04 Feb 2019
13 comentários

Dicas de viagem para Capadocia – Como chegar, hotel, passeios, voo de balao, onde comer etc

Capadocia, Oriente Médio, Turquia

Conhecer a Capadócia era um sonho antigo, e que simplesmente não saia do papel. Difícil de chegar, não daria pra levar as crianças e com timing difícil, pois é muito lotado e quente na alta temporada (primaverao e verao), mas de clima arriscado na baixa temporada (outono e inverno)…

Quando resolvemos planejar uma viagem pro meu aniversário em 2018 ano (enquanto meus pais estavam em Londres e podiam ficar em casa com a Isabella e o Oliver), na mesma hora pensei: Capadócia!!

Quando reservamos a viagem, nem imaginavamos que essa seria a nossa ultima viagem  antes da mudanca para os EUA, e em se tratanto de um destino em que sempre sonhamos e tentamos fazer acontecer sem sucesso, sem duvidas a Capadocia teve um gostinho especial!

Esse post e dicas estao saindo super atrasados, mas nao tinha como nao incluir no repertorio aqui do blog!

  • Logistica e como chegar:

A logistica de planejar uma viagem para a Capadocia eh sem duvidas a aprte mais dificil da viagem. Essa foi nossa terceira vez na Turquia, e muitos anos de outras tentativas, e a viagem simplesmente nunca saia do papel.

A Capadocia eh uma regiao enorme, bem no centro da Anatolia Turca, e apesar do voo rapido (e relativamente barato) a partir de Instanbul, conseguir conciliar voos, epoca do ano, custos e disponibilidade de tempo, sempre tornou a viagem incompativel com nossos planos.

Nos chegamos na Capadocia a partir de Londres, e no total, entre voos, conexoes, fuso horario e afins, foram 12 horas de viagem e um dia inteiro perdido no processo.

E mesmo se voce ja estiver na Turquia e quiser incluir a Capadocia no roteiro de uma viagem mais extensa pelo pais, separe pelo menos 1 dia inteiro para esse processo e logistica (seja por terra, encarando as muitas e muitas horas de estrada, seja por ar, sempre tendo que conectar e trocar de voo de volta em Istanbul).

O mais facil, sem duvidas eh por aviao, e a Capadocia eh servida por dois aeroportos: Nevşehir-Kapadokya Airport (NEV),  e Kayseri’s Erkilet Airport (ASR), que foi por onde nos voamos.

Nevşehir-Kapadokya eh considerado o “melhor” aeroporto, por ser mais proximo a Goreme (a cidade base, e mais turistica da regiao) e fica a 40 minutos de carro. Porem Keyseri tem muito mais opcoes de voos, tanto saindo de Istanbul, quanto de outros destinos na Europa e Oriente Medio, e fica a apenas 1 hora de distancia do centro de Goreme.

O mais facil eh usar sites de busca de passagens e procurar, dependendo do seu tempo, ponto de partida, orcamento etc, qual o aeroporto acaba oferencendo melhores opcoes.

Para o transfer entre o aeroporto e a Capadocia o mais facil eh simplesmente requisitar um transfer direto com seu hotel – a maioria dos hoteis por la oferecem o servico de graca ou por um custo super baixo (nos pagaos 5 Euros por pessoa, e valeu muito a pena, alem de nao ermos nos preocupado com nada! Saimos do aviao e ja tinha alguem nos esperando).

 

  • Dica de Hotel:

A escolha do hotel foi outro ponto especial. A Capadocia nao eh um lugar muito caro nesse sentido, e eh facil achar hoteis bem baratinhos (e lembrando que fomos em Fevereiro, que eh baixa temporada).

A maioria dos hoteis ficam em duas cidades principais: Goreme e Uchisar. Nos optamos por Goreme, por ter mais opcoes de hoteis, ser mais proximo ao local de saida dos baloes, e por ser o “centro” da Capadocia, e pudemos fazer todos os outros passeios a pe, independente, sem depender de ter que contratar guias, excursoes, negociar taxis etc.

Nos queriamos um hotel que fosse bem tradicional – com quartos “cavernas”, cavados na pedra, como sao as casas historicas da regiao. Outra requisicao era a vista! Queriamos ter uma vista legal do vale de Goreme, ver os baloes sobrevoando a cidade, assistir o nascer e por do sol, etc.

Entao nossa escolha foi o Sultan Caves Hotel, e amamos a escolha!

O hotel nao eh de luxo, mas super caracteristico e tradicional, os quartos super espacosos, banheiros modernos, muito bem localizado em Goreme, com um otimo restaurante, e o melhor: um terraco lindo na cobertura do hotel, com uma vista incrivel do vale da Capadocia!

Nossa segunda opcao tinha sido o Museum Hotel, que fica em Uchisar – mas nao achei que a discrepancia de precos em relacao aos outros hoteis da regiao justificava o “luxo” do hotel, alem de ser um tico mais afastado das partes mais turisticas (queriamos poder fazer tudo a pe).

Mas fica a dica pra quem quiser uma viagem super especial, lua de mel, etc e queira um hotel a altura!

 

  • Quanto tempo ficar, passeios e oque fazer por la:

Esse eh o X da questao!

Se voce for procurar “listas” do que tem pra fazer na Capadocia, provavelmente conseguiria ocupar uma semana inteira por la. Mas a realdiade, e que a maioria das pessoas vai ate la pelo passeio de balao mesmo, e esse foi o nosso caso.

Porem voar de balao eh uma atividade muito dependente das condicoes climaticas, e muito voluvel ao tempo. Ou seja, nao ha garantias de que voce vai conseguir voar de balao, mesmo que passe uma semana inteira por la!

Entao, como o seguro morreu de velho, se planeje para passar no minimo 2 ou 3 noites por la, para aumentar suas chances de conseguir pegar uma manha com voo de balao.

Originalmente, iriamos passar 3 noites na Capadocia, e mais uma noite em Istanbul, mas acabamos tendo que mudar nossos voos de ultima hora, e so conseguimos passar duas noites por la.

Eu resolvi reservar o voo de balao direto para nossa primeira manha na Capadocia, ainda que soubesse que chegariamos super tarde na cidade (chegamos no hotel ja passavam da meia noite, e tivemos que acordar as 5 da manha).

E que SORTE! Conseguimos voa de balao sem problemas, com um amanhcer lindo e claro, e no dia seguinte, nada!

Acordamos cedo pra asistir o nasceu do sol e os baloes voando na paisagem da Capadocia, mas por causa das condicoes do vento, todos os voos de balao foram cancelados! (chegamos a ver os balor inflados no horizonte, mas nenhum deles chegou a subir!).

Ou seja, se tivessemos deixado para aquele segundo dia, teriamos chegado a ir ate la, entrado nos baloes, e teriamos voltado spro hotel extremamente frustrados!

E confesso que ainda assim fiquei chateada por nao ter assistido o voo dos baloes na paisagem… que talvez teria sido possivel se tivessemos passado mais 1 dia e 1 noite por la. Mas dos males o menor, ne? Pelo menos fizemos um voo de balao incrivel!

Nos reservamos nosso voo de Balo direto com o hotel tambem, e eles cuidaram de todos os tramites por nos. Voamos com a Butterfly Ballons, que tem otimas resenhas on line, e custou 130 Euros por pessoa (acho que na alta temporada custa 160 Euros por pessoa).

Muita gente me perguntou sobre o “medo” de voar de balão: e olha, NÃO dá medo nenhum!
Eu tenho um medo de altura paralisante, nem vou na varanda na casa das pessoas (nunca fui na varanda do meu antigo apartamento – e era apenas no segundo andar!!!).

Mas esse foi meu segundo voo de balão, e realmente me senti muito segura o tempo todo!
A cesta do balão é bem grande e “sólida”, e o voo, incluindo decolagem e pouso, são incrivelmente suaves… não tem tremedeira, não tem solavanco! Não tem nada a ver com voo de avião ou de helicóptero, você não se sente “voando”, e sim”flutuando”… o balão é 100% guiado pelo vento, mas não voa em dias de ventania, então nenhum movimento – curvas, subidas, descidas etc- são bruscas nem repentinas!

Eles nos dão um mini treino de segurança antes do voo (que foi exatamente igual na Turquia e em Myanmar, então deve ser o padrão internacional mesmo), que basicamente explica a posição de aterrisagem e o básico sobre como o balão voa.
Foi tão bom, tão tranquilo! Tão libertador!!

Se você nunca quis fazer um voo de balão, por causa de medo de altura, não tenha!! Prometo que se eu consegui, você também consegue e não vai se arrepender!!

Durante o dia, no nosso primeiro dia por la, depois do voo de balao, fomos andando ate o “museu a ceu aberto” visitar as casas-caverna da Capadocia, que ocupou uma tarde.

E no dia seguinte ficamos flanando por Goreme, visitamos algumas lojas de souvenir e tapetes turcos (onde compramos um tapete para nossa casa nova!), e andando pelas ruelas da cidade sem rumo.

O bom de ter ido na baixa temporada, eh que a cidade estava bem vazia, e apesar do frio, o clima estava bem gostoso.

Porem a desvatagem da baixa temporada, foi que justamente porque a cidade estava tao vazia, a maioria das lojas e restaurantes estavam fechados, e muitas areas de Goreme pareciam cidade fantasma…

Nao usamos guias nem fizemos excursoes por la, e achei super desnecessario. Goreme eh relativamente pequena, e super facil de navegar. Todos os hoteis, lojas e restaurantes falam ingles super bem e muitos se viram no espanhol e ate mesmo portugues.

 

  • Capadocia com criancas?

Outra pergunta que recebo o tempo todo eh sobre visitar a Capadocia com criancas. Todas as vezes que falei sobre a nossa viagem (no vlog, no Instagram), eu fui bem explicita em relacao a que uma das nossas principais dificuldades de planejar uma viagem a Capadocia, era justamente o fato de nao querermos levar as criancas pra la.

Eu sempre falo sobre as dores e delicias sobre viajar com criancas e bebes, e o segredo esta na expectativa x realidade.

E a minha expectativa era poder viajar de balao, acordar pra assistir e tirar fotos do anscer do sol as 4 da manha, fazer caminhadas nas cavernas das monatanhas etc. E sabia que na idade dos meus filhos (na epcoa com 5 anos e 1 ano e meio), esses passeios seriam impossiveis de fazer com eles.

Entao ao longo dos anos, eu preferia simplesmente nao ir, do que passar por todo perrengue de chegar na Capadocia e nao poder fazer essas coisas, pois essa era a minha expectativa.

Quando fomos ao Myanmar, por exemplo, nos levamos a Isabella, e sabiamos que uma das principais atracoes do pais era tambem o voo de balao – mas ficamos num hotel com uma infraestrutura super legal que oferecia servico de babysitter. Alem disso, ficamos dias suficientes em Bagam, e sabiamos que em ultimo caso, poderiamos voar em dias separados, por exemplo.

Entao quando me perguntam se eu acho que eh viavel visitar a Capadocia com criancas pequenas, a minha resposta eh sempre “Sim, mas depende”, pois depende justamente de quais as suas expectativas para a viagem, e seu nivel de frustracao de nao conseguir fazer certas atividades que sao cruciais por la.

Se eu recomendo? Bem, no meu ponto de vista, e para as minhas expectativas, nao. Nao recomendo uma viagem para Capadocia com criancas pequenas (relembrando que na epoca a Isabella tinha 5 anos e o Oliver 1 e meio).

(E eu sou super a favor a levar nossos filhos pra qualquer lugar do mundo! De Qatar a Coreia do Sul, a Marrocos. Mas sempre com as expectativas certas. Os unicos dois lugares do mundo onde eu sempre soube que nao queria levar as criancas foram Machu Picchu, no Peru, e Capadocia na Turquia.)

 

[Starbox]

Adriana Miller
13 comentários
07 Jun 2017
4 comentários

Alimentação de crianças e bebês em Viagens

Baby Everywhere, Dicas Aleatorias & Genericas, Dicas de Maternindade, Qatar, Viajando com crianças

Durante a nossa viagem à Doha, eu aproveitei o destino mais diferente para fazer um vídeo com algumas dicas e respondendo as dúvidas mais frequentes que recebo em relação à alimentação de crianças em viagens.

Alimentação de crianças e bebês em Viagens

Sei que não é a primeira vez que falo sobre isso aqui no blog, e de maneira geral, sou bem tranquila e relax em relação a isso. E no caso do Oliver, apesar de que ele só começou com a introdução alimentar à uns meses atrás, por ser o segundo filho, eu já encarei o processo bem mais tranquilamente e sem cobranças.

No geral, minha filosofia de alimentação é: quanto mais natural melhor, porem sempre balanceada. E um dieta balanceada também também inclui coisas não tão saudáveis de vez em quanto. Quero que meus filhos tenham um relacionamento bom com a comida, não só fisicamente, mas também psicologicamente, então as neuras e excesso de regrinhas passam longe daqui de casa!

E isso se mantem durante nossas viagens. Não quero me estressar demais com alimentação até porque eu também estou de férias, e sei que papinhas prontas de vez em quando não vão fazer mal algum! Pelo contrário – eles vão aprender a comer de tudo, sabores, texturas e temperos diferentes da “de casa” sem frescuras, e terão acesso a comidas que eu provavelmente não faria na nossa casa (mas que mesmo assim quero que eles provem).

 

  • Papinhas prontas (“Nestlé”, “Industrializadas”, “de potinhos”)

Não vou negar: durante nossos passeios e viagens, as papinhas prontas formam o grosso da alimentação do Oliver (e da Isabella quando era bebê).

Mais fácil, mais prático e inclusive mais barato, pois evita ter que ficar pedindo comida separada ou especial em restaurantes, sem sequer saber se ele vai gostar e comer ou não, e a economia de ficar comprando mil ingredientes e temperos em supermercados que não conhecemos pra fazer papinhas no hotel/casa de temporada.

Então uns dias antes de viajar, eu aproveito para passar no supermercado e farmácia e estocar papinhas, tanto salgadas para as refeições principais, quanto de frutas, para lanchinhos, sobremesa etc.

Eu calculo sempre 1 salgada e 1 doce (fruta) para cada refeição principal (almoço e janta), para a viagem propriamente dita (seja avião, carro, trem, ônibus, etc) e para pelo menos o primeiro e segundo dia da viagem.

Não dá pra levar comida para todos os dias de uma viagem mais longa, pois isso pesa demais na mala, então sempre deixo para comprar mais coisas no destino final da viagem, mas também não quero ter que desperdiçar os primeiros dias da viagem catando supermercado ou me preocupando que vamos ficar sem comida pra ele.

Se o seu bebê nunca comeu papinhas prontas e você acha que ele não vai gostar ou não vai se acostumar com o sabor diferente, comece o processo umas semanas antes, vá misturando aos poucos com a comida de casa, vá intercalando as refeições, e vá acostumando o paladar do seu bebê ao tempero e sabor diferente dos potinhos.

Por mais natural e orgânica que sejam, o sabor é diferente sim e não dá pra negar!

Eu gosto de ir intercalando no dia a dia, e volta e meia ele come alguma papinha pronta, mesmo quando não estamos viajando, em casa mesmo. Porque tem dias que simplesmente não dá tempo ou não estou a fim de fazer comida separada para ele, e quero que ele vá se acostumando com novos sabores aos poucos.

Até porque convenhamos que uma criança que só come feijão e arroz todos os dias não tem uma dieta (nem paladar) nem um pouco balanceada, né? Muito pelo contrário…

Então mesmo quando vamos passear aqui por Londres no fim de semana, ou se preciso sair com ele e ficar mais tempo fora de casa, não preciso me estressar em fazer papinha, levar papinha, carregar tudo em bolsinha térmica, catar lugar pra esquentar, descongelar etc. Dá-lhe papinha!

Então ele nunca estranhou nem recusou em todas as vezes que precisei, assim como foi com a Isabella.

 

– Escolha do Hotel

Isso foi outra coisa que mudou bastante no nosso estilo de viajar depois que a Isabella nasceu. Os hotéis deixaram de ser um lugar para apenas guardar as malas e passar as noites, para uma parte crucial de nossas viagens.

Por que sim, viajar com criança dá mais trabalho, é menos espontâneo e bem mais arriscado, então precisamos de uma infraestrutura melhor.

E não estou necessariamente falando de kids club, playground nem animação infantil, e sim de hotéis com serviço melhor, garantia de que os funcionários vão conseguir falar Inglês com você e te ajudar numa emergência, e principalmente, porque geralmente os hotéis maiores e de redes internacionais tem ótimas opções mais ocidentais de café da manha, restaurante próprio (onde quase sempre podem fazer modificações nos pratos ou comidas especiais para crianças) e serviço de quarto.

Portanto sempre damos preferência a hotéis que tenham café da manhã, então tanto a Isabella quanto o Oliver já começam o dia com comida “de verdade” – cereais, frutas, ovos, queijos, frios, iogurtes, etc. Seja o que for que seu filho (bebê ou criança) esteja acostumado a comer pela manhã, com certeza um hotel maior e internacional terá.

Então pela manhã o Oliver comia ovo mexido (que eu pedia para fazerem sem sal, e bem macio), mingau de aveia (sem açúcar) e frutas in natura.

E sempre aproveito o café da manhã do hotel para também abastecer eventuais lanchinhos durante o dia. Pego frutas (banana, maça, laranjas etc geralmente não faltam e são super fáceis de carregar em passeios e de oferecer para crianças), biscoitos ou pães, iogurte, etc. Não sinto a menor vergonha! Mesmo! Já levo potinhos de casa e vou preparando nossa farofa!

E como mencionei acima, é sempre bom ter a garantia de um restaurante internacional dentro do hotel, principalmente quando viajamos para lugares mais diferentes. Porque sei lá né? Vai que seu filho não quer nem provar o tajine de cordeiro marroquino do almoço? Então pelo menos você tem a garantia de que no jantar poderá pedir um macarrão, grelhados, legumes e afins sem problemas. Logo, mesmo que a criança almoce “besteiras”, o jantar já fica mais garantido.

E sem falar naquelas dias em que o passeio se estende, se estende, tá todo mundo se divertindo, você acaba perdendo a hora e quando se dá conta já esta tarde demais pro jantar, e sabe que se arriscarem um restaurante, vai ser uma catástrofe digna de Armagedom!

A solução? Serviço de quarto!

Então já chego no quarto do hotel faço o pedido do jantar, e quanto damos banho e preparamos as crianças pra dormir, a comida chega! E sem falar o tanto que a Isabella se diverte com o “picnic” no quarto!

 

  • Apartamentos, casas de temporada, AirBnB e afins:

Eu tenho certeza absoluta que o AirBnB foi fundado por alguém com filhos pequenos e que tinham muita dificuldade de achar hotéis! Kkkk

Mas falando sério, casas, apartamentos e flats são sempre uma ótima opção para famílias viajantes, pois é sempre ótimo ter um geladeira/frigobar e uma cozinha bem básica à mão.

Meu único porém é: depende da viagem.

Alguns destinos e estilos de viagem, o hotel é uma grande parte das férias, e eu não teria ficado numa casa/apartamento num lugar como Doha, ou Ilhas Maurício, por exemplo. Ter a estrutura do hotel foi crucial para nossa viagem, e teríamos curtido bem menos sem isso.

Mas viagens mais no estilo “city break”, onde o hotel é realmente só pra dormir, então um apartamento faz todo sentido!

Você pode guardar mais coisas na geladeira, comprar alguns ingredientes frescos, cozinhar (caso tenha tempo!), esquentar, lavar, esterilizar etc, e conseguir manter um dia a dia mais “normal”. Sem falar que ainda dá pra lavar roupa, caso seja preciso, e mais espaço para se organizar do que num quarto de hotel

Nós já ficamos em apartamento de temporada algumas vezes e a experiência foi sempre ótima, e com certeza repetiremos mais vezes, principalmente agora viajando com dois filhos!

 

  • Passeios ao longo do dia e restaurantes na rua

Sempre que possível eu tento evitar fast food, e até hoje a Isabella nunca nem provou refrigerante. Mas tem vezes que simplesmente não dá pra evitar o nuggets com batata frita do menu infantil dos restaurantes quando estamos na rua!

E tudo bem gente!

Eu sempre tenho opções para um plano B na bolsa: frutas, pães/biscoitos para a Isabella (que geralmente pego no café do hotel) e papinhas pro Oliver, caso a hora do almoço se atrase, ou caso estejamos num lugar onde as opções de restaurantes não nem nada mais infantil.

Mas mesmo assim, não custa nada perguntar! É possível passar a sopa de legumes “do dia” no liquidificador, para seu bebê? É possível servir o frango sem o molho de curry para sua filha? O sanduíche de frango pode ser com frango grelhado em vez de empanado? Etc, etc. Geralmente dá! Mas se não der, esteja preparada com papinhas, frutas, lanchinhos etc que deem para alimentar as crianças até a próxima refeição.

 

  • Supermercados, feiras e farmácias locais:

E convenhamos: existem crianças e bebês no mundo todo, então não entre nessa de que lugar tal não é “lugar de criança”, ou isso ou assado.

Então você sempre vai achar tudo que precisar para seus filhos, ainda que de marcas diferentes, e não apenas relacionado a comidinhas ou papinhas: fraldas, itens de higiene (shampoo, hidratante, pomadas, lencinhos…), leite, etc

Então como disse acima, eu sempre levo quantidade suficiente de papinhas para pelo menos os primeiros dias da viagem, só pra evitar emergências e afobações logo nos primeiros dias das férias. Mas já fico de olho no que existe por perto, e na primeira oportunidade gosto de ir a algum supermercado (sem falar que eu acho a maior diversão conhecer supermercados e farmácias de países diferentes!), mercadinho, farmácia ou feira e estocar algumas coisas, nem que seja só pra ver o que existe ou não naquele destino, caso precise de algo a mais, ou caso tenha esquecido de alguma coisa.

Aí compro papinhas a mais, leite para a Isabella (que não toma mais fórmula, mas ainda gosta de beber leite antes de dormir), biscoitos para lanchinhos, frutas (banana, maça, uvas e tangerina são ótimas opções para ter sempre no quarto/apartamento e na bolsa de passeio), iogurte ou o que mais virmos de interessante ou de necessário.

E não só pra as crianças! Aproveito para também abastecer vinhos, cerveja e petiscos para gente também! :-)

 

  • Acessórios e apetrechos de alimentação

Além de falar sobre papinhas, comidas e afins, todo pai/mãe sabe que alimentar as crianças vai muito além disso, então não esqueça de levar os apetrechos necessários para facilitar sua vida:

Colheres para bebê, mamadeiras, copinhos de treinamento, potinhos e tigelas, escova para lavar mamadeira, ítens de limpeza (sabão líquido para lavar louça e roupa, capsulas para esterilização, babadores, etc), que eu mostro em mais detalhes no vídeo.

Produtos mencionados no vídeo:

Necessaire de “farmácia”: http://fave.co/2qe6M71
“Fresh Food” da Munchkin: http://amzn.to/2pi6qwK
Escova de lavar mamadeira: http://amzn.to/2ovAlV6
Mamadeiras MAM: http://amzn.to/2oLzxrk
Detergente para viagem: http://amzn.to/2ovKFMO
Potes e garrafinhas de viagem: http://amzn.to/2ovKUr3
Babador descartável: http://amzn.to/2p3QK1H
Capsulas desinfetantes: http://amzn.to/2q4Z4fS
Colheres para bebê: http://amzn.to/2p3GIxu

Carrinho do Oliver: http://fave.co/2ovJKMa

 

Dicas sobre Introdução Alimentar:

Introdução alimentar e “filosofias” de alimentação para crianças

 

O que levo na mala de mão para viajar com crianças:

Mais posts sobre mala de mão para viagens:

TV Everywhere: Viajar de avião com crianças “grandes” – dicas para antes, durante e depois do vôo!

Apetrechos e Acessorios de viagem – Viajando com criancas

 

Como fazer e organizar a mala de viagem das crianças:

 

Mais dicas de maternidade e viagens com crianças:

http://drieverywhere.net/categoria/baby-everywhere/dicas-de-maternindade/

http://drieverywhere.net/categoria/baby-everywhere/viajando-com-criancas/

 

Me Acompanhe!

Além de todas as dicas que eu posto aqui no blog, você também pode me acompanhar nas redes sociais para mais notícias “ao vivo”:

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
4 comentários
12 May 2017
0 Comentários

Doha – Museu de Arte Islâmica e a Corniche

Oriente Médio, Qatar

Outro passeio interessante de se fazer em Doha, é o Museu de Arte Islâmica, ou o MIA, que fica na região da “orla” da cidade antiga de Doha, e bem em frente ao mercado árabe, Souq Waqif.

A construção é novíssima e imponente, um contraste com o porto antigo e o mercado bem do outro lado da rua… Mas o que gostei mesmo foi a perspectiva nova que a construção desse museu representa para o Islamismo.

Porque a realidade é que nos últimos anos, o único foco que o mundo tem dado ao Islãm, é negativo. É de medo, terror, e afins.

Não estou aqui pra fingir que sei qualquer coisa sobre o Islãm, nem defender nem atacar a religião de ninguém. Mas religião, seja ela qual for, é um pilar muito forte na cultura de qualquer povo, e nada mais natural do que ver isso refletivo na arte.

E é isso que esse museu celebra e representa. A arte, a cultura e a beleza representada pelo Islamismo, e como ele molda a cultura e sociedade de Qatar.

E pra continuar o passeio, não podemos esquecer da Corniche – que eu, como boa Carioca, só consigo chamar de orla!

São intermináveis quilômetros a beira mar que conectam a cidade antiga de Doha, à sua versão futurística, ou o centro financeiro da cidade – que de uns tempos pra cá, virou o novo símbolo de Doha.

Só fomos pra lá no fim do dia, já anoitecendo (é bem difícil fazer qualquer outra coisa por lá durante o dia por causa do calor!) e fiquei impressionada de como a Corniche estava lotada! Locais, estrangeiros, famílias…

doha

Fomos dirigindo e parando ao longo da avenida para ver os diferentes ângulos dos prédios e sua iluminação! É incrível como a cada curva as luzes mudam e a paisagem vai se modificando também. A vista do nosso quarto de hotel era dos prédios da Corniche também, mas de um ângulo totalmente diferente!

O passeio rendeu algumas das melhores fotos da viagem, e adoramos ver esse outro lado de Doha!

 

Me Acompanhe!

Além de todas as dicas que eu posto aqui no blog, você também pode me acompanhar nas redes sociais para mais notícias “ao vivo”:

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
0 Comentários