17
Feb
2012
Tune Hotel – Aeroporto LCCT de Kuala Lumpur
Escrito por Adriana Miller

Uma das melhores coisas de viajar sempre eh poder, volta e meia, voltar a lugares onde ja fui – eh sempre legal ver oque continua o mesmo, e tudo aquilo que mudou, evoluiu… melhorou ou piorou.

Dessa vez a viagem pra Asia nao incluiu Malasia no roteiro – mas ainda assim, gracas as maravilhas dos voos low cost, nao escapamos de passar pelo aeroporto de KL. Nao apenas 1, mas duas vezes em diferentes conexoes!

Na primeira vez que estivemos na Asia passamos varias vezes pelo Aeroporto LCCT de Kuala Lumpur (Low Cost Carrier Terminal), que rapidamente virou sinonimo de tedio, calor, confusao e desorganizacao.

Cada uma das (muitas) horas que passamos no LCCT em 2008 foram altamente torturantes e nao sobrou nenhuma memoria boa pra contar historia.

Entao ao planejar essa nova viagem, mais uma vez as conexoes no LCCT foram inevitaveis, mas eu fiz de tudo pra reduzir ao maximo nossa estadia por la.

Ate que logo na primeira conexao me dei conta das maravilhas que os anos, o progresso e desenvolviemento do turismo pode levar a um lugar!

Em apenas 3 anos o aeroporto foi talmente transformado e reformado!

Oque antes era um galpao imundo com funcionarios despreparados e salas de espera torturantes, hoje em dia eh um espaco novissimo e arejado, com uma infraestrutura de fazer inveja a muitos aeroportos Europeus!

Balcoes de informacoes, uma area para check in que triplicou de tamanho (principalmente na area da Air Asia! O fim das filas!), um segundo andar (que nao existia!) que filtra a confusao na imigracao e seguranca, e uma area de embarque que incluiu inumeras lojas, cafes e restaurantes, free shop, farmacia, wifi gratis e estacoes eletricas para recarregar seu laptop ou celular enquanto voce espera seu voo.

Oque um dia era um espaco escuro e quente, com cadeiras de plastico desconfortaveis, hoje em dia tem todo o conforto imaginavel!

Sei que eh um comentario bobo, mas fiquei feliz de ter feito parte dessa “transformacao”, de ter sido uma entre os milhoes de turistas que passaram por ali e levaram o desenvolvimento e o progresso pra esse cantinho da Asia.

Me lembrei dos meus ultimos anos na faculdade de Economia, quando desenvolvi uma tese/monografia que falava justamente sobre isso: o desenvolvimento economico criado pela industria do turismo, e o poder arrebatador de transformar regioes e mudar vidas!

 

E entre as muitas melhorias no terminal LCCT de Kuala Lumpur outra novidade foi a construcao do hotel Tune, que tambem faz parte da gigante low cost Air Asia.

O Tune Hotel esta espalhado por varias partes da Asia e do mundo (inclusive tem um Tunes em Londres – depois falo dele com calma!) e tem o mesmo principio da Air Asia: conforto com baixo custo, entao voce soh paga pelo que precisa e vai usar.

Funciona assim: voce reserva sua noite no hotel, que eh o basico do basico – incluindo apenas o quarto/cama com banheiro.

Ai voce pode comecar a selecionar todos os “extras” que gostaria de ter. Oque vc acha que nao vai precisar nem usar durante sua estadia, voce nao paga.

Entao eu adicionei em nossa diaria alguns extras como: toalha e sabonete liquido, ar condicionado e internet wifi.

Algumas outras opcoes, como TV a cabo, secador de cabelos, telefone e cafe da manha, deixei de fora, pois sabia que nao iria usar.

O processo foi facilimo! Fiz a reserva com meses de antecedencia (assim que reservei as passagens entre Cingapura e Xangai!) e paguei tudo on line.

Chegando no LCCT, logo depois de recolher a bagagem tem um quarto “modelo” do Tunes mostrando como sao os quartos por dentro e ensinando como acha-los.

Do lado de fora do hotel, na area de ponto de taxis e onibus, basta procurar pelas placas do transfer do hotel (que nao eh de graca, mas custa 2 Ringgit, o equivalente a apenas 0,50 de US$). O transfer passa para recolher passageiros a cada 15 minutos e o transfer ate o hotel demora menos de 5 minutos.

Na recepcao do Tunes, recebemos nosso cartao-chave do quarto 9que tambem controla extras como ar condicionado, TV etc), o kit com a toalha e a senha da internet, e pronto!

O quarto, como era de se imaginar, era minusculo! Mas muito mais confortavel doque muito albergue e hotel 2 estrelas que ja fiquei pelo mundo!

A cama macia e confortavel, o banheiro novissimo, limpo e com um chuveiro potente!

Uma mesinha “bandeja” aos pes da cama e conexao de wifi que funcionou super bem!

E no dia seguinte, acordamos super cedo pra pegar o voo seguinte – nao precisamos fazer check out nem nada. Descemos na hora do transfer certo e em minutos chegamos no terminal de embarque.

Mais tranquilo, facil e economico impossivel!

 

Categorias: China, Cingapura, Malasia, Viagens, Xangai
27
06
Apr
2009
Culinaria Asiatica
Escrito por Adriana Miller

Uma das cosias que mais me deixou animada com a viagem pela Asia eram as comidas! As comidas asiaticas estao entre minhas preferidas (Japonesa e Vietnamita no topo), e queria poder provar alguns dos meus pratos preferidos in loquo e ver se a comida asiatica que se como do lado de cah, eh igual ao lado de lah.

Nos paises do Sudoeste Asiatico o arroz (os noodles sao feitos de arroz), vegetais e frutos do mar sao a base de tudo. Mas a base de tudo mesmo!

Na Tailandia o carro chefe eh o Pad Thai, que eh uma misturada de noodles, com vegetais e algum tipo de carne. Esta no menu dos restaurantes, no menu do McDonalds e nas barraquinhas de rua.

Pad Thai em Kao San Road

Como eu nao sou muito chegada em carne vermelha, me deliciei com as zilhoes de opcoes de pratos com vegetais e frutos do mar! mas o Aaron coitado, depois de poquissimos dias jah estava enjoado, e sonhando com umns globolos vermelhos escorrendo em seu prato…

Entao quanto eu me deliciava com as opcoes de comidas vegetarias (com sabor) e peixes etc, volta e meia o Aaron pedia um misto quente… um hamburguer, etc… O problema eh que as comidas ocidentais sao MUITO mais caras que as orientais, logicamente.

E alem disso eu sou totalmente viciada em pimenta! Sou daquelas que come comida mexicana com lagrimas nos olhos, de tanto tabasco, e me deliciei com o molho de sweet chilli! Soh nao colocava pimenta na sobremesa!

Alem das comidas de rua, e restaurantes, uma coisa que gosto de fazer quando viajo eh passear em marcados de rua e supermercados, e ver como eh a “vida real” dos lugares.

Na Tailandia nao foi diferente… As opcoes de Ice Tea sao infinitas (provei uns sabores bem esquisitos… como nao conseguia entender nada na embalagem, tambem nao sei oque bebi…), e ateh as batatas fritas sao “tipicas”!

Obviamente tivemos que comprar algumas pra experimentar! afinal nao eh todo dia que vc encontra batata Lays sabor “Squid com sweet Chilli”, “Algas marinhas” e “frutos do mar picantes”… O veredicto…? NOT! Apesar de terem todas mais ou menos o mesmo gosto, nao foram aprovadas…

E alem dos vegetais, outra coisa que me deliciava, eram as opcoes de frutas! Acho que soh apreciei tanto esse lado da Asia por estar a tanto tempo longe do Brasil e sentir falta de opcoes e variacoes de frutas frescas… com gosot de verdade! Por aqui soh temos banana prata, maca, laranja, pera, uva… Mas na Asia tinha mamao, melancia, abacaxi, vaaarios tipo de banana, agua de coco, manga, carambola, caju etc, alem das mais “exoticas” tipo Jaca, Fruta Dragao (que eh rosa pink for fora, e por dentro parece uma melancia branca… e muito sem gosto!), lixia, etc.

A cada barraquinha que passavamos eu queria tomar uma agua de coco, comprar uma manga no palito (que jah vem descascada, e sem caroco, num saquinho com palitos!), salada de frutas, etc…

Jah na Malasia, a “base” culinaria muda um pouco, com muita influencia da comida Indiana, currys etc.

Porem na verdade como a Malasia eh um pais Muculmano, eles nao comem carne de porco! Meu sistem adigestivo sensivel e fresco ficou taaaao feliz (atencao, o sistema digestivo eh fresco, nao meu paladar….). Aproveitei pra comer cosias que nunca posso comer no Ocidente, poqur geralmente sao feitas de carne de porco 9e eu sou muito alergica): comi pizza de peperoni (de vaca), cachorro quente de barraquinha de rua (de frango), hamburger com bacon (de peru defumado) etc, etc. Tudo muito bom! Nao sei comparar com a versao “original” feita de porco, mas acho que ia adorar morar num pais muculmano! mas com certeza ia ficar muito gorda! hahahahahahaha

O Vietnam era outro pais que eu sabia que ia virar foodie… Provei a culinaria Vietnamita pela primeira vez em Londres, e achava que seria tudo mais ou menos igual, mas me surpreendi muito!

A base ainda eh a mesma, de arroz e frutos do mar, porem numa versao mais fresca e mais leve.

Por exemplo, o “rolinho primavera de Hanoi” eh totalmente fresco, com ingredientes crus e nao eh frito. DE-LI-CIA!!!

Infelizmente acabamos no provando muitas variedades da culinaria local “autentica” porque o Aaron passou muito mal no nosso ultimo dia no Camboja, e nao conseguia nem chegar perto das barraquinhas de rua…

Mas na nossa ultima noite em Hanoi fomos num restaurante super bem recomendado pelo nosso hotel comer o “fondue Vietnamita” (que se nao me engano o nome eh Pha Lo, ou algo assim…), que alem de ser uma delicia, ainda foi uma experiencia a parte!

Eles servem na mesa um mini fogao eletrico, varios tipos de vegetais, tofu, tipos de noodles, e carnes. No centro uma “sopa” cheia de temperos e pimentas, borbulhantes. Ai de pouco a pouco vc vai mergulhando os vegetais na “sopa”, com os noodles, tofu, carnes etc, e vai comendo separado com os molhos de sweet chili e Shoyo.

 

 

O melhor da comida Vietnamita eh que vc come, come, come mas nao se sente explodindo, porque a comida eh muito leve e fresca…

A unica coisa que eu queria muito ter feito durante nossa viagem e que acabou nao dando tempo foi um curso de culinaria!

Mas tivemos que escolher nossas prioridades, e passear ganhou de 1000 a zero! Mas aprendi por observacao, e voltei pra casa cheia de conjuntos de chopsticks, molhos, temperos e pimentas, e qualquer dia desses faco uma noite Asiatica lah em casa!

 

 

Categorias: Lua de mel, Malasia, Tailandia, Viagens, Vietnam
22
23
Jan
2009
Clara como a neve
Escrito por Adriana Miller

Uma das cosias que mais me chamou atencao na Asia em termos de beleza foi a quantidade incrivel de cremes, pocoes, clinicas e promessas mirabolantes de produtos que prometem clarear a pele.

Mas nao eh um simples “eliminar de manchas” como nos estamos acostumadas nao, a industria de cosmeticos na Asia promete de deixar BRANCA.

Ele tem clareamento pra tudo: rosto, corpo, axilas, mamilos, etc. Fiquei boquiaberta!

Uma menina (Israelita) que conheci na viagem ateh comentou que o hidratente dela acabou e foi na farmacia comprar outro, e TODAs as opcoes eram pra clareamento, mas oque ela queria era justamente ficar bronzeada!

Principalmente na Tailandia (onde a populacao eh naturalmente mais escura doque os asiaticos do norte) e na Malasia (que tem muita influencia Indiana, que sao famosos pelos comerciais mais escabrosos de clareamento de pele e discriminacao) a coisa era sem nocao. Vimos muitas clinicas oferecendo mascaras de acido e tratamento com laser para retirada de melanina da pele. Saudavel nao deve ser!

E vi ateh uma mulher passando talco no rosto (dela e da filha) num banheiro enquanto retocava a maquiagem.

Asia TV

Um dos comerciais que vi na TV (sem entender nada, logico) era de um hidratante corporal, tambem para clareamento. A menina estava deitada em sua cama olhando para fotos das ferias na praia com os amigos e o namorado, toda feliz e contente. Ali ela olha para seu proprio ombro e ve uma marca de biquine, e fica horrorizada!

Entao ela descobre o tal hidratante, que imediatamente a deixa com uma pele estilo Scarlet Johanson, e ela volta a sorrir. Sai na rua toda serelepe e recebe varias cantadas.

Enquanto isso as Europeias se torrando no sol e aumentando as estatisticas de cancer de pele!

Categorias: Bangcoc, Beleza, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Viagens
2
23
Jan
2009
Pronto!!
Escrito por Adriana Miller

Posts atualizados com fotos, mapas, etc. Assim fica mais facil dar nome aos bois entre as milhares de fotos… 

Estao todos lah, na categoria “Lua de Mel” ou por paises: Tailandia, Malasia, Camboja e Vietnam!

Afinal, jet lag tem suas vantagens (tenho acordado todo os dias as 3 da matina, entao fico copiando/colando fotos pra passar o tempo!).

 

Categorias: Camboja, Casamento, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Viagens, Vietnam
12
22
Jan
2009
Higiene e Seguranca
Escrito por Adriana Miller

Ocidentais tem uma visao de que os Asiaticos sao sujos, pois comem na rua, fazem barulho pra comer, e comem coisas “estranhas” (como insetos, carrocho, etc), mas a impressao que tive eh que na verdade eles sao muito mais limpos doque os Europeus!


 

 

Vai uma baratinha frita?   


 

Ou uma agua viva seca?

 

Na vou entrar na discussao de que “gringo” nao toma banho, como os Brasileiros adoram falar, mas achei o cuidado com a higiene na Asia muito maior doque na Inglaterra por exemplo. Em viagens pra lugares diferentes, sempre temos que tomar certas precaucoes do tipo evitar beber agua da torneira, comer frutas sem lavar, comer coisas muito diferentes doque nosso estomago e intestino conhece, e fizemos isso tudo (depois que passei mal de se virar do avesso em Marrocos, nunca mais dou mole!).

Mas achei muito legal essa coisa de nao poder entrar nos lugares com sapato (lojas, restaurantes, hoteis), e as vezes eles deixavam sandalias “avulsas” que voce tinha que trocar antes de entrar no banheiro por exemplo, pra nao andar pelo templo/hotel com o mesmo peh/sapato que entrou no banheiro.

 

   

 

 

 

Um outro detalhe que tem em quase todos os restuarantes que fomos eh a toalinha quente/gelada que servem antes de colocar a mesa. E mesmo se vc recusar (porque as vezes nao gosto do cheiro da essencia que usam, ou jah tinha acabado de lavar as maos), eles insistem assim mesmo, pois acham super importante, estar “limpo” antes de comer.

Logo no primeiro dia passeando por Bangcoc me deparei com o banheiro “buraco no chao”, que tambem jah tinha visto em Marrocos e me lembrava do quanto fiquei chocada e enojada.

Realmente pra nos que estamos acostumados com privadas, e o banheiro da nossa casa esse tipo de banheiro parece uma coisa meio primitiva, que logo nos leva a pensar em sub-desenvolvimento e sujeira.

 

Mas depois de uns dias ateh me acostumei, pois em tudo quanto eh canto (tirando os hoteis) os banheiros sao assim.

E reparei tambem que no geral, eles eram bem limpos.

Entao, no Camboja os banheiros publicos de Angkor tinham as duas opcoes: coedental e oriental; respirei aliviada e fui no “ocidental”.

E nao eh que senti a diferenca?! O banheiro oriental eh MUITO mais confortavel!

 

Os leitores macho, me desculpem, mas teri que usar alguns detalhes na minha descricao…

Como mulheres nao “sentam” em privadas de banheiro publico, vc fica naquela posicao nem sentada nem em peh, tentando acertar sua mira (que eh sempre meio dificil, e nao eh atoa que banheiro publico eh sempre nojento!). Jah no banheiro Asiatico, a parada funciona direitinho pra vc encaixar os pes e conseguir agachar confortavelmente.

Por isso os banheiros publicos na Asia sao sempre (relativamente) limpos, e os ocidentais sao SEMPRE nojentos.

A unica coisa que realmente nao fiz, mesmo foi usar a descarga, que na verdade nao eh descarga, e sim um “tanque” de agua com um baldinho. Voce enche o baldinho e joga a agua buraco abaixo. Tenho muito nojo de pegar as coisas com a mao, e nao dava descarga. Quem era a nao-higienica, da historia? Eu, a ocidental da historia (em banheiros publicos que tem descarga normal, eu puxo descarga com os pes!).

Eu achei esse cartaz ai em cima muito engracado, mas nao eh que em alguns lugares eu vi marcas de sapato na tampa da privada?

Uma outra coisa que muita gente perguntou (principalmente minha familia!) eh sobre a seguranca de se viajar pela Asia.Na verdade os paises do Sudoeste Asiaticos sao super seguros. Mesmo nas areas mais isoladas, ou de muita pobreza, as pessoas nao tem essa cultura de violencia e agressao que existe no Brasil.

Em alguns paises, como a Malasia e o Vietnam, agredir ou ofender extrangeiros eh uma ofensa gravissima! Logico, eles sempre tentam te passar a perna e se dar bem, mas isso eh completamente diferente de ser assaltado, ou furtado, ou sofrer uma agressao.

Em cidades grandes como KL, Bangcoc e Hanoi, o seguro morreu de velho, e sempre eh bom ficar atento com carteira, bolsa, etc. Porem andavamos com a maquina no pescoco, carteira no bolso, etc o tempo todo, sem nunca nos sentir inseguros.

Uma mulher viajando sozinha nao seria exatamente ideal, pura e simplesmente porque a cultura deles eh super diferente na nossa, e querendo ou nao, uma mulher desacompanhada gera muita curiosidade. Nao acho que exista um perigo real, mas eh bom se prevenir.

Essa sensacao de seguranca foi uma das coisas que mais me fez pensar no Brasil durante a viagem. Andavamos pra cima e pra baixo de tuk-tuk, onibus, metro, andavamos de noite em lugares que nao conheciamos, em mercadinhos “camelodomos” etc, sem NUNCA sentir medo, ou inseguro. Isso eh uma coisa que nunca, jamais, aconteceria no Brasil. Entao pensei muito no quanto nosso pais tem a oferecer em termos de turismo, quantas oportunidades que nao sao aproveitadas, pura e simplesmente porque os turistas tem medo de ir pra lah.

Ao longo de nossas viagens conhecemos muitos outros viajantes/mochileiros etc, e quando eu falava que era Brasileira a reacao era sempre positiva. Isso vindo de pessoas que jah viajaram o mundo todo, jah pegaram trem noturno na India, carona no meio da estrada na Mongolia e muitas historias mas mirabolantes possiveis.

Mas quando eu perguntava “E o Brasil?” a resposta era sempre a mesma: morro de vontade, mas nao tenho coragem.

Ha uns anos atras o Brasil no exterior era sinonimo de: futebol, carnaval e mulheres. Agora eh sinonimo de Futebol, carnaval, mulheres (que por si soh tambem eh pessimo) e VIOLENCIA.

Todos tinham alguma historia de algum amigo do primo do tio do vizinho que foi ao Brasil e foi assaltado.

Oque eu podia falar numa hora dessas? Nada, neh?

Tive varias crises de “oque posso fazer pra ajudar a mudar essa situacao?”, mas infelizmente acho que nada…

 

No voo de volta pra Londres, fiquei toda animada que tinha na programacao um documentario da CNN sobre o cinema Brasileiro, novos diretores, e tal. Mas quando comecei a assistir, os proprios diretores Brasileiros, sendo entrevistados pela CNN internacional vendiam a imagem do Brasil como o “pais mais violento e perigoso do mundo” – pra vender mais filme sobre as favelas. Parecia que estava assistindo um documentario sobre Bagdad!!

Entao como podemos querer contruir hoteis, criar empregos, etc. se os turistas nao querem chegar nem perto?

Aff, desabafei! Foi mal, mas estava com isso na cabeca ha muito tempo.

Mas enfim, a conclusao eh que o Brasileiros partem do principio que por ser uma regiao pobre, a Asia deve ser perigosa tambem, porem nao eh. Felizmente no resto do mundo, violencia nao eh toleravel, e pobreza, ou menos acesso a certos privilegios nao eh desculpa pra fazer oque quiser e culpar a sociedade.

 

 

 

 

 

 

Categorias: Camboja, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Viagens, Vietnam
13
21
Jan
2009
Fotos da viagem!
Escrito por Adriana Miller

Ufa!

Demorou mais saiu! As fotos estavam muito pesadas e demorando HORAS pra baixar, entao resolvi comprimir tudo, e deixar as fotos pequenas…

Mas jah esta tudo lah!

Aviso logo que sao MUITAS centenas de fotos… Por algum motivo as pastas com as fotos de Ko Panhgan e Sien Rep esta dando problema e as fotos nao estao subindo… vou tentar de novo mais tarde. E ainda estao faltando as fotos tiradas com a camera do Aaron e com a camara a prova d’agua, que tambem vai ficar pra depois.

E ao longo da semana vou atualizando os posts, e ilustrando com fotos, links, etc, pra ir dando nome aos bois.

Vamos lah:

Tailandia: http://public.fotki.com/Adrisn/tailandia/

Malasia: http://public.fotki.com/Adrisn/malasia/

Camboja: http://public.fotki.com/Adrisn/camboja/

Vietnam: http://public.fotki.com/Adrisn/vietnam/

Divirtan-se!

 

Categorias: Camboja, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Viagens, Vietnam
9
21
Jan
2009
Moral e bons custumes
Escrito por Adriana Miller

Um dos grandes desafios de viajar pela Asia (ou qualquer outro lugar que seja diferente doque estamos acostumados ou familiarizados) eh se adaptar ao que eh “normal” pra eles, mesmo que seja muito estranho para nos.

Essa viagem como um todo foi um grande exercicio de paciencia e aprendizado, onde vimos que nao necessariamente ha uma maneira “correta” de fazer certas coisas, e sim que em diferentes partes do mundo os conceitos de certo e errado podem ser diferentes dos nossos.

A principal diferenca/dificuldade eh o proprio contato humano. Se por um lado os Asiaticos nao tem a mesma nocao de “espaco pessoal” que os Europeus tem (os Europeus tem essa mania de “personal espace” e nao gostam de chegar muito perto dos outros – jah no Brasil eh bem diferente!), eles sao muito conservadores no que diz respeito a relacionamentos homem-mulher.

Todos os guias de viagem que lemos eram bem especificos no que diz respeito a casais andando de maos dadas, abracos ou beijos em publico. Fizemos o possivel para manter a distancia, mas somos beijoqueiros e era nossa lua de mel, entao as vezes esqueciamos completamente, e recebemos varios olhares de indignacao!

Mas por outro lado, nao se surpreenda ao ver dois homens de bracos/maos dadas, ou se apoiando um no ombro do outro, e trocando abracos e beijinhos em publico. Coisa uqe no Brasil sairia ateh porradaria! (e aquí eu estou recriminando o comportamento dos Brasileiros e latinos em geral).

E tao pouco ache que as pessoas vao esperar voce sair do elevador/onibus/metro antes deles entrarem (ODEIO gente que faz isso! Acho o fim!), e ateh em banheiro publico eu vi isso acontecer!! Eu abri a porta para sair e uma mulherzinha jah entrou correndo e ficou lah dentro, comigo! Obviamente isso durou fracoes de segundos porque eu imediatamente sai correndo dali, mas que achei muito estranho isso eu achei!

As mulheres asiaiticas sao bastante submissas, e eu recebi mais olhares criticos de mulheres do que homens quando eu tinha comportametos de “lideranca”, como por exemplo pagar a conta, responder/decidir alguna coisa antes do Aaron, etc.

Obviamente isso nao chegou a ser um problema, mas que era engracado isso era, de ver um garcon se desdobrando pra puxar o saco do Aaron, Mr Miller pra ca, Mr. Miller para lah, e no final entregarem a conta nas maos dele e ele repassar diretamente para mim. Isso acontecia principalmente em restaurantes mais caros que fomos algunas (poucas) vezes.

Depois de uns dias, eu resolvi dar todo meu dinheiro pro Aaron, entao ele pagava tudo para nos dois, e teria que lidar com as negociacoes sozinho…

Aliais isso eh outra coisa bem engracada. Eu adoro passear em mercados, feiras, lojas e ver oque se usa/come/vende em paises diferentes, e por lah NADA, absolutamete NADA tem preco exposto.

Voce tem que preguntar quanto custa, ai eles te olham de cima a baixo, puxam um papo, perguntam de onde vc eh, e digitam numa calculadora o preco final.

Obviamente o preco final era sempre absurdamente acima do normal, e chegamos a receber precos diferentes – do mesmo vendedor! – pela mesma mercadoria na mesma Loja!

Pagar oque eles pedem eh quase uma ofensa, e barganhar eh um estilo de vida.

Porem o Aaron O-DEI-A ficar barganhando preco. Fica incomodado, inibido, e acaba pagando mais caro. Entao eu era sempre o “bad cop” e nao deixava ele comprar nada.

Respondia logo “sou do Brasil” e pedia no minimo 1/3 do preco inicial. As vezes sabia que isso era totalmente sem nocao, mas jogava o preco das cosias lah para baixo, fazia chantagem de que vi a mesma cosia em outra Loja pela metade do preco, e saia andando. Ai o vendedor vem correndo atrás de voce, e acaba fazendo uma contra proposta. Soh para constar, eu ainda pedia um descontinho.

O Aaron ficava para MORRER com minha cara de pau, mas economizamos uma boa grana comprando artes, presentinhos e cacarecos.

Minha outra tecnica (alem de falar que eramos Brasileiros – que eles ligam imediatamente a pais pobre como eles) era pesquisar em varias lojinhas o preco de alguna coisa, e definir: por uma cosia que custa em media X, eu soh aceito pagar, no maximo, 1/2 de X. Entao jah deixava o dinheiro separado no meu bolso, para nao ter que abrir a carteira, e jah falar logo “soh tenho isso. Meu dinheiro acabou”.

Alguns lugares, se o vendedor fosse homem, eles ficavam ateh ofendidos, e recebi varias respostas do tipo “pede dinheiro pro seu marido”, que recebiam uma desposta igualmente mal-criada “quem manda sou eu” e acabava comprando em outra barraca/Loja.

Um outro cuidado, que principalmente as mulheres tem que ter, eh com roupas. Roupa curta ou decotada eh realmente mal vista, recebe olhares de indignacao e cantadas. Nos templos, mulheres nao podem nem sequer chegar perto se estiverem mostrando os hombros/bracos, pernas e pes.

Ateh na praia rolavam uns avisos de que top-less nao era permitido (mas sempre tinha alguna europeia mais ousada que fazia mesmo assim), e nas pouquissimas vezes que vimos asiaticas nas praias ou piscinas de hoteis, eles estavam de roupa. Entravam na agua de roupa e tudo (camiseta largona e bermuda), ou ficavam apenas sentadas na beiradinha.

E por mais calor que esteja, andar sem camisa eh o fim do mundo!

Em paises como a Tailandia por exemplo, a prostituicao eh muito comum, e por mais que nao seja “aceita”, ela esta presente em todos os lugares (assim como no Brasil, e atrai uma quantidade enorme de turismo sexual por isso). Entao nas areas mais turisticas, a mulherada local fica sem nocao mesmo, e dao em cima de todo e qualquer homem occidental que passa pela frente, acompanhado ou nao.

As vezes ate saia de perto, soh para ver como o Aaron ia sair das roubadas!

Mas por outro lado, vimos MUITOS marmanjos de meia idade andando de maos dadas com meninas que poderiam ser suas netas, e as vezes 2 ou 3 ao mesmo tempo.

Jah em outros paises, como o Vietnam por exemplo a sociedade eh muito mais conservadora nesse sentido, e nosso guia ateh tinha uma secao de “aviso” para casais de mulher asiatica e homem occidental, pois automáticamente as pessoas supoe que essa mulher eh uma prostituta. No passeio de barco que fizemos em Ha Long bay conhecemos um casal de Americanos, onde a esposa era filha de Vietnamitas, e eles tambem estavam passando sua lua de mel viajando pelo pais; papo vai, papo vem, discretamente ela disse que a “recepcao” do casamento dela com um occidental nao estava sendo muito positiva e que eles tiveram varios “incidentes” ao viajar por vilarejos no interior do pais.

No nosso voo entre Hanoi e Bangkok havia um passageiro Tailandes que era travesti, e quando chegou a vez dele/dela fazer o check in, os atendentes simplesmente foram embora, e deixaram o coitado falando sozinho.

Achei o cumulo, de nao soh negarem servico, como aidna ficaram de risadinha na cara dele e de todos os outros passageiros, ateh que depois de uns minutos de constragimento, uma senhora veio fazer o check in dele, dando risadinhas e cochichando com os outros.

Mas como tudo nesse mundo, oque eh aceitavel para uns, eh deploravel para outros.

 

 

Categorias: Camboja, Cultura, Lua de mel, Malasia, Tailandia, Viagens, Vietnam
9
09
Jan
2009
Nos arredores de KL – Cavernas Batu
Escrito por Adriana Miller

Quando decidimos passar uns dias em KL durante nossa viagem, nao tinhamos nem ideia da quantidade de coisas legais que tem pra fazer na Malasia!

Entao desistimos da ideia inicial de “nao fazer nada” esse dias, pra fazer o maximo que pudessemos… e mesmo assim jah bateu arrependimento te ficar por aqui apenas 2 dias, e na area penisular, jah que agora descobrimos tantas outras coisas pra fazer… Mais uma desculpa pra voltar outra vez, e desbravar o resto do pais, a Malasia do Leste (parte do pais fica na penisula da Tailandia, a outra parte fica na ilha da Borneo. Lembra dos jogos de War?).




Entao comecamos o dia cedo e fomos para a praca da Independencia. Essa praca simbolisa o fim da colinizacao Britanica, e oque era o campo de criket dos Lordes, agora virou gramado que eh palco de domingos em familia, comicios politicos e comemoracoes nacionalistas. O governo exibe com orgulho sua bandeira, e todos que nos conversamos lembram (ou falam sobre) com orgulho sobre o dia em que finalmente a bandeira do Reino UNido foi baixada, e a da Republica da Malasia, finalmente exibida…

De lah, nos aventuramos num onibus publico, em direcao as cavernas Batu, que ficam nos arredores de KL.

Foi muito mais facil e rapido doque imaginavamos, e em menos de uma hora estavamos lah.

Como eu disse antes, a Malasia eh um pais Islamico, porem eles tambem tem grande representacao Budista e Hindu. As “Batu Caves” sao os principais templos Hindus da regiao, que virou area de peregrinacao, e atrai mais de 1 milhao de pessoas soh em fevereiro, durante a comemoracao do Thaipusam.





As cavernas sao vistas de longe, pois tem uma estatua dourada GIGANTE bem na entrada, e a caverna principal tem uma “profuncidade” do teto de mais de 100 metros.

Subir os 272 degraus valeu a pena, quando chegamos lah em cima, e estavamos rodeados por imaggens e templos hindus em todos os lados!

A volta pra KL foi tao facil quando, e ainda nos deu a boa oportunidade de ver um pouco da cidade fora do centrao.

Realmente ficamos muito bem impressionados com a infraestrutura, preparacao e tolerancia dos Malai, independente de raca e/ou credo. Todos sao extremamente educados, os turistas nao se sentem como pedacos de carne, com sempre alguem tentando te passar a perna, e o sistema educacional de primeira se reflete em tudo, principalmente no conhecimento “geral” que todos tem do mundo, e principalmente pelo nivel de Ingles. Isso eh por parte ainda reflexo da colonia britanica, mas voce consegue bater altos papos em Ingles (e tambem ouvi espanhol e frances) com qualquer um: motorista de onibus, de Taxi, vendedora de agua de coco, da lojinha de souvenir.

Realmente eh um lugar que dah vontade de voltar varias outras vezes.

Entao na nossa ultima noite na Malasia, resolvemos fazer alguma coisa diferente, e fomos jantar no restaurante rotatorio da Menara KL (torre KL), que tem uma vista sensacional da cidade toda!




 

 

 

Categorias: Lua de mel, Malasia, Viagens
3
08
Jan
2009
Kuala Lumpur
Escrito por Adriana Miller

Selamat datang!!!
Significa “bem vindo” em Malai!

A decisao de passar uns dias em Kuala Lumpur foi na verdade baseada em conexoes de voos, e porque queriamos passar uns dias em alguma das grandes capitais modernas asiatica, e Malasia estava logo ali.

Ao chegar no aeroporto jah deu pra perceber a diferenca gritante entre a Tailandia e a Malasia: avenidas largas, ruas limpas, edificios modernos, novos e bem cuidados.
Outra grande caracteristica eh a etnia local; nao existe uma caractiristica especifica dos Malais. Sem me alongar muito na historia local (ateh porque nao sei muito…) a Malasia (ou oque era antes) sempre foi um importante ponto de passagem que conectava a China com a India, entao jah foi ocupada e colonisada por infinitas racas: hindus, chineses, japoneses, portugueses, holandeses e por ultimo os britanicos. Entao aqui tem de tudo!

A Malasia eh um pais predominantemente Islamico, mas tambem tem grandes faccoes budistas e hibdus. Todos convivendo em harmonia.
No geral, o islamismo praticado na Malasia eh considerado “liberal” e nem todas as mulheres usam veu, e muito raramente se ve alguma totalmente coberta. Alem disso, “vicios” como bebidas e cigarro tambem sao aceitos na sociedade.

A Malasia de hoje em dia eh um pais super jovem, que soh se tornou independente em 1957, e Kulala Lumpur soh se tornou capital em 1974.

O simbolo principal do pais, e da cidade sao as torres gemeas Petronas, entao foi por lah que comecamos nosso dia!!

As torres Petronas medem 461 metros e ateh 2003 eram os predios mais altos do mundo (mas ainda sao as torres gemeas mais altas, e a Sky Bridge que conecta as duas eh a passarela mais alta do mundo), e sao a sede corporativa da compania de petrolio da Malasia, “Petronas”.

Na base das torres esta um super shopping, super ultra luxuoso, onde se podem encontrar toda e qualquer marca de luxo e high street do mundo.

Pra quem quiser visitar, a entrada pra visitar o Sky Bridge eh de graca, mas tem que chegar cedo pra pegar sua entrada. Por medidas de seguranca, soh eh permitido um limite minimo de pessoas lah em cima por dia, e todas as visitas sao guiadas. Nos chegamos lah de manha e demos sorte de conseguir ingresso pra uma das ultimas visitas, as 5 da tarde.

Passamos a manha toda em volta das torres, tirando zilhoes de fotos dos mais variados angulos. Bem na base das torres fica o KLCC (Kuala Lumpur City Center) um parque perfeitamente planejado, bem cuidado e limpo, que eh a equivalencia do Central parque da Asia – e que de quebra ajuda e muito na hora do calor mortal.

Como nos fazemos de tudo por uma boa foto, resolvemos ser cara de pau e pedir pra subir num dos hoteis que ficam bem de frente pras torres, e deu certo!! Fica ai a dica!

De lah, seguimos a peh pra segunda principal atracao da cidade: KL tower, que eh a torre de comunicacao da cidade. O calor estava de arrazar, perto dos 40 graus, sol a pino e humidade de mais de 80%!!
Andamos, andamos, nos perdemos; iamos parando em lojinhas pra nos resfrescar, e iamos continuando.

A Menara KL nao eh nada demais, mas tem um observatorio 360 graus, de onde dah pra ver a cidade toda, com um guiazinho que vai te explicando oque eh oque.

Porem o calor estava demais, e resolvemos fugir do calor da tarde batendo perna no shopping, ateh a temperatura acalmar um pouco.

As 5 da tarde tinhamos nossa hora marcada pra subir na Petronas Tower. A visita comeca com um filminho que explica direitinho como as torres foram construidas, o simbolismo para a nacao e o mundo, os principios do islam que guiaram o projeto.
De perto as torres sao impressionantes, contruidas puramente de concreto, aco e vidro.

O Sky Bridge nao eh naaaada demais, mas foi legal ir lah em cima e ver o a estrutura de pertinho, olhar dentro dos escritorios e lembrar do filme com a Catherine Zeta-Jones!! Hahahahaha

Para terminar o dia, resolvemos ira pra area de China Town, que em KL eh combinada com a Little India.
No mesmo barro fica tambem o mercado central, com zilhoes de pequenas lojinhas e barraquinhas vendendo artigos de couro, seda, madeira, artesanato local, etc. Eh o paraiso das quinquilharias, decoracao etnica e afins. Mas em qual outro lugar eu poderia encontrar um enfeite de Natal, na Malasia com o simbolo da estrela do Islam?!




 

Seguimos o passeio pelo mercado noturno de China Town, mas soh por pura curiosidade; como jah falei antes, eu nao sou muito chegada em china towns… Acho todas muito iguais, e pouco autenticas… Prefiro guardar minha energia pra quando puder ir de fato na China!

 

Categorias: Lua de mel, Malasia, Viagens
10
07
Jan
2009
Cruzando a penisula da Tailandia: de Phangan a Phuket
Escrito por Adriana Miller

Finalmente chegamos em Phuket, extamente 5 horas antes do nosso voo pra Malasia.

O dia comecou hoje antes mesmo do sol nascer, quando fomos pro porto de Tong Sala em Pangham as 6 da manha. O ferry da unica empresa que faz o trajeto (Songsern) eh meio assustador, e o fato de que todos os coletes salva vidas jah estavam nos esperando nas poltronas nao colaborou muito…

Eu aguento bem qualquer tipo de viagem, MENOS de barco, e passo mal de ficar esverdeada, entao conseguimos “subornar” o tiozinho do barco pra entrar na cabine onde tinha ar condicionado, tv e poltronas confortaveis…
Mas ate que a viagem de barco foi bem mais tranquila doque imaginei; o mar estava super calmo, e em pouco mais de 3 horas chegamos em Suratthani, onde um onibus nos esperava.

Eh engracado viajar nesses “pacotes” pela Tailandia, pois no geral as pessoas aqui soh falam um ingles bem basico pra te vender alguma coisa. Entao a “tecnica” que eles usam pra organizar os turistas eh por etiquetas na sua camisa. Cada etapa da viagem vao te dando um adesivinho de cores diferentes, com codigos diferentes. Assim, sabendo qual grupo/passeio/trecho voce paretence, eles vao te guiando como gado pro lugar certo.
Eh meio caotico, mas definitivamente dah certo…

Em Suratthani fomos todos encaminhados pra um onibus, por mais uma hora, e que parou no meio do nada e mandou todo mundo que estava indo pra Phuket descer.
E aquela coisa de sempre. Voce nao sabe oque esta acontecendo, ninguem sabe te explicar, mas olham pro seu adesivo e vao te encaminhando pro lugar certo.

Suratthani eh um porto de chegada de todas as ilhas na costa leste da Tailandia, com onibus esperando turistas que vao pra tudo quanto eh canto do pais.

Pra Phuket soh tinha nos dois, um italiano e 3 poloneses, entao cancelaram o onibus e nos colocaram na cacamba de uma pickup!! Nos 6 nos entreolhavamos como quem diz “eh isso mesmo…? Mais 5 horas de estrada NISSO?!?”.


Mas acabamos fazendo um acordo com um motorista de um taxi coletivo que nos levaria diretamente pro aeroporto de Phuket por 300 Baht por pessoa (+- 10 dolares, para uma viagem de uns 300 km).

O Aaron ficou o tempo todo brincando que se Stephen King estivesse viajando com a gente, essa “mochilada” seria perfeita pra um filme de terror…!!

Mas acabou que a viagem foi bem tranquila, apesar do calor…

As estradas na Tailandia sao incrivelmente bem cuidadas, sem buracos e boa sinalizacao (se vc entende Tai, logico). E aquela paisagem “tropical” estilo avenida Brasil: as lojinhas de estatua de jardim, de frutas, casas simples.
Muitas palmeiras e coqueirais e bananais.

Chegar em Phuket foi diferente doque imaginava. A ilha eh uma das maiores da Tailandia, e esta a penas alguns metros de distancia do continente, entao uma ponte faz a conexao. Alem disso, ao contrario das outras ilhas pelas quais passamos, Phuket eh cidade grande, com predios, estradas, onibus etc.
E o aeroporto eh grande o suficiente pra nos manter entretidos por 5 horas!!

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Koh Phangan, Lua de mel, Malasia, Phuket, Tailandia, Viagens
10
Página 1 de 212