28 Mar 2009
16 comentários

As Ruinas de Angkor

Camboja, Dicas de Viagens, Lua de mel

Em 802 o Rei Jayavarman II se auto declarou Rei-Deus e decidiu construir um novo imperio, e se tornou o primeiro dos 39 Reis-Deuses que comandaram o Imperio Khmer, que jah foi o reino mais poderoso do Sudoeste Asiatico.

Angkor era a maior e mais poderosa cidade do ocidente, e ao longo dos seculos contruiu sofisticados sistemas de irrigacao, cidades e muralhas e templos e palacios monumentais.

 

Porem, seu sucesso criou ira de seus visinhos, sobretudo o reino de Siam (hoje em dia Tailandia), ateh que no seculo 15 d.c. a cidade foi abandonada no meio da selva. A populacao local sabia da existencia da cidade fantasma, mas devido a lendas e crendices locais, a “cidade” Angkor ficou completamente abandonada por quase 500 anos, e foi, literalmente devorada pela selva. Muitos de seus templos e palacios foram destruidos pela floresta e erosao do tempo (e aos pousocs sendo reconstruidos), enquanto que outros apenas existem ateh hoje, justamente porque a selva cresceu entre sua estrutura, mantendo as construcoes de peh em meio as raizes das arvores.

O complexo de templos, hoje um parque nacional e patrimonio da humanidade, fica a 7km do centro de Siem Reap, e voce pode comprar passes (individuais e intransferiveis) na entrada principal. O guia do Lonely Planet diz que vc tem que trazer uma foto 3×4, e nos viramos do avesso pra conseguir achar um lugar que tirasse fotos em Kuala Lumpur, mas hoje em dia eles jah estao modernizados e tiram sua foto digital na hora.

Os passes sao: 1 dia, 3 dias, ou 1 semana inteira. NOs compramos o de 3 dias, e foi mais que suficiente pra ver tudo e todos os templos.

A melhor maneira de visitar os templos eh de Tuk-Tuk que pode ser arranjado pelo seu hotel, ou direto com os motoristas, que ficam plantados e todas as esquinas da cidade. Inicialmente tinhamos pensado em alugar bicicletas ou lambretas, mas a estradas sao MUITO precarias, nao existe sinalizacao, ou regras de transito, e alem disso os templos sao muito longe uns dos outros, com pouquissimas indicacoes de como e por onde chegar. Soh mesmo os locais pra saberem se virar no meio da selva. Isso sem falar no perigo das minas terrestres, que infelizmente ainda existem aos milhares espalhados pelos campos. Nao sei se nos demos sorte, ou se todos os motoristas de tuk-tuk sao super simpatico, mas o nosso, o Mr. Say alem de super inteligente e simpatico, ainda sabia TUDO sobre a historia do Camboja e dos templos Angkor e nos deus uma aula de historia e cultura Khmer em Ingles perfeito.

Angkor Wat

Angkor Wat eh o templo principal do complexo, e a imagem tipica do pais (esta inclusive impresso na bandeira do Camboja). O templo foi construido no seculo 12 como mausoleum do rei  Suryavarman II, e eh considerado a perfeicao do estilo arquitetonico Khmer. O tempo eh cercado por muros e um lago artifical que o protegia dos inimigos, e jah lah dentro, para chegar no templo principal, vc cruza uma esplanada de 300 metros onde tem a visao perfeita do edificio. As torres, em formato de “cone” imitam os brotos da flor de Lotus, e o templo eh composto por 3 estruturas, ligadas por passarelas e escadarias.

Angkor Thom

Angkor Thom fica a 2km no norte de Angkor Wat, e was a ultima grande cidade Khmer a ser derrubada, pois era protegida por muralhas de pedra solida com 8 metros de altura e 3 km de comprimento em cada lado. A cidade tambem era cercada por um lago artificial, para garantir a sua seguranca e tinha 4 pontes/portoes de entrada, e cada uma dessas pontes era decorada com imagens de 54 deuses de uma lado, e 54 demonios do outro lado.

Um dos principais templos de Angkor Thom eh o templo Bayon que tem 54 torres, e todas elas sao decoradas com 4 faces. Os registros historicos da cultura Khmer sao rarissimas entao os hitoriadores nao sabem dizer exatamente oque foram alguns dos templos, mas especula-se que as 54 torres foram esculpidas com 4 faces (cada uma) do Rei Jayavarman VII (haja narcisismo!). Hoje em dia, depois de seculos abandonados, guerras e erosao, cada rosto tem sua propria caracteristica e personalidade, e nenhuma escultura eh mais igual a outra.


Ta Phrom

Ta Phrom se tornou um dos templos mais famosos de Angkor justamente por nao ter sido restaurado. Ao contrario de outros templos que foram praticamente destruidos pela selva, Ta Phrom foi pristinamente preservado pelas raizes e troncos de arvores que cresceram entre suas estruturas ao longo dos seculos. Jayavarman VII construiu o templo para ser uma monasterio Budista, mas depois foi convertido para Hinduismo, e suas imagens budistas destruidas.

Banteay Srei

Banteay Srei eh considerado um “mini” templo, e comparacao com algumas das outras estruturas de Angkor; alem disso esta a 30 km de distancia de Angkor Wat, entao a nao ser que vc esteja a bordo de um onibus de turismo, ou tenho um tuk-tuk muito gente boa, fica dificil conseguir chegar lah. Porem, as toneladas de poeira que comemos pelo caminho valeu muito a pena, pois a arquitetura desse templo eh unica, alem de seu otimo estado de preservacao. O templo foi todo construido em uma pedra meio cor de rosa, e eh extremamente trabalhado, com relevos e esculturas em TODAS as paredes e colunas.

O complexo de Angkor eh composto por mais de 30 templos e palacios, muitos deles praticamente totalmente destruido, ou com ruinas nao muito interessantes. Acho que em 3 dias, visitamos mais de 10 templos, alguns principais, e outros secundarios, com diferente importancia para a cultura e religiao local.

Aqui nesse post, falei apenas sobre os principais, e os que mais me marcaram, por sua representacao historica ou por sua beleza.

As fotos de todos os templos que fomos estao AQUI.

Adriana Miller
16 comentários
28 Mar 2009
2 comentários

Siem Reap

Camboja, Dicas de Viagens, Lua de mel

Esse post esta super mega atrasado, e jah iniciado, e re-iniciado algumas vezes, mas antes que me esqueca de todos os detalhes, aqui esta!

Nos passamos apenas 3 dias em Siem Reap, que eh a segunda maior cidade do pais, e a capital turistica do Camboja. Como eu jah falei nos outros posts sobre o pais, apesar de ser a segunda “metropole” do pais, Siem Reap eh na verdade uma grande fazenda, com casas de bambu se intercalando com estruturas de tijolo (principalmente no “centro” da cidade), e ruas de terra batida.

Infelizmente as marcas do progresso estao de espalhando rapidamente, e na avenida que liga a cidade ao aeroporto jah existem dezenas de hoteis 5 estrelas em contrucao, postos de gasolina nas esquinas, pizzarias, supermercado 24 horas.

Por um lado isso eh ruim, pois esta acabando um pouco com o charme “rustico” do lugar, mas ao mesmo tempo o progresso (gracas ao turismo) esta pouco a pouco tirando o pais da pobreza absoluta em que estava submergido a decadas, e reerguendo a populacao ainda marcada pela guerra.

Ficamos hospedados no hotel Bopha-Angkor, que fica bem no centrao de Siem Reap, na beira do rio, e a alguns minutos do mercado e da Pub Street.

Uma coisa interessante de Siem Rep eh que a cidade ainda eh tao “interior” que as ruas nem sequer tem nomes; muitas deles sao conhecidas apenas por numeros, ou pelos apelidos dados pelos turistas, como por exemplo a “rua dos bares” por causa da alta concentracao de albergues, lojinhas de aluguel de bicicletas e bares lotados de turistas.

O Bopha Agkor foi um achado, pois foi um dos primeiros hoteis da cidade, da epoca em que os turistas tinham que ficar hospedados em casa de familia (mega precario), e tem uma proposta meio pousada/Bed & Breakfast, mas eh 100% Khmer. A localizacao eh excelente, os funcionarios sao uns amores, o preco eh otimo e a decoracao eh sensacional! O tempo todo nos sentiamos hospedados DENTRO de uma dos templos. E com muito bom gosto!

A cidade em si nao tem nada pra fazer, e em termos turisticos serve apenas como base aos templos de Angkor, mas aproveitamos as noites tranquilas na cidade pra ir passear na Pub Street e comprar lencos de seda e esculturas de ferro fundido no mercado local.


Adriana Miller
2 comentários
23 Jan 2009
12 comentários

Pronto!!

Camboja, Casamento, Dicas de Viagens, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Vietnam

Posts atualizados com fotos, mapas, etc. Assim fica mais facil dar nome aos bois entre as milhares de fotos… 

Estao todos lah, na categoria “Lua de Mel” ou por paises: Tailandia, Malasia, Camboja e Vietnam!

Afinal, jet lag tem suas vantagens (tenho acordado todo os dias as 3 da matina, entao fico copiando/colando fotos pra passar o tempo!).

 

Adriana Miller
12 comentários
22 Jan 2009
13 comentários

Higiene e Seguranca

Camboja, Dicas de Viagens, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Vietnam

Ocidentais tem uma visao de que os Asiaticos sao sujos, pois comem na rua, fazem barulho pra comer, e comem coisas “estranhas” (como insetos, carrocho, etc), mas a impressao que tive eh que na verdade eles sao muito mais limpos doque os Europeus!


 

 

Vai uma baratinha frita?   


 

Ou uma agua viva seca?

 

Na vou entrar na discussao de que “gringo” nao toma banho, como os Brasileiros adoram falar, mas achei o cuidado com a higiene na Asia muito maior doque na Inglaterra por exemplo. Em viagens pra lugares diferentes, sempre temos que tomar certas precaucoes do tipo evitar beber agua da torneira, comer frutas sem lavar, comer coisas muito diferentes doque nosso estomago e intestino conhece, e fizemos isso tudo (depois que passei mal de se virar do avesso em Marrocos, nunca mais dou mole!).

Mas achei muito legal essa coisa de nao poder entrar nos lugares com sapato (lojas, restaurantes, hoteis), e as vezes eles deixavam sandalias “avulsas” que voce tinha que trocar antes de entrar no banheiro por exemplo, pra nao andar pelo templo/hotel com o mesmo peh/sapato que entrou no banheiro.

 

   

 

 

 

Um outro detalhe que tem em quase todos os restuarantes que fomos eh a toalinha quente/gelada que servem antes de colocar a mesa. E mesmo se vc recusar (porque as vezes nao gosto do cheiro da essencia que usam, ou jah tinha acabado de lavar as maos), eles insistem assim mesmo, pois acham super importante, estar “limpo” antes de comer.

Logo no primeiro dia passeando por Bangcoc me deparei com o banheiro “buraco no chao”, que tambem jah tinha visto em Marrocos e me lembrava do quanto fiquei chocada e enojada.

Realmente pra nos que estamos acostumados com privadas, e o banheiro da nossa casa esse tipo de banheiro parece uma coisa meio primitiva, que logo nos leva a pensar em sub-desenvolvimento e sujeira.

 

Mas depois de uns dias ateh me acostumei, pois em tudo quanto eh canto (tirando os hoteis) os banheiros sao assim.

E reparei tambem que no geral, eles eram bem limpos.

Entao, no Camboja os banheiros publicos de Angkor tinham as duas opcoes: coedental e oriental; respirei aliviada e fui no “ocidental”.

E nao eh que senti a diferenca?! O banheiro oriental eh MUITO mais confortavel!

 

Os leitores macho, me desculpem, mas teri que usar alguns detalhes na minha descricao…

Como mulheres nao “sentam” em privadas de banheiro publico, vc fica naquela posicao nem sentada nem em peh, tentando acertar sua mira (que eh sempre meio dificil, e nao eh atoa que banheiro publico eh sempre nojento!). Jah no banheiro Asiatico, a parada funciona direitinho pra vc encaixar os pes e conseguir agachar confortavelmente.

Por isso os banheiros publicos na Asia sao sempre (relativamente) limpos, e os ocidentais sao SEMPRE nojentos.

A unica coisa que realmente nao fiz, mesmo foi usar a descarga, que na verdade nao eh descarga, e sim um “tanque” de agua com um baldinho. Voce enche o baldinho e joga a agua buraco abaixo. Tenho muito nojo de pegar as coisas com a mao, e nao dava descarga. Quem era a nao-higienica, da historia? Eu, a ocidental da historia (em banheiros publicos que tem descarga normal, eu puxo descarga com os pes!).

Eu achei esse cartaz ai em cima muito engracado, mas nao eh que em alguns lugares eu vi marcas de sapato na tampa da privada?

Uma outra coisa que muita gente perguntou (principalmente minha familia!) eh sobre a seguranca de se viajar pela Asia.Na verdade os paises do Sudoeste Asiaticos sao super seguros. Mesmo nas areas mais isoladas, ou de muita pobreza, as pessoas nao tem essa cultura de violencia e agressao que existe no Brasil.

Em alguns paises, como a Malasia e o Vietnam, agredir ou ofender extrangeiros eh uma ofensa gravissima! Logico, eles sempre tentam te passar a perna e se dar bem, mas isso eh completamente diferente de ser assaltado, ou furtado, ou sofrer uma agressao.

Em cidades grandes como KL, Bangcoc e Hanoi, o seguro morreu de velho, e sempre eh bom ficar atento com carteira, bolsa, etc. Porem andavamos com a maquina no pescoco, carteira no bolso, etc o tempo todo, sem nunca nos sentir inseguros.

Uma mulher viajando sozinha nao seria exatamente ideal, pura e simplesmente porque a cultura deles eh super diferente na nossa, e querendo ou nao, uma mulher desacompanhada gera muita curiosidade. Nao acho que exista um perigo real, mas eh bom se prevenir.

Essa sensacao de seguranca foi uma das coisas que mais me fez pensar no Brasil durante a viagem. Andavamos pra cima e pra baixo de tuk-tuk, onibus, metro, andavamos de noite em lugares que nao conheciamos, em mercadinhos “camelodomos” etc, sem NUNCA sentir medo, ou inseguro. Isso eh uma coisa que nunca, jamais, aconteceria no Brasil. Entao pensei muito no quanto nosso pais tem a oferecer em termos de turismo, quantas oportunidades que nao sao aproveitadas, pura e simplesmente porque os turistas tem medo de ir pra lah.

Ao longo de nossas viagens conhecemos muitos outros viajantes/mochileiros etc, e quando eu falava que era Brasileira a reacao era sempre positiva. Isso vindo de pessoas que jah viajaram o mundo todo, jah pegaram trem noturno na India, carona no meio da estrada na Mongolia e muitas historias mas mirabolantes possiveis.

Mas quando eu perguntava “E o Brasil?” a resposta era sempre a mesma: morro de vontade, mas nao tenho coragem.

Ha uns anos atras o Brasil no exterior era sinonimo de: futebol, carnaval e mulheres. Agora eh sinonimo de Futebol, carnaval, mulheres (que por si soh tambem eh pessimo) e VIOLENCIA.

Todos tinham alguma historia de algum amigo do primo do tio do vizinho que foi ao Brasil e foi assaltado.

Oque eu podia falar numa hora dessas? Nada, neh?

Tive varias crises de “oque posso fazer pra ajudar a mudar essa situacao?”, mas infelizmente acho que nada…

 

No voo de volta pra Londres, fiquei toda animada que tinha na programacao um documentario da CNN sobre o cinema Brasileiro, novos diretores, e tal. Mas quando comecei a assistir, os proprios diretores Brasileiros, sendo entrevistados pela CNN internacional vendiam a imagem do Brasil como o “pais mais violento e perigoso do mundo” – pra vender mais filme sobre as favelas. Parecia que estava assistindo um documentario sobre Bagdad!!

Entao como podemos querer contruir hoteis, criar empregos, etc. se os turistas nao querem chegar nem perto?

Aff, desabafei! Foi mal, mas estava com isso na cabeca ha muito tempo.

Mas enfim, a conclusao eh que o Brasileiros partem do principio que por ser uma regiao pobre, a Asia deve ser perigosa tambem, porem nao eh. Felizmente no resto do mundo, violencia nao eh toleravel, e pobreza, ou menos acesso a certos privilegios nao eh desculpa pra fazer oque quiser e culpar a sociedade.

 

 

 

 

 

 

Adriana Miller
13 comentários
21 Jan 2009
12 comentários

Fotos da viagem!

Camboja, Dicas de Viagens, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Vietnam

Ufa!

Demorou mais saiu! As fotos estavam muito pesadas e demorando HORAS pra baixar, entao resolvi comprimir tudo, e deixar as fotos pequenas…

Mas jah esta tudo lah!

Aviso logo que sao MUITAS centenas de fotos… Por algum motivo as pastas com as fotos de Ko Panhgan e Sien Rep esta dando problema e as fotos nao estao subindo… vou tentar de novo mais tarde. E ainda estao faltando as fotos tiradas com a camera do Aaron e com a camara a prova d’agua, que tambem vai ficar pra depois.

E ao longo da semana vou atualizando os posts, e ilustrando com fotos, links, etc, pra ir dando nome aos bois.

Vamos lah:

Tailandia: http://public.fotki.com/Adrisn/tailandia/

Malasia: http://public.fotki.com/Adrisn/malasia/

Camboja: http://public.fotki.com/Adrisn/camboja/

Vietnam: http://public.fotki.com/Adrisn/vietnam/

Divirtan-se!

 

Adriana Miller
12 comentários
Página 1 de 212