16
Apr
2012
Apres Ski em Kitzbuhel – a melhor parte do esqui!
Escrito por Adriana Miller

A expressao “Apres Ski” vem do Frances “apos esqui”, que nada mais significa doque o festere que rola nos resorts depois que as pernas cansam e as pistas fecham.

Na verdade muitos dos resorts dos Alpes sao ranqueados por seus frequentadores nao apenas pela qualidade da neve e das pistas, mas principalmente pela qualidade do Apres Ski, ou do happy hour na neve!

E eh justamente essa animacao e as festas e bares que acompanham o ritual do esqui que lançaram micro-vilarejos como Saint Moritz e Zermatt em sinônimos de badalação e glamour.

E eh ai que a reputacao de Kitzbuhel sobe para o topo da lista dos resorts Alpinos: por ser considerado uma dos melhores Apres Ski do Tirol!

Nos pegamos ja uns dos últimos fins de semana da temporada, entao a lotação ja nao estava tao impressionante, mas ainda assim pegamos duas noites animadissimas pelas ruas do centro da cidade e nao deixamos o cansaco pos esqui atrapalhar nossa animação!

Entao em Kitzbuehel esses sao os nomes pra anotar na agenda:

The Londoner: Um pub estilo Ingles que encabeca todas as listas de melhor Apres Ski de Kitzbuehel e dos Alpes.

Durante o dia o bar passa totalmente despercebido, mas assim que as pistas fecham e o sol se poe, as mesas sao disputadas a tapa e toda calcada e rua em frente ao bar fica intransitavel!

A musica eh otima (sem falar que tocou Michel Telo umas 5 vezes la dentro!) e a criatividade na invenção de nomes e misturas esdrúxulas para os cocktails é sensacional!

E ali na mesma pracinha onde fica o Londoner estao as outras duas paradas obrigatórias: O bar Stamperl e o bar Kaiserstuben do hotel Sporthotel Reich, que ficam lado a lado e de frente pro Londoner (na pracinha da rua Franz-Reisch-Straße).

Ambos tem um clima e estilo parecido e voce pode ficar dentro do bar, onde rola musica e tal, ou entao do lado de fora (mais confortavel pra quem vai pro apres ski ainda de botas e capacetes!) onde eles montam um bar na varanda, com aquecedores de ambiente portatil, os apoiadores “publicos” de esqui e mais musica!

Nos fizemos pitstop nos dois! Ambos animadissimos tambem, e como nao pegamos muito frio, a varanda estava super animada.

E oque mais gostei do apres ski foi justamente o clima “Hot Tub Time Machine” da balada (um file muito bobalhão, mas muito engraçado que se passa numa estação de esqui na decada de 80), com umas musicas super dançantes, muito alto astral, mas anda naquele clima de montanha e esqui, sem montanção (afinal todo mundo emenda as pistas com os bares, entao nao rola muita peruagem), todo mundo batendo papo com todo mundo! Muito divertido!

Mas antes mesmo de descer pro centro de Kitzbuhel no fim do dia, vale a pena ir parando nos challets ao longo das pistas.

Durante a manha esses Huts de apoio sao uma boa pedida pra descansar um pouco, curtir o sol, beber um vinho quente (Gluwien) ou qualquer outra coisa!

Muita gente aproveita pra almocar nesses huts tambem, e assim voce nao precisa interromper o dia de esqui pra comer em Kitzbuhel.

Mas a medida que a tarde vai avancando (e consequentemente voce vai ficando exausto!) os Huts vao ficando movimentados e muita gente aproveita pra fazer um pre Apres Ski nos huts que ficam no topo ou na base das pistas, pra ja ir entrando no clima!

Nos fomos no Streiflam que fica na base de uma das pistas vermelhas (bem perto da estação da gôndola, entao muita gente desce por essa saida, pra nao ter que andar muito) que alem da posição privilegiada ainda tem um clima super fofo!

O chalet eh super tipico por dentro, todo decorado com esquis antigos e historicos (se ja eh dificil esquiar com as pranchas modernas, imagina aqueles trambolhos e madeira?!), uma lareira delicia e garconetes vestidas a carater!

E se a fome bater, a sopa com bolinha de queijo e o Vienner schnitzel sao boas recomendacoes!

 

 

Categorias: Austria, Kitzbuehel, Viagens
9
15
Apr
2012
T.V. Everywhere: Esquiando em Kitzbuhel
Escrito por Adriana Miller

Olha, nada melhor doque uma pessoa que sabe rir de se mesmo, viu?

Mas bom mesmo é aquela velha fórmula de comédia pastelão: assistir alguem se estabacando no chão.

Só que o chão é coberto de neve nas pistas de esqui, e a “pessoa” sou eu!

E eu caí mesmo! Mas me diverti e eventualmente aprendi a ficar de pé! E parafrasenado a trilha sonora, eu me derrubo, mas eu levanto de novo! :-)

Mal posso esperar pelo próximo inverno e (tentar!) esquiar de novo!

Créditos:

Edição: iMovie

Cameras: Canon S100 (Aaron), Sony DSC-HX5V (Adriana)

Musica:  “Tubthumping” da banda Chumbawamba

 

Categorias: Austria, Kitzbuehel, T.V. EveryWhere, Viagens
27
14
Apr
2012
Kitzbuehel: Hotel Hahnenhof
Escrito por Adriana Miller

A nossa viagem pra esquiar na Austria foi meio que planejada de ultima hora, principalmente considerando que os Europeus começam a planejar suas ferias para esquiar logo que o outono começa a dar as caras.

O Aaron planejou quase tudo, e queria que fôssemos pra Kitzbuehel, por ser um de seus resorts preferidos  – o único problema é que para o fim de semana que poderíamos ir, encontramos apenas um único hotel com um ultimo quarto disponível, o Hotel Hahnenhof.

O hotel foi otimo, e exatamente aquilo que voce imagina que um challet nos Alpes deveria ser: começando pela arquitetura fofa, a vista das montanhas, a piscina aquecida cercada de neve por todos os lados e quartos quentinhos e aconchegantes.

Na noite que chegamos o recepcionista ja foi logo dando todas as dicas da cidade: onde alugar equipamento de esqui mais barato, onde encontrar o lift “T-bar” pra nao ter que pagar o ski pass enquanto eu estava apenas aprendendo, e os horarios e onde pegar o ski shuttle do hotel. Adoramos o servico de cara!

O quarto que ficamos era enorme, pois na verdade era tipo um mini apartamento para uma familia de 4 pessoas, com salinha, cozinha equipada, 2 banheiros e uma varandinha.

Pra gente foi um desperdicio, mas seria uma opcao perfeita pra quem for passar mais tempo esquiando por la, ou pra quem for em grupo de amigos ou familia.

O unico ponto fraco do hotel eh a localizacao, pois fica fora do centro da cidade.

Muitas das resenhas sobre o hotel mencionaram a localizacao como ponto forte, pois fica numa rua super tranquila aos pes da montanha, longe da badalacao e do barulho do Apres Ski.

Pra nos isso foi uma desvantagem… Pela manha nao fez a menor diferença, pois pegamos o Ski Shuttle do hotel que nos deixava bem na porta da estacao das gondolas (Ski Lifts), mas nao era muito conveniente pra dar uma passadinha no quarto depois de esquiar e antes de sair, entao passavamos o dia todo (e a noite tambem) vestidos a caracter! (na verdade todo mundo faz isso, e nos apres ski ninguem se veste “normal”).

Mas no fim da noite, nao estávamos a uma distancia a pe do hotel, e nem tínhamos transporte pra voltar pra casa, entao sempre tínhamos que catar um taxi (e morrer em 14 Euros…).

Mas com certeza voltaria ao hotel, principalmente se estivesse com um grupo grande!

Hotel Hahnenhof

Hausstattfeld 18, 6370 Kitzbühel, Austria

 

E pra quem quiser uma posição mais central, outra boa recomendação é o Sporthotel Reich, bem no centrinho de Kitzbuhel.

Eu nunca me hospedei lá, mas o Aaron já foi pra esse hotel com os amigos duas vezes e adora (mas dessa vez estava lotado…), alem de ter um dos melhores apres-ski da cidade, e ficar de frente pro Londoner (que é o mlehor bar da cidade!).

 

 

Categorias: Austria, Kitzbuehel, Viagens
2
12
Apr
2012
Esqui para principiantes
Escrito por Adriana Miller

Esse post não é exatamente sobre técnicas de esqui… e sim sobre os detalhes práticos pra levar em consideração ao planejar uma viagem para esquiar nos Alpes.

Eu estava animadissima com essa viagem para a Austria, queria aprender a esquiar ha anos, mas não sabia nem por onde começar! Por sorte, o Aaron é expert e cuidou de quase todos os detalhes antes e durante a viagem, e esse post eh justamente sobre esses pequenos detalhes que aprendi depois dessa viagem.

Equipamento:

Pra quem esquia todos os anos, o melhor custo beneficio é sempre comprar seu próprio equipamento de esqui – mas se você esquia alguns dias por ano e mesmo assim nem é todo ano, a melhor opção então é sempre alugar o equipamento.

Assim voce economiza os mais de mil Euros de investimento inicial (entre roupa, bota, esquis, capacete, etc) e de quebra ainda nao precisa se preocupar com carregar seu equipamento na viagem.

E nas cidades resort eh facilimo alugar absolutamente TUDO que voce precisar para esquiar, snowboard, snowshoeing, cross country ski e oque mais puder imaginar!

As lojas de aluguel de equipamento estao espalhadas pela cidade toda, onde voce pode comprar ou alugar de esquis a meia e roupa interior termica.

Os precos variam bastante, entao a dica eh sempre procurar as lojas que nao ficam exatamente dentro das pistas nem na area das gondolas.

Mas no geral, o aluguel de esquis mais bota custa uma media de 30 Euros por dia (as botas de esqui ou snowboard sao especificamente medidas para determinada prancha, entao voce sempre tem que alugar os dois juntos), mas se voce for passar a semana toda, acaba saindo mais barato o aluguel semanal do que voltar na loja a cada dia.

Caso voce tambem precise alugar calca e casaco de esqui (que sao feitos de material impermeável especifico e nao eh todo casaco “de frio” que pode ser usado para esquiar), as lojas de aluguel de equipamento tambem podem fornecer isso, e o custo fica na casa dos 10 a 20 Euros por dia.

E nao se preocupe com o tipo de prancha nem nada. Basta chegar na loja e dar seu nivel (principiante, intermediario ou avancado – mas se voce for acima de “principiante”, ja deve sar isso tudo) e os vendedores cuidam do resto. De acordo com seu nivel, altura e peso eles selecionam qual tipo de esqui ideal pra voce.

Roupa de Neve e Esqui:

Incrivel como o topico “roupa para frio e neve” eh sempre um dos topicos mais populares aqui no blog!

Eu ja fiz varios outros posts sobre roupa de frio e inverno, mas realmente o tipo de roupa e materiais para neve e esqui sao muito diferentes doque usamos no dia a dia no inverno.

As vezes nem faz tanto frio assim (a imagem da neve da uma impressão de muito frio, mas a verdade é que muitas vezes da ate pra esquiar de manga curta!), então mais importante doque a quantidade de roupas, é o tipo de roupa e o material utilizado.

Começando pelo básico: neve é agua, e agua molha, portanto sua roupa precisa ser impermeável – principalmente na parte de baixo, onde voce vai pisar na neve, os esquis vao respingar flocos e de neve, e voce vai cair de bunda no chao inúmeras vezes ao longo do dia.

E o resultado disso tudo eh que a neve vai derreter em cove e se sua roupa nao for impermeável, voce vai acabar o dia todo molhado, e com muito frio!

Sao inúmeras marcas e diferentes tipos de materiais, mas procure por nomes como “Gore-Tex” e adjetivos como “water repelent” e “breathable”, que significam que sua roupa de neve/esqui vai te deixar seco de dentro pra fora.

Porque neh, nao esqueca que esqui eh um esporte super puxado, e nao importa o quao frio esteja na montanha, a verdade é que voce vai suar bastante dentro da sua roupa!

Então é importante usar materiais que nao deixem a neve e a agua entrar em contato com voce, mas que também repelem o suor e que deixem o corpo respirar.

Entao as pecas mais importantes sao:

- Botas próprias para esqui (ou snowboard ou qualquer outro esporte na neve), que serao bem quentinhas e ultra a prova d’agua.

- Calca e casaco de material impermeável e corta vento: Tanto a calca quanto o casaco serao bem leves e finos, para manter seu movimento durante o esporte, e a roupa quentinha vai por baixo de tudo. Mas é importantíssimo que sejam de materiais que bloqueim vento e agua.

- Roupas térmicas – quentinhas e confortáveis: Começando pelas meias, de preferência de cano alto pra proteger suas canelas da bota dura e desconfortável de esqui. Uma calca que vai ser usada por baixo da calca de esqui (eu tenho uma legging de fleece que eh um sonho de conforto, que comprei na preparacao pro Kilimanjaro), camisetas “tecnologicas” e próprias para esporte, que permitam que seu corpo respire sem acumular suor, e camadas de fleeces e blusas mais grossinhas que voce possa vestir e tirar facilmente a medida que vai subindo e descendo a montanha.

Ah, e nao esquecer das luvas! De preferência de material fino, que mantenha a sensibilidade das maos, mas que seja de material a prova d’agua e bem resistente, pois quando voce cai na neve sao suas maos que vao te ajudar a levantar (ja que os pes estao presos no esqui e seu equilibrio fica todo comprometido) e o gelo rala a palma das maos que eh uma coisa, alem do contato desconfortavel com a neve gelada *que depois vai deixar seus dedos molhados e frios).

E por ultimo: gorro ou tapa orelhas e óculos de sol! É incrível como mesmo se o dia estiver nublado a neve branquinha reflete demais a luz do sol e vc se sente cego, além de comprometer demais a visualização da pista e nuances e curvas na neve. Pra quem for usar capacete, também é possível alugar óculos de sol/protetores que já encaixam no capacete.

(Nesse post aqui, onde fizemos snowshoeing no Colorado também dá pra ter uma idéia de como nos vestimos para a neve – botas especificas a prova d’agua, calça e jaqueta de gore-tex, gorro, luvas, oculos escuros, etc)

Aprendendo a esquiar:

Nas semanas antes da viagem eu tinha certeza que queria fazer aulas de esqui, afinal nunca tinha esquiado na vida.

Todos os resorts tem sua propria escola de esqui para os mais variados niveis e idades, e voce decide quantas horas e dias quer fazer aulas, se prefere aulas particulares ou em grupo.

Mas quando chegamos la, como o Aaron sabe esquiar super bem e nao queriamos passar o dia todo sozinhos e separados, decidimos que ele ia tentar me ensinar.

Eu estava confiante de que nao seria difícil… sei patinar no gelo relativamente bem e no geral nao sou muito medrosa com esportes (ou seja, não tenho medo de cair…). Então decidimos tentar por umas horinhas, mas se por acaso fosse muito dificil e eu nao conseguisse nem sequer ficar de pé nos esquis, no resto do dia eu faria aulas.

Depois de alguns tombos inofensivos, peguei a manha do equilíbrio e como controlar os esquis e a velocidade, e ainda na mesma manha já comecei a descer as pistas de treino sozinha!

Fiquei TAO feliz!

Entao no resto do fim de semana fui me arriscando nas pistas mais complexas (todas ainda de principiante, claro), e melhorando minha velocidade e controle!

Mas quando voltarmos no próximo inverno eu provavelmente vou querer fazer aulas, só que dessa vez já com um nível mais intermediário, pra ir aperfeiçoando a técnica mesmo.

Em Kitzbuehel por exemplo, cada hora de aula particular de esqui custa uma media de 100 Euros (quantas mais horas voce fizer, ou quanto mais pessoas no grupo, mais barato fica).

E acho super importante sim fazer algum tipo de aula, ou no mínimo ter com voce alguem que saiba esquiar bem para te ensinar o básico.

 Ski Pass e Ski Lifts

Tecnicamente ninguém precisa pagar para esquiar. Porem o problema é justamente conseguir chegar no topo da montanha, onde começam as pistas.

Para conseguir chegar la em cima voce precisa usar os bondinhos ou gondolas (Lifts) que sobem as montanhas, e seu ticket sera o Ski Pass.

As pistas soh ficam abertas durante o dia, oque no inverno Europeu significa cerca de 6 horas por dia, entre as 9:00 e 16:00 (mas cada resort tera suas próprias regras e alguns ate oferecem pistas iluminadas para esqui noturno), entao o melhor eh sempre chegar no Ski Lift o mais cedo possivel, pra conseguir aproveitar o dia ao maximo possivel.

Os Ski Pass podem ser comprados por dia, por semana ou por toda a temporada, custando uma media de 50 Euros por dia (e claro, quantos mais dias voce for esquiar usando o mesmo ticket, mais barato vai ficando por dia), e te da direito a subir e descer a montanha quantas inúmeras vezes quiser por dia.

E essa eh justamente a parte chata de esquiar… O sobe e desce nas gondolas… Voce desce a montanha em poucos minutos, mas depois tem que carregar seus esquis (andando com aquela bota super desconfortável) de volta pra fila, pegar outro bondinho e começar tudo de novo.

E como cansa! Nao so esquiar eh um baita exercício pras suas pernas e braços (e todo resto!), ainda tem que ter forca pra carregar os esquis no muque de um canto pro outro entre as pistas!

Transporte dentro do resort:

Eu ja falei aqui sobre transporte pra chegar em Kitzbuehel e na regiao do Tirol Austriaco, mas nao podemos esquecer do transporte dentro da cidade.

A maioria das cidades Alpinas tem inúmeras pistas de esqui que ficam espalhadas entre as montanhas ao redor da cidade. Entao voce tera varias opcoes de gondolas e bondinhos pra escolher, e os hoteis estarao todos espalhados pelo vale entre as montanhas.

Alguns serao bem pertinho das gondolas e voce podera ir andando com seus esquis (bota lunar nos pes, e esquis nas maos).

Mas andar com as botas de esqui eh extremamente dificil, e qualquer misero quarteirao eh uma verdadeira tortura! Entao a maioria dos hoteis oferece Ski Shuttle, que sao umas vans que circulam pela cidade recolhendo hospedes em todos os hoteis e challets.

Se informe se seu hotel oferece esse servico e quais os horarios do servico, tanto pela manha quanto no fim do dia (se disponivel).

Uma outra boa opcao (que foi oque escolhemos fazer) eh alugar armarios “lockers” na estacao de gondolas para guardar sua bota e esquis no fim do dia. Assim voce sai do hotel vestido para esquiar, mas com outro sapato mais confortavel nos pes, chega na estacao e troca tudo, mas sem ter que andar demais – vai do vestiario direto pra gondola e direto pras pistas no topo da montanha.

E isso tambem facilita demais na hora de curtir a naitchy do appres ski, sem ter que ficar carregando os esquis pelas ruas da cidade de bar em bar e entrando nos restaurantes usando as botas de esqui *alem de ter que deixar seu equipamento todo nos “apoios” publicos para esquis e pranchas, que eh meio bagunçado…).

 

 

Categorias: Austria, Kitzbuehel, Viagens
9
11
Apr
2012
Kitzbuehel: Os Alpes Austriacos
Escrito por Adriana Miller

No inicio de Marco eu e o Aaron fomos novamente pra Áustria pra aproveitar um dos últimos fins de semana de esqui da temporada de neve de 2012!

Essa foi uma daquelas viagens que planejamos todos os anos, mas sempre acabamos deixando pra depois… A temporada de esqui eh relativamente curta, os preços são altos, os resorts concorridos, e sempre acaba caindo naquela época do ano que tudo embola entre fim de ano, meu aniversário e páscoa, combinado com uma época super corrida no trabalho.

Por outro lado o Aaron viaja pra esquiar com os amigos quase todos os anos, e como eu (ate então!) nunca tinha esquiado antes, me desanimava em gastar tanto dinheiro e tempo pra um fim de semana que nem sabia que iria aproveitar direito ou não…

Mas todo ano é a mesma coisa… quando as temperaturas do outono e inverno começam a ficar mais puxados e as propagandas de ski breaks aparecem em todos os canto eu me animo toda, mas ai começo a planejar outras viagens e acabo deixando pra la. Então esse ano o Aaron me surpreendeu e planejou (Sozinho! Hahahah! Ja que a planejadora de viagens da familia sou eu!) uma comemoração de aniversário nos Alpes!

A cidade escolhida foi Kitzbuehel, no Tirol Alpino da Áustria – que segundo o Aaron (que é um ótimo esquiador e vai todos os anos) tem nao só as melhores pistas, a melhor neve e também um dos melhores Appres-Ski dos Alpes. E isso tudo sem as massas de turistas (que geralmente nao sabem esquiar… pelo menos nao como os locais!) que lotam os resorts mais conhecidos (como Chamonix na Franca, Zermatt na Suica e Innsbruck na Austria), inflacionando ainda mais os preços e lotando as pistas.

Apesar de nao ser muito conhecida fora da Europa, Kitzbuehel faz parte do seleto grupo de cidades Alpinas que compõem o grupo “Best of the Alps“, que reúnem os 12 melhores resorts de esqui e esportes de inverno da Europa, além de ser sede do campeonato anual de esqui e ter uma das unicas pistas “diamante duplo” do mundo (que para leigos em esqui e neve como eu significa “NEM CHEGUE PERTO”!).

Nosso tempo por la foi bem curtinho, e apenas tiramos uns dias de ferias emendando com o fim de semana. Outra vantagem dessa região dos Alpes é que é facílimo de chegar nos resorts através do aeroporto de Munique (fizemos o mesmo esquema de trem direto do aeroporto, como quando fomos a Salzburgo ano passado), e em 2 horas e meia chegamos do aeroporto de Munique direto a estação central de Kitzbuehel!

E além do esqui (que modéstia a parte, mandei bemzão e gamei!) ainda conseguimos aproveitar bastante o appres-ski e o centrinho da cidade, que é fofissimo!

O centro da Kitzbuehel é bem pequeno, mas super fofo, com cazinhas coloridas e muitas opções de lojas, cafes, restaurantes e bares.

Historicamente Kitzbuehel passou algumas centenas de anos sob dominacao Bavaria, e portanto sua arquitetura eh bem tipica Alema (e a Bavaria ate hoje eh uma das regioes mais bonitas e fofas da Alemanha!) oque da um charme extra a cidade e o resort como um todo.

Uma coisa que vale a pena ressaltar pra quem quer esquiar nos Alpes mas nunca veio pra essa regiao (ou so esquiou nos resorts da California ou Colorado nos EUA ou Argentina e Chile), eh que o conceito de “resort” de esqui nos Alpes eh muito diferente doque acontece em outros paises.

Kitzbuehel (assim como qualquer outra cidade Alpina) nada mais eh que uma cidadezinha “normal”, onde nao existe um único resort ou hotel que domine ou seja proprietário das pistas de esqui. A temporada de esqui dura apenas alguns meses por ano, mas o turismo nos Alpes ferve o ano todo com os mais variados tipos de esporte e atividades.

Entao as pistas Alpinas sao “livres” e podem ser usadas por qualquer pessoa que compre o ski pass (ou entao vc pode usar os lifts de iniciante que sao de graça) independente de sua hospedagem no hotel X ou Y ou ate mesmo se voce sequer esta hospedado naquela cidade, ou em alguma cidadezinha vizinha.

No caso de Kitzbuehel por exemplo, a entrada do bondinho que nos leva ao topo da montanha (e o inicio das pistas) eh exatamente em frente a estacao de trem “Kitzbühel Hahnenkamm”, entao mesmo quem se hospeda em outras cidades podem ir esquiar por la.

Alem disso, geralmente as melhores opcoes de hospedagem estao no centro da cidade, e nao necessariamente ao pe das pistas de esqui. Claro que os hoteis e chalets que estao a poucos passos das pistas e lifts se aproveitam da localizacao premiada pra elevar os precos, mas os hoteis, bares e restaurantes mais legais e badalados sempre estarao no centrinho da cidade – e todos os hoteis oferecem servico de transfer pela manha diretamente do seu hotel ate a subida para as pistas.

E pra quem não quiser enfrentar trem (afinal são duas trocas de linha e se vc estiver com muitas malas ou levando seu proprio equipamento de esqui a coisa complica), é possível pegar vans no centro de Kitzbuehel direto pro aeroporto de Munique, Innsbruck ou Salzburgo, economizando tempo e mão de obra (mas tem que reservar com bastante antecedência pois a oferta é limitada e a procura grande – nós não conseguimos vaga…).

 

 

Categorias: Aniversario, Austria, Kitzbuehel, Viagens
18
14
Dec
2011
T.V. Everywhere: Salzburgo & Munique!
Escrito por Adriana Miller

Esse é o video que fizemos na nossa viagem a Salazburgo e Munique quando fomos nos mercados de Natal.

A musica é “Rock me Amadeus” do cantor Austríaco Falco, que foi hit em 1985!

Essa é a versão original, em Alemão, e conta a historia de Wolfgang Amadeus Mozart – oque achei muito propicio para essa viagem…

O video foi editado usando iMovie, e usamos as cameras Sony DSC-HX5 e Sony HDR-CX115E.

 

Categorias: Alemanha, Austria, Munique, Salzburgo, T.V. EveryWhere
24
12
Dec
2011
Munique & Salzburgo: a maneira mais facil de viajar entre as duas cidades!
Escrito por Adriana Miller

Bem, antes de tudo, um pequeno adendo: Salzburgo, uma das principais cidades na regiao Alpina da Austria tem um aeroporto proprio, entao na verdade a maneira mais facil eh pegar um voo direto pra lah!

Mas ai eh que comecam os problemas, pois o aeroporto de Salzburgo eh bem pequeno, e portanto com voos super restritos.

Pra comecar que a maioria das cias aereas soh voam diretamente para Salazburgo durante a temporada de Ski (por exemplo a EasyJet, que so tem voos direto pra la entre a segunda semana de Dezembro e a segunda semana de marco, a British Airways opera com horarios super restritos) e ao longo do ano nem mesmo a Air Austria (principal cia aerea do pais) tem voos diretos entre Londres e Salzburgo, por exemplo.

Mas depois de fazer um pouco de pesquisa sobre a viabilidade da viagem, descobri que o melhor aeroporto que serve eh a cidade eh na verdade o aeroporto de Munique, que por sua vez eh super bem servido!

A viagem ainda eh longa: o voo de Londres a Munique dura cerca de 1,5 hora, e o trem entre as cidades mais 1,5 hora. Mas ainda assim, devido ao preco e conveniencia de horarios preferimos fazer o combo aviao + trem pra chegar na cidade.

Talvez essa nao seja a opcao ideal pra quem esta de ferias e tem disponibilidade de horario para simplesmente fazer um voo com conexao, mas esse passo a passo tambem sera util pra quem quer esticar sua viagem de Munique a Salzburgo (e vice versa) ou ate mesmo fazer um bate volta em um so dia!

Pra comecar que voce nem sequer precisa sair do aeroporto de Munique pra conseguir chegar em Salzburgo!

Dentro do aeroporto, no terminal 2, fica a estacao do S Ban, o sistema rodoviario Alemao (a estacao do aeroporto se chama Flughafen München), onde voce encontra um posto de informacoes e um terminal automatico de venda de bilhetes.

Nos compramos nossa passagem direto na maquina, onde voce pode selecionar o tipo de trem (Regional, que para em outras cidades pelo caminho e eh mais barato, ou o Intercity, que eh mais rapido – e confortavel – e um pouquinho mais caro), o horario de sua viagem, se quer ida e volta e etc.

O trem nao eh direto a partir do aeroporto, e eh necessario trocar de trem (e plataforma) na estacao Munique Oeste (München Ostbahnhof), oque foi bem simples e rapido (o blilhete ja ate indica de qual plataforma seu trem saira). Entao o total da viagem entre o aeroporto e o centro de Salzburgo demorou cerca de 2 horas.

Pra quem ja estiver em Munique, os trens para Salzburgo (tanto o regional quanto o intercity) partem tanto da estacao oeste (Ostbahnhof) quanto da central (München Hofbahnhof).

Entao na ida saimos direto do aeroporto de Munique, trocamos na aestacao oeste e fomos direto pra Salzburgo.

Ja na volta, resolvemos voltar mais cedo e passear um pouquinho em Munique antes do voo, entao trocamos na estacao central.

Os trens sao confortaveis, com banheiros, lugares (limitados) pra bagagem (nao exagere quando for viajar de trem!) e com carro-bar, tanto no regional quanto no intercity.

Apesar de termos pego um trem (regional) super lotado na ida pra Salzburgo, depois de algumas estacoes em pe, acabamos conseguindo um lugar pra sentar pelo resto da viagem.

Ja na volta, pagamos a diferenca de preco (foram apenas 8 Euros para dois tickets) e voltamos de Intercity, que foi ainda mais confortavel, e estava praticamente vazio!

As tres estacoes (Salzburgo, Munique oeste e central) tem deposito para bagagem, entao fica facil pra quem quiser aproveitar estas cidades a caminho de outro destino e nao quiser carregar suas malas pelas ruas historicas de paralelepipedo!

Na volta da Austria, como queriamos passear um pouco por Munique, deixamos nossas malas no guarda volumes da estacao oeste (que eh a estacao que conecta com o aeroporto) e pagamos apenas 4 Euros para guardar as duas malas (no mesmo locker) por 24 horas. Entao o processo eh bem facil mesmo!

O sistema ferroviario da Europa central (principalmente nessa regiao da Alemanha e Austria) eh excelente, e todas as estacoes tem toda infraestrutura necessaria para turistas: ponto de informacao, guarda malas, ponto de taxi, restaurantes, farmacias, lanchonetes e afins.

Ja o preco nao eh dos melhores!

Quando comparados com trens no sul da Europa (como Italia e Espanha por exemplo), os trens da Deutch Bahn sao bem carinhos (mas comparaveis com os precos de trens na Inglaterra por exemplo), e a viagem de ida e volta entre Munique e Salzburgo para duas pessoas custou 118 euros (como voamos ate Munique usando milhas, entao nao tivemos custo com aviao e portanto a viagem ainda valeu a pena).

Tanto Munique quanto Salzburgo sao cidade facilimas de serem visitadas, e fazem uma boa opcao de bate-volta entre eles ou uma curta expensao de uma outra viagem qualquer.

Apesar de serem regioes que teem muitoa a oferecer, ambas sao charmosas e atrativas a sua propria maneira, e muito faceis de serem visitadas em apenas um dia!

 

Categorias: Alemanha, Austria, Munique, Salzburgo, Viagens
31
11
Dec
2011
Salzburgo: Augustiner Bräustübl
Escrito por Adriana Miller

Enquanto eu planejava a viagem e sonhava com mercados de natal e os cenarios de “A Novica Rebelde”, o Aaron foi logo fazendo sua exigencia: A programacoa de sabado a noite sera na cervejaria Augustiner Bräus!

Como bom fa de cerveja que ele eh, ele conhece praticamente todas as marcas disponíveis pela Europa (mundo?!), e apesar de nunca dizer nao a uma pint Inglesa ou uma chopp Brasileiro, o Aaron gosta mesmo eh das cervejas Germânicas!

A cerveja Augustiner pode ser encontrada em varias partes do mundo, mas foi criada ali em Salzburgo, pelos monges Augustinos, que foram transferidos da Bavaria para Salzburgo e fundaram seu monasterio na cidade em 1621.

Rapidamente a cerveja virou grande fonte de renda aos monges, e atraia visitantes de todas as partes da regiao – tanto que quando o monasterio foi fecho pela ordem Augustina no inicio do seculo 19, o entao rei do imperio Austro-Hungaro, Ferdinand, ordenou que novos monges se instalassem na casa (no caso foram os Beneditinos) para que a producao de cerveja nao parasse.

Hoje em dia a casa anda funciona no mesmo local, na subida do monte Mönchsberg no oeste de Salzburgo, mas ja deixou de ser um monasterio ha muito tempo, a agora se dedica exclusivamente a sua principal arte: fazer cerveja!

Eles ainda utilizam os mesmos metodos de fermentacao desenvolvido pelos monges, utilizando barris de madeira e servindo a cerveja em canecas de porcelana e pedra (copo de vidro??!?! Que afronta!)

A cervejaria eh enorme, e os antigos saloes de oracao e refeitorios foram transformados em beer hall, de fazer inveja a qualquer fa de Oktoberfest, onde centenas de pessoas podem comer e beber ao mesmo tempo.

E o clima eh isso mesmo: caneconas, muito barulho, fumaca (ainda eh permito fumar dentro de um dos saloes) e pessoas de todas as idades: dos casasis mais velinhos carregando sua caneca de cerveja, a grupo de marmanjos puberes, e familias completas.

Mas oque eu gostei mesmo foi do esquemao informal da casa (que me fez sentir como se estivesse numa chopada ou cervejada das epocas de faculdade!): por la, tudo eh self service.

Voce vai direto na prateleira de canecas e escolhe seu tamanho. Depois se dirige ao caixa e escolhe seu tipo de cerveja (clara ou escura), e depois carrega sua propricanecona(s) pra sua mesa.

E sua caneca deve ser reutilizada varias vezes durante a noite, entao eh soh dar uma passadinha na fonte no centro do salao, passar uma agua e pronto! Tudo pronto pra prixima rodada!

E apesar de nao ser um “restaurante” ele tambem tem um esquema de comida que segue a mesma linha.

Logo na entrada da cervejaria existem alguns balcoes e lanchonetes servindo comida. Entao voce escolhe seu estilo preferido (tudo sempre muito…. eh…. alemao!), a quantidade, paga e depois leva de volta pra sua mesa, sem cerimonia!

A Augustiner Braus so abre aos fins de semana, exclusivamente das 3 da tarde as 11 da noite, entao imaginem como sabado a noite por la estava lotado!

Mas aproveitamos que a chuva forte comecou a atrapalhar nossa programacao e chegamos la por umas 4 da tarde, e 3 dos 4 saloes da casa ja estavam lotados!

Passamos o resto de sabado a noite inteiro la dentro, e nos divertimos demais! (teve ate ataque dos Kumps la dentro!)

Augustiner Bräu Kloster Mülln OG

A-5020 Salzburg Lindhofstr. 7

info@augustinerbier.at

 

Categorias: Austria, Salzburgo, Viagens
9
11
Dec
2011
Salzburgo: Villa Trapp
Escrito por Adriana Miller

Tenho que confessor que minha verdadeira motivacao para querer ir pra Salzburgo nao foi o mercado de natal nem a cidade, e sim a Villa Trapp!

Esse casarao do seculo 18 nos arredores de Salzburgo foi a casa original da familia Von Trapp, que impirou a filme da “Novica Rebelde” (The Sound of Music)!

Nao eh exatamente a casa usada no filme, mas sim a casa onde a verdadeira familia morou durante muitas decadas – e a casa onde viu a  Maria sendo contratada como governanta e ensinando as criancas a cantarem, depois se apaixonou pelo Barao e por fim a familia fugiu da Austria por causa dos nazistas em 1938, durante a segunda guerra (por muitos anos eu nem sequer sabia que o filme era baseado numa historia real).

A casa entao ficou abandonada por varias decadas, ate que em 2009 abriu suas portas como hotel Bed & Breakfast e desde entao tem atraido os aficionados do filme em bandos!

Esse filme fez muita parte da minha infancia e da minha irma, que passamos muitas tardes assistindo a fita VHS que meu pai gravou da Sessao da Tarde (com aquela dublagem tosca da Globo e avançando na hora dos comerciais ou das musicas que nao gostavamos tanto).

Apesar de que acho que a ultima vez que assisti esse filme foi la pra 1987, eu ainda lembrava de muito detalhes de cor! Mas sabe qoeu achei engracado, nao sei (sabia) cantar uma unica musica!

Como assisti muito esse filme muitos anos antes de aprender Ingles, e o filme era dublado nos dialogos, e original nas musicas, eu e minha irma soh sabiamos cantar a versao “embromation”! (e apesar de que o Aaron nao admitiu ter assistido e gostar do filme, ele sabia de cor a letra de varias musicas, e finalmente me ensinou a cantar “direito”!)

O casarao eh enorme e eh todo decorado com fotos da familia Von Trapp (a verdadeira) e moveis e pecas de decoracao originais. E os quartos sao identificados por quem foram seus donos originais.

Entao na hora da reserva voce pode escolher ficar no quarto da Fräulein Maria, ou do Barao, ou entao na suite que eles passaram a usar depois que casaram. Ou entao num dos quartos das (muitas) criancas da familia.

De manha o cafe da manha eh servido no salao de jantar da familia, todo mundo junto, como se fossemos hospedes da casa!

Mas nao, o filme nao foi feito na casa. Na verdade todas as cenas do interior da casa foram gravadas em estudio, em Holywood, e as enas exteriores foramgravas em alguns palacios nos arredores da cidade. A parte da frente da casa foram gravadas no palacio Fohnburg e a parte de tras e jardim, gravadas no palacio Leopoldskron.

Mas ainda assim da vontade de fazer vestidos usando os tecidos das cortinas, e cantar na escadaria impoente!

A unica desvantagem da Villa Trapp eh justamente ficar afastada do centro de Salzburgo. Mas ainda assim o acesso eh super facil e nao tivemos nenhuma dificuldade em chegar la, e ir e vir do centro da cidade.

Uma corrida de taxi custa cerca de 10 Euros, ou entao por 2,50€ voce pode pegar o onibus numero 7, que para a 2 quarteiroes da casa (o nome do ponto de onibus eh “Aigen Hof”) e em 10 minutos chega no centro da cidade (pelo lado”novo” ao norte do rio), inclusive indo direto pra estacao central de trem (a Salzburg Hauptbahnhof).

O preco dos quartos comeca a partir de 100 Euros, ate uns 300 (Suite Maria, que eh a mais cara). entao apesar de nao ser exatamente um albergue pechincha, tambem nao eh um hotel de super luxo que levaria um fa do filme a falencia!

Para nossa estadia eu fiz a reserva atravez do site Booking.com

 

Categorias: Austria, Salzburgo, Viagens
7
09
Dec
2011
Salzburgo
Escrito por Adriana Miller

Apesar de termos ido pra Áustria por causa do mercado de natal, foi impossível também nao passar boa parte do nosso tempo explorando a cidade!

Salzburgo é lindíssima, com bastante coisa legal pra ver e fazer – mas ao mesmo tempo, é uma cidade compacta e facílima de navegar.

Basicamente Salzburgoé dividido em duas partes: o cidade antiga ao sul do rio, e a cidade “nova” (que nem é tao nova assim…) ao norte do Rio.

A maior parte das atracoes (inclusive o mercado de natal, e conseqüentemente, nosso tempo) esta na parte sul, na parte antiga da cidade.

Mas antes de começar a explorar a cidade, nao esqueça de passear ao longo do rio Salzach (na direcao oeste estao as melhores vistas do panorama da cidade! (pelas fotos da pra ver que passeamos bastante pelo rio, tanto durante o dia, quanto a noite!)

Um ótimo roteirinho é começar seu passeio pela Getreidegasse, que eh a principal rua comercial da cidade, e uma atracao a parte!

Eh uma ruazinha super estreita, que começa as portas da igreja Burgerspital e termina jé quase la no Dom Platz, e recheada de lojinhas, cafes e restaurantes.

Mas nao passe todo seu tempo olhado as vitrines! O principal diferencial da Getreidegasse esta no alto, nos letreiros com os nomes das lojas! Para nao descaracterizar a rua historica com as lojas modernas e restaurantes fast food, todo mundo tem que aderir ao estilo “medieval” de letreiro, e que sao a coisa mais fofa!

Da ate pra imaginar as damas do século 16 comprando na Zara e almocando McDonalds! Hahahahaha

E a decoracao de natal e o clima de inverno só ajudaram a deixar a rua ainda mais bonita e alegre!

Mas va com calma, window shopping ou nao, e nao deixe de ir entrando nas ruelinhas e pracas que vao aparecendo ao longo do caminho. Ótimos restaurantes e cafes ficam escondidos nesses pátios internos, alem de umas lojas muito fofas.

La no final, quando a rua acabar, ela se abre na Mozartplatz, que como o nome indica, é a praça que homenageia o cidadão mais ilustre de Salzburgo: Wolfgand Amadeus Mozart!

E nao da pra ignorar que os Austriacos (Salzburguenses?!) sao muito orgulhosos de seu menino prodígio, e ele esta por todas as partes: nome de restaurante, nome de loja, de hotel. Museu disso, teatro e concerto de musica daquilo. O fundo musical que quase todos os lugares que entramos eram Mozart, e realmente eh incrivel imaginar que aquilo tudo foi composto por uma crianca!

Na Praca Mozart esta a escultura da discordia – uma estatua de Wolfgang Mozart que, aparentemente, eh odiada pela populacao local.

Primeiro porque a estatua foi feita para comemorar a data que seria o aniversario de 50 anos de Mozart – mas durante sua instalacao, a prefeitura achou relíquias Romanas no mesmo local, e por isso a inauguração da homenagem foi atrasada em um ano, oque foi considerado um grande insulto!

Alem disso, a estatua tem alguns “defeitos” crônicos. O primeiro eh que supostamente ele nao se parece em nada com a aparência oque acredita-se que Mozart teria, mas principalmente porque ele esta segurando um lapis em sua mao direita – engenhoca que ainda nao tinha sido inventada na epoca que Mozart estava compondo suas musicas!

A Praca Mozart se abre na praca Residenz Palace, onde esta tambem o museu Neugebaude, toda lateral da catedral (Dom) e o Residenz Palace (foi ali nesse praco que estava o mercado de natal, entao nao tivemos uma vista tao “clara” do lugar, apesar de ter passado bastante tempo por la).

Ao cruzar um dos arcos no canto da praca, entramos na Dom Platz, a praca da catedral.

A Catedral de Salzburgo originalmente data de 1628 mas foi parcialmente destruida durante a ocupacao nazista na segunda guerra mundial, e posteriormente reconstruida em 1959.

Ela eh a berta a visitacao e nao se paga para conhecer seu interior, e bem ali na pracinha fica o chafariz Residenz, mas que fica coberto durante todo inverno (assim como todos os fontes e chafarizes da cidade) entao nao pudemos ver muito bem seus detalhes (alem disso, era ali que estava a segunda parte do mercado de natal, tambem oupando todo espaco livre).

E do lado oposto da pracinha, os arcos da catedral a separam da praca Kapital Platz de onde temos uma otima vista do castelo Festung Hohensalzburg.

O castelo Hohensalzburg eh o principal simbolo da cidade e domina a paisagem de onde quer que estivermos. Na verdade o castelo eh um forte, que dava protecao a cidade (permitindo uma visao vantajosa dos inimigos atravessando os Alpes), e esta aberto a visitacao.

Infelizmente demos azar de pegar um fim de semana com nevoreiro e tempo muito nublado, com cum vento frio de matar, e preferimos admirar o castelo soh la de baixo mesmo! Mas se voce der sorte de estar em Salzburgo num dia de ceu aberto, a vista eh linda!

Ja no lado norte da cidade, na cidade “nova” uma das principais atracoes que visitamos eh o jardim e castelo Mirabell (Schloss Mirabell). Esse palacio foi construido em 1606 e pelo Prince-Archbishop Wolf Dietrich von Raitenau (o mesmo que construiu a catedral da cidade) como presente a sua amada Salome Alt.

E ele realmente cumpriu sua funcao: o principe se casou com Salome e o juntos tiveram 15 filhos, que ocuparam o palacio por mais de meio seculo!

Mas quer saber a verdadeira razao porque esse jardim eh famoso?! Por causa do filme “A Novica Rebelde” (The Sounds of Music”)!

Foi ali nos jardins Mirabell que a governanta Maria ensinou as criancas Von Trapp a cantarem a musica Do Re Mi – com direito a coreografia na escada do palacio e correria em volta da fonte de Pegasus e das estatuas gregas! (como aparece nos ultimos minutos desse video).

Duvido voce conseguir olhar essas fotos e nao comecar a cantarolar “Doe, a deer, a female deer. Ray, a drop of golden sun. Me, a name a call myself. Far, a long, long way to ruuuuuuuun!”.

Porque ate hoje essa musica nao saiu da minha cabeca!

Mas uma coisa que me impressionou bastante em Salzburgo, eh que ao olhar no mapa da cidade, a regiao eh toda cercada de palacios e castelos! Entao apesar de ser uma cidade relativamente pequenininha, que pode facilmente ser visitada em algumas horas, a regiao como um todo oferece muita coisa legal para os turistas!

Infelizmente nos nao tivemos muito mais tempo pra explorar a regiao (alem do mercado de natal, que foi o proposito da nossa viagem, ainda pegamos um tempo pessimo, com muita chuva que atrapalhou boas horas do nosso dia), mas afinal, sempre precisamos de uma boa desculpa pra querer voltar, certo?

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Austria, Salzburgo, Viagens
14
Página 1 de 212