25 Jul 2016
19 comentários

Ilhas Maurício

Babymoon, Dicas de Viagens, Estilos de Viagem, Ilhas Mauricio, Lua de mel

Tao logo quanto minha gravidez foi confirmada, nos já começamos a programar uma segunda Babymoon (que eh aquela “lua de mel” pre-baby) e pesquisar sobre possíveis destinos.

Quando eu estava gravida da Isabella, acabamos escolhendo as Maldivas, e foi simplesmente uma viagem de sonhos – então dessa vez queríamos um lugar igualmente paradisíaco, e uma viagem que fizesse o mesmo estilo praia-relax-comida-spa para marcar nossos momentos finais pre-baby (numero dois!).

Um dos dilemas dessa vez foi: levar ou não levar a Isabella? Afinal a intenção da babymoon é justamente dar ao casal uma última chance de tranquilidade antes da reviravolta dos filhos… mas como pais de segunda viagem, já não nos assustamos tao facilmente com os mitos (e realidades) da paternidade, e a verdade verdadeira é que queríamos que a Isabella curtisse a viagem tanto quanto nos – afinal seria nossa ultima grande viagem como uma família de 3, e seus momentos finais como filha única. Então não deu pra imaginar fazer uma viagem dessas sem ela!

Então essa decisão guiou nossas pesquisas, e por uma conjunção de fatores, as Ilhas Mauricio foi nosso destino escolhido dessa vez.

A decisão não poderia ter sido mais acertada, e não é a toa que as Ilhas Mauricio são a escolha de milhares de casais de lua de mel (e babymoon) mundo afora!

A ilha (na verdade arquipélago, dai o nome em plural) fica na costa leste Africana, no meio do oceano Indico, a esquerda de Madagascar.

Apesar de geograficamente ser considerado um pais Africano, sua colonização Europeia e fortíssima influencia Indiana, dão ao pais um toque muito mais Indiano do que Africano, o que impacta desde a etnia dos locais (ou Maurícios são muito mais de aparência Indiana do que negra, por exemplo, apesar de que é tudo bem misturado e fascinante!), até a musica, costumes e culinária.

O Arquipélago das Ilhas Mauricio é composto por mais ou menos 1 duzia de ilhas e ilhetas, (muitas delas nem sequer consideradas “territórios”, pois são apenas corais e bancos de areia), sendo que a ilha principal e maior é a Ilha Mauricio, e logo depois a Ilha Rodrigues, Ilha Reunião, Agalega e Saint Brandon, que ficam todas a centenas de quilômetros de distancias, e geralmente não visitadas por turistas.

Mas a ilha principal (Mauricio) é cercada por mini ilhotas e bancos de areia, que são o paraíso dos mergulhadores e para pesca de alto mar.

Uma coisa curiosa, que eu não sabia ate chegar lá, é que a ilha é toda cercada por uma “muralha” de corais, e é justamente isso que faz com que o clima (e temperatura da água do mar) sejam amenos o ano todo, sem grandes impactos de monções ou ondas. Mas por sua vez, isso também faz com que as praias sejam menos paradisíacas do que estávamos esperando, com muitas pedras e areias de corais (mais grossa e menos confortável do que a areia “normal” que estamos acostumados).

A água eh claríssima, tipo copo d’agua, e a maioria dos hotéis oferecem praias de areia artificial particular como parte de sua infraestrutura, então não deixamos de curtir demais a praia, mesmo não sendo aquela coisa “talco” de bebê que as vezes vemos em fotos!

A praia entre os bancos de areia da Ille Aux Cerf, no sudoeste das Ilhas Maurício

A ilha é uma tima opção para quem quiser mesclar uma viagem a um destino paradisíaco, mas com um plus a mais – a ilha principal, a Ilhas Mauricio é relativamente grande, e oferece muita coisa a fazer alem de sol-sobram-água fresca nosso de cada dia. Então é uma ótima opção pra quem quer praticar esportes aquáticos, fazer passeios culturais (mercados locais, templos Hindus, museus, jardim botânico, mini safaris, etc). Sempre dando aquela sensação de que uma viagem só nunca sera suficiente pra conhecer nem fazer tudo que a Ilha oferece!

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
19 comentários
06 Apr 2009
25 comentários

Culinaria Asiatica

Dicas de Viagens, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Vietnam

Uma das cosias que mais me deixou animada com a viagem pela Asia eram as comidas! As comidas asiaticas estao entre minhas preferidas (Japonesa e Vietnamita no topo), e queria poder provar alguns dos meus pratos preferidos in loquo e ver se a comida asiatica que se como do lado de cah, eh igual ao lado de lah.

Nos paises do Sudoeste Asiatico o arroz (os noodles sao feitos de arroz), vegetais e frutos do mar sao a base de tudo. Mas a base de tudo mesmo!

Na Tailandia o carro chefe eh o Pad Thai, que eh uma misturada de noodles, com vegetais e algum tipo de carne. Esta no menu dos restaurantes, no menu do McDonalds e nas barraquinhas de rua.

Pad Thai em Kao San Road

Como eu nao sou muito chegada em carne vermelha, me deliciei com as zilhoes de opcoes de pratos com vegetais e frutos do mar! mas o Aaron coitado, depois de poquissimos dias jah estava enjoado, e sonhando com umns globolos vermelhos escorrendo em seu prato…

Entao quanto eu me deliciava com as opcoes de comidas vegetarias (com sabor) e peixes etc, volta e meia o Aaron pedia um misto quente… um hamburguer, etc… O problema eh que as comidas ocidentais sao MUITO mais caras que as orientais, logicamente.

E alem disso eu sou totalmente viciada em pimenta! Sou daquelas que come comida mexicana com lagrimas nos olhos, de tanto tabasco, e me deliciei com o molho de sweet chilli! Soh nao colocava pimenta na sobremesa!

Alem das comidas de rua, e restaurantes, uma coisa que gosto de fazer quando viajo eh passear em marcados de rua e supermercados, e ver como eh a “vida real” dos lugares.

Na Tailandia nao foi diferente… As opcoes de Ice Tea sao infinitas (provei uns sabores bem esquisitos… como nao conseguia entender nada na embalagem, tambem nao sei oque bebi…), e ateh as batatas fritas sao “tipicas”!

Obviamente tivemos que comprar algumas pra experimentar! afinal nao eh todo dia que vc encontra batata Lays sabor “Squid com sweet Chilli”, “Algas marinhas” e “frutos do mar picantes”… O veredicto…? NOT! Apesar de terem todas mais ou menos o mesmo gosto, nao foram aprovadas…

E alem dos vegetais, outra coisa que me deliciava, eram as opcoes de frutas! Acho que soh apreciei tanto esse lado da Asia por estar a tanto tempo longe do Brasil e sentir falta de opcoes e variacoes de frutas frescas… com gosot de verdade! Por aqui soh temos banana prata, maca, laranja, pera, uva… Mas na Asia tinha mamao, melancia, abacaxi, vaaarios tipo de banana, agua de coco, manga, carambola, caju etc, alem das mais “exoticas” tipo Jaca, Fruta Dragao (que eh rosa pink for fora, e por dentro parece uma melancia branca… e muito sem gosto!), lixia, etc.

A cada barraquinha que passavamos eu queria tomar uma agua de coco, comprar uma manga no palito (que jah vem descascada, e sem caroco, num saquinho com palitos!), salada de frutas, etc…

Jah na Malasia, a “base” culinaria muda um pouco, com muita influencia da comida Indiana, currys etc.

Porem na verdade como a Malasia eh um pais Muculmano, eles nao comem carne de porco! Meu sistem adigestivo sensivel e fresco ficou taaaao feliz (atencao, o sistema digestivo eh fresco, nao meu paladar….). Aproveitei pra comer cosias que nunca posso comer no Ocidente, poqur geralmente sao feitas de carne de porco 9e eu sou muito alergica): comi pizza de peperoni (de vaca), cachorro quente de barraquinha de rua (de frango), hamburger com bacon (de peru defumado) etc, etc. Tudo muito bom! Nao sei comparar com a versao “original” feita de porco, mas acho que ia adorar morar num pais muculmano! mas com certeza ia ficar muito gorda! hahahahahahaha

O Vietnam era outro pais que eu sabia que ia virar foodie… Provei a culinaria Vietnamita pela primeira vez em Londres, e achava que seria tudo mais ou menos igual, mas me surpreendi muito!

A base ainda eh a mesma, de arroz e frutos do mar, porem numa versao mais fresca e mais leve.

Por exemplo, o “rolinho primavera de Hanoi” eh totalmente fresco, com ingredientes crus e nao eh frito. DE-LI-CIA!!!

Infelizmente acabamos no provando muitas variedades da culinaria local “autentica” porque o Aaron passou muito mal no nosso ultimo dia no Camboja, e nao conseguia nem chegar perto das barraquinhas de rua…

Mas na nossa ultima noite em Hanoi fomos num restaurante super bem recomendado pelo nosso hotel comer o “fondue Vietnamita” (que se nao me engano o nome eh Pha Lo, ou algo assim…), que alem de ser uma delicia, ainda foi uma experiencia a parte!

Eles servem na mesa um mini fogao eletrico, varios tipos de vegetais, tofu, tipos de noodles, e carnes. No centro uma “sopa” cheia de temperos e pimentas, borbulhantes. Ai de pouco a pouco vc vai mergulhando os vegetais na “sopa”, com os noodles, tofu, carnes etc, e vai comendo separado com os molhos de sweet chili e Shoyo.

 

 

O melhor da comida Vietnamita eh que vc come, come, come mas nao se sente explodindo, porque a comida eh muito leve e fresca…

A unica coisa que eu queria muito ter feito durante nossa viagem e que acabou nao dando tempo foi um curso de culinaria!

Mas tivemos que escolher nossas prioridades, e passear ganhou de 1000 a zero! Mas aprendi por observacao, e voltei pra casa cheia de conjuntos de chopsticks, molhos, temperos e pimentas, e qualquer dia desses faco uma noite Asiatica lah em casa!

 

 

Adriana Miller
25 comentários
28 Mar 2009
16 comentários

As Ruinas de Angkor

Camboja, Dicas de Viagens, Lua de mel

Em 802 o Rei Jayavarman II se auto declarou Rei-Deus e decidiu construir um novo imperio, e se tornou o primeiro dos 39 Reis-Deuses que comandaram o Imperio Khmer, que jah foi o reino mais poderoso do Sudoeste Asiatico.

Angkor era a maior e mais poderosa cidade do ocidente, e ao longo dos seculos contruiu sofisticados sistemas de irrigacao, cidades e muralhas e templos e palacios monumentais.

 

Porem, seu sucesso criou ira de seus visinhos, sobretudo o reino de Siam (hoje em dia Tailandia), ateh que no seculo 15 d.c. a cidade foi abandonada no meio da selva. A populacao local sabia da existencia da cidade fantasma, mas devido a lendas e crendices locais, a “cidade” Angkor ficou completamente abandonada por quase 500 anos, e foi, literalmente devorada pela selva. Muitos de seus templos e palacios foram destruidos pela floresta e erosao do tempo (e aos pousocs sendo reconstruidos), enquanto que outros apenas existem ateh hoje, justamente porque a selva cresceu entre sua estrutura, mantendo as construcoes de peh em meio as raizes das arvores.

O complexo de templos, hoje um parque nacional e patrimonio da humanidade, fica a 7km do centro de Siem Reap, e voce pode comprar passes (individuais e intransferiveis) na entrada principal. O guia do Lonely Planet diz que vc tem que trazer uma foto 3×4, e nos viramos do avesso pra conseguir achar um lugar que tirasse fotos em Kuala Lumpur, mas hoje em dia eles jah estao modernizados e tiram sua foto digital na hora.

Os passes sao: 1 dia, 3 dias, ou 1 semana inteira. NOs compramos o de 3 dias, e foi mais que suficiente pra ver tudo e todos os templos.

A melhor maneira de visitar os templos eh de Tuk-Tuk que pode ser arranjado pelo seu hotel, ou direto com os motoristas, que ficam plantados e todas as esquinas da cidade. Inicialmente tinhamos pensado em alugar bicicletas ou lambretas, mas a estradas sao MUITO precarias, nao existe sinalizacao, ou regras de transito, e alem disso os templos sao muito longe uns dos outros, com pouquissimas indicacoes de como e por onde chegar. Soh mesmo os locais pra saberem se virar no meio da selva. Isso sem falar no perigo das minas terrestres, que infelizmente ainda existem aos milhares espalhados pelos campos. Nao sei se nos demos sorte, ou se todos os motoristas de tuk-tuk sao super simpatico, mas o nosso, o Mr. Say alem de super inteligente e simpatico, ainda sabia TUDO sobre a historia do Camboja e dos templos Angkor e nos deus uma aula de historia e cultura Khmer em Ingles perfeito.

Angkor Wat

Angkor Wat eh o templo principal do complexo, e a imagem tipica do pais (esta inclusive impresso na bandeira do Camboja). O templo foi construido no seculo 12 como mausoleum do rei  Suryavarman II, e eh considerado a perfeicao do estilo arquitetonico Khmer. O tempo eh cercado por muros e um lago artifical que o protegia dos inimigos, e jah lah dentro, para chegar no templo principal, vc cruza uma esplanada de 300 metros onde tem a visao perfeita do edificio. As torres, em formato de “cone” imitam os brotos da flor de Lotus, e o templo eh composto por 3 estruturas, ligadas por passarelas e escadarias.

Angkor Thom

Angkor Thom fica a 2km no norte de Angkor Wat, e was a ultima grande cidade Khmer a ser derrubada, pois era protegida por muralhas de pedra solida com 8 metros de altura e 3 km de comprimento em cada lado. A cidade tambem era cercada por um lago artificial, para garantir a sua seguranca e tinha 4 pontes/portoes de entrada, e cada uma dessas pontes era decorada com imagens de 54 deuses de uma lado, e 54 demonios do outro lado.

Um dos principais templos de Angkor Thom eh o templo Bayon que tem 54 torres, e todas elas sao decoradas com 4 faces. Os registros historicos da cultura Khmer sao rarissimas entao os hitoriadores nao sabem dizer exatamente oque foram alguns dos templos, mas especula-se que as 54 torres foram esculpidas com 4 faces (cada uma) do Rei Jayavarman VII (haja narcisismo!). Hoje em dia, depois de seculos abandonados, guerras e erosao, cada rosto tem sua propria caracteristica e personalidade, e nenhuma escultura eh mais igual a outra.


Ta Phrom

Ta Phrom se tornou um dos templos mais famosos de Angkor justamente por nao ter sido restaurado. Ao contrario de outros templos que foram praticamente destruidos pela selva, Ta Phrom foi pristinamente preservado pelas raizes e troncos de arvores que cresceram entre suas estruturas ao longo dos seculos. Jayavarman VII construiu o templo para ser uma monasterio Budista, mas depois foi convertido para Hinduismo, e suas imagens budistas destruidas.

Banteay Srei

Banteay Srei eh considerado um “mini” templo, e comparacao com algumas das outras estruturas de Angkor; alem disso esta a 30 km de distancia de Angkor Wat, entao a nao ser que vc esteja a bordo de um onibus de turismo, ou tenho um tuk-tuk muito gente boa, fica dificil conseguir chegar lah. Porem, as toneladas de poeira que comemos pelo caminho valeu muito a pena, pois a arquitetura desse templo eh unica, alem de seu otimo estado de preservacao. O templo foi todo construido em uma pedra meio cor de rosa, e eh extremamente trabalhado, com relevos e esculturas em TODAS as paredes e colunas.

O complexo de Angkor eh composto por mais de 30 templos e palacios, muitos deles praticamente totalmente destruido, ou com ruinas nao muito interessantes. Acho que em 3 dias, visitamos mais de 10 templos, alguns principais, e outros secundarios, com diferente importancia para a cultura e religiao local.

Aqui nesse post, falei apenas sobre os principais, e os que mais me marcaram, por sua representacao historica ou por sua beleza.

As fotos de todos os templos que fomos estao AQUI.

Adriana Miller
16 comentários