11
Jun
2013
Châteauneuf-du-pape: Os vinhedos Papais da Côte du Rhône
Escrito por Adriana Miller

Bem, como era de se imaginar, prover para o Papa não é coisa fácil de ser feita. Afinal, o soberano da Igreja Católica não se contentaria com pouco…

E assim surgiu a “Appellation d’Origine Contrôlée (AOC)” Châteauneuf du Pape (que literalmente significa “o novo castelo do Papa”), uma espécie de sub-area especialista dentro dos limites da região dos vinhos da Côte du Rhône.

Durante o período Papal em Avignon, a região foi escolhida para a construção de um castelo de veraneio, onde o Papa pudesse se recolher durante os meses mais quentes. E com isso, surgiu a necessidade de uma produção de vinho de qualidade mais alta, já que na época os vinhos do vale do rio Rhône não eram considerados entre os melhores.

E como nenhuma viagem a Provence que se preze pode dispensar uma vinícola, não tivemos dúvida na hora de incluir um dia dedicado a essa cidadezinha, que produz um dos (tipos de) vinhos de maior qualidade da França.

O difícil foi decidir qual vinícola visitar, já que são cerca de 200 famílias centenárias com tradição de produção de vinho com selo de qualidade AOC de Châteauneuf – mas acabamos escolhendo a Domaine du Pegau, uma vinícola “boutique” de uma família que data de 1670!

(já tínhamos visitado vinículas “boutique” tanto no Chile quanto no Uruguai e sem duvida alguma a experiência é muito melhor do que vinícolas mais comerciais)

Porém só na geração atual é que a família Pegau começou a se profissionalizar e aumentar a produção, exportando seus vinhos pra mais de 50 paises (inclusive o Brasil).

O passeio foi super intimista – no final do tour pela vinícola, a degustação de vinhos da casa foi na cozinha da família!

Mas já que estávamos na cidade que produz um dos melhores vinhos do mundo, aproveitamos a oportunidade pra também visitar a adega Les Verger des Papes, que fica numa gruta cavada direto na pedra, bem aos pés do castelo Papal, que divide espaço com uma termas Romanas, e onde, durante o auge da cidade, eram armazenados os vinhos do castelo.

E como eles não são ligados a nenhuma família/vinícola em especial, pudemos provar vários tipos de vinho/vintage diferentes, além de receber uma baita aula sobre as regras e leis Francesas que regulamentam a produção de vinho (principalmente em áreas de Apellation de controle, como Châteauneuf).

E claro, você também pode usar a consultoria da degustação para escolher e comprar alguns vinhos.

Mas o melhor mesmo é que eles tem um restaurante bem em cima da gruta, super bem recomendado pelo Guia Michelin, que é uma mistura perfeita pra conhecer um pouco mais os diferentes sabores da Provence, e aprender a combinar diferentes tipos de vinhos, com diferentes pratos e temperos.

Então como era de se esperar, a cidade vive e respira vinho, com muitas outras lojas e adegas em cada esquina – e diga-se de passagem que a cidade é lindíssima!

P.S. Tanto a vinícola quanto a adega devem ser reservadas com antecedência.

 

Categorias: Avignon, Châteauneuf du Pape, França, Provence, Viagens
8
10
Jun
2013
Avignon
Escrito por Adriana Miller

Avignon, pra mim, foi o ponto alto da viagem pela Provence!

Não tem os monumentos mais antigos, nem é um vilarejo pitoresco, mas tem aquela coisa da cidade moderna dentro da muralha medieval, um história intrigante e paisagens super fotogênicas!

A atração principal, sem sobra de dúvidas é o Palácio Papal – que além de ser considerado um dos maiores e principais edifícios Góticos da Europa, foi, como o nome indica, a residência oficial do Papa ao longo do século 14…

Tudo começou em 1309, quando o recém eleito Papa Clemente V (que era Francês), decidiu que Roma não era mais um bom ambiente para sediar a Igreja Católica, e então transferiu a sede da Igreja de Roma/Vaticano para Avignon.

No total foram 6 conclaves ao longo do século, até que em 1376 Gregório XI decidiu que a administração do Catolicismo deveria voltar ao Vaticano.

Mas ainda assim o Palácio Papal manteve sua função, pois mesmo depois do retorno da Igreja a Itália, entre 1378 e 1417, a Igreja Católica passou pelo período da “Grande Cisma”, onde não satisfeitos com o autoritarismo do Papa Italiano Urbano VI, um grupo de membros do Colégio de Cardeais decidiram revogar a eleição de Urbano e elegeram Clemente VII, que também foi Papa, porém em Avignon.

Portanto, durante 4 décadas, e 2 papas, o mundo teve 2 Papas, dividindo a fé Católica na Europa, e sendo apoiados e financiados por diferentes países e Reis/Rainhas.

Outro símbolo de Avignon é a ponte “Saint-Bénézet”, ou a “ponte pela metade” (pois o que sobrou dela só vai até metade do rio Rhône). Construída em 1117, o nome homenageia um pastor da região que teve uma “visão” e resolveu começar a construção da ponte por conta própria.

Do pouco que sobrou da ponte, a pequena capela de São Nícolas ainda esta de pé, que é a igreja símbolo do padroeiro dos pescadores e “marinheiros” que navegam o Rhône – e que portanto podem rezar mesmo estando dentro do rio.

Mas a cidade em si é enorme, e eu fiquei impressionada de como uma vez lá dentro das muralhas, o que vemos é uma cidade moderna – muitos prédios, uma universidade e construções de arquitetura recente.

Mas ainda assim Avignon conseguiu não perder o charme de cidade Francesa, com muitas ruelas e esquinas a serem descobertas.

O melhor ponto de partida para uma exploração da cidade é a praça “Place de L’Horloge”, onde fica a prefeitura e a casa de Ópera de Avignon – e enquanto você estiver explorando os arredores da praça ou curtindo uma dos cafés que se espalham na calçada, fique de olho dos prédios em volta, onde cada um deles tem uma janela “vedada” com a pintura de um personagem teatral: uma homenagem e lembrança de que Avignon é a capital do Teatro!

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Avignon, França, Provence, Viagens
9