18 May 2015
10 comentários

Cruzeiros com Crianças – Anthem of the Seas

Baby Everywhere, Cruzeiro, Cruzeiros, Estilos de Viagem, Viajando com crianças

A experiencia no Anthem of the Seas foi um pouco um dilema… como viajei a trabalho pelo blog, o Aaron e a Isabella não foram comigo, mas ainda assim oi impossível desvincular o quanto eles teriam se divertido também se estivessem la comigo!

Um dos motivos que eu acho que gostei tanto da experiencia no meu primeiro cruzeiro, foi justamente por ter achado uma viagem tão fácil de se fazer com bebe pequeno. Tudo é tão confortável, tão cômodo, sem perrengues.

Então aproveitei a vantagem de estar no Anthem of the Seas como “imprensa” pra poder entender bem como funciona o esquema de cruzeiros com crianças e viagens em famílias e com crianças pequenas a bordo dos navios da Royal Caribbean, pois entre as marcas e bandeiras de cruzeiros, eles são os que mais investem nesse aspecto de ser bem “familiar” e acomodar todas as idades.

Eu já escrevi um post bem compreensivo sobre minha experiencia de cruzeiro com a Isabella a bordo, mostrando um pouco sobre algumas das duvidas que eu tinha antes de embarcar pela primeira vez. Mas ainda assim sempre ficam duvidas e cada mãe/bebe/família tem situações diferentes que por sua vez tem duvidas diferentes.

Então passei algumas horas com o gerente do “Adventure Club” do Navio, e ele foi me explicando um pouco mais sobre as diferenças e vantagens de viajar de Royal Caribbean com crianças.

E realmente o Adventure Club é o máximo, e o tempo todo eu só pensava em “nossa, a Bella ia amar isso”, “Olha que legal! Pena que a Isabella não esta aqui também!”. Principalmente em certas comodidades que os navios da Royal oferecem que nós não tivemos em nossa primeira experiencia.

Porque sim, foi super divertido e fácil fazer um cruzeiro com a Isabella (na época com 6 meses), mas tivemos algumas limitações, justamente por ela ser tão bebezinha ainda. Demos sorte de termos viajado com minha sogra então ela foi uma super ajuda pra gente poder curtir o lado “adulto” do navio, mas acabei de descobrindo que na Royal isso não seria necessário!

 

– Kids club e berçário

Pra começar que os navios da Royal Caribbean oferecem entretenimento para todos os passageiros a bordo. Todos mesmo, a partir de 6 meses de idade (que é a idade mínima para crianças viajarem de navio)!

O cruzeiro que fizemos pelo Caribe (da Carnival) também tinha um clubinho para crianças, mas era pago a parte e só permitia crianças a partir de 3 anos, então não pudemos usufruir.

A Royal Caribbean oferece, em todos os seus navios, o programa “Royal Babies”, com berçário para bebes entre 6 e 18 meses.

Nesse berçário cada bebe é cuidado com atenção 1 a 1, sempre com a mesma pessoa responsável, para que ao longo da viagem o bebe se acostume com o ambiente e a pessoa que vai cuidar dele(a).

Eles cuidam de tudo: alimentação, esterelizacao, fraldas, sonecas, atividades. E eles tem até instalações especiais para armazenar leite materno, caso a criança esteja sendo amamentada pela mãe e a mãe quiser deixar leite materno. Ou então, melhor ainda, nos horários das mamadas a mãe pode ir ate o berçário e usar a salinha de amamentação para alimentar seu bebe, e depois voltar para suas atividades no navio!

Se a criança já come sólidos, eles preparam tudo la mesmo, trituram ou amassam os alimentos (fica a cargo dos pais decidirem a textura que eles preferem que a criança seja alimentada) que são preparados todos os dias pelos chefs dos restaurantes do navio.

E apesar de que o berçário e o kids club fica aberto  dia todo ate de noite (mas eles cobram uma taxa extra depois das 10 da noite), eles também oferecem esse serviço de berçário noturno, ou então babysitters individuais, que podem ficar no seu quarto (que seria minha preferencia, pois assim a Bella poderia ter a rotina da noite bem certinho, dormir na sua cama normalmente enquanto uma baba fica com ela na cabine). Cada babysitter pode cuidar de ate 3 crianças no mesmo quarto, então vale a pena pra quem tem vários filhos ou crianças viajando juntas também!

(isso foi uma cosia que senti muita falta em nosso cruzeiro, e acabamos dependendo demais de minha sogra pra ficar com a Isabella no quarto a noite).

Outra facilidade sensacional que eles oferecem eh o “Babies 2 Go”, que é um serviço que você pode comprar e reservar (com antecedência) com tudo que seu bebe pode precisar a bordo, pra poupar o trabalho (e peso!) de ter que levar itens como fraldas, lencinhos, leite artificial, papinhas orgânicas, pomadas etc.

Gente, eu levei TANTA tralha pro nosso cruzeiro, justamente pois sabia que nas lojas do navio não vendem fraldas, leite etc. e não queria perder tempo nas paradas em cada ilha e perder tempo catando supermercado, farmácia e afins. Imagina não ter essa trabalheira toda?! Chegar na sua cabine e o kit do seu bebe já estar te esperando?!

Já para crianças maiorzinhas, entre 1 ano e meio e 3 anos, o kids club fica num área separada dos bebes, com atividades e brinquedos específicos para a afixa etária.

Mas assim como no bercario, enquanto seu filho estiver por la, eles cuidam de tudo: alimentação, sonecas, fralda, e o que mais for preciso – inclusive tem uma equipe dedicada para crianças com necessidades especiais e deficiências, pra incluir todo mundo mesmo!

Cruzeiros com Crianças

A partir dos 3 anos, as crianças são agrupadas em turminhas de atividades e ai eh que fica divertido mesmo! Alem das brinquedos e atividades de “playground” normais, eles também organizam aulas de dança, de musica, aulas de culinária, de pintura, excursões pelo navio, esportes e festas temáticas!

E as atividades continuam ate os programas de adolescentes, com jogos, vídeo games, sessões de karaoke e cinema, festa matine e mais um monte de coisas!

 

Atividades e comunicação:

Como estamos na fase da Isabella começar a falar, mas ainda ter muitas dificuldades de se comunicar perfeitamente nas duas línguas (Português e Inglês), eu queria saber como funciona essa questão da linguagem e comunicação no kids club do navio.

Eu por exemplo fui uma criança super tímida e fiquei só imaginando que eu NUNCA ia querer passar o dia sozinha num kids club onde ninguém falasse minha língua!

Então um dos coordenadores me explicou todas as “técnicas” usadas para comunicação por meios lúdicos, alem da linguagem, e que – na medida do possível – eles sempre tentam ter varias opções de línguas disponíveis trabalhando no navio e no kids club.

Então para as línguas mais comuns (incluindo Português) geralmente eles sempre tem algum coordenador ou cuidador que consegue se comunicar com a criança e explicar as atividades, alem de que eles são super bem treinados e geralmente falam varias línguas, e sabem o básico de mais umas tantas! (O gerente do Kids CLub do Anthem é Canadense e ate me deu uns exemplos de palavras-chave que ele sabe falar em Português, caso tivesse que se comunicar com minha filha, por exemplo! Bem interessante! E tranquilizante!).

 

– Segurança:

Quando eu postei sobre meu primeiro cruzeiro, recebi muitas perguntas sobre segurança das crianças, enjoo e afins, e realmente esse era meu maior medo.

A Bella ficou numa boa o cruzeiro todo, e o único dia que eu tive um mini-pânico foi justamente por entrar numa paranoia de “e se acontecer alguma cosia e eu estou aqui em cima e ela esta la em baixo?!”, sabe? (ela estava dormindo tranquilamente no quarto com minha sogra, mas sei la né? Quem explica essas paranoias de mãe?!)

Bem, como em todos os navios, crianças e bebes tem um procedimento de segurança especial, e realmente eles não brincam com isso!

Bebes e crianças recebem colete salva vidas especiais, famílias tem prioridade de evacuação, e todas as crianças são identificadas por pulseirinhas coloridas o tempo todo – então mesmo se você perder alguma criança de vista, ela(e) sera facilmente identificado por algum funcionário, que o(a) trara de volta.

No Anthem of the Seas, com todo aparato tecnológico disponível, as crianças são “linkadas” a seus pais através das WOW bands (ou a pulseirinha equivalente de bebes). Então em caso de emergência, os funcionários poderão identificar seus filhos (caso eles estejam em alguma atividade sem você, por exemplo) e traze-los ate você, seja la onde você estiver.

E caso você prefira, no caso de crianças menores de 3 anos, ou que não possam de comunicar efetivamente (por exemplo, por causa da língua), os pais tem a opção de levar um pager, e caso haja alguma emergência ou problema, o kids club consegue se comunicar com os pais imediatamente (mesmo se você estiver numa atividade fora do navio).

Achei isso simplesmente o máximo! Por que foi uma das primeiras cosias que perguntei! Afinal, num navio TAO grande, e se acontecer alguma coisa?

Outra coisa que reparei dessa vez foi que como eu fiquei num quarto com varanda (da outra vez era apenas uma janela), todas as portas tem fecho de segurança (bem alto!) para evitar que crianças consigam abrir a porta da varanda sozinha!

Eu sei que sempre que eu menciono o fato de preferir quartos com varanda quando viajo com a Isabella, sempre aparece alguém que morre de medo do filho cair da vranda (?!), então fique tranquilo que em cruzeiro isso não aocntece!

 

– Alimentação:

Durante os períodos que a criança estiver no kids club, eles cuidam de toda alimentação, sem problemas nem custos adicionais; E como comentei acima, para bebes e crianças mais novas você pode encomendar os serviços de fralda, papinhas, leite e afins, e assim evitar ter que levar tudo de casa.

Mas e nos outros horários?

Essa foi uma pergunta que me fizeram bastante aqui no blog depois de nosso cruzeiro com a Isabella.

Bem, na época ela tinha acabado de fazer 6 meses, então ainda não estava 100% nos sólidos. Eu levei uma tonelada e meia de papinhas e leite, e durante nossas refeições dava alguma sopa de legumes (o caldo, por exemplo), ou pedia pratos como purê de espinafre, purê de batata e tals que fosse fácil de dar pra ela, alem de fazer papinhas de frutas todos os dias.

Mas via muitas famílias com crianças um pouco maiorzinhas alimentando seus bebes sem problema algum, e realmente seria difícil não achar alguma cosia que agradasse ate a criança mais chata pra comer (vulgo: Isabella hoje em dia!).

Mas como eu sei que a maior dúvida geralmente é em relação à crianças naquela idade nem-lá-nem-cá, quando já comem sólidos, mas ainda tem muitas restrições alimentares, não mastigam direito e tal – então fui investigar: e sim, nos restaurantes principais do navio (no buffet Windjammer e nos restaurantes onde servem os jantares incluídos no cruzeiro), eles não só possuem menus especiais para crianças, como eles também podem acomodar qualquer tipo de restrição alimentar, como por exemplo, legumes no vapor sem sal, que depois podem ser triturados numa papinha, ou até mesmo alergias alimentares.

Claro que não vai ser aquela coisa recém colhida por fadas mágicas e regadas a lágrimas de unicórnios e determinadas por você – eles só podem oferecer o que tiverem a disposição no cardápio do dia, então querendo ou não, e por mais acolhedores que os funcionários sejam, você esta viajando, numa pais diferente e seu filho irá comer coisas diferentes das que vocês comem em casa. Algumas opções serão melhores, outras piores – e todos vão sobreviver. #SeLiberteDoFeijãoTodoDia

 

– Atividades fora do Kids Club:

Claro que ter um kids club pra despachar as crianças e ter umas horinhas de paz é uma mão na roda, mas até mesmo o coordenador do kids club admitiu que muitos pais abusam do serviço e praticamente nem veem os filhos a viagem toda – então o serviço é limitado (em numero de horas) por família.

Mas as atividades infantis não se limitam ao kids club não, muito pelo contrário! As cosias mais divertidas estão justamente do lado de fora!

A primeira coisa que eu notei foram as piscinas: não só o Anthem of the Seas tem uma piscina separada para crianças (com chafariz, ondinhas, escorregas, e super rasinha e com chão acolchoado e anti derrapante), como também tem uma piscininha para bebês e crianças com fraldas.

Isso na verdade foi minha principal frustração no cruzeiro que fizemos no Caribe: não poder levar a Bella na piscina, pois eles não permitiam crianças com fraldas (que eu entendo totalmente, por uma questão de higiene – mas eles não ofereciam uma alternativa, o que foi bem frustante naquele calorão!). E na época chegaram a me falar que geralmente apenas os cruzeiros da Disney permitiam crianças de fraldas – mas a Royal Caribbean, apesar de não permitir fraldas na piscina “normal”, oferecem uma piscina exclusiva para crianças pequenas e com fralda!

E como comentei no meu outro post sobre cruzeiros com crianças, realmente quanto mais velhos eles forem, mais eles vão aproveitar DEMAIS um cruzeiro!

Mas mesmo para crianças novinhas, as opções são incríveis! Até o pulo de paraquedas indoor pode ser feito por crianças a partir de 3 anos!! Nem acreditei quando o instrutor me mostrou um mini macacão e mini capacete!!! Imagina a Bella naquela roupinha voando?!

Os musicais também tem sessões de matinée a tarde para crianças (no Anthem estava passando o musical do Rei Leão na matinee!), além das salas de jogos, video games, carrinhos de bate bate e afins!

 

– Adicionais: 

O navio fornece berço, sem custo adicional, para qualquer criança que necessite de um – basta solicitar o seu durante a reserva, ou antes do embarque. É sempre melhor reservar com antecedência, já que o número de crianças em certos roteiros á bem grande, e os berços são limitados.

Outra pergunta que me fizeram foi em relação a carrinhos – nós levamos o nosso Bugaboo pra Isabella, mas nem todos os carrinhos são práticos para viagem – mas isso não é uma cosia que o navio forneça, então você tem que levar o seu (eles até tem alguns lá no kids club, mas não são para serem usados pelos hospedes).

 

Mais uma vez essa viagem reforçou minha certeza de que cruzeiros são viagens perfeitas pra famílias e crianças pequenas, e apesar de ter curtido bastante as atividades de “gente grande” (bares, restaurantes maravilhosos, shows, nights, etc), eu morri de saudade da Isabella o tempo todo, sempre pensando no quanto ela teria adorado aquilo tudo!

E como estamos planejando outro cruzeiro para o ano que vem, faço questão de ser um cruzeiro com vários dias em alto mar, justamente pra gente ter bastante tempo de curtir demais o navio com a Bella!

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
10 comentários
25 Sep 2013
3 comentários

Ilhas Virgens Americanas – St Thomas

Cruzeiro no Caribe, Dicas de Viagens, Ilhas Virgens Americanas, St Thomas

A primeira parada no nosso cruzeiro pelo Caribe foi nas Ilhas Virgens Americanas – mas de cara o dia foi um fiasco!

Pra começar esta chovendo, muito! Mas nem percebemos isso até chegar no deck de saída do navio… Então de cara nossos planos de tentar fazer uns passeios independentes, conhecer umas praias e subir no bondinho da ilha já foram por agua abaixo.

E foi justamente essa primeira experiência que nos mostrou que muitas vezes valia mais a pena participar de algumas das excursões do navio do que tentar se organizar da hora, gastar tempo negociando com os taxistas e afins…

Mas a nossa sorte foi que minha sogra (que viajou com a gente) já conhecia bem a ilha, então também sabia o que fazer em caso de chuva – e nas ilhas do Caribe a resposta é sempre a mesma: Compras!

Nosso navio parou no porto Charlotte Amalie na ilha St Thomas das Ilhas Virgens, que é considerado um paraíso fiscal e a melhor ilha para compras do Caribe. (e que assim como Porto Rico, também faz parte dos EUA)

E até porque o grande problema dessas paradas de navio é que nunca vai dar tempo de fazer tudo né? Então a chuva no primeiro dia foi uma boa lição, e assim ficou mais fácil focar no que queríamos fazer por lá e aprender que apesar de serem ilhas pequenas, você ter o dia todo por lá e tal, a verdade é que a principal lição da experiência foi: escolha uma atividade por dia, conheça as ilhas por onde você for parar e defina suas prioridades de coisas a fazer e atividades entre as ilhas (nas que tiverem melhores praia, escolha uma praia e vá direto pra lá. Onde compras for a atração, foque nisso. Ou as atividades de mergulho, e afins – vou falando mais de cada uma das ilhas e atividades que escolhemos a medida que for contando sobre cada destino).

Então como as Ilhas Virgens é O lugar para compras, foi isso que fizemos!

Logo no cais do porto você sai do navio e cai direto num mini shopping! Nem dá tempo de respirar (sendo a ilha mais Americana da região, não poderíamos esperar outra coisa, né?).

Muitas lojinhas de souvenirs, cosméticos, perfumes, bebidas e principalmente joias por todos os lados!

Mas não nos impressionamos demais com as lojas de lá não, e minha sogra já sabia que as melhores lojas estariam no centrinho da ilha, em Charlotte Amalie, a uns 10 minutos (de taxi) do porto.

As opções de loja de outlet em Charlotte Amalie são inúmeras, e além dos descontos normais de outlet, ainda são todas tax free!

Entre as opções que agradam os turistas Brasileiros estão principalmente as lojas de roupa e acessórios, como a Tommy Hillfiger, Coach, Footlocker (para roupas e equipamentos esportivos), as muitas lojas de joias (incluindo uma Tiffany’s com altos descontos, assim como a Gucci, Bulgari e Dior acessórios), as lojas de relógios (principalmente os relógios masculinos estavam cerca de 30% mais baratos que os preços praticados na Europa) e lojas de eletrônicos (ainda bem que fomos bem equipados com todas as nossas câmeras e afins, se não teria sido difícil resistir a algumas ofertas!).

Confesso que foi difícil conseguir enxergar St Thomas além do temporal lamacento que pegamos e os letreiros de “Sale” nas lojas, mas o centrinho tem seu charme, com casinhas coloniais e algumas atrações históricas, como o Fort Christian, construido pelos Holandeses no século 17 e hoje é um museu – mas principalmente marca a entrada da cidade e o começo da “Main Street”.

(e bem ali do lado também rola uma outra area de compras, tipo uma feirinha, vendendo muito souveniers e artesanatos)

E foi basicamente isso que fizemos entre um temporal e outro, e por fim resolvemos que seria melhor voltar por navio e aproveitar o resto do dia por lá mesmo.

Para fazer qualquer outra coisa que vá muito além das proximidades da Charlotte Amalie a melhor opção é optar pelas excursões organizadas pelo navio – como por exemplo para conhecer a ilha vizinha St Croix ou as praias da costa leste da ilha, já que no fim do dia, as únicas estradas de acesso de volta pro porto ficam paradas com engarrafamentos (e você corre o risco de perder a partida do navio!)

St Thomas também tem um lado bonito, com belas praias e tal, mas esta LONGE de ser a mais bonita da região, e não foi o lugar onde teria valido a pena ir só pra curtir praia – então minha recomendação é: se você quer fazer compras durante sua viagem, St Thomas terá os melhores preços (mas St Maarten teve as melhores lojas), então dedique seu tempo a isso – e deixe pra aproveitar as belezas naturais do Caribe nas outras ilhas.

Na prática:

– As diferentes ilhas que compõem as Ilhas Virgens são territórios independentes dos Estados Unidos da América, e portanto para visita-las é necessário um visto válido para os EUA (assim como em Porto Rico).

– A língua oficial é o Inglês, mas sendo um lugar turístico como é, é facílimo achar pessoas na rua e funcionários de lojas falando em Espanhol ou até mesmo Português (aliais, várias lojas tem plaquinhas “Falamos Português” nas portas! Será que os Brasileiros gastam muito?!)

– A moeda oficial também é o Dollar Americano, com as mesmas notas e mesmo valor corrente que o praticado nos EUA continental.

– Como eu comentei no post sobre o cruzeiro, fique atento aos limites de valores e quantidades para compras em território Americano e a volta ao navio. Cigarros, charutos e bebidas alcoólicas deverão ser declaradas e armazenadas no porão do navio até o final da viagem, e cigarros Cubanos são proibidos a bordo (nosso navio era Americano, e assim sendo, participavam do embargo!).

– Apesar de ser tax free, quem se extrapolar nas compras (em valores e quantidades) terá que declarar os gastos na alfandega na desembarcação do navio, e caso seja necessário, pagar taxas de importação.

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

 

Adriana Miller
3 comentários
23 Aug 2013
7 comentários

San Juan de Puerto Rico

Cruzeiro no Caribe, Dicas de Viagens, Porto Rico, San Juan

Logo no primeiro dia em Puerto Rico, acordamos cedo e fomos direto pra cidade antiga, a Vieja San Juan, com sua paisagem dramática e centrinho colonial.

9518725660_0894109d3d

Primeira Parada? O mítico Castillo de San Cristóbal, uma fortaleza Espanhola no alto da cidade, de “frente” para a Europa e com vistas fenomenais de San Juan.

9515945321_ebfda8d21f

Construída em 1634, e incrivelmente bem conservada (já foi restaurada algumas vezes, mas continua com uma cara de antiguinha e autentica, sabe?) é um labirinto de túneis, calabouços, celas, poços e áreas de armazenamento de pólvora que foi uma construção praticamente impenetrável por muito séculos.

9518733884_893e2d8359

O forte é todo aberto a visitação, e é possivel explorar as passagens secretas e calabouços por conta própria, o que é super interessante!

Mas hoje em dia seu principal atrativo é mesmo sua vista!

De lá de cima é possivel ter uma ideia da expansão da cidade antiga, avistar os cruzeiros ancorados no porto, e a cidade “nova” se expandindo a perdeeeer de vista.

9515948907_0b8d6df1ae

Desde suas muitas torres de observação é possivel avistar o faról do forte de San Felipe del Moro, na outra ponta da cidade, e dá pra entender bem porque a cidade (e toda a ilha!) era tão bem guardada!

De lá continuamos nosso passeio seguindo o roteiro sugerido pela própria prefeitura, que identifica as calçadas e paralelepípedos da cidade em azul pelas ruas históricas.

(Ah! E seguindo o roteiro da prefeitura, também é possível usar os “Trolleys” que são tipo uns bondinhos que circulam pela cidade antiga e são de graça – é só procrar pelo ponto específico)

Começamos pela Plaza de Colón, e de lá seguimos pela Calle Tetuan (que é uma ótima área pra dar uma refrescada do calor úmido Caribenho em um dos vários barzinhos e restaurantes super bonitinhos!) e fomos subindo em direção a Calle Fortaleza e Calle San Franciso, onde estão a maioria das casinhas coloridas coloniais da cidade.

9515951645_22cf44348e

Fomos andando sem pressa, entrando nas lojinhas (rola um certo paraíso fiscal em San Juan e a cidade é cheia de lojas outlet de marcas Americanas como Coach, Tommy Hilfiger e Ralph Lauren, por exemplo) e galerias de arte (muita opção legal de lojas de peças de decoração, peças de design e arte) e souvenirs (Porto Rico também é famoso por seus chapéus tipo Panamá).

9518745530_e326bf1d53

Mas é a partir da Plaza de Armas que as ruas e casinhas realmente ficam coloridas e fotogênicas!

Quando chegamos na praça da Catedral de San Juan Bautista, paramos pra almoçar no restaurante do Hotel El Convento, que nos foi recomendado como um dos melhores da cidade (e aparentemente foi onde a JLo e Marc Antony fizeram a festa de seu casamento – que foi celebrado na Catedral, do outro lado da rua!).

A Catedral é enorme e imponente, mas ao mesmo tempo, bem simples e sem grandes adornos…

(e ali na mesma praça fica o “Museo del Niño” um museu que conta a história de San Juan para crianças. Mas como a isabella é tão pequenininha, dispensamos)

De lá descemos as ruas em direção a “La Muralla”, que é tipo um calçadão que circunda a muralha da cidade antiga e onde fica o portão de entrada de “honra” da cidade – era por ali que o Rei da Espanha – e outros dignitários merecedores de tamanha honra – entrava na cidade.

É possível seguir o caminho da muralha até chegar na Fortaleza San Felipe del Moro, mas como o sol estava fortíssimo, optamos pelo caminho da sombra, que cruza a Plaza de la Beneficencia, passando pelos principais museus da cidade, até a entrada do Campo del Moro – que leva até a fortaleza e seu farol.

Essa fortaleza é bem menor e menos interessante do que o Castillo de San Cristóbal, mas sua atração principal, o farol é realmente impressionante e enorme!

9515956423_0da37a5569 9518748726_93aa0fe783

E a vista da cidade do lado de lá e tão bonita quanto do outro lado, e só assim nos demos conta de como a cidade é grande!

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
7 comentários