21
Jun
2013
Berati: a cidade Bizantina das mil janelas
Escrito por Adriana Miller

Só mesmo num lugar com a riqueza histórica (e conturbada) como a da Albânia para considerar uma cidade que teve seu auge no século 14 como algo “recente”.

Essa a Berati, a cidade medieval Otomana das “mil janelas”, que só existe até hoje, graças a seu status de “cidade museu a céu aberto”.

Berati é um dos cartões postais da Albânia e parece mesmo uma coisa meio cenográfica: uma pequena colina cercada de casinhas brancas – e suas milhares de janelas – por todos os lados, que sobem, sobrem até o topo, onde esta um castelo medieval do século 11.

 

Ao longo da historia dos últimos 1000 anos, Berati já passou pelas mãos dos Bizantinos, dos Búlgaros, Sérvos e Gregos (modernos) e somente a conquista Otomana no finzinho do século 15 finalmente trouxe estabilidade e prosperidade para a cidade.

Lá dentro estão vários museus e monumentos históricos, inclusive duas das mais antigas mesquitas da Albânia.

Mas o que eu gostei mesmo, foi que nossa visita a Berati nos mostrou o quanto esse país é desconhecido e inexplorado pelo resto do mundo.

Veja só, uma das principais cidades turísticas do pais, patrimônio histórico da Unesco, e quando chegamos lá, mais ou menos na hora do almoço… a cidade não tem nenhum restaurante!

Então nosso guia (que já dei a dica aqui) nos levou no único “restaurante” da cidade, que não passava da casa de uma família que eventualmente servem (e vendem) comida a peregrinos, viajantes e curiosos.

Sentamos na mesa – sem menu – e de cara o guia perguntou se tínhamos alguma restrição alimentar ou se ficaríamos numa boa comendo o que tivesse. Como não somos frescos a mesa, caímos de boca! (perdoem o trocadilho!)

Em alguns minutos a dona da casa começou a trazer pratinhos, travessa e porções de uma infinidade de coisas. Para minha surpresa, a culinária Albanesa não é nada desconhecida, com muitas influências Gregas, Italianas e Turcas.

Aí eu perguntei se aquela era a comida típica mesmo, tipo a que ele come na casa da mãe dele numa quarta feira a noite, ou se era só pra agradar os turistas. E com a cara mais perplexa do mundo ele respondeu: “Turitas? Que turistas? Ainda não chegamos ao ponto onde podemos nos dar ao luxo de ter dois tipos de culinaria”.

Pois é, a Albânia talvez seja um dos últimos lugares ainda autênticos desse mundo!

E pra comprovar ainda mais a inexistência de turistas/turismo no país, logo depois do almoço passamos na casa de outra pessoa… Esperamos do lado de fora enquanto o guia foi lá dentro falar com alguém. Quando ele saiu de lá, estava com um chaveiro enorme carregado de chaves gigantes de ferro maciço: nosso guia tinha em mãos todas as chaves para entrar em todas as mesquitas e museus da cidade!

Onde mais no mundo se pode andar pelas ruas de uma cidade milenar sendo os únicos turistas num raio de vários quilômetros?!

Então tiramos total vantagem de nossa exclusividade – a cidade era todo só nossa, tirando um ou outro olhar curioso pelas janelas! – e não nos cansamos de subir e descer as ruelas, descobrindo novas passagens, cruzando jardins e explorando as mesquitas e monumentos.

Depois de conhecer um pouco da Albânia, eu realmente torço muito para que o pais continue se reerguendo e se desenvolvendo, e se que um dia quando voltar, tudo serão tão diferente.

Então impossível não se maravilhar em saber que provavelmente fomos uns dos poucos (e últimos) turistas do mundo a ver uma Berati (e Albânia!) tão simples e virgem!

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Albânia, Berat, Viagens
9