30
Jun
2013
Roteiro do Titanic em Belfast
Escrito por Adriana Miller

A tragédia do navio Titanic parece mesmo uma história saída das telas do cinema: o maior navio de todos os tempos, em sua viagem inaugural… e pimba! Afunda dias depois de zarpar do Sul da Inglaterra em direção a NY.

O que nem todo mundo sabe é que o Titanic foi construido nas docas de Belfast – cidade com muita tradição em construção naval.

E apesar da tragédia envolvida na história, a cidade soube aproveitar como ninguém esse acaso para seu proveito próprio.

Existem uma infinidade de tours ao redor da cidade mostrando algumas das particularidades da história e construção do navio, e ano passado a cidade finalmente inaugurou um gigantesco museu no porto de Belfast – exatamente onde o Titanic foi construído – contando a história, não só do navio, mas também da tradição Irlandesa na arte naval.

O novo museu fica localizado no “Tiatnic Quarter“, a área turística das docas, que depois da revitalização, inclui um museu de ciências e casa de shows (The Odissey), hotéis, museu naval e réplicas de navios históricos, além de possibilidade de descer nos hangares e docas de construção de navios (que continuam na ativa e construindo navios e cruzeiros até hoje).

Outra atração no Titanic Quarter é a antiga sede da empresa de design naval “Harland and Wolff”, que desenhou e idealizou o Titanic (entre muitos outros).

É possível visitar as áreas onde o navio foi projetado, e ver de perto algumas das plantas e blueprints originais (muito engraçado ver que tudo era escrito e desenhado a mão!!).

Pra quem curtir navios (e o Titanic, claro!) também é possível descer e passear na doca do Titanic, onde o navio foi integralmente construído e de onde zarpou pela primeira vez.

Titanic Quarter

Titanic House 6 Queens Rd,

Queen’s Island, Belfast BT3 9DT

(nós fomos bem cedo e ainda era possível comprar ingressos para o museu, mas nos recomendaram comprar com antecedência pela internet)

 

Categorias: Belfast, Irlanda (do Norte), Viagens
7
28
Jun
2013
Pubs Históricos de Belfast
Escrito por Adriana Miller

Ainda estou pra ver uma cidade no mundo que não tenha um Pub Irlandês pra chamar de seu! Então como evita-los quando estamos na Irlanda?!?! (seja a República ou do Norte!)

E realmente não tem como evitar: quando você menos espera a chuva e vento volta com toda força em Belfast, e quando vc sai correndo pra procurar um abrigo, pode ter uma certeza: naquela esquina tem um pub!!

Alguns são melhores ou piores, maiores ou menores, mas são tão integrais na história do país e da cidade quanto seus monumentos e praças.

Então enquanto passeávamos pela cidade, não pensamos duas vezes na hora de trocar um monumento ou atração ou outro só pra dar uma paradinho num pub!

Mas com tantas opções, como escolher os melhores? Fácil! Escolhemos os pubs históricos! Porque Guiness também é cultura!

O principal da cidade, apesar de não ser o mais antigo, é sem dúvida o mais bonito e impressionante: The Crown Liquor Saloon, data de 1880. O bar, que originalmente era o “Public House” da estação de trem de Belfast, tem 3 andares e é tão adornado e minuciosamente decorado, que em 1978 foi comprado pela National Trust Britânica (órgão que regulamenta monumentos nacionais) e hoje em dia é um patrimônio histórico do reino.

Loga na entrada você já se impressiona com o interior – o bar de madeira trabalhada, e cada mesa em seu booth individual!

O único problema? Qualquer outro pub no mundo será muito simples e sem graça depois de entrar no The Crown! (Ah! A comida servida no restaurante do segunda andar é divina!)

The Crown Liquor Saloon

46 Great Victoria St, Belfast, BT2 7BA

Já o mais antigo pub de Belfast é o McHugh’s, que tem quase 300 anos de história no mesmo endereço (bem ali atrás do relógio Albert Memorial), onde foi inaugurado em 1720.

O McHugh’s era o Public House que atendia a antiga região das docas de Belfast, e apesar das muitas reformas pelas quais já passou ao longo dos séculos, sua ultima renovação teve como objetivo restaurar parte de sua estrutura original (para manter o ar de “antigo”).

McHugh’s

29-31 Queen’s Square, Belfast BT1 3FG

Já o The Morning Star faz parte da história da cidade e do país: escondido na viela “Pottinger’s Entry” (que parece saído diretamente de um filme do Harry Potter!), nos arredores da High Street da cidade, era o pub que reunia jornalistas e ativistas políticos quando ainda era vizinho do antigo jornal “The Belfast Newsletter”, e assim como o Crown Saloon, esse pub posteriormente serviu como public house para a estação de ônibus da rota Dublin-Belfast.

The Morning Star

Pottingers Entry

Eu achei o “The Duke of York” (pertinho da Saint Anne’s Cathedral) o mais animado e original!

A decoração já não é a original (historicamente falando), mas suas paredes cobertas de porta copos, rótulos de bebidas, placas e imagens de todos os tipos até ofusca o bar de madeira maciça e os vidrais seculares do ambiente!

The Duke of York

7-11 Commercial Ct, Belfast BT1 2NB

 

 

Categorias: Belfast, Irlanda (do Norte), Viagens
8
27
Jun
2013
Belfast
Escrito por Adriana Miller

A capital da Irlanda do Norte é uma ótima porta de entrada ao país, além de ter impresso em cada esquina, sua cultura e história.

A cidade foi palco de incontáveis revoluções, protestos, atentados e movimentos culturais – e é exatamente isso que vemos em suas esquinas.

Com um misto de igrejas e pubs a cada quarteirão, a cidade é colorida pelos murais artísticos, que numa espécie de história em quadrinho da vida real, contam a história do pais e seu povo: da propaganda política separatista, as preferências religiosas e o gosto pelas artes e música. O que antes era vandalismo e revolta, acabou dando uma nova personalidade a cidade, deixando turistas boquiabertos.

Explorar a cidade é facílimo, e sejamos honestos: se a intenção é puramente carimbar os pontos turísticos (nem tão conhecidos assim) da cidade, o itinerário acabaria em um par de horas.

Mas ainda assim vale a pena, pois é nessa “exploração” turística que acabamos dando de cara com o melhor da cidade (a história! Os pubs! A arte de rua!).

Nós começamos nosso itinerário pela City Hall, a prefeitura da cidade e símbolo de Belfast.

Sem dúvida o maior e mais imponente edifício da cidade, de onde se abrem suas principais avenidas, e diferentes bairros a serem explorados.

Nós optamos seguir em direção a Donegall Place, explorando a High Street (que hoje em dia é uma área comercial exclusiva para pedestres) e as ruazinhas e vielas na “Anne Street Entries” – que são uma séries de ruas estreitíssimas medievais, que ainda preservam alguns de seus edifícios e estruturas, e onde a classe trabalhadora da Irlanda se reunia durante os períodos de revolução.

Apesar de que as ruas principais estão tomadas por lojas modernas, essas vielinhas contam a história da cidade!

No final da High Street não dá pra ignorar o gigantesco relógio do “Albert Memorial”, que parece uma espécia de Big Ben sem-parlamento, mas que domina a paisagem da cidade.

E é ali também que começa a região das docas e beira rio – que desde 1999 abriga um gigantesco salmão de cerâmica, que comemora a despoluição do rio Lagan, que voltou a ter salmões nadando rio acima, uma das tradições Irlandesas a mesa.

Imperdível também é a Catedral St Anne, a catedral de Belfast, e uma imponente igreja. A igreja atual é uma construção recente, construída por cima de outra igreja, que já tinha sido construida por cima de outra igreja e assim por diante.

Ao longo desse itinerário, preste atenção nos muros, laterais de prédios e casas e entradas de ruas: é ali que estão espalhados os murais da cidade.

Estima-se que Belfast e seus arredores tem cerca de 2.000 murais, que variam desde propaganda política e religiosa da década de 60, até os que comemoram grandes feitos musicais e dos esportes, aos que mostram festivais de musica ou publicidade de pubs.

Eles são meio que uma caça ao tesouro, e cada vez que você se dá de frente com um deles sempre rola um choque com o quanto são grandes e vívidos!

Como comentei no post anterior, nós ficamos hospedados no hotel Ibis Queen’s Quarter e voamos British Airways até o aeroporto Belfast City.

 

Categorias: Belfast, Irlanda (do Norte), Viagens
5
26
Jun
2013
Irlanda do Norte
Escrito por Adriana Miller

A Irlanda do Norte é o 4ª país do Reino Unido e o único localizado numa ilha separada dos demais (os outros 3 países – Inglaterra, Escócia e País de Gales também são conhecidos como Great Britain, ou Grã Bretanha, pois estão localizados na ilha principal, a Ilha Britânica).

Basta conhecer um pouquinho da história do reino pra perceber que os 4 países são super diferentes uns dos outros. A língua, moeda, Rainha (e as estradas do lado errado!) são os mesmos, mas cada um tem sua cultura, história e particularidades – e ái de quem generaliza-los!

Mas dos 4, acho que a Irlanda tem a história (recente) mais conturbada. A começar pelo fato de que existem duas Irlandas na mesma ilha: a República da Irlanda, cuja capital é Dublin e é independente apenas desde 1922. E a Irlanda do Norte, que ficou com apenas 6 das 32 províncias da ilha Irlandesa e se manteve parte do Reino Unido.

E pra quem viveu os anos 80 e 90, quem não se lembra do IRA (Irish Republican Army – o Exército Republicano Irlandês) e seus atos de terror, protesto e revoluções nas ruas de Belfast e Dublin?

E claro, sem mencionar a eterna guerra entre Católicos (predominantemente no sul da Ilha, que hoje é a República) e Protestantes (o norte da Ilha, parte do UK) – que até hoje ainda é motivo de discussões calorosas entre os Britânicos (onde a grandíssima maioria segue a religião protestante “Anglicana“).

Mas culturalmente falando, eu achei as duas Irlandas bem parecidas: as mesmas piadinhas (anti-Ingleses!), os trevos de 4 folhas e doendes em todos os cantos. A cultura de pubs, a cerveja Guiness e as cidras (minha parte preferida!).

Screen Shot 2013-06-25 at 17.49.38

E o clima?! Aff, nos fez até achar o clima de Londres ótimo e super tranquilo (engraçado que minha viagem pra Dublin ha quase 8 anos atrás foi exatamente assim, de enlouquecer!) – em questão de segundos passávamos de um super sol, pra chuva de granizo, pra sol de novo, e ainda com sol um chuvisco… e recomeçava tudo de novo!

Mas uma diferença ficou bem óbvia: sem dúvida alguma, eles são UK!

A bandeirinha “Union Jack” do Reino esta em todos os lugares, até nas cidadezinhas mais remotas que passamos. Enquanto os Escoceses e Galeses gostam de manter uma certa distância e nem sempre se consideram “British”, os Irlandeses são bem diferentes – que é uma herança óbvia dessa separação relativamente recente da ilha.

A paisagem é de tirar o fôlego – muito verde, muitos campos e uma costa rasgada pelo mar impiedoso do mar do norte.

Na viagem que fizemos para o norte da ilha – ainda mais chuvoso e com mais vento que Belfast! – o Aaron comentou “que pena que esta tão nublado!”. mas a medida que começamos a dirigir me dei conta que esse céu cinzento dá o caráter típico das paisagens da Irlanda, e o que encontrei, foi exatamente o que imaginava! Claro que os dias de sol existem, mas as fotos precisavam de um céu super nublado!

O verde, o vento, as ovelhas e as ondas quebrando na costa – uma eterna ressaca! – foram a paisagem perfeita da Irlanda do meu imaginário!

E pensei: Como pude morar na Inglaterra ha 8 anos e nunca ter conhecido a Irlanda?!

Dicas para viajar pra Irlanda do Norte:

- Belfast é a capital e principal cidade da Irlanda do Norte, e apesar de ter outros aeroportos, o mais fácil é voar via Belfast – que tem 2 aeroportos: o Belfast International, que é bem grande – e afastado da cidade – onde chegam e saem a maioria dos voos internacionais. E o Belfast City, que fica bem no centrinho da cidade, com um perfil mais business e atende principalmente voos vindos de outras partes do UK e das principais capitais Europeias (nós voamos pelo City e foi ótimo).

- Para explorar Belfast não é preciso carro. Um táxi do aeroporto ao centro custa menos de 10£ Libras, e existem várias opções de ônibus ao longo do dia, por bem menos!

- Como nós também íamos explorar o norte, alugamos um carro pela Budget Rent a Car, lá no terminal do aeroporto mesmo (reservei on line antes, pela Expedia) e custou apenas 15£ por dia. Porém se sua intenção for cruzar a fronteira com a República da Irlanda, a burocracia de alugar um carro piora um pouco (e o preço também!).

- Assim como o resto do Reino Unido, Belfast não é das cidades mais baratas, e me surpreendi com os preços das acomodações (e não esqueça que eles também usam a Libra!)! Então ficamos hospedados no Ibis Queen’s Quarter, que tecnicamente é fora do centro da cidade, mas a cidade é tão pequena que bastaram 5 minutos num ônibus que chegávamos no centrão da cidade!

- Apesar de que tecnicamente já é verão, a estação não marca muita presença por lá! Em meados de junho, pegamos temperaturas na casa dos 15 graus, com muito vento e chuva que vai e volta o dia todo! Então é imprescindível levar jaquetas, várias camadas de roupa, sapatos que além de confortáveis, aguentem bem a chuva, e claro, guarda-chuva! (e capa de chuva pro carrinho da Isabella!)

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Belfast, Irlanda (do Norte), Viagens
14