09
Apr
2014
Esqui e Aprés Ski – fazendo a mala dentro e fora das pistas
Escrito por Adriana Miller

Apesar de já ter falado sobre o que usar e como se vestir para esquiar aqui nesse post, sempre é bom relembrar. E depois das viagens de esqui que fiz esse inverno muitas meninas me pediram dicas sobre o que levar na mala para usar dentro e fora das pistas.

 - Roupas para esquiar ou fazer snowboard:

Não vou reinventar a roda, e esse meu post está bem completo – mas fiz uma check list com tudo que considero indispensável ter a mão para conseguir esquiar confortavelmente.

- Botas de esqui ou snowboard, que provavelmente serão alugadas, então na própria loja te dará tamanhos variados de acordo com o tamanho do seu pé, a grossura da sua meia e seu nível de esqui (já que a bota esta diretamente ajustada aos esquís propriamente ditos).

- Calca e casaco de material impermeável e corta vento: Tanto a calca quanto o casaco serão leves, permitindo liberdade de movimentos e te protegendo da neve/agua e vento lá em cima na montanha (as jaquetas e calcas de esquí não são necessariamente quentes, o importante mesmo eh a proteção anti agua mesmo)

- Roupas térmicas de base: meias, de preferência bem grossas e de cano alto, para proteger seus pés e canelas da bota (a mais desconfortável que você vai vestir na vida!), ceroulas ou leggings (de material próprio ara esquentar suas pernas, mas ao mesmo tempo nao reter umidade na pele); camisetas (regatas e de manga comprida) que sejam próprias para esportes e que nao retenham suor (nada pior do que a sensação de que você esta suando e molhada por baixo daqueles casacos todos), e por fim eu gosto de usar um colete de fleece, pois esquente meu tronco, mas sem limitar os movimentos do braço.

- Acessórios: luvas grossas e impermeáveis (para proteger a pele de sua mão na neve (neve “rala” que é uma beleza!) e que não fiquem molhadas), gorro ou tapa orelhas, cachecol ou protetor de pescoço (gosto daquelas “golas” de fleece, que não correm o risco de desenrolar no meio da pista (pode ate ser perigoso!) e sao quentinhas mas nao ficam “molhadas” a medida que seu pescoço for suando); óculos de sol ou óculos de esquí (o óculos de esquí eh bom para proteger os olhos e rosto quando chove ou esta nevando e ventando muito, mas a verdade eh que prefiro e “enxergo” melhor usando oculos de sol mesmo. Mas quando uso oculos de sol, sempre uso mina faixa “tapa orelha” poise la deixa as hastes do oculos bem presas atrás da orelha, para nao correr o risco de perder os oculos!). E por fim, um capacete (principalmente se voce ja eh mais avançado/corajoso ou se a condição da neve nao estiver muito boa).

A principal dica é realmente ficar de olho nos materiais da roupa e do equipamento que voce vai usar.

Por um lado o clima é frio, você vai pegar bastante vento no alto da montanha, e de uma hora para outra o tempo pode virar completamente de sol-para chuva-para neve e uma incontável variação de combinações de clima, te deixando de morrendo de calor no sol (nao esqueça que voce estará fazendo atividade física intensa o tempo todo, entao vai sentir bastante calor “por dentro” da roupa sim!), para congelado e ensopado (de neve ou chuva) em questões de segundos!

Quando estava em Bardonecchia esse ano eu postei uma foto no Instagram com tudo que estava levando comigo pras montanhas, e muita gente se assustou com a quantidade de cacarecos, e se eu ia esquiar de bolsa ou mochila.

A pesar de que mochilas sao uma opcao (para quem ja leva mais jeito nas pistas (que nao eh meu caso!), as roupas de esquí sao lotadas de bolsos e compartimentos secretos, justamente para isso – afinal voce vai ficar o dia todo por la, fazendo mil atividades e tem que estar preparado para imprevistos tambem.

Entao geralmente as calcas tem pelo menos 2 ou 4 bolsos, as jaquetas 4 ou 6 (quanto mais profissa a jaqueta, mais esconderijos elas tem!), e fora os acessorios, como gorro, coletes etc, entao eh soh ir espalhando suas coisas pelos bolsos sem preocupacao!

ATENÇÃO:  Essa lista de roupas/materiais vale tanto para mulheres, quanto para homens!

- O que vestir fora das pistas de esquí (para jantar, apres ski, etc).

Bem, o principal a ressaltar aquí eh que por mais que voce va para um resort super badalado nos Alpes, o clima eh sempre muito informal – a maioria das festas e apres ski começam direto nas pistas, e raramente as pessoas voltam pro hotel/casa para se arrumar e emperequetar antes de sair de novo.

Entao o “look” mais comum incluem calcas de esquí/snowboarding, botas de esquí (mas quase todo mundo leva uma outro par de “bota de neve”, porque as botas de esquí realmente sao muuuuuito desconfortáveis!), e tudo meio colorido/esportista…

Mas eh importante ter uma boa opcao de calcado que possa ser usado com sua roupa de esquí justamente quando voce nao estiver esquiando – pode ser simplesmente uma bota bem quentinha de solado anti-derrapante, ou aqueles sapatos/botas de trilha, por exemplo. Porque mesmo se seu hotel for ski-in/ski-out, ainda assim voce vai querer ter uma opcao confortável para usar no fim do dia.

E nas situacoes onde voce vai apenas passear pela estacao/cidade, ou voltou pro hotel antes de sair para jantar por exemplo, ou ate mesmo para quem quiser uma balada mais animada, tudo eh muito, muito informal – entao podem deixar as plumas e paetes e salto alto em casa.

Nos pés é importantíssimo sempre ter uma bota que além de quente, seja confortável e anti derrapante, pois quase todas as ruas/calcadas e caminhos por onde você vai passar estarão cobertos de neve e gelo.

E de preferência botas/sapatos de marcas e materiais que sejam proprios para ese tipo de clima e situação, pois a neve (na verdade o químico que colocam na neve para ela derreter e não virar gelo) tem um efeito destruidor em couros e sapatos mais delicados (tipo camurça, couro sem tratamento, etc).

E de resto calcas compridas (que podem ser jeans, ou sarja, ou camurca, couro, ou qual material voce prefira), blusas e pullovers quentinhos, um bom casacão (que pode ser um sobretudo mais pesadao, uma jaqueta de couro, um trench coat, ou a sua propia jaqueta de ski, se voce nao quiser carregar muita coisa na mala), e claro, acessorios (luvas, corros, cachecol).

Me pediram para usar as fotos que postei em Chamonix como exemplo – pois consegui ficar arrumadinha pras fotos (#quemnunca) mas sem passar frio!

Foi apenas uma questão de usar os materiais certos e as camadas certas!

Então nesses días em Chamonix eu estava usando (de “dentro” para fora da roupa):

*Minha meia de esquí (super grossa de lã merino e ate acima dos joelhos)

*Calca jeans (eu pessoalmente não gosto de usar meia calca por baixo de jeans – acho que o mínimo de proteção e “aquecimento” que eles vão oferecer nao compensa o nivel de desconforto, mas eh uma opcao bem pessoal. Eu O-deio, mas tem gente que nao sai de casa sem!)

*Minha bota inseparável da Ugg (acho ate que vou comprar outras cores, pois essa bota realmente é imbatível pro frio! Mas também tenho algumas botas da Timberland que sao otimas!)

(Na parte de cima do corpo)

*Regata de algodão

*Blusa térmica (manga comprida e gola alta)

*Pullover de lã de gola alta

*Colete de fleece (o mesmo que mencionei acima que gosto de usar para esquiar. Eh uma ótima dica para dar uma esquentada no corpo mas sem ficar com a roupa muito amontoada)

*Sobretudo de la (esse sobretudo é super grosso e pesado, com um forro potente, mas o corte eh impecável, então não parece ser tão grandão quanto é!)

*Gorro (usei esse de pelinho pois quería ficar com a cabeça e orelhas quentes, mas não consigo usar gorros de lã por muito tempo seguido – me dão uma coceira pinicada horrível na testa!)

*Luvas (hoje em dia nao consigo mais usar luvas que nao tenho ponteira de dedo de touch screen para usar meu celular e a câmera fotográfica sem ter que tirar as luvas!)

Ou seja, no total eu estava usando 5 camadas de roupa, mas sem ficar parecendo um bonecão do posto! :-)

E o melhor é que a medida que entravamos em lojas ou restaurantes, eu ia tirando as camadas pouco a pouco, de acordo com a temperatura e aquecimento de cada lugar, para nunca ficar desconfortável!

Já em Bardonecchia, na Itália ha umas semanas atrás, apesar da neve e temperaturas abaixo de zero a noite, durante o dia nos resorts o sol estava bem forte, levando as temperaturas na casa dos 10/15 graus, então já não precisamos de tantas camadas e materiais grossos.

Então foi bem mais fácil de planejar o que vestir foras das pistas, usando roupas mais “normais”:

*Blusa térmica de manga comprida

*Pullover de cashmere

*Jaqueta de couro

*Cachecol

*Calça jeans

*Bota (não dá pra ver na foto, mas estava usando minha bota da Timberland, sem forro, mas de ótimo couro e solado de borracha)

 

Categorias: Bardonecchia, Chamonix, Dicas (Praticas!) de Viagem, Fazendo as Malas, Viagens
4
03
Apr
2014
Kusmi Tea – para os fãns de chá!
Escrito por Adriana Miller

Eu nunca pensei que ia escrever um post sobre chás, mas quem já lê o blog a bastante tempo, sabe que eu adoro um chá, todos os seus rituais e cerimonias ao redor do mundo e estou sempre a procura de novos sabores e misturas.

E para os fans de chá como eu, o Kusmi Tea é um ícone!

A marca (e tradição) é Russa, mas eles se relocaram para Franca durante a revolução Russa e se estabeleceram como produtores de chás finos e com blends raros (principalmente para a época).

Hoje em dia, eles são famosos principalmente por causa de suas embalagens foférrimas (sonho: um cozinha toda branca com uma prateleira inteira decorada com as latas dos chás Kusmi!) e seus sabores “diferentes”.

Os chás Kusmi estão a venda no mundo todo, sempre em lojas especializadas ou delicatessen (em Londres é possivel encontra-los no food hall da Harrods, por exemplo), mas em Paris faço a festa!

Só em Paris são 13 lojas/pontos de venda, mas uma que vale a pena a visita fica na Avenue de L’Opera (que também já falei sobre aqui nesse post), pois além de vender todos os tipos de chás, eles ainda tem um cofee shop lá dentro, então antes de decidir qual sabor você quer comprar, você pode escolher qualquer sabor pra tomar na hora e levar pra ir tomando pela rua (3€ por um copão de quase 500ml!!), e de quebra ainda comer uns croissants ou bolinhos madeleine de lá mesmo (ou dar uma passadinha na Pierre Herme para comer macaroons, que foi minha escolha!).

E foi assim que descobri um dos novos sabores desenvolvidos: “Boost“, a base de chá verde, mas com aroma de laranja e especiarias (cravo, canela, e afins), que fiquei viciada, e além de passar lá todos os dias pra tomar meu chazinho de manha e de tarde (antes de depois do trabalho!), e também comprei o “Kashmir Tchai” (meu “sabor” preferido de chá é sempre o Chai!), e o “Detox” (uma das marcas registradas do Kusmi) que eh super refrescante (quente ou gelado).

Kusmi Tea

Avenue de L’Opera, 33 – Paris

 

Categorias: França, Lojas & Compras, Paris, Restaurantes & Cafes, Viagens
11
02
Apr
2014
Paris: La Maison de la Truffe
Escrito por Adriana Miller

Outro restaurante imperdível em Paris é o “Maison de la Truffe”, que como o nome denuncia, se especializa em pratos “enriquecidos” com trufas!

São dois endereços em Paris, mas o original e histórico fica numa portinha escondida na praça da igreja Madelleine.

O menu é bem eclético, com muitas opcoes de massas, carnes, peixes e saladas, mas todos tem 3 opcoes a escolher: “normal” (sem trufa), com trufas brancas ou trufas negras.

Uma das meninas do escritório que estava comigo nunca tinha comido trufas, e foi difícil explicar o efeito que elas tem na comida: seria como explicar “o que eh alho?” – você ate pode explicar o que de fato é um alho, mas é difícil explicar o efeito aromático, no sabor e no tempero das comidas que eles tem!

P.S. Trufas sao fungos “subterraneos”, encontrados enterrados no solo e sao rarissimas, geralmente provenientes do norte da Italia ou sudeste da França. A colheita é feita atravez de caes ou porcos de olfato treinados, e sao encontradas a cerca de 20 a 40 centimetros da superficie. O aroma e sabor das trufas são super potentes, e basta um pouquinho pra ja transformar um prato, e isso somado a sua raridade e dificuldade de cultivo, faz com que as trufas (tanto as brancas quanto as negras) sejam comodities culinarias rarissimas, e geralmente sao ingredientes caríssimos.

Mas realmente é incrível como qualquer prato se transforma com umas (poucas) lascas de trufas por cima, ou com um pouco de azeite ou manteiga trufado… o tempero e aroma fica incrível!!

E é justamente esse um dos principais atrativos da Maison de la Truffe em Paris: mesmo que não puder almoçar/jantar por la, pode passar na lojinha e fazer um estoque de produtos! (ótima opção de lembrancinhas e presentes de Paris! E eles também estão a venda no free shop do aeroporto Roissy Charles de Gaulle, com um (pequeno) desconto).

La Maison de la Truffe

19 Place de la Madeleine, Paris

+33 1 42 65 53 22

 

Categorias: França, Paris, Restaurantes & Cafes, Viagens
7
01
Apr
2014
Paris: 9º Arrondissement – Opera Garnier, Saint Honore e arredores
Escrito por Adriana Miller

Apesar de que Paris é uma cidade muito fácil de ser “navegada” e fazer muita coisa a pé, assim como em qualquer outra grande metrópole, o local de sua hospedagem influencia bastante sua viagem.

Então dessa vez eu fiquei mais uma vez hospedada da região da Opera Garnier, que eh super central, bonitinha e “funcional”, com facílimo acesso as áreas turísticas da cidade, mas também boas conexões de transporte publico, e muitas opcoes de lojinhas, restaurantes, cafés, supermercados e afins.

Toda essa região do “9 Arrondissement” eh uma ótima opção de hospedagem e passeios, sendo uma ótima opção de “passeio” por si própria, com algumas das melhoras ruas de compras da cidade, algumas das melhores e maiores lojas de departamento, muitos opcoes de hotéis pra todos os bolsos e muitas atrações turísticas!

- Hotéis:

Nessa ultima viagem eu fiquei hospedada no Hotel Musee du Louvre, que faz parte do grupo Hyatt, e como o nome indica, fica aos pés do museu do Louvre, com uma localização imbatível, exatamente no comecinho da Avenida Opera, e nas esquinas da Rue de Saint Honore e Rue de Rivoli!

O hotel fica num prédio histórico e imponente, e os quartos são bem no estilo “palácio” Parisiense! A infraestrutura não é de impressionar não, mas achei tudo bem confortável e bem imponente, e os serviços ótimos (sou dessas que acha que na França tudo eh mais bonito quando tem pinta de palácio da Marie Antoinette!)

Como me hospedei por lá bem na época da semana de moda de Paris, o bar do térreo do hotel estava sempre lotaaaado de fashionistas e a happy hour era bem animada (a entrada do hotel fica praticamente em frente ao “Carrossel du Louvre”, onde acontecem vários desfiles, e ainda tinham alguns showrooms no hotel).

Outro hotel que já me hospedei na area, no lado oposto da Avenue de L’Opera, é o Hotel W Paris, também ótima opção,  com um estilo totalmente diferente!

- Restaurantes:

O bom de se hospedar por ali no Hotel du Louvre, eh que ele fica praticamente na esquina entre a Rue du Rivoli, Rue de Saint Honore e a Avenue de L’Opera, onde praticamente temos um café/restaurante do lado do outro, dos mais simples aos mais sofisticados e badalados da cidade, quase sempre a poucos passos de distancia.

Durante essa estadia em Paris, conheci o Le Grand Colbert, mas uma outra ótima opção também ali por perto eh o Hotel des Costes (principalmente na primavera/verão, quando o pátio interno esta aberto), e para o café da manha, lanche ou chá da tarde, o Cafe Angelina também é imperdível!

Entre as opcoes mais informais, subindo a Avenue de L’Opera outros dois endereços imperdíveis são os macaroons do Pierre Herme (que foi eleito um dos melhores da Franca! Fuja da fila de turistas na Laduree!) e os chás Kusmi!

- Lojas e Compras:

Seja qual for seu estilo e orçamento, não tem como errar nesse quadrilatero da moda Parisiense!

Se dinheiro não for problema, não pense duas vezes e vá direto para a Rue de Saint Honore! La estão TO-DAS as principais maisons da moda Francesa e internacional, incluindo as flagships da Balenciaga e Chanel, alem de enderecos raros e exclusivos como a Goyard ou a super multi-marcas Colette.

Ja a Rue de Rivoli é endereço de marcas mais “gente como a gente”, com varias fast fashion uma do lado da outra, e todas (um pouco) menos lotadas do que as vizinhas da Champs Elysees.

Por la você encontra as “internacionais” Zara e H&M, por exemplo, mas também lojas Francesas como a Promod (vale a pena a visita, a Promod eh a H&M made in Farnce), além de muuuuuuitas lojas de quinquilharias e souvenirs!

A Avenue de L’Opera ja tem um perfil bem diferente, reunindo algumas das principais lojas de departamento Francesas, como a icônica Gallerie Lafayette (vale a visita nem que seja so pra ver aquela cúpula de vitrais coloridos!) e a Printemps.

E logo na esquina estao tambem a loja flagship Francesa da Apple, uma mega Uniqlo (aquela marca Japonesa que faz roupas termicas e tecnologicas otimas) e uma Sephora bem grandinha, e relativamente vazia (nao eh tao gigante quanto a Sephora da Champs Elysees, mas em compensacao nao eh tao lotada!).

Outros achados na Avenue de L’Opera eh a farmacia/loja de beleza “Parashop” que eh impressionantemente bem abastecida e tem TODAS as marcas Francesas de farmacia mais incriveis, e muito bem abastecida! Fiquei horas la dentro!

E para as maes e pais de plantao, eu adorei conhecer a loja da marca Francesa Beaba, que faz produtos e acessorios para criancas e bebes de design super fofo e mega funconais e eficientes!

Eu ja conhecia seu produto carro-chefe, o “Babycook” que uso praticamente diariamente com a Isabella, mas eles tem uma infinidade de produtos incríveis, e da vontade de refazer todo enxoval e só comprar produtos Béaba!

Outra “atração” de compras (e passeio turístico também!) ali na area eh a Galerie Vivienne (na mesma rua que o Le Grand Colbert! Duas tacadas em uma!), uma galeria histórica, escondidinha entre o Palais Royal e a Avenue de L’Opera, e é como cruzar um museu – com seus arcos de pé direito alto e as cúpulas de vitrais no teto (me lembrou bastante a Leadenhal Market em Londres!).

Ou seja, dali eu conseguia chegar facílimo a qualquer canto da cidade, mas principalmente nessa região mais “noroeste” da cidade, no “River Droite” (lado direito do rio Senna), inclusive Montmatre e o Marais.

Então aproveitei bastante a posição privilegiada pra explorar o “bairro”, tendo tanto a Avenue de L’Opera quanto a Rue de Saint Honore como base, facilitando o acesso ao Palais Royal, Museu do Louvre, Opera Garnier, Place Vendome, a Igreja Madelleine, Hotel de Ville etc.

 

Categorias: França, Hoteis, Lojas & Compras, Paris, Roteiros & Passeios, Viagens
4
25
Mar
2014
Paris: Le Grand Colbert
Escrito por Adriana Miller

Nessa ultima viagem a Paris eu fiquei hospedad na regiao da Opera Garnier (otima por sinal, depois falo mais sobre o hotel que fiquei e os arredores), e no domingo a noite, quando o resto do pessoal do trabalho chegou em Paris, pedimos pro concierge do hotel nos indicar um bom “bistro” ali por perto.

20140325-115516.jpg

Podia ate ser super turistico e “caricato”, nao nos importamos, mas queriamos algum lugar bem “Parisiense” – decoracao fofa, comida tipica e boa, e que nao fosse muito longe do hotel (o clima esta uma delicia e preferimos andar).

20140325-115354.jpg

A dica entao foi o bistro “Le Grand Colbert“, bem ali pertinho, e que foi a sugestao perfeita para nosso “desejo” de uma noite Parisiense.

20140325-115444.jpg

Por dentro ele parece mesmo que parou no tempo, com a decoracao interior que parece nao ter sido modificada em nada, desde que abriu suas portas pela primeira vez na decada de 30 – o chao de azulejo, os lustres enormes, os vitrais e o enorme bar de madeira macica.

20140325-115610.jpg

No menu, opcoes tao tipicamente Francesas que chegam a beirar um cliche gastronomico – entao pra entrar no clima eu pedi sopa de cebola gratinada de entrada e carne com batatas fritas (steak et frites) de prato principal. Sobremesa? Creme brulee, claro!

20140325-115502.jpg

Eu postei uma foto de la ainda enquanto estavamos jantando e uma leitora comentou no INstagram que esse eh o restaurante que aparece no filme “Something’s gotta Give” com a Diane Keaton e Jack Nicholson (que infelizmente eu nao assisti) e realmente comecei a notar que eles tinham varias referencias sobre o filme espalhados nos cantos…

20140325-115549.jpg

Entao, para os fans do filme, um motivo a mais pra visitar o Le Grand Colbert!

Le Grand Colbert

2 Rue Vivienne, 75002 Paris, France

+33 1 42 86 87 88

O restaurante eh bastante lotado nos fins de semana, e portanto eh imperativo fazer reserva com antecedencia (principalmente pra jantar), mas ele nao aceitam reservas por e-mail nem pela internet, apenas por telefone. Eu achei que o nivel de Ingles era bem bom, mas se voce nao se garante no Frances nem no Ingles, peca pro concierge ou recepcao do seu hotel em Paris reservar pra voce!

Categorias: França, Paris, Restaurantes & Cafes, Viagens
12
20
Mar
2014
Paris: La Defense
Escrito por Adriana Miller

Sempre que eu vou a Paris, aproveito para tentar conhecer um pouco mais as diferentes regioes e bairros da cidade.

Paris

As vezes eh uma revisita a alguma bairro preferido, ou exploro os arredores de onde estou hospedada, ou se por acaso estiver trabalhando am algum bairro diferente.

Entao nessa ultima viagem tive uma reuniao no bairro futurista La Defense. Eu ja tinha passado por la outra vezes, em outras reunioes com essa mesma empresa, mas dessa vez aproveitei que tive tempo livre no domingo e fui ate la simplesmente para passear.20140320-153206.jpg

Minha principal comparacao seria que a La Defense esta para Paris, como Canary Wharf esta para Londres – sao bairros modernos e planejados, com foco muito mais pro business do que pro turistico, mas que aos poucos foram tomando conta da paisagem da cidade, foram crescendo e criando “personalidade”!

20140320-153055.jpg

A construcao e desenvolvimento da La Defense comecou nos anos 50, tendo como principal objetico desenvolver o lado noroeste da cidade, aproveitando as avenidas e ruas que completam os axis que conectam diferentes “arrondissements” da cidade com o Arco do Triunfo.

20140320-153114.jpg

A Avenida de la Defense se estica em linha reta, perfeitamente projetada, para espelhar o historico Arco do Triunfo, e entao nao eh surpresa que seu principal atrativo 0 e simbolo – eh o “Grand Arche”, uma construcao moderna e enorme, em formato de arco retangular que se encaixa perfeitamente nos angulos do Arco do Triunfo.

Esteja voce de um lado ou do outro da cidade, eh impossivel ignorar a simetria perfeita entre as duas areas, que nada mais eh do que um detalhe que une esses dois lados tao opostos de Paris.

20140320-153306.jpg

Uma visita a La Defense vale a pena nem que seja soh por isso, para ver essa imagem futuristica de uma Paris moderna – com a vista da Paris “tradicional” perfeitamente encaixada a distancia.

20140320-153337.jpg

Uma vez la, pouco mais temos pra conhecer ou visitar do que a praca central (onde esta o Arco, e de onde se tem a vista do centro historico da cidade la do outro lado da avenida), ja que a La Defense eh cercada de predios espelhados e torres empresariais de arquitetura moderna.

20140320-153149.jpg

Mas ao redor da praca, existem 3 shoppings, com muitas opcoes de restaurantes e lojas (praticamente as mesmas que voce encontraria no centro de Paris), que sao uma boa opcao para quem quiser explorar as araras sem ter que enfrentar multidoes de turistas, araras baguncadas e estoques desfalcados…

20140320-153226.jpg

A La Defense tambem eh uma boa opcao de hospedagem para quem for a Paris nos fins de semana – como o bairro so fica cheio de segunda a sexta (pois tem um perfil praticamente 100% business), quase todos os hoteis de redes internacionais tem filiais por la, porem ficam quase sempre vazios nos ins de semana, e portanto oferecendo muitas otimas promocoes e precos.

20140320-153236.jpg

Pra chegar la eh super facil – a mesma linha de metro 1que conecta o Louvre (Estacoes Rue de Rivoli e Concorde) ao Arco do Triunfo, segue ate o final da linha para La Defense, sendo que o ponto final da linha eh a estacao bem embaixo do Arco. A viagem de metro entre os dois pontos da cidade nao demora mais que 15/20 minutos, e eh muito facil!

Categorias: França, Paris, Roteiros & Passeios, Viagens
12
04
Mar
2014
Paris ao vivo!
Escrito por Adriana Miller

Essa semana estive uns dias em Paris a trabalho, e já que tinha que estar lá cedinho na segunda-feira, aproveitei pra ir no domingo de manha e ter um dia livre por lá!

20140304-210155.jpg

A viagem foi meio enrolada, e entre vários cancelamentos e remarcações em cima da hora, acabou não dando pra emendar o fim de semana com a familia toda… Mas consegui aproveitar assim mesmo!

20140304-210358.jpg

No domingo, quando cheguei, dei bastante sorte com o clima – apesar de que esse inverno não tem sido muito frio, a chuva esta impiedosa e com muitas áreas no Sul da Inglaterra e Norte da França se do inundadas, a Paris tem sido particularmente chuvosa ultimamente…

20140304-210556.jpg

Mas São Pedro deve ter adivinhado que eu só tinha um diazinho livre, e tão peguei um dia lindo e ensolarado!

20140304-210716.jpg

Aproveitei pra rever a cidade sem rumo, e explorar áreas que ainda não conhecia muito bem…

20140304-210832.jpg

E como sempre, comi e bebi bem demais!
Ainda bem que em Paris não paro de andar nem um segundo, por muitas horas a fio, porque a ingestão de calorias sempre é descomunal!

20140304-211034.jpg

20140304-211047.jpg

Na segunda-feira ainda consegui dar uma escapadinha no fim do dia e passear mais um pouco – bem a tempo do temporal quem pegou pelo caminho…

20140304-211210.jpg

20140304-211233.jpg

Mas que em compensação gerou paisagens e fotos incríveis!!!

(Que me acompanha no Instagram ou Facebook sofreram um certo flood, mas faz parte!)

20140304-211401.jpg

20140304-211411.jpg

Mas é sempre uma pena ter que gastar tanto tempo em Paris trabalhando :-)

20140304-211539.jpg

20140304-211546.jpg

E meu tempo por lá sempre acaba rápido demais!

Categorias: França, Paris, Viagens
28
11
Feb
2014
Chamonix: Restaurantes, Hotel, bares e Aprés Ski
Escrito por Adriana Miller

Para fechar a serie de dicas de viagem para Chamonix, aqui estao minhas dicas de restaurantes e bares e o hotel/flat onde nos hospedamos!

- Hotel: Pierre & Vacance Le Riviere

Esse hotel foi um achado! Uma construção novinha exatamente na beira do rio, no lado sul de Chamonix (Chamonix Sud) bem no centro da cidade!

O preco ótimo, e o quarto, um studio que cabem confortavelmente 4 adultos e de quebra uma cozinha bem equipada (ultimamente tenho preferido hoteis nesse estilo, pois eh bem mais pratico com crianca pequena).

Na verdade eles estao mais pra apartamento de temporada do que apart hotel, apesar de oferecerem alguns servicos extras de hotel, como cafe da manha, aluguel de equipamento de esqui, venda de Ski Pass (para os telefericos) e uma mini agencia de viagens que ajuda a organizar passeios de raquete de neve com guia e o que mais voce precisar.

Um outro servico legal que eles oferecem eh o concirege de supermercado (nos nao usamos, mas deve ser uma boa pra quem for ficar masi tempo) – eh soh confirmar com antecedencia o que voce quer que eles comprem pra abastecer a cozinha de seu flat e eles se encarregam de tudo, e assim o apartamento ja estara prontinho te esperando na hora do check in! (so disponivel na alta temporada de inverno).

Mas pra quem nao quiser ou nao precisar (nos passamos apenas 3 dias e 3 noites, entao foi desnecessario), tem um mercadinho Spar a menos de um quarteirao de distancia!

O nosso flat era bem pequeno (reservamos um Studio bem antes de saber que a mae do Aaron estaria conosco, entao ficou apertado, mas ainda assim tinhamos 4 camas e um bercinho extra pra Isabella), mas eles tambem tem apartamentos de 1 ou 2 quartos para grupos ou familias maiores.

Mas o melhor mesmo era a vista do nosso Studio!!

 Por estar bem na beirinha do rio, no lado sul do centro de Chamonix, tinhamos a vista privilegiada do centro da cidade, com as montanhas e slopes ao fundo!

 

Restaurantes:

- La Caleche

Nosso primeiro jantar na cidade foi um clichesão: mas com tantos leitores e amigos nos recomendando o mesmo lugar, nao podiamos deixar passar!

12391615593_a274b08434

O La Caleche fica bem no meio da rua principal de Chamonix, numa casinha “Alpina” que domina o quarteirao. De cara voce se sente sendo transportado para um universo paralelo invernal-Alpino-Natalino por causa de sua decoracao de chalet vintage super fofo (e ultra kirtch!).

12391469035_dd1876aa90

No menu, as principais atracoes sao os fondues e racletes e as carnes curadas e embutidos, entao nem pensamos muito e fomos com tudo no fondue de queijo para 3 pessoas (e meia pessoainha!)!

Ate entao eu achava que o melhor fondue do mundo estava em Genebra, mas o La Caleche se superou: o queijo era saboroso na medida certa, sem ser muito forte nem potente (por tem quns que nao consigo nem sentir o cheio de tao pesados que sao!) e muito cremoso e puxa-puxa! A gente tinha que ficar enrolando o pao varias vezes pra nao sair escorrendo queijo derretido pela mesa toda! #salivando

De acompanhamento vieram paes, batatas cozinhas (inteiras, com casca e tudo e foram per-fei-tas com o quiejo!) e embutidos, numa combinacao perfeita de texturas e sabores.

Ate a Isabella se deliciou e aprovou!

Aliais, eles foram super simpaticos e atenciosos com ela, e quando fiz a reserva (tem que reservar!) avisei que seriamos 3 adultos e um bebe, e nossa mesa ja estava nos esperando com um cadeirao pra ela, copo, prato e talheres de plastico, pra ela poder participar do jantar!

E mesmo quem nao quiser comer fondue (bem, na verdade o que nao faltam sao opcoes no cardapio!) vale a pena conhecer o La Caleche nem que seja so por curiosidade – um dos donos originais do restaurante foi campeao de esqui na equipe Olimpica de inverno da Franca, e colecionava artigos vintage de montanhismo e esqui, que hoje decoram cada centimetro de parede e teto do restaurante (nos brincamos a o La Caleche esta para os Alpes como o Joe’s Beerhaus esta para a savana Africana!).

- L’Atmosphere

Outro restaurante que muitos amigos recomendaram, e mais uma vez nao decepcionou foi o L’Atmosphere – uma culinaria Alpina um pouco mais elaborada e sofisticada, que rendeu uma estrela Michelin ao local (o unico de Chamonix).

Tambem super bem localizado (praticamente em frete ao La Caleche), o restaurante se estende numa varanda que “flutua” por cima do rio (e que tambem eh a area mais requisitada do restaurante!).

Mas o que mais impressionou mesmo foram os precos: super dignos e justos, principalmente para padrao Franca + Alpes no inverno!

Alem do menu a la carte, eles tambem tem duas opcoes de “formule” por dia (tipo um menu do dia) que custam 28 e 32 Euros por pessoa e incluem entrada, prato principal e sobremesa – a comida estava incrivel, e como fomos so nos dois acabamos nos empolgando e gastamos mais com bebidas do que o jantar todo!

- Rue Aiguille du Midi

Para almoçar, acabamos voltando todos os dias para a Rue Anguille du Midi, uma das transversais do centro da cidade, que eh cheia de restaurantes simpaticos e baratinhos, um do lado do outro, com opcoes de sanduiches, omeleteles, saladas, pizzas, alem de uma padaria, uma pastelaria e um mini mercadinho, e ficava exatamente na rua que separava nosso hotel do centro da cidade, entao a localizacao foi perfeita!

 

- Bares e Aprés Ski

A vida noturna de Chamonix foi uma grandíssima decepção nessa viagem!

A cidade é super família/casal, com excelentes opcoes de restaurantes, mas péssima para casais jovens ou grupos de amigos(as) solteiros(as)!

Apesar de ter vários bares espalhados na ruazinha principal da cidade, além de alguns outros bares e cafés espalhados pelas pistas de esqui (que vendem bebidas alcoólicas e fazem umas festinhas ao longo do dia na alta temporada), a cidade morre cedo e as ruas ficam desertas!

Logo na nossa primeira noite, colocamos a Isabella pra dormir depois do jantar e fomos direto pra rua principal da cidade, demos uma voltinha e de cara achamos tudo muito vazio, mas achamos um bar razoável (no bar “Irish Cofee”), entramos e fizemos nosso pedido. Assim que nos serviu, a garçonete avisou que aquela era a ultima rodada da noite, pois eles fechavam as 9:30 (?!?!?!).

OI?!

Então descobrimos que o único bar aprés ski que ficava aberto ate mais tarde (meia noite) era o pub “Le Pub”, que obviamente estava lotado e animadíssimo, então conseguimos salvar a noite (e na noite seguimos já fomos direto pra lá!) e nos divertimos bastante, mas não deixou de ser uma decepção em comparação com cidades como Kitzbuehl ou a fama de festeira dos resorts da Áustria (que realmente levam a fama de terem as pistas mais animadas da Europa)!

E isso porque estávamos por lá num fim de semana no auge da alta temporada!

Então achei Chamonix uma ótima opção pra quem quer fazer turismo e ter uma boa experiência “Alpina” (com ou sem esqui), e principalmente para famílias ou casais no esquema romance-lareira-dormir cedo.

Mas definitivamente não recomendaria para grupos de amigos nem pra ninguém mais que queira uma experiência mais completa antes e depois das pistas!

 

Categorias: Chamonix, França, Viagens
13
10
Feb
2014
Chamonix: Opcoes e alternativas para quem nao sabe (ou nao quer!) esquiar – Raquetes de neve, trilhas e montanhismo!
Escrito por Adriana Miller

Como comentei no outro post, por mais que tenha adorado Chamonix, eu achei o esquema de esqui por lá péssimo, o que nos desanimou demais de esquiar.

12384367915_5795e61a6d

Sim, a cidade é linda, uma gracinha e é considerada um dos mais famosos resorts de esqui da Europa (e do mundo), mas por outro lado a cidade é grande, as pistas e os teleféricos ficam muito afastados (do centro da cidade, dos hotéis e uns dos outros) o que faz com que a “mão de obra” do esqui seja bem chato.

12384381235_6b5e554b10

Porque a verdade seja dita: esqui é um esporte/atividade linda e super divertida, mas também muito difícil! E nem to falando do ato de descer a montanha se equilibrando nos esquis ou snowboard não – me refiro a toda manutenção envolvida na atividade.

12384616124_c11401c3ec

Pra começar que as botas são muito desconfortáveis! Sim, elas são assim para garantir que seu pé/tornozelo/perna fique estável e segura durante a descida das pistas e em caso de queda, mas é dificílimo e muito desconfortável andar “no chão” usando suas botas. E pra completar você ainda tem que carregar os esquis, que são pesados e sem jeito (pesados, compridos, são 2, que ficam se esbarrando e “enganchando” no meio – onde encaixa as botas – etc), e isso tudo sem conseguir se equilibrar direito, com vento/frio/neve, usando luvas grossas, capacete, etc, etc.

12384482823_56c20452fb

Moral da historia, pra conseguir curtir mesmo o esqui, e apenas o esqui, tudo a sua volta tem que ser muito pratico e fácil!

E em Chamonix NADA é pratico!

Ao contrario de resorts como Kitzbuhel na Áustria, ou Vail e Keystone nos EUA, as gôndolas e teleféricos de Chamonix não ficam no centro da cidade, onde estão os hotéis e onde a maioria dos turistas se hospedam. Resultado? Ou você se hospeda longe da cidade e fica “ilhado”, ou você acaba ficando refém de carro ou ônibus.

Tudo bem que a cidade tem uma rede ótima de ônibus – gratuitos – que conectam o centro da cidade com as estações de gôndolas e teleféricos, mas ainda assim não deu pra me convencer que seria legal ter que sair do hotel toda montada, andar ate o ponto de ônibus carregando tudo, esperar na fila, enfrentar as curvas das montanhas segurando seu equipamento dentro do ônibus (e mais um monte de outros turistas tb se equilibrando e segurando seus esquis), ate chegar na sua estação, ter que enfrentar fila nos teleféricos, etc, etc, etc

Ah! Que decepção!…!

E pra completar ainda demos azar de ter pego uma semana de neve péssima pra esqui (o inverno esse ano esta atipicamente ameno, então a neve estava “molhada” demais e com muito gelo, que pode ser muito perigoso para esquiadores sem muita experiência – a neve ideal deve ser um “pó”, bem fofinha).

Então somando tudo, desistimos de querer esquiar no ato!

Mas não teve problema, e sabíamos que isso não ia estragar nossa viagem em nada – na verdade um dos principais motivos que nos levou a escolher Chamonix é justamente o leque de outras coisas pra fazer na neve! (o plano original era mesmo fazer snowshoeing ou trilhas para podermos levar a Isabella em sua mochilinha, com a gente! Mas como coincidiu com a viagem da minha sogra, ela foi com a gente e ficou de babysitter com a Isabella no quentinho do hotel!).

- Snowshoeing:

Ou “Raquete de neve” em bom português (ou “Raquette a neige” em Francês), eh um esporte de neve que conheci pela primeira vez no Colorado e AMEI – e acho que de todas as opcoes na neve, eh minha preferida!

Eh um esporte de neve bem democratico: nao exige grandes habilidades, e basta saber andar, que voce sabera andar de raquetes de neve!

12384318565_d18baac3ec

Nao que seja facil… Eh preciso bom preparo fisico e pernas fortes – afinal voce estara fazendo uma trilha nas montanhas, caminhando na neve (que eh tipo subir dunas de areia), com um sapato especial que fixa seu pe no chao. Ou seja, eh cansativo!

Mas por outro lado voce tem acesso ao lado mais legal do esqui ou snowboard – estar nas montanhas, na neve, as paisagens, etc – mas sem o estresse de ter que enfrentar as filas dos teleféricos, se equilibrar montanha abaixo, ficar de olho nas outras pessoas na pista, e sem o medo de se estabacar la de cima!

12384462743_39fa931e6d

E melhor, eh um esporte barato! Enquanto que alugar botas e esquis custa cerca de 30 Euros por dia (sem contar com aluguel dos bastoes, ou capacete), o aluguel das raquetes de neve custaram apenas 6 Euros por dia! Como nos tinhamos todo o resto (roupas) nao precisamos gastar mais nada.

E outra vantagem monetaria: Nao eh necessario comprar os Ski Pass, pois as maiorias das trilhas de snowshowing comecam na base da montanha, e nao no topo (que soh eh acessivel de teleferico, e portanto demanda mais um cuso adicional por dia, que em Chamonix pode chegar a mais 45 Euros por dia).

E pra completar, mais uma vantagem: voce pode estabelecer seu “horario”, sem um compromisso de x horas ou de ter que ficar X horas na montanha pra fazer valer a pena, como muitas vezes acontece com esqui e snowboard – entao eh uma atividade que da pra encaixar com outros passeios e atividades (tanto em Chamonix quanto em qualquer outro resort).

Em Chamonix, eh possivel se inscrever em tour guiados de raquetes com guias especializados, mas tambem existe uma inifndade de opcoes abertas ao publico – nos fomos no posto de informacao turistica no centro da cidade e pedimos um mapa, que nos mostrou exatamente onde ir, o que ver e o grau de dificuldade de cada uma.

As trilhas sao muito bem sinalizadas, e achamos facilimo fazer tudo por conta propria.

Algumas observacoes: por causa da neve e do frio, acabamos esquecendo que vamos fazer uma atividade fisica por horas a fio, entao nao esqueca de levar garrafinhas de agua, e algum lanche (barrinhas, nozes, fruta), um celular bem carregado (para situacoes de emergencia), e sua camera fotografica!

A vantagem das pistas de esqui nesse ponto eh que sempre tem alguma coisa la em cima – a maioria das estacoes de telefericos tem cafes/lanchonetes e lojinhas de souvenir vendendo essas coisas, e muitas pistas tem bares espalhados ao longo da montanha.

Mas as trilhas para caminhada e raquetes sao mais “selvagem” sem muita coisa por perto, entao voce precisa estar bem preparado!

12384299363_2dd2a912cd

- Trilhas

A maioria das estacoes de esquis tambem oferecem opcoes de trilhas pelas montanhas que podem ser feitas a pe (e como pegamos uma semana de neve muito ruim e rala, a maioria das trilhas de snowshoe tambem estavam acessiveis para trilhas a pe), que oferecem todas as opcoes citadas acima, e com uma a mais: voce nao precisa de nada!

Basta ter uma boa bota de trilha/caminhada e pronto (e nem precisa ser nada especifico pra neve nao! Eu usei a minha bota de trilhas mesmo, a mesma que usei no Kilimajaro e no Nepal, por exemplo).

Essa foi a nossa escolha quando fomos a Zermatt na Suíça uns anos atras – apesar da abundacia de neve, pegamos o final da temporada (e eu nunca nem sequer tinha aprendido a esquiar ainda), que nao eh uma boa opcao pra quem nao tem experiencia de esqui. Mas fizemos trilhas lindas pelas montanhas, com a vista do Matterhorn ao fundo diga-se passagem, que tambem foram o maximo e nos proporcionou uma otima experiencia “na neve”, mesmo sem ter que enfrentar os esquis!

- Alpinismo e escalada

Bem, na verdade essa eh uma opcao mais “radical” que nao se encaixa nas opcoes de atividades faceis, econmicas nem democraticas acima, mas que nao deixa de ser uma otima opcao de esporte na neve e nas montanhas!

Na verdade, duas das cidades que ja visitei nos Alpes, Zermatt e Chamonix, sao justamente duas cidades que o Aaron ja conhecia por terem sido base para suas escaladas nos picos dos Alpes.

3336783768_dd52cc8d9a

Como ele morou muitos anos no Colorado, entao ama montanhas, e depois que veio morar na Europa quis aproveitar a oportunidade (e proximidade) para escalar algumas das montanhas mais famosas do mundo, entao ele ja escalou ate o topo do Matterhorn (Zermatt) e Mont Blanc (Chamonix)! #MuitoOrgulho

3335943347_10506b210c

Realmente nao eh pra qualquer um, e montanhismo desse porte exige experiencia, e muita tecnica, e ainda assim eh necessario requisitar autorizacao de escalada, contratar guias autorizados etc.

3336830558_b4b2e8dd25

Eu acabei sendo contaminada pelo bichinho do montanhismo e por causa dele criei coragem de subir algumas montanhas tambem (como o Kilimajaro na Africa, e o circuito do Annapurna nos Himalaias), mas nunca cheguei no nivel de tecnica nem preparo fisico de enfrentar uma escalada propriamente dita, na “unha” (com direito a cordas, subidas verticais e “subir parede” como o Aaron faz!).

3336864072_4e6b7665bd

Mas pra quem quiser fazer alguma coisa diferente e historica nos Alpes, essa eh a melhor opcao!

E Chamonix e o Mont Blanc sao as melhores opcoes pra isso, pois (segundo o Aaron) o Mont Blanc apesar de alto etc etc nao eh uma montanha muito “tecnica”, entao teoricamente qualquer pessoa pode tentar escalar ( Matterhorn na Suica e o Elimani na Bolivia – outras duas grandes montanhas que ele ja escalou – demanda muito mais tecnica de escalada na pedra, por exemplo).

3336893628_c762411a12

No total ele demorou 5 dias para tingir o summit (pico da montanha), pois eh necessario subir e dar a volta em outros picos ao redor do Mont Blanc para ter acesso a sua base; Além de também terem que atravessar uma geleira e ter que obrigatoriamente esticar a viagem por um ou dias dias por causa da aclimatizacao de altitude.

 

Categorias: Chamonix, França, Viagens
4
08
Feb
2014
Dicas de viagem: Chamonix Mont Blanc
Escrito por Adriana Miller

Nos últimos anos aprendi a gostar de um novo esporte: o esqui e esportes na neve em geral, e desde então, tentamos encaixar pelo menos uma viagem para as montanhas por temporada!

Dessa vez a viagem foi para Chamonix Mont Blanc, nos Alpes Franceses, e nossa escolha foi simples: queriamos esquiar, ou fazer algum outro esporte (como snowshoweing que fizemos no Colorado, ou as trilhas que fizemos na Suica) mas não sabíamos se isso seria possivel com a Isabella a tiracolo…

Então pelo menos Chamonix seria uma boa opção de viagem caso ficassemos só na cidade, pois é um resort bem grandinho, e com muitas opções de atrações e atividades mesmo pra quem não quer fazer nada e só turistar!

12384306315_0ef3078ba4

O centro da cidade é um gracinha, com predios bem típicos “Alpinos” e muitas construções históricas, já que Chamonix foi uma das primeiras cidades “fundadas” nos Alpes Franceses, servindo de base para o Mont Blanc.

12384251225_64ae79d595

Mas ao mesmo tempo me surpreendi como o centrinho é grande e bem equipado, com muitas opções de hoteis, restaurantes e lanchonetes, e uma inifnidade de lojas para todos os gostos!

12384286525_8323686bda

A maioria das lojas, pelo menos nessa temporada de inverno, sao marcas “esportistas” que vendam equipamento e roupas para esportes de inverno, mas ainda assim o leque de opções é bem ecletico, variando de Quechua e Super Dry (duas marcas baratinhas de roupas de frio/montanha) a NorthFace e Patagonia (outras duas marcas mais “profissionais” de equipamento de alpinismo e esporte) até lojas como Chanel e Moncler (que vendem roupas, acessórios e equipamentos de luxo).

A minha dica especial eh a farmácia “Farmacie du Mont Blanc”, bem no centro da cidade (quase esquina com o posto de informações turísticas, não tem como errar!) que além de enorme é super, super bem estocada com todas as marcas de beleza e cosméticos Franceses que podemos imaginar (e voces sabem que eu sou chegada numa farmacia Francesa!).

12384433493_a1a19ba004

A medida que a cidade foi crescendo outras areas foram se desenvolvendo, o que inclusive são ótimas opções de hospedagem, como é o caso de Chamonix-Sud, que é a região do centrinho da cidade que fica no lado sul do rio (que foi onde nos hospedamos e adoramos! Além de oferecer ótimas vistas da cidade!), com varias outras opcoes de hospedagem, lojas de aluguel de equipamento, restaurantes e bares, a poucos passos da rua principal da cidade.

Fora do centro, a região de Chamonix tem duas outras grandes atrações: o L’Aiguille du Midi e o Mer de Glace.

12384245295_52e2d437f2

O L’Aiguille du Midi é um bondinho (se não me engano o mais alto da Europa) que sobe entre os picos que cercam o Mont Blanc, de onde eh possivel ter uma vista incrível de todo o vale (Chamonix e suas cidades de “apoio”) e os Alpes Franceses/Italianos/Suíços que cercam a região.

12384344553_cc9c77b6ab

12384511253_59ee20af31

O bondinho, visto de longe é bem assustador, mas uma vez la dentro achei bem tranquilo e rápido – só é preciso ficar atento a pressão nos ouvidos (tipo super elevador de um prédio muito alto, muito rápido!), e uma vez lá em cima, por causa da altitude, o ar é bem rarefeito e muita gente sente tonteira e/ou dor de cabeça (incrível como a gente fica sem fôlego subindo e descendo as escadas!).

12384600054_98c5857e70

E realmente a vista lá de cima eh única! Você se sente cara a cara com o Mont Blanc e fica com aquela sensação de “topo do mundo”, sabe?

12384299363_2dd2a912cd

Adorei o passeio apesar dos -9 graus que estavam fazendo lá em cima e da falta de ar!

Outra opção de passeio – que não fizemos – é o Mer de Glace, ou o “mar de vidro”, que é (era) a maior geleria da Europa, posicionada num dos vales dos Alpes e que dava a impressão de ser um lago eternamente congelado, e já foi uma das principais atrações da região.

Infelizmente a geleira ja perdeu mais de 70% de seu tamanho riginal devido ao aquecimento global, e estima-se que em breve vai desaparecer… mas ainda é possivel visitar algumas “cavernas” de gelo e ver a geleira de perto.

Para chegar ate lá (que fica no arredores de Chamonix) é possível pegar um trenzinho turístico que faz a rota, ou caminhar (ou fazer snowshoe no inverno) nas trilhas que vão até lá (que foi o que fizemos, mas acabamos nao conseguindo ver nada porque o tempo virou!).

 

- Chamonix na prática:

- Chamonix fica numa posição privilegiada nos alpes, sendo facilmente acessível atravez de Genebra na Suiça, Torino na Italia ou Lyon na França. Genebra é o aeroporto internacional mais fácil e com mais voos para toda europa e mundo, e fica apenas a cerca de 1 hora de distância do centro da cidade.

- O translado entre o aeroporto de Genebra e o centro de Chamonix pode ser feito de trem (mas a maioria das opções requerem uma baldeação na estacao central de Genebra), de micro ônibus ou vans, ou de carro.

As vans shuttle são a opção mais comum e fácil – você pode deixar sua reserva já confirmada on line com antecedência (muito recomendado durante a alta temporada de esqui! Nós tentamos usar esse método na Austria e não encontramos nada disponível) ou ir direto no balcão do aeroporto reservar a sua, e custa cerca de 30 Euros por trajeto (60 Euros ida e volta).

No nosso caso, nós optamos por alugar um carro (da Budget, que pesquisei atravez do travelsupermerket.co.uk) pois como éramos 3 adultos, o preço valia mais a pena (pagamos 100 Euros pelo aluguel de 3 dias, incluindo pneus de inverno e seguro completo, versus 180€ que teríamos que pagar de van para 3 adultos), além de nos dar liberdade de ir e vir em qualquer horário preferido (no dia de voltar pro aeroporto amanhecemos debaixo de uma nevasca, então resolvemos voltar pra Genebra mais cedo, por precaução nas estradas cheia de neve, mas num shuttle teríamos que esperar o horário reservado, arriscando perder o voo).

O problema de alugar um carro na Suíça no inverno é justamente essa questão do frio/neve, pois a qualquer momento pode surgir uma nevasca que deixam as estradas um caos (apesar de que os Suíços são super eficientes com isso, e rapidinho as pistas estavam cobertas de sal e produtos anti-gelo), e mesmo com os pneus de inverno (que são obrigatórios nessa epoca do ano por lá), é necessário muita experiência para dirigir na neve e no gelo.

Ainda assim preferimos essa opcão, pois o Aaron morou no Colorado durante muitos anos, e tem experiência de sobra em dirigir na neve e no gelo.

- Ski pass: Os “Ski Pass” te dão direito a usar as gôndolas, bondinhos e teleféricos que sobem as montanhas e dão acesso as pistas de esqui, e podem ser compradas por dia, por fim de semana, ou para uma semana inteira, e estão a venda em qualquer uma das gôndolas espalhadas pela cidade (ou on line se você quiser evitar as filas).

- Pistas: Eu achei o esquema de esqui em Chamonix MUITO ruim (mas isso fica pra outro post), pois as pistas ficam muito espalhadas e afastadas da cidade (um dos principais motivos pelo qual decidimos não esquiar), mas realmente as opções sao muitas, para todos os níveis e habilidades nas pistas, e qualquer hotel terá mapinhas das pistas disponivel para os hospedes e poderão recomendar as melhores opções para seu caso. Para os iniciantes e/ou não muito audaciosos, as pistas La Flegere e La Tour concentram as melhores pistas “verdes” (nivel iniciante/fácil) e as pistas de treino, que são ótimas pra quem estiver se iniciando no esporte.

- Equipamento: Você pode deixar pra alugar ou comprar o que precisar para esquiar por lá mesmo. Como disse acima, as opções de lojas oferecendo equipamento é enorme e não achei os preços inflacionados não (entramos em várias delas e os preços eram os mesmos praticados em Londres, por exemplo), e mesmo que você não queira investir em roupas de esqui/neve que vai usar poucas vezes na vida, é recomendável comprar pelo menos algumas pecas básicas, como por exemplo luvas, meias, e roupas de baixo térmicas (para mais dicas sobre como se vestir na neve e para esquiar, nesse post AQUI). De resto, tudo pode ser alugado! Esquis, botas, óculos, capacete ou gorro, calça & casaco de esqui etc. O aluguel só das botas+Skis (eles sempre tem que ser alugados juntos, pois um precisa ser regulado com o outro) custa cerca de 30 Euros por dia. Se você precisar alugar o equipamento completo (Bota + Skis, + roupas, capacete, óculos, luvas etc) o “pacotão” custa cerca de 100 Europs por dia.

Tanto em Kitzbuehl, na Austria, quanto em agora em Chamonix, nós alugamos nossos equipamentos (menos as roupas, que temos tudo) na InterSport, que é uma rede de lojas de venda & aluguel espalhada por todos os principais resorts da Europa.

E apesar da oferta ser abundante (até mesmo alguns hoteis oferecem aluguel de equipamento completo), gosto da InterSport pois a variedade de marcas/modelos/niveis de habilidade são bem maiores, então mesmo na alta temporada, você não corre o risco de não ter alguma coisa do seu tamanho ou pro seu nivel de habilidade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Chamonix, França, Viagens
25
Página 1 de 71234567