24
Aug
2010
Kilimanjaro – Farmacia de emergencia e banho portatil
Escrito por Adriana Miller

Eu ja comentei aqui sobre a farmacia que sempre levo comigo em viagens mais “exoticas”, e eh o tipo da coisa considerada desnecesario por muitos, e tirando uma unica vez que passei muito mal numa viagem (em Marrocos, e o Aaron passou muito mal no Camboja), sempre, sempre minha farmacinha volta intacta.

Mas eh aquela coisa neh, e eh melhor prevenir doque remediar, e o tipo de coisa que voce gasta dinheiro torceeeendo para ser dinheiro jogado fora e voce nao precisar usar nada doque esta levando.

Entao para a viagem pro Kilimanjaro nao poderia ser diferente.

E alem das vacinas que jah tomamos e dos remedios especializados que ja compramos (Diamox para Altitude e anti-Malaria), entraram na minha lista todos os meus itens normais que jah contei aquí e mais (muitos) outros.

Para comecar que essa vai ser a primeira viagem, mesmo, totalmente remota e no meio do nada. A primeira viagem em que passarei dias e mais dias no meio do nada. Sabe aquelas dicas basicas de bom senso do viajante, de evitar beber agua que nao seja mineral engarrafada, lavar bem as maos, evitar comer em lugares nao muito confiaveis, etc e tal?

Pois eh, nao teremos esse luxo.

Toda nossa comida sera fornecida e cozinhada localmente pelos guias, com ingredientes locais, agua local, panelas locais e afins. E imagino que nada muito fresquinho, pois vamos ficar uma total de 6/7 dias na montanha e nao imagino que o guia vai subir e descer todo dia para ir na feira comprar morangos e pao fresquinho pro nosso café da manha.

A comida eh (supostamente) boa, saudavel e balanceada, com padroes de aceitacao “internacional”, ja que eles estao acostumados com turistas Europeus e nao vao dar mole de deixar o grupo todo doente, que alem de dar o maior preju, ainda vai queimar o nome da empresa deles!

Mas mesmo assim…. Sei lah, neh?! Entao reestoquei os comprimidos para dor de barriga e de esterilizacao de agua.

Kit Farmacia

Alem disso entraram alguns itens extraordinarios na nossa lista tambem, para ajudar nossa vida lah no alto – sem O2, sem dormir direito, carregando mochila pesada o dia todo e andando muitas horas por dia usando botas de caminha desconfortaveis. Entao dessa vez nossa farmacia tem quantidades extra de band-aids, fitas anti-calo, fitas anti-bolha, bastao anti atrito, gel de arnica, muitas variantes de paracetamol e Ibuprofeno (maxima potencia e ultra velicidade de acao) jah que um dos principias e piores efeitos da falta de oxigenio sao as dores de cabeca cavalares; compressas quentes para dores nas costas e nos ombros, anti-histaminico e MUITO repelente e filtro solar.

O filtro solar eh muito importante jah que boa parte do hikking sera acima do nivel das nuvens, onde a radiacao solar alem de mais constante tambem eh mais intensa; e claro, litros e litros de repelente para “floresta tropical” (como descrito na embalagem! Hahahaha) recomendado para ser usado em areas com alto risco de malaria (porque o remdio e o complexo B ajudam, mas nao sao infaliveis!).

E tem o outro Kit-Medico que tambem estamos levando, que nos foi recomendado pela agencia, e todo mundo que conhecemos que jah foram ao Kilimajaro (e Africa Sub-Saariana) tambem levou, e todos dao gracas a deus de nao terem usado!

Kit Medico

O “Kit Medico” vem com agulhas, seringas, lamina de bisturí, linha e agulha para pontos, luva de latex descartavel, gaze, e mais varios outros produtos hospitalares descartaveis.

Um exagero? SIM!

Mas vai que acontece alguma desgraca, e vamos parar num hospital ou posto de saude no meio da reserva do Serengueti, com o hospital (e cidade grande) mais proximo a horas de distancia? Entao, porque o seguro morreu de velho, caso aconteca alguma desgraca, poderemos ir pro hospital sem ficar com medo de usar o parco material medico disponivel na África central. Uma triste realidade, mas verdade. Entao dos males o menor, e prefiro usar meu proprio bisturí!

E por fim, o kit-banho! Que para mim eh o componente mais importante de tudo!

Banho portatil

Minha lista tem tudo que considero essencial para me manter “humana” por 6 dias sem acesso a um banheiro: lencos humedecidos de varios tipos, texturas e fragrancias, alcohol em gel e lenco humedecido desinfetante, desodorante ultra potente (eu sempre morria de rir das propagandas de desodorantes que prometiam “protecao 48 horas” ou  “protecao” X dias”, porque convenhamos, neh? Vai tomar banho! Mas agora entendi! Desodorante 48hrs eh para quem vai escalar o Kilimanjaro!), spray de agua termal (que sera meu “chuveiro”) e shampoo a seco!

Banho opcional

 

Agua encanada pra que?

E seja o que Deus quiser!

Categorias: Kilimanjaro, Preparativos, Tanzania, Viagens
33
19
Aug
2010
Kilimanjaro – Detalhes praticos
Escrito por Adriana Miller

Com poucos dias faltando pra grande viagem (9 dias!) estamos cuidadndo de todos os detalhes finais e então esse post é sobre as dicas praticas que alguns me perguntaram.

- Visto:

A Republica da Tanzania exige visto para todas as nacionalidades nao-vizinhas, mas o processo é bem relax. A opção mais facil, opção da grande maioria dos turistas é simplesmente pegar o visto no porto de entrada: é só preencher um formulario com os dados da sua viagem, pagar uma taxa e pronto, visto de turistas por 90 dias.

Porém lemos tantas opiniões diferentes pela internet, livros e afins, e muita gente contando historias desastrosas de corrupção, subornos e vistos negados (e turistas deportados) que preferimos não arriscar! Como a embaixada da Tanzania fica aqui no centro de Londres, achamos que seria mais facil fazer logo tudo por aqui e viajar sem preocupação. Baixamos o formulario no site da embaixada, 2 fotos 3×4 e pagamento da taxa em dinheiro – em menos de 24 horas nosso visto estava prontinho nos esperando e valido por 90 dias!

- Vacinas:

Já fiz um post sobre vacinas, e acabamos tomando quase todas recomendadas pela clinica de viagens que fomos, mas o certificado internacional de Febre Amarela é exigido e obrigatorio para turistas de varias nacionalidades, incluindo Brasil.

- Agencia e pacotes:

Desde que começamos a pensar na possibilidade de fazer essa viagem sabiamos que não seria boa ideia fazer esse tipo de viagem por conta propria.

Ai foram meses pesquisando preços opções de roteiros e rotas. mas bate aquele medo, né? Pagar uma grana, passar meses se preparando e tal e acabar caindo numa furada?

Até que por acaso recebi duas recomendações da mesma agencia: uma amiga que fe safari no Kenya com eles e um menino do escritorio que escalou o KIlimanjaro com a mesma agencia!

Então de cara fechamos com a Exodus!

A Exodus é uma agencia especializada em “aventura” pelo mundo todo, e tudo que li e ouvi falar foram otimas recomendações. Eles organizam safaris, escaladas, viagens de barco e qualquer outra coisa “exotica” que voce queria fazer.

E pra melhorar ainda mais, são uma agencia Inglesa e nos deram to-das as informações mastigadinhas (coisa que de fato não estamos acostumados a fazer em viagens)!

O mesmo pacote inclui o voo direto Londres – Nairobi (Kenya) e a conexão pra Kilimajaro, com todo nosso grupo junto, pra não corrermos o risco de perder o voo, ter problemas na imigração e afins. Um guia estará esperando todo o grupo e passamos o primeiro dia num hotel bem legalzinho na entrada do parque nacional do Kilimanjaro, onde vamos conhecer todos os guias e porters e receber instruções finais sobre a escalada.

Sem falar é claro em todo suporte durante o hikking, o material de “base”, alimentação, primeiros socorros etc.

E no fim da escalada já seguimos direto pro Safari, tambem tudo com a mesma agencia.

O unico problema é que a Exodus, por não ser uma agencia especializada em Kilimanjaro (como existem muitas!) oferece poucas opções de rotas e trilhas pra subir a montanha, e acabamos fechando uma trilha que não era nossa opção inicial – mas como era a unica opção com o pacote que queriamos, ficou por isso mesmo.

- Fotografia:

Além de todo equipamento que precisamos pra viagem, não podia negar que sonhar com fotos de cair o queixo foi um dos principais atrativos da viagem!

E pra não perder nenhum momento, comprei baterias extras pra minha camera (afinal serão dias e mais dias sem acesso a eletricidade), cartões de memoria e um monopod. O monopé foi dica de uma amiga que fez safari e disse ter feita toda diferença do mundo pra conseguir tirar boas fotos durante o safari, de dentro do jipe.

E pra completar, porque eu tenho problemas, tambem comprei um carregador portatil, desses mil e uma utilidades, que podem ser usados pra recarregar celular, ipod, camera fotografica e afins varias vezes, sem energia eletrica.

Mas ainda não decidi que livros levar na viagem… Alguma sugestão (vou levar o “Lost Symbol” do Dan Brown, mas queria levar uma segunda opção tambem…).

Categorias: Preparativos, Tanzania
25
18
Aug
2010
Kilimanjaro – Lista de equipamento
Escrito por Adriana Miller

Uma das coisas mais importantes a saber sobre a viagem para o Kilimanjaro é saber oque e como se vestir. E infelizmente, esse post não tem nada a ver com a ultima tendencinha fashion

A vantagem de viajar com uma agencia especializada é que eles fornecem todo material de apoio (e carregam tudo montanha acima): barracas, tendas, saco de dormir e colchoes de ar, panelas, comida, agua potevel, etc. Mas em compensação, tudo que é relacionado a uso pessoal deve seguir especificações bem precisas: de tecnologia, de material, de camadas, de conforto e segurança.

A primeira vez que vi a lista fiquei impressionada! Pra começar que é impressionante como detalhes do tipo “qual material da sua cueca” podem fazer toda diferença não só no seu conforto, mas tambem da sua saude e probabilidade de sucesso na escalada.

O Aaron já tinha literalmente tudo que ele iria precisar, mas eu tive que começar do zero, então a listinha fornecida pela agencia foi super essencial!

Eu fiquei enrrolando, enrrolando pra finalmente comprar tudo que precisaria e gastar uma pequena fortuna em peças de roupa que provavelmente nunca mais vou usar… Por sorte o Aaron tinha algumas coisas em dobro (ou triplo) e mesmo não sendo sob medida pro meu tamanho, dão pro gasto…!

E agora estou totalmente familiarizada com termos como Gore-Tex, lã Merino, lite pack, os mais diferentes grados de polyester, materiais a prova d’agua, a prova de vento, que absorvem agua, que repelem agua e mais uma inifnidade de detalhes!

A lição numero um foi que “cotton kills” (algodão mata), pois vamos passar por situações tao extremas, que realmente a tecnologia dos tecidos podem separar um aspirante a alpinista entre conquistar a montanha ou correr um serio risco de vida!

Então a listinha é a seguinte:

Roupas tecnicas:

- Jaqueta corta vento a prova d’agua (também conhecida como “shell” pois é oque vai por cima de tudo)

- Jaqueta termica de pena de ganso

- Jaqueta mais leve, de fleece (que siva como a camada intermediaria)

- Camisetas (de maga curta e longa) feitas de material esportivo, que repele agua e suor (evitando que o suor fique em contato com a pele)

- Calça a prova d’agua e corta vento (que tambem vai por cima de tudo)

- Calça para caminhada (cargo)

- Calça de fleece ou de lã

- Lingerie/roupa de baixo para esporte (com material anti umidade e suor)

Blusas e calças de lã Merino - ultra finas e ultra quentes

Para proteger a cabeça:

- Chapeu de abas e/ou bone (boa parte da escalada será acima das nuvens, então o sol será constante e impiedavel)

- Gorro que cubra as orelhas

- Balaclava (aquele gorro que cobre parte do rosto)

- Gola “role” de fleece (para proteger e esquentar o pescoço)

- Lanterna de cabeça (alguns dias começamos a caminhada antes do sol nascer – e pra achar o “banheiro” no meio da noite!)

Mãos:

- Luva tipo Mitts para neve (daquelas que não tem dedo e sao acolchoadas)

- Luva fina (de dedos) de fleece ou lã Merino de grado medio

Detalhe da etiqueta da "long underwear" - No Stink (sem fedor)

Pés:

- Botas de caminhada, a prova d’agua

- Meias de lã de espessuras diferentes (media e grossa)

- Meia de seda pra usar por baixo da meia de lã (pro proteger a pele da textura grossa das meias de lã)

- Gaiters (uma proteção que vai por cima da bota e da calça, pra evitar que agua/neve entre na bota)

- Chinelo / sapatos extras pra descansar os pés depoisda caminhada

Acessorios:

- Mochilona (que será nossa bagagem)

- Mochila menor pra carregar suas coisas durante o dia (agua, barra de cereais, casaco extra, camera fotografica, etc) de cerca de 30 a 40 litros

- Oculos de sol

- Garrafa de agua de metal (as de plastico acumulas bacterias e deixam a agua com mal gosto)

- Camel back (compartimento de agua – 1 ou 2 litros – que vai atras da mochila com o estoque de agua do dia)

- Toalha de viagem (daquelas fininhas que secam mega rapido)

- Lençol para o saco de dormir (já que o nosso será alugado)

- Sacos platico Zip pra separar as roupas e proteger de sugeira/chuva/roupa suja

- “Bengala” de caminhada

Uma das situações mais engraçada de nossos preparativos pra viagem foi a primeira vez que fomos a uma loja de esportes dar uma olhada nos equipamentos e o vendedor estava me explicando as novas tecnologias e as vantagens de alguns tecidos (como o lite pack, Capilene e a lã Merino, por exemplo), e na maior naturalidade ele foi me mostrar as calcinhas feitas de lã Merino; e assim, como se fosse a coisa mais natural do mundo ele recomendou que eu comprasse aquele tipo de material em vez do outro, pois assim gastaria mais pra comprar aquela peça especifica, mas economizaria nos gastos totais, pois poderia usar a mesma calcinha por 7 dias sem ficar fedorenta! HEIM?!?!?!

Eu não sabia se morria de rir, de morria de vergonha, se ficava chocada (foi quando caiu a ficha de que de fato passarei uma semana inteira sem tomar banho!) ou ofendida por ele tem sub-entendido que vou ficar fedorenta!! HAHAHA!

Mas posso sobreviver varios dias sem tomar banho, mas trocar meia, sutiã e calcinha faço questao todos os dias!!

Durante a viagem farei algumas fotos com o equipamento completo, passo a passo a medida que os dias forem passando.

Categorias: Kilimanjaro, Preparativos, Tanzania, Viagens
63
23
Jul
2010
Kilimanjaro – Saude e Vacinas
Escrito por Adriana Miller

Hoje foi nosso dia de vistar uma Travel Clinic para converser com uma enfermeira especialista em saude e doencas relacionadas a viagens para lugares “exoticos”.

A Tanzania, assim como grande parte dos paises Africanos sub-Sahaarianos e outros paises sub-desenvolvidos, eh considerada uma regiao de grande risco para muitas doencas graves e fatais, e portanto alem de treinar e cuidar bem da saude nessas semanas que antecedem a viagem, tambem fomos consultar um especialista, pra garantir que nao teremos problemas nem durante nem depois da viagem.

O sistema de saude aqui na Inglaterra eh bem diferente do Brasil, onde basta ir num posto de saude e tomar suas vacinas; Aquei temos que consultar nosso medico de familia, que as vezes pode demorar meses pra sequer conseguir uma consulta inicial, e depois entao pedir uma referencia a um especialista. E existem tambem as clinicas “de familia” que tambem tem especialistas em doencas tropicais e saude relacioanda a viagens, mas a unica clinica dessas no nosso bairro, soh tinha concultas disponiveis daqui a semanas.

Entao entramos em contacto com o lider da nossa viagem e ele nos recomendou a Nomad Travel, que eh uma outra agencia de viagem que tambem tem lojas com material outdoor e algumas Travel Clinics particular espalhadas por Londres.

Na duvida, preferimos pagar um pouco mais pra ir nos consultar com um medico particular, poder passar quanto tempo quisessimos tirando duvidas e fazendo perguntas, e principalmente “pagar” pela boa vontade de alguem que teria que nos informar sobre os procedimentos de dois turistas nao-Ingleses (minha carteira de vacinacao e a carteira internacional de Febre Amarela eh do Brasil e a do Aaron eh Americana).

No total passamos mais de 2 horas com a enfermeira, ela ligou para um farmaceutico afiliado qeu nos explicou os efeitos quimicos de alguns dos remedios receitados, e fizemos uma consulta express por telefone (o sistema de saude aqui eh uma piada, mesmo o particular) com uma medica que nos explicou sobre outro remedio.

A principal vacina exigida pela Tanzania eh a Febre Amarela. A vacina eh exigida na entrada da Tanzania e na volta pra Inglaterra tambem, entao se certifique que voce foi vacinado ha menos de 10 anos atras (a minha vence em 2011!!) e caso tenha sido vacinado no Brasil, que vc vah a umposto da policia Federal ou Anvisa pra pedir sua carteirinha internacional (a unica valida no mundo todo).

Alem disso a Organizacao Mundial da Saude e o National Helth Service (NHS) Britanico recomendam cerca de 10 vacinas para pessoas que queiram visitar a Tanzania. Mas soh conversando com um medico ele(a) pode avaliar seu historico de saude, a area do pais que vc vai visitar e afins, e por fim receitar uma serie de vacinas que se adapte a seu caso em particular.

No meu caso, por ter passado quase toda minha infancia no Brasil, eu jah tomei a grande maioria das vacinas exigidas/recomendada pela Tanzania, e outras tantas, justamente por jah ter sido vacinada, tive que tomar de novo um “booster” pra reforcar os anticorpos, como a Hepatite A e Poliomelite, por exemplo. Jah o Aaron nunca tinha tomado vacina pra Tuberculose.

Outras vacinas foram descartadas, devido ao perfil de nossa viagem, como vacina contra Raiva e Colera, pois nao teremos contato com animais domesticos locais (se algum animal chegar muito perto da gente durante o safari, contaminacao por raiva sera o menor dos problemas!) nem teremos contato com multidoes nem convivo prolongado com a populacao local.

Entao no total eu tomei 5 vacinas e o Aaron tomou 4 (ele jah tinha tomado algumas das vacinas quando foi a Bolivia ha uns anos atras), de acordo com a recomendacao da enfermeira que nos atendeu.

Alem das vacinas, a Tanzania eh considerada area de altissimo risco de Malaria, que eh uma doenca fatal, e apesar de nao ter vacina preventiva, existem uma seria de comprimidos que podemos tomar de acordo com a saude de cada um, e os lugares especifico que estaremos visitando.

Na verdade quem vai pro Kilimanjaro nem precisa tomar remedio contra Malaria, pois os mosquitos nao sobrevivem acima dos 1.800 metros de altitude, mas como vamos passar mais 1 semana acampando no meio do mato durante o Safari, a medica nos recomendou logo a formula mais potente do remedio anti-Malaria.

Alem de tomar so comprimidos por cerca de 20 dias (a formula especifica que nos recomendaram deve ser tomada 2 dias antes da exposicao a area de risco, durante toda a viagem, e por mais 7 dias dpois da volta), tambem temos que usar repelentes especificos anti-malaria, que devem ser usados direto na pele (exposta ou nao), e um outro tipo de repelente pra passar na roupa, alem de domrir com rede anti mosquito todos os dias.

Infelizmente o remedio da malaria tem varios efeitos colaterais desagradaveis, e parte da consulta foi justamente para enteder exatamente quais sao esses efeitos e como conseguir lidar com eles durante a viagem (entre eles: enjoo, retencao de liquidos, dor de cabeca, etc).

Por fim, um dos motivos principais que queriamos conversar com um medico especialista em viagens foi porque nos decidimos tomar o Diamox, que eh um remedio preventivo anti-altitude, ou seja, um remedio que ajuda o organismo a lidar quimicamente com os efeitos da falta de oxigenio no corpo.

O principal risco da nossa viagem eh justamente a altitude. Nos estamos fazendo o possivel pra estarmos na melhor forma “respiratoria” de nossa vida, para que nossos pulmoes nao sejam tao afetados pela falta de oxigenio.

Mas seja voce um atleta ou nao, nada nem ninguem pode prever como seu corpo vai reagir ao lidar com 60% a menos de oxigenio a cada respirada. Os sintomas mais comuns da altitude sao falta de ar, pressao baixa, dores de cabeca, muito enjoo, desregulamento do ciclo menstrual, e em caso graves pode levar a embolia pulmonar e ate mesmo afetar permanentemente as funcoes cerebrais (mas logicamente esses sao os casos mega graves).

E por isso eh tao, TAO importante estar bem preparado em todas as frentes para uma esclada desse nivel.

E eh pra isso que serve o Diamox (que eh o nome comercial do remedio) – ele causa um efeito quimico no organismo que eleva a tolerancia do corpo humano ao lidar com essa falta de oxigenio. Os sintomas nao sao disfarcados e sim evitados ou aliviados, entao caso o guia da escalada perceba que alguem esta sofrendo com esses sintomas acima do nivel normal, eles podem tomar alguma providencia antes que os danos se tornem perigosos.

Entao o Diamox, entre varias outras coisas mais “medicas”, acelera o metabolismo e a diureze do corpo, eliminando as toxinas e os fluidos produzidos pelo pulmao por causa da aceleracao dos batimentos cardiacos e absorcao de oxigenio.

Ou seja, o Diamox ajuda o corpo a lidar com tudo isso, mas ainda sentiremos cada uma dos delciosos efeitos da altitude, que sao, entre muitos outros: dores de cabeca, falta de apetite, falta de ar, taquicardia, fatiga, etc.

Multos alpinistas profissionais se recusam a tomar Diamox, pois consideram que isso seria uma “trapaca” na escalada, e quem for preofissional mesmo tem que aguentar os sintomas da alitude, ou simplesmente desistir da escalada. Como nunca fiz nada parecido, dedo principio jah tinha decidido que iria tomar o remdio, mas o Aaron estava na duvida, afinal ele jah fez varias escaladas mais “serias” que o Kilimajaro e nunca tomou nada. Mas depois de pesquisar bastante, comecar a treinar e etc, ele mudou de ideia, e como eu vou tomar o Diamox, ele resolveu tomar tambem, pois afinal ele nao escala nem a escada do predio ha mais de 3 anos… entoa entre correr o risco de nao conseguir terminar a subida e tomar um comprimido diario, ele deu o braco a torcer e tambem vai tomar.

Bem, como da pra perceber, eu nao sou medica e muito menos alpinista experiente, e por isso mesmo tenho feito MUITA pesquisa sobre o pais e a montanha, pra ter certeza que estarei preparada pro que vem por ai e nao vou estragar minha saude nem minha viagem por coisas que poderiam ser facilmente evitadas.

Nossas pesquisas e preparacao comecaram ha cerca de 2 anos atras, e estou segura que estaremos preparados pro que der e vier! Mas pra quem eventualmente vir parar aqui procurando informacoes sobre o Kilimanjaro, nao esquecam de procurar um medico especialista que podera fazer recomendacoes especificas pro seu caso.

Categorias: Preparativos, Tanzania, Viagens
20
09
Jul
2010
Kilimanjaro – Treinamento
Escrito por Adriana Miller

Alem da falta de banho, a unica coisa realmente preocupante sobre a viagem ao Kilimanjaro eh meu prepraro fisico. Nao tenho menor problema em acampar, nao ter banheiro, dormir em barraca, estar no meio do mato…

Post it com o lembrete "next trip" que minha asisstente colou no mapa ao lado da minha mesa, pra me aimar todos os dias!

Nao estou exatamente fora de forma, ando muito todos os dias, e tenho realmente muita energia.

Mas desde que desisti de correr a maratona, meu ritmo de corridas e academia diminuiu assim uns 100%! Sempre tem uma desculpa, neh?

Quando tah frio eh porque tah frio, quando tah calor eh porque tah calor; quando tinha aulas era porque tinha que estudar, e depois que terminei o mestrado era porque jah nao tinha que estudar!

Ateh que ha umas semanas atras, finalmente resolvi colocar em pretica tudo que andei pesquisando sobre treinamento e condicionamento fisico para esclar o Kilimanjaro!

Cenas da corrida hoje de manha: o

Comprei alguns livros, muitos web sites, e principalmente conversando e pedidndo dicas e conselhos de quem jah foi.

Como contei no outro post (mais varios detalhes nos comentarios que acabaram virando um outro post por si so!) a parte fisica nao eh assim extamente super dificil, porque o Kilimanjaro nao eh uma escalada “tecnica” – ou seja, nem sequer rola escalada, eh apenas um trekking/hikking.

Entao teoricamente, eh claro que precisamos estar em forma, porque nao eh qualquer pessoa que aguanta passar 7 dias caminhando uma media de 5 horas por dia no meio do mato numa subida! Mas essa parte nao me assusta mesmo, e 5 horas de caminhada por dia eh MUITO menos doque eu faco nas nossas viagens! (que as vezes passamos mais de 10 horas andando sem parar, com subidas, descidas, escadas, multidao, etc).

O problema esta em um unico detalhe: Altitude.

Uma coisa eh caminhas por Paris, por 12 horas no nivel do mar. Outra coisa eh cominhas por 4 horas a 3.000 metros de altitude! E por isos que eh tao importante que nao apenas estarmos em forma, mas com um otimo condicionamento fisico. Nao adiante nada ter pernas fortes e pulmao fraco!

Entao a intencao do treinamento eh justamente condicionar nossos pulmoes a consumiu menos oxigenio, mas nao tem formula magica…

E estar “em forma” tambem nao quer dizer ficar horas puxando ferro na academia e ficar saradona – muito pelo contrario! Li uma pesquisa que estatisticamente, pessoas mais “saradas” teem mais dificuldade pra se adaptar em altas altitudes porque como seu corpo tem mais musculos, o organismo usa mais oxigenio que uma pessoa “normal”.

E o pior eh que parece mesmo ser verdade! Das 4 pessoas que eu conheco que jah escalaram o Kili, foi justamente um saradao que passou mal a viagem toda, e mal consegiu chegar no topo!

Alem disso, a preparacao e treinamento ajudam bastante, mas sao apenas preventivos paliativos, pois nao dah pra saber como meu organismo vai reagir quando eu chegar lah em cima e meus pulmoes soh receberem cerca de 50% da quantidade de oxigenio que eles recebem numa respiracao normal…

Pontes vazias, antes dos milhares de

Entao seguindo recomendacao de ex-Kilimanjaros, o leader do nosso grupo, do Aaron e de varios sites e livros, eh mais ou menos isso que tenho feito:

- Corrida: Pura e simplesmente. Nada condiciona melhor o pulmao que corrida. Nao tem misterio: coloco meu tenis e saio pra rua. Adoro correr, me da uma liberdade enorme, penso melhor, limpo os poros e reflito na vida. Saio correndo pelas ruas de Londres e quando me dou conta jah estou correndo ha 1 hora e preciso voltar pra casa.

Gosto de correr na academia porque acho masi consistente, mas na verdade acho que correr na rua eh bem mais dificil, e portanto me forca mais, entao ultimamente tenho evitado ir pra academia (ateh porque tem feito muito calor e o ar da academia nao dah conta)

- Caminhada inclinada: Essa foi a dica do Lider da nossa escalada – e esse cara jah subiu e desceu o Kili um gazilhao de vezes. Segundo ele, o unico exercicio que de fato te preprara pra um trekking eh…. trekking! Como nao tenho montanhas aos meus pes todos os dias, a solucao eh ir pra academia, colocar a esteira na inclinacao maxima, e colocar a velociadade no maximo que eu aguente sem correr!

Eh de MATAR! Fico uma poca de suor e com as pernas bambas! A medida que vamos chegando mais perto da viagem vou tentando aumentar o tempo que fico na esteira, mas se a academia estiver cheia, nao posso ficar monopolizando a esteira por horas sem fim… ateh porque ficar andando olhando pra parede eh muito chato!

- Maquina de remo: Essa dica foi do Aaron, que antes de virar alpinista, passou toda sua adolescencia num time de remo! Outro desafio da escalada eh carregar nossas mochilas! Nao a mochilona normal, onde carregamos nssas roupas, saco de dormir, barraca e tal, pois essas cosias mais pesadas sao carregadas pelos “porters” da equipe (que sao os ajudantes do guia). Mas mesmo assim temos que carregar uma “day pack” todo dia, o dia todo. Uma mochila que sera nossa bolsa do dia, onde temos que carregar nosso estoque de agua, barras de energia, camara fotografica, filtro solar, muda de roupa extra e qualquer outra coisa de uso pessoal. Pode estar leve ou pode estar pesada, mas eh importante se acostumar a andar com a mochila nas costas, e pra fortalecer meus ombors os trapezio, quando vou pra academia, faco tambem uns 15 minutos de remo, e ai fico dolorida uns dias…

- Se acostumar com o equipamento: Tanto a mochila quanto a bota sao duas cosias que podem fazer sua vida na montanha muito mais facil, ou um inferno. Minha bota de trekking nao eh nova, e jah usei varias vezes, entao nao tenho que me preocupar muito em “gastar” antes da viagem – mas mesmo assim umas 4 semanas antes da viagem tenho que trocar meu tenis pela bota e voltar a acostumar meus pes e dedos a passar muitas horas por dia ali dentro.

E a mesma coisa com a mochila. Nao soh pelo peso extra, que carregar muito mais os musculos da perna edas costas, mas tambem temos que nos acostumar coma as “areas de contato” da mochila, principalmente nos ombros e lombarpra evitar ficar com a pele machucada ou os musculos doloridos e ficar com a mochila pesando todo dia o dia todo.

O museu Tate Modern antes de abrir suas portas e ser invadido por milhares de turistas

E como minha academia tem uma piscina, acho que vou comecar a nadar um pouco nos fins de semana, que tambem eh um exercisio otimo pra todos os musculos do corpo e pra respiracao

Falando assim parece “simples”, mas eh dificil achar tempo no meu dia pra conseguir cumprir um treino decente… Comecei muito bem ha umas semanas atras, depois acabei parando por mais um tempo… e essa semana finalmente voltei com toda forca! Afinal faltam penas 7 semanas pra nossa viagem!!!

P.S. As fotos foram tiradas hoje de manha na minha corrida. AMO sair pra correr pela “orla” de Londres, e o “calcadao” de Southbank ocupa o espaco no meu coracao que pertence a praia de Ipanema! Mas eh uma missao impossivel correr por lah durante o dia ou de noite, porque esta tudo sempre lotado de turistas tirando fotos, com mapas abertos, artistas de ruas, etc… Entao a unica solucao eh colocar meus pes pra fora de casa as 6 da manha, quando esta tudo vazio…. antes das massas de turistas chagarem!)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Kilimanjaro, Preparativos, Tanzania, Viagens
17