07 Aug 2015
7 comentários

Roteiro de Viagem pelo Vale do Loire e Mont St Michel (o que fizemos a cada dia da viagem e as dicas sobre viajar pelo Loire com criancas)

Baby Everywhere, Dicas Aleatorias & Genericas, Dicas de Viagens, Europa, França, Roteiros de Viagem, Vale do Loire, Viajando com crianças

Para finalizar a serie de posts sobre o Vale do Loire, nada melhor do que uma listagem redondinha sobre como ficou nosso roteiro de viagem pelo Vale do Loire e Mont St Michel, passo a passo, dia a dia.

Afinal, como comentei antes, planejar a viagem nao eh difícil, o complicado mesmo eh nao tentar fazer tudo-ao-mesmo-tempo-agora e conseguir resistir as tentacoes e “dicas imperdiveis” que voce vai receber pelo caminho!

E nao passamos imunes, e claro que uma vez estando la voce ve um folheto irrestivel, ou entao falta tempo num dia, mas sobra no outro, ou o clima da uma reviravolta e estraga o plano A.

roteiro de viagem pelo vale do loire

Entao no fim das contas conseguimos fazer tudo que tinhamos planejado inicialmente, e de quebra ainda conseguimos encaixar mais alguns outros castelos ou atividades bem legais por la – e lembrando que tudo foi feito com bastante calma, com tempo para curtir cada Castelo e atracao e respeitando o ritmo e rotinas da Isabella sem dramas.

Mas nao, nao vimos tudo. E sim, deixamos de lado o Castelo X que a amiga da vizinha disse ser imperdivel

roteiro de viagem pelo vale do loire

Entao nossa semana no Vale do Loire for assim:

(E o mapa que eu criei antes da viagem, mapeando nosso roteiro e dando uma ideia geográfica melhor da regiao)

 

– 1’ dia – (Sabado): saimos de Londres super cedo e pegamos um Eurostar em direcao a Paris.

Chegando em París, trocamos de estacao e pegamos um TGV em direcao a Tours, onde alugamos um carro e fomos ate Saumur.

– 2’ dia: Acordamos cedo e ficamos pela area de Saumur mesmo. A viagem da vespera foi longa e preferimos nao passar mais horas no carro.

Chateau de Saumur and bridge over the Loire

Pela manha fomos explorar o centro e o Castelo de Saumur, onde almocamos. A tarde fomos para a Abadia Fontevraud. 

Abbey of Fontevraud

Jantamos no Reine de La Sicile, em Saumur

 

– 3’ dia: Comecamos cedo e dirigimos ate o Castelo de Cheonceau, um dos principais castelos da regiao, e passamos a maior parte do dia por la.

Chateau de Chenonceau

A tarde, a pesar da chuva, esticamos o dia ate o Castelo de Amboise (eles ficam a cerca de meia hora de distancia, e facilimo de fazer no mesmo dia!).

Chateau de Ambois

A chuva atrapalhou bastante nossa tarde, mas conseguimos conhecer bem o Castelo e demos um passeio rápido pela cidade.

Jantamos a caminho de casa na estrada e passamos no supermercado de Saumur para reabastecer de vinhos e queijos pra curtir no hotel!

 

4’ dia: Mais um dia “local” pelos arredores de Saumur.

Comecamos pelo Castelo Villandry, e a tarde fizemos uma degustacao de vinhos na Cave Ackerman. A noite, fomos jantar na caverna dos Trogloditas.

Chateau de Villandry  

– 5’dia: Aprimeira parada do dia foi o Castelo de Chambord, o mais impresionante de todos os castelos! Demos sorte com o clima e entao aproveitamos para curit bastante o Castelo e seus jardins.

 

Chateau de Chambord

A tarde fomos ate o Castelo de Blois, que fica relativamente perto de Chambord (mas nao tivemos muito tempo por la). Exploramos o Castelo e acabamos voltando para casa, sem pasar muito tempo na cidade.

A noite jantamos em Saumur, no L’Escargot.

 

– 6’ dia: Nosso ultimo dia em Loire e tambem o dia que tinhamos que dirigir ate Mont Saint Michel. Mas nao resistimos e no caminho fizemos um detour ate o Castelo Usse!

A tarde toda foi na estrada a camino da costa da Normandia, onde fica o Mont Saint Michel. Chegamos cerca de 4 ou 5 da tarde e passamos a primeira noite por la.

Postcards!  

– 7’ dia: Mont Saint Michel (mais uma noite por la)

 

    898C4502.jpg

– 8’ dia: Acordamos e dirigimos ate Tours, onde passamos o resto do dia e devolvemos o carro alugado, mas nao deu tempo para muitos passeios pela cidade.

Ficamos hospedados no Hotel Oceania L’Univers, bem pertinho do centro da cidade e da estacao de trem TGV (de onde sairiamos de volta pra Paris na manha seguinte).

Hotel de Ville - Tours

 

– 9’ dia: Dia de voltar para casa! Fomos de TGV ate Lille e de la pegamos o Eurostar ate Londres.

 

 P.S. Todos os links correspondem os posts específicos de cada atracao!  

 

Dicas finais:  

A regiao do Vale o Loire eh bem grande e apesar de que muitos castelos e vilarejos ficam bem pertinho uns dos outros (e tentei agrupar essas atracoes no mesmo dia, para otimizar nosso tempo), a maioria das coisas legais para ver e fazer por la ficam bem longes uma das outras (entre 1 ou 2 horas de estrada), mas achamos que foi bem tranquilo de fazer tudo com carro alugado (foi bem mais fácil dirigir por la do que pela Provenca, por exemplo, que eh cheia de estradinha secundaria e vilarejos perdidos). As estradas sao otimas e super bem sinalizadas! Foi o tipo do lugar onde a “road trip” (dirigir por la) fez parte da atracao!

A nossa intencao nunca foi fazer uma viagem corrida, e conseguimos fazer bastante coisa – mas tambem gastamos um bom tempo por la (que valeu a pena!), totalizando 5 dias inteiros (e depois mais 2 dias em Mont St Michel, que tambem foi o tempo ideal).

Mas obviamente esse roteiro pode ser adaptado de acordo com quantos dias voce tenha disponivel.  

 

Vale do Loire e Mont St Michel com Criancas: 

A Isabella levou a viagem numa boa, ate porque planejamos nossos días de acordo com os horarios da rotina dela (como sempre tento fazer), dando bastante tempo para ela brincar e correr pelos palacios, castelos e jardins, mantendo seus horarios de refeicoes, e sempre coincidindo os horarios de estrada, com suas sonecas.

Isabella at the Abbey

A noite, ela sempre ia dormir em seu horario normal regradinho, e nos passavamos para area “social” do nosso quarto com meu sogro, abríamos uma garrafa de vinho Saumur Blanc e ficavamos papeando e planejando os passeios do dia seguinte (como expliquei no post sobre o hotel que escolhems ficar).

Bella enjoyed herself Something for everyone

Os hoteis onde nos hospedamos tinham berco para ela (eu sempre peco para reservar berco ja na hora da reserva do quarto, na caixa de comentarios do Booking.com), e alugamos uma cadeirinha de carro tambem ja junto com o aluguel do carro, entao nao precisamos levar a nossa cadeirinha de casa (eita trambolho!).

Nao tivemos a menor dificuldade em pedir cadeirao de bebe em restaurantes e cafes e achei a viagem super familia e fácil de se fazer com crianca pequena (ela tinha 1 ano e 9 meses na epoca).

Time for a nap

A única dificuldade foi mesmo com o carrinho, pois a maioria dos castelos sao cheios de escadas e corredores estreitos, muitos degraus ou simplesmente nao permitem a entrada de carrinhos de bebe.

Dad and Bella

Nos levamos a mochila dela e foi o acessorio mais usado da viagem!

Nem saia da mala do carro, mesmo nos días que levamos o carrinho tambem, porque sabiamos que em algum ponto do dia, iriamos acabar precisando da mochila!

Entao achei imprescindivel ter esse acessorio, seja um canguru (tipo Ergo Baby ou Baby Bjorn) para bebes menores ou uma mochila para criancas maiores (a nao ser que seus filhos ja sejam grandinhos o suficiente para aguentar as caminhadas e escadas).

Time for a run! A big smile

E por fim uma dica que eu postei no Instagram na época da viagem e que na verdade aprendi durante nossa viagem para Provenca, tambem na Franca, quando a Isabella tinha 5 meses:

A agua na Franca eh muito “mineralizada” (mesmo a de garrafa) e portanto nao eh recomendavel para a alimentacao de bebes e criancas pequenas.

Na Provenca a Isabella ficou com uma assadura horrivel e muita colica (coisa que ela nunca teve ate entao!), e so uns días depois descobrimos que foi por causa da agua, entao dessa vez nossa primeira providencia ao chegar na Franca foi comprar garrafas de agua especifica para alimentacao de bebes e criancas (a que nos foi recomendada foi a Evian Bebe, de tampinha rosa), e dessa vez ela nao teve problema nenhuma e ficou numa boa a viagem toda!

 

Planejando uma viagem para o Vale do Loire?

Aqui você encontra todas as dicas e recursos para planejar sua viagem, e podemos cuidar dos detalhes práticos para você:

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
7 comentários
06 Aug 2015
0 Comentários

Vale do Loire: Château d’Amboise

Amboise, Dicas de Viagens, Europa, França, Vale do Loire

Apesar de que Chambord foi meu castelo preferido e Chanenceau eh o mais fofo, o Castelo de Amboise esta entre os mais impresionantes, no sentido classico da palabra “Castelo” e sua funcao historia e arquitetonica:

Château d'Amboise

O Chateau D’Amboise foi construido no seculo 14 em cima de uma fundacao que ja existía – estima-se – dese o seculo 9, e nao eh difícil entender porque: a posicao eh estratégica na beirada do rio Loire, e praticamente em linha reta vindo de Paris, tornando-se super conveniente para monarcas e suas familias, ao mesmo tempo que fornecia uma boa posicao de protecao geográfica contra inimigos. Chateau de Ambois

E devido a sua historia, Amboise tica todo os requisitos de um Castelo real: a estrutura de fortaleza, a muralha que cerca a cidade, os portoes que oferecem protecao e espaco de sobra para um exercito a servico do Rei.

Chateau de Ambois

Aliais, uma das características mais interesantes do Castelo eh justamente a entrada “de servico” dos cavalheiros entrarem no Castelo: um portao no nivel baixo da cidade se abre uma ladeira em aspiral gigantesca que sobre ate o jardín interno no nivel mais alto do Castelo, assim permitindo que os cavaleiros e soldados – e seu cavalos – pudesse chegar ate o Rei o mais rápido possivel, sem desmontar seus cavalos! Chateau de Ambois

E nesse jardín interno, no alto do Castelo esta escondido outra atracao responsavel pelas centenas de milhares de turistas que passam por la todos os días: a capela Saint-Hubert, onde esta enterrado Leonardo Da Vinci, que passou anos de sua vida morando no Clos Luce, uma rediencia cedida a ele pelo rei, ali no centro de Amboise, e que dizem ter tido um túnel subterráneo onde o Rei Francis e Leonardo poderiam transitar libremente.

Chapel at Chateau de Ambois Chapel at Chateau de Ambois

O interior do Castelo tem alguns aspectos interesantes, mas alem de ter ums estrutura muito antiga e medieval (menos “rebuscada” que outros palacios da Europa), ele foi um dos castelos que mais sofreu durante a revolucao Francesa, justamente por ter sido durante tanto tempo uma residencia real oficial – e portanto nao sobrou quase nada de interesante para ser visto.

Mas eh do lado de fora – do outro lado do rio, para ser mais preciso! – que se ve o verdadeiro poder imponente de Amboise: sua estrutura medieval em pedra se debruca pela cidade e o rio Loire, intimendando todo e qualquer inimigo que se atrevesse a mexer com o rei! A cidade de Amboise tambem eh uma das mais bonitinhas que vimos por la, mas que infelizmente nao tivemos muito tempo para explorar com calma (pegamos uma chuva torrencial enquanto estavamos por la que desanimou todo mundo, e realmente nao dava para fazer nada ao ar livre, entao acabamos indo embora mais cedo!). French town

Château Royal d’Amboise

37400 Amboise, France

Planejando uma viagem para o Vale do Loire?

Aqui você encontra todas as dicas e recursos para planejar sua viagem, e podemos cuidar dos detalhes práticos para você:

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
0 Comentários
05 Aug 2015
15 comentários

Dicas de viagem: Mont Saint Michel na pratica – como chegar, onde ficar, onde comer (e tambem com criancas!)

Dicas de Viagens, Europa, França, Mont Saint Michel

Como falei no ultimo post sobre Mont St Michel, foi imperativo para nos ficarmos hospedados na ilha por pelo menos 1 noite – e por causa da maneira que montamos nosso roteiro ao vale do Loire e as viagens de ida e volta a Londres, acabamos pasando 2 noites por la, que foi perfeito!

My family!

Entao esse post vai focar mais nas dicas praticas sobre a ilha, para que a experiencia seja a melhor possivel:

898C4502.jpg

 

  • Como chegar em Mont St Michel:

 

No nosso caso foi relativamente simples, e dirigimos cerca de 200 e poucos quilometros entre o Vale do Loire e Mont Saint Michel, com o carro que alugamos para a semana toda da viagem.

Para quem vier dirigindo de Paris, a distancia eh cerca de 350 km, e demora umas 4 horas.

Hoje em dia nao eh permitido chegar de carro ate a ilha, entao todos os carros e onibus devem parar/estacionar no novo centro de informacao turística, onde estao os estacionamentos oficiais da ilha e de onde parte a onibus “shuttle” de translado que te leva ate o monumento. O caminho eh super bem sinalizado e nao eh difícil achar o estacionamento e centro turístico.

Outra opcao mais pratica pra quem nao quiser enfrentar as horas de estrada (se bem que as estrada sao otimas!) sao os trens. As estacoes base para visitar Mont St Michel sao as cidades de Dol de Breatgane ou Rennes, ambas servidas pelo TGV (trem de alta velocidade), com conecoes a partir das principais cidades e regioes Francesas.

A viagem de trem entre Paris Montparnasse e Dol de Breatgane dura cerca de 2:40 hrs e de la ainda eh preciso pegar um onibus ate o centro turístico de Mt St Michel (e de la, a Navette ate a ilha). No total, separe pelo menos entre 4 e 5 horas de viagem para chegar de Paris ate Mont St Michel de transporte publico.

 

  • Estacionamento e onibus ate a ilha:

 

Caso voce va ate Mont Saint Michel por conta propria de carro, um fator a ser considerado eh o estacionamento.

Ate poucos anos atrás era possivel digirir ate a porta da muralha da ilha, estacionar seu carro e curtir o dia. Porem, por causa da mare, diariamente varios carros eram alagados e danificados, alem da confusao e engarrafamento na estadinha de mao única que chega e sai da ilha.

Entao agora so eh permitido estacionar na area propria para isso, no lado continental, onde existe tambem um centro de atendimento ao turista, lojas, cafes e banheiros – e eh de la que sai o (único) onibus de translado (“Navette” em Frances) que chega ate a ilha.

Our first glimpse

O estacionamente eh pago e enorme – mas lota! Lemos incontaveis relatos de pessoas que foram ate la, chegaram na metade do dia e encontraram o estacionamento lotado, gastando algumas preciosas horas de seu dia procurando outras opcoes de estacionamento nas cidades vizinhas e transporte ate a ilha. 

Entao quem for fazer um bate-volta de carro, tem que madrugar!

   

Outra vantagem de ficar hospedado dentro da ilha eh o estacionamento exclusivo para hospedes, com um código de entrada enviado pelo hotel uns días antes de sua chegada. 

   

Nessa parte do estacionamento eh possivel deixar seu carro 24 horas por dia, com seguranca e sem risco de alagamento. Alem de claro, ser a area do estacionamento mais próxima as paradas de onibus! Depdendo de qual area voce vai conseguir parar seu carro (no estacionamento “publico”), a distancia ate o ponto de onibus pode chegar a 1 quilometro, e de la ate a ilha sao mais 2,5 quilometros de distancia.

Off the bus!

Quem preferir fazer o trajeto a pe, eh possivel chegar ate la, com o passo apertado, em cerca de 30 ou 40 minutos.

 

P.S: Mas quem preferir fazer passeios organizados a Tam Transfer (empresa parceira do blog) tambem opera em Paris e faz passeios ate Mont St Michel com motorista Brasileiro tambem! Eh so entrar com contato pelo e-mail concierge@drieverywere.net

 

  • Hospedagem:

 

Nos optamos ficar dentro da ilha, e acho que realmente faz um mundo de diferenca!

La dentro existem apenas uns 10 hoteis, e todos oferecem mais ou menos o mesmo; alguns com um pouco mais de luxo, outros um pouco menos, mas todos estao estabelecidos em casas históricas do seculo 14 a 16 na rua principal da ilha (a “Grande Rue”), e um ou outro ficam mais escondidos nas vielas que cercam a Abadia.

Nao espere quartos gigantescos nem instalacoes super modernas – a experiencia eh histórica e bem autentica! Sem duvida alguma voce estará pagando um preco Premium pelo localizacao provilegiada, entao desapegue-se de tudo mais. (sempre tem aquele comentario sem nocao no trip advisor e afins esculachando hoteis na Europa porque pagou X Euros e nem sequer tinha Y no quarto. Ah me poupe!)

Nos ficamos no Le Muton Blanc, de localizacao excelente, bem no meio da rua principal.

Por um lado ele nao ficava bem na boca da entrada da ilha (onde os turistas se aglomeram), mas tambem nao ficam muito la para cima (nada legal chegar ate la carregando suas malas, ja que nao entram carros na ilha), e eh uma casinha bem típica, construida no seculo 14.

Logo no terreo o restaurante do Le Muton Blanc eh considerado um dos melhores da ilha, servindo a típico cordeiro Normande, alem de outras especialidades locais (como o omelete, os crepes e galettes).

Nosso quarto foi ate bem espacoso, com um mesanino e que caberia confortavelmente uma familia de 4 ou 5. Eles providenciaram um bercinho para Isabella, e o wifi gratis!

Como a demanda eh maior que a oferta, os precos dos hoteis dentro da ilha sao obviamente mais caros, mas o que nao faltam sao opcoes na cidade base, no continente, que variam de albergues da juventude, a redes internacionais como o Mercure.

Se hospedar fora da ilha nao eh o fim do mundo, mas certamente dificulta o ir e vir.

Para acessar a ilha voce tem que pegar um onibus gratuito que circula a cada 15 minutos durante o dia, com excessao dos horarios da mare, quando o Mont St Michel fica completamente ilhado do resto do mundo, entao eh preciso planejar bem o seu dia, pois quando a mare sobe, em questao de segundos tudo fica alagado, ninguem entra e ninguem sai e nessa voce pode fácilmente perder o ultimo onibus (restando apenas a caminhada de 30 minutos no escuro na nova estradinha que conecta a ilha ao continente).

 

  • Onde comer:

 

Outra vantagem de se hospedar na ilha eh ter mais tempo para curtir as refeicoes da comida local.

Como se pode imaginar, comer em Mont St Michel nao eh barato, e principalmente durante o dia (quando a ilha esta lotada) se paga o “preco turista” por um servico que fica aquem das expectativas.

Mas tambem encontramos varias opcoes de lojas de sanduiches, crepes e omeletes que servem opcoes mais economicas e rapidas para almoco e café da manha.

Na hora do jantar, a ilha eh praticamente so sua, e nao precisamos de reservas nem esperar por nenhuma mesa! (Alguns) Precos diminuem e a qualidade do servico eh imediatamente elevado!

Aliais uma coisa que reparei eh que quase todos os restaurantes servem um menú padrao, com poucas variacoes de pratos e ingredientes, e com preco bem homogeneo. Durante o dia eh possivel comer um “menu do dia” Formule Midi de 3 pratos (entrada, principal e sobremesa) por cerca de 25 Euros (a noite o preco cai para 18 Euros em alguns restaurantes), entao nossa pesquisa de campo era mais em relacao ao ambiente e servico do lugar, do que a comida propriamente dita.

Cookies

O restaurante atracao de Mont St Michel eh a Mere Poulard (bem na entrada da ilha e sempre lotado), que criou e popularizou o omelete típico da regiao, mas nos optamos por outros restaurantes por la, e acho que fizemos a escolha certa. Na nossa primeira noite jantamos no Auberge St Pierre (que tambem tem um hotel) e optamos por um dos menus de 3 pratos da casa, acompanhados pela cidra de maca da regiao (delcia! Vale a pena provar!), e na segunda noite jantamos no Le Muton Blanc, conhecido por servir as melhores carnes da ilha (e que tambem era onde estavamos hospedados!).  

      • Passeios e Tours:

 

Como comentei no primeiro post, a ilha eh pequena e a realidade eh que a principal atracao turística (alem da propia ilha) eh a Abadia e so. Tourists

A entrada na ilha eh gratuita, mas para visitar a Abadia custa 9 Euros (com desconto para idosos, criancas e estudantes).

Interior of the Monastery

Uma vez la dentro voce tambem tem a opcao de pagar extra pela guía audio, ou entao se tiver disponibilidade de tempo, se inscrever em uma das tours guiadas pela abadia, que sao gratuitas!

Monastery

Nos nao conseguimos coincidir com os horarios limitados das visitas guiadas por causa da Isabella, mas meu sogro fez o tour e adorou!

A Abadia ainda eh um monasterio e igreja operante, entao conseguimos coincidir com o horario de uma das missas, com o coro ao vivo das freiras do monasterio e foi uma experiencia super interessante! Vela pena se informar!

Interior of the Monastery

Outra opcao de passeio para quem estiver com tempo por la, sao as caminhadas ao redor da ilha, durante os horarios de mare baixa.

Eh extremamente proibido andar por conta propia ao redor da ilha, mas em algumas época do ano e alguns horarios por dia, eh possivel se juntar a um grupo com um guía local e treinado nas mares, que deve ser incrivel!

 

      • Mont Saint Michel com criancas

 Assim como comentei no post sobre o roteiro de viagem ao Vale do Loire, uma viagem a Mont Saint Michel com uma crianca pequena tambem tras sua cota de dificuldades.

A primeira eh obvia: eh praticamente impossivel andar pela ilha com carrinho de bebe: as ruas sao estreias e muito lotadas de turistas, com piso de pedras e paralelepípedos centenarios que nao sao nada favoraveis as rodas de carrinhos!

Entao foi essencial ter levado a mochila da Isabella, ja que ela ainda era muito novinha para aguentar o ritmo de andar sozinha por la (da pra ver ver bem como foi andar por la com a mochila, no video sobre a viagem). De resto, foi tudo tranquilissimo.

My beautiful baby girl!

O nosso hotel forneceu um berco para ela, e a alimentacao foi tambem bem fácil (na época ela tinha 1 ano e 9 meses), pois todos os restaurantes tinham abundancia de frutas e iogurtes, paes e massas e ela dorou o omelete e crepes locais. Todos os restaurantes tinham cadeirinhas para bebe e criancas e achei o ambiente super familia!

Apesar de estarnos la com meu sogro, acabamos nao usando muito os “servicos de babysitter” deles, pois a cidade “dorme” super cedo. Restaurantes fecham cerca das 10 horas e as poucas pessoas hospedadas na ilha acabam voltando a seus hoteis cedo. A única coisa que eu sentí falta foram supermercados e farmacias – entao numa emergencia teriamos que voltar ao continente (na cidade base, onde paramos o carro e tals).

My family!

Mas estavamos bem preparados e tinhamos quantidades suficientes de fraldas, leite em po, e eventuais remedios, caso fosse necesario.  

      • Quando ir:

Bem, o ano todo!

Obviamente as épocas de alta temporada do verao (de Maio a Setembro) ou os periodos de ferias na Europa (prncipalmente pascoa e Natal) sao lotados, e Mont St Michel deve ser bem desagradavel com lotacao máxima! (eh tudo muito pequeninho! Nao tem espaco para nada mesmo!).

Adriana at the Mont

Mas nao eh que o resto do ano seja super vazio nao…. (a ilha recebe milhoes de visitantes todos os anos!)

Durante o dia, entre as 10/11 da manha, ate as 4 ou 5 da tarde a ilha eh absolutamente lotada de turistas na Grande Rue (rua principal da cidade), mas eh sempre possivel encontrar paz pelos cantos da Abadia e vielas da cidade.

Nos fomos no Outono, segunda semana de Outubro de 2014 e demos bastante sorte! A pesar de termos pego alguns temporais no Vale do Loire, foi so chegar em Mont St Michel que o tempo abriu totalmente e nos presenteou com días (e noites) magnificas!

Adriana on her way up to the Monastery

Mas foi sorte mesmo; essa regiao da Normadia e Bretanha, no norte da Franca tem um clima bem instavel, bem “Ingles”, entao tirando os meses de verao, esteja preparado para clima instavel e molhado – que sim, pode atrapalhar e ate estragar bastante sua viagem por la.  

      • A mare

 Ah…. A Mare!

The tide is down

Acho que fui injusta quando disse que a cidade oferecia pouco em termos de “turismo”… porque sem duvida as idas e vindas da mare sao tao icriveis quando a vista da Abadia!

Photgrapher at Mont St. Michel

Mas com ela nao se brinca, e eh justamente por causa de sua forca e ferocidade que Mont Saint Michel eh um lugar tao icónico e que sobreviveu intacto a tantas guerras e revolucoes: o acesso a ilha eh bem difícil (ainda bem que hoje em dia temos a ponte e as navettes).

Os horarios da mare variam bastante a longo das estacoes do ano e fases da lua, mas eh possivel consultar com antecedendia nesse site a previsao da mare durante o periodo de sua estadia.

Dependendo da epoca do ano e fase da lua,  mare pode chegar a subir 12 metros em questao de minutos! Entao faz parte da rotina diaria “estudar” os horarios da mare e saber exatamente onde e o que voce estara fazendo naquele momento. 

Mont St. Michel

Com base nisso voce sabera em quais horarios podera entrar e sair da ilha, o que pode vir a impactar sua estadia (por exemplo, nos sabíamos que no dia que iríamos chegar na ilha, a mare estava prevista para subir por cerca de 19:00, e como nos hospedamos la dentro sabíamos que se chegassemos depois disso nao conseguiríamos entrar mais por algumas horas!).

 

Planejando uma viagem para o Mont Saint Michel?

Aqui você encontra todas as dicas e recursos para planejar sua viagem, e podemos cuidar dos detalhes práticos para você:

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
15 comentários