13
Jun
2013
Roteiro de viagem pela Provence
Escrito por Adriana Miller

A maior dificuldade de planejar esse tipo de viagem é justamente decidir o que visitar.

Afinal, a região é enorme, interessantíssima e sempre vai ter aquele amigo do amigo no Facebook que vai deixar um comentário “Ah… não foi na cidadezinha tal?!? Mas é a mais bonita/interessante/exótica/autêntica etc.”

Screen Shot 2013-06-09 at 21.03.50

Ou seja, antes mesmo de sair de casa, saiba que é impossível conhecer tudo – e é impossível conhecer tudo que você quer conhecer.

No nosso caso, ainda tivemos que combinar os gostos turísticos de 4 famílias diferentes, com tempo e atrações pra 4 crianças em idades diferentes.

Então simplificamos: como ficaríamos hospedados numa Villa, e não trocando de hotel a cada par de dias, tínhamos que escolher cidades que ficassem no máximo a 1 ou 2 horas de distancia, num diâmetro perto de onde estaríamos hospedados.

Além disso, é imprescindível alugar um carro!

Basta a carteira de motorista de seu país + passaporte (não se preocupe com carteira internacional – entre todos nós tinhamos carteiras do Brasil, EUA, UK, Austrália e Africa do Sul e nenhum de nós teve problemas com aluguel de carro) e ter mais de 25 anos pra poder alugar um carro na Europa, então nem tente fazer esse roteiro usando transporte publico.

Por mais que trens e afins sejam eficientes na Europa, nessa região muitas das cidades mais interessantes ficam afastadas das estações de trem, não tem serviço de ônibus nem taxi – o que vai fazer com que você gaste muito tempo e saúde tentando chegar de um lugar ao outro.

E acredite, nós tentamos! (no geral achei meio estressante dirigir por lá, então tentamos adaptar nosso roteiro para poder usar transporte público, mas além de muito mais difícil, ainda sairia mais caro).

E minha principal dica: reserve um GPS/SatNav com seu carro!

20130602-103850.jpg

As estradas são boas… mas são ruins!

São boas porque não são esburacadas, tem acostamentos e tal, mas no geral são bem estreitas e mal sinalizadas, e principalmente nessa região da Provence, muitas das cidades mais interessantes ficam em estradinhas secundárias, que achamos impossível de achar apenas usando mapas!

Nós cometemos a besteira de não reservar um GPS com os carros e eles já não tinham nenhum disponível na locadora, então tivemos que usar o Google Maps nos celulares! (que funciona super bem, mas como todos estávamos com celulares estrangeiros, a conta do fim do mês não vai ser bonita!)

Então como muita gente me pediu pra explicar direitinho nosso roteiro, aqui esta:

- 1 dia: Abadia Sénanque pela manha (quando fomos eles só abrem pela manha) e depois fomos para Gordes.

- 2 Dia: Pont du Gard e Nímes (saímos de casa já tarde e não nos demos conta de como seria difícil chegar/achar a Pont du Gard, portanto acabamos ficando sem tempo pra explorar bem Nímes)

- 3 Dia: Avignon (passamos o dia quase todo por lá, pois a cidade é bem grande. Além disso, Avignon foi um caos pra estacionar, entnao perdemos MUITO tempo procurando vaga e estacionamentos em suas ruas estreitas)

- 4 Dia: Châteauneuf du Pape (fizemos o tour na vinícola pela manha e depois fizemos uma degustação numa adega e almoçamos por lá. O resto da tarde ficamos passeando e fazendo compras pela cidadezinha)

- 5 Dia: Les Baux (fomos pela manha e passamos bastante tempo com as crianças no “Carrières de Lumières”, depois almoçamos na cidade antiga e passamos o resto da tarde por lá).

Nós ficamos um total de 7 dias, mas como estávamos com um grupo grande e várias crianças – além de estarmos hospedados numa casa maravilhosa – nossa intenção realmente não era explorar cada canto disponível da Provence.

Escolhemos a dedo o que preferíamos fazer, e deixamos muita coisa de lado de propósito, o que foi o grande segredo desse roteiro – misturamos algumas cidades grandes (Nímes e Avignon) com vilarejos belíssimos (Gordes e Les Baux), vinícolas, história etc e claro, muito tempo pra curtir os amigos e relaxar bastante!

As informações sobre a aluguel de casa e carro na Provence estão aqui.

 

 

Categorias: França, Provence, Roteiros de Viagem, Viagens
5
15
Feb
2011
Roteiro de viagem Lisboa & Belem
Escrito por Adriana Miller

Esse post na verdade é uma trapaça, pois o roteiro não é exatamente meu, e sim inteiramente montado baseado nas sugestões dos leitores Alfacinhas!

Nós ficamos hospedados na região do Rossio, que é super central e facil de fazer/chegar a qualquer lugar na cidade, então nosso psseio começou justamente por lá.

A Praça do Rossio/Don Pedro V é onde fica a estação de trem e o Teatro Municipal, com um dos melhores exemplares (originais!) de calçadas com pedra “portuguesa” que existe – meu sogro imediatamente reconheceu a similaridade com as calçadas do Rio de Janeiro!

O Rossia fica exatamente no vale entre a Alfama e o Bairro alto, e preferimos subir o Bairro Alto, que tem uma vista maravilhosa da cidade!

O Elevador de Santa Justa é a melhor opção pra chegar lá em cima, além de ser bem legal andar num elevador tão antigo, de aço solido, e projetado por um dos aprendizes de Eiffel – a estrutura não mente!

Lá de cima a vista é premiada! E é justamente no Bairro Alto que esta o melhor da Alfama: a vista lá de longe, com o Castelo de São Jorge no alto da colina e o rio Tejo no fundo…

Ali em cima no Bairro Alto e Chiado são as areas bohemias da cidade, com muitas opções de bares e restaurante bonitinhos (e otimas opções de hospedagem tambem), e o legal da area é justamente perambular pelas ruas estreitas e admirar a arquitetura tipica Portuguesa, coberta por azuleijos coloridos!

E é ali tambem no Chiado que fica o famoso café “A Brasileira”, bem em frente a estatua de Fernando Pessoa.

Do outro lado do Bairro alto fica uma outra opção de “transporte” entre o Rossio e o Bairro Alto, que é o funicular eletrico, que sobre direto ao mirante – que no fim do dia recebe uma iluminção poderosa do sol se pondo de e iluminanto o Castelo no outro lado do vale!

Pra descer de volta ao Rossio e o “bairro baixo” de Lisboa, a Calçada do Duque é a melhor opção – só tome cuidado pra tirar os olhos da paisagem a tempo pra não tropeçar nos degraus ingremes e estreitos!

De volta a terra firme, siga pela Rua Augusta até o final – a Rua Augusta é uma das principais rua comerciais de Lisboa (exclusiva para pedestres!) que segue até a monumental Praça do Comercio, com seus predios amarelos e arcos trabalhados!

E direto na Praça do Comercio passam algumas opções de onibus e “eletricos” que vão para Belem!

E Belem, apesar de oficialmente não ser parte de Lisboa, é na verdade o coração da cidade, pois foi ali que tudo começou!

Belem é sem duvida, minha area preferida da cidade, e onde eu moooooorro de orgulho de ser Portuguesa! Eu amo historia e amo viajar, e sempre que vou a Belem eu me sinto um pouco “descendente” da genetica dos grandes exploradores Lusitanos, e não tem como não sentir orgulho de tudo que os Portugueses contribuiram ao mundo que vivemos hoje!

No centro de tudo esta o Mosteiro dos Jeronimos, construido em 1502, parcialmente destruido no terremoto de 1.755 e depois construido de novo, e é uma das construções mais bonitas e trabalhadas da Europa!

A Igreja principal servia de “base” para os navegadores e marinheiros, que se preparavam para suas grandes jornadas pelo mundo nas salinhas de confissão nas laterais da Igreja.

E ali dentro estao sepultados dois Portugueses ilustres: o grande poeta Luis de Camões e o explorador Vasco da Gama.

E não perca a oportuniade de ver o interior do monasterio, que além da arquitetura linda, ainda tem algunas celas de monges que sao abertas a visitação alem de uma exposiçao super legal que compara a historia do mundo, com a historia de Portugal e a historia do Mosteiro. Nao dá pra negar que nos seculos 15 e 16 não teve pra ninguem! Os Tugas ruled!

Em frente ao mosteiro esta a praca do Imperio e na beirada do rio Tejo está a Torre de Belem e o monumento dos descobrimentos.

A Torre de Belem é uma tipica estrutura de estilo Manuelino, e foi construida no seculo 16 tendo uma função mista de forte de segurança e ponto de partida para as Naus Portuguesas.

E mais recentemente foi construido o Monumento aos Descobrimentos, inaugurado em 1960, para comemorar os 500 anos da morte do Infante Don Henrique, o Navegador, e homenageia os grandes herois da era de ouro do Imperio Portugues.

E obvio que nenhuma visita a Belem seria completa sem uma visita a ilustre pastelaria de Belem!

Lisboa é uma cidade bem facil de ser navegada, com muitas e otimas opções de transporte e muita, mas muita coisa legal pra ver e fazer.

Então pra quem tiver mais tempo disponivel, uma outra area muito legal da cidade é o Parque das Nações que foi construido para a Euro Expo em 1998, que teve como tema as explorações maritimas Portuguesas e é uma região modernissima e super legal e diferente de Lisboa!

Alem do Oceanario, ainda tem muitas lojas, restaurantes, hoteis, bares, casas de show e etc.

E pra esticar a viagem um pouco mais alem da cidade, otimas opções são Sintra, Cascais e o Cabo da Roca (proximos posts!).

Categorias: Dicas (Praticas!) de Viagem, Lisboa, Portugal, Roteiros de Viagem, Viagens
55
22
Aug
2010
Roteiro de viagens Madrid
Escrito por Adriana Miller

Depois de muito tempo de enrrolação, finalmente saiu o roteiro de viagens de Madrid.

Dicas de viagens sobre a Espanha é um dos principais motivos que tras muita gente até aqui, e pra mim, as dicas até que estão todas aqui, mas esta tudo tão espalhado, com posts aleatorios de quando eu morei lá e mais uns outros posts das viagens que fiz pra Madrid nos ultimos anos, e realmente faltava um guia completo e objetivo pra quem quer encaixar uma viagem a Madrid em seu roteiro.

Pra começar, quantos dias ficar em Madrid? Na verdade isso é o mais dificil de definir, pois “turisticamente” falando, Madrid é pequena, e tem relativamente poucas coisas pra ver, então teoricamente uns 2 ou 3 dias são mais que suficientes.

Mas por outro lado Madrid tem muita coisa pra fazer, e como já disse outras vezes, Madrid é uma cidade pra ser vivida e nao apenas “visitada”. Então mais importante que quantos dias ficar por lá, eu recomendaria quantas noites ficar por lá – mesmo que voce não tenha a menor intenção de cair na gandaia, aidna sim Madrid oferece uma inifnidade de otimos restaurantes, bares de tapas, lojas que ficam abertas até tarde noite e ruas sempre lotadas de pessoas passeando pra cima e pra baixo!

Mas independente doque tem pra fazer de noite pela cidade (que é tão imperdivel quanto qualquer outra coisa), eu organizaria uma viagem de 2 ou 3 dias pela acidade assim (lembrando que tudo isso pode ser espalhado por mais dias, numa viagem mais tranquila se voce quiser passar mais tempo por Madrid).

DIA 1:

Todo e qualquer roteiro por Madrid deve começar pela Puerta de Sol, que é a praça principal da cidade e que de lá voce poderá chegar a qualqer outro canto da cidade. E a Puerta del Sol tambem representa o centro da Espanha, e na calçada em frente a prefeitura esta a placa que marca o “ponto zero”, de onde todas as demais estradas Espanholas começam.

A nova estação de metro na Puerta del Sol

Puerta del Sol

A partir da Puerta del Sol, siga em direção da Calle Mayor que leva diretamente as ruelas da Plaza Mayor que é outra praça muito conhecida em Madrid, e uma das areas mais fotogenicas da cidade! Apesar de ser uma area ultra turistica, a praça é rodeada de bons restaurantes, e esta sempre lotada (de turistas E locais) nas noites de verão e tardes ensolaradas durante o ano todo!

Plaza Mayor

Tapas na Plaza Mayor

Depois da Plaza Mayor, ainda seguindo pela Calle Mayor, a rua termina bem em frente da Catedral de la Almudena que é uma das principais Igrejas de Madrid, que por sua vez fica exatamente em frente ao Palacio Real – é nessa igreja que acontecem todos os eventos reais, como por exemplo o casamento do Principe Felipe a Leticia Ortiz em 2005.

Catedral de La Almudena

E em frente da catedral esta o Palacio Real Espanhol, normalmente conhecido como Palacio del Oriente, e apesar de ser a residencia oficial da familia real Espanhola, o Palacio só é usado para eventos oficiais e visitas de Estado – o Palacio é aberto ao Publico e algumas de suas alas estão abertos a visitação o ano todo, inclusive a sala do trono e a sala das armaduras; e o jardin do Oriente que se estende por tras do Palacio e é lindo!

Entrada principal do Palacio Real

Palacio Real visto da parte de tras

De lá, siga pela Calle Bellen em direção a Plaza de España, que é outra das principais praças de Madrid, e é cercada por predios lindos, com alguns dos melhores exemplos de arquitetura Espanhola – e bem no centro da praça esta um enorme monumento a Miguel de Cervantes, o escritor e poeta Espanhol que escreveu Don Quijote de la Mancha.

Predios em volta da Plaza de Espanha

Nesse ponto, dependendo do seu ritmo e energia, aproveite pra dar um pulinho no Parque del Oeste, onde esta o Templo de Debod que é um templo Egipcio, original de 4 BC contruido na regiao de Answan – em 1960 durante a construção da represa de Answan o Governo Espanhol doou uma quantia consideraval que financiou o projeto de deslocamento do templo de Anbu Simbel, e como forma de pagamento e agradecimento o governo Egipcio doou o templo de Debod a cidade de Madrid.

Templo de Debod

Templo de Debod

A Plaza de España marca o final/inicio da Gran Via, uma das principais avenidas da cidade – e igualmente mais comercial, com mais teatros, hoteis, bares e muitas das inumeras lojas flagship das marcas Espanholas.

Gran Via

Mais ou menos no meio da Gran Via esta a Plaza Callao, de onde saem outras ruas que conectam a Gran Via e a Puerta del Sol – e essas ruas (Calle del Carmen e Calle Preciados) são tambem duas das principais ruas comerciais de Madrid.

Gran Via

Mas subindo a Gran Via até o fim ela se conecta com a Calle de Alcalá e termina na Plaza Cibeles e Puerta de Alcalá que é a entrada principal do Parque del Buen Retiro.

Puerta de Alcalá

Plaza Cibeles

Dependendo de que horas são (e epoca do ano, já que no inverno escure cedo), aproveite pra entrar no Parque del Retiro e descansar das andanças sentado na beira lago central e Glorieta, que fica lotado no fim da tarde e por do sol (principalmente no verão ou nas tardes ensolaradas de Domingo).

O Lago e a Glorieta do Retiro

Por do sol no lago do Retiro

DIA 2:

No segundo dia da viagem, aproveite que voce já viu praticamente a cidade inteira, pra se concentrar na pate mais cultural de Madrid, que é a região leste da cidade, entre o Parque do Retiro e a estação Atocha, também conhecida como “Triangulo Dourado”.

Então comece o dia pelo Parque Del Retiro onde estao não só o lago e a Glorieta, mas tambem o Palacio de Cristal, o Zoologico e Jardin Botanico.

Palacio de Cristal

O Museu del Prado esta diretamente proporcional ao Parque, e se voce tiver que escolher um unico museu pra ir em Madrid, sem duvidas recomendo o Prado. Lá estão as principais obras dos artistas classicos Espanhois, como Velazquez, Goya e El Greco, entre uma inifnidade de outros artistas Europeus renassentistas.

Museu del Prado

Museu del Prado

Os tres museus principais da cidade são o Museu del Prado, o Museu Reina Sofia e o MuseuThyssen-Bornemisza. Claro que voce pode acabar passando dias e mais dias em cada um desses museus, que estão entre os melhores da Europa, ou pode apenas escolher um deles pra se concentrar e passar parte de seu dia, ou então aproveitar o tempo e ir conhecer um pouquinho de cada um deles.

Triangulo dourado

Porem o Museu Reina Sofia, que é o museu de arte moderna de Madrid, e lá estão expostas algumas das obras mais conhecidas dos artistas modernos Espanhois tambem mais conhecidos do mundo, como Salvador Dali, Picasso e Miró – é indescritivel a sensaçnaod e estar cara a cara com a gigantesga Guernica de Picasso, original!

O Museu Thyssen-Bornemisza é um museu privado, que expoe a coleção particular da familia Thyssen-Bornemisza e fica praticamente na esquina do museu Del Prado (e em frente aos hoteis Villa Real e Westin Palace) e é considerado o melhor museu Impressionista e Expessionista da Europa.

Pra fechar o dia (se tiver sobrado algum tempo depois dos museus!) ainda vale a pena passar na estação Atocha, que apesar de ser apenas uma estação, é com certeza uma das maiores e mais impressionantes do mundo!

A Atocha foi a estação que sofreu atentados terroristas em 2004, e durante muito tempo virou um lugar onde as pessoas iam pra relembrar a guerra anti-terrorismo, mas foi recentemente renovada e ganhou uma gigantasta praça “tropical” dentro da estação.

Mas em hipotese alguma deixe de sair pra jantar, ir numa bar de tapas, e simplesmente parar numa praça ou parque qualquer no meio do dia, pedir um tinto de verano e ver a cidade passar… Porque essa é a melhor parte de Madrid!

Categorias: Espanha, Madrid, Passeios & Roteiros, Roteiros de Viagem, Viagens, Viagens pela Espanha
47
21
Apr
2010
Roteiro de viagem Egito
Escrito por Adriana Miller

Pra fechar a serie de posts sobre o Egito (chega, ne?), um ultimo post com umas dicas praticas, respondendo as perguntas de “quanto tempo precisa”, “oque dah pra fazer em X dias?” e afins.

Como contei antes mesmo de viajar, emendamos um feriadao e passamos um total de 10 dias no Egito (9, sendo que o ultimo dia fomos pra Jordania): 3 dias e 3 noites em Cairo; 3 dias e 3 noites em Luxor; e 3 dias e 3 noites em Sharm El Sheikh.

Os 3 dias que passamos no Cairo foram assim:

No nosso primeiro dia, fomos direto pras Piramides de Giza, porque nao adianta, e por mais que o Egito tenha outras atracoes turisticas menos lotadas, com menos picaretas e com mais cosias pra ver/fazer, Giza eh Giza e duvido voce conseguir passar um dia inteiro na cidade e nao querer dar de cara com elas. Passamos boa parte do dia por lah, ateh que passei mal de calor, quase desmaiei (o calor estava demais da conta!), e entao resolvemos que jah tinhamos conseguido tirar todas as fotos que queriamos.

Pegamos um taxi na saida em frente a Esfinge e fomos para o bairro Islamico, onde fica o mercado Arabe Kahn Al-Khalili pra passear na sombra (apesar de que o calor de matar continuava) e almocar.

Quando anoiteceu, voltamos pro Albergue e passamos o resto da noite trancados no ar condicionado!

No segundo dia, alugamos um carro com motorista (taxi, arranjado direto no albergue) e fomos passar o dia nos arredores de Cairo, nas Piramides de Dahshur e Saqqara. Ambas ficam afastadas do centro do Cairo e demoram bastante tempo pra chegar lah, entao considere o dia perdido – se der pra incluir mais alguma cosia no seu roreito, eh lucro.

No nosso caso, resolvemos arriscar e assim que voltamos pro centro de Cairo no fim da tarde, pegamos o metro e fomos pro Bairro Coptico, que jah estava quase fechando e nao deu pra ver tudo… Como a tarde estava mais fresquinha, fomos assistir o por do sol e jantar no jardim do Parque Al-Ahzar que tem uma vista panoramica da cidade da Citadela 9que aliais, nao estava nos planos, mas resolvemos incluir pq achamos linda demais).

No terceiro e ultimo dia no Cairo, a programacao inicial era acordar tarde e ir direto pro Museu Egipcio, mas acabamos acrodando bem cedo e fomos direto pra Citadela. Passamos umas horinhas da nossa manha por ah, e depois fomos direto pro Museu Egipcio do Cairo, que foi bem corrido (apenas uma tarde inteira), mas ficamos tao decepcionados, que realmente nao teria ficado masi tempo por lah.

Naquela mesma noite, pegamos o trem noturno que nos levou a Luxor.

A viagem de trem foi muito legal e bem tranquila, e apesar do atraso, ainda chegamos em Luxor cerca das 9 da manha – o plano inicial era passar 2 dias e meio em Luxor, no terceiro dia pegar um onibus ateh Hurgahda, onde no dia seguinte pegariamos um ferry para Sharm El Sheikh. Mas como os ferries foram cancelados, acabamos ficando 3 dias e 3 noites em Luxor, que foram assim:

No primeiro dia, assim que fizemos check in fomos direto pro Templo de Karnak, que fica ha uns 10 minutos do centro da cidade. Como estavamos sem guia nem grupo de excursao, pudemos passar quantas horas quisemos lah dentro, e foi bom demais. Apesar de ser um tempo enorme e o sol estava de matar (Luxor ficar mais a sul, entao estava ainda mais calor que o Cairo), ainda rolavam umas sombrinhas embaixo das colunas de pedra, e deu pra aproveitar melhor nosso tempo por lah.

Mas antes mesmo de sair do albergue nesse dia, tinha combinado um passeio de Feluca pelo Rio Nilo, que acabou sendo um passeio particular, com o barco todo soh pra gente! Depois que o sol se pos, fizemos um passeio pela Corniche de Luxor (calcadao “beira-Rio”) e jantamos num peh sujo local que tinham uma comida dos Deuses!

Nosso segundo dia fizemos um passeio pelo Vale do Reis e das Rainhas, que fica no vale do deserto nos arredores de Luxor. Inicialmente tinhamos pensado em fazer todos os passeios independente, mas nao existe transporte publico que vah praquelas bandas, e o sol estava quente demais pra fazer qualquer cosia que nao envolvesse ar condicionado! O Vale seria o tipo de lugar que eu passaria o dia todo entrando de tumba em tumba, mas como estavamos de excursao, foi tudo bem corrido, e as 2:30 da tarde jah estavamos de volta em Luxor.

Acabamos perdendo a tarde toda tentando resolver como chegariamos em Sharm El Sheikh depois que descobrimos que nosso ferry tinha sido cancelado, oque foi bem estressante, e estragou nossos planos originais de pasar a tarde/noite no templo de Luxor. Mas mesmo assim fomos jantar no restaurante Roof Top (em cima do Snack Time e ao lado do McDonalds) que tem vistas privilegiadas para o Templo de Luxor e o rio Nilo. A noite, ficamos batendo perna pelo centro da cidade e passeando no Souk.

No terceiro e ultimo dia em Luxo fomos direto pro Templo de Luxor, onde passamos boa parte do dia. Quando o calor comecou a ficar insuportavel, fomos nos esconder no Museu de Luxor, que apesar de bem pequeno (mesmo em comparacao com o Museu do Cairo) eh novissimo, super bem organizado e com um ar-condiconado congelante delicioso!

Na nossa ultima noite em Luxor, voltamos ao Templo de Luxor para ver o show de luzes a noite.

O voo para Sharm El Shiekh saiu bem cedo, e durou apenas uns 40 minutos (se isso tudo!). Chegamos no hotel bem cedo, resolvemos pedir um up grade pro All Inclusive, e passamos os dois dias seguintes sem fazer absolutamente nada!

Dois dias cansativos de cocktails na beira do Mar Vermelho, soneca na beira da Piscina, e comer ateh explodir, e snorkel com peixinhos coloridos.

Nosso nono e ultimo dia (inteiro) da viagem comecou cedissimo, as 3:30 da manha, quando comecamos a maratona de viagem ateh chegar em Petra, na Jordania, e soh acabou as 2 da manha do dia seguinte.

E voila!

Voamos de volta pra Londres direto de Sharm El Sheikh, pra nao perder tempo de viagem fazendo conexoes e afins…

Categorias: Egito, Jordania, Roteiros de Viagem, Viagens
24
24
Mar
2010
Egito e Jordânia: antes de ir
Escrito por Adriana Miller

Eu nao gosto de postar roteiros de viagem antes da viagem de fato acontecer, porque já aprendi que planos mudam, perrengues indeseados e afins que nos obrigam a mudar os planos, mas pra começar a organizar as ideia, e os posts, vou comecar uma serie de posts com detalhes sobre nossa upcoming viagem ao Egito e Jordania na semana da Pascoa.

A viagem vai durar 10 dias, e na verdade a Jordania vai entrar apenas como uma opçnao bate-e-volta, porque… bem porque nao consegui resistir, estar ali ato perto e nao dar um pulinho em Petra!

Por mais que o Egito seja considerado um lugar dificil de viajar por conta propria, nao gosto de programas e excursoes de agencias, e nem sequer achei nada que fosse similar ao que queremos fazer. Entao nossa viagem sera toda e totalmente independente. E alem disso, ainda resolvemos encarar essa viagem o MAIS barato possivel, bem mochileiros mesmo. Já que é pra ser roots, entao entramos de cabeça!

Pra começar começamos nossa passagem da British Airways ha 7 meses atras – apesar de já existirem opcoes low cost voando para o Egito (EasyJet voa para diferentes destinos na Riviera do Mar Vermelho), compramos BA atravez do site Opodo.co.uk que nos dava a flexibilidade de comprar uma pasagem multi-stop, ou seja, esse site não te obriga a comprar passagens de ida e volta a um determinado lugar. Entao conseguimos comprar a passagem de ida pro Cairo, e a pasagem de volta saindo de Sharm El Sheikh.

E decidimos comprar esse tipo de passagem , pois assim nao ficamos presos a ter que perder um dia inteiro da viagem pra voltar oa Cairo apenas pra pegar um avião. E eu queria, porque queria incluir o mar Vermelho no nosso roteiro (pois seria a unica maneira de chegar em Petra, na Jordania).

Alem disso, tivemos que desistir da ideia de fazer um cruzeiro pelo Rio Nilo – que pra mim sempre foi sinonimo de viagem no Egito – pois esse tipo de viagem tomaria muito tempo e dinheiro, e a medida que fomos pesquisando mais e mais sobre viagens independentes no Egito, mais descobrimos que poderiamos fazer basicamente os mesmos passeios, estando em terra firme.

Mas chega de ladainha, e aqui esta nosso roteiro (planejado, quando voltar, conto como ficou o roteiro final):

- Voo Londres – Cairo: Entao passaremos 3 dias e 3 noites no Cairo, hospedados no Albergue Nubian Hostel, que custou – pasmem! – 6 Libras cada um!

- Do Cairo, vamos encarar um trem noturno para Luxor – a viagem dura umas 9 horas, e compramos a opção “1ª classe”, que tem uma cabine privada, com duas caminhas, banheiro e inclui “serviço de bordo”. Viajar de trem pelo Egito é cheio de restriçoes a turistas, por causa da segurança e o trauma de ataques teroristas no passado. Por isso, hoje em dia, apenas 1 empresa é autorizada a transportar turistas em seus trens, em alguns horarios por dia. Mais informaçoes no site da empresa responsavel, Abela Sleeper Train.

- Em Luxor ficaremos mais 3 dias, hospedados no albergue Princess Hostel (que custou – pasmem! – menos de 4 Libras cada um) sendo que a ultima noite, será dormida em Hurgada, onde na manha seguinte pegamos um speed-ferry diretamente a Sharm El Sheik.

- E para ter ferias das ferias, os ultimos dias serão passados na beira da praia e scuba diving no Mar Vermelho, hoespedados no hotel Sol Sharm.

- A viagem day-trip a Petra na Jordania será feita num dos dias que estaremos em Sharm El Sheikh, oque parece um certo exagero da minha parte, mas depois de pensar, repensar e babar em fotos, eu me conheço bem e sei que me arrependeria demais se nao aproveitasse a oportunidade.

Mas como vai ser tudo meio corrido, depois de fazer muitas pesquisas sobre como chegar na Jordania, quanto custa e quanto tempo demorar, descobri a a melhor opcao mesmo é fazer tudo via agencias locais. Peguei algumas recomendações no Trip Advisor e fechamos nossa Tour com a empresa Sharm Club, que estao cuidando de tudo pra gente (teoricamente teriamos que pedir o visto pra Jordania 2 dias antes da viagem, mas nao teremos tempo pra isso, entao eles estao arranjando tudo e toda papelada em nosso nome).

E depois disso, voltaremos pra casa exaustos e com algumas milhares de fotos a mais!

Categorias: Dicas (Praticas!) de Viagem, Egito, Jordania, Roteiros de Viagem
25
20
Mar
2010
Florença e Toscana: na Pratica
Escrito por Adriana Miller

Nesse post não terei a pretensão de escrever um post completissimo sobre uma regiao tão grande e diversa quanto a Toscana. Serão apenas algumas sugestões de como se organizar e planejar pra conseguir aproveitar (um pouco do) o melhor que a regiao tem a oferecer, sem gastar muito tempo, nem muito dinheiro.

Pra começar,  a maneira mais facil, simples e barata de viajar pela Toscana é de trem! A TrenItalia, compania ferroviaria Italiana, é super eficiente, e chega a literalmente, todos os cantos do pais.

Na toscana em particular, eu arriscaria dizer que 99,9% das cidadezinhas tem uma estacao de trem. E apesar de existirem um zilhao de opcoes de lugares pra conhecer, as cidades sao relativamente bem proximas umas das outras, e dá pra chegar em quase todos os lugares que vc quer ir em menos de 1 hora de trem, gastante cerca de 5 Euros por trecho e sem se estressar com nada.

Não precisa nem se preocupar em comprar as passagens com antecipação; basta chegar na estação, ir direto na maquina self-service, comprar seu ticket, “convalidar” na maquininha amarela da plataforma e voilá! (mas por precaução, vale a pena dar uma olhadinha no site só pra ter uma ideia dos horarios, conexoes, etc).

Começando por Florença (as dicas e roteiro já estão AQUI), que eu recomendaria pelo menos uns 3 dias dedicados a cidade, e é a cidade ideal para servir de “base de exploração” pro resto da Toscana.

A cidade é relativamente pequena, e super facil de navegar, mas a recomendaçnao numero um é tentar se hospedar o mais proximo possivel do centro da cidade, ou o Centro Storico. Uma boa localização vai facilitar sua vida na hora de visitar a cidade, chegar na estaçnao de trem, achar bons restaurantes etc.

Nós ficamos hospedados no Hotel Medici, exatamente no centro da cidade e a meio quarteirao de distancia da Piazza Duomo, pagando miseros 40 Euros por noite, para um quarto uplo, com banheiro e café da manha. E pra melhorar ainda mais, como chegamos cedo e nosso quarto aidna nao estava pronto pro Check in, nos deram um “up grade” para um dos apartamentos do predio adjacente, que era um mini studio com sala, quarto e banheiro (que caberiam facilmente umas 4 ou 5 pessoas lá dentro).

A sala do nosso quarto no Hotel Medici

O quarto e o banheiro

E pra completar, o hotel ainda tem um varandão na cobertura, com uma super vista do Duomo!

A varanda da cobertura!

Nao espere luxo nem paparicos, mas por esse preço, nada compensa a localizacao, serviço e conveniencia do Hotel Medici!

Outras opções de viagens pela Toscana, usando Florença como base da viagem ou nao, sao inifnitas. Mas digamos que alguem tenha 1 semana disponivel na Toscana e quer conseguir explorar bem a regiao. Alem dos 3 ou 4 dias em Florença, minha sugestao seria:

- 1 dia em Pisa: Pisa é um dos principais cartões postais da Italia e fica a menos de 1 hora de trem de Florença. A passagem custa menos de 6 Euros, e chega bem no centro da cidade. Explorar Pisa é super facil, e sinceramente voce nao precisará mais que algumas horas.

Pisa!

- 1 dia em Siena: Siena é outra tipica cidade Toscana que fica pertinho de Florença e requer menos de 1 dia pra ser explorada. Alem da muralha medieval, Siena é sede do famoso Palio de Siena que acontece todos os anos na Piazza del Campo.

Piazza Del Campo, Siena

- 1 dia em Arezzo: Não tem nada a ver com a loja Brasileira de sapatos… mas foi a cidade-cenario do filme “La Vita é Bella” (filme de Roberto Benini, que ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro em 1997) e é cercada de viniculas de vinho Chianti por todos os lados.

Piazza Grande, no centro de Arezzo

E pra estiver com um pouco mais de tempo, nas redondezas ainda estao: Lucca, Carrara (a cidade dos marmores) e La Spezia (região onde estao as “Cinque Terre“).

Manarola, uma das 5 cidades da regiao "Cinque Terre"

Mais fotos de Pisa e Florença:

- Pisa e Florença (minha versao com centenas de fotos nao-editadas)

- Aqui (a versao consisa e selecionada do Aaron)

Categorias: Cinque Terre, Dicas (Praticas!) de Viagem, Florenca, Italia, Pisa, Roteiros de Viagem, Siena, Toscana, Viagens, Viagens pela Italia
31
18
Mar
2010
Roteiro de viagem Florença
Escrito por Adriana Miller

Florença é a capital da Toscana, e é uma cidade que consegue personificar sozinha todas as imagens que as pessoas teem sobre a Italia.

Afirmar que a cidade é um museu a ceu aberto, pode soar como um clichet, mas é a mais pura verdade. E por mais que outras cidades do mundo tentem clamar a mesma “alma” artistica, apenas Florença é de fato o berço do Renascimento, onde personagens da arte e cultura Italiana (e mundia!) como Dante, Michelangelo, Machiaveli, Boccicello, entre outros, moraram, estudaram e se desenvolveram nos genios que se tornaram.

Durante todo seculo 15 a cidade esteve sobre o dominio da familia Medici, donos de um poderoso imperio comercial e bancario, que investiam pesadamente em arte e cultura, e catapultaram Florença como uma das principais cidades mundias da epoca – investindo em pinturas, esculturas, arquitetura, Igrejas, palacios, pontes, etc. Sobrevivento até hoje como um polo cultural mundial.

Clique para ampliar o mapa.

Navegar pela cidade é bem facil – a cidade é pequena, e apesar de ser lotada de ruelas e becos dificeis de achar, a parte turistica é bem intuiva, e todos os caminhos leval ao Duomo!

A Piazza del Duomo é um otimo ponto de referencia, e as duas principais ruas da cidade começam/terminam lá: Via dei Calzaioli, para pedestres, passando pela Piazza Signoria até o rio Arno, e em paralelo a Via Roma, que passa pela Piazza Della Republica atá a Ponte Vecchio.

Transporte publico é praticamente inexistente no Centro Storico, mas é dispensavel – a cidade é proporcionalmente minuscula e dá (e deve-se!) pra fazer tudo a pé.

Entao começando o roteiro pela Cattedrale di Santa Maria del Fiori, ou o Duomo, que é o cartao postal de Florença e domina a paisagem da cidade. O Duomo é sem sombra de duvidas uma das igrejas mais bonitas do mundo, e em Firenze as pessoas se referem a ele como “a Igreja do lado do avesso”, oque é a mais pur verdade!

O interior é bem sem gracinha, mas em compensação, o exterior é tao rico de detalhes, completamente coberto por marmores brancos, verdes e rosa, e demorou 150 anos pra ser construido. Os afrescos sao de Vasari e Zuccari e os vitrais sao obra de Donatello.

Bem do lado da catedral, esta o Campanilli, a torre do sino, projetado e construido por Giotto (com 82 metros de altura).

Bem em frente esta o batisterio, o Battistero di San Giovanni, que é a construção mais antiga de Florença, e que batizou Fiorentinos ilustres, como o Dante Allighieri (o interior foi reformado alguns anos depois, e inclui mosaicos com cenas do “Inferno” de Dante (parte da Divina Comedia).

Um dos principais pontos do Battistero é a porta de Bronze, o “Portao do paraiso” (que fica bem de frente pro Duomo), projetado e construido por Lorenzo Ghiberti – que ganhou a concorrencia, aos 23 anos, mesmo estando concorrendo contra nomes como Donatello – Ele demorou 21 anos para terminar as esculturas das Portas do Battistero.

Seguindo pela Via dei Calzaioli até a Piazza della Signoria, onde esta o Palazzo Vecchio, a prefeitura de Florença e antigo palacio da familia Medici; Loggia dei Lanzi, arcos “abertos” ao lado do palacio, que parece um museu de esculturas sem portas, entre outros predios e palacios historicos convertidos em hoteis, lojas e restaurantes.

Uma das principais caracteirticas da Piazza della Signoria sao as esculturas. Muitas, por todos os lados – as mais marcantes sao a replica da escultura David de Michelangelo (o original esta no museu Academia) e a Fonte de Netuno, com esculturas originais feitas por Bartolomeo Ammannati.

Bem ao lado da entrada do Palazzo Vecchio esta a entrada do museu Palazzo degli Uffizzi, que hoje em dia é um dos principais museus de arte classica e renascentista da Europa. O nome do Palacio, significa literalmente “predio de escritorios”, pois a origem do predio era servir de “escritorio” para o Cosimo de Medici, em 1560. Ao longo dos anos, a familia Medici, alem de rechear seus palacios pessoais de obras de arte, eles tambem encheram os “escritorios” de pinturas e esculturas. A medida que a familia foi acabando, sua ultima herdeira, Maria Luisa, criou o museu em 1765, reunindo quase toda coleção e acervo pessoal da familia.

Pra quem pretende conhecer o museu (imperdivel!) a dica é pagar 4 Euros a mais pra comprar a entrada reservada/preferencial e nao ter que enfrentar fila; ou entao chegar lá BEM cedo! Nos chegamos na porta do museu menos de meia hora depois que abriam as portas, e mesmo assim esperamos quase 2 horas na fila!

As medidas de segurança sao bem estritas, e os segurança só deixam entrar cerca de 20 pessoas a cada 15 minutos… do the math…!

O museu propriamente dito é bem pequeno, quando comparamos com museus como Louvre ou o British Museum, mas é super bem organizado, com salas separadas por estilo ou artista, e esta recheado de obras originais emocionantes – pra mim a principal do Ufizzi é a “O nascimento de Venus” do Boticcelli!

A partir dos arcos de saida/entrada do Ufizzi tem a visao perfeita da Ponte Vecchio. A aponte é conhecida por ser uma das mais antigas da Europa e coberta de lojas de joias de cabo a rabo!

Originalmente a ponte era reduto dos acogueiros de Florença, que cortavam e vendiam carnes nas bancadas da ponte, e jogavam os restos no rio Arno. Porem, com o tempo o rio ficou sujo e a agua contaminada, que espalhou doenças entre a população e ecomeçou a espantar visitantes – entao o governo da epoca, pra mudar a imagem da principal ponte da cidade, decidiu que apenas joalherias poderiam vender produtos ali – oque permanece até hoje!

Ha 6 anos atras, uma das minhas areas preferidas da ponte eram onde estavam todos os cadeados, cercados de juras de amor eterno! Entao eu estava mega empolgada pra ir lá com o Aaron e deixar nosso cadeado tambem… mas pra minha surpresa, os cadeados estão terminantemente proibidos na ponte, com direito a multa de 160 Euros e policiais tomando conta da area! (aparentemente a quantidade de cadeados aumentou ridiculamente, e comecou a se espalhar por todos os cantos da ponte – entao, oque era tradição Fiorentina, virou palhaçada, danificando alguns monumentos).

A rua que segue a partir da Ponte Vecchio é a Via Per Santa Maria, e seguindo reto, cai direto na Piazza Della Republica, onde fica o Forum da cidade e o antigo mercado.

Outras atrações imperdiveis da cidade são: O Pazzo Pitti, que foi um dos principais, maior e (se nao me engano) o ultimo palacio da Familia Medici, que hoje em dia é um museu, onde se pode visitar os antigos apartamentos da familia, parte de sua antiga coleção de obras de arte, e principalmente o Giardino di Boboli (jardim das esculturas).

Galleria Della Academia é o outro museu principal de Florença, onde estão varias obras originais de Michelangelo, alem da escultura original “David” (que foi transferido da Piazza Signoria em 1873, para ser melhor preservado).

E pra mim uma das melhores areas da cidade é a Piazzale Michelangiolo, que pode-se dizer que teoricamente esta fora da cidade (mas de taxi, se chega ateh lah em menos de 5 minutos e custa 5 Euros; ou apeh, que nao vai demorar mais de 15 minutos – a partir da Ponte Vecchio).

Mas é uma pracinha, com outra replica do David (dessa vez em bronze) que tem uma vista sen-sa-ci-o-nal!

Sem sombra de duvidas, não tem lugar melhor em Florença para estar na hora do por do sol, oferencendo a vista completa da cidade, a cupula das igrejas, sinagogas e pontes do rio Arno.

Florença é uma cidade que tem muita coisa pra ver/fazer, mas ao memso tempo é bem compacta e facil de se locomover.

O ideal, pra quem quer viajar com calma, entrar nos palacios e visitar os museus, seriam pelo menos uns 3 dias em Florença. Uma viagem de fim de semana fica meio corrida, mas tambem é possivel, cortando alguns museus do seu roteiro.

Pra quem for viajar com tempo, oque nao faltam sao outras opcoes de coisas pra fazer pela cidade e arredores, pela Toscana.

Categorias: Florenca, Italia, Roteiros de Viagem, Viagens, Viagens pela Italia
26
01
Mar
2010
Roteiro de viagem Dubai
Escrito por Adriana Miller

Ainda tenho mais cosias pra escrever sobre Dubai, mas como tem sobrado ideias e faltado tempo, vou contar mais ou menos como foi nosso roteiro de viagem – oque tinhamos planejado fazer e oque acabamos tendo tempo de fazer. Oque valeu a pena, oque eh imperdivel e afins.

A Fe Costa, que mora em Dubai foi uma grande ajuda! Obrigada Fe! Por ser um lugar que nunca esteve no meu top 10 de vontade de conhecer, eu tinha pouco ideia doque realmente queria ver e fazer em Dubai. Foi uma viagem de oportunidade e fomos com tudo, mas meio perdidos.

Alem disso, tinhamos pouco tempo, apenas 5 dias (na verdade 4 dias, pois nosso voo acabou mudando pra um horario mais cedo) que sempre dizem ser mais que suficiente pra conhecer a cidade toda. Porem, ainda queriamos ter tempo de aproveitar a cidade, passar umas tardes/manhas no resort, e umas horinhas que fosse na praia e na piscina.

Na nossa programacao original, tambem tinhamos planejado ir a Abu Dhabi, que acabou nao dando certo, pois varias coisas nao sairam como tinhamos imaginado! Mas fazer, oque certo? Eu sou super perfeccionista-maniaca-compulsiva quando planejo minhas viagens, mas sei que imprevistos acontecem, e temos que nos virar do jeito que for!

Uma outra coisa que me surpreendeu bastante em Dubai foi a dificuldade de ir e vir. Na verdade eu jah imaginava que seria dificil, mas foi pior que imaginava. Tudo eh muito longe, nao existe transporte publico praticamente, e a cidade foi planejada para carros apenas. Nao existe calcada, a grande maioria das ruas (pelo menos na area turistica) sao na verdade auto estradas e voce fica muito, mas muito dependente de taxi o tempo todo.

No nosso primeiro dia, assim que chegamos no hotel tentamos pedir informacao sobre “aluguel” de um taxi – assim teriamos um carro e motorista pra nos levar pra tudo quanto eh canto o dia todo, mas ou menos como fizemos no Camboja, mas todas as pessoas para qual perguntamso sobre isso nos olharam como se fossemos loucos (apensar de que recebemos essa “recomendacao” como sendo uma cosia bem comum em Dubai). No final saiu mais barato fazer tudo autonomo, pegando taxis aqui e ali (que no geral sao bem baratos), mas era uma preocupacao a mais ter que ficar catando taxi por onde iamos.

Depois pensamos tambem em pegar algum daquelas onibus Double Decker de turismo, que daria mais ou menos no mesmo – assim poderiamos subir e descer onde queriamos e tal. Mas o tempo foi correndo e entre check in, tomar banho, pedir informacao etc, perdemos 2 horarios do onibus 9que soh passava no nosso hotel de hora em hora) e acabamos pulando num taxi e indo direto pra Deira, ver os Old Souks (e o resto voces jah sabem….). Numa cidade como Dubai, os onibus de turismo hop on hop off sao uma otima opcao!

No roteiro original, nos tinhamos planejado fazer um super-mega tour, e ver quase a cidade toda em um dia.

Entao nesse primeiro dia da viagem queriamos fazer: Overview pela cidade, conhecendo a The Palm, Atlantis, Sheik Zayed Road, Emirates Towers, old town, creek, dubai museum, old souk, madinat jumeirah.

Acabou que fizemos uma visita frustrada na regiao de Deira/Creek (old town, creek, old souk), e de lah passamos o resto da tarde no Emirates Mall e Ski Dubai, com um passeio rapido pela Sheik Zayed Road e vimos os predios da Emirates soh de longe.

Se nao tivessemos chegado por lah numa sexta feira, os problemas que tivemos teriam sido bem diferente, e acredito que essa programacao teria sido possivel sim.

No segundo dia seguinte, sabado e segundo dia da viagem, acordamos relativamente cedo e fomos direto pra ilha Palm Jumeirah e o hotel Atlantis, e na parte da tarde tinhamos reservado um safari no deserto.

Voltamos pra almocar no nosso hotel, ficamos um tempinho pelo jardim e praia e nos arrumamos pro safari. Acabamos levando um mega cha de cadeira, ligamos pra empresa, foi a maior confusao, o concierge do hotel nos ajudou, mas no fim das contas resolvemos cancelar tudo e remarcar, com outra empresa pra fazer o safari na segunda feira a noite.

Por causa disso mudamos novamente nosso planos; cancelamos a visita a Abu Dhabi (que seria na segunda feira – ultimo dia “inteiro” da viagem), pegamos um taxi e fomos direto pra praia Jumeirah e para o Hotel/Souk Madinat. Ficamos por lah ateh anoitecer e depois fomos para o Dubai Mall jantar e ver o Burj Khalifa iluminado.

Domingo era pra ter sido o dia de descansar! Meu aniversario, valentine’s day… mas depois de uma sexta feira e um sabado desastroso, onde nenhum de nossos planos deu certo, resolvemos que seria melhor nao perder tempo. Acordamos e fomos direto pra Mesquita Jumeirah e assistimos a palestra do Open Doors, Open Minds; depois de fazer o tour pela mesquita, tirar umas quantas fotos e tal, seguimos em direcao a praia Jumeirah para conseguir tirar umas fotos de perto do Burj Al Arab. Quando pensamos em ir pra casa, resolvemos dar uma ultima passadinha no Dubai Mall, almocar e tentar tirar umas fotos melhores do Burj Khalifa durante o dia.

Voltamos pro hotel e passamos o resto da tarde na praia, lendo na beira da piscina e relaxando.

A noite fomos comemorar meu aniversario no bar do Burj Al Arab, que virou madrugada a dentro!

Segunda foi nosso ultimo dia inteiro em Dubai e resolvemos nao fazer nada! Acordamos tarde, e passamos o resto do dia comendo, bebendo, indo pra praia, piscina, tirando fotos e tal. ateh que as 3:30 da tarde jah estavamos prontos pro Safari no Deserto!

Terca feira (5- e ultimo dia de viagem) ficamos um tempinho no hotel, mas preferimos chegar cedo no aeroporto e ficar passeando pelo duty free!

Ou seja, nao foi uma viagem nada corrida, mas em compensacao deixamos de ver varias coisas consideradas “must see” de Dubai. Mas ao mesmo tempo, sinto que fizemos TUDO que realmente queriamos fazer, sem necessariamente ter que ficar desesperados de um lado pro outro.

Daria pra encaixar outras cosias aqui e ali, ou entao ter feito os mesmo programas em uns 3 dias – mas para nos essa foi uma viagem relaxante, de ferias mesmo, que eh bem diferente doque normalmente fazemos.

E apesar dos pesares, foi exatamente como queriamos!

Depois volto pra falar sobre oque/como se vestir em Dubai; compras; transporte e locomocao pela cidade; recomendacao de hotel.

Tudo que eu preciso eh um pouco mais de tempo entre trabalho-casa-volta as aulas!

Categorias: Dubai, Emirados Arabes, Roteiros de Viagem, Viagens
20
26
Jan
2010
Roteiro de viagem Roma e Vaticano
Escrito por Adriana Miller

Ha uns meses tras a regiao central da Italia foi atingida por um terremoto, e os telejornais nao paravam de repetir o quao perigoso um terremoto desse (mesmo em pequena escala) era na Italia  nao soh pelos perigos obvios de um terremoto, mas tambem pela possivel destruicao historica. Assistimos um debate na TV entre um historiador e um geologista analisando as chances (altas) de Roma ser vitima de um terremoto devastador nas priximas decadas e imediatamente o Aaron se desesperou: “Oh my god! Eu nao conheco Roma!”.

Porque? Bem, porque ele odeia planejar viagens, e apesar de repetir ha anos qu queria conhecer Roma, ele nao movia um dedo, e eu (que adoro lanejar viagens) dou preferencia a viajar para lugares que ainda nao conheco. E entao fui deixando pra lá, até que uns meses tras achei umas passagens da EasyJet por 40 libras (ida e volta, incluindo taxas!) para um fim de semana em Roma! Ok? Ok! Marquei tudo e apenas tinhamos que esperar ansiosamente Janeiro e torcer para que nada destruisse Roma! Haha!

Um fim de semana definitivamente nao é suficiente pra conhecer a cidade, seja voce uma aficionado por historia como eu ou nao, mas Roma é sem duvidas uma das cidades que mais tem coisas pra ver no mundo!

E mesmo que voce mal saiba quem foi Cesar, oque fez Mussolini ou Michelangelo, é impossivel atravessar a rua em Roma sem dar de cara com um monumento, um predio historico ou alguma coisa simplesmente fenomenal (e sem duvidas, muito antiga!!).

Mas digamos que entre as centenas de coisas que tem pra fazer em Roma, a cidade definitivamente tem um Top 10 de atracoes imperdiveis, e por causa do layout de constroi-destroi e constroi por cima da historia Romana é super facil de se andar pela cidade, e focando nas coisas “principais” dá ver a cidade todinha (e até repetir!) em um par de dias!

Como as nossas “48 horas” em Roma começou num sabado de manha, entao preferimos começar o tour pelo Vaticano, para evitar a confusao da missa de Domingo (o proverbio “ir a Roma e nao ver o Papa” nao funciona muito bem pra mim…).

O Vaticano por si soh, pode virar uma viagem independente, pois apesar de ser o menor Estado do mundo (0,44 Km2!!!) é rechado com algumas das obras de arte mais preciosas do mundo e guarda (esconde?!) alguns dos maiores segredos do mndo ocidental… Para os fans de arte e historia sacra o Vaticano é o paraiso na terra (sem querer fazer trocadilhos em vão), pois alem da maior e princiapl igreja do mundo, é tambem a casa do Museu e Biblioteca do Vaticano.

Mas para o turista lugar-comum, como eu e voce (!) eu diria que uma manha dá pra ver bem os pontos principais do Vaticano. Só cuidado com a epoca do ano que voce for… no verão a cidade fica lotada e a fila pra entrar na Basilica de Sao Pedro dah voltas e voltas no quarteirao, oque por si só pode acabar ocupando toda sua manha… Alem disso, no verao, cuidado com pernas e ombros de fora!

Com fila ou sem fila, a Basilica di San Pietro é imperdivel e vale a pena a espera! A Basilica foi construida, parcialmente, com projeto de Michelangelo, e a praça em frente é obra de Bernini. Por dentro o tamanho é descomunal, um enorme espaço aberto e arejado… com uma sensação de paz enorme. E recheado de obras de arte e historia por todos os lados. Logo na entrada, ao lado direito de quem entra esta a escultura “La Pieta”, esculpida por Michelangelo aos 25 anos… A cupula tambem é aberta a visitação, por um preço extra e o porão tamebm aberto a visitação, que alem de mostrar a estrutura original da antiga Igreja e varios achados arqueologicos, é onde fica tambem a Tombei dei Papi, onde estao as tumbas de todos os antigos papas “modernos” (muitos outros estao dentro da Basilica), inlcuindo a recen contruida tumba de Joao Paulo II (na ultima vez que fui a Roma, em Janeiro de 2006, ele tinha acabo de morrer e a seção onde hoje esta seu tumulo ainda estava sendo construida).

La Pieta, de Michelangelo

De lá emendamos diratemente com o Museu do Vaticano (cuja entrada é pela lateral do muro, e demorou muito pra descobrir isso…), mas como o tempo era curto fomos direto em direção a Capela Sistina.

Porem, pra quem tem um pouquinho de tempo a mais (ou mais algumas “horas” no dia – como fomos em pleno inverno, o dia cabava bem cedo, por volta das 4 da tarde!), vale a pena passar algumas horinhas dentro do museu e passear por pelo menos algumas da areas mais populares do museu, como o Musei di Antichitá, que contem o maior numero de obras classicas do mundo, o Musei Egizio, com inumeras peças Egipcias “conficadas” pelas missoes e expansoes Cruzadas da Igreja Catolica, e alguns dos apartamentos Papais, como por exemplo a Stanze di Rafaello, que era o apartamento privado do Papa Julio II e foi todo decorado por Rafaello.

Mas a principal atração do museu é memso a Capela Sistina, que construida em 1473 é até hoje uma das areas mais importantes do complexo do Vaticano, sendo a capela escolhida para sediar o Conclave Papal, onde os Papas sao eleitos.

Lá dentro fotos sao expressamente proibidas e é TAO lotado, mais TAO lotado que voce mal consegue ver direito… mas vale a pena… é impressionante imaginar como todos aqueles paineis foram pintados a mao, oque eles significam para o mundo e quanta coisa aquela sparedes já presenciaram…

Na saida do museu, Seguimos diretamente a Via della Conciliazione até chegar na Piazza Adriana, onde fica o Castello Sant’Angelo, fortaleza construida pelo Imperador Adriano (em 138 d.c.!!!!), servindo como fortaleza Papal, prisao e palacio alem de até hoje servir como forte das joias Papais e do Vaticano.

Adoro essa plaquinha, e todas as outras espalhadas por Roma com o MEU nome! :-)

Alem do castelo ser uma atração por si só, a ponte Dei Angeli é impressionante, com 12 Anjos de marmore delineando a ponte e crizando o rio Tevere.

Cruzando a ponte para o lado leste da cidade, se torna praticamente impossivel nao dar de cara com algum monumento!

Seguimos nos perdendo pelas ruazinhas de Roma até chegarmos na Piazza Navona, composta nao apenas de inumeros cafes, restaurantes e artistas de rua, mas 3 lindas fontes construidas por Bernini e seus alunos. A central, e principal, é a Fontana dei Fiumi, e representam os 4 grandes rios do mundo: Ganges (Asia), Nilo (Africa), Danubio (Europa) e Prata (Americas). Em cada uma das pontas da praça estao as fontes Del Nettuno e Del Moro. (a fonte central estava coberta para reforma esse fim de semana, entao essas fotos sao antigonas!)

De lá o dia já estava escurecendo, entao fomos direto em direção ao Pantheon. O Pentheon é considerada a mais antiga Igreja do mundo, pois na verdade foi construida em 27 a.c. como um templo pagão a todos os Deuses. Apenas em 609 d.c. o Papa Bonifacio IV converteuo templo a uma igreja catolica dedicada a Virgem Maria, e onde foram sepultados varias personagens ilustres da historia Italiana. A Igreja é tao imponente e diferente que nao tem como nao ficar de queixo caido. O espaço circular, a maior porta de bonze do mundo e culunas, que apesar de enoooormes, foram esculpidas a partir de pedaços unicos de pedra. E a cupula, que é tao alta que parece ter apenas um buraquinho… mas na verdad a abertura central tem 9 metros de diametro!! Mas e quando chove?!? O centro do chao de marmore é levemente “curvado” bem embaixo da cupula e disfarçadamente nos desenhos do marmore do chao estao pequenos buracos que ajudam a drenar a agua!

Nesse ponto do dia, já estava escuro, mas mesmo assim seguimos em direçnao a Fontana de Trevi, que na minha opiniao é um dos lugares mais bonitos e romanticos de Roma!

O unico problema é qu na verdade a cidade cresceu de uma tal maneira em volta da praça, que acabou nao sobrando espaço nenhum pros turistas! Consequencia: a praça em frente a Fontana esta sempre, constantemente lotada de gente, e é quase impossivel comseguir uma boa foto…

Aproveitamos pra catar um restaurante pelas ruazinhas daz redondezas e entramos no primeiro lugar que achamos que nao tinha paineis de neon, num uma pizza de plastico na calçada nem um italiano irritante te tendando convencer a entrar!

Acabamos achando o L’Archetto, onde comi uma das melhores pastas que já provei na vida! No final veio a “boa” surpresa: jantar para dois, incluindo bruschetta de entrada, primo piato, vinho espumante, sobremesa e coperto (taxa de couvert cobrada na Italia como “taxa” para sentar nos restaurantes) saiu por 35 Euros! Se tivessemos ido alguns quarteiroes mais a frente, teriamos pagao, facil, pelo menos o dobro desse preço!

O dia seguinte começou cedo! Acordamos com a missao de chegar no Coliseu ANTES de sua abertura, pois a unica exigencia do Aaron para o fim de semana era conseguir entrar no Coliseu, coisa que eu nunca tinha feito, pois a fila era sempre descomunal!

Estavamos hospedados perto da estação de Termini (mais detalhes no fim do post) entao fomos andando até o Coliseu e aproveitamos para conhecer a Igreja Santa Maria Maggiore.

Mas conseguimos atingir nosso objetivo, e quando chegamos no Coliseu, 10 minutos depois da abertura das portas (as 9 da manha!) nao pegamos fila, e o melhor, o inteior estava praticamente vazio! otimo pra tirar fotos!

Depois de algumas horas lá dentro (enrrolando bastante e tirando muita foto, porque na verdade as ruinas estao em pessimo estado e nao dá pra ver ou fazer muita coisa lah dentro), seguimos em direção ao Forum Romano, que um dia já foi o centro do Imperio Romano!

Começando pelo Arco de Constantino e seguindo pela Via dei Foro Imperiali até entrar na area arqueologica do Forum. Eu sou suspeita pra falar, pois na verdade nao gosto do Forum Romano. Na verdade eu chego a sentir uma certa raiva e uma frustracao generalizada com o estado de conservação do forum. Tudo bem que hoje em dia já esta bem melhor doque estava ha 4 anos atras, mas mesmo assim, fico um pouco chateada com o descaso do local.

Eu sei que sao milhares de anos (literalmente) de construcoes e destruicoes, guerras, terremotos e afins, mas hoje em dia a area do forum mais parece uma area de deposito de pedaços de pedras e restos de colunas… Nao que eu queria (ou espere!) que alguem tente reconstruir alguma coisa, mas ainda assim acho que falta informacao e instrução sobre oque é oque, onde era oque. E pra mim, que adoro historia, é desesperante ver aquilo tudo jogado e abandonado por lá…

MAs seguindo em frente…. Do Forum fomos direto pra cima do Campidoglio, prça construida/desenhada por Michelangelo, cercado de palacios e museus nos 3 lados da Piazza, com 2 leoes Egipicos na base da escada, tambem esculpidos pro Michelangelo e uma estatua de Brinze de Marco Aurelio no centro (Seculo 2).

Descendo as escadarias do Campidoglio chegamos na Piazza Venezia e o predio-monumento Vittorio Emanuelle II, aparentemente odiado pela maioria dos Romanos.

mas na verdade essa praça é uma otima referencai turistica, e um otimo ponto de partida para roteiros pela cidade, pois ali se encontram algumas das ruas e avenidas mais importantes da cidade, como a Via dei Foro Imperiali, a Via del Corso, Via Quattro Novembre. O MOnumento foi construido pra comemorar a unificação da Italia e já foi casa oficial do Mussolini.

De fizemos o roteiro obvio pela Via del Corso, que é uma das principais ruas de Roma, e voltamos a Fontana de Trevi e Pantheon, para rever os monumentos e tirar fotos com a luz do dia (ambos ficam a alguns quarteiros da Via del Corso, nas ruazinhas laterais), mas logo seguimos nosso roteiro em direção a Piazza di Spagna, no final da Via Condotti, que é sem duvidas a rua de compras mais cara da cidade!

A Escadria da Santissima Trindade dos Montes, conhecida como escadaria Espanhola, com seus degraus disputados a tapa, e onde é o melhor lugar para descansar os pes depois de um roteiro ultra-expresso por Roma!

Nada que um Gelatto di Nocciola nao resolva…

- Detalhes Praticos:

Tanto a EasyJet quanto a Ryanair viajam de Londres a Roma, que tem dois aeroportos: O Fiumicino é o principal, e o Ciampino é ligeiramente afastado da cidade.

A Easyjet voa para os dois, mas a Ryanair viaja via Ciampino, entao leve em consideração o tempo de viagem entre o aeroporto e a cidade.

Já o Aeroporto Fiumicino é conectado a cidade por onubus e trem, com uma estcao praticamente dentro do aeroporto que em meia hora chega na estacao Termini, que é bem no centrao de Roma e perto de tudo.

Nos ficamos hospedados no albergue/pensao Scott House, a 1 quarteirao e meio da estacao! Location, location, location!

Pela bagatela de 38 Euros (com preçinho promocional pela Booking.com) ficamos numa quarto bem razoavel, com banheiro no quarto, cafe da manha e internet wi-fi gratis! (e ar condicionado no verao)

Algumas pessoas podem achar que a localizacao nao é das melhores, por ser na vizinhanca da estacao de trem, mas sinceramente nao tivemos problema nenhum. É bom ficar esperto e nao dar bobeira pros pick-pockets da cidade (nao só na estacao de trem, mas em Roma como um todo!), mas estar a poucos passos da estação de trem e poder chegar andando a todas as atrações turisticas da cidade nao tem preço!

Mais fotos de Roma AQUI.

Categorias: Italia, Roma, Roteiros de Viagem, Viagens pela Italia
79
13
Jan
2010
Roteiro de viagem no Chile
Escrito por Adriana Miller

Como disse nos posts anteriores, o Chile eh o tipo de lugar que dah vontade de passar varias semanas viajando, tamanha quantidade de coisas legais pra ver e fazer, diversidade geografica, geologica e cultural.

Opcoes que variam do deserto mais seco do mundo ao frio do Polo Sul na Patagonia Chilena. Da heranca cultural deixada pelos Espanhois em Santiago a cultura nativa das “tribos” Incas e Mapocho. Dos esportes radicais nos slopes de ski, ao puro dolce fa niente com uma taca de vinho na mao.

Mas isso nao quer dizer que soh dah pra aprovetar o Chile caso voce tenha muito tempo disponivel nas maos pra conseguir conhecer ab-so-lu-ta-men-te tudo de cabo a rabo. Na verdade, pra quem esta no Brasil, o Chile eh a opcao perfeita de viagem facil, diferente e legal, podendo ser encaixada em qualquer feriado prolongado.

O meu roteiro jah foi detalhado nos posts anteriores, mas resumidamente fizemos o seguinte:

Rio – SP – Santiago: Saindo do Rio as 6 da manha com a TAM, e chegando em Santiago ao 12. Parece longe, afinal sao 6 horas de viagem entre conexoes, troca de aviao etc. Mas como os voos saem bem cedo, na verdade chegar em Sanatiago ao meio dia ainda eh um grande lucro. mais ou menos como sair do Rio (ou qualquer outra capital) no voo das 9 e chegar em Salvador (ou qualquer outra capital – inclusive Buenos Aires) as 11 e pouco. Ou seja, o seu dia “livre” para passear nao muda muinto…

Mas enfim, com uma tarde, ou um dia inteiro em Santiago jah dah pra ver bastante coisa, como sugeri nesse post aqui. Na verdade nos tivemos 2 tardes e 4 noites em Santiago (saimos pra jantar 1 noite, e as outras 3 capotamos no hotel), e deu pra fazer tudo que queriamos, sem pressa e correria… Caso vc esteja com pressa e afim de correria, 1 ou 2 dias esta de bom tamanho, como a Claudia sugere nesse post aqui.

Nos outros dias fizemos algumas viagens day-trip pelos arredores de Santiago, toda bem bate e volta, mas que poderiam facilmente durar varios dias, caso vc queria fazer um tour mais a fundo pela regiao dos vinhedos ou esquiar, por exemplo.

Em 1 dia eh facil facil percorrer uns 2 ou 3 vinhedos por perto de Santiago (usando agencia ou alugando um carro). Nos fomos na Concha Y Toro (vale do Maipo) e na San Esteban (Vale do Aconcagua), em 2 manhas separadas, e a Fe Costa sugere outras viniculas nos arredores de Santiago nesse post aqui.

Outra sugestao de passeio bate e volta eh Valparaiso e Vina del Mar, ambas pertinho de Santiago, e sao uma boa mostra de praia do Pacifico (agua gelaaaaada!), e boa pedida pra quem quer um pouco mais de badalacao – caso vc vah pra lah na alta temporada de verao (se sua viagem for no inverno, concentre seu tempo em outras regioes do pais).

Porem, seja inverno ou verao nao deixe de fazer uma viagem a Cordilheira dos Andes! Se for inverno vale a pena passar varios dias por lah, em qualquer um dos inumeros resorts e se arriscar nos slopes. Nos arredores de Santiago existem varios, e quase todos os resorts providenciam transporte diretamente de Santiago. Os mais conhecidos por perto da capital sao Valle Nevado (como fez o Breno), Chillan e Portillo.

Mas mesmo pra quem vai fora da temporada de neve, nao perca o passeio! Mesmo se sua esticada pro Chile for rapidinha, dah pra encaixar alguma cidade dos Andes com um vinhedo, por exemplo (que foi exatamente oque fizemos: Vinhedo San Esteban de manha e Portillo de tarde).

Outra otima opcao pra quem vai pro Chile com mais tempo (entre 1 semana e 10 dias, por exemplo) eh subir pro deserto do Atacama como fez a Pri e o Vini. Nessa serie de posts aqui, eles contam como foi o passeio no deserto, que agencia usaram, a experienci de chegar ateh lah e afins.

E essa eh a ideia desse “roteiro”. Uma sugestao de viagem rapidinha saindo do Brasil (jah que um dos comentarios mais comuns aqui no blog em relacao as minhas viagens rapidinhas eh “pena que aqui no Brasil nao dah pra fazer essas cosias…”), que dah pra ser encaixada num feriado prolongado (que no Brasil tem muitos!), pagar usando milhas e com custos gerais (hospedagem, alimentacao, passeios, taxi, etc) bem mais baratos que no Brasil. Ou entao como sugestao de ferias um pouco mais prolongada, aproveitando varios dias no deserto ou esquiando nos Andes (otima sugestao pras meninas que veem parar aqui no Blog procurando opcoes de roteiros de viagem de Lua de Mel).

As agencias utilizadas e os detalhes de cada lugar/passeio estao nos posts linkados.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Andes, Chile, Dicas (Praticas!) de Viagem, Roteiros de Viagem, Santiago, Valparaiso & Vina del Mar, Viagens, Vinhedos
11
Página 1 de 212