01 Jun 2017
1 Comentário

TV Everywhere: Um fim de semana em Viena!

Austria, Europa, T.V. EveryWhere, Viena

Claro que eu não perderia a oportunidade de fazer um vlog e registrar a viagem com a minha irmã para a Áustria!

O roteiro e os passeios que nós fizemos já esta todo explicadinho aqui no blog, e esses vlogs acabaram ficando um pouco meio como bastidores da viagem!

Adoramos fazer os vídeos!

E sabe o que eu mais gostei de assistir? Nossa interação e cumplicidade! E claro, muuuuuuita implicância! Mas se não fosse assim, não seríamos irmãs né?!

Já pode começar a planejar a próxima Mônica!!

Créditos:

Câmeras: Canon G7X e GoPro Hero5

Tênis Adidas: http://amzn.to/2qWGCbN
Com entrega internacional: http://fave.co/2rpsCcl
ou Aqui: http://rstyle.me/n/cnv4xtcbqnp
ou aqui: http://fave.co/2rpAvys
(o modelo é unisex)

Blusa sem ombro: http://fave.co/2rDzPFs

Jaqueta de couro: http://rstyle.me/n/cnv5ajcbqnp

Óculos: http://rstyle.me/~9Wg6t (entrega internacional)
ou aqui: http://rstyle.me/n/cnv27zcbqnp

Blusa de renda cinza: http://rstyle.me/n/cnaqx3cbqnp
Jaqueta branca (parecido): http://rstyle.me/~9Wg60
Bolsa: http://fave.co/2rpkfgW
Sapato: http://rstyle.me/n/cnaqyfcbqnp

Batom (dia): http://rstyle.me/n/cnaqwycbqnp

Batom noite: http://rstyle.me/n/cnv5cdcbqnp (cor Big Kiss)

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Me Acompanhe!

Além de todas as dicas que eu posto aqui no blog, você também pode me acompanhar nas redes sociais para mais notícias “ao vivo”:

 

Adriana Miller
1 Comentário
31 May 2017
5 comentários

Roteiro de Viagem: Viena, Áustria (roteiro de 2 dias ou fim de semana)

Austria, Dicas de Viagens, Europa, Viena

Logo que minha irmã começou a planejar sua vinda à Londres esse ano, já logo fomos pensando em fazer mais uma viagem rapidinha só nós duas, como sempre fazemos. Da última vez fomos à Budapeste, e como ela é uma apaixonada por história, assim como eu, queríamos algum lugar no mesmo estilo.

Então ela sugeriu Viena, na Áustria, que ainda não conhecia. Apesar de já ter ido à Áustria algumas vezes, minha última viagem à Viena foi ha quase 10 anos atrás, então não pensei duas vezes!

Roteiro de viagem Viena

Nosso tempo seria bem curto, então tínhamos que pensar num bom roteiro de viagem Viena, para não perder tempo!

Mas um fim de semana já é tempo suficiente para aproveitar bastante Viena – você não vai voltar de lá um expert, nem se achando um local, mas vimos tudo, voltamos à alguns lugares preferidos e ainda conseguimos ir parando ao longo do caminho (um drink no roof top aqui, um descanso no parque ali, pit stop para uma Sache Torte acolá…), e por mais que não tenha sido uma viagem de exploração a fundo, vimos todo principal da cidade e ainda curtimos e relaxamos bastante, sem correria!

 

  • Primeiro dia:

O centro histórico de Viena é relativamente pequeno, mas já começamos logo pelo “quarteirão dos museus”, onde estão (entre outros) o Museu de História Nacional (Naturhistorisches Museum) and Kunsthistorisches Museum.

Eles ficam um de frente pro outro numa praça, e ambos são enormes, construidos no século 19 para abrigar as coleções de arte dos Habsburgs. Entramos rapidinho no Kunsthistorisches, mas se você quiser visitar a fundo o interior e as obras de cada um deles, provavelmente precisará de mais do que um fim de semana por Viena..

Depois seguimos em direção ao arco Äußeres Burgtor, que é uma réplica dos portões originais da cidade que foram destruídos pelos exércitos de Napoleão, e que ficam bem em frente ao Neue Burg – um prédio em semi-arco imponente que domina a paisagem da praça. Lá dentro estão 3 museus e um bibilioteca.

Mas eles acabam ficando em segundo plano, pois a grande atração dessa região de Viena é mesmo O Hofburg, o Palácio Imperial.

Os ingressos dão direito à acesso as três áreas do museu: os apartamentos reais, o museu da Imperatriz Sissi e a coleção de prataria, que mostra um pouco da opulência da vida na côrte do Império Austro-Húngaro.

No total são necessárias umas 2 horas lá dentro para ver tudo com (relativa) calma – mas como não fizemos nenhum tour guiado e mantivemos o nosso ritmo, conseguimos ver tudo com calma, mas sem nos demorar demais.

A saída do Hofburg é pelo outro lado da praça Michaelerplatz, e então é só seguir pela Kohlmarkt, a rua de pedestres (e compras!) exatamente oposta aos arcos do palácio.

Então se você esta à procura de compras em Viena, a Kohlmarkt é seu ponto de partida: começa com as lojas das principais lojas de designer do mundo (leia-se: Chanel, Louis Vuitton, Hermes, Gucci e afins),

Mas depois que você vira a esquina da rua Graben, começam a aparecer as lojinhas de souvenirs e as lojas mais acessíveis, variando entre Zara e Primark.

Ali num cantinho da rua esta a Igreja de São Pedro (Peterskirche), uma igreja relativamente pequena, mas super fotogênica, sendo emoldurada pela arquitetura histórica da rua Graben.

E bem no centro da rua, esta também a “coluna da Peste/Praga” (Pestsaule), que como o nome sugere, homenageia a peste negra que assolou a cidade (e boa parte da Europa).

Os detalhes dourados e o tamanho da escultura são realmente impressionantes e dominam a paisagem!

E logo depois esta a tração principal e símbolo de Viena, a Catedral de Saint Stephem, ou Stephensdom!

A catedral é o tipo de lugar em que voltamos e voltamos várias vezes ao longo do fim de semana – ela é muito hipnotizante!

Mas atenção com os vendedores de “opera” fantasiados com roupas de época ali pela pracinha da catedral! Eles são muito chatos e insistentes!

Ali fizemos uma paradinha pro almoço no Figlmuller, considerado um dos restaurantes mais tradicionais de Viena, e perfeito para comer um típico Schnitzel Vienense!

Schnitzel, salada de batatas e vinho branco da casa!

(na verdade nosso almoço foi quase um jantar de tão tarde que já era!)

Depois seguimos nosso passeio pela Karntner Strasse, outra rua com muitas lojas – e quando passamos em frente à loja de departamento Stifel, não resistimos e subimos ao seu Skybar na cobertura do prédio, que tem a vista da cidade e da cúpula do Stephensdom!

Aproveitamos para tomar mais uma taça de vinho local, antes de seguir nosso passeio em direção à Opera de Viena.

Na verdade a intenção era parar para comer a sobremesa no Sacher Café, sede da torta mais famosa da Áustria!

Como a fila estava dobrando o quarteirão, compramos uns bolinhos Sacher na versão pra viagem, e sentamos nos gramados do parque Burggarten – que é onde fica a estátua de Mozart, e uma das atrações mais fotografadas de Viena!

E o Burggarten é na verdade os “fundos” do Neue Burg, bem onde começamos nosso roteiro!

Como já estava tarde, voltamos ao hotel e fomos jantar no rooftop/terraço Atmosphere, na cobertura do hotel The Ritz, e presenciamos o pôr do sol mais incrível!!

Ao contrário de vários outros rooftops Europa à fora, o Atmosphere abre também nos meses de inverno, fazendo vários eventos temáticos ao longo do ano (vi umas fotos da decoração de Natal com um temática “Alpes Austríacos” que era uma coisa de linda!)

 

  • Segundo dia:

No dia seguinte acordamos cedo e fomos direto ao Palácio Belvedere, que por acaso ficava à poucos passos de distância de nosso hotel!

Como já tínhamos visto praticamente tudo que queríamos visitar no centro de Viena no primeiro dia, o domingo foi dedicado aos palácios!

O Palácio Belvedere tem dois grandes atrativos:

Foi aqui que foi assinado o Tratado de Viena, que oficializou o fim da Segunda Guerra mundial e reinstaurou a paz na Europa.

E é no Belvedere também que estão armazenadas as obras originais de Gustav Klint, o mais ilustre dos artistas Austríacos – inclusive sua mais famosa obra, “O Beijo”.

 

Na parte da tarde, pegamos um trem/metrô e fomos em direção do Scholss Schonbrunn, o antigo palácio de verão da família Imperial Austro-Húngara.

Chegar lá foi bem mais rápido e simples do que imaginávamos e em 20 minutos estávamos lá dentro!

O Palácio de arquitetura barroca é impressionante, mas nada se compara à seus jardins! Ainda mais que pegamos um dia lindo de sol!

E é no parque ao redor do palácio que fica também o zoológico de Viena, além de que eles também tem um museu da Criança dentro do palácios – ótimas dicas para quem visitar a cidade com crianças.

 

À essa altura já era no meio da tarde, e como não tínhamos almoçado, e ainda tínhamos algumas horas para matar antes de voltar pro aeroporto, voltamos ao centro da cidade e saltamos na estação da Ópera, e fomos direto ai Sacher Cafe!

Dessa vez estava sem fila (quer dizer, a fila estava pequena e andou rápido!) então já aproveitamos para comer por lá mesmo, e claro, já ficar pra sobremesa!

O menu de almoço/jantar não é muito extenso não, e bem turístico: mas tem boas opções típicas, e estava uma delícia!

E por fim, finalmente a famosa torta Sacher – tão famosa quanto os mais imponentes palácios de Viena! E claro, muito polêmica também, já que há quem ame e quem odeie a torta!

Eu amo, e acho que o que vale mesmo é provar!

Com a barriga cheia, seguimos pela Burgring, na direção do Parlamento Austríaco,

Passando pelo Burgtheater (outra casa de ópera),

Que por sua vez fica bem de frente ao Rathaus, a prefeitura da cidade!

 

  • Viena na Prática:

Nós ficamos hospedadas no Imperial Riding School Hotel, e foi uma ótima opção! Apesar de não ser super central (não esta dentro do centrinho histórico), compensou demais pela diferença de preço (em relação à hotéis equivalentes mais no centro), e sem deixar de ser de super fácil acesso.

A apenas 20 minutos de distância do aeroporto (de metrô, pela linha S7), e a menos de 10 minutos de distância do Quarteirão dos Museus de bondinho.

O hotel também fica a menos de 5 minutos (andando) de distância do Palácio Belvedere, que entrou na nossa programação de domingo e foi muito prático!

Viena pode (e deve!) ser feita toda a pé – caso você precise pegar algum transporte público, é só comprar seu bilhete único (ou de 24/48/72 horas) nas maquininhas espalhadas pela cidade.

De lá a minha irmã seguiu viagem para Praga, de trem, que é uma ótima sugestão de um roteiro conjugado, incluindo Viena e Praga na mesma viagem (a viagem de trem dura cerca de 4 horas apenas).

 

  • Créditos:

O que usei no vídeo:

Tênis Adidas: http://amzn.to/2qWGCbN
Com entrega internacional: http://fave.co/2rpsCcl
ou Aqui: http://rstyle.me/n/cnv4xtcbqnp
ou aqui: http://fave.co/2rpAvys
(o modelo é unisex)

Blusa sem ombro: http://fave.co/2rDzPFs

Jaqueta de couro: http://rstyle.me/n/cnv5ajcbqnp

Óculos: http://rstyle.me/~9Wg6t (entrega internacional)
ou aqui: http://rstyle.me/n/cnv27zcbqnp

Blusa de renda cinza: http://rstyle.me/n/cnaqx3cbqnp
Jaqueta branca (parecido): http://rstyle.me/~9Wg60
Bolsa: http://fave.co/2rpkfgW
Sapato: http://rstyle.me/n/cnaqyfcbqnp

Batom (dia): http://rstyle.me/n/cnaqwycbqnp

Batom noite: http://rstyle.me/n/cnv5cdcbqnp (cor Big Kiss)

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

 

Adriana Miller
5 comentários
03 Dec 2007
18 comentários

Viena

Austria, Dicas de Viagens, Mercados de Natal, Natal, Viena

Sexta de noite o Aaron chegou sao e salvo, e nao foi tao tarde quanto imaginei. Ele ainda nao se acostumou muito bem com meus esquemas freneticos de viagem, e fica meio perdido, mas eu dei instrucoes completas de como pegar o trem, achar o hotel, etc.

Sabado acordamos com as galinhas para poder aproveitar bem o dia. Eu sei que eh uma pena passar apenas um dia em Viena, mas estavamos dispostos a fazer todo o possivel e mais um pouco para dar tempo de ir para Bratislava no Domingo.

Nosso dia comecou bem no centrao historico (Innere Stadt). Pegamos a U-Bahn e fomos direto para praca da Stephansdom, que a catedral principal e cartao postal da cidade. E lah foi a base do nosso dia, andando para cima e para baixo a peh (compramos o passe diario de metro e definitvamente nao foi necesario!). Dentro da catedral, que apesar de nao muito grande (comparando com outras catearais da Europa), tem uns vitrais lindos, e demos sorte de asistir um coral ensaiando umas musicas, que deu um outro ar ao lugar.

A praca Stephansplatz eh como se fosse um cruzamento de varias ruas pedonais que vao para as diferentes atracoes da cidade. Cometamos pela Harntner Starsse que liga a Catedral a Opera Hause, e eh considerada uma das principias ruas da cidade. Se vc esta com uns Euros sobrando, eh ai que estao as lojas. Tem para toos os gostos: de H&M a Channel. A medida que vc vai andando pela rua, e vai se aproximando da Opera, cometamos a reparar nuns carinhas vestidos “a carácter” vendendo ticketes de concertos musicais, Opera, shows de Valsa, etc. Primeiro meio que tentamos fugir deles achando que era golpe na certa, mas fomos reparando que tem tanta gente comprando que resolvemos parar para ver oque era. Na verdade queriamos muito asistir um Opera em Viena, mas alem de que os tickets sao carissimos, jah estava lotado eh exigido black tie, logo nao nos encaixavamos no perfil. Mas resolvemos arriscar e gastamos nossos preciosos Euros e compramos tickets para asistir um recital da Orquestra Residente de Viena. Mas tarde conto como foi.

Seguimos nosso passeio e fomos para o palacio Hofburg, que foi durante seculos o palacio Real do Imperio Austro-Hungaro e tudo mais que os Austriacos andaram conquistando por ai. O Palacio eh lindo de morrer e a pesar das flores estaram mortas (inverno) e tudo cheio de lama, ainda eh lindo.

Atualmente o palacio eh um complexo de museus, bibliotecas etc, mas o Kaiser Apartments sao abertos ao publico e sao na verdade dois museus: a “Silver Collection” e o museu da Impreratriz Sissi. O calecao da prataria imperial eh maravillosa, e deixou minhas festinhas no chinelo. Muito ouro, muita prata, muito cristal. Umas coisas lindas.

Ai vc sobe uma escadinha e vai pros aposentos reais, e o tal do museu Sissi. A Sissi  (Elisabeth) era uma princesa Bavaria (alemanha) que casou com o Imperador Austro-Hungaro, Ferdinand I e era considerada a princesa mais bonita da Europa. Realmente ela era linda, e da para imaginar que se nas pinturas ela era linda, Pessoalmente deveria ser mais ainda. Ela ficou famosa mundialmente (anos e anos depois) por causa da triologia Holiwoodiana sobre sua vida, as fotos com as estrelas de diamante nos cabelos e a morte tragica. Ela tb era famosa na epoca por ser fissurada por sua propria beleza, e sua rotina diaria incluiam horas e horas de mascaras de beleza (coisas esdruxulas como carne crua de vitela no rosto), exercicios (ela tinha um personal trainer), dietas macrabas, cabeleireiro, maquiador, etc. Quase que uma celebridade dos dias de hoje.

Mas pois bem. O museu na verdade mostra o outro lado dela, o da princesa infeliz e neurotica, que casou forcada e nao amava o marido, que teve afairs com seu personal trainer, nao tratava bem o povo Austriaco, se recusava a participar de eventos sociais, vivia viajando e deixando a familia para tras e escrevia cosas terriveis em seu diario. Fiquei meio impresionada de como o museu “ridiculariza” seus habitos, realmente tentando desmistificar a imagem que o mundo tem da princesa de contos de fadas criada ao redor dela. Chegou ateh a ser meio estranho aquilo tudo, dedicado exclusivamente para falar mal dela. Foi como se o Palacio de Buckingham abrisse suas portas e tivesse uma ala interia falando mal da princesa Diana. Estranho.

SAimos de lah e continuamos andando pelo jardim. Vimos o teatro municipal, a prefeitura (ond emais tarde foi o mercado de natal) e paramos para um tipico almoco austriaco: Wiener Schnitzel, que para nos eh o famoso bife a milanesa. Comemos pouco para sobrar espaco para a famosa “Sacher torte”, que seria algo como ir no Brasil e  nao comer churrasco, ou tomar caipirinha.

Voltamos andando pelo centro e fomos no proprio Hotel Sacher (a pesar de que vendem essa torta pela cidade toda), e ficamos horas por lah descansando nosso pes e nos empanturrando de chocolate.

Quando comecou a escurecer andamos tudo de novo ateh a prefeitura e fomos para o mercado de natal, em frente a prefeitura.

Na verdade esse foi o motivo original pelo qual queriamos ir para Viena. Desde que fomos no mercado de natal de Frankfurt ano passado fiquei apaixonada e quis voltar esse ano.

Eu quase enlouqueci. Muitas decoracoes lindas e fofas, o vinho quente, mas musiquinhas, as familias felizes, os salsichoes, etc etc.

Estava LOTADO e passamos horas para cima e para baixo. Nao resisti e comprei mais uma tonelada de ornamentos, sob o olhar desaprovador do Aaron… Afinal nossa arvore jah esta pronta e nem sequer tenho mais espaco para guardar mais anda lah em casa! Mas era cada coisa linda, e nao consegui resistir…

De lah fomos direto para o tao esperado evento da noite, o concerto de musica classica. A promessa era boa: um resumao Vienes, com valsa, ballet, Mozart, Strauss, opera tudo em resumidas 2 horas.

O teatro era lindo, e quando entramos na salinha jah vi que nao ia ser lah essas coisas.

But let’s be fair. A musica realmente foi maravillosa. Nao sou muito entendida de musica classica, mas eles tocaram um boom apanhado de todas musicas e valsas populares e conhecidas no mundo todo. Para minha surpresa, eu conhecia a grande maioría delas. A opera deixou a desejar. A cantora nao tinha uma voz tao potente assim, e a pesar da sala pequena,  ela meio que se perdia entre os instrumentos da orquestra. Os bailarinos estao nem se fala… mas quer saber? Nao vou reclamar nao. Foi uma otima experiencia, e fico feliz que fomos lah. Realmente o preco que pagamos nao vale, mas essa eh beleza de ser turista. Uns dias sao da caca e outros do cacador. Mas definitivamente recomendo. Viena sem musica nao eh a mesma coisa.O resto das fotos de Vienna estao AQUI
 
 

 

Adriana Miller
18 comentários
Página 1 de 212