14
Apr
2010
Sobrevivencia no Egito: Modus Operandi
Escrito por Adriana Miller

Seja uma viagem mochileira como a nossa, ou com um pouco mais de luxo, qualquer viagem independente ao Egito requer uma certa preparacao para o choque cultural.

Egito DYI

Se voce pretende ir pra lah com uma agencia e guias que te levam pra cima e pra baixo e te “protegem” do Egito real, entao esse post nao eh pra voce.

Apesar dos pesares, e dos perrengues, nao trocaria nossa viagem ao Egito por nada, nem por hotel de luxo, e muito menos por onibus com ar condicionado e guia bilingue.

Egito eh o tipo do lugar que 90% do que tem pra oferecer eh a experiencia em si, e saber se moldar a cultura local nos ensinou muito mais doque aprender sobre as dinastias e Faraos!

Entao pra quem for ao Egito, aqui estao algumas dicas do modus operandi local!

- Gorjetas, propinas, subornos e afins. Ou o Baksheesh Egipcio.

Em Arabe Egipcio a expressao baksheesh significa “gorjeta”, mas eh amplamente utilizada pra sempre que qualquer pessoa tentar tirar dinheiro de voce. Faz parte da cultura local, e todos, em qualquer situacao vao esperar que voce de um extra por fora como baksheesh.

Nao adianta negar, porque eles vao te encher o saco, e eh mais facil carregar sempre umas moedas no bolso (de facil acesso, sem ter que ficar abrindo carteira e afins) e se livrar da situacao antes de virar uma intimidacao.

Ao mesmo tempo que todo e qualquer preco seja negociavel, dificilmente o preco final acordado, sera o preco final mesmo – sempre vai rolar uma tentativa de baksheesh. A grande maioria eh inofensivo, como a gorjeta do garcon, do motorista de taxi, do guia do passeio pelos templos.

Mas eh sempre bom ficar esperto com as falcatruas.

No nosso segundo dia no Egito, contratamos um taxi no albergue, uma familia canadense tinha feito um passeio parecido e deram uma boa recomendacao. Nos negociamos um pouco o preco (afinal eramos apenas nos 2, e eles eram 5), e pronto. No dia seguinte seguimos alegreces e faceiros pra Saqqara e Dashur.

Ao chegar lah, achamos que tinhamos tirado a sorte grande, a piramide de Dashur era praticamente toda nossa! Sem vendedores chatos, grupos de turismo atrapalhando as fotos e afins como tinha sido em Gize.

Abordamos o tiozinho do camelo e demos um baksheesh pra tirar fotos do camelo (sem subir nem nada), soh pra ser gentil.

Segundos depois chegaram dois policiais (“Tourism Police” que teoricamente estavam la pra nos proteger) insistindo DEMAIS pra tirar uma foto nossa, e nos sempre dizendo que nao, pois queriamos mesmo era a foto do camelo. E os caras nao nos deixaram em paz, quase arrancando a camera da minha mao pra tirar uma foto.

Ateh que um deles, se escondeu atras da cazinha, deu uma apontada na mega metralhadora no seu ombro e fez sinal de dinheiro.

Tentamos sair andando, dizendo que nao tinhamos nada, e o segundo policial, chegou, fechando nossa passagem – ou seja, estavamos “presos”, longe do nosso motorista e longe da vista de outros turistas.

Entao eu tirei umas moedas do meu bolso e dei pro primeiro policial, que imediatamente disse que era muito pouco, e ficou apontando pra camera do Aaron! (nao no sentido de roubar a camera, e sim para enfatizar que sim, nos tinhamos dinheiro)

Entao demos mais dinheiro, e ele ainda ficou dizendo que queria mais, e que tinhamos que dar mais dinheiro pro seu colega tambem!

Eu sinceramente nao acho que eles iam atirar ou fazer nada com a gente por causa de uma gorjeta mas a situacao foi muito intimidante, ficamos mesmo apavorados, e depois desse dia nao passavamos nem perto de uma “Tourism Police” (que aliais, depois reparamos que sempre se “escondem” nos fundos dos templos, e vimos – de longe -  outros turistas passando pela mesma situacao em outros templos).

Ainda no mesmo dia, a segunda falcatrua veio do nosso motorista, que mal falava ingles, e no meio da estrada (ou seja, no meio do nada no deserto) parou no acostamento e me passou o celular: era seu “primo” dizendo que nos tinhamos enganado o motorista, pois o hotel nao disse que o passeio tambem ia incluir Dashur, que eh bem longe da cidade. Mas como agora jah tinhamos ido e voltado, tinhamos que pagar 50 libras a mais na mao do motorista.

Fiquei revoltada, e bati boca, mas a troco de que? Estavamos no meio do nada, com um motorista que mal falava Ingles e um “primo” nada simpatico no telefone. E afinal de contas, 50 libras Egipcias sao apenas 10 dolares, e nao valia apena a confusao.

Esse dia foi um estresse, apesar do passeio maravilhoso que fizemos nas piramides antigas. Mas foi um crash course sobre a corrupcao e falcatruas egipcias, e aprendemos a licao! Foi a ultima vez na viagem que fomos passados pra tras!

O pedido de Baksheesh mais estranho que tive, foi o dono de uma barraquinha de livros que perguntou se eu tinha ciclete; quando ofereci um, ele pegou o pacote todo, dizendo que os filhos iam adorar!

E todas as canetas que tinhamos perdidas em bolsos e fundo de bolsa, foram ficando pelo caminho, de “presente” pras adultos e criancas.

- Celebridade por um dia (ou  politico em epoca de eleicao)

Como ja disse em outros posts, os Egipcios nao sao nada timidos, e nao tem a menor vergonha de ficar encarando ninguem.

Depois do segundo dia, jah nem me sentia envergonhada de ter minha foto tirada no metro, enquanto esperavamos pra atravessar a rua, ou sentada num restaurante. Depois dessa viagem, definitivamente vou pensar duas vezes antes de coprar uma revista de fofoca de novo!

E alem de se sentir uma celebridade, voce ainda se sente um pouco como um politico em plena campanha eleitoral, tirando fotos com bebe remelento no colo, posando ao lado de familias e com marmanjos de abracando!

Se for um grupo de criancas entao nem se fala! Se jogam na sua frente, pedem pra voce tirar foto delas, e ficam maravilhadas com a telinha da camera! Eh bem fofo, mas chega uma hora que vc cansa de tirar fotos de velinhos, criancas e familias completas na frente do templo.

Apesar da situacao surreal, eu ficava morrendo de doh de dizer nao! No dia que fomos na Citadela, tinha uma excursao escolar visitando a mesquita e as criancinhas fizeram a festa com a gente! Mas depois de uma meia hora posando e tirando fotos, disse nao pra um grupo de meninas (com pinta de ter uns 8 anos) e elas ficaram tao tristes, mas tao tristes, que me partiu o coracao! Entao voltei atras e prometi uma foto soh! Mas obviamente logo depois mais umas 15 criancas apareceram dentro da mesquita!

- Carne de acougue

Independente das falcatruas e do status de celebridade de tabloide fajuto, por mais que o Egito seja um pais que recebe muitos turistas, ao mesmo tempo a grande maioria das pessoas que vao pra lah viajam como grupos turisticos, sempre com guias por perto. Entao dois gringos como nos peranbulando pelas ruas chamava bastante atencao.

Tentamos, na medida do possivel, ter uma experiencia autentica, fugindo de restaurantes turisticos, andando de metro ou kombi ou pegando taxi local; por mais dificil que tenha sido se virar nessas situacoes, nos poupou muito dinheiro e dor de cabeca de negociacao com gente querendo tirar vantagem.

Porque? Poque ser um extrangeiro no Egito significa que sempre, a qualquer momento alguem estara tentando te passar pra tras e tirar vantagem de alguma coisa.

Se um taxista te aborda em Ingles, pode ter certza que ele vai te cobrar o triplo do preco de uma corrida com um taxista local, idem para restaurantes ou lojas de rua.

- “Tres palavras”, a primeira silaba é…

Falar Ingles eh imprencidivel, mas ao mesmo tempo, por termos evitado ao maximo as situacoes turisticas demais, acabou que falar ou nao ingles nao fazia a menor diferenca, jah que quase ninguem nos entendia mesmo.

Entao viramos mestres da arte de fazer mimica, apontar e fazer contas com dedos.

Fizemos mimica pra pegar um taxi do centro da cidade ateh a Citadela, mimica pra pedir um kebab de frango (foi engracado demais!!) e minha performacne digna de oscar foi fazer mimica pra comprar spray pra desentupir nariz e papel higienico na farmacia!

Deu certo! Nos entenderam, e entendemos tudo!

(soh nao pode ser timido, porque fazer mimica de papel higienico nao eh nada digno… tentei ser sutil, mas nao fui compreendida, e soh quando fui o mais grafica possivel na minha mimica eh que a mocinha atras do balcao arregalou os olhos e “Ah!” puxou o pacote de papel higienico debaixo do balcao!)

- Numeros Arabes

Eu li essa dica num blog escrito por um egipcio, e resolvi imprimir uma copia da tabela soh por via das duvidas.

Mas me surpreendi com a quantidade de lugares que apenas expoem seus precos em Arabe, menu de restaurante com preco em Arabe e as plataformas da estacao de trem sao identificadas com numeros Arabes.

Nada que uma mimica nao resolva na hora de negociar o preco de qualquer cosia, mas ter uma nocao do preco “normal” dah uma grande ajuda!

- Negociar, negociar, negociar!

O preco final nunca eh o preco final, e o preco inicial tabem nunca eh o preco inicial.

Geralmente as negociacoes se limitam ao mercados “arabes”, mas no Egito a negociacao de preco acontece em TODOS os lugares!

E por isso que entender os numeros Arabes nos ajudou demais!

Por exemplo, compramos nosso jantar no kebab ao lado do albergue, e quando fomos pagar o carinha quis cobrar 6o libras por dois kebabs! Imediatamente apontei pro menu onde li que cada um deveria custar apenas 6 libras! O tiozinho se assustou que eu “entendi” o menu e imediatamente cobrou o preco normal, sem nem discutir!

E minha tecnica de negociacao era sempre vergonhosa: se me cobravam 400, eu oferecia 100, ateh conseguir negociar o preco a 200, ou ameacar sair da loja!

No souk em Luxor

As vezes a reducao inicial eh demais, e nao rola mesmo. Ai cabe a voce saber se realmente quer comprar aquela determinada coisa, e seguir pra barraquinha/loja seguinte.

O mesmo vale pra passeios turisticos, mas quase tudo tem um preco tabelado, e as agencias trabalham em clima de cartel: o preco eh sempre o mesmo, o servico e o roteiro eh sempre o mesmo.

Depois que levamos o susto em Saqqara percebemos que nao valia tanto a pena ficar batendo boca pelo preco de certas coisas.

E nunca, nunca, entre num taxi sem concordar direitinho preco antes da corrida (e de preferencia tenha o dinheiro trocado certo, ou se nao vc nunca mais vera o troco!).

- Como se vestir e se comportar

Ao contrario da viagem a Dubai, eu nao tinha visto muitas cosias pela net relativo a roupas e costumes no Egito; mas por via das duvidas e por ser um pais muculmano preferi ser o mais “recatada” possivel com meu guarda roupa.

Andar pelo Cairo era bem complicado, e realmente nao se via NINGUEM de short ou saia, ou nada que mostrasse os joelhos – homens, mulheres, turistas e afins.

Dei gracas a deus pelos meus vestidos compridos e calca jeans, mas morria esturricada de calor com uma pasmina enrrolada nos ombros o tempo todo.

Ms assim que chegavamos num lugar mais turistico (nos templos, museus e tals) a coisa fica menos restrita,  e os turistas se liberavam!

Mesmo assim eh bom sempre usar o bom senso – por respeito a cutlura e religiao local, e para seu proprio conforto.

Mesmo com vestidos compridos ateh os pes ou calca comprida, as pessoas jah te encaram e os homens dao em cima, coisa que me deixa extremanente desconfortavel (pior que o calor!), mas oque mais vi foram turistas exibidas, se achando o maximo por serem o centro das atencoes (principalmente as Russas! Muita vergonha alheia delas…). O mesmo vale para os homens, e o Aaron usou calca comprida e camisa de manga varios dias, independente do calor de 40 graus na sombra!

Jah em Luxor achei o clima mais confortavel, talvez porque a cidade nao eh tao tumultuada como o Cairo. Eles ainda te encaram, dao em cima e te abordam o tempo todo, mas a sensacao de vulnerabilidade e sufocamento-humano eh incrivelmente menor.

Entao me senti bem mais a votade pra usar bermudas por exemplo, sem achar que seria apedrejada na rua!

E alem disso, Luxor eh uma cidade que vive exclusivamente de turismo, entao alem de estarem mais acustumados a verem as turistas Russas andando de micro short com a lateral da calcinha aparecendo (serio!) e top de biquine, eles sao bem mais tolerantes, pois sabem que precisam dos turistas pra sobreviver.

Jah em Sharm El Sheikh eh puro oba-oba! De Alema de top less na praia, a Ucraniana com vestido totalmente transparente a Italianos se amassando na piscina!

Em nome do turismo, os Muculmanos fingem que nao veem – mas sinceramente, o bom senso (e bom gosto) mandou lembrancas, e por respeito a cultura alheia, eh sempre bem saber se vestir apropriadamente!

Categorias: Cairo, Egito, Luxor, Sharm El Sheikh, Viagens
47
11
Apr
2010
Templo de Luxor
Escrito por Adriana Miller

O Templo de Luxor tambem fica na margem Leste do rio Nilo, e assim como Karnak é um templo de adoração (a margem leste – onde nasce o sol – representa a vida, e a margem oeste – onde o sol se poe -  represente a morte) e nao um complexo funerario como os templos dos vales dos Reis e das Rainhas.

E alem disso, o templo fica exatamente no centro da cidade, sendo super facil achar e quase impossivel evitar o templo a qualquer hora do dia ou da noite.

Esse templo foi construido para ser um local de celebração em homenagem aos Deuses da antiga Tebes (antigo nome de Luxor) durante o festival de Opet – celebradando as primeiras cheias do Nilo em homenagem aos deuses Amun, Mut, Khonsu.

Originalmente foi construido a mando do Faraó Amenemopet, mas foi expandido por Amenhotep, Hepshepsut, Tutankamon, Rameses II e até mesmo os Romanos, como Alexandre (o grande).

Ao longo dos milenios, a cidade, que originalmente estava construida em volta do templo, começou a crescer em cima do templo, depois da queda da ultima dinastia e o fim da era de ouro dos Faraós.

As escavações arqueologicas começaram no fim do seculo 19, com o intuito de remover a cidade que tinha crescido e encoberto o templo – e ainda nao terminou!

As ultimas descobertas de peso, foram feitas na decada de 90, quando – por acaso – foram encontratas mais de 10 estatuas intactas dos Deuses de Tebes (que agora estao expostas no museu de Luxor), mas o atual governador esta determinado em reabrir a avenida que conectava os templos de Karnak e Luxor, e é cercado por esculturas de esfinges em ambos os lados.

Alem disso, ainda existe uma mesquita que foi construida usando como base uma dos santuarios do complexo, mas por ser tambem uma estrutura religiosa (e portanto igualmente sagrada) a população local nao permite sua destruição a favor das escavações -  e entao, sabe-se lá oque poderia estar ainda esquecido ali em baixo.

O templo é bem grandinho, mas realtivamente simples de andar, e com muitas colunas em formato de flor de papiro, obesliscos e estatuas em otimo estado de conservação – principalmente as estautas de Ramses II (que me parece ter sido bastante nascisita!). E bem na entrada esta o obelisco-irmão do que foi doado a França em troca do relogio que enfeita a Citadela no Cairo (o obelisco que esta na Place de la Concorde em Paris).

No fundo do templo, é possivel ver tambem parte da estrutura construida pelo imperador Romano Alexandre, que usou parte do templo de Luxor pra construir uma capela crista.

E claro a vista panaramica do Nilo!

O templo fica aberto até tarde da noite, e vale muito a pena voltar pra ver tudo iluminado!

A impressão é que estamos em outro mundo!

Categorias: Egito, Luxor, Viagens
4
09
Apr
2010
Hatshepsut & Vale dos Reis & Rainhas
Escrito por Adriana Miller

Uma das caracteristicas mais marcantes da mitologia Egipcia é culto ‘a morte, e toda preparação e esforço aplicado em garantir uma vida boa após a morte.

Para todos eles, de qualquer reles mortal ao Faraó, a vida na terra era uma fase passageira da vida eterna, e que para a maioria deles era realmente muito passageira – a expectativa media de vida era de 35/40 anos!

Eles acreditavam que o mundo dos mortos era bem parecida com a vida dos vivos, e que precisariam das mesmas coisas – de joias, a membros da familia a gado, jogos, roupa e abanador.

O grande monumento da Vale dos Reis é o templo a Hatshepsut que foi uma das unicas mulheres Faraós a reinar o Egito – quando seu marido morreu, seu filho ainda era muito jovem pra ssumir o trono, entao ela se elegeu regente, inclusive se fazendo passar por homem.

Em sua propria homenagem, ela construiu um templo onde ela seria embalsamada e mumificada. A construção levou 18 anos e o complexo foi utilizado por apenas 70 dias (periodo que demorar para mumificar um corpo), e retrata sua vida em todas as paredes.

Mas na verdade o templo que vemos hoje em dia é uma reconstrução, um quebra-cabeça montado com oque sobrou do templo depois de um terremoto – e por isso ele parece tao perfetinho. Todo andar superior é uma reconstrução, e as peças originais salvas dos escombros estao ainda sendo montadas no chao em frente ao templo, a medida que os arqueologistas vao decifrando os hieroglifos.

Hatshepsut foi enterrada no Vale dos Reis, pois governou como um Faraó, e é uma das 3 unicas mulheres por lá (que tenham sido encontradas até hoje).

Os Egipcios davam muito mais valor a vida após a morte do que seu propria dia a dia, e quase todos os grandes templos que visitamos hoje em dia no Egito são na verdade compexos funerarios. Muito pouco se sabe sobre onde e como eles moravam, e acredita-se que os Egipcios vivam em tendas de tecido, peles e madeira, e potanto nao há muitos registros sobre a “vida” além dos feitos registrados nas paredes de seus sarcofagos.

A grandiosidade e construções megalimaniacas começaram com a construção de Saqqara, que por ser em formato de escada/degraus facilitaria a viagem de subida do faraó Zoer ao paraiso. Al´m disso, quanto maior o tumulo, maior seu poder na terra, e maior sua divindade e suas chances de de sobrevivencia eterna.

A simbologia das priamides se tornou tão grande importante que passou a integrar o “Livro dos mortos” que eram os textos deixados dentro das tumbas, e que funcionavam como “manual de instruções” sobre como alcalçar o reino dos ceus.

O apogeu dese tipo de contruções foram as piramides de Gizé, que alem de serem em formato de piramide, ainda sao perfeitamente alinhadas aos raios solares, e tinham suas superficie perfeitamente lisa, reproduzindo as imagens de adoracao ao Deus Sol.

Porem, com os passar dos (milhares de ) anos, os Faraós deixaram de contruir piramides e tumbas gigantescas, pois queriam despistar os ladroes de tumulos, que alem de roubar todas as reliquias e riquezas locais, ainda disturbavam a vida dos mortos.

E assim surgiu o Vale dos Reis e das Rainhas

Na verdade o vale é um vale hoje em dia, mas quando foi descoberto, era apenas uma montanha (e ainda é) que foi (e esta sendo) escavada e ao longo das centenas de anos os tumulos foram encontrados.

Hoje em dia já foram descobertos cerca de 60 tumbas, mas existe registro de que pelo menos 200 reis/Faraós estao enterrados sob as montanhas – e portanto o trabalho arqueologico é constante.

E por isso tambem que nao é permitido fotos em lugar nenhum, nem dentro nem fora do vale, para evitar que ladroes de tumbas consigam achar qualquer coisa antes dos arqueologistas.

Ha alguns meses tras, uma nova tumba foi descoberta no Vale dos Nobres, mas as equipes ainda estao cuidadosamente escavando o local pra tentar descobrir quem esta ali.

Infelizmente quanse todas já foram encontradas vazias, saqueadas a milhares de anos atras. E é justamente por isso que a descoberta da tumba de Tutankamos em 1922 é considerada tão magnifica: o Faraó não foi nem de longe dos mais importantes, governou por poucos anos e morreu jovem, mas como seu sarcofago estava escondido embaixo de outro (e possivelmente reaproveitando espaço da tumba de seu pai, já que ele morreu antes de ter tempo de ter sua propria tumba), acabou passando despercebido, e sobreviveu 4 mil anos intacto sobre as montanhas.

Em sua tumba foi possivel entender os rituais de adoração a morte, e como eles achavam que seria a vida após a morte: seu tesouro incluia seu tronos reais, brinquedos, jogos, comida, oferendas, roupas, armas, carruagens, barcos, etc e até memo bengalas e hervas medicinais (hoje em dia sabe-se que ele morreu joven vitma de – provavelmente – hepatite, e sofria terrivelmente de artirite – aos 19 anos! – e por isso sempre é retratado sentado, enquanto que a posiçao real é geralmente de pé).

Categorias: Egito, Luxor, Viagens
12
08
Apr
2010
O Nilo
Escrito por Adriana Miller

É dificl falar do Nilo sem encher esse post de cliches: um dos unicos rios que fluem em direção norte no mundo, o mais comprido, o maior da Africa, e consequentemente a fonte de tudo que existe no Egito e provavelmente, no mundo que conhecemos hoje em dia.

Apesar de termos decidido nao fazer um cruzeiro pelo Rio, como 99.9% dos turistas que veem pra regiao de Upper Egypt (de Luxor pra baixo) fazem (existem cerca de 300 cruzeiros cadrastados que fazem o trecho Luxor-Answan diariamente!!), nao podiamos deixar de pelo menos um pequeno passeio pela area. Pode parecer exagero, mas vir ao Egitp e nao navegar no Nilo é como vir ao Egito e nao ver as piramides!

Até mesmo pra (tentar) entender um pouco de Egiptologia é impossivel evitar o Nilo, pois foi ali que tudo começou: geograficamente falando o Nilo começa nas nascentes dos grandes lagos da Africa Central, cruzando a Tanzania, Uganda, Sudão e Etiopia sendo a unica fonte de agua e nutrição.

Todos os anos, as chuvas na Africa central causam uma epoca de alagamento do Nilo, que começa em Junho (quando começa o ano novo no calendario Egipcio) e vai até Setembro, quando as aguas voltam a baixar, deixando o solo fertilizado e pronto pra plantações e colheitas.

E foi assim que todas as lendas dos Deuses Egipcios começaram, e se desenvolveram ao longo dos 3 mil anos seguintes: A Deusa Osiris que ensinou os Egipcios a cultivar a terra, como usar e entender o Nilo e como viver numa sociedade organizada. A 5 mil anos atras os Egipcios de então não sabiam de onde o Nilo vinha, e a unica explicação de como transformar deserto em terra fertil era atravez dos Deuses.

E até hoje toda a vida Egipcia se concentra ao longo do NIlo: as cidades, as estradas e as ferrovias.

No dia que fizemos esse passeio de Feluca (o barco a vela local) era feriado, o dia em que os Egipcos comemoram o inicio da primavera e da estação das cheias, entao tivemos um passeio privilegiado, assistindo vilarejo após vilarejo reverenciar o rio e comemorar nas margens.

Crianças, idosos, homens, mulheres, camelos e jumentos – todo juntos cantando e dançando na beira do Rio.

Mas o nosso objetivo principal nesse passeio de barco era presenciar o por do sol, considerado um dos melhores lugares do mundo pra ver o sol se por – e cada segundo correspondeu a nossas expectativas!

O sol, que apesar de esturricante, estava sempre escondido atras da poluição do Cairo, so mostrou perfeitamente redondinho, colorindo absolutamente tudo a nossa volta de amarelo e dourado.

A imagem das velas das Felucas só contribuiu ‘a cena, deixando cada angulo com pinta de cartao postal (e nao foi a toa que tirei centenas de fotos!

Categorias: Egito, Luxor, Viagens
21
07
Apr
2010
Pensa rápido!
Escrito por Adriana Miller

Mudanças de planos fazem parte de qualuqer viagem, ainda mais quando viajamos com o tempo e o bolso aprtado, tentando aproveitar cada segundo e fazendo tudo independentemente. É completamente diferente viajar quando você tem alguem que pensa, planeja e cuida de todos os detalhes pra voce, de quando você é a pessoa que tem que pensar em absolutamente tudo. E quando o relogio esta correndo contra suas ferias, a coisa só tende a piorar.

Pois então, hoje passamos por um aperto desses.

O plano original era ter saido hoje (dia 7) de Luxor e ir de onibus ateh Hurghada, onde amanha de manha pegariamos o speed ferry pra cruzar o Mar Vermelho.

Porque? Bem, além do fato obvio da economia de dinheiro (pegar um onibus + ferry no Egito é mais barato que aviao), mas a verdade é que achavamos que a experiencia seria legal (gostamos da voltinha que fizemos na Tailandia e resolvemos repetir a dose).

Então fiz o dever de casa e planejei e pesquisei tudo direitinho. Chegamos em Luxor e o pesoal do albergue foi super prestativo, e nos ajudaram a cuidar de tudo, já que no guichê da estação de onibus ninguem fala Ingles, e pra evitar que deixassemos pra comprar o ticket do ferry na ultima hora.

Estava tudo certissimo, até que hoje, entre um templo e outro, resolvemos dar uma passadinha no albergue, só pra garantir que estava tudo bem.

Obviamente nao estava! O carinha da agencia de viagens, avisou pro dono do albergue que os ferrys tinham sido cancelados essa semana, pois esta ventando muito e o Mar Vermelho esta agitado demais.

O detalhe é que isso nao é uma coisa que geralmente eles avisem os turistas – muita gente vai até Hurgada e acaba descobrindo que ficaram ilhados por lá!

A primeira reação foi de panico! Hotel pago em Hurgada e Sharm El Sheikh, viagem a Jordania tb reservada e paga, e já tinhamos feito check out do nosso quarto!

Nossa primeira reação foi tentar apelar pro onibus, uma viagem torturante de 15 horas, atravessando noite a dentro, cruzando todo deserto, o canal de Suez e entrando na penisula do mnte Sinai.

Essa opção, que era nossa ultima opção no momento, sairia da estação em menos de uma hora! O suficiente pra jogar tudo dentro das mochilas, e correr cidade a dentro!

Entramos na rodoviaria de Luxor já fazendo mimica e apontando pro mapa. Se o tiozinho nos entendeu ou nao, ainda nao sei, mas a conclusão da historia é que o unico onibus diario que faz essa rota já estava lotado!

O conselho entao era ir pra Hungharda assim mesmo e tentar a sorte lá. Mas como todos os ferries estavam cancelados, as chances de conseguir um onibus pra qualquer lugar eram bem poucas…

Voltamos pro albergue desesperados (nesse ponto a recepção inteira já estava tensa por nós!) e voamos pro laptop: qualquer opçnao que nao nos levasse a falencia, nem causasse cancelamento de toda nossa viagem!

Por sorte conseguimos uns dos ultimos assentos num voo que conecta Luxor a Sharm El Sheikh diretamente, em 50 min da Egypt Air. O preço estourou nosso orçamento, mas mesmo assim acabou saindo mais barato doque se tivessemos comprado esse mesmo voo ha 6 meses tras quando estava planejando toda a viagem!

Então pudemos aproveitar uma ultima noite em Luxor e amanha de manha voamos pra riviera do Mar Vermelho, onde passaremos o resto da viagem aproveitando as ferias das nossas ferias!

Categorias: Egito, Luxor, Perrengues, Sharm El Sheikh, Viagens
8
07
Apr
2010
Templo de Karnak
Escrito por Adriana Miller

Assim que chegamos em Luxor, deixamos nossas coisas no albergue e queriamos sair pra explorar a cidade. Tanto o templo de Karnak quanto o Templo de Luxor ficam bem no centrão de Luxor, entao achamos que seria mais facil começar logo por ali.

O carinha do albergue deu a dica: taxi custa 20, mas de kombi custa 1 libra Egipcia! É só ficar na beira da estrada, e quando passar 1 van/kombi é só gritar “KARRRRNAK” (carregando bastante no R); se eles estiverem indo na direçnao certa, vao parar pra voces.

Entao tá, né? Pra falar a verdade acho que nem paramos muito pra pensar na situação; paramos na esquina da rua e a primeira kombi que passou gritamos Karnak em coro. A Kombi parou e nós entramos. E só quando todos os passageiros se viraram ao mesmo tempo pra tras pra ficar nos encarando fixamente é que nos demos conta da situação… Duas meninas adolescentes sacaram seus celulares e tiraram fotos nossas, a velinha ficou olhando pra minha bermuda com cara de brava, e os marmanjos adolescentes ficavam encarando e cochichando entre si. No minimo…. interessante. Mas foi inofensivo, em menos de 10 minutos a kombi parou na porta do templo e nos custou apenas 2 libras Egipcias (menos de 50 cents de dolar para nós dois).

Mas voltando a falar do templo de Karnak, esse museu a ceu aberto é muito mais que um templo, e sim um complexo extraordinario com varios santuarios, templos, obeliscos comemorativos, etc, todos dedicados aos deuses de Tebe (Luxor antiga) e a gloria dos Faraos.

Sua principal “função” é de representar o lugar onde o Deus Amun morava na terra. Então para fazer jus a sua grandeza e importancia, tudo por lá é em escala gigantesca, e o proprio complexo é enorme, com cerca de 2 kmº de area construida, e o templo principal, o do Deus Amum é o maior edificio religioso construido pelo homen em todo mundo (caberia cerca de 10 catedrais!).

Durante 1500 anos, e toda duração das dinastias do Novo Reino, o templo de Karnak foi o principal templo religioso em todo Egito, e segundo os hiroglifos decifrados, o templo de Amum funcionava como se fosse o “Vaticano” da epoca, sendo uma das instituições mais importantes e ricas do reino, com cerca de 80 mil pessoas trabalhando para o templo, uma infinidade de terras e fazendas, gado, barcos, cidades etc. Resultado de oferendas ao deus, impostos, comercio e a adoração dos Faraós.

Mas ao mesmo tempo é um lugar bem confuso de andar. É enorme. E poe enorme nisso! A grandissima maioria da area é feita de ruinas, algumas restauradas, outras nao, algumas com informação, outras nao.

Ficamos na duvida se deveriamos ter contratado um guia ou nao, mas no final decidimos seguir as informações do nosso livro-guia, ir tentando entender as coisas por nós mesmo e ter bastante tempo de ir e voltar, fazendo oque queriamos.

Mas isso depende muito de cada um. Nós ficamos cerca de 5 horas no templo, enquanto que viamos os onibus de grupos guiadas chegando e saindo em cerca de 1 hora.

Se eles aproveitaram mais essa 1 hora doque nós, nao sei dizer, mas foi bem legal poder fazer o que queriamos sem ter que ficar seguindo o guia.

Além disso, acabamos descobrindo que dia 5 de Abril é feriado nacional no Egito, dia em que eles comemoram o inicio da primavera e da epoca das cheias, entao Karnak estava LOTADO de grupos de passeios escolares e de familias vindas de todo Egito.

Como estavamos perambulando sozinhos entre as colunas e corredores, as pessoas nao ficavam apreendidas de nos abordar, e tivemos nosso dia de celebridade! Acho que tirei fotos com uns 20 grupos diferentes de crianças, familias completas e até alguns marmanjos, que pediam permissao primeiro pro Aaron (que estava adorando a situação e tirando sarro da minha cara!) e depois vinham me cercar!

Foi muito engraçado!

Mas ao mesmo tempo é bom ficar de olho! Tem que saber diferenciar entre os curiosos e as pessoas que simplesmente nunca viram um turista na vida, e os trambiqueiros que ficam escondidos atras de cada coluna ou templo!

Os trambiqueiros tb sao inofensivos, mas vao te encher o saco, te encurralar num canto pra pedir dinheiro (levamos um suto desses em Saqqara, pra nunca mais!).

Lá no fundo do templo fica o lago artifical sagrado, que era usado para purificação e rituais de sacrificio e aoferendas aos Deuses – e de frente pra ele esta o Escaravelho que simbolizado o Deus-Sol (Amun) e é tambem o simbolo da sorte.

Quando resolvemos ir embora o sol estava pino (MUITO calor) e o templo estava semi vazio (os onibus chegam cedo e vao embora rapido), entao tivemos um tempinho que algumas partes do templo eram praticamente todas nossas!

E é impossivel nao entrar num lugar desse e nao começar questionar tudo nessa vida… quem foram eles? como construiram essas mega estruturas ha 3 mil anos atras? Oque isso tudo significa?

Entao compramos mais um livro, na esperança de saber tudo (?!) sobre o Egito antigo (e a voltande de voltar pra casa e assistir Indiana Jones, A Mumia, Cleopatra, etc?! Hahahahah).

Categorias: Egito, Luxor, Viagens
22
07
Apr
2010
Trem Noturno: Do Cairo a Luxor (e Answan)
Escrito por Adriana Miller

Desde que começei a planejar essa viagem ao Egito, uma das partes que estava me deixando mais animada com a “aventura” era pegar o trem noturno que, beirando o Nilo o templo todo, conecta Alexandria, Cairo, Luxor e Answan em algumas horas.

Infelizmente, depois dos ataques terroristas a turistas no Egito em 1999 e 2005 o governo criou uma serie de regrinhas para garantir a segurança dos visitantes e afastar os radicais religiosos (que estavam afastando a principal fonte de renda do pais!), e uma delas é a restrição ao numero de trens que permitem turistas por dia.

Entao, por mais que se possa pegar trens rapidos de uma cidade a outra livremente, para viagens mais longas que conectam destinos turisticos, hoje em dia operam trens privados, com otima infraestrutura e que sao acompanhados/protegidos pela policia o tempo todo (que eles chamam de “Convoy”).

O principal meio de transporte entre essas cidade, e unica opção de trem noturno disponivel a turistas é o Sleeper Train da empresa Abella Trains. O trem é todo “primeira classe”, com cabines privadas com ar condicionado, com camas para duas pessoas, e inclui jantar e café da manha.

Os tickets sao vendidos apenas em dolares (US$60 por pessoa) e pessoalmente na estação de trem Ramses II (a estação central do Cairo).

Todas as instrucoes e reviews que li me pareciam super complicado, pois eles só vendem pessoalmente, tem que ser compado com no minimo 24hrs de antecedencia, nao fazem reserva e esgota rapidamente.

Como nao tinhamos tempo a perder, nao estava nem um pouco gostando da ideia de ter que desperdiçar uma manha inteira (ou mais!) tentando me achar na estação, fazendo mimica pra comprar ticket, etc. Entao decobri esse site aqui com algumas reviews e indicações de agencias locais que vendem os tickts do Sleeper Train.

Ainda nao chega a ser venda on line (vc tem que fazer uma transferencia pra conta deles. Meda) e incluem tantas taxas a mais, que acaba saindo 1/3 mais caro. Mas mesmo assim, pensamos, pensamos e resolvemos que valeira o preço do tempo pra conhecer a cidade.

Entao entrei em contato com a Osiris Travel, na cara e na coragem, e foram super solicitos dando todas as informações necessarias. Entao paguei o deposito mais uma taxa de entrega e na manha seguinte a nossa chega no Cairo, recebemos nossos tickets em mao.

Uma outra coisa que estava nos deixando um pouco tensos é o fato da estaçnao central estar em obras, e varios trens estao sendo desviados para outras cidades ou bairros, mas os trens turisticos estao sendo desviados para a estação Giza (Gizé – das piramides), e depois que já estavamos lá vimos o quanto é facil! (a estação de trem fica literalmente em baixo da estção de metro).

Entao no domingo a noite, chegamos cedo, ficamos matando hora na estação e batendo papo com outros turistas, até que nosso trem chegou!

OS trens sao antigos, e longe de serem o supra suma de modernidade e conforto, mas mesmo tempo de um “Q” de charme de viagem antiga, uma coisa meio Orient Express!

Cada carro/compartimento do trem tem seu proprio comissario-ferroviario, que é quem responde suas duvidas, seve sua janta, monta sua cama, te acorda de manha e serve café da manha (todas as refeições sao incluidas no preço, menos as bebidas).

Cada cabine privada tem uma poltrona que se converte em duas camas, com travesseiro, lençol e cobertor, bandejas pras refeições, ar condicionado e luzes individuais de leitura, um mini-lavabo (com toalhas e sabonete) e compartimento para bagagens (que couberam as nossas mochilas, mas pra quem estava viajando de malona, nao sei onde colocariam as coisas… no corredor, talvez?).

O unico ponto negativo foi mesmo banheiro, que era definitivamente assustador, e quando apwrtava a “descarga”, voce praticamente ve os trilhos em baixo!

Mas a cama era bem macia e dormi que foi uma beleza!

De manha acoramos a tempo de ver o sol nascendo no Nilo, rearrumar nossas cosias, tomar café da manha e pronto! Chegamos em Luxor prontos pra outra!

Definitivamente recomendo!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Cairo, Egito, Luxor, Viagens
33