12
May
2012
Roteiro de viagem Asia 2011/2012
Escrito por Adriana Miller

Nossa viagem durou apenas 3 semanas e meia, mas ja que eu demorei quase 6 meses para conseguir postar tudo por aqui, sei que a sequencia da viagem criou confusao, e como recebi muitas perguntas sobre o roteiro especifico que fizemos e quantos dias passamos em cada lugar, achei que valeria a pena fazer um resumao passo a passo da viagem.

Lembrando que no total visitamos 3 paises (na verade 4, incluindo um pernoite em Kuala Lumpur), e viajamos atravez de uma area geografica bem extensa, oque nos proporcionou fazer a combinacao perfeita de cidade grande + praia + templos historicos e frio + calor que queriamos.

Os posts ficaram espalhados e datados entre Dezembro de 2011, logo quando embarcamos, ate Maio de 2012, quando tive tempo de terminar de escrever e postar todas as fotos, mas a viagem foi feita apenas durante as tres semanas entre o Natal e as duas primeiras semanas de Janeiro (nos embarcamos no dia 22 de Dezembro de 2011 e voltamos no dia 15 de Janeiro de 2012.

Entao o roteiro ficou assim:

Londres – Beijing - Hong Kong

Nossa primeira parada foi Hong Kong, onde passamos o Natal e os 3 primeiros dias (e 3 noites) da viagem.

De la, pegamos um ferry e fomos direto pra Macau, onde passamos 2 noites e um dia inteiro.

De Macau voamos para Bali de Air Asia, via Kuala Lumpur. Passamos um dia inteiro viajando.

Em Bali passamos 5 dias e 6 noites, incluindo a noite de revellion.

De Bali voamos diretamente pra Cingapura, onde passamos mais 3 dias e 2 noites.

De Cingapura voamos Air Asia novamente pra Kula Lumpur, onde passamos uma noite, e no dia seguinte voamos pra Xangai.

Em Xangai ficamos mais 3 dias e meio e 3 noites.

Entao voamos pra Xian ja tarde da noite, onde passamos 1 dia inteiro e duas noites.

Por fim chegamos ao nosso destino final, Pequim - onde ficamos mais 4 dias e 4 noites.

 

E sem esquecer claro, dos posts “making off”, incluindo a mala/mochila que levei nessa viagem e mais algumas dicas sobre planejamento de viagem e transporte interno na Asia (AQUI e AQUI).

 

Categorias: China, Cingapura, Indonésia, Viagens
13
07
Feb
2012
T.V. Everywhere: Bali!
Escrito por Adriana Miller

O episódio do dia é….. Bali!

Créditos:

Edição: iMovie

Cameras: Canon S100 (Aaron), Sony DSC-HX5V (Adriana), Koday Easyshare (underwater)

Musica: “Island in the Sun”, Weezer.

 

Categorias: Bali, Indonésia, T.V. EveryWhere, Viagens
22
06
Feb
2012
Massagem Balinesa
Escrito por Adriana Miller

Uma das grandes vantagens de viajar pra Ásia, a meu ver, a quantidade enorme de Spas acessíveis, e mil e uma oportunidades de descolar uma massagenzinha no fim do dia cansativo de turistagem.

Na Viagem pra Tailandia ja tinha sido assim, e acho que passei mais tempo nos tatames de massagem Tailandesa, doque nas areias das praias… Entao estava esperançosa de que em Bali, a cosia seria pelo menos parecida… E foi!

Mas a principal diferença entre esses dois paises esta justamente na diferença dos estilos de massagem: na Tailandia se pode fazer massagens em qualquer canto, pois a massagem Tailandesa é, em essencia, uma massagem “seca”, apenas utilizando alongamentos e pressoes.

Já a massagem Balinesa envolve outras técnicas também, e portanto é mais confortável quando fita num ambiente de Spa.

A massagem Balinesa envolve tres tecnicas diferentes: Acumpressão, reflexologia e aromaterapia, que tem como principal objetivo estimular o relaxamento da mente, através de pressões estrategicas e o uso de aromaterapia que ajudam a estimular musculos especificose também proporcionando o relaxamento e recuperação do corpo.

A primeira etapa do ritual de um Spa Balines é a escolha do aroma que você quer usar: dependendo de sua escolha a massagista vai saber se voce quer uma massagem mais estimulante ou mais relaxante.

Depois tem todo ritual de te preparara para a terapia, que começa pela limpeza e relaxamento dos pés e pernas, utilizando técnicas de reflexologia, dando inicio a sessão.

Os ambientes são sempre lindos e caprichados, independentemente se você esta num spa de super luxo, ou na birosquinha da praia. Eles usam muitas kangas/saris de seda com as estampas tipicas da ilha, flores e musica bem calma e quase sempre você tambem pode escolher um aroma especifico de insenco que vai ser utilizado no quarto.

As masagens Balineses tendem a ser mais longas doque uma massagem normal (ou Tailandesa, por exemplo), pois envolve mais tecnicas e “passos” que devem ser combinados e alternados entre si para relaxar a mente e estimular um melhor funcionamento do corpo.

A massagem é bem forte, porem mais confortavel doque a Tailandesa, apesar de terem muitos dos mesmos principios e tecnicas.

Para fechar o tratamento, geralmente voce pode escolher se quer tomar banho (já que a massagem Balinesa utiliza oleos essenciais como aromaterapia que vão te deixar meio melecado), e no final de tudo, não dispense um chazinho de capim limão (lemongrass) ou gengibre e canela com mel!

Mas por sorte dos turistas que visitam Bali, as massagens não se limitam apenas a Spas não! Os spas de reflexologia e aromaterapia estão em todos os cantos, indo das areias da praia (em Seminyak voce nem precisa se mover de sua espreguiçadeira – as massagistas veem até voce!) aos pequenos salões espalhados pelas ruas dos centros das vilas (como em Seminyak e Ubud, por exemplo) e até mesmo no aeroporto, pra relaxar antes de enfrentar seu voo!

 

 

Categorias: Bali, Indonésia, Viagens
5
03
Feb
2012
Bali Sul: Penisula Bukit
Escrito por Adriana Miller

Depois de uma overdose de templos (e de ficar encalhados no engarrafamento de Bali), no dia seguinte a festa de revellion decidimos que seria melhor fazer alguma coisa mais tranquila, e que fosse mais perto de onde estávamos hospedados – então demos o braço a torcer e fomos em direção ao sul de Bali, na penisula Bukit.

Essa pontinha da ilha é a area que mais atrai polêmica: ao mesmo tempo que possui alguns dos nomes mais reconhecíveis de Bali (Nusa Dua! Ulu Watu! Kuta!), é também a area que geralmente é usada como exemplo de tudo que Bali tem de melhor (templos dramáticos, praias escondidinhas) e de pior (Kuta, turismo de massa, ataques terroristas, sujeira) – mas resolvemos conferir por conta propria assim mesmo.

Começamos a tarde em Nusa Dua, a praia que supostamente evocava o apelido de ilha-paraíso que lançou Bali como destino desejo em todo mundo.

Bem… Como melhor exemplificar minha decepção?

Que tal uma foto da praia mais suja, fedorenta, lotada de barcos e de vendedores irritantes que ja vi no mundo?

Sabe aquele momento “Ferias Frustradas” quando voce se dá conta de como a realidade não poderia ser mais discrepante com a expectativa?!

Uma amiga que mora em Bali já tinha tentando nos convencer do contrário… O motorista também não se mostrou muito animado não… Mas depois de vermos tantas areas bonitas ao redor de Bali, realmente fomos de mente aberta, prontos para sermos surpreendidos… animados de passar algumas horas sentados na areis, fazendo snorkling…

Acho que no total, não passamos nem 20 minutos em Nusa Dua, que foi o tempo suficiente para chegarmos até “aquela curva ali e ver como é do outro lado”, termos nos desvencilhado de uns 15 vendedores muito irritantes, e já não aguentarmos mais o fedor de esgoto…

Tudo bem que eu não tinha grandes expectativas, mas não esperava que a decepção fosse ser tanta!

Mas tudo bem, voltamos pro carro e seguimos diretamente na direção oposta de Nusa Dua – para a pontinha Ulu Watu, de onde se pode admirar o por do sol mais icônico de Bali.

Além do Por do sol com a vista do templo que se equilibra nos penhascos, Ulu Watu é famoso por uma outra atração: os macacos!

Só que a diferença em comparação com a Floresta dos Macacos em Ubud, é que os macacos de Ulu Watu são “selvagens” e já aprenderam a se dar bem com os turistas, sem treinadores nem ninguém tomando conta nem fiscalizando seu comportamento.

Eles não chegam a atacar fisicamente, mas se der bobeira… vimos varios macacos com oculos de sol nas mão, mastigando oculos de grau, carregando bonés, brincos, cameras fotograficas…

Assistimos inclusive um deles arrancar um celular da mão de um turistas no meio de uma conversa!

E eles são agressivos! E assustadores… Por mais que você saiba que eles não são uns macacos assassinos, dá um certo medinho ficar andando por ali sem saber se um bando deles vai tentar arrancar sua bolsa, ou sua câmera fotográfica, ou sei lá mais oque…

Mas a vista do templo que se equilibra na pontinha do penhasco compensa!

Ulu Watu é também um dos templos mais antigos da ilha, e seus estruturas originais datam do seculo 11, além de ser uma dos 9 templos “direcionais” da ilha, que marcam pontos especifico de movimento lunar e solar.

E por isso mesmo UluWatu é tão famoso no pôr do sol, quando os nativos se juntam em um os lados do penhasco para uma performance de dança de Barong (para deleite dos turistas….).

O plano final do tour era jantar na praia Jimbaran, mas acabamos desistindo por causa do engarrafamento e voltamo para nossa queria Seminyak…

 

 

Categorias: Bali, Indonésia, Viagens
17
01
Feb
2012
Bali: W Hotel
Escrito por Adriana Miller

Apesar de termos amado nossa escolha de hotel em Bali, tivemos a oportuniade única de conhecer e fazer um tour pelo novissimo W Retreat & Spa de Bali.

O W também fica em Seminyak, e bem na beirinha da praia (apesar de não ter acesso direto nem praia “particular”) foi inaugurado apenas em Abril de 2011.

A arquitetura do hotel é incrivel, conseguindo ser super moderna e super tradicional ao mesmo tempo. Por um lado estão as linhas modernissimas e clean tipicas dos hoteis W, mas essas linhas foram incorporadas com um paisagismo que simula as linhas dos campos de arroz e montanhas da ilha.

Além disso, a propriedade onde o W foi construido possuia 4 mini templos, que segundo as leis locais, e regras do hinduismo não poderiam ser removidos nem destruidos, então os arquitetos do hotel consehuiram incorporar os templos perfeitamente, complementando a vibe geral do hotel.

O W tem uma filosofia muito diferente dos hoteis de luxo normais, e além de ter um espírito mais “jovem” (que não tem nada a ver com a idade de seus hospedes) o W tem uma filosofia de entretenimento onde oque mais se preza é o clima “social” das areas do hotel, sempre aberto para tudo e todos.

A primeira diferença fica logo no lobby do hotel, que ao contrario dos hoteis “comuns”, a recepção do W é na verdade um bar! Eles acreditam que a recepção dos hoteis devem sempre ser a “alma” da casa, a primeira impressão que te acolhe, e sempre com muita gente indo e vindo.

Outra das principais vertentes da filosofia original da cadeia de W Resorts é o serviço “Whatever/Whener” (qualquer coisa / qualquer lugar) que eleva a noção de “atendimento ao cliente” a um novo patamar – qualquer coisa, a qualquer hora, em qualquer lugar… o pedido do hospede é uma ordem!

Alem das suites do predio principal, o W Resorts Bali também tem 78 vilas privadas, variando entre 1 e 3 quartos, todas com piscina e jardim particular (de cair o queixo!!), e um total de 8 bares e restaurantes, além do beach club Woobar.

Nós aproveitamos para jantar no restaurante asiático fusion Starfish Bloo – que antes mesmo de olharmos o menu, já impressiona só pela decoração e arquitetura!

Com seu pé direito altissimo e mesas em “gaiolas” e aquarios, e com a cozinha totalmente aberta no meio do restaurante de um lado, e o mar de Seminyak de outro lado.

No menu muitos sucos e cocktaisl “exoticos” (provei o suco de Dragon Fruit com blueberry e papaya sensacional!) e as invenções do chefe premiado Jack Yoss nas variações asiaticas.

Além de uma infinidade de pratos de arroz, noodles e sushis, os mini rolls estavam incriveis, e adoramos os “hot stones”, onde você pode grelhar seu proprio peixe na sua mesa, usando uma pedra vulcânica em brasa colocada no centro da sua mesa!

E não deixe de provar uma das atrações: uma asinha de frango com molho de gergelin recheada com camarão!

E quando você estiver exausto de tanta praia e badalação, o W de Bali tem um Spa incrivel que foi eleito um dos melhores da Asia em 2011 e esta servindo como Spa-modelo para reformulação de varios outros hoteis da rede W e Starwoods!

Para reservar seu quarto no W Retreat em Bali, ou reservar uma mesa em um de seus restaurantes, clique aqui.

Categorias: Bali, Indonésia, Viagens
15
31
Jan
2012
Bali Noroeste: Roteiro e passeios
Escrito por Adriana Miller

O norte de Bali é sem duvidas a região mais isolada e “original” da ilha. São quilômetros e mais quilômetros de estrada sem ver ninguém, as placas e nomes em Inglês somem, e finalmente cai a ficha de que na verdade, Bali, na verdade não passa de uma pequena ilha de pescadores…

E o dia que resolvemos explorar essa parte desconhecida da ilha, ao mesmo tempo que tivemos a oportunidade de conhecer um lado novisíssimo e inexplorado da ilha, também caimos em uma das maiores armadilhas para turistas da vida!

Bem, antes de embarcarmos, fizemos várias pesquisas sobre oque fazer, oque conhecer na ilha, e principalmente onde estaríam as melhores oportunidades para fotos incriveis, até que o Aaron achou umas fotos (mega photoshopadas) dos tais golfinhos na praia de Lovina.

Lovina fica no extremo norte da Ilha, a cerca de 3 horas de Seminyak, e a ideia de chegar até lá a tempo de assistir o nascer do sol com os golfinhos deixou nosso motorista mais cético… mas como o roteiro estava por nossa conta, ele se encarregou de organizar um barco só pra gente, e as 3 da manha, em ponto estava nos esperando na porta do resort.

A viagem foi longa e torturante, com muitas curvas e longuíssimas 3 horas (isso sem transito algum, já que era no meio da madruga!) até chegar na praia de Lovina.

Sabe aquela voz conselheira que te ajuda a sair das roubadas? Pois é, não ouvi a minha… Mas algo não ia bem. Os barcos mega barulhentos, e navegando em bandos de dezenas de cada vez… Gente, se os golfinhos estão entre os animais mais espertos, eles certamente não se meteriam naquela roubada de ir “nadar” perto dos turistas.

Ok, ok, eu sei que é possivel, e sei que vai aparecer algum aqui falando de como eles tiveram essa experiência incrivel, bla bla bla… e inclusive eu depois achei uma foto (verdadeira e não-photoshopada da Dri Setti – vai láaaaaa no final do post -  que prova que a experiencia é possivel).

Mas convenhamos que dezenas de barcos, com os motores mais ensurdecedores do planeta se amontoando, espantariam até o mais burro dos animais. Mas enfim, vimos uns 2 ou 3 golfinhos, que prontamente fugiram assim que começaram a ser perseguidos pelos barcos, e muito mais rapidos que as lentes de nossas cameras…

Mas não foi uma experiência desperdiçada, pois assistimos um nascer do sol incrivel e tivemos a oportunidade de andar no barco tradicional Balines (tem que achar o lado bom né?!).

Então seguimos no nosso dia exaustivo (afinal o dia começou as 2 e meia da matina!) determinados a conseguir aproveitar essa parte da ilha.

A primeira parada foi o templo Brahma Vihara Arama, uma dos poucos, e o maior templo Budista de Bali (Bali é maioritariamente Hindu, mas tem uma pequena população de Budistas e Muçulmanos).

O templo é super isolado, e bastante desconhecido (o Roby, nosso motorista, nunca tinha ouvido falar, e foi um saco conseguir achar a estradinha certa…) e tivemos o privilégio de ter o templo inteirinho só pra gente, uns dois monges cuidando do jardim e umas menininhas super fofas que ficaram hipnotizadas pela nossa presença!

O templo Vihara Arama não é um local turistico, mas o monge nos deixou entrar sem problemas, e ainda nos emprestou duas cangas para que cobrissemos nossas pernas e pudéssemos entrar nas partes sagradas do templo.

Depois de um tempinho naquela paz toda, eu já tinha até esquecido da raiva e cansaço de ter acordado as 2 da manha!

A volta para o sul da ilha foi pela região dos lagos centrais de Bali, onde estão os 3 lagos: Danau Buyan Pancasari, Danau Tambligari e Danau Bratan.

Que são os lagos vulcânicos formados aos pá da caldeira do vulcão Gunung Catur, e uma região montanhosa linda, cercada de campos de arrozais e plantações de morangos.

(Segundo nosso motorista, foi ali naquela região que gravaram as cenas de Bali em “Comer Rezar Amar” para fingir ser uma Ubud mais tranquila e remota)

Entre os muitos templos da região dos lagos de Bali, o mais bonito e principal é o Pura Ulun Danau Bratan, que pra mim era o sinônimo de Bali!

O templo fica dentro do lago Danau Bratan, que é o maior da região e considerado de aguas (e terrenos em volta do lago) mais férteis, e portanto o lago foi construído em honra da Deusa Balinesa Dewi Danu, deusa das aguas, lagos e rios e também ao Deus Shiva, que é considerado uma dos principais deuses do hinduísmo tradicional.

E esse templo não poderia ser mais fotogênico: além da tipica arquitetura Balinesa, as guas tranquilas do lago, cercado de flores e folhas de lotus, tendo as montanhas e o vulcão como pano de fundo!

 

 

Categorias: Bali, Indonésia, Viagens
7
31
Jan
2012
Bali: Ku De Ta
Escrito por Adriana Miller

Uma das primeiras coisas a ser decidida e definida em relação a viagem em Bali foi a noite de revellion.

Eu já tinha ouvido falar sobre a Ku De Ta, mas não sabia ao certo oque nem onde era. Mas aí, a medida que fui pesquisando os detalhes da viagem, onde se hospedar e tal, tudo começou a se encaixar perfeitamente, e batemos o martelo em Seminyak.

O timing da viagem foi super intencional e eu queria de qualquer maneira passar o revellion em algum lugar quente, e de preferência na praia, e naquela de que “vale ou não vela a pena ir a Bali”, a verdade é que a festa de ano novo na Ku De Ta foi nosso principal fator decisivo.

Vi as fotos dos anos anteriores e li muitas ótimas reviews on line – ao mesmo tempo que ainda estava um pouco cínica em relação a tal festa (afinal sempre fui a primeira a repetir naquela máxima de que nenhum lugar do mundo produz festas de ano novo como no Brasil), mas sabia que no mínimo seria divertido e pelo menos teriamos alguma coisa “oficial” pra fazer na noite de revellion.

O Ku De Ta é um beach club nas areias da praia de Seminyak, e ao longo dos muitos anos de Bali foi se estabelecendo como o melhor bar, a melhor balada e um dos melhores restaurantes da ilha.

Foi um daqueles poucos lugares que atingiu seu auge nos tempos aureos de Bali-paraíso, mas que não se deixou decair a menina que a ilha foi pouco a pouco perdendo seus encantos.

Lá dentro você jura que Bali é o lugar mais incrivel do mundo, que todo mundo é lindo e que a vida é bela!

E não precisa ser apenas em clima de balada não! Ku De Ta bomba o tempo todo! Durante o dia suas espreguiçadeiras são as mais disputadas de Seminyak, seu gramado fica mais animado do que o Hyde Park em dia de sol, e seus sofazões e bean bags as mais confortáveis.

E isso tudo , claro, acompanhado de um menu super bom, que pode começar com um brunch pela manha, cardápio internacional de primeira para o almoço e janta, vários belisquetes ao longo do dia (afinal, praia cansa, né?), e sem esquecer do menu incrivel de sucos de frutas, bebidas e cocktails servidos diretamente na areia da praia!

E a medida que o dia vai avançando, o centímetro quadrado em frente ao Ku De Ta vai ficando cada vez mais cheio e o preço do aluguel das espreguiçadeiras na praia vai subindo a medida que o sol vai baixando… E se voce se concentrar, jura que esta nas areais de Ipanema, com o sol se pondo no mar, e aquela vibe boa de praia, palmas no por do dol e um ânimo renovado!

Para a festa de revellion, eu sabia que seria disputada (mas só quando chegamos em Bali é que me dei conta da magnitude da coisa) então comecei a mandar e-mails muitos meses antes, e fiz toda nossa reserva e pagamento on line, só pra garantir (e ainda bem que fiz, pois tudo esgotou semanas antes) e retiramos nossos convites um dia que fomos a praia por lá.

A decoração da festa foi uma coisa a parte, com um dresscode da festa que pedia “dress for love and life” (se vista para o amor e para a vida), e imagina a minha felicidade quando vi a quantidade de gente vestindo branco?!

O clima não poderia ser melhor, uma decoração lindissíma com temática Russa, e varios ambientes com DJs, banda, malabares e muitos bares difernetes.

Aliais isso é uma cosia que vale a pena mencionar: o serviço im-pe-cá-vel!

Além de terem triplicado o numero de bares de apoio, eles empregaram um verdadeiro exercito de garçons, e nem sequer tivemos que perder nosso tempo pra chegar perto de um bar – bastava ser copo ficar vazio, que em segundo chegava alguém, com um cardápio e uma lanterna na mão, prontos para anotar seu pedido; mais alguns segundos e lá estavam eles de volta com seu drink e seu troco!

Muito, muito impressionante e muito bom, principalmente considerando a quantidade de gente por lá, as pistas de dança, o gramado e tals. Os convidados da festa estavam lá pra se divertir e nada mais!

E faltando alguns segundos para meia noite, finalmente a contagem regressiva começou, naquele clima de emoção, a areia da praia e as ondas do mar… e MUITOS fogos de artifício!!!

Olha, realmente 2011 foi um ano incrível, e não poderia existir melhor maneira de fechar o ano – e começar o novo!!

Feliz 2012!!!

 

Categorias: Ano novo e resoluções, Bali, Indonésia, Viagens
23
30
Jan
2012
Bali Central: Roteiro e passeios
Escrito por Adriana Miller

A melhor maneira de organizar nossos roteiros em Bali foi pensando geograficamente.

Por ser uma ilha, a primeira intuição é imaginar que tudo vai ser pertinho e fácil de chegar de um lugar ao outro, mas como já comentei antes, além de Bali ser uma ilha de tamanho considerável, sua geologia vulcânica, com muitas montanhas, campos de arroz, etc somado a estradas precárias e difícil de acesso a grande parte da ilha, faz com que qualquer passeiozinho ocupe boa parte do seu dia.

E isso foi outro fator importante pra nós. Queríamos poder conhecer o máximo possível da ilha, mas ao mesmo tempo, sabíamos que seria impossível visitar tudo, e não queríamos de jeito nenhum lotar todos os nossos dias com mil atividades, horas presos no engarrafamento e acabar todos os dias exaustos… (preferimos poder aproveitar bastante a badalação de Seminyak e principalmente descansar e curtir nosso resort).

Então nosso primeiro dia turistando pela ilha, fizemos um roteiro na area centro-leste de Bali, e conseguimos – sem completamente esgotar nosso dia – juntar 3 das principais atrações e areas da ilha.

Acordamos cedo, e nosso motorista nos levou diretamente ao templo Pura Besakih, o maior templo Hindu da ilha, bem aos pés do vulcão semi-ativo Agung (a ultima vez que ele entrou em erupção foi apenas na década de 60!).

O templo Besakih, também conhecido como “a mãe de todos os templos” tem uma arquitetura bem impactante, e um tamanho impressionante.

Nós contratamos um guia local (ele passou umas 2 horas com a gente e nos custou apenas 5 dolares!), pois nossos planos de desbravar o templo sozinhos ficou meio desanimado depois que vimos o tamanho do lugar!

E sem falar, que por ser um templo ativo e muito usado pelos locais, não podíamos esquecer que aquele lugar não era apenas uma “atração turística” e sim um local religioso, e todo respeito é necessário. E como não foi uma coisa imposta, foi legal passar algumas horas com um menino local da vila de Besakih, que sabia tudo do templo, e nunca saiu da ilha.

Uma das principais vantagens de ter um guia foi saber onde podíamos ou não podíamos entrar. Eles tem regras bem restritas em relação a entrada de não-hindus (e não Balineses) nas áreas sagradas do templo, e ele foi nos explicando sobre cada canto, cada significado e cada deus adorado nos diversos sub-templos, ao redor do “templo mãe”.

E inclusive fizemos um mini ritual, onde ele nos explicou algumas das pequenas diferenças das orações e adorações do hinduísmo Balinês, a importância das oferendas e como referenciar cada Deus numa sequencia especifica.

Foi uma experiência super legal, e ajudou um pouco a entender a devoção dos Balineses a seus Deuses.

De lá, seguimos em direção a area central da ilha, onde a mítica vila de Ubud.

De todos os lugares que conhecemos (que ficou longe de ser a ilha toda), foi a região mais tipica, e oque mais se aproximou com eu que imaginei que Bali seria.

Ainda é bastante caótica, gente demais, e um engarrafamento de arrancar os cabelos, mas são em suas ruazinhas que encontramos as lojas mais charmosas, os mercadinhos, artesanato (cada vilarejo ao redor de Ubud é especializado em um tipo específico de arte, então é possível visitar as familias que se dedicam a marcenaria, a tapeçaria, pintura etc.

Não conheci nenhum dos hoteis de Ubud, mas vimos muitos campos de golfe, muitas oficinas de yoga e meditação, e de maneira geral, um clima mais familia e mais relaxado doque Seminyak.

Como chegamos lá bem na hora do almoço, aproveitamos para descansar depois de horas de trânsito e parar pra comer no Lotus Café, considerado um dos melhores e mais tradicionais restaurantes de comida Balinesa e o unico lugar onde encontramos a iguaria Bebek Batutu (que contei aqui). E já até abriu filiais em Cingapura, tamanha a fama em Bali!

E mesmo que você não tenha a menor vontade de comer comida Balinesa, o Café Lotus vale só pela vista: o restaurante fica em uma das principais ruas de Ubud (Jl. Raya Ubud Kedewatan) e esconde o incrível templo Pura Saraswati, que é o templo Real de Ubud, e dedicado a Deusa da educação, Dewi Saraswati.

Quem  estiver hospedado na região, vale a pena reservar mesa (com bastante antecedência!) para jantar cerca das 6 da tarde, quando os devotos se reunem no jardim em frente ao templo (e portanto, bem de frente ao restaurante) para fazerem suas danças Barong.

Outra grande atração na região de Ubud é a Floresta Sagrada dos Macacos, ou Wanara Wana.

A floresta (que é mais um parque florestal, já que é fechada/cercada e muito bem fiscalizada), abriga cerca de 200 macacos, que são considerados tambem os guardiões do templo Dalem Agung, e não dea pra negar que eles são os chefes da parada!

A entrada na floresta é super controlada (e paga) e os turistas devem seguir regras super especificas em relação a comportamente e alimentos.

Os macacos da Floresta são bem comportados, até porque são super bem fiscalizados por treinadores uniformizados, mas ainda assim, eles são os donos da area e fazem oque bem entenderem. Então ou os turistas seguem as regras, ou… já era.

 

O principal problema são alimentos – sejam migalhas de biscoito na sua bolsa, frutas do mercadinho da esquina ou qualquer outra coisa que possa ser confundida com comida (vimos um turista apontando o dedo indicador para um macaco, e levou uma bela de uma mordida! O macaquinho achou que fosse uma banana!).

Se eles acharem que você esta escondendo comida em algum lugar, a macacada vai se juntar e vão tentar tirar a comida de você de qualquer forma!

Mas dentro da floresta não ha riscos. Além dos treinadores que estão por todas as partes de olho no comportamento dos macacos, todos eles são bem pequenininhos, e relativamente calmos.

E tão fofinhos!!!

E é claro, é nessa região central de Bali que estão os campos de arroz, um dos cenários mais estereotípicos de Bali.

Não fomos a nenhuma area especifica (algumas agência fazem trilhas, caminhadas, rotas de bicicletas etc, mas preferimos fazer por conta própria), mas a medida que íamos dirigindo pela ilha, vimos muitos campos lindíssimos, e o Roby (nosso motorista) sempre se prontificava a parar o carro pra gente, para que pudéssemos tirar varias fotos.

Os campos de arroz de Bali são considerados areas protegidas da Unesco desde 2008, em homenagem a preservação de técnicas de cultivo tipica da região.

Alguns dos campos mais impressionantes estão na area de Jatiluwih, ao sudoeste de Ubud (e a caminho do templo Tanah Lot, abaixo)

Finalmente, pra fechar o nosso dia, começamos a dirigir de volta em direção ao sul da ilha e paramos no templo Tanah Lot, que fica na costa oeste da ilha, bem ao norte de Seminyak.

O templo, também conhecido como o templo do por do sol (e também o templo das cobras – mas não vimos nenhuma!), e é um dos mas disputados no fim do dia.

E nós demos muita sorte!

Pegamos varias pancadas de chuva ao longo da tarde, e foi só chegarmos lá que as nuvens abriam espaço para um por do sol incrivel, que gerou algumas das fotos mais bonitas da viagem!

 

 

Categorias: Bali, Indonésia, Viagens
31
28
Jan
2012
Bali, Seminyak: Praia, bares e restaurantes
Escrito por Adriana Miller

A nossa escolha por nos hospedarmos em Seminyak foi bem deliberada, e apesar de Bali ter inúmeras opções, pra todos os gostos e bolsos (que significa que não existe escolha certa nem errada, apenas a escolha que pode ter sido certa ou errada pra você e seu perfil e preferências), então de cara sabia que Seminyak seria nossa praia!

Um fatos decisivo era a noite de revellion, e pra isso, definitivamente queríamos estar por la. Eu sei que vivo comparando os lugares do mundo, com lugares no Rio de Janeiro, mas as vezes fica mais fácil pra fazer a correlação: Sob meu ponto de vista, Seminyak é a junção perfeita da Rua das Pedras com a Praia de Geribá (em Buzios).

A praia esta longe de ter a areais branquinha e aguas cristalinas, mas pelo menos é uma praia de “areia”, com bares, espreguiçadeiras e gente.

O centrinho da “vila” teria muitas opções de cosias pra fazer, comer e passear, além do fácil acesso ao aeroporto (chegamos na ilha bem tarde da noite, e voaríamos embora bem cedo de manhã – fatores sempre importantes na escolha da hospedagem), e as estradas principais que nos levariam a outras partes da ilha.

E o fato de que achamos o hotel perfeito que atendeu a todos os nossos pre-requisitos bem ali no meio do buxixo, selou a decisão! (ficamos no Amadea Resort & Spa, que ja falei aqui).

- Praia:

A praia foi sem duvidas a melhor que vimos em Bali. Logicamente não vimos todas, e nem sequer esse foi o foco de nossa viagem, mas foi a única praia em que minha alma Carioca se sentiu numa “praia”: com uma faixa larga de areia com bastante espaco pra estender a kanga (de Bali! hahahah), espreguicadeiras, bares e servicos.

Mas ao mesmo tempo, por ser uma praia de mar “aberto” na costa oeste da ilha, ela não é muito favorável a pesca, oque significa que os barcos de pescadores (vazando oleo e cheiro de peixe) e os barcos de turismo (vazando lixo e muita gente), passam longe.

Porem, apesar de ter um mar “aberto”, ela nao é das favoritas dos surfistas, e mesmo não sendo aquela piscina de agua calma, as ondas também nao eram fortes o suficientes pra atrapalhar nossa diversão.

E por estar na costa oeste da ilha e ter uma extensão considerável de areia, Seminyak se transformou no lugar ideal para o mais legais beach clubs do mundo! Que se tornam especialmente disputados durante o por do sol, quando a galera se junta na areia e nas mesinhas e lounges dos clubs pra curit o por do sol e os drinks!

- Bares e Resturantes:

Um dos principais e mais disputados (e consequentemente badalados) beach club de Seminyak é sem duvida alguma o Ku De Ta! Foi la que passamos nossa virada de ano, numa festa incrível e animadíssima que por fim pôs por terra aquele mito que só o Brasil sabe produzir boas festas de revellion! (então vai rolar post dedicado, porque o Ku De Ta merece!).

Outro restaurante que encabeça as listas de “melhor de Bali”, também fica logo ali, com os pes nas areais de Seminyak: o Balines/Italiano La Lucciola.

Esse restaurante estava no nossa lista, mas um dia, depois de assistir o por do sol na praia, resolvemos tentar achar um lugar pra comer por ali mesmo e sem saber oque era, avistamos o La Lucciola e pronto!

Apesar de nao termos reserva (alta temporada em Bali tem que fazer reserva pra tudo!), como ainda era bem cedo, conseguimos uma mesa bem na varandinha, com uma vista incrível!

No menu, muitas opções com frutos do mar, que misturam perfeitamente os ingredientes Balineses, com um toque Italiano, resultando em alquimias gastronômicas sem igual!

Mas nao da pra negar que um dos ingredientes principais realmente é o ambiente…. a vista…

O restaurante ocupa os dois andares de uma “casa” bem estilo praiano, todas as mesas tem vista direta pro mar, muitas janelas, muitas flores, muitas velas e os maravilhosos moveis Balineses (queria poder re-mobiliar minha casa toda nessa viagem!), oque criam aquele ambiente de sonho… dando aquela sensacao de que “era essa a Bali que eu sonhei!”.

 

Mas nao podemos esquecer da tal da “Restaurant Street” que é o centrinho de Seminyak, e que ajudou a transformar essa vila, no bairro trendy e cool de hoje em dia.

O nome verdadeiro da rua é Jalan Laksamana, oque explica porque um nome mais turístico foi prontamente adotado… em seus poucos quilômetros de cumprimento  ela sem duvida é uma das mais movimentadas e bem cuidadas da ilha.

Vários tipos de bares, restaurantes para todos os gostos, muitas lojas com roupas praianas (muitas marcas Australianas bem interessantes), algumas galerias de arte, lojas de moveis e design Balines, mercados, agencias de turismo e tudo mais que o turista pode precisar durante sua estadia.

Um dos bares que acabou virando nosso “point” durante os dias que passamos por lá foi o diner fuleiro Soho, que fica aberto 24 horas e tem os melhores (e mais baratos) sanduiches de Bali!

O Soho salvou nossos estômagos na noite que chegamos, e aquele Philly-Cheese-Steak sem igual em plena madrugada nos conquistou de cara!

Lanchinho pós-passeio? Soho. Fazer uma boquinha na madrugada pós balada? Soho (esse horário era exatamente o mais disputado!). Alomoço rapido pré-praia? Soho.

Deu pra entender, né? E mesmo com sua aparência de pé sujo, se esforçando pra lançar um estilo de diner Nova Iorquino, a verdade é que o lugar esta sempre lotado, 24 horas por dia, e os precinhos diminutos do menu dão o incentivo extra pra continuar voltando e voltando…

Mas como nem só de sanduíche sobrevive a Restaurant Street, um outro lugar ótimo que provamos foi o Italiano Trattoria.

Mesmo com uma superlotação e fila na porta (todas as noites), o serviço foi sempre impecável, eles sempre dão um jeito de ir atendendo e servindo todo mundo, e inclusive abriram um “puxadinho” na calçada do outro lado da rua pra atender a quantidade incrivel de clientes disputando uma mesa (e isso porque são duas filiais do Trattoria só em Seminyak, a poucos metros de distância).

A comida chega rapido, deliciosa, muitas opções de vinhos e cervejas, e no final de tudo a conta mal passa 10 dolares por cabeça…!

E pra variar um pouco o paladar, tambem seguimos a recomendação de uma amiga e fomos conferir o L’Entrecôte, um restaurante estilo bistro Francês, vizinho da Trattoria e igualmente disputado.

O melhor? O prato chefe do L’Entrecôte é seu PF de bife, salada e batata frita, que virou a marca registrada da casa. E pelo módico preço de 10 dolares por “menu”, que tambem inclui uma sobremesa!

Para opções mais Belinesas, a melhor opção é o Batu Kali, que por sorte era o restaurante do nosso hotel!

Uma otima seleção de sucos de frutas “exoticas” (mamão, abacaxi, maracujá, manga e afins, que é bem dificil de achar na Europa) que são tipica de Bali além de uma lista bem generosa de pratos asiaticos e Balineses, e mais umas tantas opções “ocidentais” e internacionais para os mais frescos.

Minha recomendação vai pro Nasi Goreng, que é um dos pratos tipicos da ilha e significa, literalmente “arroz frito com frango” e não tem erro!

E ainda existem muitos outros, e seria possível dar a volta ao mundo gastronomicamente sem sequer sair daquela rua!

 

Categorias: Bali, Indonésia, Viagens
13
26
Jan
2012
Amadea Resort & Spa
Escrito por Adriana Miller

Uma das otimas escolhas que fizemos durante nossa estadia em Bali foi o hotel escolhido.

Fiz uma pesquisa rapidinha e sabia que queriamos ficar na area de Seminyak, que tem uma das praias melhorzinhas, mas tem tambem otimos restaurantes, bares, baladinhas e boas conexoes com o aeroporto.

As opcoes por la foram muitas, e tinhamos alguns pre-requisitos: um estilo “boutique” de acomodacao, que nao fosse nem um albergue muito fuleirao, nem tanpoco um resort enorme e caro.

Quartos espacosos e novos, piscina (sabia que ia estar muito calor nessa epoca do ano, e ja sabia que as praias nao sao la grandes coisas) e um boa infraestrutura dentro do hotel.

Entao segui o feedback de sites como booking.com e Tripadvisor e escolhi o Amadea Resort & Spa, um hotel bem no meiao da “restaurant street” de Seynimiak, novissimo e com otimo feedback!

E a escolha nao poderia ter sido melhor! Foi um daqueles lugares onde voce se sente totalmente em casa, todos os funcionarios tao simpaticos, que na hora de ir embora ate bate uma saudade!

Na noite que chegamos, rolou um certo estresse por causa de um errinho na reserva (resumindo: eu fiz uma reserva inicial pelo booking, mas modifiquei as datas uns meses depois diretamente com eles, entao o preco da diaria estava aparecendo errado pra mim e pra eles), mas prontamente o gerente veio falar comigo e nos ofereceu um upgrade no tipo de quarto, para uma versao maior e com vista pra piscina nos fundos da propriedade.

Aliais, uma cosia que me preocupou um pouco era se teriamos barulho a noite, ja que o hotel eh tao no meio do burburinho, mas gracas a deus, nao ouvimos nada nem de longe! A fachada do hotel eh um restaurante (do hotel, onde eh servido cafe da manha, mas aberto a nao-hospedes tambem), depois tem um jardim interno e o estacionamento, depois todas as villas, e so la no fundao fica a recepcao e os blocos de quartos e piscinas. Ou seja, perto suficiente da badalacao, mas longe o suficiente pra poder desligar totalmente!

E alem da infraestrutura novissima e super confortavel, funcionarios simpaticissimos, otima comida, otimos drinks no bar da(s) piscina o hotel ainda tem um spa delicioso na cobertura, oferencendo inumeros tratamentos tipicos Balineses e todo tipo de relaxamento e massagens!

Nao poderia ter fechado 2011 (e comecado 2012!) de jeito melhor! nada como uma boa massagem balises pra relaxar e invigorar!

O Spa fica na cobertura do hotel, com vistas para a piscina e o jardin interno, e tem varios quartos de tratamento individuais e para casais, tudo naquele climinha delicia oriental.

E foi tambem gracas ao hotel que conhecemos o Roby, nosso maravilho motorista e guia que nos mostrou tudo que bali tem de melhor me mais interessante!

A apesar de nao ser um resort peh na areia, o Amadea, que fica bem no meio da “rua dos restaurantes” (uma coisa assim, DEMAIS no clima da Rua das Pedras em Buzios – so que muito menos charmosa e menos cuidada, infelizmente para os Baliseses), fica a apenas uns 10 ou 15 minutos (andando) da praia de Seminyak, onde estao varios otimos restaurantes, bares e beach clubs (todas as dicas em breve!), oque fez dele a localizacao perfeita!

Para reservas, clique aqui no Booking.com ou direto no site do hotel.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Bali, Indonésia, Viagens
11
Página 1 de 212