12 May 2015
69 comentários

SAL: Como da tempo de fazer tudo?!

Dia a dia, Pessoal, S.A.L.

Recentemente eu tenho recebido muitos emails, comentarios e perguntas sobre administracao de tempo e como “consigo fazer tudo”.

A pergunta geralmente vem de leitoras mae-esposa-profissional-amiga-bombril-mil-e-um-utilidades que de alguma forma tem a impressao de que eu consigo fazer tudo, tenho muito tempo de sobra e sou alguma especie de ninja da administracao de tempo :-)


A minha reacao instintiva eh sempre a mesma: “oi?!?!?” porque eu SEMPRE me sinto correndo atras do tempo, com mil pendencias ao mesmo tempo e fazendo mil cosias em paralelo. Sempre me sinto deixando a peteca cair e com aquela sensacao de “ah se eu tivesse umas horinhas a mais…”.

Mas claro, entendo que as midias sociais são traicoeiras, e por mostrar uma pequena amostra da vida das pessoas (geralmente a parte bonita/legal/divertida/glamuroa #quemnunca) geram essa falsa impressao de que “como ela(e) consegue e eu não?!”.

E a vida real não eh assim. Mesmo.

A da Beyonce, da Hilary Clinton, da Ivank Trump nao sao assim. E por que não, a minha. E a sua tambem.

E entre umas trocas de e-mail aqui, outros bate papo ali, uma leitora me pediu “dicas”, e citou como exemplo um post onde falo sobre alguns “rituais” de beleza, e como acaba fazendo varias “tarefas” ao mesmo tempo, pra otimizar determinada coisa.

E ai isso estalou uma auto analise, uma reavaliacao sobre o que eu realmente acho que faco bem. E a conclusao foi o fato de que não eh uma questao de fazer as “coisas” bem feitas, e sim o fato de que ao longo dos anos aprendi a priorizar, a aceitar que não da pra fazer tudo, nem tudo bem feito, e entrei num acordo comigo mesma de simplesmente ficar de bem com isso.

E acho que a palavra chave aqui eh justamente essa: priorizar.

Entre as 300 tarefas que voce tem que fazer por dia/semana/mês/ano, e consequentemente as tarefas que devem ser feitas entre casa/trabalho/familia/voce mesma, faca uma auto analise em relacao a o que realmente eh importante. Uma lista mesmo. De 1 a 10 (ou 1.000!).

O que voce não abre mao (ou não pode abrir mao, tipo, passar 8 horas no escritorio!), o que seria o ideal, e o que voce aceita viver numa boa sem fazer (ou sem fazer bem feito).

Entao algumas aprendizagens e conclusoes minhas foram:

– Aceitar comigo e para mim mesma quais são minhas prioridades. Aquelas que são importantes pra minha vida e de mais ninguem. Não aquelas coisas que a sociedade “espera” ou “exige” que voce faca.

Por exemplo:

Trabalhar. Pra mim eh uma prioridade. Uma satisfacao e realizacao. Minha carreira me faz feliz.

Não eh a mais glamurosa ou bem sucedida, mas sinto uma satizfacao enorme de ver tudo que eu conquistei com muito trabalho, anos de estudo e dedicacao.

Isso significa que pra trabalhar e priorizar minha carreira significa que eu abro mao de outras cosias, como por exemplo, me dedicar mais ao blog, ou passar mais tempo com minha familia.

Não quer dizer que uma cosia seja mais importante que a outra, não eh isso. E sim uma conjugacao entre o que TEM que ser feito e o que eu GOSTO de fazer.

Blog. Meu hoby e passatempo há 11 anos. As vezes blogar vai parar la na ultima posicao da lista de prioridades, e já aconteceu varias vezes ao longo da vida do blog onde eu passei varias semanas e ate meses sem escrever nem uma linha.

Mas eh uma cosia que eu AMO fazer. Gosto de registrar minhas experiencias e minhas impressoes – sobre a vida, lugares, experiencias.

Mas por outro lado, não eh uma coisa que eu queira priorizar tanto a ponto de abrir mao de outras coisas, como por exemplo, ter uma carreira “vida real”. Entao isso significa que eu abro mao de oportunidades (evento de impressa as 2 da tarde numa terca feira? Obrigada, mas não obrigada. Festinhas para blogueiros as 11 da noite? Eh, não vai dar. Viagens patrocinadas sem minha familia? Fica pra proxima), e muitas delas que poderiam gerar frutos monetarios-carreira (no caso, uma carreira on line), mas que eu opto por não priorizar, pois não eh um “objetivo” de vida e de carreira pra mim por enquanto.

Isso tambem significa que por ser um hobby, nao tenho tempo pra me dedicar 100%, no sentido de conseguir editar todas as fotos sempre com mntagens lindas dignas de revista, publicar textos com pontuacao, gramatica e sintaxe perfeitamente-perfeitas (vide esse post mesmo: escrevi na hora do almoco no escritorio, num laptop sem configuracao pra ascentos nem corretor ortografico em Portugues), e muito menos responder todos os e-mails que recebo.

Entao blogar eh uma coisa que eu adoro fazer, esta no topo das minhas prioridades, mas que eu simplesmente aceitei que pra conseguir fazer, não da pra conseguir fazer perfeito.

Cuidar de mim mesma. Eu a-do-ro!

Me relaxa, me faz sentir bem comigo mesma, e eh um escape para outras atividades de estress.

Entao eu gosto de treinar de manha. Isso significa que raramente consigo ficar acordada muito depois das 10 da noite!

Tambem adoro fazer longas sessoes de spa em casa – cuidos dos cabelos, faco as unhas, depilacao e seja la o que mais. Mas tudo num clima “multi-tasking” fazendo tudo-ao-mesmo-tempo, e fazendo eu mesma.

Para fazer as unhas, tiro a cuticula num dia, e pinto no outro (motivo que faz fazer as unhas uma prioridade: sou roedora compulsiva, e se não estiver com as unhas feitas, acabo roendo os cantinho tao ferozmente que me prejudica em outras areas). Mas não vejo como “obrigacao”, e odeeeeeeeio esses papos machistas de que “mulher tem que estar com tudo em dia”.

Se voce nao gosta e não quer gastar seu tempo fazendo as unhas, pintando o cabelo, e afins, entao porque meu deus?! Deixa pra la e faca outra coisa que te deixe mais feliz.

Outro exemplo muito, muito bom eh televisao; para pra pensar: Quantas horas por dia voce gasta, joga fora da sua vida vendo televisao?!

Eu simplesmente decidi que nada passando na TV eh mais importante do que determinados itens na minha vida, entao não lembro a ultima vez que “acompanhei” um programa. Eu prefiro usar esse tempo pra curtir minha familia em casa, ou sair com as amigas ou escrever no blog, ou tomar um banho demorado com crème no cabelo, ou planejar a proxima viagem, ou seja la oq ue tiver que fazer naquele momento da vida.

A noite, quando chego em casa do trabalho minhas prioridades são: curtir e brincar com a minha filha, cuidar dela (brincar, dar janta, dar banho, colocar pra dormir). Depois ficar com meu marido; conversar, trocar ideias, jantar, tomar um vinho. E por fim, em vez de sentar na frente da TV, ligo o computador e pesquiso viagens, respondo e-mails, escrevo no blog. E as vezes isso acontece sentada no sofa com o laptop no colo e a TV ligada de pano de fundo, e tudo bem.

E se tiver alguma coisa na TV que quero muuuuuito assistir, OK tambem. Não sou radicalmente contra TV, e nossa regra eh que sexta e sabado a noite, se estivermos em casa de bobeira, são os dias que assistimos filmes, programas gravados na TV a cabo, Netflix etc.

Mas quantas horas por dia uma familia gasta por dia em frente a TV? 2? 3 horas?

“Ah, mas não vivo sem ‘minha novela’!”

Otimo. Entao a novela pulou uns 3 niveis na lista de prioridade. E tudo bem. Eh uma coisa importante pra voce, que voce optou por fazer no seu dia a dia em vez de fazer outras coisas.

E eh simples assim:

Não eh a formula magica pra ter tempo de fazer TUDO na vida, e sim a consciencia de que ninguem vai conseguir fazer tudo, e nem conseguir fazer tudo super bem sempre.

Entao a fulana consegue passar 4 horas por dia malhando, mas com certeza abriu mao de uma carreira (no sentido “tradicional” da coisa) e um contra cheque no fim do mês. Ou nao. So ela(e) sabe de suas prioridades e oque vale mais a pena durante as unicas 24 horas disponiveis de seu dia.

A amiga que tem aquela casa perfeitamente arrumada, organizada e limpa, de repente prefere cuidar da casa e ter uma decoracao de revista em vez de, sei la, gastar seu dinheiro viajando.

Entao acho que esse eh o moral da historia, nessa coisa louca de “todo mundo tem que fazer tudo, o tempo todo e tem que ser perfeito e “instagramavel” o tempo todo”!

Ja rolaram outros papos no forum, aqui pelos comentarios do blog e nas redes sociais, sobre como organizo minha rotina e a vida familiar.

Ja ate brinquei varias vezes de que nao lavo louca. E ponto final. Uma pia cheia de louca no fim do dia nao me incomoda o suficiente a ponto de abrir mao de fazer outra coisa da vida.

Sim, eh uma brincadeira, e obvio que lavo a louca (ainda nao inventaram uma maquina de lavar louca que se auto carregue e arrume tudo depois nos armarios! Hehehhehe!), mas volta e meia, se nao der tempo e se nao estiver a fim, nao me torturo por isso.

Mas tem muita gente por ai que discorda, e deus-me-livre-guarde dormir com a cozinha suja. OK, gente. Vai lavar a louca e ser feliz :-)

Ou nao. A “louca suja” aqui eh apenas uma metafora para ilustrar o ponto sobre as prioridades da vida e do dia a dia. O que fazem a vida fluir mais feliz. Ou nao.

Uma outra coisa que funciona muito bem la em casa eh a organizacao que eu e o Aaron temos na nossa rotina (nao na organizacao no sentido de “arrumacao”! hahahahhaha! E sim na divisao de tarefas e o papel de cada um de nos na familia e no dia a dia da casa).

E me irrita muito, mas muito mesmo quando ouco que so faco isso ou aquilo pois “seu marido AJUDA em casa”.

AJUDA?? Ele nao ajuda, pois ajudar implica qu a obrigacao eh minha e ele apenas faz um favor de dar uma maozinha pois eh gente boa.

Nao moramos na mesma casa? Somos pais da mesma crianca? Ambos trabalhamos o dia todo e pagamos as mesmas contas?

Entao ningum ajuda ninguem, apenas dividimos as tarefas e responsabilidades igualmente.

Um dia ele cozinha e arruma a casa, enquanto eu brinco com a Isabella e coloco ela pra dormir. No dia seguinte, eu cozinho e arrumo tudo, enquanto ele cuida da Isabella.

Roupa suja, e roupa pra passar? Cada um cuida das suas.

Entre os intervalos semanais da faxineira, tiramos uma horinha no fim do dia durante a semana, e juntos, damos aquela geral na casa.

Uma vez comentaram que parecia que eramos “room mates” dividindo a casa. Mas oras, nao eh isso mesmo? Dividimos a casa, a vida, a familia, o relacionamento, e pra mim esse eh o segredo da coisa.

E sao apenas alguns exemplos de pequenas acoes no dia a dia que contribuem muito para aliviar as “obrigacoes” da vida, e fazer com que os dias (e as horas disponiveis por dia) sejam mais bem aproveitadas, sem deixar aquela impressao de que voce nao aguenta mais e esta a ponto de afundar.

Mas enfim, essas sao algumas das adaptacoes que dao certo na minha vida, e na minha rotina. Se eu nao trabalhasse fora de casa, talvez isso fosse diferente.

Se morassemos no Brasil e tivesse acesso a empregada/cozinheira/passadeira e afins, esse dia a dia tambem seria diferente.

 

Ou seja, esse post acabou ficando levemente “garota enxaqueca” de ser, e nao tem a pretencao de ser bula da formula perfeita para conseguir fazer tudo. Porque nao, ninguem consegue fazer tudo, nem fazer tudo perfeito.

E ok. Eh normal. Todo mundo eh assim e nao tem o menor problema!

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
69 comentários
07 May 2015
27 comentários

Mudança numero 6813216… E + 1!

Dia a dia, Dicas para Morar em Londres, Lar doce lar, Pessoal

Uns dias atras eu divide meu desespero nas redes sociais: vamos nos mudar de novo!

É o maior pesadelo de qualquer Londrino! A cidade é cara, espalhada, os imoveis são velhos, pequenos e é sempre um processo super estressante!


E pela primeira vez eu estava muito confortável e estabelecida, e sempre brincava que só ia sair do atual apartamento quando me expulsassem de la! Já se passaram quase 5 anos no mesmo endereço (feito que não acontecei desde que sai da casa dos meus pais em 2004!), e me sentia totalmente em casa!

Foi lá que eu passei minha gravidez, foi la que a Isabella nasceu… foi o lar da nossa família!

Mas no fundo, eu já estava tentando me acostumar psicologicamente com a mudança, pois ano passado nosso senhorio resolveu vender o imóvel. A empresa que administra os serviços do prédio nos garantiu que seria uma venda para uma investidor  ou seja, alguém que iria comprar, para continuar alugando;

Nosso contrato não tinha opção de quebra da parte deles, então sabia que ate Setembro de 2015, nosso teto estava garantido.

Mas por outro lado os imoveis no meu prédio/rua duplicaram de valor nos últimos anos, e o aluguel que estávamos pagando por um flat de 120 quadrados, era o mesmo preço que um studio com contrato atual. Ou seja, o novo dono “investidor” saiu no prejuízo e seria uma questão de tempo ate que eles a) aumentassem demais o aluguel b) pedissem o apartamento de volta.

Ate que numa bela tarde eu recebi o temido e-mail: o novo dono quer o apartamento de volta no fim do contrato para “reformas”!

Ai, eu chorei tanto!!! Serio, sofro muito por antecipação nessas situações! O-DEIO mudanças, odeio ter que procurar apartamentos em Londres!!! #Drama

Mas pelo menos o novo senhorio foi simpático, e totalmente flexível: o contrato acaba em Setembro, mas podíamos começar a procurar com calma, e sair quando quiséssemos, sem ter que dar aviso prévio.

Enrolamos algumas semanas – medo de sequer começar a procurar! – e chegamos a considerar comprar alguma coisa (já que aluguel é muito desperdício de dinheiro!), ou aproveitar a deixa para explorar outros bairros (eu moro no mesmo Post Code desde que me mudei pra Londres, ha 10 anos atras, e adoro!).

Mas ai bateu a realidade: preços de imoveis em Londres simplesmente não valem a pena para compra, procurar outro bairros significaria também ter que procurar outra creche e potencial escola para a Isabella, trocar o caminho para o trabalho todos os dias, etc… Então desistimos!

Como tínhamos bastante tempo combinamos: vamos começar a procurar alguma coisa por aqui perto. Se ate Julho não encontrarmos nada, aí abrangemos a busca um pouco mais.

O critéiro era: 3 quartos (atualmente temos apenas 2), e no mesmo bairro, podendo caminhar para a creche da Isabella.

Íamos apenas entrar em contato com algumas agencias e tal, e em vez de fazer aquela busca desenfreada na internet (que geralmente só tem roubada e flats “isca”), íamos seguir o caminho contrario: nos cadastrar com agencias locais, criar um perfil de cliente e esperar que eles nos contactassem caso alguma coisa que atendesse nosso critério ficasse disponível.

Só que eu sofro, e fico meio que abobada, sem conseguir pensar em mais nada, obcecada mesmo, tamanho medo da mudança! Então um dia de manha não me aguentei e entrei em alguns sites: de cara vi fotos de uma casinha linda aqui perto!

Liguei pra agencia na mesma hora, mas era domingo, e obviamente ninguém atendou; deixei mensagem, mandei e-mail, sinal de fumaça e código morse!

Segunda de manhã a agência nos ligou de volta e a casa ainda estava disponível – ela ia mostrar para alguns clientes na segunda a tarde, caso estivéssemos interessados. Por uma conjunção cósmica, coincidiu de que nós dois estávamos trabalhando em casa naquela segunda feira, então nos oferecemos para ir la ver a casa imediatamente!

(Aqui eh assim: gostou, levou na mesma hora! Não da tempo de pensar duas vezes! Muita pressão! Já aconteceu da gente estar entrando num apartamento com um agente, enquanto outro agente saia do elevador avisando que já tinha fechado com outra pessoa!)

De cara, adorei. Mas nao morri de amores. O Aaron não gostou das escadas (é uma casa histórica e bem Inglesinha (estilo Victorian Terrace construido em 1830!), então tem aquele estilo estreitinha e com vários andares). Eu impliquei que não ia ter espaço pra todas as minhas coisas (mas no fundo sei que ter walk in closet em Londres é uma sorte que provavelmente nunca mais vai se repetir!), e apesar de ser bem pertinho de onde moramos atualmente, ficaríamos no lado oposto, aumentado a distancia para a creche da Isabella em mais 10 minutos andando).

Fomos pra casa, pensamos. E marcamos de ver mais 2 apartamentos. Odiamos os outros dois como já era de se esperar (nas fotos do site imobiliário tudo é sempre lindo, limpo e amplo. Todos os endereços são “a 10 minutos do metro”. Já a realidade… not so much!).

Na saída de um deles, resolvemos ligar de volta pra imobiliária pra perguntar se a casa ainda estava disponível, e se poderíamos voltar la pra vê-la de novo.

Foi amor à segunda vista!

E pronto. Fechamos no ato!

Então obviamente que agora passei do 8 ao 80 e estou MEGA empolgada com a mudança!

Vamos abrir mão de algumas coisas que amamos no apartamento atual (mas sabemos que são características raras em Londres), como ambientes amplos, muito espaço pra tudo, um condomínio fofíssimo, serviços 24 horas e uma ótima localização.

Mas por outro lado vamos nos mudar para uma casa de verdade, com direito a lareira (decoração de Natal que me aguarde! Ha!) e jardim pra Isabella brincar, numa pracinha fofa com uma vizinhança (que aparenta ser) bem legal – nossa vizinha de porta tem um bebe de 1 ano e pouquinho, e mais duas casas pra baixo, no mesmo lado da rua, mora uma família com 2 filhas da idade da Bella.

A metragem da casa será a mesma (120 metros quadrados), que não é uma mansão, mas é uma tamanho ótimo pra gente – perderemos em “espaços integrados”, mas vamos ganhar 1 quarto a mais, e com bastante armários.

Ou seja, apesar do susto, no fim das contas a mudança vai ser pra melhor e não vejo a hora de recomeçar o processo de arrumação e decoração da casa nova!


Meu Pinterest esta en fuego com boards de inspiração de decoração! (quem quiser ficar de olho, é só seguir la!)

 

Atendendo a pedidos, vou finalmente gravar um “Tour do apartamento” no YouTube que tanto me pedem, e pretendo fazer o mesmo com a casa nova, pra deixar tudo registrado para a posteridade!!

Ah! E dessa vez também vou fazer uns posts mais “mão na massa” com dicas sobre onde morar e como procurar apartamento em Londres!

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
27 comentários
14 Jan 2015
55 comentários

Diário de Viagem: Pensilvânia, Janeiro de 2015

Dia a dia, Dicas de Viagens, Isabella, Pittsburgh, USA

Quem me acompanha no Instagram, “assistiu” de perto nossa viagem relâmpago para a Pensilvânia, nos EUA,  semana passada, mas a pesar de curta, a viagem foi por um motivo muito especial:

Dia 10 de Janeiro comemoramos o aniversario de 2 anos da Isabella no mesmo dia que sua bisavó Ruth comemorou 100 anos!

Então realmente não deu para deixar passar em branco, e a família se juntou para celebrar esse marco familiar!

Embarcamos 4 feira, e após uma semana conturbada no trabalho, realmente não estávamos prontos para viagem! Leia-se: fazendo mala as 11 da noite na véspera, catando as ultimas coisas na quarta de manha enquanto o táxi já nos esperava na portaria do prédio!

Resultado: só quando chegamos no aeroporto nos demos conta que deixamos uma mochila com TODOS os nossos eletrônicos em casa (laptops, câmeras, tripés, flashes, baterias, cabos e afins), eu ainda consegui a proeza de sair de casa sem casaco de frio (sai do prédio pela garagem, com a Isabella no colo e mais umas 15 bolsas caindo pelo chão, então não “senti” frio e de fato de que estava sem casaco!) e o pior de tudo: pegamos o passaporte Americano da Isabella e esqueci seu passaporte Britânico na mesa da sala!!

Foi aquele pânico e Deus nos acuda, mas não tinha a menor chance de conseguir voltar para casa pegar tudo e não perder o voo (só reparamos o que estava faltando quando já estávamos no portão de embarque!).

Ou seja, impossível começar mais desastroso que isso!

Mas por outro lado, o voo foi ótimo, super tranquilo e estreou uma nova fase na nossa vida de “viagem com crianças”: agora a Isabella é uma passageira pagante, com direito a assento próprio e cartão de milhagem!

Por mais doloroso que tenha sido pagar sua passagem inteira, é incrível como melhorou a qualidade do voo para todos nos! Estava ficando impossível passar horas confinado num avião com ela em nosso colo hoje em dia! Ela tá muito grandona e é dessas crianças hiper-ativas e levadas que não para quieta um segundo!

Então ela adorou ter sua poltrona, sua bandeja e sua televisão! Dormiu super bem, e eu consegui, depois de 2 anos nessa vida de “mãe viajante” curtir novamente um voo!

Mas voltando a viagem: quando chegamos em Pittsburgh o pai do Aaron ja estava nos esperando e a Isabella caiu no sono enquanto o aviao estaca pousando, e não acordou mais!

Eu ja comentei sobre jet lag em outros posts e sou super militar com os horários e rotina dela nos primeiros dias (1 ou 2) de qualquer viagem com fuso horário, para que ela consiga se adaptar o melhor e mais rápido possivel!

Crianças novinhas tem a vantagem de não “saber” que a diferencia de horário existe, então eles apenas lutam contra o relógio biológico, mas sem o lado psicológico do jet lag, o que torna o processo bem mais fácil.

Para os pais, o processo é super cansativo, afinal, manter uma criança acordada, feliz e de bom humor depois de 4 horas de seu horário de dormir eh uma proeza, mas sempre compensa o sacrifício!

Ela dormiu mais ou menos as 17:00 no horário local, que seriam as 23:00 em Londres (geralmente ela dorme as 19:00, então estava exausta) e conseguiu dormir direto ate as 6 da manha do dia seguinte! Suas 12 horas sagradas de sono e acordou pronta para outra!

Nos ficamos hospedados na casa do pai do Aaron, que montaram um “apartamento” para gente no basement (porão) da casa (que é uma delicia de puro aconchego! Não da vontade de ir embora nunca mais!), então sempre ficamos bem instalados!

No dia seguinte, o dia começou cedo, antes mesmo do sol nascer e com o choque térmico: o termômetro marcava -18 graus, com muita neve e sensação térmica de -27!!!

Um frio surreal, que nem da pra descrever! Nao ha roupa nesse mundo que te deixe confortavel por muito tempo, entao passamos o dia correndo de casa em casa, do carro para porta de casa, e todos os aquecedores a todo vapor!

E foi um dia de re-adaptacao ao fuso e rever a família – passamos a manha com a mãe e a tia do Aaron, e a tarde com sua avo paterna e o resto da família do pai.

Fiquei tão feliz que a avo do Aaron manteve sua arvore de natal montada para mim! Ela tem a arvore de natal mais incrível do mundo (#MetaDeVida) com uma coleção de enfeites vintage que herdou de sua mãe, e então alguns de seus enfeites ja passara dos 100 e poucos anos!

Como ela sabe que eu também coleciono enfeites de natal, eu sempre levo algum enfeite de viagem de presente para ela, e ela sempre me da algum enfeite vintage de sua coleção!

Quero ser fofa assim quando eu tiver 97 anos!

Sem grandes compromissos nem programações, apenas visitando todo mundo mesmo.

 

Já na sexta feira, decidimos ser corajosos e aproveitar a viagem para fazer algumas compras e ir ate o outlet que fica lá perto.

Como geralmente vamos para Pensilvânia na época do Thanksgiving e Black Friday, esse outlet é uma perdição, mas ainda assim (mesmo sendo janeiro) valeu a pena passear por lá.

Sem falar que o clima “esquentou” estava fazendo apenas -8 graus, e sensação térmica de “apenas” -15!

Viu só, tudo uma questão de referencia!

Foi dureza andar para cima e para baixo no outlet naquele frio e muita neve, mas em compensação éramos os únicos clientes no shopping todo!

Lojas vazias, estoques completos…

Chegamos com uma listinha de tudo que queríamos comprar, e focamos nas lojas certas – enquanto isso a mãe do Aaron ficou com a Isabella na praça de alimentação quentinha!

De la ainda aproveitamos o embalo para passar em outro shopping (Sephora!!!) e um mega Target!

Aquele city tour de compras Americanizado completo!

E como estávamos animadinhos e sem muitos efeitos de jet lag, ainda aproveitamos a abundância de babysitters e saímos para jantar em um dos restaurantes preferidos do Aaron de sua cidade natal!

Restaurante familiar, com comida gostosa e caseira, sem gosto de “comida Americana” cheia de molhos e afins. Aprovado!

E finalmente Sábado foi o grande dia!

Acordei ansiosa e emocionada, contando os segundos ate ouvir a Isabella acordando para encher ela de beijos!

Minha filhotinha fez 2 anos!!! Como isso é possivel?!

Muitos beijos e muitos abraços, e bate papo com a família toda, ao redor do mundo no FaceTime!

A Isabella ganhou café da manha especial preparada pelo Grandpa, roupinha temática de “Birthday Princess” da Grandma e ja partimos para primeira comemoração do dia: o aniversario de 100 anos de sua Bisavó Ruth!

Apesar da saúde de ferro a Bisa Ruth realmente eh bem velinha (a outra Bisa Ida, que tem 97 é uma garotinha ainda! E a Bisa Portuga que mora no Brasil é praticamente uma adolescente, com apenas 79 anos!) e mora num hospital/asilo/vivenda assistida ha alguns anos, onde ela tem cuidado medico e acompanhamento 24 horas por dia, então levamos a festa até ela!

Ela acordou meio indisposta, então não quis sair da cama (no dia seguinte ja estava nova em folha sassaricando pelo asilo!), mas ainda assim cantamos parabéns, cortamos o bolo, enchemos balões e fizemos bagunça! O dia nao poderia passar em branco de jeito nenhum!

E logo depois do almoço começou a grande festa do dia: o aniversario da Isabella!

Convidamos a família e muitos amigos de infância do Aaron (com seus filhos) para uma festa animadíssima no Chuck’E’Cheese. Eu já tinha ouvido falar, mas nunca tinha ido em um desses restaurantes, que são o paraíso das crianças!

Levemente brega, levemente datado e super Americanizado – mas super pratico! Bastou confirmar quantas crianças e quantos adultos teríamos, pagamos uma taxa por criança e só. Eles se encarregaram do resto!

O Lugar eh cheio de jogos e brinquedos para entreter crianças de diferentes idades, tem showzinho do Chuck (o “personagem” da rede), tem premio, tem bolo, música, presentinhos etc.

A Isabella amou, reunimos a família toda, revimos muitos amigos e tivemos zero estresse! Queria muito que tivesse um lugar desses em Londres!

E no fim do dia, eu achei que a Isabella ia capotar de cansada, mas chegou em casa com a corda toda para brincar com os primos (netos da esposa do meu sogro), então a festa meio que migrou de volta para casa, e ainda se estendeu depois que as crianças foram dormir!

Todos os primos dormiram na casa do Granpa, então no domingo de manha não teve santo que tirasse a Isabella e a Reese dos brinquedos!

Como era nosso ultimo dia por la, queríamos que o dia fosse bem relax e todo mundo tivesse tempo para brincar e curtir a Isabella (e vice e versa!).

Passamos a manha na casa do pai do Aaron e depois reunimos a família toda de novo na casa da outra bisavó..

E de lá, direto pro Aeroporto para voltar para casa!

Foi uma viagem super corrida, mas deliciosa e acabamos conseguindo curtir bem mais do que imaginávamos!

O segredo pra Isabella dormir o voo todo? Deixar ela deitar e rolar (mesmo!) e fica exausta na hora do embarque!

P.S. Durante a viagem tentei fazer um “vlog” acompanhando nossa rotina durante a viagem , e ja estou editando! Já já entra no ar! (Para quem ainda não se inscreveu, corre lá no TV Everywhere no Youtube e assine o canal!)

P.S.2: Uma de minhas resoluções de ano novo eh tirar o mofo do TV Everywhere e voltar com nossos vídeos de viagem! (tô devendo tantos!)

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
55 comentários