10
Jul
2011
A Lagoa Azul
Escrito por Adriana Miller

O ponto turistico mais famoso da Islandia nao tem nad a ver com a Brook Shields nem adolescentes perdidos numa ilha deserta (alguem mais ja assistiu esse filme umas 495 vezes?!?! Gente, como meus pais me deixavam assistir aquilo na sessao da tarde!?!), e sim uma lagoa geologica natural com agua perfeitamente azul!

A Blue Lagoon hoje em dia eh um hotel e Spa, aberto a hospedes e nao hospedes o ano todo. A atracao principal, eh claro eh a lagoa/piscina de agua natural com temperaturas eternamente na casa dos 38 graus.

Apesar de ser “natural” a lagoa aconteceu por acidente, resultado a usina geoeletrica da vizinhanca, que precisava de um lugar pra evacuar a agua usada no seu processo de esfriamento, e ao ser depositada no solo da regiao – que por sua vez tambem eh geotermico – teve uma reacao com Silica e Sulfur, que deu esse aspecto leitoso azulado na agua.

A lagoa virou uma atracao local, e ha uns 10 anos atras virou um hotel e um negocio muito lucrativo!

Qualquer um pode entrar (e pagar!) pra usar a area do spa, e ha varios horarios de onibus que conectam o centro de Reykjavik com a o Spa e o aeroporto internacional de Reyflavik. A viagem demora cerca de 40 minutos saindo de Reykjavik, e 20 minutos saindo de Reyflavik.

E a gua realmente eh incrivelmente azul – apesar de que nos achamos a experiencia como um todo meio nojenta, principalmente depois de reparar que nas areas onde nao eh permitido o banho, a agua eh azulsissima, e nas areas abertas a turistas a agua eh meio esverdeada… humm…. suspeito!

Mas com nojinho ou sem nojinho, nos passamos horas cozinhando na agua quentinha e fazendo mascaras de silica no rosto – que supostamente eh otima pra pele, pra se encostar no cabelo, ja era! Palha automatica!

E deu pra entender bem o fascinio dos Islandeses com as piscinas geotermicas, e entender porque as cidades cresceram e proliferaram justamente onde estao localizadas tais lagoas! Que delicia entrar naquela agua quente depois de um dia de frio! Imagina que delicia (e que lindo!) ver esse lugar cercado de de neve, e com a agua azulzinha no meio?!

Na Blue Lagoon tambem eh possivel fazer varios tratamentos de beleza e massagem, alem de ter uma lojinha vendendo produtos de beleza locais com as propriedades naturais da lagoa – que dizem ser otima pra quem tem problemas de pele como psoriase e rosacea.

Mas apesar das propriedades naturais da agua, a lagoa nao tem fonte natural, e sim faz parte do processo geoeletrico da usina, entao a agua eh reciclada/trocada a cada 2 dias (que nao afeta o uso do spa), garantindo uma agua limpa e com propriedades sempre ativas! (mas ainda assim fiquei com nojo daquela “sopa humana”).

Com o preco da entrada da piscina (30 Euros) voce tambem ganha acesso aos vestiarios, salas de relaxamento, toalha e roupao – alem de usar os produtinhos da linha Blue Lagoon pra se embelezar pos piscina!

Blue Lagoon

 

 

Categorias: Islandia, Reykjavik, Viagens
8
04
Jul
2011
Reykjavik – A baía fumegante
Escrito por Adriana Miller

Reykjavik foi a menor capital que conheci. Porque mesmo os outros paises Europeus pequenininhos, tipo Mônaco, Eslovaquia e Eslovenia, ainda assim teem uma cara mais “sólida” de cidade-capital, que por menor que seja ja está ali ha muito tempo e veio pra ficar.

Reykjavik, se não bastasse ter apenas 200 mil habitatentes (que representa 2/3 da populacao do pais. Já pensou se 120 milhões de pessoas morassem em Brasilia?!), ainda tem aquele ar de cidade satelite provinciana.

Nenhum arranha ceu. Nenhum prédio alto. Nenhum castelo, muralha, monumento que te conte um pouco mais de sua historia…

Muito pelo contrario. O centro da cidade conta com um pouco mais de 1 duzia de ruas se entrelacando na beirada da baia da cidade, e a grande maioria das construções são compostas por casinhas de madeira com pinta de pre fabricadas, nas mais variadas cores.

Em Laugavegur, a principal rua comercial da cidade (que pra completar nós vimos num dia de feriado nacional, onde quase todas as portas estavam fechadas – e pra piorar, estava chovendo e fazendo cerca de 8 graus!) as casinhas coloridas em estilo escandinavo vão se intercalando com cafés, lojas com artigos de lã e roupas de inverno (ou seriam roupas pro ano todo?!) e varias lojas com souvenirs fazendo piadinhas infames sobre vulcões e cinza vulcânica!

Mas pra não ser injusta com a cidade, eu de fato ja cheguei la com duas imagens na cabeca e sabendo que no minimo Reyjavik tem dois “icones” turisticalmente reconhecidos: O primeiro eh a igreja Hallgrímskirkja, que se vê la de longe no caminho do aeroporto (afinal, eh um dos poucos edificos do pais inteiro que eh mais alto que uma casa de 2 andares, e dizem que se pode avistá-la a 20km de distancia da capital!) e que hoje em dia eh um dos simbolos da modernidade Islândica.

A igreja Luterana, construida em 1937, em estilo impressionista, mas que só foi concluida em 1986 usando materiais moderno e duraveis (ela é toda de concreto), e sua arquitetura imita os picos de lava de basalto que pontuam a paisagem Islandica. A Igreja fica bem de frente a estatua de Leif Erikson, heroico desbravador Islandes que os Islandeses consideram ter sido o primeiro Europeu a chegar até, e “descobrir”, a America – além de ter desbravado a Islândia e ajudou a formar a comunidade que sobrevive até hoje – e que deu inicio a toda historia da “saga” Islandica que eles tem tanto orgulho!

Aliais, pra quem tiver um tempinho a mais pra conhecer a capital, eles tem varios museus e “atrações” que mostram a historia da “saga do assentamento” (é assim mesmo que eles chamam a historia de seu “descobrimento”), replicas das antigas casas viking na Islandia, e como funcionavam as primeiras comunidades a se assentar no pais – que realmente é dificil pensar em outra palavra que não seja “heróis” para descrever a historia dessas primeiras familias!

Outro simbolo de Reykjavik é a escultura Sólfar (“Sun Voyager”, viajante do sol), que tambem nao deixa de ser outra homenagem a Saga, e que simboliza os barcos vikings que chegaram na baia de Reykjavik (que significa “baia fumegante”, como foi apelidada pelos descobridores que encontraram muitos poços de enxofre fumegante nos perimetros da cidade). A escultura feita inteiramente de metal, é perfeitamente direcionada a posição do por do sol no dia do Solsticio de verão – o dia mais longo do ano, que é tão venerado na Islandia quanto trolls, doendes e deuses Vikings – e é considerada a area mais fotografada de Reykjavic.

Mas por menor que seja, Reykjavic tem muito a ensinar pro mundo.

A cidade se orgulha de ser praticamente livre de fumaca e poluição, já que eles usam unica e exclusivamente a energia geológica do pais para fornecer sua energia elétrica limpa e sustentável, e muitos dos carros que circulam na capital usam gaz natural ou são eletricos.

Mas a verdade crua é que a cidade não merece tempo demais da sua viagem não.

A Islândia não é um pais que atrai por suas cidades e muito menos por sua vida cosmopolita, então aproveite seu tempo pra explorar o interior do pais – pois é justamente isso que a Islândia tem de bom!

Mas Reykjavik é a unica porta de entrada e serve como uma ótima base pra quem quiser usá-la como ponto de bate-e-volta pelo pais.

No lado pratico da coisa, nos viajamos de Iceland Express (que he a versao low cost da Iceland Air) e ficamos hospedados no Hotel Floki na primeira e na ultima noite – uma pensao bem pertinho do centro da cidade (tudo em Reykjavik é bem pertinho) e que oferece hospedagem bem básica – sem banheiro no quarto, mas com wifi de graça, cafe da manhã e uma cortina blackout super-poderosa!

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Islandia, Reykjavik, Viagens
0