17
Feb
2012
Amsterdam: Envy Delicacies
Escrito por Adriana Miller

A principal desvantagem de viajar a trabalho eh que… bem , eu tenho que trabalhar, neh? Mas por outro lado, acabo tendo dicas excelentes dadas pelos “locais” que trabalham comigo, oque me permite descobrir lugares pelas cidades onde passo que provavelmente nao conheceria se fosse apenas uma “turista”.

Entao na ultima viagem a trabalho a Amsterda, estava com mais algumas colegas do banco e nos recomendaram o badaladissimo Envy Delicacies, que por acaso ficava a poucos passos de distancia de nosso hotel!

O Envy faz parte de uma rede de restaurantes “tematicos” de pacados capitais, cada um com sua proposta diferente de preparar e apresentar a comida.

Entre varios premios e mencoes em revistas e na midia Holandesa,  o Envy tabem ganhou nos ultimos 5 anos consecutivos o selo de aprovacao “Bib Gourmand” do Guia Michelin (que nao chega a ser o mesmo que uma estrela Michelin, mas eh uma “mencao honrosa”) que confirmar sua posicao de gastronomia inovadora na cidade e na Europa.

O princio do restaurante eh que comida deve ser uma experiencia, e voce tem que se preparar para sentir inveja. O ambiente eh super moderno (porem escuro demais para minhas fotos!) com um design bem Europeu, e os pratos sao todos servidos em porcoes pequenas, como se fossem aperitvos ou tapas.

A recomendacao que nos deram foi que deveriamos pedir o “Tasting Menu”, onde voce deixa a escolha dos pratos a cargo do chef – que por sinal, trabalham numa cozinha 100% aberta no centro do restaurante, de frente para todos os clientes.

Entao aceitamos o desafio na cara e na coragem, e as opcoes de pratos foram chegando seguindo uma sequencia logica de sabores e misturas, e cada um de nos (eramos quatro) por vezes recebiamos pratos diferentes dos demais – oque causava inveja!

Confesso que quando a primeira rodada de pratos foi servida, fiquei achando que a comida nao seria suficiente, mas cada prato e cada opcao eh minimanente pensada para compor a refeicao completa, e no final do jantar, saimos de la quase rolando!

O Envy esta longe de ser um restaurante tipico Holandes, mas eh uma otima opcao pra quem procura um restaurante baladado e com otima comida – com uma experiencia gastronomica totalmente diferente!

Envy

Prinsengracht 381 1016 HL Amsterdam, Netherlands

Tel +33 20 344 6407

 

Categorias: Amsterdã, Holanda, Viagens
4
16
Feb
2012
Amsterdam: Hotel Pulitzer
Escrito por Adriana Miller

Quando estive em Amsterdam a trabalho semana passada fiquei hospedada no maravilhoso Hotel Pulitzer, que fica bem no centrao de Amsterdam.

O que eu achei mais legal mesmo de toda experiencia eh ter visto por dentro as tipicas casinhas historicas de Amsterdam!

O Hotel Pulitzer foi construido, na verdade usando cerca de 25 casas tipicamente Holandesas  do seculo 17 e 18 no centro de Amsterdam, ocupando um quarteirao inteiro entre os canais Prinsensgracht e Keizersgracht.

Eu achei o maximo que eles mantiveram a arquitetura original das casas, apenas “conectando” os corredores e ambientes. Entao por fora voce apenas ve que as casas sao diferentes e fica dificil identificar onde o hotel acaba e onde termina.

Mas por dentro eh que eh interessantissimo: para nao comprometer a estrutira original historica das casas, eles nao derrubaram todas as paredes, nem “harmonizaram” o interior, entao cada casa continua sendo uma casa independente, e ao andar pelos corredores (as casas sao todas conectadas, por dentro, claro) voce percebe nitidamente quandoe sta passando de uma casa pra outra!

E entre elas, la dentro, as altura nem sequer sao as mesmas, entao os andares sao todos desnivelados, oque ressalta ainda mais essa diferenca entre a arquitetura de uma casa e outra!

Entao por exemplo, o terceiro andar do hotel eh composto na verdade do 2 andar da casa X, do terceiro andar da casa Y e do quarto andar da casa Z, dependendo de fatores como nivelamento em relacao a calcada, se era uma casa com porao ou nao, a altura do pe direito e tal.

Quaase todos os quartos tem vista para os canais de Amsterdam, ou entao para o patio interno do hotel, e os quartos todos tem pe direito bem alto e com as vigas de madeira originais no teto.

E se voce achar que ja viu aqueles saloes e corredores em algum lugar… esta certo! O Hotel Pulitzer serviu de cenario no filme “Ocean’s Twelve” que se passa praticamente todo em Amsterdam. Entao eles transformaram as diferentes “casas” do hotel, em ambientes proprios, alguns dos saloes que hoje servem de bares ou restaurantes foram transformados em bibliotecas ara o filme e coisas do genero!

O Hotel faz parte da curadoria “Luxury Collection” que seleciona hoteis de variadas bandeiras ao redor do mundo, inteiramente baseados no quesito luxo e atendimento ao cliente.

E pra mostrar que sao merecedores de tamanho luxo, alem do servico excelente, varias opcoes de bares e restaurantes premiados dentro do hotel, eles tambem oferecem um servico de taxi-barco pelos canais de Amsterdam para seus hospedes!

Hotel Pulitzer

Prinsengracht 315-331 • 1016 GZ, Amsterdam

Telefone: +31 20 5235235

 

Categorias: Amsterdã, Holanda, Viagens
4
02
Feb
2012
Amsterdã ao vivo!
Escrito por Adriana Miller

Interrompendo a programação da viagem à Ásia…..

O primeiro sinal de que a vida voltou ao normal pós fim de ano + ferias foi… A primeira viagem a trabalho!

Então ontem acordei muito antes das galinhas, e as 4 da manha já estava no taxi a caminho do aeroporto…

O prêmio?!

20120202-161740.jpg

Assistir um nascer do sol magnifico visto pela janela do avião!

Mas dai pra frente foi uma correria. Ao pousar em Amaterdam, já direto do aeroporto me mandei pra Rotterdam de trem para a primeira reunião do dia.

20120202-161920.jpg

Eu e outras duas gerentes viemos a Holanda para uma serie de reuniões com fornecedores, funcionários, finanças e RH, e assim passamos boa parte do dia.

Mas por sorte, elas tinham algumas outras reuniões que eu não iria participar, então no fingindo da tarde fiquei trabalhando do meu quarto do hotel.

Quando as coisas estavam voltando ao normal, resolvi aproveitar a ultima horinha de sol para ir “esticar” as pernas passeando pelo centro de Amsterdam.

20120202-162215.jpg

Eu só não esperava que o frio de -5 graus estivesse tão feroz!

20120202-162234.jpg

20120202-162345.jpg

Mas é tão raro ver o sol por essas bandas, que me “sacrifiquei” e dei umas voltinhas (mesmo arriscando o funcionamento de meus dedos!)

20120202-162527.jpg

Geralmente eu prefiro mil vezes viajar sozinha, principalmente quando estou trabalhando, porque tenho o privilegio de poder fazer meus próprios horários, e ainda que sobre pouco tempo livre, sempre consigo aproveitar um pouquinho da viagem.

20120202-162712.jpg

Mas a noite acabou a moleza, e apesar de estar acordada desde as 3 da manha, toca sair pra jantar, onde a gente finge que ta fazendo social, mas acaba mesmo só falando de trabalho!

E hoje, bem hoje eu só sai da sala de reuniões pra vir direto pro aeroporto…

20120202-162928.jpg

O escritório é até bem legal, pois fica no prédio mais alto de Amaterdam (e Holanda toda se não me engano) – que tem apenas 30 andares, mas como estávamos no 27• tivemos a vista privilegiada de um dia claro de sol onde conseguimos ver a cidade toda!!

20120202-163123.jpg

E depois de mais uma tarde inteira de reuniões….

20120202-163214.jpg

Já estou de volta no aeroporto, pronta pra voltar pra casa!

20120202-163301.jpg

Categorias: Amsterdã, Holanda, Trabalho, Viagens
10
09
Mar
2009
Imoral, Ilegal ou Engorda
Escrito por Adriana Miller

Ah Amsterdam… Foi minha segunda viagem para a Holanda, num fim de semana que nao foi planejado, remarcado e enfim chegamos. A polemica do couch surfing de extendeu a quase todos os aspectos da minha vida (Aaron acha que somos loucas, minha chefa quase mandou me internar, e a assistente me acha a pessoa mais cool do planeta!).

Mas a viagem em si, foi maravilhosa. Eu amo todas e cada uma das minhas amigas. Tenho pucas e muito boas, e me considero sortuda demais de ter aqui pertinho duas das melhores amigas que jah tive na vida – eu praticamente as trouxe no bolso!

Mas enfim, Amsterdam eh uma cidade que provoca sentimentos e reacoes extremas. Eh uma cidade linda, fofa, bem cuidada, habitada por um povo super cool e gente boa, mas que ao mesmo tempo concentra tudo que eh imoral e ilegal no mundo todo, em meia duzia de ruas e canais.

Em termos turisticos, nao eh o tipo da cidade que tem muito que ver. Assim como Madrid, Amsterdam eh uma cidade que tem que ser experimentada, vivida. Passamos o fim de semana todo batendo perna pelo centro da cidade, tirando fotos, fazendo palhacadas e embasbacadas com os contrastes da cidade. Muitas horas sentadas em calcadas de cafe olhando a vida passar e tagarelando.

A principal atracao da cidade eh o Red Light Distric, nao dah pra negar. Em minha humilde opiniao, como mulher e com fortes tendencias feministas, Amsterdam eh o lugar menos sexy do planeta. A industria do sexo eh tao escraxada que perde todo seu appeal. E o festival de barangagem nas vitrines com luzes vermelhas tambem nao colabora em nada…

Mas eu entendo completamente oque leva os milhares de grupinhos de garotos/homens/marmanjos para Amsterdam todos os dias. Eh quase que um rito de passagem, uma coisa animalesca em bando. Ficamos andando pela cidade observando os comportamentos antropologicos e achando graca de tudo, mas volta e meia voce vem um cara boa-pinta entrando (ou saindo) de uma das vitrines que eh… Normal! Tipo, caras gatinhos, bem vestidos, daquele que se te desse mole num bar voce pegaria o telefone, sabe? Mas na verdade ele esta ali, pagando (uma mega baranga) por sexo.

E isso galera, eh muito, muito lixao. Volta e meia voce ve uns grupinhos de meninos com pinta de terem 15 anos, e um deles paga o pato de ir bater papo e “usufruir” dos servicos de alguma donzela. Igualmente sinistro, mas tem toda aquela coisa de peer pressure, um bando de garotos de zoacao com os amigos. Ou uns homens escabrosos nojentos, que vc meio que pensa que “coitado, de graca ele nao deve conseguir nada!”, e meio que releva a situacao…

E isso eh tambem um pouco da “atracao” turistica de Amsterdam. A galera chapadona nos cafes, as vitrines, os grupinhos de meninos virgens, e os velhos encalhados…

Entao sabdo passamos o dia todo pra cima e pra baixo, sentando em diferentes bares e cafes, comemos pizza Turca, overdose de cafe latte com chantilly, conheci o sobrinho da Gisele, com direito a irma e cunhado, pracinhas, canais e mercados.

A noite queriamos uma balada. Mas pelos mesmos motivos acima, balada em Amsterdam eh uma coisa meio sinistra… e ficamos entrando em saindo de bares que estavam menos infestados de grupinhos de despedidas de solteiros e meninos querendo perder a virgindade…! Quando comecavamos a ficar de saco cheio, partiamos pro proximo bar!

Ateh que resolvemos tomar coragem de entrar no clima e ir assistir um “show”.

Desculpem a tosquisse do blog, para as leitoras(os) mais sensiveis… Mas quando em Roma, faca como os Romanos! Porem tambem nao rolava pagar caro pra assistir um show de “sexo ao vivo” por uma hora! Serio!!! 1 hora inteira de sexo tosco ao vivo nao daaaava!!!!!!!! HAHAHHAHAHAHAHHA

Quem nao tem colirio, usa oculos escuros!

Entao resolvemos entrar num peep-show “puta pobre” que cobrava 2 Euros por cada dois minutos de show!! HAHAHAAHAA!

Me dah vontade de chorar de rir soh de lembrar a cena de nos tres entrando na casa de shows e pedindo pra entrar na cabine as 3 juntas…!! Quando finalmente conseguimos convencer o porteiro a nos deixar entrar e fomos assistir o show, nos demos conta que dava pra ver dentro das outras cabines!!!! SO-CO-RRO!!!!!!

Que tosquisse!!!!!!!!! Quando nos demos conta doque nossos vizinhos estavam fazendo comecamos a gritar e a tentar nos desentalar de dentro da cabine!!! Quando saimos, nos demos de cara com uma fila de marmanjos esperando sua vez de entrar, e ficaram assustados com as 3 meninas gritando lah dentro! HAHAHAHAHAHHAHA

Tosco! Tosco! Tosco! Mas com certeza, uma experiencia que nunca vou esquecer…!! (For better or for worse…)

No domingo decidimos pegar leve e fazer um dia mais cultural… Acordamos tarde, fomos tomar brunch com nosso host, e depois passamos o dia todo nos arredores do Museu VanGogh e seus parquinhos, aproveitando o sol, ateh a hora de voltar pro aeroporto!

 

 

Categorias: Amigos, Amsterdã, Holanda, Viagens
22
09
Mar
2009
Surfando no sofa!
Escrito por Adriana Miller

A experiencia Couch Surfing foi muito, muito melhor doque eu imaginava. Confesso que sexta a noite quando chegamos em Amsterdam e tivemos que esperar o brow aparecer, e ficamos enrolando por 4 horas num bar (nao que isso fosse um problema exatamente) sem saber se ele ia dar bolo ou nao, fiquei meio com o peh atras…. mas assim que ele finalmente apareceu e fomos nos encontrar na Estacao Central em Amsterdam, e de lah fomos andando pra casa, imediatamente fomos com a cara dele.

O Jonathan, nossso Couch Surfer eh na verdade Ingles, mas morou muitos anos na Franca e agora esta terminando seu PhD em Amsterdam. Mora sozinho num apartamento quarto e sala, que tem uma sala enorme, com dois sofas confortaveis e colcoes extras. O Aquecedor estava no maximo, e a roupa de cama estava a nossa espera. Receber couch surfers em sua casa eh uma otimo maneira de conhecer pessoas do mundo todo. Ah! E ele curte Tom Jobim!

Maga, Migu & Pessu surfando no sofa!

Obviamente dormir num sofa de dois lugares com meu sobretudo como travesseiro nao eh o supra-sumo do conforto, mas achei uma experiencia super legal, e pra falar a verdade nao foi nem um pouco perrengue. O banheiro era bem decente, com agua quente abundante, a casa limpa (padroes estudate – e homem – morando sozinho, e nao padrao Bree Van Der Kamp!) e de quebra ele ainda bateu varios papos, deu dicas e nos emprestou seu cartaozinho de residente para que pudessemos alugar bicicletas com precinho camarada.

Gostei bastante da experiencia, e provavelmente repetirei!

Brunch de domingo com nosso host (dia da faixa e do arquinho!)

Como jah tinha falado antes, eh uma experiencia que resumo o espirito mochileiro, compartilhar experiencias e tal, e achei muito divertido. Obviamente acordavamos todas moidas e doloridas, de passar a noite toda num sofazinho minimo, sem poder se mexer; alem de ter certas restricoes mulherzinhas, tipo ter ficado o fim de semana todo sem lavar os cabelos (domingo foi o dia nacional da faixa e do arquinho!) e as caras de espanto que ele fazia quando eu e Carol tiravamos as maquiagens da bolsa…

Mas no geral, achei muito legal mesmo! E nos juntamos ao coro de pessoas no mundo todo que soh tiveram experiencias legais Courch Surfando!

 

 

Categorias: Amsterdã, Dicas (Praticas!) de Viagem, Holanda, Viagens
7
04
Mar
2009
Couch Surfing
Escrito por Adriana Miller

O “couch surfing” (que numa traducao tosca seria algo como “surfando no sofa”) eh um fenomeno no mundo das viagens.

Apesar de nunca ter feito (ateh esse fim de semana, em Amsterdam, que sera minha primeira vez!), acho que a experiencia “mochileira” nao esta completa sem participar de um couch surfing.

O Couch Surfing eh uma comunidade on line, onde pessoas oferecem seus “sofas” (ou espaco no chao, quarto de hospedes, etc) para outros viajantes. A comunidade tem cerca de 780.000 perticipantes em 232 paises e territorios. Voce cria seu perfil on line, descreve o espaco “livre” que tem e quantos “couch surfers” poderia acomodar de cada vez. Muitas vezes as condicoes sao basicas, como “tenho espaco no chao, traga saco de dormir, cobertor, etc”. Os hospedes e anfitrioes escrevem reviews e feedbacks uns dos outros, entao voce pode ter uma ideia do que outras pessoas pensam deles e isso ajuda a sua decisao de aceitar hospedar aquela pessoa na sua casa, ou de ficar na casa de alguem.

A melhor parte do couch surfing eh que obviamente eh de graca. No couch surfing, tudo eh de coracao, e jamais se menciona precos e custos, mas eh de “bom tom” levar um presentinho (uma lembracinha tipica do seu pais/cidade, uma garrafa de vinho, e tals) para dar ao seu anfitriao, mas sobre tudo tem que ter bom senso!

Quando voce se hospeda na casa de alguem (que nao conhece) como couch surfer, voce nao estarah ali de hospede amigo. Entao algumas regrinhas basicas ajudam na convivencia, como por exemplo nao ficar bundiando na casa do seu hospede (pr anao encomodar), nao dormir ateh o meio dia, nao fazer muito barulho, nao levar muita bagagem (geralmente os hospedes sao estudantes e pessoas jovens que moram em apartamentos/casas pequenas e apertadas), nao tomar banho demorado, nao gastar muita eletrecidade (nao rola ficar usando secador, chapinha e babyliss todas as manhas), etc. Ou seja, bom senso, que voce deveria ter sempre que ficar na casa dos outros, mas principalmente de uma pessoa que nao conhece!

Uma vantagem/desvantagem da experiencia eh que apesar de ser de graca, nao dah pra programar uma viagem inteira mochilando pela Europa sem pagar um tostao. Nao espere ficar mais de 2 ou 3 noites na casa de alguem (como diz meu pai, visita eh que nem peixe… depois de 3 dias comeca a feder!), entao esse esquema tem que ser para momentos de “entre safra” em uma cidade que os albergues estao lotados, ou algum lugar que vc soh vai ficar uma noite, ou em viagens em que voce vai estar mudando de cidade/pais a cada alguns dias.

Eh uma otima maneira de conhecer o povo “local” de onde vc vai ficar, ter a experiencia de como aquelas pessoas vivem, como sao as casas, os costumes etc. Aliais, esse eh o slogan deles: “Melhorar o mundo, um sofa de cada vez”.

Esse fim de semana vou chouch-surfear em Amsterdam com duas amigas – vamos ficar na casa de um Holandes que faz PhD em Logica e Teoria do Jogo, tem 2 sofas disponiveis e vai nos ajudar a alugar bicicletas para passear pela cidade livremente. As fotos do profile dele parecem ser gente boa, e os feedbacks sao positivos! Nos 3 jah nos esquematizamos para levar toalhas pequenas, saco de dormir e abolir os secadores no fim de semana! E vamos comprar uma camiseta “Mind The Gap” de presente pra ele!

 

Categorias: Amsterdã, Dicas (Praticas!) de Viagem, Holanda, Viagens
23
01
Dec
2004
De Nederlandse, ou melhor, A Holanda!
Escrito por Adriana Miller

Por onde começar…

Este fim de semana fui pra Amsterdam visitar a Ellen, minha companheirinha da Italia; Já estavamos combinando de nos visitarmos ha um tempao, mas sabe como sao essas coisas né? Ninguém nunca dá o primeiro passo. Mas como eu já estava com crise de abstinencia por falta de viagens, liguei pra ela (“vc estará livre no findi?!”), pedi ferias pre chefa, caçei uma passagem baratinha na internet e fui de mala e cuia pra terra dos tamancos de medeira…

A Ellen, é uma pessoa que eu admiro muito… Uma menina do interior da Holanda, de uma familia muito rica e tradicional, mas que cresceu sendo espancada pelo pai alcolatra, viu sua melhor amiga se suicidar quando tinha 13 anos, desenvolveu uma doença psicologica de hiper atividade (tem que tomar remedio de tarja preta e o caramba!), e aos 14 anos fugiu de casa e foi pra Amsterdam. Dona de um talento exepcional (ela é cantora de opera) se virou sozinha na cidade grande. Nos primeiros anos morava de favor na casa de amigos, e pouco a pouco foi criando sua propria vida. Ela se vira como pode. Nao se qualifica a nenhuma bolsa de estudo do governo Holandes pra estudantes porque sua familia é rica, e se recusa a aceitar dinheiro dos seus pais. Faz faculdade, tem dois empregos e faz shows de Opera pelo país nos fins de semana. Para ter dinheiro de estudar italiano em Firenze, trancou a faculdade um semestre e trabalhou 12 horas por dia como manicure (tudo bem que pra fazer a unha em Amsterdam as moçoilas tem que investir nada menos que 30 euros). E assim nos conhecemos….





 

Mas vamos ao que interessa: a viagem!!!

Cheguei em Amsterdam na sexta a noite, morta de cansaço, mas ficamos de papo pro ar, botando as fofocas em dia até as 4 da manha. No sabado ela teve que trabalhar, entao eu fui desbravar a cidade solitariamente.

Dizem que Amsterdam é a Veneza do norte, mas tenho minhas duvidas… mas de qualquer maneira, os canais sao igualmente chamosos, igualmente imundos e fétidos, mas achei que a cidade em si, em termos de arquitetura e etc é mais bonita que Veneza. Tenho que admitir que é um pouco dificil ler um mapa em Holandes, usando luvas e tirando fotografias de absolutamente tudo… mas a cidade é tao cheia de turistas, e os Holandeses em geral falam ingles tao bem, que vc até abstrai um pouco que esta num país cuja lingua é inteligivel e impronunciável.

Fiz o roteiro completo: passeio de barco pelos canais, red Light District, casa da Anne Frank, museu do sexo etc…

Acho que o Red Light District merece um capitulo a parte… Eu achava que era uma coisa assim meui lenda essa coisa de ver as prostitutas na vitrine… mas a coisa é seria. Na Holanda, prostituiçao é uma profissao como outra qualquer, sindicalizada, regulada e paga impostos. E ali estao elas, nas vitrines e janelas, iluminadas porluzes vermelhas. O pior de tudo é que a parada já virou meio chacota. É um grande festival de panças, celulites, rugas e caras de tédio. Algumas ficam se exibindo semi nuas aos clientes enquanto falam no telefone, lixam as unhas e pensam na data de vencimento da conta de luz do mes que vem.

Erotismo: zero. Sex Appeal: zero.

Mas Amsterdam é Amsterdam, e a maioria dos turistas que vao pra lá (entre eles 99, 9999999% sao grupos de homens recem saidos da puberdade ou adentrando a crise de meis idade), querem é isso mesmo: assistir um show de sexo ao vivo enquanto fumam maconha.

 

Nao vou dar uma de falsa moralista, mas eu me vi varias vezes em situaçoes um pouco embaraçosas, por assim dizer, sendo provavelmente a unica mulher andando sozinha por aquelas bandas naquele extao momento… heheheheeh.

No domingo a Ellen me levou pra Zaanse Schans, uma cidadezinha ha 30 minutos de Amsterdam, onde ainda existem moinhos de vento, fabricas de queijo Gouda e ateliers de tamancos de madeira feitos a mao. Nem precisa dizer que eu amei, apesar da neblina e do frio. E a noite voltamos ao Red Light District, mas dessa vez eu já nao estava sozinha, entao achei que seria seguro dar uma voltinha pela area de noite e ver as luzes vermelhas acesas. Nao vi muita diferença. É tao decadente na luz do dia quanto de noite. Tentamos achar um coffe shop pra tomar um tradicional “café” de Amsterdam (heheheh), mas nao tivemos coragem de entrar em nenhum, pois quase todos estavam povoados por americanos, australianos e ingleses completamente chapados…. heheheeh.   



 

Na segunda, como ela tinha aula, eu fui com ela pra Utrecht (a cidade onde ela estuda), que é a regiao da Holanda onde tem o maior numero de castelos do pais.

Eu nao sei se assisti muitos desenhos da Disney quando era pequena, ou se fui uma princesa em alguma vida passada, mas castelos exercem uma força muito estranha em mim. Entao lá fui eu. Me perdi, me achei, peguei trem e onibus, andei na lama meia hora e cheguei no tal castelo. Surpresa!! O castelo nao abre as segundas feiras…. Mooi (legal em Holandes)…! Bati um papo com o segurança e ele me deixou passear no jardim. Fiquei horas andando pelo jardim e adirando o castelo…. imaginando as princesas que já moraram ali, as guerras, as festas e as tragedias. Os unicos problemas eram: 1. Estava fucking frio. 2. Nao tinha ninguem por perto pra tirar fotos minhas… porém, turista descolada que sou, dei meu jeito… tirei fotos de mim mesma, pendurei a maquina nas estatuas do jardim e tirei fotos no automatico, etc… quem nao tem cao, caça com gato.


 

Terça feira. O plano original era ir pra Belgica passar o dia enquanto a Ellen estava na aula, mas nao consegui comprar a passagem de trem (pq deixei pra ultima hora…), entao fui pro norte do país, em Hoorn, uma cidade medieval costeira totalmente parada no tempo. A cidade toda parece saida de um livro infantil. As vezes parece que vai sair alguma fada de dentro das casinhas (que parecem casa de bonecas!), e as vezes parece que vai sair algum fantasma ou alma penada de dentro dos barcos abandonados e castelos mal assombrados (que na verdade nao sao abandonados, mas a neblina estava tao braba, que tudo ficava com um ar meio sombrio…). Infelizmente o passeio durou pouco, pq o frio estava tao sinistro que chegou um ponto que eu nao aguentei mais e voltei pra estaçao de trem. O passeio terminou com um baita esporro, em holandes, dentro do trem, pois esqueci de carambar o bilhete antes de embarcar… Meu cerebro nao esta preparado pra funcionar em temperaturas drasticamente abaixo de zero. Fiz uma cara de turista idiota e me livrei da multa…. mas queria muito saber oque aquela mulher gritou na minha cara, pois todo mundo ficou me olhando muito assustados… heheheheeh

 

Amanha posto as fotografias. Agora alguém tem que trablhar nesse recinto….

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Amsterdã, Holanda, Hoorn, Utrecht, Viagens, Zaanse Schans
8