28 Sep 2010
39 comentários

African Walking Company

Dicas de Viagens, Kilimanjaro, Tanzania

Nossa viagem foi contratada atraves da Exodus, uma agencia Inglesa especialista em pacotes de aventura. Mas como o Kilimajaro eh uma are protegida, turistas (e locais) soh podem entrar no parque se acompanhados por guias treinados e registrados, e portanto a Exodus tem parceria com um agencia receptiva local, a African Walking Company (nao achei um link especifico pra eles…).


O servico prestado nao poderia ter sido melhor e foi bom saber que fomos acompanhados por especialistas locais o tempo todo.

A equipe que nos acompanhou era enorme, oque definitivamente justificou o preco alto que pagamos pela viagem. E para falar a verdade, quando estavamos lah e nos demos conta na estrutura de apoio que rola no background para garantir que tudo vai ser perfeito durante nossa estadia, eu achei ateh que na verdade o preco que pagamos nao tinha sido suficiente e justo, para tipo de trabalho que aquele pessoal faz!


No total eramos 9 turistas e subimos o Kilimajaro com uma equipe de apoio de nada mais, nada menos que 31 pessoas!!!

Entre eles estavam o guia lider, que atuava como o super chefe da operacao nao soh liderava o trekking, como tambem dava as cordenadas paro pessoal da cozinha, pro pessoal do acamapamento, fazia reunioes com nosso grupo todos os dias de manha e de noite, e ainda fazia suas rondas de seguranca e primeiros socorros, para garantir que estavamos todos fisicamente e mentalmente bem o tempo todo. Era ele tambem quem carregada e verificava diariamente o kit de primeiro socorros incluindo equipamento cardiaco, seringas com esteroides e varias outras coisas assustadoras!


Alem do guia lider, tambem tinhamos mais 5 guias asistentes, que eram os caras que nos acompanhavam ao longo da caminhada, e se dividiam no grupo, para garantir que teriamos um acompanhamento personalizado o tempo todo (e assim cada um podia seguir no seu ritmo).

Um outro personagem principal do grupo era o cozinheiro chefe! Um dos principias efeitos da altiture eh a falta de apetite e enjoo, que consequentemente pode piorar todos os outros sintomas (se vc nao se alimentar bem e beber pelo menos 4/5 litros de agua/liquidos por dia, gastando uma media de 5 mil calorias por dia, nao da pra aguentar o ritmo).  Eu nao tinha nenhuma expectativa em relacao a comida, e achava que iamos comer biscoito Maria com macarrao instantaneo e atum em lata todos os dias que ja mata meu apetite mesmo no nivel do mar, entao imagina la em cima?!

Mas para nossa surpresa a comida foi OTIMA, super balanceada, nutritiva e gostosa todos os dias! Entao apelidamos o James, nosso cozinheiro chefe de “engenheiro estomacal”, porque ele definitivamente foi muito mais que simples cozinheiro!!

O café da manha sempre tinha porridge, panquecas com geleia e/ou mel, ovos, torradas, biscoito, café e cha. E o almoco e jantar sempre incluiam uma sopa com algum prato principal (com bastante carboidrato, afinal gastavamos uma media de 5000 calorias ao dia!, carne, peixe, salada, pao, etc). E isso sem falar que sempre eramos recepcionados no acampamento por um cha da tarde tipicamente Ingles, com cha, café, bolo, biscoitos  e pipoca!! E pra mim, que nao como carne de porco, e um outro cara vegetariano, sempre tinhamos opcoes diferentes caso preferissemos!

Foi incrivel, e era so o cheirinho da sopa invadir a tenda-refeitorio que eu ficava logo morrendo de fome!! E realmente acho que isso teve um papel muito importante na adaptacao do grupo, e que ninguem sofreu nada muito grave por causa da altitude, e todos nos aguentamos bem ate quase os ultimos dias.

E alem deles, ainda tinhamos toda equipe de apoio, ou os porters, que sao os homens e mulheres que fazem com que tudo funcione perfeitamente! Sao eles que carregam nossa bagagem, nossas barracas, toda estrutura de apoio, a comida, a agua potavel e o banhero quimico.

Entao ao longo de cada dia, iamos conhecendo um pouco mais de cada um deles, e aprendendo um pouco mais sobre a vida na Tanzania, que foi uma das partes mais legais da viagem!

Na ultima manha na montanha, jah descendo, fizemos uma “ceremonia da gorjeta, onde o grupo de turistas e o grupo de apoio se junta para fazer mini discursos de agradecimento, e nos demos gorjetas extras para todos eles, como eh a pratica normal no Kilimajaro. (esse link abaixo tem um videozinho que fiz no ultimo dia. Depois vou tentar consertar o link, pra aparecer o video aqui).

httpv://www.youtube.com/watch?v=19n1SxRwAn8

Kilimanjaro

Eles nos agradeceram por vir visitar seu pais e por ter cuidado bem da montanha (o turismo no Kilimanjaro eh a princiapal industria da regiao, que gera muitos empregos e sustenta familias e cidades inteiras sem a presenca dos turistas, millares de pessoas perderiam seu ganha pao). E por outro lado nos agradecemos toda ajuda fisica e psicologica que recebemos do grupo, reconhecendo o trabalho duro que acontece por tras da cena e o esforco que cada um deles fez para garantir que nos teriamos a melhor impressao possivel do Kilimajaro, da Tanzania e da experiencia como um todo!

Eu e Makeke, no topo da Africa - sem ele me ajudando a cada passo no ultimo dia, jamais teria chegado ate o final!

E no final, tiramos muitas fotos, fizemos filminhos, trocamos e-mails e para encerrar a ceremonia todo grupo de apoio se juntou para cantar a musica-hino da montanha, com o Kilimajaro coroando a paisagem!

Antes da viagem, eu e o Aaron estavamos pensando em como seria nosso grupo, quem seriam os outros turistas que viajariam com a gente, mas na verdade esquecemos que as pessoas que realmente fizeram a diferenca foi o resto do grupo!

Eram horas e mais horas por dia andando e andando, sem muito oque fazer a nao ser conversar (ainda que bem limitado, pq a falta de ar deixava qualquer papo menos dinamico!) e ir conhecendo cada um deles. Como o guia lider, Makeke: ele ja subiu o KIlimanjaro – ate o final – 74 vezes (sem contar as outras centenas de vezes em que estava com grupos que nao chegaram ate o topo- coisa que pra ele nao conta!) e trabalha na montanha ha mais de 10 anos. Comecou como carregador, e por 5 anos subia e descia a montanha carregando malas de turistas enquanto fazia um curso de Ingles nas horas vagas.

Quando seu nivel de Ingles ficou bom o suficiente, ele fez um curso pra ser guia assistente e com ajuda e patrocinio de um de seus clientes, ele pode ficar 6 mese sem trabalhar e tirar o certificado de guia do Kilimanjaro.

Agora seu proximo passo eh conseguir juntar dinheiro pra voltar pro curso oferecido pelo governo por mais uns meses, e o emprego de seus sonhos eh ser guia de safari! Ele vai casar em novembro com uma menina do Kenya, e acha que ser guia no Kilimanjaro ocupa tempo demais na sua vida, e quer poder estar em casa pra comecar uma familia.

E tem tambem o Venice, um dos Guia assistentes, que era maratonista da Tanzania, viajou o mundo correndo maratonas, e foi assim que aprendeu Ingles. Mas acabou machucando seu joelho e nunca mais conseguiu patrocinio pra correr – mas como gosta de fazer exercicios e natureza, agora trabalha no Kili.

E muitas e muitas outras historias como essas, algumas mais outras menos comoventes, mas que ajudou a ter uma otima ideia de como eh a vida real num pais como a Tanzania, e a importancia da conservacao ambiental pro desenvolvimento da regiao.


Adriana Miller
39 comentários
27 Sep 2010
22 comentários

Washy-Washy

Dicas de Viagens, Kilimanjaro, Tanzania

Confesso que a coisa que mais me assustou no processo de planejamento pro Kilimajaro foi a ideia de ter que passer 6 dias sem tomar banho.

A cada dia pre viagem que chegava em casa, tomava um banho quentinho, as imagens de terror populavam minha mente: dias longos caminando debaixo do sol, suando e morrendo de calor, um fedor de suor generalizado e nao conseguir dormir directo por causa do incomodo da sujeira


Mas na tarde que chegamos ao nosso hotel na base do Parque Ecologio Kilimajaro tivemos nosso primeiro briefing com o lider local da expedicao. Entre as muitas coisas que ele ia nos contando e preguntando volta e meia ele mencionava o tal do Washy-Washy. Como os Briefings eram uma mistureba de Ingles capenga (uns guias eram melhores, outros piores) com algunas palavras em Swahili (que fomos aprendendo ao longo da viagem. Porque realmente eram bem mais interessantes que a versao Ingles!) eu achei que Washy-washy nad amais era doque uma expressao da lengua local que eventualmente iamos aprendendo

Ate que ele finalmente nos explicou oque era o tal do washy-washy, que era a versao Ingles-Swahili do popular banho checo! Ou seja, todos os dias de manha, um dos guias vinham nos acordar en nossa tenda com bacias de plastico com agua morna para nosso ritual lavagem-lavagem.


A primeira reacao, como podem imaginar foi de um pouco de choque e uma galera se empolgava no processo de washy-washy, e saiam da barraca praticamente desnudos e seguiam felizes e contentes no ato publico de auto-lavagem. (Inserir aquí piadinha de que gringo nao toma banho. Eu sei que isso que voce quer fazer)


Eu preferi a privacidade de meu lar e me trancava na barraca!

MInha primeira experiencia de washy-washy foi un tanto quanto timida. De fato nao sabia oque fazer com aquela bacia de agua quente! E como achei que o ultimo banho tomado no hotel ainda nao estava totalmente vencido, aproveitei para lavar o rosto, as maos e os pes. Jah o Aaron se juntou ao grupo Escoceses e exibiram seus bronzeados no frio do acampamento para horror de nossos carregadores!


Mas ai neh, o tempo foi passando e a memoria da minha dignidade civilizada foi se tornando uma imagem mais e mais apagada na minha mente, e finalmente me rendi ao milagre do washy-washy. Digamos que na privacidade da sua barraca, uma bacia de agua quante, lencinhos de bebe e uma lampada de cabeca operam verdadeiros milagres para sua higiene pessoal. E foi tambem esse momento que me desprendi definitivamente de minha dignidade (que dai para frente se foi ladeira a Baixo, afinal era apenas a segunda noite na montanha e eu mal sabia oque vinha pele frente)


No fim das contas, ficar sem tomar banho nao foi tao trumatico quando imaginava!

Obvio que a primeira coisa que fiz quando voltei pro hotel foi tomar banho, mas acho que de certa maneira demos sorte de ter pego um clima horroroso quase todos os dias! Como passamos muito frio, o fator suor e fedor foram reduzidos drásticamente, e a convivencia do grupo nao foi afetada!

Jah os cabelos foram totalmente esquecidos em rabo de cavalo, gorros e faixas, e preferi ignorar o efeito da falta de shampoo + chuva + poeira + suor.

Claro que nao foi confortavel, mas a verdade eh que nossos dias la em cima tinham um zilhao de outros fatores mais importantes, e no fim das contas tomar ou nao tomar banho era a ultima de minhas preocupacoes!

Alem disso tambem tinhamos um banheiro quimco portátil, que foi nossa salvacao!

Eu realmente imiginava que seria tudo 100% selvagem, cada um que encontre sua moita e seu matinho e mande ver (e realmente durante o dia, durante as caminhadas, foi assim mesmo! Mas como disse acima, a essa altura a dignidade jah se foi ha muito tempo), e era um alivio voltar ao acampamento no fim do dia e poder usar um banheiro normal e limpinho”… e com privacidade! (a medida que a altitude ia subindo, as moitas iam diminuindo, ateh chegar no ponto onde era tudo deserto a nossa volta, e nem moitas tinhamos mais. Mas como tinhamos que beber uma media de 3 a 4 litros de agua por dia, chega uma hora que voce nao esta nem ai para quem vai presenciar seus momentos fisiologicos! jah falei da falta total de dignidade, neh?!)

A tenda-banheiro era um cubiculozinho, mas a privadinha (pinico, né?)  tinha descarga e sempre tinha papel higienico! Chique!

 

Adriana Miller
22 comentários
05 Sep 2010
47 comentários

Conseguimos! O Kilimanjaro eh nosso!

Dicas de Viagens, Kilimanjaro, Tanzania

Voltamos para a “civilizacao” ha pouco mais de 2 horas, e a primeira coisa que fiz foi correr pro banho! E nao satisfeita tomei 2 seguidos!!!

Tanto eu qaunto o Aaron conseguimos chegar ao topo da Africa e ontem as 6 da manha (horario local) chegamos ao Guillman’s Point, e duas horas depois chegamos ao Uhuru Peak, a 5.895 metros de altitude e eh o ponto mais alto do continente Africano e a montanha “free standing” mais alta do mundo!

Foi sem duvuda alguma a coisa mais dificl que fiz na vida, e (provavelmente) nunca mais farei nada parecido!

Mas ao mesmo tempo, nao tem preco chegar la em cima, ver as nuvens e o mundo laaaaaaah em baixo e se sentir parte do seleto grupo de seres humanos que conseguiram esse feito!

Soh pra ter uma ideia, do nosso grupo de 9 pessoas, apenas 4 (eu, Aaron e mais 2) conseguimos chegar ate o final!

Todos os detalhes virao em breve (a internet na Tanzania nao eh das melhores….) mas as ultimas 36 horas foram as piores da minha vida…. e ao mesmo tempo uma das melhores memorias que jamais terei que qualquer outro feito que venha a conquistar!

Nossa subida final comecou a meia noite, no breu e com lampadas de cabeca, subimos SEM PARAR por 6,5 horas ateh Guillman’s point (nessa hora jah eramos apenas 5 do grupo de 9), assistimos o nascer do sol mais incrivel do planeta, e seguimos por mais 2,5 ateh Uhuru peak, que eh a conquista final.

O problema eh que soh quando chegamos lah em cima, pulamos, comemoramos, tiramos um gazilhao de fotos eh que caiu a ficha que ainda faltava voltar tudo!

Ainda bem que pra baixo os santos ajudam, e o trajeto de 9 horas foi feito em menos de 4 horas!

E ai eh que comecou o pesadelo! Nos deram 1 misera hora de descanso (“descando”, na tenda imunda) e jah comecamos a volta da montanha, com mais 5 horas descendo, embaixo de um temporal de granizo! E hoje tivemos mais uma descida de 6 horas ate finalmente poder tomar banho e dormir numa cama!

Mas agora que o pior jah passou, revendo nossas fotos e a experiencia maravilhosa que tivemos – e claro tirando o fato de que meu joelho esquerdo esta do tamanho de um melao – eh que aos poucos a ficha vai caindo e nos dando conta dessa conquista maravilhosa!!

E tenho ate um certificado emitido pelo Governo da Tanzania pra provar!

Amanha comecamos o Safari e acho que a tecnologia serah mais amiga, e na medida do possivel, vou dando noticias!

Ah! E pro meu pai…. FELIZ ANIVERSARIO!!

Adriana Miller
47 comentários
Página 4 de 6123456