12
Jul
2013
Lausanne: Capital Olimpica Mundial
Escrito por Adriana Miller

No mesmo fim de semana que fizemos a tour na CERN, aproveitamos as temperaturas maravilhosas de verão e o clima pré Olimpiadas de Londres e fomos conhecer a cidade de Lausanne, uma das muitas cidadezinhas fofas que ficam a margem do lago Genebra.

A viagem de trem entre Genebra e Lausanne é rapidinha, durando menos de 30 minutos, mas Lausanne mostra um lado muito diferente da Suíça em comparação com Genebra.

Nós dividimos nosso passeios em duas partes: a cidade antiga e histórica (Haute Ville), e o lago com a sede do Comitê Olimpico (Basse Ville).

Assim como o centro antigo de Genebra, a paisagem de Lausanne é dominada pela Cathédral de Nore Damme, no topo de uma colina, com a vista privilegiada da cidade, o lago e os Alpes no fundo.

O mais interessante sobre essa catedral, é que ela é a única da Europa a ainda manter a tradição medieval de anunciar as horas.

Então a centenas de anos, todas as noites, entre as 22:00 e 2 da manha, alguém sobre na torre da igreja e anuncia o horário.

O melhor lugar pra ter a vista perfeita da cidade antiga é na ponte “Pont des Bessières” – e preparem as câmaras!

E como uma típica cidadezinha antiga Europeia, o mais legal é ir se perdendo por suas ruas. E em se tratando de Lausanne, também vale se perder por suas pontes e escadarias.

A principal delas é a ponte coberta “Escaliers du Marché” – e haja fôlego!

E haja fôlego pra tudo – já que é mandatório visitar Lausanne a pé. A cidade é cheia de cartazes sugerindo roteiros e passeios, e boa parte da cidade é fechada para pedestres. Quer dizer, na verdade, a cidade é tão antiga que seu planejamento urbano foi feito muito antes dos carros se quer existirem, então só mesmo pés e pernas conseguem explorar a Vielle Ville em detalhe!

Mas acabamos passando bastante tempo também na cidade baixa, nas margens do lago. O clima de verão estava maravilhoso, com muita gente nadando, andando de pedalinho ou simplesmente aproveitando o sol e o calor.

A area da “orla” é novíssima, com parquinhos, barraquinhas de comida e bebida.

Pra chegar lá, você pode ir andando, mas o mais fácil é usar o bondinho que sobre e desce entre a cidade “alta” e a cidade “baixa”, fazendo o trajeto em poucos minutos.

E quem estiver com tempo pra explorar bem a região, também pode aproveitar os meses de verão pra cruzar o lago e visitar a cidade de Evian (aquela mesmo da água!), ou apenas fazer uma mini tour de barco no lago e conhecer algumas das coutras cidades.

Nós preferimos entrar no clima das Olimpíadas e ir visitar a sede/museu do Comitê Olimpico Internacional, que estava bombando no clima olimpico!

O museu conta um pouco da historia dos jogos olímpicos modernos, fazendo uma cronologia completa de todos os jogos – de verão e inverno – das últimas décadas e relembra alguns de seus momentos mais memoráveis.

 

Categorias: Lausanne, Suica, Viagens
1
11
Jul
2013
Vieille Ville: a cidade antiga de Genebra
Escrito por Adriana Miller

Em Genebra o foco sempre fica na região do lago, e a gente ate esquece que a cidade tem uma cidade antiga fofíssima!

O passeio é fácil e não leva muito mais que uma hora perambulando pelas ruas íngremes e estreitas da Vielle Ville.

A principal atração é impossível de ser ignorada, a igreja Cathédrale St-Pierre que domina a paisagem da cidade seja lá qual ângulo você olhar!

Originalmente a catedral era católica, e apesar de hoje em dia ainda operar como templo religioso cristão, a Cathédrale St-Pierre tem uma importância muito maior – e no melhor estilo Suíço de ser, a igreja tem uma postura neutra, com um museu da Reforma religiosa, relembrando o papel da Suiça em apaziguar os conflitos religiosos da fé cristão no século 16.

E tão imperdível quanto são o Hôtel-de-Ville e Arsenal. A prefeitura de Genebra data do século 16, sendo que uma de suas torres já fazia parte de uma estrutura antiga, do século 14.

Muito além da administração da cidade, a prefeitura já foi pano de fundo para muitos feitos Suiços; a Cruz Vermelha, por exemplo, foi criada lá em 1855.

E é ali também que fica o “Arsenal” ou a praça de armas – é inconfundível com seu canhão em ferro maciço de 1683, tendo afrescos decorando as paredes embaixo dos arcos históricos.

Mas o mais legal é mesmo se perder pelas ruas, admirando as vitrines dos antiquários, e ir parando aqui e ali para tomar um café, comer chocolate ou fondue!

Categorias: Genebra, Suica, Viagens
2
10
Jul
2013
Les Armures: O melhor fondue de Genebra
Escrito por Adriana Miller

Depois do nosso passeio na CERN, resolvemos fazer um pit stop para happy hour ali na região da cidade antiga de Genebra, e o Aaron deu a ideia: já que estamos na Suíça, vamos comer fondue?!

Apesar do calor que estava fazendo, achamos que seria uma boa ideia, e uma boa desculpa pra fazer uma coisa tao típica, nao só na Suíça, mas principalmente da regiao de Genebra.

Entao imediatamente eu entrei no google e fiz a pesquisa: logo o primeiro resultado foram feedbacks do TripAdvisor recomendando o Les Armures como o melhor fondue da cidade.

Ainda na duvida, perguntamos pra host do bar onde estávamos, e ela mais uma vez recomendou o Les Armures – mas fez a ressalva de que sem reserva, era impossível conseguir uma mesa…

Mas como ainda era relativamente cedo, e estávamos ali do lado, resolvemos arriscar e fomos ate la pra ver se eles teriam uma mesa. E tcharam! Demos sorte, e com um cancelamento de ultima hora, eles tinham uma única mesa pra duas pessoas no pátio do restaurante!

O Les Armures na verdade eh um hotel super tradicional no centro da cidade antiga de Genebra, e seu restaurante, de mesmo nome, eh considerado uma instituição na cidade.

Durante o inverno é possível comer no restaurante interno, ao lado da lareira, num clima bem Alpino, e no verão, as refeições são servidas no pátio, com a vista do Palácio das Armas bem ali do lado!

No menu existem varias outras opções de pratos locais e ate mesmo algumas opções mais internacionais, mas as estrelas do restaurante sao as muitas opções de fondue e raclatte.

Nos fomos de fondue – um de queijo e um de carne!

O fondue de queijo – que não é uma variedade que eu geralmente gosto muito – foi meu preferido!

Ao contrario de outras versões que eu ja tinha comido no Brasil (em cidades da Serra carioca, Campos de Jordao, Sul do pais etc), o queijo do fondue era super suave, com uma consistência perfeita, sem ser pesado demais.

Servido numa panelinha pequena Le Creuset, foi a quantidade perfeita pra ser dividido por nós dois – e mais uma certinha de pao que foi constantemente trocada.

Mas o fondue de carne também estava ótimo, e o que eu gostei mesmo foi que (mais uma vez, ao contrario de outras versões que já tinha comido) a carne não era frita e sim cozida num molho bem temperado e delicioso!

A carne foi servida como um carpaccio – super fininha, pra facilitar seu preparo, e em porcões pequenas. Cada vez que nosso prato de carne ia esvaziando, o garçon trazia um prato novo, então nossa carne estava sempre fresquíssima!

Na panela de fondue, um molho, tipo um “broth” com temperos e ervas, sem fazer aquela sugeirada de óleo quente, e muito mais fácil de controlar a preparação da carne. E de acompanhamento, varias opções de molhos diferentes.

Pra ficar perfeito, o ideal eh que temperatura estivesse um pouco mais baixa – mas agora que sabemos onde ir, próxima viagem invernal a Suíça vai incluir fondue mais vezes com certeza!

Les Armures

Rue Puits-Saint-Pierre 1

 

Categorias: Genebra, Suica, Viagens
8
09
Jul
2013
Four Seasons Genebra – Les Bergues
Escrito por Adriana Miller

Já tem quase dois anos que fiquei hospedada no Four Seasons de Genebra – mas ao rever umas fotos antigas não pude deixar de falar sobre esse hotel aqui!

Afinal, quais são os símbolos de Genebra? O lago? O Jet d’Eau? Os prédios alpinos com letreiros de relojoarias Suíças no telhado? Ou as torres da Cathédrale Saint-Pierre?

Bem, depois de me hospedar por lá, minha resposta virou: todas as opções acima! Pois essa era a vista do meu quarto!

No quarto, fui recebida com frutas, chocolate Suíço e agua Evian (cuja fonte fica a poucos minutos, do outro lado do Lago Genebra!) e produtinhos Acqua di Parma, que completaram perfeitamente a decoração de altissimo gosto do quarto.

Antigo, mas sem ser antiquado. Com todas as facilidades modernas, mas sem perder a personalidade.

E é impossível passar pelo hotel sem reparar o lobby de entrada! Sabe quando você fica tentando imaginar como seriam o interior dos palácios e castelos Europeus? Pois é, o Four Season Les Bergues é exatamente assim! A personificação daquele charme de “velho mundo” Europeu.

A localização também não poderia ser melhor, no cantinho do lago, a entrada do hotel fica bem de frente para a entrada da Vielle Ville, aos pés do lago e a poucos minutos da estação de trem (com várias opções de trams e trens para o aeroporto, ou atrações como a sede da ONU ou a CERN).

Four Seasons Hotel des Bergues Geneva

33, Quai des Bergues

Categorias: Genebra, Suica, Viagens
2
08
Jul
2013
Genebra – Tour guiada na CERN: Centro Europeu de Pesquisa Nuclear
Escrito por Adriana Miller

Eu cheguei a pensar em criar um Categoria aqui no blog especifica pra esse post, e identifica-la como “Nerdices” – porque realmente nossa programação em Genebra na ultima viagem foi 100% nerd!

A idéia surgiu quando fiz o passeio guiado da ONU, também em Genebra e o Aaron lembrou que a CERN também ficava por lá. Então quando apareceu mais uma viagem a trabalho pra Genebra em Agosto de 2012, aproveitamos a oportunidade e o Aaron foi passar o fim de semana comigo.

Atração numero um na nossa lista? O passeio pela CERN!

A CERN é a Organização Europeia de Pesquisa Nuclear, que opera o maior laboratório de física de partículas do mundo!

O instituto foi fundado em 1954, na sombra do fim da 2a guerra mundial como uma maneira de controlar o medo e ameaça de uma guerra nuclear.

Mas os nerds de plantão sabem qual o principal atrativo da CERN: o acelerador de partículas – um “túnel” subterrâneo de 54 km de diâmetro que cruza as fronteiras da Suíça e da França onde as partículas são aceleradas e desaceleradas na velocidade da luz (nossa, que explicação suuuuper científica, heim?! Sou mesmo um crânio!).

E outra que afeta todos nós: foi na CERN que a internet foi inventada! Viu só? Você pode até achar que não sabe nada sobre física de Pastículas, mas se não fosse pela CERN esse blog não existiria!

O tour guiado deve ser reservado com bastante antecedência e mostra uma versão bem simplista de como a CERN funciona, contando um pouco de sua história e suas principais pesquisas.

Tem uma mistura de exposições explicando e mostrando um pouco do acelerador, eles contam também um pouco da história da organização ( que começou com 12 países europeus, e hoje em dia conta com mais de 10 mil cientistas de mais de 600 universidades, representando 113 países – Inclusive o Brasil, que tem vários cientistas trabalhando por lá!

Eu não entendo nada de física, mas acho o máximo esse tipo de organização que juntam vários paises do mundo em prol de um bem maior – deve ser incrível trabalhar num lugar assim e ter o poder de transformar o mundo em que vivemos!

 

Categorias: Genebra, Suica, Viagens
2
21
Aug
2012
Suíça ao vivo!
Escrito por Adriana Miller

Pra quem acompanha Twitter e Instagram (@DriMiller em ambos!!) já sabem que estou na Suíça desde sábado!

Na verdade eu estou aqui novamente a trabalho, mas ultimamente minhas viagens tem sido mais planejadas (e mais espaçadas!) do que eram há um tempo atras, então quando marquei as reuniões dessa semana o Aaron aproveitou q eu tinha que estar aqui na segunda de manha pra vir comigo e esticar o fim de semana!

A desculpa principal era que ele queria fazer uma tour guiada na sede da CERN (super nerd, mas interessantíssimo!), então aproveitamos bastante o fim de semana de (super) verão na região do lago Genebra!

20120821-194544.jpg

Apesar de ser um zero a esquerda em Física, eu gostei muito mais do que poderia imaginar da tour da CERN, e recomendo!

20120821-194654.jpg

20120821-194705.jpg

E nao é muita física nao, na verdade eles falam muito mais sobre tecnologia, a história das pesquisas, internet e afins… Me senti super “The Big Bang Theory”!! Hahaha

E os dias longos e quentes do verão em Genebra sao perfeitos pra ficar passeando por ai…

20120821-194920.jpg

20120821-194940.jpg

Como ambos já estivemos na cidade outras vezes, foi uma delicia poder passear por aqui sem afobações turísticas, sem querer ver e fazer tudo ao mesmo tempo!

E mesmo com o calorao acima dos 30 (e muitos!) graus, nao resistimos ao clichê de jantar um foundue num restaurante super romântico na cidade antiga…

20120821-195155.jpg

Já no domingo, aproveitamos pra explorar a região um pouco mais e fomos passar o dia na charmosissima Lausanne, outra cidadezinha que tambem beira o Lago Genebra, e que tem todo um clima veraneio de praia!

20120821-195329.jpg

20120821-195343.jpg

Mas como tudo que é bom acaba rápido, o Aaron voltou pra Londres e eu fico por aqui trabalhando até quarta feira…

20120821-195452.jpg

Mas fazer oque né?!
Reclamar é que nao vou!!

20120821-195530.jpg

Categorias: Genebra, Lausanne, Suica, Viagens
15
01
Oct
2011
Genebra: Tour guiada na sede da ONU
Escrito por Adriana Miller

Na minha ultima viagem a Genebra eu finalmente tive a oportunidade de fazer uma coisa que sempre tive curiosidade: Conhecer a ONU.

Nas minhas epocas de faculdade de Economia da UERJ, meu sonho dourado era trabalhar com desenvolvimento economico internacional/turismo, e instituicoes como a ONU, organizacao mundial do turismo e organizacoes afins populavam meus sonhos.

Entao aproveitei umas horinhas livres antes do voo de volta pra Londres e fui direto pra la! As tours guiadas duram cerca de 1 hora e sem duvidas foi a relaizacao de sonho! O unico problema eh que eu sai de la com ainda mais vontade de trabalhar pra ONU!

O passeio nos levou por varias alas publicas e privadas da sede da ONU, as areas de debate, e nas salas e auditorios onde o futuro de milhoes de pessoas sao debatidos e decididos diariamente.

Engracado que ao relembrar o passeio, a impressao que tive eh que fiquei la dentro por horas e horas, pois foi realmente uma experiencia magica! Eh um lugar que transpira historia, respira relacoes internacionais e onde o mundo e todo mundo eh igual.

Nao soh por ver aquilo tudo ali pertinho (essa semana ao assistir a conferencia sobre o reconhecimento da Palestina como estado, me senti super intima do lugar!), mas principalmente por conhecer os minimos detalhes que fazem da ONU uma instituocao tao importante e bem sucedida, e que na fundo no fundo, sao a base das relacoes internacionais, e tem tudo a ver com o meu trabalho tambem.

Pra comecar pelo simbolo da ONU: sempre me pareceu obvio que o simbolo se tratava de um mapa, mas nunca reparei que eh um globo terrestre visto de cima! O principio por tras desse simbolo eh que na ONU todos os paises sao iguais e portanto num pais ou regiao deveria ficar no centro, enquanto que os outros ao redor (nos mapas mais comuns a Europa esta no centro). E a vista de cima, eh simbolica de acordo com o papel da ONU: vigiar, supervisionar, mas sem necessariamente fazer parte de pais nenhum, nem governo nenhum.

Alem disso, nesse mapa-ONU, todos os paises e territorios do mundo estao incluidos, e nao apenas os paises membros. O fato de um pais nao ser membro da ONU, tambem nao o confere maior ou menor importancia perante os direitos da humaniade.

E esse eh a vertebra central da ONU: ser mediadora em prol da humanidade. Paises, governos e religioes nao importam – sua principal causa sao os seres humanos.

A guia tambem nos explicou as “tecnicas” de diplomacia local – como as posicoes dos paises em cada reuniao eh “sorteada” alfabeticamente, sempre em Frances ou Ingles (as duas linguas oficiais da ONU), entao assim paises que as vezes sentariam la no fundo do salao, na reuniao seguinte sentam la na frente. Enquanto que simultaneamente eles tem um processo paralelo, que faz um rodizio entre os paises que comecam sempre com a mesma letra, como eh o caso do Brasil por exemplo (Bresil em Frances, e Brazil em Ingles – mas sempre com a letra B).

Ale disso, TODAS as salas e auditorios tem duas entradas separadas, assim os paises inimigos pode se evitar, e seus representantes podem entrar e sair por direcoes opostas.

O Auditorio que eu mais gostei (foi de dar arrepio!) foi o auditorio dedicado exclusivamente a discussoes relacionadas a armas e desarmamento.

Alem de ser um auditorio lindo, todo pintado retratando a relacao da humanidade com as armas e as mazelas causadas pelas guerras, esse eh uma area que tem regras super especificas.

Pra comecar que nem todos os paises membros (193, mas podem virar 194 dependendo doque eh decidido em relacao a Palestina) sao parte do comite anti-belico da ONU (apenas 166), e esse eh o unico comite onde TODAS as decisoes devem ser 100% unanimes. Mesmo que apenas 1 pais seja contra uma acao ou nao concorde com a recomendacao contra os outros 165, a decisao de torna nula, e os paises membros devem reiniciar seus argumentos.

A discussao do momento eh em relacao a armas nucleares e biologicas, e o mundo ainda na chegou a uma conclusao. A ultima discussao bem sucedida resultou no banimento de armas quimicas em guerras – e a ONU levou 4 anos mediando esse papo, ate todos os paises envolvidos entrarem num comum acordo.

Segundo a guia, o motivo para essa regra eh bem simples: a ONU nao cria leis nem impoe regras, afinal eles nao sao um orgao governamental. Eles apenas atuam como um forum igualitario que facilita a conversa entre as nacoes. Decisoes e regras tomadas de comum acordo pode entao ser impostas a outros paises, mas cabe a cada governo decidir de tal regra sera aplicada ou nao.

Exemplos recentes sao as revolucoes e motins que estao acontecendo no Oriente Medio, onde governos nao cumpriram os principios basicos de direitos humanos, que resultou na expulsao da Libia do comite de Direitos Humanos por exemplo. Durante a minha tour, alguns auditorios estavam fechados devido ao debate sobre a situacao na Siria.

Nao me canso de repetir como esse passeio foi legal! Pode soar bem chato pra muita gente, mas se voce tem qualquer afinidade por historia e sociologia, esse passeio eh imperdivel! E agora fiquei com vontade de fazer tambem a tour da ONU de Nova Iorque!

As tours guiadas acontecem diariamente entre as 10:30 e as 17:00, com guias em Ingles, Espanhol e Alemao (durante o verao, mais linguas estao disponiveis), com passeios comecando a cada 20 minutos. Nos meses de baixa temporada (inverno) as tours acontecem apenas a cada hora, e geralmente soh em Ingles.

 

 

Categorias: Genebra, Suica, Viagens
15
18
Aug
2011
Genebra ao vivo!
Escrito por Adriana Miller

Eu poderia começar esse post reclamando de ter acordado as 4 da manha pra conseguir chegar no aeroporto pro voo.

Poderia reclamar que voo estava lotado… que Genebra esta um calorão insuportavel e que as meninas do RH resolveram deixar as janelas do escritorio abertas pra “aproveitar o verão”, e portanto passei o dia todo suando profusamente.

Ou poderia reclamar das reuniões que tive hoje sobre seguridade social e declaração de importo de renda na fonte na Suiça… e ter que aprender (na marra) a diferença fiscal entre os Cantons Suiços.

Mas não vou reclamar sobre nada disso, sabe porque? Porque eu adoro demais meu emprego, adoro as pessoas que trabalham comigo e adoro o orçamento mãe da agencia de viagens da empresa que sempre me manda pro uns hoteis tão luxo, que dói!

Então assim que sai do escritório, deixei minhas coisas no hotel e fui correndo pra rua!

Meu hotel é o Four Seasons, na beiradinha do lago Genebra, então aproveitei o tempo lindo e o sol descendo pra dar umas voltinhas em volta do lago.

Mas realmente o calor tá de matar (tá, ok, tá fazendo 30 graus…. mas em Londres hoje de manha estava 16, então 30 graus e com umidade eu derreto!) e estava muito cansada, então resolvi parar pra jantar num bar de frente pro lago, onde vi o sol se por nos Alpes com o Mont Blac coberto de neve ao fundo…

Mas quando finalmente voltei pro hotel, minha recompensa foi comer umas frutinhas enquanto tomei um banho de banheira com os produtinhos Acqua di Parma do hotel (cheiro boooooom!)

E ainda agora, a vista da minha janela é essa ó:

As luzes de uma noite de verão no Lago Genebra!

Então não dá pra reclamar, dá?

Life’s good!

20110818-221320.jpg

20110818-221423.jpg

20110818-221431.jpg

20110818-221438.jpg

20110818-221449.jpg

20110818-221458.jpg

20110818-221514.jpg

20110818-221522.jpg

20110818-221547.jpg

Categorias: Genebra, Suica, Viagens
26
09
Dec
2010
Luzern
Escrito por Adriana Miller

Depois de passarmos o dia todo andando em Zurique, decidimos que queriamos conhecer alguna outra cidade pela regiao, e pegar algum trem que nos levasse na direcao dos Alpes (andar de trem na Suica eh a coisa mais linda que existe!).
Entao a escolha mais facil foi Luzern, que fica a apenas 45 minutos de distancia de Zurique – e a viagem de trem por si soh ja vale a viagem!

Luzern, assim como a grande maioria das cidades da Suica, fica aos pes de uma grande montanha (no caso o Monte Pilatus), e com um rio que se abre num lago – a a cidade foi construida e cresceu justamente em volta desse lago.

Eu pessoalmente gostei muito mais do ar de vilarejo de Luzern, uma cidade alpina esquecida no tempo…

Seu cartao postal eh a “Chapel Bridge” (ponte da capela) que foi construida no seculo 14 e cruza o rio Reuss – o Nome “Capela” foi dado em homenagem a Igreja de Sao Pedro, que fica exatamente em frente.
Eh imposivel nao ver a ponte, que eh literalmente o foco central da cidade; inteiramente contruida de madeira com uma torre de pedra no meio. E imposivel tambem nao direccionar todas as suas fotos na direcao da ponte!

E ainda mais interessante que o exterior da ponte, eh seu interior, pois todo o teto e vigas de madeira sao cobertas por pinturas do seculo 17 que contam a historia da cidade (mas hoje em dia sao replicas recuperadas em 2003, pois as originais foram destruidas num incendio).

Bem em frente a ponte, esta a capela de Sao Pedro e suas torres gemeas. A igreja protestante eh bem simples em comparacao com outras igrejas e catedrais na Europa, mas eh impressionamente clara e luminosa, mesmo num dia nublado de inverno! Suas paredes sao pintadas de branco e suas colunas e altar sao esculpidos em marmore cor de rosa! Um efeito de “iluminacao” lindo!

Uma das outras principais atracoes da cidade nao estavam abertas por causa do clima fora do normal que pegamos – a muralha medieval da cidade. Deu para ver de longe, mas por causa da neve e do gelo, a muralha estava fechada. Mas nos meses de verao, ou em invernos mais “normais” a muralha eh aberta a visitacao e eh possivel caminhar entre as torres (imagino que a vista dos Alpes e do lago sejam lindas!).

E para fechar, o atrativo principal de Luzern sao as estacoes de esqui que ficam aos pes do Monte Pilatus. E mesmo para quem nao vai esquiar, o observatorio do Mt Pilatus eh aberto a visitacao, e a viagem eh feita de bondinho – mas esse ano estao construindo um novo hotel 5 estrelas no topo da montanha, e parte da estacao de esqui esta fechada, incluindo o observatorio, entao resolvemos economizar a viagem… nem imagino o frio que devia estar fazendo la em cima! Preferimos ficar no “quentinho” de Luzern (meros -10 graus…)

Entao bem antes de fecharmos o dia bem a tempo de voltar para Zurique, demos de cara com outro mercado de natal escondidinho numa das pracas da cidade!

Em Luzern o frio estava ainda pior que em Zurique (a altitude eh mais elevada e fica mais “no meio” dos Alpes), entao no final do fim de semana foi uma delicia voltar para Londres, onde estava apenas 1 grau (positivo!) e a neve ja tinha derretido toda!

Categorias: Luzern, Mercados de Natal, Suica, Viagens
27
08
Dec
2010
Zurique
Escrito por Adriana Miller

A primeira coisa que me passava pela cabeca quando pensava em Zurique era a imagem de capital financeira da Europa e os famosos bancos Suicos. Afinal, foram tantos filmes, novelas, seriados e livros onde o vilao mandava todo seu dinheiro para uma “conta na Suica”. E isso tambem faz de Zurique a maior e uma das mais importantes cidades do pais.


Mas em se tratando de Suica, como eh de se imaginar, mesmo a maior cidade, ainda eh bem pequena, facil de andar e com pinta de vilarejo das montanhas.

Entao ha uns meses atras quando a mae do Aaron veio no visitar, a conversa invariavelmente tomou o rumo das viagens, e naquele momento nao tinhamos planejado/decidido a viagem para Zurique.
Porem eu e minha sogra compartilhamos uma paixao por decoracoes de natal, e quando eu disse que esse ano gostaria de ir novamente a um mercado de natal em algum pais “germanico” ela logo se animou de ir junto! Para completar, ela tem descendencia Suica por parte da mae (o bisavo do Aaron era Suico da regiao Alema dos Alpes), e sempre teve vontade de conhecer o pais. E entao ficou decidido! Ela voltaria para nos visitar em Novembro e nos iriamos todos juntos para a Suica, e de quebra ela iria contecer um autentico mercado de Natal germanico!


Zurique foi a opcao mais obvia apenas porque eh facil de chegar. Voamos EasyJet direto para o aeroporto do centro da cidade, com um preco bem razoavel (ainda mais se tratando da Suica onde TUDO eh tao absurdamente caro… entao a passagem de aviao foi uma barganha em comparacao com todo o resto do pais!). Mas ao mesmo tempo, Zurique esta longe de ser das cidades mais charmozinhas da Suica.


Mas convenhamos que soh mesmo uma pais como a Suica pode se dar ao luxo de considerar que uma cidade como Zurique eh feia e sem atrativos! Pois na realidade, Zurique podeira ter saido de qualquer pagina de conto de fadas – e coberta de neve entao ficou ainda mais bonita!


Pensa soh: Zurique esta aos pes do Alpes Suicos, no lado Alemao do pais, com as montanhas ao redor contanstemente cobertas de neve e o rio Limmat descendo as montanhas, cortando a cidade em duas partes e se abrindo num lado enorme no centro da cidade.


Um de seus principais cartao postais sao as torres gemeas da catedral Grossmünster e o predio Rathus, onde fica a prefeitura. Suas ruas principais sao rodeadas de casinhas de arquitetura alpina, com jeito de chale de esqui, mas ao mesmo tempo que ruas como a Bannhofstrasse e Niederdorf sao endereco de algunas das marcas mais caras e exclusivas do mundo.


Zurique eh uma cidade que foi feita para andar a pe, e se pode facilmente cruzar a cidade de ponta a ponta (da estacao de trem ao lago) em menos de meia hora. E esse foi justamente nosso principal desafio!


Afinal, como aproveitar uma cidade quando a temperatura media esta na casa dos -8 graus centigrados!?! (e marcando -12 depois que o sol baixou!)


Entao nossos passeios eram intercalados com pit stops em cafeterias, casas de cha, lojas e afins ate que todos os dedos se descongelassem, e pudessemos voltar pras ruas! Isso sem contar os escorregoes e sustos nas calcadas cobertas de gelo e degraus e desniveis escondidos pela neve!


Mas tentamos aproveitar o maximo possivel da situacao.
Definitivamente o frio e a escuridao atrapalham demais qualquer viagem e passeio (por isso muitas vezes desaconselho viagens para o norte da Europa durante os meses de inverno), mas por outro lado a neve e o gelo que pegamos esse fim de semana apenas contribuiram para deixar tudo ainda mais fascinante!


As casinhas/chalets com os telhados cobertos de neve…
As fontes e chafarizes congelados…
Os jardins cobertos de neve branquinha…
As placas de gelo flutuando no lago….

Nosso principal objetivo da viagem era o mercado de natal, que em Zurique acontece dentro da estacao de trem central – a pesar de aberta e portanto igualmente fria, pelo menos nao nevou na feira!

Em comparacao com outras feiras de natal que ja fui na Alemanha e Austria, a feira de Zurique deixou bastante a desejar… mas por outro lado, a decoracao do mercado superou todas as expectativas!

No vao central da estacao tinha uma arvore de natal, um pinheiro natural, de 15 metros de altura e inteiramente e totalmente decorado e coberto de enfeites e penduricalhos feitos em cristal Swarovski!!

E pronto! Nao precisava de mais nada! Os focos de luz foram direcionados para a arvore e o reflexo colorido dos cristais refletiam nas paredes da estacao e no teto das barraquinhas!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Mercados de Natal, Suica, Viagens, Zurique
48
Página 1 de 212