26 Jul 2017
24 comentários

O fim da licença Maternidade… Mais uma vez!

Baby Everywhere, Dicas de Maternindade, Oliver, Pessoal, Trabalho, Vida na Inglaterra, Vida no Exterior

Umas semanas atras encerrei mais um periodo na minha vida: depois de 10 meses, acabou minha licenca maternidade, e voltei a trabalhar.

Uns anos atras, eu escrevi alguns posts sobre como funciona a licenca maternidade no Reino Unido, e como foi a minha experiencia de voltar a trabalhar depois que a Isabella nasceu.

E 4 anos depois, aqui estou eu novamente!

Desde que comecei a escever sobre maternidade e minhas experiencias aqui na Inglaterra, esse tem sido um dos temas mais procurados aqui no blog – e nos ultimos meses, desde que o Oliver nasceu, isso so se intensificou!

Mas eu mesmo fui reler meus posts antigos sobre isso, e me surpreendi com o quao pouco minha posicao e sentimentos em relacao a isso mudaram.

E principalmente agora, mae de duas criancas, me sinto ainda mais segura do caminho escolhido e de como estamos criando nossa familia!

Dessa segunda vez confesso que as decisoes foram mais faceis de serem tomadas: os medos e insegurancas ja nao sao os mesmos, e acima de tudo, eu ja sabia do bem incrivel que voltar a trabalhar faria pra mim mesma. E nunca, nunca se esquecam: mae feliz = bebe feliz! Independente de qual escolha tal mae tenha feito em relacao a sua propria carreira.

Dessa vez, as duvidas e insegurancas foram mais nem relacao a  questoes praticas: horarios e creche/escolas, viagens a trabalho, custos a mais e como conjugar isso tudo. Enquanto que da primeira vez, era tudo mais sentimental, filosofico mesmo.

Sera que a maternidade me mudaria tanto assim mesmo? Sera que me transformaria em uma pessoa assim tao diferente da Adriana que sempre fui? Dos sonhos e aspiracoes que sempre tive?

Nao. Absolutamente nao. A maternidade apenas foi a realizacao de mais um sonho, mais uma etapa na vida, e mais uma adaptacao.

Na verdade, ter tido a Isabella, passado varios meses cuidando dela, depois voltado a trabalhar por alguns anos, ter tido o Oliver e ter passado varios meses em casa cuidando dele, reforcaram o que sempre achei da maternidade: ser mae em periodo integral eh uma carreira, uma profissao como outra qualquer. Algumas mulheres nasceram pra isso. Outras nao.

Algumas mulheres nasceram para serem medicas. Outras advogadas. Outras designers. Outras dentistas. Outras, mae.

E nao precisa ser polemico, nem rolar bafafa. Nao eh isso que quero dizer!

Eu nasci pra ser mae! Mas nao quer dizer que eu queria ser “apenas” a mae da Isabella e do Oliver – e tao pouco digo isso em tom pejorativo! Ser “soh” mae eh muitas vezes muito mais dificil do que qualquer profissao do mundo! E pior: sem reconhecimento social e financeiro.

Nenhum curso te prepara para ser mae. Nenhum livro tem todas as respostas. E nem mesmo ter tido outros filhos vai te dar respostas e solucoes! Eh um misterio da humanidade, e a unica solucao eh aprendendo na marra, dando a cara a tapa. Um filho atras do outro.

Mas pra mim, ser “eu mesma” sempre foi igualmente importante. Claro que a Adriana de 2017 eh diferente da Adriana de 2013 (quando a Isabella nasceu), que por sua vez eh muito diferente da Adriana pre-2012 (pre maternidade)!

Mas eu nunca quis escolher – pra mim nunca foi “ou um ou outro”! Entao adicionei o fator “mae” na equacao da minha vida, mas ela aida inclui “marido”, “familia”, “amigos”, “viajar”, “hobbies”, etc

A gente nao passa a vida toda aprendendo a se adaptar? A crescer, desenvolver e ir se adaptando aos poucos?

Da escola pra faculdade. Da casa dos pais pra morar sozinho. Casamento. Carreira. Filhos. Filhos crescidos fora de casa. Aposentadoria, etc, etc, etc

Entao pronto. Porque tanta polemica?

Eu lembro do choque que foi ter que estudar pro vestibular: Nao posso mais dormir a tarde toda e assistir Sessao da Tarde?! Tenho que estudar e fazer cursinho?! E ai depois que entrei na faculdade: O que?! Tenho que fazer estagio? Estudar de manha, trabalhar a tarde toda, e ainda fazer materias eletivas a noite? Estudar fim de semana?! E que horas eu vou pra praia com os amigos?! E depois me formei, comecei a trabalhar “de verdade” e pagar contas, mudei de pais varias vezes (tem choque maior que esse?!), fui morar sozinha, depois fui morar com o namorado, depois casei, fiz mestrado, bla bla bla…

E a cada nova etapa fui me adaptando. Algumas fases melhores, outras piores. As vezes olhava para as “vidas” anteriores e sentia saudades… Mas a fase seguinte no jogo da vida sempre touxe alguma coisa melhor, mais exitante! Uma Adriana melhor e mais completa do que a anterior.

E me tornar mae, foi exatamente igual!

Entao porque tudo tem uma conotacao tao negativa, ne? “Ter filhos eh cansativo”, “viajar com criancas da trabalho”, “nao ter ajuda todos os dias eh muito dificil”…

Ah gente!! Vamos reclamar menos!

E nao eh que ter filhos nao seja cansativo… mas bom mesmo era dormir depois da aula e assistir Sessao da Tarde comendo goiabada com requeijao na cama dos meus pais! O que nao quer dizer que eu quero voltar a ter essa vida!

Entao as vezes eu queria poder ficar no escritorio sem pressa pra voltar pra casa – mas ao mesmo tempo, por mais cansada que esteja, nao tem nada melhor na vida do que ser recebida em casa por sorrisos banguelas, gritinhos de “mamae chegou!!” e todas as suas variacoes!

No outro dia eu e o Aaron estavamos conversando sobre isso, como por mais cansativo que essa fase de filhos pequenos seja, esses sao os melhores e mais felizes anos de nossas vidas, e sao esses dias (e noites) que um dia vamos relembrar com saudades e lagrimas nos olhos, assistindo nossos filhos crescendo e ganhando o mundo e vivendo suas vidas sem depender da gente…

 

Mas voltando a volta a labuta propriamente dita…

O prazo e periodo para o retorno nao foi exatamente estrategico nao. Entrei de licenca ano passado sabendo que poderia ficar fora ate 13 meses sem problemas, e ia decidir aos poucos. Mas depois de fazer alguns dias de “KIT days” (que aqui no UK permite que a mae possa trabalhar alguns dias sem comprometer os beneficios da licenca), estar de volta no escritorio, conversar com meus colegas, reunioes sobre potenciais projetos e oportunidades, etc, aquilo me fez TAO bem, que resolvi ja me programar pra voltar mais cedo.

Alem disso, como trabalho com projetos de consultoria, volta e meia fico uns periodos sem “trabalhar”, entao achei que isso poderia acontecer, entao era melhor voltar antes mesmo e ter tempo de ir me re-adaptando.

Mas fiz muito bom proveito dos meus dias KITs, fiz otimos contatos e logo no primeiro dia de volta, fui alocada a um projeto muito legal, com uma equipe super legal e estou amando cada segundo – apesar de que sim, eh cansativo, ainda estamos nos adaptando com a nova rotina, e morro de saudades dos meus bebes todos os dias!

 

Mas apesar dos pesares, acho que o principal eh mesmo o fato de que tive a opcao e o provilegio da escolha, de sequer ter essa opcao.

O mundo paralelo da maternidade ja tem julgamento e palpites nao requisitados demais – e nao podemos esquecer que a maioria esmagadora das mulheres do mundo simplesmente nao tem essa opcao. Muitas adorariam poder parar de trabalhar e se dedicar aos filhos, mas nao podem, pois precisam trabalhar por questoes financeiras e sociais. Enquanto outras, adorariam poder voltar a trabalhar e estudar, desenvolver suas carreiras, mas nao conseguem – pelas circunstancias, os muitos preconceitos e machismos que as maes-trabalhadoras enfrentam no mercado de trabalho, ou ate mesmo por preconceitos sociais e religiosas.

Entao que tal? Da proxima vez que der aquela vontade avassaladora de “ensinar” outra mulher ou homem a como educar e criar seus filhos, pense duas vezes sobre o quanto voce nao sabe nem entende a realidade daquela familia – e logo, nao eh da sua conta! :-)

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

 

Nos Acompanhe!

Além de todas as dicas que eu posto aqui no blog, você também pode me acompanhar nas redes sociais para mais notícias “ao vivo”:

 

Adriana Miller
24 comentários
19 May 2017
0 Comentários

Introdução Alimentar: dicas e apetrechos!

Baby Everywhere, Dicas de Maternindade

Ha uns meses atrás eu fiz um post sobre alimentação infantil e como foi a introdução alimentar da Isabella, respondendo algumas das principais dúvidas que sempre recebo sobre o assunto.

Eu sempre falei bem abertamente que não sou uma mãe xiita da alimentação, e por mais que favoreça e incentive uma alimentação com base em alimentos saudáveis, eu quero que principalmente meus filhos tenham um relacionamento saudável com a comida – sem grandes restrições nem neuras. (também publiquei esse vídeo aqui ha umas semanas, onde falo sobre a minha alimentação e rotina, que me ajudou a eliminar os 22 quilos pós gravidez – em menos de 5 meses! Aproveita e já assina o canal, pra não perder os próximos videos)

Mas também nunca escondi de ninguém que a Isabella sempre foi (e continua sendo!) difícil pra comer. Não é que tenha muitas frescuras nem restrições, mas ela simplesmente come pouco e não sente muita fome. Mas não importa o que for: colocou “alimentação” e “dificuldade” na mesma frase e qualquer mãe já se frustra e se desespera!

Então confesso que não estava assim suuuuper animada a começar a introdução alimentar do Oliver não… Até achava que ele ia comer melhor do que a Isabella, pois ele sempre mamou bem melhor – mas sei lá, né? Traumas são traumas.

Portanto aproveitei e reuni minhas principais dicas e tudo que usei (e ainda uso) com a Isabella e com o Oliver para nos ajudar a passar por essa fase da introdução alimentar sem grandes percalços nem traumas!

Ítens mencionados no vídeo:

Baby Led Weaning: http://amzn.to/2p2HGL6
Babycook da Beabá: http://amzn.to/2onkrsx ou http://fave.co/2o1Gtz6
Potinhos Avent: http://amzn.to/2opFSuB
Colheres Vital Baby: http://amzn.to/2owAfLJ
Colheres Munchkin: http://amzn.to/2p2DNpO
Colheres Munchkin com a ponta sensivel a calor: http://amzn.to/2opIIjk
Talheres de treinamento MAM: http://amzn.to/2o3OLHS
Infantino squeeze station: http://amzn.to/2opPTYK
Saquinhos reutilizáveis: http://amzn.to/2opF9K4
Colher que encaixa em pouches de comida: http://amzn.to/2p2SsRC
Babador descartável: http://amzn.to/2p2YW2M ou http://amzn.to/2opHvZu
Babador de silicone: http://amzn.to/2opGekZ

Posts sobre Introdução Alimentar da Isabella:

http://drieverywhere.net/2016/09/09/alimentacao-infantil-tecnicas-e-filosofias-de-vida/

Todos os posts sobre maternidade:

http://drieverywhere.net/categoria/baby-everywhere/dicas-de-maternindade/

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

 

Me Acompanhe!

Além de todas as dicas que eu posto aqui no blog, você também pode me acompanhar nas redes sociais para mais notícias “ao vivo”:

 

Adriana Miller
0 Comentários
29 Aug 2016
34 comentários

Transições do 2′ ano: Desfralde e chupeta

Baby Everywhere, Dicas de Maternindade, Isabella

Confesso que dar “dicas de maternidade” é uma das coisas mais difíceis pra mim… simplesmente pois sei que o que da muito certo para uma família, pode ter dado super errado pra outra família…

Nenhum método é infalível, nenhuma técnica é melhor que a outra. Mas ainda assim é um mundo cheio de julgamentos e “eu fiz assim logo esse é o certo”, e outros tantos “se você fez assim é porque fez errado e arruinou a vida de seus filhos pra sempre”… Tudo muito com emoções a flor da pele e sentimentos extremos, principalmente num mundo internético movido a ódio como temos visto ultimamente.

Mas ao longo dos últimos meses, nossa família passou por grandes transições na vida da Isabella, e algumas delas foram brevemente comentadas nas redes sociais, o que sempre leva a perguntas, pedidos de posts e dicas.

Não que eu ache que o que fiz foi tao diferente ou inovador assim nao… apenas um misto de “Dr Google”, dicas de amigos e muito “teste e erro” ate achar o que daria certo pra gente.

Mas por outro lado, a realidade é que esse blog nada mais é do que uma coleção de memorias minhas mesmo, então achei melhor escrever a respeito antes que fique tudo perdido na memoria… afinal, quando menos esperar estaremos passando por isso tudo de novo com o Baby #2, então melhor já deixar registrado antes que eu esqueça como foi!

 

  • Desfralde:

Desfralde nunca foi uma coisa que tínhamos muita pressa não. Trocar fraldas, mesmo aquelas mais explosivas, nunca foi uma cosia que incomodou nem a mim nem ao Aaron, e sempre foi uma tarefa dos cuidados da Isabella totalmente e 100% igualitária la em casa (acho o cumulo do absurdo pai que não troca fralda gente! #GarotaEnxaqueca).

A medida que a criança vai crescendo, as fraldas vão ficando mais esparsas, mais econômicas… e enfim, nunca foi uma coisa que impactava nossa vida e dia a dia.

As vezes a gente ate brincava que trocar fralda é tao fácil, rápido e simples, que o dia que ela fosse grande o suficiente pra escrever um business case nos convencendo do dresfralde, nós o faríamos! Antes disso era desnecessário…

Mas é obvio que era só brincadeira, e estávamos esperando o periodo do verão de 2015, quando ela estaria com 2 anos e meio para começar o processo.

Como aqui na Inglaterra faz frio e chove quase o ano todo, sabíamos que tínhamos que esperar um período de verão e “tempo bom”, para diminuir algumas das mazelas do desfralde…

Outro ponto que foi importante pra gente foi a linguagem – como a Isabella é bilíngue, sabíamos que ate essa fase de 2 anos e pouco o vocabulário dela e a sua capacidade de se expressar nas duas línguas ainda não era muito boa, então queríamos ter certeza que ela conseguiria expressar e comunicar suas necessidades fisiológicas nas duas línguas sem dificuldades, assim evitando acidentes e traumas desnecessários.

Mas ao longo dos meses depois que ela fez 2 anos começamos a introduzir o assunto: compramos livrinhos sobre pinicos e fraldas, compramos uma tampa especial pro vaso sanitario, espalhamos pinicos pela casa, etc, etc.

Aos poucos ela começou a “anunciar” quando tinha feito xixi ou coco (ainda na fralda), e depois de um tempo começou a falar o que ia fazer…. As vezes ate tentávamos levar ela correndo pro pinico, as vezes apenas agradecíamos o “aviso”, e sempre fizemos uma festa! O “aviso” do coco ou xixi era sempre uma felicidade, e trocar fralda nunca uma punição (nem pra ela, nem pra gente).

Então escolhemos um período sem viagens, eventos nem grandes mudanças na rotina da família mais ou menos em Julho de 2015 para começar de fato o processo.

Já tínhamos pinicos e afins em casa, e a levamos em algumas lojas para escolher suas novas calcinhas (eu comprei também umas calcinhas de “treinamento”, que nao sao fraldas, mas sim calcinhas/cuecas com os fundilhos acolchoados pra pescar eventuais vazamentos!).

Decidimos o dia D, e nos dois tiramos 2 dias de folga no trabalho pra emendar no fim de semana – assim teríamos 4 dias seguidos com ela em casa, dando inicio ao tratamento de choque inicial, depois ela continuaria o processo na crèche e com a babá – e se tudo desse certo, no fim de semana seguinte, ela já estaria “treinada”.

E assim o fizemos!

Foram 4 dias de muuuuuuuuitos acidentes, mas a partir do momento que tiramos a fralda, já era. Nunca mais colocamos uma fralda dela (durante o dia. Já já falo do desfralde noturno). Forramos os moveis e andávamos pra cima e pra baixo com paninhos e desinfetante pra ir limpando a casa atras dela…

Também usamos varias técnicas “golpe baixo” pra convence-la a sentar no pinico ou na privada – entupindo a menina de suco ou leite, e depois deixando ela assistir desenhos no iPad sentadinha no banheiro (uma tampa da privada confortável e segura também foi essencial – comprei essa acolchoada e com “alcas”, para que ela nao tivesse medo de cair nem ficasse cansada de sentar na privada).

O que ela comeu de balas e chocolates nesses dias… Noooossa! Tudo valia pra convence-la a ficar sentada mais um pouquinho, ate o xixi sair!

Outra coisa que fizemos também foi deixar alarmes no nosso celular pra nos lembrar de oferecer o banheiro e convence-la que estava na hora de sentar na privada de novo (cada um ligou seu alarme para meia hora, nos intercalando de 15 em 15 minutos – então ela raramente ficava mais de 15/20 minutos sem ir ao banheiro “tentar”, e fomos espaçando esse período ao longo dos 4 dias que ficamos em casa).

E acada xixi na privada ou pinico era aquela felicidade, festa e comemoração!

Fizemos uma tabela de “prêmios”, que ficava na parede da cozinha, e a cada acerto ela ganhava uma estrelinha, mas a cada acidente ela não ganhava nada… (mas ainda assim íamos na cozinha pra olhar a tabela, pra ela ir captando a menssagem do erro e acerto)

IMG_2798

Também colocamos um banquinho nos banheiros, para que ela pudesse puxar a descarga sozinha, e rapidinho virou uma tarefa “da Bella’s”, e ai de alguém que usasse o banheiro la em casa e não deixasse ela puxar a descarga sozinha! Hahahhaha

No final do nosso 4′  dia de carcere privado, os acidentes ja estavam controlados, e diria que 80% de suas necessidades ja eram feitas no lugar certo, e nao pelo chao da casa!

Nos dias seguintes, sua escolinha foi crucial – eles sabiam que tínhamos começado o processo de desfralde e estavam 110% de apoio. Levamos uma sacolona com mudas de roupa e calcinhas extras, e sua cuidadora manteve umas tabelas de acertos e acidentes.

Durante o resto daquela semana ela ainda teve vários acidentes, principalmente por que as vezes simplesmente não queria parar o que estava fazendo pra pedir pra ir ao banheiro… isso foi uma coisa que aconteceu aos poucos e ate hoje volta e meia temos que implorar pra ela aceitar para uma brincadeira só pra fazer xixi (mesmo quando é bem obvio que ela esta sofrendo de vontade!!).

Taméem passamos umas semanas carregando um pinico na cestinha do carrinho dela pra cima e pra baixo, alem de outros apetrechos que facilitavam nossa vida na hora de usar banheiros públicos. (como por exemplo esse mini protetor de privada, e sempre muitos lencinhos desinfetantes!).

Quanto ao desfralde noturno, isso foi uma coisa que simplesmente “aconteceu”…

Logo no começo trocamos as fraldas normais por fraldas tipo “short” (que veste igual calcinha/cueca) e passamos a chamar essa tal fralda de “calcinha” (a palavra fralda foi abolida), e só. Não acordava ela pra fazer xixi no meio da noite, nem nada disso. Apenas passamos a dar menos líquidos a noite e a insistir que ela tinha que fazer xixi antes de dormir.

Aos poucos começamos a ter mais fraldas secas do que molhadas pela manha, e quando estávamos no Brasil no final do ano (que foi uns 3 ou 4 meses depois do desfralde inicial), aproveitamos o clima quente pra tentar mais um desfralde noturno nela.

Porem não deu muito certo não… acho que a mudança na rotina e o excesso de líquidos por casa do calor, acabou gerando acidentes demais e desistimos no meio das ferias!

Ai veio Janeiro, Fevereiro, Março…. e sabíamos que o começo do ano de 2016 teríamos varias viagens e mudanças de rotina, então mantivemos a fralda noturna – mas a realidade é que ela já não tinha acidentes a noite, e durante esses 2/3 meses amanhecia sempre seca.

Então quando voltamos da Asia no final de março, o pacote de fraldas acabou e eu simplesmente não comprei mais. Avisamos pra ela que tinha acabado sua “calcinha especial” e que se ela quisesse fazer xixi tinha que acordar a noite. Na primeira semana ela nos acordou algumas vezes pra fazer xixi no meio da noite, mas as vezes nem saia nada… E nas semanas seguintes, ela voltou a dormir a noite toda, só fazendo xixi pela manha.

E assim estamos ate hoje!

Meses depois, quando fomos para as Ilhas Mauricio, tivemos alguns acidentes de coco nas calcas… mas acho que foi uma mistura de prisão de ventre por causa da mudança de rotina e comida diferente, combinada com tamanha felicidade de brincar no Kids Club do hotel! Ela simplesmente nunca queria para o que estivesse fazendo pra ir ao banheiro! Foram uns 3 dias seguidos de acidentes, mas assim que voltamos pra casa, as coisas se normalizaram de novo.

 

  • Chupeta

 

Essa foi sem duvida nossa maior transição do ultimo ano!

Por mim, eu deixaria ela chupar chupeta por quanto tempo quisesse! Nunca me incomodou mesmo!

Mas logico que sabia que estava prejudicando sua arcada dentaria, e não era um bom habito para um criança maiorzinha… O Aaron queria tirar a chupeta pouco tempo depois que ela fez 2 anos, mas eu preferi deixar a chupeta como a ultima das transições…

2015 foi um ano movimentado onde mudamos de casa, ela trocou de quarto, ela trocou de um berço pra um cama e depois ainda teve o desfralde! Então queria que pelo menos a chupeta fosse um conforto constante na vida dela!

IMG_2797

Mas por outro lado não tínhamos do que reclamar, pois ela nunca foi uma criança muito “viciada”, e sabíamos que não ia ser tao sofrido assim não.

Por sorte, a crèche que ela frequenta desde os 9 meses de idade não permite chupetas (só nas primeiras semanas de adaptação, depois eles desparecem com elas! hehehehe), então desde bebezinha ela se acostumou a não usar chupeta durante o dia.

Fazia suas sonecas sem chupeta numa boa, caia no sono sem dificuldades, se confortava pós choro sem pedir chupeta também etc.

Quando ela estava em casa com a gente no fim de semana, ou em viagens, passeios etc, eu liberava mais. Raramente dava (ou ela pedia) chueta a troco de nada no meio do dia, mas se quisesse/precisasse que ela tirasse uma soneca no carrinho , ou pra se acalmar em casa, eu dava, sem problema algum!

Mas a noite, para dormir, a primeira coisa que ela pedia era sempre sua “Tépa” ( ai que saudade de ouvir ela pedindo “Tépa”!!!), e era tiro e queda… era colocar a Tépa na boca que ela praticamente desmaiava na cama!

Ela também teve uma fase de querer varias ao mesmo tempo! Era tão engraçado e fofo! As vezes nem tinha nenhum Tépa na boca, mas ela segurava umas 2 em cada mão e esfregava nos olhos, nariz, testa… (ai se a vigilância sanitária examinasse aquelas chupetas! Hahhaha! Perdíamos a guarda da criança com certeza! hahah).

Então também decidimos quando seria o Dia D de finalmente tirar a chupeta dela, e queríamos que fosse num período de entre-safra de viagens, para que ela tivesse tempo de se acostumar com a nova rotina, e que fosse com bastante antecedência antes da chegada do novo bebe (pois caso ele pegue chupetas, as ditas cujas não fossem uma tentação pra ela!).

Assim como fizemos com o desfralde, compramos alguns livrinhos sobre chupetas, começamos a contar historinhas sobre a “Fada das chupetas” antes de dormir etc.

A tal Fada ia levar embora suas chupetas, mas ia deixar um presente especial, que ela podia escolher. Então na semana anterior, fomos todos a algumas lojas de brinquedo pra deixar ela escolher o que a Fada ia trazer em troca (a fada das chupetas tem boas conexões com o Papai Noel, então consegue presentes fora de época! hahaha).

O dia D chegou, um fim de semana com feriado prolongado (3 dias em carcere privado com ela em casa!), e logo de manha fizemos todo o ritual de preparar a surpresa para a Fada das Tepas: catar todas as chupetas espalhadas pela casa, escrever uma cartinha bem colorida e com um monte de adesivos e gliter, e embrulhar as chupetas num presente bem bonito, que foi deixado no jardim de casa.

IMG_2795

Seguimos o dia como se nada fosse, fomos passear (e deixar ela bem cansada!), e só voltamos no fim do dia, já na hora de jantar e começar toda rotina de dormir.

Ate ai tudo bem, e nenhum sinal de pedir a chupeta… ate a hora que ela finalmente deitou na cama pra dormir! Ai sim a ficha caiu!!

Foi um berreiro! Um escândalo! Ela queria porque queria suas Tepas de volta! Foi de partir o coração!

Ficamos horas nos revesando no quarto com ela, contando historinhas e fazendo carinho ate ela pegar no sono.

IMG_2796

No dia seguinte, quando ela acordou, seu presente estava na cozinha nos esperando e passamos o dia todo brincando!

O dia passou sem problemas, e a noite foi a mesma coisa! Choro, desespero, escândalo, e ela queria devolver o presente, pois gostava mais da chupeta do que do brinquedo novo! hahahah

Mas fomos firmes! De fato jogamos TODAS as chupetas no lixo! Levamos na lixeira da rua, pra não ter tentação mesmo (pra gente, não só pra ela!)!

Ou seja, por pior que fosse a choradeira, nós dois não tínhamos como cair em tentação…

A dificuldade pra dormir durou aquela semana toda (eu estava viajando a trabalho e o Aaron acabou ficando sozinho com ela)… Ela pedia varias historinhas e carinho na barriga na hora de dormir, que aos poucos foi ajustando na nova rotina.

Ainda demorou quase 1 mês pra ela voltar a “dormir fácil” e sozinha (sempre tivemos o habito de colocar ela pra dormir sozinha, sem ninar nem nada disso), e simplesmente parou de pedir pela Tepa (mesmo quando sabíamos que ela estava com dificuldades de pegar no sono).

Quase 1 mês depois eu fui pro Brasil sozinha com ela, e foi sua primeira viagem de avião sem a chupeta… A primeira coisa que ela pediu quando entramos no avião foi se ela podia ganhar uma “Tepa” no avião, mas eu disse que não, e ela nem insistiu…

Mas na verdade meu maior medo era dor de ouvido ou alguma outra reação durante o voo, afinal era sua primeira experiencia de voo sem ter alguma coisa pra sugar… Então levei muitos pirulitos, balas e coisinhas para distrair, e ela ficou numa boa!

Uffa!! Passou!

Dai pra frente nunca mais pediu nem mencionou nada, e a mudança de rotina enquanto estávamos no Brasil foi ótimo na verdade, uma boa distração, pois a partir dai, ela simplesmente esqueceu que a chupeta existe e nunca mais teve dificuldade pra dormir.

No outro dia (meses depois!) ela estava me ajudando a organizar as coisas do irmão no quarto dela, e ela viu as chupetas que eu comprei..”Olha mamãe, duas Tepas!”! Nossa gelei, achando que ela ia pedir!

Mas falei que era pro irmãozinho pois ele era bebê, e bebes as vezes precisam de chupetas, assim como ela tinha suas Tepas quando era bebe. Ela respondeu que agora que ela é uma menina grande e Irma mais velha, ela não gosta mais de Tepas…

E ponto final!!

Bem, veremos como vai ser, e se ela vai ter alguma regressão quando o bebe chegar! Mas por enquanto estou confiante!

 

E com vocês, como foi? Alguma técnica infalível?? Fizeram alguma cosia drasticamente diferente?

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Me Acompanhe!

Além de todas as dicas que eu posto aqui no blog, você também pode me acompanhar nas redes sociais para mais notícias “ao vivo”:

 

Adriana Miller
34 comentários
Página 1 de 212