22 Oct 2009
45 comentários

Auschwitz & Birkenau – Campos da Morte

Auschwitz & Birkenau, Dicas de Viagens, Polonia

Uma coisa que pouca gente sabe sobre mim é que eu detesto filmes crueis e tristes. Mas nao digo aqueles agua com açucar que te faz chorar por varios minutos não. Estou falando de filmes que mostram a crueldade do ser humano. Seja contra outro humanos ou contra animais. Me faz tao mal, que sou incapaz de assistir ateh o final.

Filmes de guerra entao nem se fala. Nem mesmo os “classicos”, nunca consegui chegar até o fim… sai do cinema nos primeiro 5 minutos de “Saving Private Ryan”, troquei de canal em “Amistad”, e nem nunca se quer quis assistir “O Pianista”, “A Lista de Schindler”, etc… e quando a crueldade do filme relata acontecimentos reais e relativmente recentes, o efeito é ainda pior.

Então quando o Aaron sugeiru um passeio pelos campos de concentração, fiquei muito na duvida. Por um lado a vontade de ver com meus proprios olhos um dos lugares mais marcantes da historia da humanidade era grande, mas por outro lado sabia que seria um dia bem dificil de encarar.

Mas quem esta na chuva tem que se molhar, certo (e na Polonia em particular, nos molhamos bastante!)?

A principio queriamos fazer tudo “independente”: pegar um trem que sai da estacao central de Cracovia ateh a cidade de Oswiecim, e de lah um onibus ateh o campo de concentracao, e depois outro onibus entre os campos. Mas como o tempo era limitado, o tempo estava uma porcaria e todo mundo que conversei que já fez esse passeio recomendou um tour com visita guiada.

Escolhemos a empresa “See Krakow” que é a empresa recomendade pelo organizacao de turismo da Polonia, e apesar de um pouco mais cara que outras que vimos por lá (99 Zloty Polacos + ou – 30 dolares) valeu cada centavo. Um onibus veio nos buscar na porta do hotel, e quando chegamos lah já tinha um guia nos esperando, com audio-guides e uma incrivel aula de historia!

A visita comecou pelo principal e maior campo de concentração do mundo: Auschewitz e depois seguimos pro campo “suporte” de Birkenau.

O campo, hj transformado em museu é incrivelmente organizado e cheio de regras: nada de voz alta, fotos nos interiores dos predios, comida, bebida, ou qualquer outra coisa que possa ser considerada falta de respeito a memoria das vitimas.

Já na entrada os visitantes percebem que estao prestes a entrar num mundo paralelo, de onde pouquissimas pessoas tiveram a sorte de sair: as grades eletricas, as torres de vigilancia, e a frase iconica “Arbeit Match Frei” (“o trabalho liberta”) sao apenas uma pequena amostra de como o ser humano pode ser tao cruel.

Pelos corredores dos predios algumas frases nos mostram os dois lados: algumas das frases usadas por Hitler e os Generais Nazistas para justificar o exterminio (classificando Judeus, ciganos, Slavos e homosexuais como raças inferiores). E ao mesmo tempo, outras frases de lideres mundiais relelmbrando as vitimas e da importancia de relembrar tudo que aconteceu ali dentro, para que isso nunca mais seja repetido.

O passeio começa pelo interior de alguns dos predios que um dia foram os alojamentos das vitimas, seguindo toda a logica doque se passava por ali. A “propaganda” Nazista usada para capturar e atrair familias inteiras de judeus, que foram prometidos re-assentamento e a oportunidade de recomeçar suas vidas. Familias inteiras eram capturadas e transportadas em trens de carga, saindo de todos os cantos da Europa – alguns viajavam por 17 dias dentro de trens sem janelas, sem poltronas, camas, banheiros, comida ou agua. Muitos jah chegavam lah mortos.

Muitos emuitos grupos de turistas judeus e estudantes Israelitas emocionados pelos museus

A primeira instrucao dada pelos Nazistas era que familias se separassem por genero: mulheres e criancas de um lado e homens de outro. A “desculpa” dada para a separacao era que todos seriam desinfetados e tomariam banho, logo mulheres e homens deveriam estar separados.

A principal “arma” psicologica dos Nazistas era manter a multidao sempre muito calma. As familias eram instruidas e escrever seus nomes e dados pessoais nas malas, para que seus pertences pudessem ser encaminhados pros dormitorios certos. Quando tinham que se despir para tomar banho, eram instruidos para “lembrar” onde tinham deixado roupas e sapatos, para evitar confusao na saida, etc.

A entrada de uma das camaras de gas, e ao fundo a chamine do forno crematorio adjacente

Mas na verdade, mulheres, criancas menores de 16 anos, idosos, recen nascidos, gravidas e deficientes eram mortos imediatamente! Mas nao antes de serem totalmente humilhados. As mulheres tinham que ficar nuas e tinham seus cabelos raspados, e eram separadas de seus filhos. Deficientes perdiam suas muletas, oculos, pernas falsas. E criancas e idosos eram deixados sozinhos e sem ajuda de suas familias. E entao entravam na area de “chuveiro”, que na verdade eram as camaras de gas.

Para completar a “linha de producao”, os crematorios eram adjacentes as camaras de gas, entao aluns minutos depois, os corpos eram carregados diratamente para serem queimados, eliminando qualquer evidencia. E para aumentar o choque da crueldade, as cinzas humanas eram usadas como fertilizantes nos campos.
Estima-se que nas epocas do auge da campanha Nazista, cerca de 60.000 pessoas morriam por dia, a ponto de que as fornalhas nao davam mais vazao, e os corpos eram queimados a ceu aberto.

Os trilhos levavam os “passageiros” diretamente pras camaras de gas

Os homens que eram considerados “fortes” viravam escravos dos Nazistas, trabalhando nos campos de agricultura, fabricas de arma, minas de carvao e de aço. Os registros dos “prisioneiros” mostra que na verdade ninguem sobrevivia mais de 1 ou 2 meses.

As causa de morte eram o puro e simples assassinato (os guardas Nazistas eram instruidos a matar imediatamente qualquer escravo que nao trabalhasse rapido o suficiente, ou de acordo com o padrao Nazi), ou mortes por doencas fulminantes como tuberculose, pneumonia, desnutricao e varias outras. Alem doque morriam por hipotermia, resultado de torturas, gangrena, ou eram usados como cobaias em experimentos biologiocs conduzidos pelos medicos Nazistas (o “hospital” na verdade nao era para curar ninguem, e sim usar os prisioneiros como cobaias humanas). Os que tinham a “sorte” de sobreviver, se suicidavam nas grades eletrocutadas.

Os prisioneiros trabalhavam uma media de 12  a 14 horas por dia organizados em grupos de algumas dezenas ou centenas, e os Nazistas impunham a “tecnica” da “responsabilidade coletiva”, onde todos eram cumplices uns dos outros, e assim conseguiam evitar uma revolta interna: de manha, na saida pro trabalho X homens eram contabilizados, entao no fim do dia X homens tinham que voltar. Se alguem estivesse faltando, 10 outros prisioneiros seriam executados ou torturados imediatamente. Entao eles tinham que carregar os corpos de seus colegas assassinados ou mortos ao longo do dia, para mostrar as “provas” na volta ao campo de concentracao.

Eu poderia passar horas e mais horas relatando os horrores daquela lugar, e NUNCA vou conseguir fazer jus ao que se sente ali dentro. Assim como nunca serei capaz de entender oque realmente se passou ali dentro.

Muitos dos predios viraram museus, com exposicoes de fotos e documentos, com fotos do registro dos prisioneiros antes de serem mortos. Os olhares de horror e as cabecas raspadas mostram o horror que aquelas pessoas estavam sentido, a tristeza, a humilhacao e a total falta de esperança na vida.

As exposicoes de artigos pessoais mostra o lado “humano” das vitimas. As malas com os nomes de seus donos, os sapatos, as muletas, os brinquedos, panelas, e montanhas e montanhas de cabelos das mulheres e criancas que ali morreram. Cabelo humano era considerado uma materia prima super resistente, e entao os Nazistas usam a materia prima para fabricar tecidos para uniformes de soldados, recheio para colchao e almofadas, entre outras coisas.

Roupas de qualidade e joias eram vendidas ou doadas para as familias Alemaes que viviam nas redondezas (dos oficiais).

Outros predios mostravam os alojamentos, onde 4 pessoas tinham que dividir a mesma cama (geralmente muito mais, jah que o peso medio dos prisioneiros era de 40 kilos para um homem adulto); as paredes de madeiras tao finas que a temperatura exterior era a mesma por dentro, os banheiros com esgoto ao ceu aberto, mas com desenhos “fofos” de gatinhos e anjos se banhando nas paredes…
A vontade de chorar durou por horas e horas, e as vezes tirava meu fone de ouvido e me afastava do grupo, porque simplesmente nao conseguia mais ouvir os relatos das crueldades. Aliais, nossa guia foi exelente, e nao entendo como ela conseguia ter aquele emprego, repetir as mesmas monstruosidades todos os dias, e demonstrar tanta emocao, sem “break down”.

Alem de tudo que estavamos vendo, o clima soh ajudou a criar a dramatizacao do lugar. Se estavamos no inicio do outono, onde faziam “apenas” -2 graus e nem chovia tanto assim, imagina passar semanas sem comer nada, trabalhar ao ar livre 14 horas por dia, usando tamancos de madeira e um uniforme de algodao, em baixo de chuva, neve e temperaturas que podiam chegar a -25 graus!!! Durante o inverno, mortes causadas por gangrena e hipotermia eram as mais comuns. Os que sobreviviam o frio durante o dia, geralmente morriam de diarreia durante a noite.


O “paredao da morte” acima e as camaras de tortura abaixo

O mais emocionate foi que no final do tour, a guia nos lembrou que quando a guerra finalmente acabou e os campos de concentracao foram encontrados, os sobreviventes foram capturados como prisioneiros e guerra na maos dos Russos, e o pesadelo continuou pois varias outras decadas. Em menor intensidade, mas tao cruel e devastadora quanto.

A Polonia, junto com a Hungria, foi um dos paises mais penalizados pelas guerras Europeis do seculo 20, e até hoje lutam para tentar se reerguer. A entrada para a comunidade Europeia em 2004 tem ajudado, mas ainda teem muito oque fazer para reconstruir o pais que foi destruido por varias e varias decadas seguidas.
Quanto mais escrevo sobre oque vi, mais lembro das crueldades e relatos das coisas que aprendemos lah dentro. Passamos horas em total silencio, sem trocar nenhuma palavra, sem levantar os olhos do chao, sem sorrir, sem sentir frio, fome ou sede.

Nunca vou aceitar nem entender a crueldade do ser humano. E nem precisamos chegar no nivel dos nazistas. Nao entendo como um ser humano pode olhar pro outro e pensar “sou superior”, e maltratar outra pessoa, seja lah porque motivo seja: credo, nacionalidade, opcao sexual, cor da pele, posicao social.

Nao entendo nem nunca vou entender as pessoas que sao racistas, que maltratam crianças ou animais, que destraram garçons, empregadas, ou qualquer outra pessoa de nivel social diferente, que sacaneiam homesexuais ou deficientes. Pra mim a diferença entre essas pessoas e os Nazistas esta apenas na escala utilizada.

Realmente nao estou querendo comprar alhos com bugalhos, mas nos meus olhos os motivos sao os mesmos, e isso é um comportamento humano que nunca vou entender. Nem quero.

Mais fotos AQUI

Adriana Miller
45 comentários
21 Oct 2009
27 comentários

Fui assim: Outono na Polonia!

Beauty Everywhere, Cracóvia, Fui Assim, Moda, Polonia

Esse fim de semana fui para Cracóvia, na Polonia com o Aaron, e como prometido, lembrei de tirar mais fotos do “look” da viagem.

Foi muito engraçado, pois eu estava morreeeeeendo de vergonha de tirar essas fotos pelo corredor do hotel, e por isso sai com cara de bunda em todas as fotos…. e mais engraçado ainda foi tentar explicar pro Aaron porque ele tinha que tirar tal fotos de mim…

Mas enfim, aqui está!

Botas: Zara

Calça: Diesel

Casaco: Asos

Pullover/vestido: Zara

Lenço/Cachecol: Nao lembro…. acho qye é H&M

Bolsa: Fendi

Eu não espera o frio que estava fazendo esse fim de semana, pois afinal estamos apenas na metade de Outubro! Teoricamente ainda é o comecinho do outono, mas mesmo assim a temperatura já estava abaixo de zero, muita chuva e vento impiedoso!

Por baixo do pullover cinza eu estava usando mais umas 5 blusas e mesmo assim o vento atravessava com a maior facilidade… E o casaco/sobretudo “outonal” de lã fininha relmente nao foi feito pra temperaturas muito baixas!

A bota é novinha, super confortavel e amei essa coisa “gato de botas” que vai até em cima do joelho, mas a camurça cinza nao foi feita pra neve Polonesa, e meus dedos morreram de frio!

Entao se tivesse que refazer as malas pra essa viagem, teria levado um casaco mais grosso e “invernal” e outro par de botas, de couro e solado mais grosso!

Na rua, com guarda chuva, boina, luvas e afins, o visu ficou assim:

Adriana Miller
27 comentários
21 Oct 2009
25 comentários

Cracovia

Cracóvia, Dicas de Viagens, Polonia

Pode soar estranho pra muita gente, mas a Polonia é um dos paises mais visitados da Europa, e esse numero só tende a aumentar cada vez mais graças aos novos voos low cost que ligam suas principais cidades as maiores capitais da Europa. Além disso, geograficamente falando, a Polonia é cercada de paises e culturas diferentes por todos os lados, e querendo ou não, muita gente tem que passar por ali.


Pra mim, conhecer a Polonia era uma vontade antiga: por um lado pela memória das aulas de história, ver com meus proprios olhos as marcas de uma das paginas mais assombrosas da historia da humanidade. E por outro entender melhor uma cultura tao diferente, mas tao fascinante e que ao mesmo tempo me soa tão familiar, pois oque não falta em Londres são Poloneses!

Ao memso tempo auqe sabia muito pouco, a medida que fui me interessando e pesquisando sobre o pais, mais descobri oque quanto já conhecia – algumas palavras, os costume,s as comidas tipicas e as consequencias do passado.


A Cracóvia é a antiga capital do pais, e até hoje usufrui do titulo de cidade mais bonita do pais, algumas das Igrejas mais detalhadas e trabalhadas do continente, o centro historico Patrimonio da Unesco, a maior praça medieval da Europa… um castelo lindo, ruas de contos de fadas, e a vergonha e o peso de hospedar em sua vizinhança o maior campo de concentração do mundo, relelmbrando as marcas de uma dos paises mais massacrados no seculo 20.

Nossa viagem foi um tanto quanto mal planejada… Outubro definitivamente nao é a melhor época para visitar a Polonia… O tempo estava horrivel, frio, uma neve lamaçenta, chuvisco chata… Por um lado, o pesadelo de todo turista, mas por outro confesso que deu um charme e uma dramatização extra a cidade.

Achei a Polonia exatamente como eu imaginava, e apesar dos dedos contantementes congelados e os pés por vezes molhados, uma Polonia ensolarada não teria tido o memso efeito em mim.

Nosso primeiro dia na cidade foi todo concentrado no centro historico da cidade, que tambem é o principal ponto de referncia, a praça Rynek Glówny, com um mercado no centro e a catedral Mariacki e suas torres gemeas (porem diferentes!) num canto.

A catedral é a principal atração, com sua arquitetura barroca, contruida no seculo 14 e famosa por suas torres gemeas desiguais e pelo impressionante (e gigante) altar.

Existem varias lendas diferentes sobre as torres da catedral, inclusive a lenda de que elas foram contruidas por dois irmãos que tentavam competir pelo poder da Polonia, mas na verdade elas tinham uma função mais pratica: da torre mais alta acreditava-se que era possivel enxergar todo o pais, enquanto que na torre mais baixa um trompetista anunciava todos os dias, i inicio e o fim do dia, e assim visitantes nao eram pegos desprevinidos dentro dos limites da cidade em horarios nao permitidos. Outra lenda é a do trompetista assassinado pelo ex´rcito Mongol, quando eles tentaram invadir a cidade. Em honra a essa batalha, todos os dias o som do trompete pode ser ouvido na torre da igreja.

Uma coisa que achei bem legal na Cracóvia é que se vc quiser tirar fotos dentro das igrejas e monumentos, voce pode, basta pagar “extra” pelo ticket que te dá esse direito! Nós, obviamente pagamos por essa opção e valeu cada centavo dos 2 Euros extras que pagamos…

Ao entrar na catedral nao esqueça e olha pra cima e admirar a nave absolutamente decorada, pintada de azul com estrelas douradas. As paredes idem… os vitrais coloridos, as colunas esculpidas…

Bem em frente a catedral, no centro da praça esta o merdao central que infelizmente estará fechando e parcialmente coberto sob renovações até 2010… E bem do outro lado, a Torre do Relogio da prefeitura… bem, a unica torre que sobrou da antiga prefeitura da cidade.

Seguindo pela Rua Florianska, que é uma das principais ruas comerciais da cidade, se chega até a torre/portao Florianska, que é 1 das unicas 4 torres que sobraram do antigo muro medieval, e que também era a entrada principal, usada pela realeza Poloca marcando o inicio da “Rota Real” da cidade, conectando seus 3 pontos principais: Florianska, a praça e o Castelo.

O castelo Wawel é na verdade um complexo de predios reais, incluindo os apartamento da familia real, as estruturas do antigo castelo e a Catedral Wawel, que até hoje é considerada a principal estrutura religiosa do pais.

Nao pudemos visitar a Catedral por dentro pois estava acontecendo um casamento (aliais, quase todas as Igrejas estavam celebrando casamentos no sabado a tarde!), mas aproveitamos pra passar bastante tempo visitando os apartamentos do castelo com suas exposicões de tapeçaria Flamenga (Holandesa), as joias da Coroa, e a artilharia com armas dos seculos 3 ao seculo 18 d.c.

Antes de viajar, um amigo Polones me deu a dica de onde tirar as melhores fotos do castelo: na ponte Most Debnicki, que ficava bem do lado do nosso hotel!

Ao longo da “rota real” fomos parando e entrando em todas as Igrejas que passamos e fiquei impressionada com o catolicismo fervoroso dos Poloneses, e em especial de seu orgulho pelo Papo João Paulo II, que é Polones natural de um vilarejo nos areedores de Cracóvia e passou grande parte de sua vida na cidade. Seu nome, fotos, pinturas, estatuas e esculturas estao em todos os lugares. As igrejas bem conservadas e todas as missas lotadas de familias bem vestidas.

Mais fotos da Cracóvia, AQUI

Adriana Miller
25 comentários