, eu continuaria odiando financas, ou entao odiando ainda mais, pois cada pais tem seus problemas!), e principalmente gostar do ambiente multi-cultural – gostar e ter paciencia pra passar horas no telefone com o project manager da India, bater-boca com a gerente de financas da Russia que quebra todas as regras, ou desafiar a diretora de RH espanhola que soh faz oque ela quer (e isso tudo sao exemplos reais aconteceram apenas hoje!), achar tudo super interessante, querer aprender como cada cultura e cada canto do mundo faz suas coisas a sua maneira e aprender a se moldar a cada um – independente de ter algum aviao envolvido ou nao.

Se nao acaba sendo como todo e qualquer outro emprego que voce pode vir a nao gostar: seja a pessoa que quer trabalhar em Financas pra “ganhar dinheiro” e acaba fazendo planilhas o dia todo; ou quem queria ser advogado e defender crimes na corte e acaba revisando contratos todos os dias; quem queria fazer marketing e propagandas hollywoodianas na tv e acaba fazendo diagramacao de folheto promocional; quem queria fazer moda e acaba organizando o guarda roupa do backstage…

Ou seja, o dia a dia da carreira eh sempre diferente daquilo que imaginaos e glamurizamos durante o vestibular, entao seja internacional ou nao, voce tem que acima de tudo gostar doque voce faz.

Categorias: S.A.L., Trabalho
46
13
Aug
2010
S.A.L.: Planejamento de Custos/Despesas em viagens
Escrito por Adriana Miller

Ha umas semanas atras a Mi e a Lucia me mandaram e-mails pedindo dicas de como se planejar financeiramente pra viagens. Segundo a Mi, dicas sob o ponto de vista viajante-profissional-ex economista-planejadora obsessiva compulsiva.

Entao esses sao os truques financeiros que funcionam pra mim, que aplico ao longo do ano, todos os anos e que me permitem otimizar meu orcamento pra sempre poder encaixar minhas muitas viagens – sem ir a falencia, nem abrir mao de fazer outras coisas na vida.

Esta longe de ser uma formula magica, e cada caso eh um caso; mas vai por mim! Basta um pouco de planejamento curto-medio-longo prazo (ou seja: o tempo todo!) e voila!

Uma das coisas que eu mais gosto em relacao a uma viagem, eh justamente planeja-la.

Sei que muita gente prefere e se sente mais confortavel ao lidar com agencias de turismo. Voce vai lah, diz oque quer fazer, suas preferencias, quanto quer gastar e pronto. Alguem pensa em tudo por voce e te vende um pacote prontinho e completo.

Isso pra mim significa abrir mao de um dos meus passatempos preferidos! Ler, pesquisar, brincar com datas, voos, procurar hoteis, organizar o roteiro, etc, etc, etc. E eu nao to brincando quando digo que jah tenho viagens pensadas/planejadas pros proximos 3 anos!

Alem disso, uma outra grande vantagem de planejar uma viagem independente, com bastante antecedencia, eh poder planejar e espalhar os custos.

Viajar eh sempre mais caro que a vida normal, voce acaba fazendo coisas e gastando com outras tantas que nao fazem parte de seu orcamento do dia a dia, e muita gente deixa de sequer cogitar a idea de planejar uma viagem, justamente por achar que nao tem dinheiro pra esse tipo de coisa.

Entao planejamento financeiro eh essencial nao soh pra tornar sua viagem possivel, mas tambem pra evitar que as experiencias e boas lembrancas da sua viagem se transformem em arrependimento e dividas na volta pra casa!

Bem, pra comecar, eu “categorizo” minhas viagens em dois grupos: as viagens curtinhas-rapidinhas que sao mais frequentes; e as viagens longas, que geralmente sao pra lugares mais distantes e consequentemente serao mais caras.

E por isso tambem prefiro viajar mais vezes, por periodos de tempo mais curtos (tipo 3 dias aqui, 4 dias ali…) evitando acumular de uma vez soh varias diarias seguidas em hoteis, mais 3 refeicoes por dia, por varios dias, etc, etc.

As viagens curtas sao mais frequentes, e geralmente tento fazer quase que uma por mes. Para que isso seja viavel, esse custo faz parte do meu orcamento mensal. Ou seja, todo mes, quando eu recebo meu salario, eu jah sei que todo-santo-mes eu tenho que pagar o aluguel, uma parte pra poupanca, conta de luz, eletricidade, celular, academia, supermercado e viagem (entre outras).

Entao isso pra mim jah eh um custo “amortizado”, que jah nem considero como parte do meu salario liquido. Assim nao caio na tentacao de gastar esse orcamento comprando qualquer outra coisa. Se por acaso, sobrar dinheiro desse “bolo” no fim do mes (se a viagem foi mais barata que o normal, por exemplo), fico no lucro, e aproveito pra “investir” nos custos da proxima viagem!

Esse custo mensal foi calculado tendo em base: custo de uma passagem aerea futura (a pasagem da viagem daquele mes jah foi paga ha alguns meses atras – sempre!), diaria de hotel/albergue, comida, e alguns extras (trem ate o aeroporto, museus, transportes e afins durante a viagem).

Entao eu jah sei, mais ou menos quanto posso/quero gastar na passagem aerea de uma viagem futura (e passo meses pesquisando datas, cias aereas e possiveis precos, versus o custo-beneficio de conhecer tal lugar), estabeleco limites no custo da diaria de hoteis (por isso sempre acabamos ficando em albergues ou pensoes bem baratinhas), e qual nosso custo medio com alimentacao e transporte.

Mas o custo “base” eh sempre a passagem aerea, mesmo comprando de cias low cost. Entao tento comprar as passagens com pelo menos 4 ou 6 meses de antecedencia (jah tenho planos ate Dezembro desse ano, por exemplo, e jah estou de olho nas opcoes de viagens para Janeiro, Fevereiro e Marco de 2011!), e se por acaso sobrou uma grana nao esperada num mes qualquer, aproveito pra jah comprar logo varias passagens ao mesmo tempo (diminuindo os gastos com taxas de cartao, por exemplo, muitas vezes cobradas no sites de viagem low cost), e assim me “livro” do custo, oque causarah mais “sobras” de dinheiros em meses seguintes (oque eh sempre otimo!).

Porem quando a viagem eh mais longa, a passagem aerea consequentemente mais cara, e os gastos de hotel + comida + transporte + aleatorios tambem sao maiores (pois serao mais dias fora de casa) o planejamento precisa ser ainda melhor, e de preferencia com ainda mais antecedencia!

Pra comecar que a grande maioria das vezes decidimos qual destino e data de nossa viagem baseado em custo.

Sempre tenho minha lista top 10 de lugares que quero conhecer (na verdade eh mais um top 67, mas tudo bem…), e entao vou brincando com as possibilidades de um destino X ou Y ou Z dependendo se naquela epoca eh alta temporada em determinado lugar, se esta rolando promocao em algum site/cia aerea, etc. Entao as vezes decidimos viajar pra determinado lugar, puramente porque a passagem estava irresistivelmente barata! (como foi o caso de Dubai em Fevereiro desse ano. Nao estava nos planos pra 2010, mas nao consegui deixar uma passagem de 200 Libras passar despercebida…).

Entao a passagem eh comprada com meses e meses de antecedencia, e esse custo jah desaparece de meu caminho.

Porem se for uma passagem bem mais cara que o normal (passagem pro Brasil, por exemplo! Sempre mais cara que pra qualquer outro lugar do mundo! Incrivel!), jah sei que ao longo do ano tenho que separar um “fundo” diferente que vai patrocinar esse gasto extra (muitas vezes gastos provenientes das “sobras” do orcamento mensal que falei a cima; ou por exemplo adiar (ou cancelar) a compra de alguma outra coisa (Bolsa? Roupa? Camera fotografica? Jantar fora no fim de semana?) que faria parte do mes gasto liquido daquele mes. Ou simplesmente jah saber que X% da minha poupanca na verdade serah destinada a viagem X – como esta sendo o caso da nossa viagem a Tanzania/Kilimanjaro esse ano, que estamos juntando e separando uma poupanca especial pra esse gasto ultra-extraordinario ha 2 anos).

Entao dai pra frente vou tentando “espacar” os custos da viagem o maximo possivel – oque NAO significa pagar nada com crediario, parcelado ou afins, que sao artificios que apenas adiam o gasto com um dinheiro que voce ainda nem sequer tem (que geralmente eh o que gera dividas).

Ou seja, X meses de antecedencia, reservo os hoteis. Mais um gasto futuro que saiu do meu caminho.

No mes Y, reservo passagens de viagens internas (como voos domesticos, viagem de trem, onibus ou afins).

E sempre que possivel, ao longo dos meses X, Y, Z, W, etc vou separando uma grana extra (por menor que seja essa quantidade, no final de alguns meses, sempre dah uma ajuda nos gastos finais da viagem) que vai cobrir os gastos aleatorios durante a viagem: Comida? Taxi? Souvenir? Show/Teatro/Musical? Muambas?

Em relacao aos gastos durante a viagem propriamente dita, eu sempre, SEMPRE opto por usar meu carto de debito, que eh internacional, meu banco nao me combra nenhum taxa extra para saques no exterior (soh no Brasil, que sempre me combram! Parece implicancia!) e sempre cobram a cotacao oficial do Euro/Dolar/Dirham/Bhat/etc. Assim jah sei quanto tenho pra gastar durante aquela viagem  e nao gasto nada “por conta”.

Mas se esse nao eh o seu caso (se seu cartao de debito nao for internacional, ou se seu banco te cobra taxas exorbitantes), entao use esse “fundo extra” pra ir comprando moeda estrangeira, por exemplo (sempre prestando atencao na cotacao e flutuacao do cambio).

Uma observacao extra eh evitar cair no erro de sair comprando dolar adoidado, se sua viagem NAO for pros EUA. Tudo bem que comprar dolar no Brasil eh bem mais facil doque qualquer outra moeda, mas eh sempre bom ter em mente que vc vai pagar comissao, taxas, cambio, etc pra comprar dolar, jah perdendo uma certa quantia nesse processo. Depois, meses depois quando sua viagem finalmente chegar, voce terah que fazer todo esse processo novamente (e consequentemente perder mais dinheiro) pra trocar seus dolares por Libra/Euro/Dolar/Dirham/Bhat ou oque for – Ou seja, seu saldo final, em Reais sera mais baixo doque o planejado, e voce vai perder dinheiro desnecessario no Limbo das cotacoes de cambio…!

(E nao. Dolar NAO eh aceito como moeda comum na Europa. Seus dolares nao serao aceitos em lojas, nem restaurantes, nem pelo motorista do taxi)

Uma alternativa realtivamente mais “moderna” eh aproveitar os cartoes de credito/debito pre-pagos, tipo o Visa Travel Money. Eu pessoalmente nunca usei (pois meu banco normal me oferece as mesmas vantagens), mas funciona mais ou menos assim: Voce deposita uma quantia X na “conta” de seu cartao – que pode ser usado como credito, mas na verdade vc nao recebe credito por ele, entao tem que jah ter a quantia em maos) – esse cartao sera aceito internacionalmente, em qualquer estabelecimento que aceite sua bandeira (Seja ela Visa/ Mastercard), assim como voce tambem podera sacar dinheiro, sem pagar nada a mais em qualquer caixa eletronico do mundo (mais uma vez, sem pagar taxas exorbitantes a cada saque).

Ao longo e no final da sua viagem, voce poderah sempre checar seu saldo on line, qual a cotacao cobrada por cada moeda (local) sacada, e qual seu balanco final em Reais.

Alem disso, leve um quantia (relativamente pequena) de moeda local para ser usada imediatamente depois que vc chegar a seu destino (por exemplo, pra pagar taxi/Onibus/Trem ate o aeroporto) como reserva, caso vc nao econtre um caixa eletronico ou evitar ter que pagar comissoes absurdas cobradas nos cambistas de aeroportos.

…E para todo o resto, existe Mastercard!

Como nem sempre eh possivel viajar jah com todos os gastos da viagem pagos e quitados, use seu cartao de credito pra cobrir outros gastos eventuais; mas se por acaso voce for fazer isso, garanta que seu cartao esta “limpo”, sem dividas, parcelamentos e afins pendentes, que podem afetar seu limite (num caso de emergencia, por exemplo), ou se transformar numa bola de neve de dividas na sua volta pra casa!

E pra terminar, planeje tambem suas financas pra volta das ferias – como vc vai organizar seu orcamento nos meses seguintes pra combrir os gastos no cartao de credito, por exemplo?

Os gastos pos-viagem vao afetar seu orcamento futuro para as proximas viagens?

Categorias: Blog, Dicas (Praticas!) de Viagem, S.A.L., Viagens
45
24
Jun
2010
Caderno de Perguntas
Escrito por Adriana Miller

A Gabi Cristal me convidou pra um entrevista no blog dela que foi bem no estilo “caderno de perguntas” das epocas de escola!

Adorei participar e ela me fez algumas perguntas que sempre pipocam aqui pelo blog e acabam ficando perdidas em alguma caixa de comentario…

Qual a viagem dos meus sonhos? Que lugar do mundo eu mais gostei? Oque espero do futuro? Entre varias outras coisas…!

Obrigada pelo convite e pelos elogios!

Categorias: Blog, Midia, S.A.L.
14
11
Mar
2010
S.A.L. – Estudar Full time ou part time em Londres?
Escrito por Adriana Miller

 A Carla me mandou um e-mail com algumas duvidas sobre os cursos de mestrado e Pos graduacao em Londres. Na verdade ela nao foi a primeira, e como jah dei algumas dicas e respostas em e-mails e comentarios que se perdem ao longo do tempo, resolvi escrever outro post de Servico de Atendimento ao Leitor, o SAL.

(…) Ainda não consegui decidir se eu deveria fazer o curso full ou part time, e por isso resolvi te escrever, pra te pedir umas dicas.
Tenho dúvidas do tipo: qual a média de livros que se lê numa semana? qual o suporte que os professores dão para os assignments/essays? as informações são claras, a gente consegue saber exatamente o que é pedido nesses trabalhos?

Vamos por partes.

Pra comecar, vou explicar um pouco a diferenca entre os cursos full time e part time nas universidades Inglesas (que eh bem parecido com as Universidades Europeias em geral).

Um curso full time (periodo integral) eh quele em que, teroricamente, o aluno eh estudante em tempo integral. Nao sobra, nem deveria sobrar tempo pra mais nada. Nao sobra tempo de fazer uns bicos durante a semana, nao sobra tempo de viajar nem de festejar muito.

Por isso tambem que o governo dah uma serie de benficios fiscais para alunos de cursos Full Time, como isencao de alguns impostos, acesso a emprestimo estudantil (Student Loan) e visto de estudante. Sao pequenas cosias que facilitam a vida de quem nao tem tempo de fazer mais nada na vida, a nao ser estudar.

A grande maioria dos cursos na Europa seguem essa linha, pois aqui nao rola muito a cultura de fazer estagios, trainee etc durante seu curso. Estudante foi feito pra estudar e nada mais. Programas de estagio soh aceitam candidatos durante os meses de verao, e programa de trainees soh aceitam candidatos jah formados.

Para ganhar uma graninha extra, os estudantes Europeus trabalham durante os meses de verao ou nos periodos de ferias escolares (natal, pascoa, spring break etc). Mas a grande maioria eh sustentada pelos pais ou pegam emprestimos estudantil do governo (e passam o resto da vida – literalmente – pagando o emprestimo. O Aaron ainda esta pagando o dele, e ainda faltam tipo mais uns 15 anos!).

Porem ser aluno de um curso full time nao significa que vc vai passar 40 horas semanas na sala de aula.

Na verdade a carga horaria pode variar bastante entre um curso e outro, uma materia e outra. Mas por via de regra, os horarios sao bem “espalhados” ao longo da semana e podem mudar constantemente (um mes vc tem aula as 2- de manha, 2- de tarde, 4- o dia todo, 5- livre e 6- na hora do almoco. No trimestre seguinte, tudo muda), ou seja, nao dah pra se preogramar a a fazer outras coisas (trabalhar, por exemplo) que exigam um comprometimente de medio e longo prazo.

Mas principalmente a regra numero UM de estudos Universitarios na Inglaterra eh: o numero de horas de dedicacao “independente” eh diretamente proporcional ao numero de horas na sala de aula.

No meu caso por exmplo, temos 6 horas de aula por semana (pois fiz um curso part time). Oque significa que cada aluno deverah dedicar pelo menos 6 horas extras para estudar por conta propria.

O mesmo curso em programa full time tem cerca de 12 horas semanas de aulas (espalhados em diferentes horarios e dias) e se espera que os alunos dediquem pelo menos mais 12 horas de estudos por conta propria.

A mesma regra vale para cursos part time (meio periodo). Nao eh porque o curso nao eh em programa integral, que voce terah muita flexibilidade.

Na minha universidade por exemplo, para o mesmo mestrado existe o programa full time, o part time e o part time business school (que eh o que eu fiz). A principal diferenca eh que o part time business school tem aulas a noite, e tem uma serie de pre requisitos para que os alunos possam ser aceitos no programa – o princpal eh jah estar inserido no mercado de trabalho, pois a grande maioria dos projetos/trabalhos que temos que fazer sao baseados em nossas proprias experiencias e empresas. Ou seja, o nivel de exigencia para os alunos eh mais alta, para que o nivel de exigencia dos professores seja mais baixa (jah que eles sabem que os alunos terao menos tempo para “estudar por conta propria” jah que todos trabalhamos full time e nossos cursos sao pagos pelas empresas que trabalhamos).

Jah o curso part time “normal” tem aulas durante o dia, em horarios aleatorios, e exige uma dedicacao “independente” ainda maior, para compensar a falta de experiencia profissional.

Em realcao aos livros lidos por semana, isso tambem depende muito de cada professor, cada materia e cada curso.

No caso da Carla ela quer fazer um curso de Direito, que eu imagino iria exigir muitos livros a serem lidos por semana.

Uma amiga fez um curso de moda, e nao tinha que ler muitos livros, mas em compensacao tinha que fazer projetos “reais” praticamente todas as semanas, oque consumia 100% do seu tempo livre (fazendo pesquisa, visitanto ateliers, costurando, colando solados, produzindo desfiles, e afins).

No meu caso algumas materias tive que ler muitos livros (Employment law principalmente!), mas outras materias liamos alguns artigos por semana, outras materias foram baseadas em pesquisas de campo (entreviats e questionarios e pesquisas a serem apresentados e discutidos todas as semanas).

Quanto aos trabalhos e projetos propriamente dito, a teoria eh sempre a mesma: alunos de nivel de mestrado devem ser independentes o suficiente para se desenvolver sozinhos.

No meu curso, cada materia tinha uma media de 2 projetos por trimestre: geralmente 1 Essay e um Business Case. Ambos os casos as instrucoes sao simples, coisa de 1 frase com um tema, ou deixando o tema livre para escolha. (no caso da dissertacao, voce ainda tem que inventar seu proprio tema “inedito” a ser pesquisado).

Os professores sao bem prestativos (bem… quase todos) e dao algumas dicas, mas a mensagem geral eh “alunos de mestrado tem que saber fazer suas proprias pesquisas, proprias referencias e formular suas proprias ideias”. Entao o resumo da opera eh que eh cada um por si.

Eu nunca tive ajuda negada (apenas da supervisora da minha tese!!), mas em compensacao, os professores sao os mais vagos possiveis nas ajudas, pois eles querem mesmo eh testar sua capacidade de pesquisar e de formular ideias e temas.

Alem, disso, o padrao e expectativa em relacao a qualidade dos trabalhos eh altissima, como jah contei em outros posts (sobre notas, plagiarismo e prazos), e nao existe segunda chance, ninguem quer saber dos seus problemas pessoais e outras dificuldades que voce possa ter (nao entender direito a lingua, ser novo no pais, morte de parente, divorcio, doenca, falta de dinheiro, etc). Regras foram criadas para serem cumpridas, e ponto final.

O meu mestrado foi, e esta sendo um otimo aprendizado de vida pra mim. Alem das aulas, dos professores super fera, a troca de experiencias com outros alunos do mundo todo, com as mais variadas experiencias de vida, esse mestrado ainda me ensimou demais a ultrapassar meus limites, seguir e respeitar as regras e mais que nada dar muito valor a fazer as cosias bem feitas.

Uma experiencia absurdamente diferente de qualquer outro curso (universitario ou nao) que jah tenha feito na vida, e as licoes que aprendi vao muito alem dos livros e projetos.

Mas quando digo que nao eh pra qualquer um, nao eh exagero. Aprendi muitas coisas legais, e hoje em dia estou aprendendo a dar valor pra isso, mas em compensacao sobreviver a esses dois anos deixou alguns traumas (hello tese!), e sinceramente eu nao teria aguentado o tranco num programa full time, mesmo se nao estivesse trabalhando – eh informacao demais o tempo todo e minha capacidade de absorcao tem um limite.

Antes de comecar meu mestrado achei que ia ser a maior moleza! Aulas 2 vezes por semanas, 6 horinhas semanais. Afinal isso nao eh nada pra quem estudou na UERJ tendo aula de manha (e mais algumas aulas a noite) e fazendo estagio a tarde toda; ou depois de ter estudado na Complutense de Madrid tendo aulas 4 noites por semana e trabalhando todos os dias entre as 8 e 4 da tarde!

Como estava enganada! O esquema aqui eh bem diferente, o nivel eh bem mais alto (e bota BEM mais alto nisso!) e a exigencia nem se compara. Mesmo.

Sei que muitos alunos internacionais nao tem opcao de escolher entre part time e full time (pois vistos e bolsas de estudo soh sao concedidas para alunos full time), mas pra quem tiver escolha, meu voto e conselho eh sempre optar pelo part time. Vai demorar o dobro do tempo pra voce conseguir terminar, mas em compensacao vc tambem tera a oportunidade de ter uma vida propria em paralelo e tera o dobro do tempo pra aprender tudo!

Categorias: Estudos, S.A.L., Vida na Inglaterra, Vida no Exterior
27
21
Jan
2010
S.A.L. – Cursos de Ingles em Londres (post coletivo)
Escrito por Adriana Miller

A Renilse e a Karina (entre muitos outros e-mails e comentarios nos ultimos anos) pediram dicas de cursos de Ingles com bom custo/beneficio (seja lah oque isso siginifique num curso…) aqui em Londres.

O problema eh que eu nao fco a menor ideia. Nunca fiz curso de Ingles aqui, e a unica pessoa que conheco que fez (minha irma em 2005) jah faz tanto tempo que nao lembro mesmo o nome do curso, nem onde era nem se era bom…

A unica opiniao que tenho sobre cursos, eh que acho que Londres eh provavelmente o pior lugar do mundo pra aprender Ingles, pelo simples motivo de que tem MUITO Brasileiro aqui!

E nao soh muito Brasileiro e muito Portugues, tem muito estrangeiro em tudo quanto eh canto, entao mesmo quem jah vem pra cah com Ingles fluente, acaba desaprendendo as vezes, de tanto ouvir gente falando errado! (serio, jah aconteceu comigo… tanto ouvia minha amiga francesa falar uma palavra errado e ninguem dizer nada, que passei a achar que a errada era eu. Ateh o dia que o Aaron me corrigiu e me dei conta que estava “afrancesando” meu vocabulario).

Mas sei lah leh. Entendo porque eh tao atraente. Afinal eh Londres. Uma das cidades mais legais e cosmopolitas do mundo. A cultura, as pessoas, a historia, as viagens…. e claro o visto de estudante que te permite trabalhar 20 horas por semana! (coisa que jah torna o sonho um pouco mais viavel para a grande maioria)

Alem disso, basta querer aprender. Eu fiz intercambio no pior lugar do mundo pra aprender Ingles (Miami), fui a Brasileira/latina mais antipatica da escola (nao falava com ninguem que falasse uma lingua sequer parecida com Portugues ou espanhol) e fiz todas as aulas extras possiveis e imaginaveis (passava tipo 8 horas por dia na escola). Pra mim deu certo. Cheguei lah com um nivel bom, e mesmo morando na casa da minha tia e falando portugues “nas horas vagas” eu voltei uns meses depois totalmente fluente.

Recentemente meu tio Pedro (posso te chamar de primo? Ou sobrinho? hehehe) veio pra Londres estudar e recebeu as seguintes recomendacoes:

- Eurocentres
- Embassy CES
- Bell Centres

Acho que ele escolheu a Eurocentres, mas nao sei oque esta achando do curso, nem preco, nem visto, nem nada disso.

Ou seja, nao sei como posso ajudar.

Portanto, estou passando a bola pros universitarios!

Voce jah estudou Ingles em algum lugar da Inglaterra, ou Londres? Qual?

Recomenda? Conte um pouco da sua experiencia!

Categorias: Conhecendo Londres, Cursos de Ingles, Estudos, Inglaterra, S.A.L.
49
20
Jan
2010
S.A.L. – Como entender os salarios na Inglaterra
Escrito por Adriana Miller

A Flavia me mandou um e-mail pedindo uma explicacaozinha sobre como entender os salarios na Inglaterra.

Ela gostaria de trabalhar aqui e tem aplicado para empregos on line na sua area, pra ver se alguma coisa pinta.

E entao ela ficou na duvida, pois a grande maioria das vagas pedem pretencao salarial, e ela nao entendeu muito bem como funciona a media por aqui.

O engracado eh que eu recebo muito essa pergunta nao soh pelo blog, mas dos candidatos extrangeiros que entrevisto diariamente, pois muitas das pessoas que veem trabalhar na Inglaterra ao entendem direito nosso “sistema”.

A primeira coisa a salientar, eh que aqui as diferencas salariais sao minimas. Sao precisos muitos e muitos anos de experiencia e muito sucesso na sua carreira para que seu salario seja realmente “astronomico”, que te permita uma vida de luxos em Londres.

Ou seja, nao existe muita diferenca salarial entre uma faxineira, um garcon, uma recepcionista, um trainee de escritorio de advocacia, ou um analista junior de Marketing com diploma e pos graduacao.

A unica diferenca eh que com um bom nivel de Ingles e boa qualificacao o trainee de advocacia e o analista de Marketing terao progressao de carreira, e as outras vagas “nao qualificadas” nao. Mas jah vi muita gente que serve mesa em bar que ganha bem mais que outra pessoa que trabalha em “escritorio”.

Isso soh pra dar uma introducao a nao-existencia de diferencas sociais, oque pode ser um pouco confuso pra quem acabou de chegar ou esta procurando emprego antes mesmo de vir pra cah. Voce vai ver um monte de vagas completamente diferetes que pagam mais ou menos a mesma coisa.

Outra coisa importante de saber eh que as vagas aqui geralmente sao anunciadas com uma “banda salarial”, que eh calculada em valor bruto anual. E isso eh bem diferente doque se ve no Brasil, na Espanha ou em Portugal por exemplo, que os salarios sao anunciados jah com o valor final que vai entrar na sua conta bancaria todo mes.

Isso porque, por aqui, se parte do principio que varias pessoas diferentes, de niveis de qualificacao e experiencia diferentes podem fazer um determinado trabalho. Sua qualificacao e experiencia vao determinar sua colocacao na “banda” salarial. Quem tem mais experiencia e qualificacao ganha mais. Quem tem menos qualificacao e experiencia (incluindo experiencia “local”) ganha menos. Eh bem comum vermos, em um mesmo time, varias pessoas fazendo o mesmo trabalho, mas com salarios beeeem diferentes.

Entao o exemplo que dei pra Flavia foi o seguinte:

Ela queria ter uma ideia sobre medias do mercado na area dela, que eh uma coisa que nao sei, pois nao trabalho com esse tipo de vagas. Mas uma boa indicacao sao as “salary bands” que quase sempre estao incluidas nos anuncios.

Entao por exemplo, uma vaga que anuncia uma banda salarial entre 35 mil libras e 45 mil libras, e voce se qualificar como “middleweight” e pedir um salario de 40 mil, seu salario liquido mensal serah uma media de 2,5 mil libras, por exemplo (mas isso varia de individuo pra individuo, depende qual Tax Code o governo vai alocar pra voce – baseado na sua situacao socio economica – e outras deducoes de beneficios que sua empresa faca).

Ou seja: 40.000 / 12 = 3.333 – (+-)30% = 2.300 Libras liquidos por mes.

(parentese: o imposto de renda da Inglaterra varia entre 15 e 40%, mas o calculo eh meio complicado e leva um zilhao de coisas em consideracao, nao apenas seu salario, entao usei uma media bem media, tendo em base o salario do meu exemplo)

(Parentese 2: aqui na recebemos 13o salario no Natal nem 14o salario no verao – como na Espanha, Portugal, Itaia e Grecia – entao o salario bruto anual eh dividido por 12 e nao 13 ou 14)

Mas na verdade, antes de sequer te oferecerem a vaga, com certeza eles vao pedir que voce confirme sua “compensation package” atual, ou seja, seu salario bruto anual, seus beneficios, bonus, e todos os extras, para poderem te comparar com a media do mercado. E na verdade eh isso que vai definir seu novo patamar salarial.

Infelizmente, muitos candidatos que vem do exterior recebem salarios (em seus paises) bem abaixo da media Inglesa, e isso acaba influenciando seu (novo) salario final.

Entao usando o exemplo que dei acima, digamos que sua experiencia e qualificacao te posiciona na “media” da banda e portanto com um salario equivalente de 40 mil Libras por ano.

Mas por outro lado, enquanto no Brasil voce ganhava um salario de 8 mil reais por mes (nao faco menor ideia se isso eh viavel no Brasil, se eh muito ou pouco heim gente! Apenas um exemplo!), totalizando 104 mil reais brutos por ano (os salarios no Brasil sao calculados em 13 meses, mas aqui nao temos 13o em dezembro, portanto sao apenas 12 meses de salarios por ano), que convertidos a libras te colocaria numa media de 26 mil libras por ano.

Por causa disso, dependendo da empresa, ha grandes chances que numa media de mercado, voce nao seja posicionada na media “real” de 40 mil e sim na “sua” media, e talvez ganhe inicialmente uns 30 mil libras, por exemplo.

O motivo pelo qual empresas fazem isso eh por causa do tax code de extrangeiros, e como “periodo de prova”, jah que eh sempre um grande risco contratar alguem que vem diretamete de outro pais. As situacoes em que eu vi isso acontecendo, depois de um tempo os salarios se regularam, e os funcionarios estrangeiros passaram a receber o salario da media inicial.

Eu sei que eh complicado, mas eu lembro do quanto eu fiquei perdida quando comecei a procurar emprego em Londres!!

Mas voltando ao meu comentario no inicio do post, sobre diferecas sociais, oque quis dizer eh que a “qualidade” de vida aqui e no Brasil nao eh a mesma.

Apesar de sempre reclamar dos precos no Brasil, como turista, sei que a comparacao entre pagar um aluguel, conta de luz e gaz, supermercado e afins no Brasil eh infinitamente mais barato que aqui por exemplo. E uma pessoa que ganha 8 mil Reais por mes, numa cidade como Rio ou Sao Paulo com certeza vai dirigir o carro do ano, ter uma empregada ou faxineira, sair todo fim de semana pra barzinhos da moda e achar que uma saia de 300 reias no shopping eh um “achado”, enquanto que aqui esse padrao de vida eh BEM diferente.

Comecando pela compracao entre o profissional estabelecido, bem qualificado e cheio de experiencia e fluencia em linguas que ganharia um salario mensal de 2.500 Libras. Esse cara nunca vai poder pagar 800 por mes pra ter uma faxineira trabalhando o dia todo duas vezes por semana, por exemplo.

Por isso acho tao complicado responder os e-mails que me perguntam: “Quanto eh preciso ganhar por mes pra ter uma vida boa em Londres? Uma aprtamento de 2 quartos numa area bonitinha de Londres, sair pra comer em restaurantes legais e viajar de vez em quando?”.

Complicado neh? Oque eh uma “vida legal” pra mim, pode nao ser nada legal pra voce, e vice versa. Uma area bonitinha em Londres pra mim pode ser bem diferente pra voce, a necessidade de ter faxineira, manicure, depiladora, carro do ano, viajar e ficar em bons hoteis, comprar roupa nova, frequentar os restaurantes e barzinhos da moda, etc, etc, eh muito diferente de uma pessoa pra outra.

O moral da historia eh que, pra bem ou pra mal, a vida fora do Brasil (e nao me refiro apenas a Inglaterra nao) eh bem diferente. Em alguns aspectos eh um diferente bom, mas para muitas outras cosias, eh um diferente nao tao legal.

Quer quer morar fora, tem que vir com uma mente aberta, e disposto a viver a vida como ela eh em seu novo destino. oque nao dah eh achar que vai imigrar pra Europa, EUA, e afins e manter a mesma vida classe-media que teus pais te criaram… As vezes ateh dah, mas eh preciso adaptacao e jogo de cintura, pra nao virar um daqueles Brasileiros que vive reclamando da vida “dura”, pois lah no Brasil eh que era bom!

Categorias: Recursos Humanos, S.A.L., Trabalho, Vida na Inglaterra
87
28
Oct
2009
S.A.L. – Ano novo em Londres
Escrito por Adriana Miller

A Camila deixou esse comentario, que eu respondi no mesmo post, mas resolvi transformar a duvida dela num post SAL, pois talvez alguem por ai tenha tido uma experiencia diferente da minha e saiba dar umas dicas pra Camila e pra quem mais estiver vindo pra LOndres na epoca do Revellion:

To indo passar o ano novo em Londres e queria saber aonde é legal de passar a meia noite! Tem algum bar ou lugar que seja animado?

Infelizmente essa eh uma pergunta sem resposta!
Nao existe lugar “animado” pra passar revellion por aqui!

Pelo menos nao como estamos acostumados no Brasil…
O esquema de ano novo em Londres eh arrumar uma festa fechada em algum restaurante (sem graca) ou boate, se juntar com uns amigos esperar ateh meia noite, e pronto, voltar pra casa.

Eu soh passei 1 revellion em Londres ateh hoje, meu primeiro ano pq estava convencida que seria o maximo, minha irma estava aqui de ferias e estavamos com varios amigos. Mas depois dessa nunca mais. Todos os anos seguintes fiz questao de viajar pra algum outro lugar.

A maioria dos Ingleses nem sequer comemora a passagem do ano, ficam em casa com a familia mesmo, ou juntam meia duzia de amigos que ficaram encalhados na cidade.

Ou entao vao pra night, como fariam em qualquer sexta ou sabado a noite…
Se vc gosta de balada, qualquer bar/boate sera animado, mas tem que reservar e comprar os ingressos da festa com antecedencia. Geralmente vc tem que jantar o menu especial de natal/festas (que costuma ser meio caro) e pagar ingresso e consumacao nos bares/boates.

Queima de fogos soh no Big Ben/London Eye, mas nao recomendo pq eh uma pracinha minuscula, onde milhoes de pessoas tentam chegar ao mesmo tempo, e as poucas pessoas que conheco, que jah tentaram se aventurar, acabaram ficando presos no transito em algum outro canto da cidade – ou entao chegam lah e acampam com 2 dias de antecedencia (no frio!).

Pois eh, meio desanimador, mas nao recomendo ano novo em Londres pra ninguem! 

Alguem teve experiencias diferentes de festas de ano novo em Londres?

Alguem trabalha em algum restaurante/bar/boate que queria fazer alguma recomendacao, indicar precos etc?

Dando uma procurada bem rapida no Google, achei o link abaixo, que dah algumas ideias de bares/restaurantes que vao fazer festas de ano novo, seus respectivos precos e como reservar.

http://www.viewlondon.co.uk/new-years-eve.aspx

Categorias: Ano novo e resoluções, Bares & Baladas, Blog, Conhecendo Londres, Pub & Restaurantes, S.A.L.
22
18
Sep
2009
S.A.L. – Aeroporto de Stansted: como chegar?
Escrito por Adriana Miller

A Bruna deixou a pergunta nos comentarios:

Quao absolutamente horrivel é o transporte pra Stansed? O meu medo nao é na sexta a noite qdo eu chego (to pensando em comprar passagem pela net do easy bus até Baker street) mas na madrugada de domingo pra segunda, qdo eu vou embora. Entao, repensando na sua experiência, vc acha que vale a pena eu sair de Londres no domingo a noite e dormir num hotel nos arredores do aeroporto?

Indo direto ao ponto: Sim, eh absolutamente horrivel! Hahahaha

Nesse post aqui eu fiz um guia completo com o B-A-BA dos aeroportos de Londres que causam TANTA confusao nos turistas que querem aproveitar os precinhos camaradas das Low Cost e ficam com medo de cair em furada.

O Stansted eh o aeroporto que mais ODEIO em Londres! Mas eh um mal muito necessario, jah que 90% dos voos low cost saem de lah… (viajo pelo Stanted amanha por exemplo…). Eh moderno, eh espacoso, eh bem organizado e tem um free shop maravilhoso, mas morro de raiva do monopolio descarado que rola entre as cias de low cost e as opcoes de transporte publico para chegar ateh lah.

Para chegar e sair do aeroporto voc tem duas opcoes: trem (Stansted Express) ou Onibus (Terravision, National Express ou EasyBus – eu particularmente prefiro o Terravision, pois o ponto de partida eh mais perto da minha casa).

O trem eh mais rapido, mas tambem bem mais caro, e vive tendo atrasos e trens concelados. Entao evito com todas as minhas forcas, pois jah perdi voo e jah vi muita gente perdendo voo por causa do Stansted Express (e se vc perder voo low cost, jah era. Cancela a viagem). Alem disso, o trem soh funciona em horarios “normais” (entre 5 da manha e 11 da noite) entao os voos que saem muito cedo, ou que chegam muito tarde nao sao servidos por esse servico.

Entao se vc vai viajar em voos de “madrugada” (tipo os que saem daqui as 6 da manha!) a melhor opcao eh pegar um onibus da Terravision de madrugada, ou entao dormir no aeroporto na noite anterior (pelos corredores do aeroporto ou em hoteis nas redondezas, depende doque o seu orcamento permirtir).

Amanha vamos pro Porto no voo das 6:20 da matina, e jah comprei minhas passagens pro onibus das 3 da manha. Vai ser horrivel, mas nao eh o fim do mundo!

Ah! Nao esqueca de comprar a passagem de onibus on line, pois eles estao sempre lotados, que quem aparece pra comprar na hora, fica de fora e perde o voo! (jah assisti varias cenas de desespero no ponto de onibus!)

Mas falando serio. O transporte em si nao eh ruim nao. Eh bem padrao Londres, e tao facil e/ou dificil quanto os outros aeroportos (se vc achou chegar/sair de Gatwick tranquilo, nao terah problemas com o Stansted), oque me irrita mesmo eh a falta de opcoes para transporte publico (e consequentemente os precos praticados, que muitas vezes acabam sendo bem mais caros que o proprio voo!).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Aeroportos, Dicas (Praticas!) de Viagem, S.A.L., Transporte, Viagens
27
Página 1 de 3123