31 Jul 2014
36 comentários

Trem bala no Japão – viajando entre Toquio e Kyoto

Dicas de Viagens, Japão, Kyoto, Toquio

Quando planejamos a viagem para o Japão, sabíamos que uma das “experiências” que queríamos ter no pais era viajar de trem bala!

Os Shinkansen, como são conhecidos por lá, da companhia Japan Rail (a mesma do JR Pass), cruzam o pais de cima a baixo, conectando as ilhas que compõem o pais e reduzindo distancias e encurtando viagens. Além de claro, toda aquela nerdice da engenharia moderna que não da pra resistir!

Quando estivemos no China, também tentamos viajar de trem bala, mas como as distancias do pais são monumentais (e as burocracias idem), acabou não dando certo (mas adoro viajar de trem pela Europa, e ate mesmo no Egito ou Marrocos!), então viajar de trem bala entre Tokyo e Kyoto era essencial no nosso planejamento!

Até por uma questão de pratica e economia: como compramos o JR Pass (que já expliquei como funciona nesse post aqui), podíamos andar em qualquer trem da rede sem custo adicional (fazer viagens avulsas nos trens bala sao bem caros), e de trem bala a distancia entre as duas cidades eh de apenas 2 horas, saindo do centro de Tokyo e chegando no coração de Kyoto (de onibus sao quase 8 horas, e de avião, apesar do voo ser curto, os aeroportos ficam a cerca de 1 hora de distancia de cada cidade, mais o tempo de check in, desembarque, etc).

A experiência como um todo foi bem parecida com qualquer outra viagem de trem: nao eh preciso chegar na estacao com muita antecedência, pois nao eh preciso fazer check in, e você é responsável por seu embarque, achar seu assento, carregar suas bagagens etc, etc o tempo todo.

Uma coisa que vale muito a pena fazer (e tambem de graca para quem tem o JR Pass) eh reservar seu assento – tecnicamente, estando com o JR Pass na mao, voce pode entrar em qualquer trem, a qualquer hora (bom pra quem prefere nao planejar nada). Mas em compensacao, so podera viajar nos vagoes “sem reserva”, que – quase sempre – estao lotados. Ou seja, potencial para transformar uma viagem super bacana e confortavel num perrengue de busao!

Fazer a reserva tambem eh facil, e ela pode ser solicitada em qualquer posto de atendimento da rede JR (Japan Rail), facilmente identificadas em qualquer estacao JR (de metro e de trem).

Basta apresentar seu passe, escolher qual trem/horario voce quer, e se tem preferencia por algum assento (eu sempre peco poltronas viradas pra frente – se nao passo mal viajando de costas – e como estavamos com a Isabella, tambem pedi para reservar as poltronas da primeira fileira do trem, para ter mais espaco para nossas pernas, pra ela e nossas tralhas.

Preferimos chegar na estacao com antecedencia, pois as estacoes em Tokyo sao GIGA, sempre meio confusas a primeira vista (mas depois vc aprende rapido!) e estavamos com muitas malas. Entao chegamos na plataforma com confortaveis 15 minutos de antecedencia, o que foi otimo!

Eh so procurar a marquinha de seu vagao certinho (sao indicados com marcas no chao ou placas ao longo da plataforma), e pronto, esperar o trem chegar!

Uma vez ja dentro do trem, eh aquele esquema de malas: cada um por si!

Uma vantagem de viajar de trem eh nao ter que se preocupar com franquia de bagagem, numero de itens, peso, liquidos e afins… mas em compensacao, voce eh responsavel por carregar tudo sozinho no embarque e desembarque, e pior, achar espaco pra tudo isso dentro dos vagoes apertadinhos.

untitled (537 of 954)

Todos os vagoes tem bagageiros, mas sao poucas prateleiras, bem apertadinhas, logo na entrada de cada vagao. Ou seja, quem chegar primeiro consegue guardar as malas numa boa, mas quem chegar por utlimos, ja era!

Poreeeeem, como prova da eficiencia Japonesa, quem vai viajar pelo pais com mais calma e mais tempo entre as cidades, pode reservar os servicos de concierge de malas oferecidos por algumas estacoes e aeroportos. Ou seja, uma empresa vai no seu hotel, pega suas malas e as leva diretamente para o aeroporto ou estacao de trem. O mesmo vale para a chegada no pais – voce desembarca, deixa suas malas no balcao de atendimento deles, e umas horinhas depois, suas malas estao te esperando no hotel de sua escolha.

Para nos esse servico nao seu certo, pois o servico tem que ser reservado com antecedencia, e em alguns casos as malas tambem devem ser enviadas com 1 ou 2 dias de antecedencia, e como nossa viagem ja foi rapidinha mesmo, e nem tinhamos tanta coisa assim, nao valeria a pena.

untitled (85 of 148)

Dentro do trem, a viagem de 2 horas entre Tokyo e Kyoto passou voando! (ou na velocidade de um trem bala?! Hehehe Nao resisti a piadinha!)

As poltronas sao super confortaveis e espacosas, com informacoes sobre seu vagao e sobre o trem em Ingles e Japones em todas elas, alem de um vagao bar e um servico de “trem-moca” vendendo bebidas, comidinhas e afins pelos corredores.

Entre os vagoes eles tambem tem banheiros (na versao ocidental – com privada – ou asiatica – buraco no chao) e trocadores de bebe, todos limpos e confortaveis.

Foi o tipo de viagem que voce curte tanto, que na verdade queria que durasse horas sabe?! Foi uma experiencia super legal, alem de nos ter dado a oportunidade de ver mais um pouco do interior do Japao, js que nossa viagem ficou limitada apenas a Toquio e Kyoto (e arredores) mesmo.

Mas, cerca de 2 horas depois chegamos na monumental estacao de trem de Kyoto!! (mas isso fica pra outro post!)

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
36 comentários
08 Jul 2014
5 comentários

Roteiro de viagem Toquio (4 ou 5 dias)

Dicas de Viagens, Japão, Toquio

Montar um roteiro de viagem pra Tóquio não foi exatamente fácil – afinal a cidade não tem ícones nem nenhum “tem que visitar” que geralmente são os pontos turísticos que guiam um planejamento de roteiro/visita.

Mas ao mesmo tempo eh uma cidade incrivelmente única, e cada região/bairro tem sua característica e personalidade, então Tóquio eh um daqueles lugares que em vez de visitar pontos A,B,C num roteiro qualquer, o legal eh justamente ir gastando suas horas passeando pelos bairros, descobrindo as ruas, entrando e saindo de lojas, restaurantes, parques e templos…

14159947691_3c3cbe2c61

E foi exatamente isso que fizemos!

Infelizmente nos so tivemos 5 dias por la, que foram super corridos, mas ao mesmo tempo conseguimos fazer tudo que queriamos pela cidade. Mas sei muito bem que poderia passar meses e ate anos em Toquio e ainda assim nao conheceria tudo que a cidade (e arredores) tem a oferecer! (porque sempre tem aquela turma do “Ah, nao fez isso?! Mas eh imperdivel!”…).

Nao seguimos nenhuma ordem especifica, e fomos decidindo que area da cidade explorar a cada dia, dependendo do horario que acordamos, disposicao, linhas de metro (porque eh confuso mesmo e demanda tempo, entao tinhamos que simplificar os roteiros e areas da cidade a serem exploradas a cada dia pra nao perder muito tempo com locomocao dentro da cidade) etc.

E ainda gastamos um dia praticamente inteiro para ir a Hakone ver o Monte Fuji (que da pra perceber pelo meu post que eu nao recomendo mesmo, a nao ser que voce ja conheca bem Toquio e esteja catando coisas diferentes pra se fazer por la).

14163356595_fb0ae72278

Mas acabamos dividindo nossos dias assim:

1) Ebisu (nos arredores do nosso hotel) e Harajuku

2) Palacio Imperial, Parque Ueno e Ginza

3) Shibuya, Templo Asakusa e Akihabara

4) Hakone e Shinjuku (a noite)

5) Rapoongi e Ginza novamente

Nosso primeiro dia foi “café com leite”, pois não queríamos fazer nada muito corrido com a Isabella por causa do fuso horário e cansaço do voo.

E no ultimo dia, pegamos o trem bala de Tóquio para Kyoto as 5 da tarde, então não tivemos o dia todo a nossa disposição, mas ainda conseguimos aproveitar bem o dia ate umas 3 da tarde.

Tokyo realmente tem muita coisa pra fazer, e sai de la com a sensacao que poderia ter fico mais uns 5 dias e nao teria visto e feito tudo que queria fazer – nossos dias foram corridos (na medida do possivel, com uma bebe de 15 meses!) e sem muito lenga-lenga. Entao quanto mais tempo disponivel na cidade, melhor!

E as cenas dos próximos capítulos são… Kyoto!

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
5 comentários
06 Jul 2014
23 comentários

Bate e volta a partir de Tóquio: Hakone e o Monte Fuji

Dicas de Viagens, Japão, Toquio

Eu fiquei na duvida se fazia ou nao um post sobre esse bate-volta que fizemos a partir de Toquio para ver o Monte Fuji… Pelo simples motivo de que eu nao gostei da experiencia.

Mas por outro lado, nao queria sair falando que foi pessimo, “nao facam” etc, pois cada um tem suas preferencias, suas vontades, e sei de gente que foi e gostou.

14160191081_7723ae6e0b

O engracado eh que quando planejei nosso roteiro, nao tinha incluido nenhuma viagem bate e volta a partir de Toquio, e ja tinha lido e ouvido tanta gente que foi ate la (e outras areas por ali que visualizam a montanha) e simplesmente nao consegui ver nem a sombra do monte Fuji. Enfim, como tinhamos pouco tempo, achei que seria um desperdicio de nosso tempo no Japao, e nem inclui na lista.

Mas para o Aaron isso foi muito diferente, e ele quis porque quis ver e fotografar o Monte Fuji, mesmo sabendo que era arriscado, e que provavelmente nao veriamos nada.

13976875667_1457aa21de

Mas como pegamos uma semana de clima otimo no Japao, com dias ensolarados, ceu limpo e sem nuvens, decidimos ir e pagar pra ver.

O engracado eh que quando estavamos la, eu postei algums fotos no Instagram dizendo o quanto nao tinha gostado da experiencia, e alguns comentarios foram “Ah, porque voces deram azar e nao viram o Fuji! Eu vi e adorei”.

14163522725_4ac8972ef3

Mas muito pelo contrario, nos vimos o Monte Fuji muito bem, nem nenhuma nuvenzinha bloqueando nossa vista, bem ao lado dquele laguinho lindo!

14160187671_ac2d1102ef

As fotos nao ficaram tao boas, pois a distancia dos “pontos de visualizacao” e a montanha, somado ao contraste de cores (o ceu azul palido de meio dia, contra a montanha branquissima de neve) e uma certa nevoa de humidade no ar, deixou as imagens meio “foggy”, mas ao vivo, a coisa realmente foi linda.

Mas entao porque eu nao gostei da experiencia?

Simples.

A mao de obra (e custo, pra quem nao tem o JR Pass) nao compensa o tempo que voce vai ficar por la, as 5 fotos que vai tirar antes de ter que correr de volta pra Toquio.

Maaaaaas, se voce tiver todo tempo de mundo, e puder ficar uns dois dias por Hakone, se hospedar nos hoteizinhos Riokan fofos que eles tem por la, ir nas termas naturais, no parque de sei la o que etc, etc…. ai talvez ja valha mais a pena.

Entao nossa saga foi assim:

Saimos de Toquio e pegamos o trem da “Rota Romantica” ate Hakone, que supostamente eh uma viagem super legal. Mas nao eh. Eh um trem como outro qualquer (nem sequer eh um trem bala dos mais modernos).

A viagem demora mais de 1 hora (quase 1 hora e meia), cruzando cidades e parques industriais – nao que seja feio, mas tambem nao eh aquele tipo de viagem “fofa” cruzando cidadezinhas pacatas nem nada.

Mas o pior foi quando finalmente chegamos em Hakone e descobrimos que na verdade ainda tinhamos que pegar um outro onibus (urbano “normal”, minimo, lotado, desconfortavel) por mais 45 minutos – numa estradinha de zilhoes de curvas – ate chegar na beira do laguinho de onde se ve o Monte Fuji.

Ok, ne? Anda ate o ponto, espera o onibus, se espreme com todo mundo (por sorte, como estavamos com a Isabella, tivemos preferencia pra embarcar e lugar pra sentar!). E uma hora depois chegamos no lago (lindo!) e vimos o Monte Fuji (tambem lindo!).

A areas de visualizacao se limita ao ponto final do onibus, um supermercado “7-11”, e a doca onde o barquinho que faz a tour pelo lago para pra pegar mais turistas.

Andamos pra cima e pra baixo, tiramos muitas fotos, tentamos ver se tinha mais alguma coisa pra ver do outro lado do parquinho…. mas nao.

Entao ta, ne? Vamos voltar pro ponto de onibus, esperar o proximo que volte pra estacao, mata 45 minutos entre curvas e buzinadas, espera o trem pra voltar pra Toquio, e pronto.

Quase 5 horas desperdicadas do nosso dia, para ter passado menos de 1 hora cara a cara com o Monte Fuji.

E olha que nos ainda demos MUITA sorte de ter conseguido ver o Fuji-Sam em todo seu esplendor…. mas e quem arrisca e chega la e da de cara com uma monte de nuvens?!

Por isso achei esse passeio a maior roubada EEEEEVAH, e quer saber? Nao recomendo!

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
23 comentários