28 May 2009
37 comentários

Kapali Carsi – Grand Bazaar

Instanbul, Turquia, Viagens

O Grand Bazaar de Istanbul eh literalmente o coracao da cidade. Fica bem no centro do mapa, e por seculos e mais seculos tem atraido comerciantes e turistas de todo o mundo.

O complexo tem mais de 4.000 lojas que vendem de um tudo: de tapetes feito a mao com fios de seda, e bolsa falsificada da Gucci. Eh um labirinto que nao acaba mais de lojas, lojinhas, tendas, e pessoas, muitas pessoas!

Passear em mercados eh uma das cosias que mais gosto de fazer em viagens. Nao importa onde, nem que tipo de mercado eh, mas eu sempre acho que eh uma otima maneira de conhecer melhor a populacao local, e entender como eh a vida deles. Seja um mega shopping na Florida, um mercado de flores na Italia, uma quitanda na Tailandia ou o Grand Bazaar de Istanbul. Todos igualmente hipnotizantes!

Ao longo dos anos, oque era apenas um conjunto de ruas interligadas com um monte de lojas, acabou ganhando teto, muros e portoes, mas a estrutura e organizacao continua a mesma. Cada “bairro” do shopping tem sua especializacao, entao tem a area do tapetes, dos artigos em couro, das especiarias, lampadas, bugigangas, etc, etc. E o mais legal eh simplesmente andar sem rumo.

Nao fomos pra lah pra fazer compras propriamente dito, mas eu estou sempre catando um novo enfeite de natal, e gostamos de comprar pecas de decoracao nos lugares onde vamos. Soh falta espaco pra colocar tudo que temos (hoje em dia estao no fundo do armario, em baixo do sofa, no maleiros, etc), mas o dia que comprarmos uma casa, e decoracao jah vai esta completa! Entao decidimos que o Grand Bazaar de Istanbul seria o lugar perfeito pra comprar um tapete pra nossa (futura) casa!

O unico problema desses mercados eh justamente saber lidar com os vendedores. os precos sao sempre exorbitantes, e a alma do negocio eh a barganha. Discutir, bater boca, sair andando, e ai o vendedor vem andando atras de voce, faz uma chatagem e acavamos concordando num preco.

O Aaron fica pra morrer, mas eu nao nego meu sangue de imigrante portugues, e negocio ateh o fim! Jah chego falando que sou Brasileira pobre e faco altas caras de horror quando eles dao o preco original.

O engracado eh que, pela cultura local, os vendedores sempre se dirigem ao Aaron primeiro (sem falar na cara de gringo que denuncia de longe), ele fica naquela de sem graca,  e entao eu entro na conversa.

Uma cosia que notei na Turquia eh que todos os vendedores usam a MESMA tecnica de venda: Vc para na porta e comeca a ver uns artigos. Alguem vem correndo lah de dentro (se eh que jah nao estavam na porta gritando pra vc entrar). Entao vc pergunta o preco. De cara, ninguem quer dar preco nenhum.

Ai vc pergunta de novo, fala que esta soh olhando, e pesquisando precos. Entao eles comecam com a estoria (no mais puro estilo eu podia ta roubanu, eu podia tah matanu, mas to vendenu meu tapete em Istanbul): voce eh meu primeiro cliente do dia, e como voce eh do Brasil (ou substitua por qualquer outro pais) e eu tenho um primo (troque por qualquer tipo de parentesco remoto) que mora lah, vou te dar um preco especial. Mas antes, entra aqui na minha loja, deixa eu te servir um cha – eh de graca! – e te mostrar como minha mercadoria eh bem melhor que a da concorrencia.

Algumas vezes, estavamos de fato interssados na mercadoria, entao resolvemos entrar pra ver no que dava. Entao a tecnica seguia em frente: Voce pergunta de novo qual o preco, o vendedor te ignora, e comeca a abrir varios tapetes (substitua por qualquer outra tralha), esvaziar preteleiras. Pede pra vc encostar e ver como eh macio, como a qualidade eh boa. Ai vc pergunta de novo quanto custa, ele te ignora mais uma vez, e te conta a historia de como aquilo foi feito a mao, na regiao tal da turquia, e que ele (ou o pai, o avo, etc) eh o dono da loja, entao o preco que ele vai te fazer eh especial, pois nao precisa pagar terceiros, e amargem de lucro eh muito baixa.

E entao te dah o preco. E entao entra em cena a minha tecnica de negociacao: Tudo comeca com a cara de pavor! Nossa, mas como assim? Eu jah vi em outra loja por X liras (um valor que seja equivalente a pelo menos metade do preco, mas geralmente 1/3). O vendedor tenta contornar a situacao, faz uma cara de coitado e tal. Ai eu ameaco sair, e comeco a falar em portugues com o Aaron (mesmo sabendo que provavelemnte ele nao tah me entendendo, e tah querendo morrer de vergonha alheia!). AI o cara resolve negociar. Pergunta quanto vc quer pagar. Vc dah seu preco. Ele recusa e oferece Y. Ai vc recusa e ameca sair d aloja de novo. Entao ele te dah um outro preco.

Isso pode seguir eternamente, ateh um dos dois cansar e desistir da batalha. Uma das lojas o cara foi dura na queda, e acabamos indo embora. Acabamos comprando o quilt identico ao dele por 1/5 do preco que ele queria vender! Na loja que comprei os enfeites de natal, o preco inicial por 1 bolinha era 20 liras, acabei levando 2 enfeites, mais 2 pulseiras por 15 liras! E por fim acabamos comprando um tapete, que o preco inicial era 500 liras, e por fim levamos DOIS por 300.

Toda vez que vamos num lugar assim o Aaron jura de peh junto que nunca mais entra num mercado comigo, mas no final fica feliz da vida com as aquisicoes e a economia!

 

Adriana Miller
37 comentários
27 May 2009
20 comentários

Hamam – Banho Turco

Beauty Everywhere, Instanbul, Turquia, Viagens

Tomar um banho Turco, na Turquia, era uma daquelas experiencias que nao dava pra deixar passar. Eh uma experiencia pros sentidos, pro corpo e pra alma, e sem falar na aula de historia!!

Os Hamams foram introduzidos pelos Ottomanos, que sempre valorizaram a limpeza corporal, e acreditavam que a limpeza corporal os deixaria tambem limpos espiritualmente (ritual ateh hoje comum a cultura Islamica, onde as pessoas tem que se lavar antes de rezar).

Alem disso, um Hamam era o local de relaxamento e socializacao – os homens ficavam separados das mulheres (acontece ateh hoje), e na sala masculina eram discutidas estrategias de guerra e negocios, enquanto que para as mulheres era um local onde poderiam se livrar um pouco da sociedade opressora, e de quebra pesquisar potenciais noras ou sogras!

Hamam do Harem do Palacio Topkapi

Nos fomos no Hamam Suleymaniye, que eh lindo, mas ao memso tempo considerado bem turistico, pois deixa homens e mulheres participarem no mesmo ambiente, entoa eh ideal pra familias, casais, etc. Dizem que o fato de ser tao “turistico” acaba um pouco com a experiencia do Hamam, mas sinceramente, porque eu ia querer passar pela experiencia sozinha, trancada numa sauna com um bando de mulher estranha? (e sozinho com um bando de homem turco o Aaron nao queria ir de jeito nenhum). 

O ritual consiste em varias etapas. Tudo comeca com oque vestir. Eu levei meu biquine, por via das duvidas, pois nao sabia muito bem oque esperar do processo. Mas ao chegar no Hamam eles te dao uma roupa tipica – um lenco (tipo uma toalha feita de algodao) para os homens, e um conjunto de short e sutia (feito do mesmo tecido) para as mulhres, e uma toalha semelhante a dos homens, caso vc queria ficar mais ou menos coberta. Tipicamente ambos os sexos recebem a mesma toalinha, mas como fomos num Hamam misto, nao dah pra rolar oba oba peladao. Ah! E alem disso, eles te dao tambem um tamanco de madeira, difiiiicil de andar, mas ajuda a nao escorregar no chao molhado de marmore.

E entao vc eh encaminhado a “sala morna”, onde seu corpo vai se ajustando a temperatura, e te dao as instrucoes doque vai acontecer dai pra frente.

Entrar no Haman tem um baita impacto. Eh uma sla enoooorme, feita de PURO marmore, do teto ao chao, com uma cupula gigante (parece o interior de uma mini mesquita). No meio tem uma plataforma octagonal, tambem de marmore, e eh ali que todos se sentam. os cantos da sala, tem 4 “quartinhos”, tambem de marmore, com “camas” tamebm de marmore, e torneiras.

(Foto de divulgacao – eu nao consegui tirar fotos durante o processo, por motivos obvios…)

Nos outros cantos da sala existem torneiras e bacias de prata, onde vc pode se molhar com agua fria ou morna.

Entao ficam todos ali, socializando, relaxando no marmore quente (mas nao chega a ser tao fervendo quanto uma sauna normal). Volta e meia vc se levante, tenta se equilibrar no tamanquinho e vai ateh uma das torneiras se refrescar.

Ateh que um dos atendentes chama seu nome. Ah! E todos os atendentes sao homens. Sempre homens.

A experiencia como um todo foi um tanto quanto cara (35 Euros, por 1,5 hora), mas ver a cara do Aaron se agarrando naquela toalinha como se nao houvesse um amanha, enquanto um macho Turco esfrega as costas dele e joga agua de bacia na cabeca dela nao teve preco! hahahahahah! Eu ria tanto da situacao, que mal conseguia me concentrar no “relaxamento” da coisa…

Mas enfim. O carinha te chama (estavamos os dois juntos no “quartinho”) e primeiro vc senta no chao, ao lado da torneira de marmore. Eles te molham de cima baixo, e com uma luva de bucha vegetal, te esfregam sem doh nem piedade. Adeus celulas mortas! Esfoliacao ateh a alma!

E entao vc deita na cama/maca de marmore; a cama nao eh nem um pouco confortavel, mas eh higienica, e facilita na hora que eles ficam te puxando de um lado pro outro durante  massagem.

A sensacao eh uma delicia! Eles esfregam uma parada que parece um saco de batata no sabonete especial. Esfrega, esfrega, esfrega, e enchem o saco de ar, como se fosse uma bexiga. E entao colocam aquele “balao em cima de voce e “espremem” toda espuma nas suas costas. mas eh mUITA espuma! Nao dah pra descrever! Uma cosia assim banho de espuma de desenho animado!

(foto divulgacao)

E entao, nessa de espuma pra ca, espuma pra lah, eles vao te fazendo uma massagem, te puxam de um lado pro outro, te escorregam na mesa de marmore (e entao vc entende pra que o marmore), te viram de um lado pro outro, e vc fica literalmente nas nuvens!

Pra acordar, lah vem a bacia de agua de novo! Varias baciadas, enxaguando toda espuma de seu corpo. Entao vc senta de novo no chao, e eles continuam te enxaguando, e de quebra ainda lavam seu cabelo (nos, MUITOS nos pra contar historia depois…).

E pronto, esfoliados, limpos e relaxados, vamos para a sala “morna” de novo, onde trocamos a toalinha molhada, por outra seca e quentinha. Ai o carinha amarra uma outra toalha nos ombros, na cabeca e vc pode ficar lah, relaxando quanto tempo quiser.

E por fim aidna rola um barzinho no terreo, com varias almofades espalhadas onde vc pode beber um cha ou fumar um Narguile…

 

 

 

Adriana Miller
20 comentários
27 May 2009
4 comentários

Suleymaniye e Historia Turca

Instanbul, Turquia, Viagens

Nosso domingo comecou taaarde… Apesar da lista interminavel de cosias pra fazer durante o dia em istanbul, nos subestimamos o cansaco das 2 horas de fuso horario (ou seja, sabado acordamos as 6 da matina no horario de Londres), somado a 10 horas andando sem parar, mais o papo animado jogados nos almofadoes da calcada bebendo cha ateh a 1 da manha (HAJA cafeina no cha turco! Cruzes!).

Nossa missao era ir direto pro Grand Bazaar, e ter um dia tranquilo de comprinhas “exoticas”, talvez um ou outro museu ou mesquita, ou oque aparecesse pela frente.

Poreem… chegamos no portao do Grand Bazaar e demos com a porta na cara! NADA abre aos domingos em Istanbul!!! Entao reavaliamos noss planos do fim de semana, e resolvemos enfim dar uma olhada nos horarios de abertura das outras atracoes, e acabamos descobrindo que algumas das cosias que tinhamos planejado pra domingo estavam fechadas, e outras coisas que tinhamos planejado pra segunda, tambem estariam fechadas!

Entao meio que comecamos a andar sem rumo e demos de cara com o lindo predio da Universidade de Istanbul! Que tem uma mesquita bem em frente, e chegamos lah bem na hora da chamada para preces. Foi bem legal ver os homens todos largando seus afazeres no meio da rua, e seguindo em massa pra dentro da mesquita, lavando seus pes, maos e bocas antes de se dirigirem para o interior da mesquita.

De lah fomos andando ateh a Mesquita Suleymaniye Camii, que eh uma das maiores mesquitas da cidade, e foi encomendado pelo Sultao Suleyman I ao arquiteto Sinan, pois ele queria uma mesquita que fosse tao imponente quanto a Aya Sofya. O interior da Mesquita estava praticamente todo fechado para restauracoes, entao soh pudemos ver um pequeno pedaco, mas eh uma mesquita famosa por ser incrivelmente clara, e bem iluminada, toda pintada de branco, e coberta de azulejos Iznik em azul claro.

Nessa mesquita, pela primeira vez soh pude entrar com a cabeca coberta, e como nao tinha nenhum lenco comigo nesse dia, tive que “alugar” um lenco na porta.

Em volta do mesquita tem uma ruazinha cheia de bares e restaurantes, que era conhecida como a “rua dos vicios” pois aqui era o mercado de rua onde eram comercializados produtos como alcool e opio.

Parte dessa mesquita eh o Hamam, o banho turco, que foi construida a pedido de Roxelana, uma das “Favoritas” do Sultao Suleymaniye, e construida pelo memso arquiteto Sinan. Ha uns anos atras o Hamam foi reformado, e hoje em dia, alem de ser considerado um dos banhos turcos mais antigos e bonitos, eh tambem o mais turistico, pois permite que homens e mulheres compartilhem o memso ambiente. Aproveitamos que estavamos ali e fizemos nossa reserva pro fim do dia.

O resto da tarde ficamos batendo perna pela cidade, e resolvemos entrar no Museu Arqueologico, que fica bem do lado do Palacio Topkapi, e nao davamos nada por ele, mas que acabou sendo uma das melhores surpresas de Istanbul!

Nesse ponto os Turcos foram muito espertos, e souberam muito bem preservar sua historia e seus monumentos. O museu foi fundado no final do seculo 19 (1881 s enao me engano) por um historiador Turco que se deu conta que os “exploradores” Europeus que vinham visitar a regiao acabavam levando consigo pecas muito valiaosas (Alou British Museum!), oqu ena epoca era considerado normal, mas que ele nao concordava. Entao Osman Hamid resolveu fundar o museu e criou leis de protecao ao patrimonio historico da Turquia.

O mais impressionante desse museu eh a quantidade de pecas antiquerrimas e super bem conservadas. Nos acabamos nos acostumando a associar estatuas antigas (tipo, bem antigas besmo, pra cima dos 3 mil anos) a ruinas, como se ve na Italia e principalmente na Grecia, mas aqui, tudo estava impressionantemente bem conservados, e algumas pecas intactas, como se tivessem sido esculpidas ontem!

Sao corredores e mais corredores, saloes e mais saloes repletos de pecas raras, partes da historia da Turquia e de todo impreio Ottomano e Bizanino, alem de reliquias deixadas pelos Romanos e trazides pelos Arabes.

Ficamos lah dentro por horas e mais horas, dando gracas a deus que nossa programacao “normal” tinha furado, e tivemos a oportunidade de ver tudo aquilo de perto!

E quando saimos de lah, fomos direto para nosso banho turco! (que depois vai virar um outro post, pois precisa de mais detalhes!)

 

Adriana Miller
4 comentários
Página 1 de 3123