23
Jan
2013
Londres: Journey Planner – Como ir do ponto A ao ponto B e entendendo os endereços da cidade
Escrito por Adriana Miller

Uma das respostas mais comuns aqui no blog, mas mais difíceis (e chatinhas) de responder são as do tipo “Como vou do endereço X ao endereço Y?”. Porque? Oras, porque é impossível conhecer como a palma da minha mão uma cidade enorme como Londres, com tantas ruas e ruelas sem muita ordem urbana.

E eu já dei outras vezes a dica do Journey Planner, que seja para moradores, Londrinos e visitantes uma ferramenta indispensável – eu nunca saio de casa sem antes conferir qual a melhor maneira de chegar no lugar X, e em Londres a melhor maneira é sempre consultar o Journey Planner.

Journey-Planner

Voce pode procurar por exemplo pela estação de trem, metro ou ônibus, o pelo endereço do hotel ou do restaurante onde voce quer ir.

O sistema calcula exatamente as melhores rotas pra chegar até lá, te avisa de possíveis interrupções nas linhas de metro, ou ruas fechadas por obras (que afetam os onibus) e te dá algumas opções. Aí é só voce decidir qual roteiro prefere fazer levando em consideração o tempo de deslocamento, ou quantas vezes terá que trocar de linha ou de meio de transporte etc.

Screen-shot-2011-03-31-at-22.26.17

E quando voce clica no mapinha, tem uma outra ferramenta chamada “Wizard” que é interativa e mostra todo trajeto sugerido, onde trocar de linha, por onde andar, etc. Não tem mesmo como se perder pela cidade!

 Screen-shot-2011-03-31-at-22.27.04

Outra dica de ouro é sempre ficar de olho no código postal dos endereços que voce estiver procurando – em todo o país, é esse códico de letras-números que te dará a localização exata do endereço que voce estiver procurando.

Ao contrario do que vemos em outros países, o código postal é único e super específico, geralmente apontando exatamente pra uma determinada casa ou edifício. Então por xemplo, se você procurar um endereço qualquer usando apenas o nome da rua (no Google Maps, por exemplo) irá encontrar várias ruas com o mesmo nome, e o mapa te dará a localização genérica daquele endereço.

Já com o código postal, você é direcionado exatamente onde precisa ir.

Vamos usar por exemplo o Hotel Ritz, cujo endereço é: 150 Piccadilly, London W1J 9B

Se eu procurar a Piccadilly Stree no Google Maps, esse é o resultado:

Screen shot 2013-01-21 at 16.05.26

Não esta errado, mas o mapa me direcionou pra o meio da rua, numa “média” mesmo, qoeu provavelmente significa que eu usaria o meio de transporte errado, sairia na estação errada, e demoraria uito mais pra chegar no meu destino (imagina se você estivesse procurando seu hotel e carregando malas?!).

Mas se eu procurar pelo “Post Code” W1J 9B, que é específico do predio do Ritz (e mais nenhum outro endereço no pais), o mapa me mostra isso:

Screen shot 2013-01-21 at 16.09.21

Que é exatamente onde quero ir! (por isso sempre incluo enderecos com “post code” quando dou dica de lugares, atrações, restaurantes< etc aqui no blog).

Então ao usar o Journey Planner, a melhor maneira de chegar do ponto A ao ponto B é usando o código postal do endereço.

Screen shot 2013-01-21 at 16.14.23

Uma outra dica é pra quem usa Smartphones e pretende ficar conectado usando um SIM card (ou os pontos de wifi disponiveis por Londres) durante sua estadia em Londres: a App “City Mapper London”, que funciona igualzinho ao Journey Planner (que infelizmente não tem uma app oficial).

Citymapper

Você pode procurar por roteiros específicos, e selecionar qual meio de transporte prefere (Metrô, ônibus, barco, Taxi ou bicicleta), com toda explicação de como chegar a determinado lugar, quanto tempo demora de acordo com o meio de transporte etc.

E jea no meio do caminho, caso voce ainda tenha alguma duvida, basta seguir o mapa!

Categorias: Batendo perna, Conhecendo Londres, Inglaterra, Transporte, Viagens
12
27
Feb
2012
Guia Generico de Viagem de Low Cost pela Asia (Parte 2)
Escrito por Adriana Miller

Voltando ao topico de viagem pela Asia… Mais algumas conclusoes e recomendacoes filosoficas que aprendi depois de 3 viagens distintas que cobriram 10 paises do continente (a primeira foi essa, a segunda essa, e a ultima essa aqui).

Alem de todos os principios basicos de viagem de baixo custo em qualquer lugar do mundo, uma coisa que vale a pena salientar na Asia sao as distancias.

Pelo menos no meu caso, por morar e viajar a tantos anos pela Europa, eu acabo com aquele conceito de que viagem low cost = viagem baratinha e viagem rapidinha. Porque afinal, morando em Londres eh super facil achar uma passagem a preco de banana, e com apenas um voo de 2 horinhas, eh facilimo ir passar um fim de semana em Roma, ou Barcelona, ou Compenhagem, por exemplo, mesmo que estejam em extremos oposto do continente.

Entao pra mim a primeira coisa a adpatar foram justamente as distancias e tempo de viagem.

Afinal ao olhar um mapa do Sudoeste Asiatico eh facil cair no erro de achar que esta tudo ali pertinho… mas a verdade eh que geograficamente a regiao eh enorme, e pouquissimos voos serao menos de 3 ou 4 horas! A principio isso pode parecer pouca coisa e passar despercebido, mas somado ao translado a aos aeroportos em cidades muitas vezes sem boa insfraestrutra, mais check in, mais voo, mais desembarque, etc, cada voo pode ser um dia inteiro perdido.

Um voo entre Cingapura e Xangai, por exemplo,  demora mais de 6 horas, que eh mais longo do que um voo entre Londres e Nova Iorque!

O segundo ponto, e que talvez seja o princiapl sao as conecoes de voos e transporte.

Apesar de que nao viajamos muito por fora do circuitao turistico, ainda assim a regiao tem uma infraestrutura em fase de desenvolvimento, oque significa que os aeroportos ainda nao sao capazes de atender a demanda de voos, os padroes internacionais de seguranca e conforto, ou simplesmente nao tem essa tal estrutura e ponto final.

As dezenas de cias aereas que vao pipocando pela Asia, e vem  expandidndo seus roteiros ano apos ano, ajudam bastante, mas ainda estao longe de atender a todos os formatos de roteiros. Entao eh importantissimo analisar todas as opcoes de destinos e roteiros – de acordo com as disponibilidade de voos e transporte entre eles – antes de bater o martelo num roteiro para sua viagem.

Alem disso, ao contrario doque vemos hoje em dia na Europa, as empresas aereas na Asia ainda sao muito regionais, oque significa que cada pais tem a sua, oque atende perfeitamente as necessidades locais, porem que se tornam incrivelmente limitadas quando um turista quer aproveitar a viagem para cobrir varios destinos de uma vez soh (como sempre eh o nosso caso).

Entao oque acabamos fazendo na primeira vez que fui a Asia (combrindo Tailandia, Malasia, Vietnam e Camboja) foi adicionar dias – e retiar destinos – do nosso roteiro final, pois seria praticamente impossivel conseguir fazer uma viagem fluida entre esses paises que fosse ao mesmo tempo economica financeiramente e de tempo.

E foi justamente por isso que incluimos Kuala Lumpur em vez do Laos, por exemplo. Afinal em 2008 a Air Asia (nem nenhuma das muitas outras cias) nao oferecia voos diretos entre todas as cidades que queriamos visitar, e acabamos chegando a conclusao que a nossa melhor opcao sempre incluir uma conexao em KL.

Entao aproveitamos pra passar uns dias e conhecer a cidade, mas no decorrer da viagem, acabamos tendo que voltar pra Malasia outras vezes apenas pra conectar os voos entre Camboja e Vietnam.

Ou seja, olhando no mapa esses dois paises sao vizinhos, e estao ali pertinho, porem as opcoes de transporte por terra eram precarios e demorariam demais, e os voos diretos (entre Sien Reap e Hanoi no nosso caso) tinham horarios muitos restritos e/ou precos exorbitantes.

A solucao? Conjugar dois voos da Air Asia, passando por Kuala Lumpur – e gastando um dia inteiro de nossa viagem.

E nessa ultima viagem pela Asia nao foi diferente. Ao brincar de multipla escolha entre todos os destinos que gostariamos de ter incluido, levando em consideracao nosso tempo disponivel e orcamento, vimos mais uma vez que teriamos que dedicar alguns dias inteiros a voos e conecoes, e que mais uma vez nao conseguiriamos escapar do Aeroporto de Kuala Lumpur.

E foi isso que fizemos: em vez de pegar um voo direto entre Hong Kong e Bali, por exemplo, voamos de Macau pra Kuala Lumpur, passamos algumas horas no aeroporto, e no fim do dia pegamos um outro voo para Bali.

Nesse processo perdemos um dia inteiro, mas economizamos mais de 3/4 do preco da passagem (o voo direto custava perto dos 500 dolares, enquanto que o voo Air Asia via KL custou apenas 100).

E uns dias depois o mesmo aconteceu na viagem entre Cingapura e Xangai.

Poderiamos ter passado um dia inteiro entre conexoes mirabolantes ou ter pago uma pequena fortuna num voo direto. Mas a melhor opcao foi na verdade, mais uma vez conectar em KL e dessa vez passar a noite no aeroporto.

A conclusao foi que a passagem propriamente dita saiu incrivelmente mais barata (cerca de 80 dolares, em vez dos quase 600 de uma voo direto ou via Hong Kong), e acabamos economizando bastante tempo, pois saimos de Cingapura no fim do dia (entao conseguimos aproveitar bastante do nosso dia na cidade), dormimos em KL  por apenas 15 doalres (que seria um tempo desperdicado em aerportos e conexoes) e no dia seguinte bem cedinho pegamos o voo da Air Asia pra Xangai – e ainda conseguimos chegar na cidade a tempo de curtir a tarde e a noite na cidade.

Um otimo site pra ajudar a dar formato a toda essa analise combinatoria de voos, destinos e opcoes eh o SkyScanner, que ja falei aqui no blog outras vezes, e que eh um otimo buscador de voos, sempre inclui as cias de baixo custo em suas buscas e vai te dando um primeiro feeling sobre oque eh possivel entre cada um de seus destinos.

E depois disso, eh lapis e papel na mao anotando precos, horarios, conexoes e opcoes e indo decidindo ponto a ponto oque eh mais valioso pra voce: tempo ou dinheiro?

Minha “licao aprendida” dessa vez foi ser muito mais controlada no calendario, e a medida que ia anotando e fazendo escolhas de voos, ia marcando tudo num calendario (um template que voce pode baixar diretamente no seu Word ou Exell, olha esses exemplos aqui) os horarios de chegada e saida, tempo de conexoes, noites em cada destino e tal, pra nao deixar nada escapar pelos cantos (como aconteceu quando estavamos na Tailandia na primeira vez!).

Outra coisa que vale a pena ressaltar sao essas tais conexoes: quando voamos com low cost todos os voos sao avulsos, entao as “conexoes” na verdade nao se conectam.

A cada voo voce tem que desembarcar, passar pela imigracao, recolher sua bagagem, andar ate a area de embarque do aeroporto, fazer check in, passar novamente pela imigracao e seguranca e embarcar.

Ou seja, cada voo tem que ser cronometrado nos minimos detalhes, com bastante tempo de folga pra dar tempo de fazer todo esse circuito-olimpico-aeroportuario e ainda levar em consideracao possiveis problemas e atrasos.

O moral da historia eh que ao programar esses roteiros mirabolantes voce fica a merce de sua sorte, e seu planejamento – se alguma coisa acontecer e voce perder seu voo, ja era. Ao contrario de cias aereas normais, onde voce compra voos integrados, com as low cost cada voo eh 100% independente do proximo, e eles nao tem nenhuma responsabilidade em encaminhar bagagem perdida, remarcar voos atrasados, fornecer hotel ou refeicoes por conexoes perdidas nem nada do que seria normal para uma comania aerea normal.

No nosso voo entre Macau e Bali, via KL, por exemplo, eu marquei a segunda perna da viagem (o voo entre KL e Bali) com uma conecao de mais de 5 horas. A principio ficamos achando que seria um exagero, mas acabou que entre todo processo desembarque-reembarque, na verdade tivemos apenas 1 hora de espera entre um voo e outro.

Numa situacao normal de conexao de voos, umas 2 horas teriam sido suficientes, mas quando voamos low cost, quando mais horas entre as suas conexoes, melhor.

E foi tambem por isso que optamos passar uma noite em KL antes de voar pra Xangai. Assim sabiamos que mesmo se o voo atrasasse horrores, ou se demorassemos muito na imigracao, teriamos um hotel a nossa disposicao a noite toda, sem nos preocupar com o horario do proximo voo.

Entao o moral final da historia eh que na hora de planejar sua viagem pela Asia, as dicas praticas de qualquer planejamento de viagem continuam sedo as mesmas: A sua maior decisao sempre sera Tempo X Dinheiro, e com certeza seu roteiro final nao vai incluir todos os destinos que voce gostaria de ter conhecido durante sua viagem (que aliais, o Riq Freire escreveu um post otimo sobre sso no outro dia).

Eh uma regiao que por mias que ainda seja barata de se viajar, demanda muito mais planejamento e preparo, e definitivamente vai gastar muito mais seu tempo doque um role pela Europa.

 

Categorias: Dicas (Praticas!) de Viagem, Viagens, Voos Low Cost
33
20
Feb
2012
Guia Generico de Viagem Low Cost pela Asia (Parte 1)
Escrito por Adriana Miller

A midia sempre comenta sobre como a internet deixou o mundo “menor” e tal, oque nao deixa de ser verdade. Porem, se voce esta planejando uma viagem qualquer, ja deve ter reparado que o grandissimo fator que ajudou a “encolher” o mundo na ultima decada foi na verdade o surgimento das companias aereas de Low Cost!

Foram elas que fizeram possivel fins de semana ao redor da Europa, ou que sua viagem tenha um roteiro mais flexivel e criativo, com voos curtinhos a precos acessiveis – em vez das viagens interminaveis em trens desconfortaveis que antigamente conectavam as capitais do velho mundo.

E por sorte dos viajantes desse mundao, as companias aereas de baixo custo ja deixaram de ser privilegio das viagens Europeias ha muito tempo, sendo que hoje em dia a principal delas, sem sombra de duvidas eh a Air Asia (no final do post tem uma lista com todas as cias de low cost da Asia)!

Os principios basicos pra nao cair em furada quando viajar usando as “baixo custo” continuam extamente os mesmos, nao importa qual continente voce vai viajar, entao antes de falar especificamente sobre a Asia, vale a pena rever algumas dicas:

- Antecedencia:

Isso vale pra qualquer tipo de viagem, mas principalmente quando falamos de low cost, quanto antes voce se planejar e marcar suas passagens, melhores serao suas chances de achar aquelas super barganhas a preco de banana.

A medida que os meses, semanas e dias vao se aproximando da data de sua viagem, as tarifas de ultima hora passam de baratinhas pra exorbitantes-meu-deus-como-eles-sao-sem-nocao-de-cobrar-isso. Entao a nao ser que voce tenha total flexibilidade pra mudar seus planos de acordo com as promocoes de ultima hora, nao deixe sua reserva de passagem pra ultima hora.

- Taxas extras e impostos:

Sim, as passagens sao baratas  – e as vezes praticamente de graca! – mas SEMPRE, sempre vem a surpresa das taxas extras e impostos na pagina final de sua reserva.

E essas taxas tambem variam bastante de destino pra destino, ja que cada pais/aeroporto aplica diferentes taxas de embarque, impostos extras (como por exemplo as taxas de poluicao  – “Carbon footprint” – ou de suplemento de combustivel – “fuel surcharge”), taxas de cartao de credito, taxa de check in, etc, entao sempre vale a pena brincar com diferentes possibilidades de destinos e ver oque vale mais a pena de acordo com seu orcamento.

Entao lembre-se sempre que aquela tao sonhada passagem de 10€ ate pode aparecer no seu caminho, mas provavelmente no clique final  vai custar facilmente un 200% ou 300% a mais (e provavelmente muito mais que isso).

Por exemplo, o nosso voo entre Kuala Lumpur e Cingapura de Air Asia custou zero S$, isso mesmo ZERO dolares, porem ao adicionar as taxas, impostos e franquia de bagagem despachadas, acabamos pagando cerca de 50 doalres de Cingapura cada um. OU seja, continuou super barata, porem com uma valor final de 500% a mais doque o “preco da passagem” original.

Alguns itens a levar em conta antes de marcar sua pasagem low cost:

  • Todas as taxas e impostos impostos por seu destino
  • Taxas extras opcionais: embarque preferencial, assento com espaco extra, peso de bagagem, check in on line ou presencial, seguro de viagem, franquia para bagagem de mao, refeicoes, almofada e manta, etc

- Bagagem:

As polemicas sobre as franquias de bagagem das cias de baixo custo sempre sao as mais acalentadas – se voce for pego desprevenido e exceder o limite de bagagem, provavelmente tera uma experiencia que possivelmente poderia estragar (parte) da sua viagem.

Hoje em dia nenhum compania aerea de baixo custo inclui bagagem despachada no preco da bagagem, e portanto se voce quiser viajar com sua bagagem saguramente no porao do aviao, tera que pagar a mais pra isso.

Fique atento ao peso permitido, as diferencas de precos entre os limites de peso (geralmente o preco da bagagem despachada eh cobrado por peso – quanto mais pesada, mais cara), e o preco cobrado por cada quilo acima do seu limite (ou fracao de quilo ou libras).

A regra eh clara e a matematica nao falha: viajar low cost nao combina com malas pesadas, e cada grama acima do seu limite custara praticamente o mesmo preco que voce pagou pela passagem!

E nao esqueca de prestar muita atencao na mala de mao: nos ultimos anos, alem de cobrarem por malas despachadas as companias aereas tambem estao limitando sua bagagem de mao.

Muitas delas ainda mantem a regra do peso liberado (pode levar quanto quiser, desde que voce consiga carregar), enquanto outras sao bem restritas em relacao ao peso.

A Europeia Ryanair e a Asiatica Air Asia permitem apenas 7 quilos por bagagem de mao, e suas 7.000 gramas de bagagem sao verificadas e inspecionadas com uma balanca de precisao cirurgica bem ao lado do portao de embarque. Quem nao passa no teste, nao embarca – ou paga caro por isso.

Eu ja presenciei inclusive o absurdo de um comissario de recusar a ajudar uma passageira que nao conseguia colocar sua mala de mao no bagageiro (na Easyjet). A resposta dele foi simples e direta: “Voce so pode viajar com aquilo que consegue carregar”. Logo depois um outro passageiro se levantou de sua poltrona e ajudou a senhora.

Eu sei que essa foi uma situacao extrema, porem um otimo exemplo de que as empresas de baixo custo nao medem esforcos para impor suas regras – afinal sao os eventuais deslizes dos passageiros que garantem o lucro dessas empresas.

E claro, nao esquecendo da regrinha de bagagem de mao UNICA.

Acho que essa deve ser uma das perguntas que mais respondo aos leitores do blog. Uma unica bagagem de mao significa isso mesmo: 1 mala OU 1 bolsa feminina OU 1 mochila de camera fotografica OU 1 bolsa de laptop OU 1 bolsa de bebe, e assim adiante.

Se vc eh mulher e quiser levar sua bolsa MAIS sua bagagem de mao, sera barrada na porta de embarque. Idem para homens com uma mochilinha MAIS uma bolsa de laptop. Sua bolsa/mochila/sacola tem que caber dentro de sua outra bolsa/mochila/sacola/mala ou entao um de seus volumes devera ser despachado para o porao do aviao (nesse video oque eu mostro direitinho como eh todo o processo de viajar de low cost).

- As regras mudam toda hora…

Uma das ciladas de reservar passagens com antecedencia eh que essas regrinhas chatas e traicoeiras mudam toda hora.

Com a crise se espalhando pelo mundo e afetando as cias aereas, cada mes mais “novidades” sao lancadas pra economizar custos e aumentas os lucros de ditas empresas.

Entao mesmo se vc reservou sua passagem com direito a check in no aeroporto, caso essa regra mude ao longo dos meses, oque vale eh a regra que estiver em efeito no dia do seu embarque. Entao se vc nao verificar e reconfirmar tudo de novo, tera que pagar uma taxa extra para fazer check in no aeroporto, por exemplo.

No nosso caso da viagem pra Asia, quando eu reservei as passagens la em Agosto de 2011 a Air Asia permitia 2 bolsas de mao com peso livre por passageiro. 1 semana antes da nossa viagem quando fui verificar os ultimos detalhes vi que as regras tinham mudando drasticamente e que portanto soh poderiamos viajar com uma unica bagagem de mao e com limite de peso de apenas 7 quilos.

Obviamente foi um grande susto e tivemos que rapidamente rever nossas malas e o peso/volume de coisas que pretendiamos levar!

 

Para mais detalhes sobre todas essas regrinhas e outras, veja esse port AQUI.

 

  •  Lista de compania Aereas de baixo custo (low cost) da Asia:

 

- Air Asia: http://www.airasia.com

A opcao perfeita pra quem vai viajar pelo Sudoeste Asiatico, as essa giagnte da Malasia ja se espalhou para mais de 10 paises, cobrindo rotas que incluem China, India, Sri Lanka e ate mesmo Londres e Paris!

- Tiger Airways: http://www.tigerairways.com

Baseada em Cingapura, uma otima opcao que conecta a ilha a varios outros destinos pela Asia.

- Bangkok Airways: http://www.bangkokair.com/

Tecnicamente nao eh uma low cost, mas sempre tem otimas tarifas promocionais para viagens internas pela Tailandia – com a vantagem de servico padrao “normal” (foi a empresa que voamos entre Bangkok e Koh Samui).

- Nok Air: http://www.nokair.com/

Outra otima opcao de pasagens low cost para viagens internas pela Tailandia. mas eles voam pela aeroporto secundario de Bangkok e os destinos e horarios sao bem limitados.

- Lion Air: http://lionair.co.id/

Cia aerea baseada na Indonesia, e uma otima opcao pra voos internos pelo pais, conectando quase todas as ilhas.

- Vietnam Airlines: http://www.vietnamairlines.com

Mais uma que tecnicamente nao eh low cost, mas que otimos precos custo-beneficio, principalmente porque conecta destinos secundarios do Vietnam com outras cidades no Sudoeste Asiatico que geralmente ficam de fora das rotas das grandes empresas.

- JetLite e Jet Airways: http://www.jetlite.com/

A JetLite eh a spin off de baixo custo da Indiana Jet Airways. Nos fizemos o roteiro completo da India, Nepal e Sri Lanka voando um combinado de Jet Airways (que voa para todo o mundo, inclusive Londres) e a JetLite que faz os destinos domesticos e regionais. Precos incriveis, servico excelente!

- Cebu Pacific Air: http://www.cebupacificair.com/

Mais uma empresa que nao eh low cost, mas que serve a extensa (e de dificil acesso) malha de ilhas nas Filipinas. Nunca voei com eles, mas quando ainda estava debatendo entre Indonesia e Filipinas, as melhores opcoes de voos eram com elas.

 

- Hong Kong Airlines: http://www.hongkongairlines.com/

A melhor opcao de voos internos pela China que conectam Hong Kong ao resto da Asia. A melhor opcao de baixo custo para fugir da (excelente) carissima Cathay Pacific quando sua viagem pela Asia inclui Hong Kong (foi a empresa que usamos para voar entre Beijing e Hong Kong).

- China Eastern: http://www.flychinaeastern.com/

Uma impressionante malha de voos e horarios conectando toda a China, mas principalmente as cidades mais turisticas, que ficam no leste do pais. Os precos sao baixos (mesmo de ultissima hora, como aconteceu com a gente) e o servico de primeira (bem mais relax nas regras de bagagem!). Foi a empresa que voamos entre Shanghai e Xian e depois de Xian para Beijing.

 

Pssst: Esta procurando listas e links com as principais empresas de baixo custo da Europa? Veja esse post AQUI. (Alem de links de cias de trem, onde achar resenhas de hoteis e albergues, e varias outras dicas praticas para planejar sua viagem para a Europa)

 

Categorias: Dicas (Praticas!) de Viagem, Viagens, Voos Low Cost
21
17
Feb
2012
Tune Hotel – Aeroporto LCCT de Kuala Lumpur
Escrito por Adriana Miller

Uma das melhores coisas de viajar sempre eh poder, volta e meia, voltar a lugares onde ja fui – eh sempre legal ver oque continua o mesmo, e tudo aquilo que mudou, evoluiu… melhorou ou piorou.

Dessa vez a viagem pra Asia nao incluiu Malasia no roteiro – mas ainda assim, gracas as maravilhas dos voos low cost, nao escapamos de passar pelo aeroporto de KL. Nao apenas 1, mas duas vezes em diferentes conexoes!

Na primeira vez que estivemos na Asia passamos varias vezes pelo Aeroporto LCCT de Kuala Lumpur (Low Cost Carrier Terminal), que rapidamente virou sinonimo de tedio, calor, confusao e desorganizacao.

Cada uma das (muitas) horas que passamos no LCCT em 2008 foram altamente torturantes e nao sobrou nenhuma memoria boa pra contar historia.

Entao ao planejar essa nova viagem, mais uma vez as conexoes no LCCT foram inevitaveis, mas eu fiz de tudo pra reduzir ao maximo nossa estadia por la.

Ate que logo na primeira conexao me dei conta das maravilhas que os anos, o progresso e desenvolviemento do turismo pode levar a um lugar!

Em apenas 3 anos o aeroporto foi talmente transformado e reformado!

Oque antes era um galpao imundo com funcionarios despreparados e salas de espera torturantes, hoje em dia eh um espaco novissimo e arejado, com uma infraestrutura de fazer inveja a muitos aeroportos Europeus!

Balcoes de informacoes, uma area para check in que triplicou de tamanho (principalmente na area da Air Asia! O fim das filas!), um segundo andar (que nao existia!) que filtra a confusao na imigracao e seguranca, e uma area de embarque que incluiu inumeras lojas, cafes e restaurantes, free shop, farmacia, wifi gratis e estacoes eletricas para recarregar seu laptop ou celular enquanto voce espera seu voo.

Oque um dia era um espaco escuro e quente, com cadeiras de plastico desconfortaveis, hoje em dia tem todo o conforto imaginavel!

Sei que eh um comentario bobo, mas fiquei feliz de ter feito parte dessa “transformacao”, de ter sido uma entre os milhoes de turistas que passaram por ali e levaram o desenvolvimento e o progresso pra esse cantinho da Asia.

Me lembrei dos meus ultimos anos na faculdade de Economia, quando desenvolvi uma tese/monografia que falava justamente sobre isso: o desenvolvimento economico criado pela industria do turismo, e o poder arrebatador de transformar regioes e mudar vidas!

 

E entre as muitas melhorias no terminal LCCT de Kuala Lumpur outra novidade foi a construcao do hotel Tune, que tambem faz parte da gigante low cost Air Asia.

O Tune Hotel esta espalhado por varias partes da Asia e do mundo (inclusive tem um Tunes em Londres – depois falo dele com calma!) e tem o mesmo principio da Air Asia: conforto com baixo custo, entao voce soh paga pelo que precisa e vai usar.

Funciona assim: voce reserva sua noite no hotel, que eh o basico do basico – incluindo apenas o quarto/cama com banheiro.

Ai voce pode comecar a selecionar todos os “extras” que gostaria de ter. Oque vc acha que nao vai precisar nem usar durante sua estadia, voce nao paga.

Entao eu adicionei em nossa diaria alguns extras como: toalha e sabonete liquido, ar condicionado e internet wifi.

Algumas outras opcoes, como TV a cabo, secador de cabelos, telefone e cafe da manha, deixei de fora, pois sabia que nao iria usar.

O processo foi facilimo! Fiz a reserva com meses de antecedencia (assim que reservei as passagens entre Cingapura e Xangai!) e paguei tudo on line.

Chegando no LCCT, logo depois de recolher a bagagem tem um quarto “modelo” do Tunes mostrando como sao os quartos por dentro e ensinando como acha-los.

Do lado de fora do hotel, na area de ponto de taxis e onibus, basta procurar pelas placas do transfer do hotel (que nao eh de graca, mas custa 2 Ringgit, o equivalente a apenas 0,50 de US$). O transfer passa para recolher passageiros a cada 15 minutos e o transfer ate o hotel demora menos de 5 minutos.

Na recepcao do Tunes, recebemos nosso cartao-chave do quarto 9que tambem controla extras como ar condicionado, TV etc), o kit com a toalha e a senha da internet, e pronto!

O quarto, como era de se imaginar, era minusculo! Mas muito mais confortavel doque muito albergue e hotel 2 estrelas que ja fiquei pelo mundo!

A cama macia e confortavel, o banheiro novissimo, limpo e com um chuveiro potente!

Uma mesinha “bandeja” aos pes da cama e conexao de wifi que funcionou super bem!

E no dia seguinte, acordamos super cedo pra pegar o voo seguinte – nao precisamos fazer check out nem nada. Descemos na hora do transfer certo e em minutos chegamos no terminal de embarque.

Mais tranquilo, facil e economico impossivel!

 

Categorias: China, Cingapura, Malasia, Viagens, Xangai
26
08
Feb
2012
Cingapura – É dos paises pequenos que vêm as maiores potências!
Escrito por Adriana Miller

Dificil comecar a falar de Cingapura sem cair no cliches desse pais tao pequeno e tao certinho!

Essa ilha, na pontinha sul da Malasia tem aos poucos se tornado um dos principais polos comerciais e economicos da Asia, e seu governo tem propositalmente feito tudo possivel para construir o pais do futuro.

La, tudo funciona. Mesmo. Oque nao funciona sera consertado em breve, e caso contrario, nada que uma boa multa nao resolva.

Sao pequenos detalhes, coisas que os mais reacionarios, ou os fans de qualquer tipo de “jeitinho”, ja ficariam de nariz torto, mas que fazem com que Cingapura se destaque de seus vizinhos Asiaticos e conquiste a confianca do resto do mundo.

Com certeza voce ja ouviu falar na lenda de que eh proibido mascar chiclete em Cingapura? Pois eh verdade!

Na verdade nao eh proibido mastigar chiclete, mas eh proibido vender chicletes e eh terminantemente proibido jogar seu chiclete (ou qualquer outro tipo de lixo, por falar nisso) no chao – e um flagra pode te custar alguns milhares em multas e umas horinhas na delegacia! Entao voce ate pode trazer seu vicio-sabor-menta preferido de outro pais, mas se mascar em publico, recebera olhares de reprovacao fulminantes!

(Eu tinha um pacote na bolsa – sou viciada! – e fiquei nervissisima na hora de passar na alfandega, entao falei pro guardinha que tinha uma pacotinho pela metade e ele me explicou as regras. Mas ainda assim nao tive coragem de mastigar chiclete a viagem toda!)

Outro vicio, que tem leis e regras semelhantes, oque faz com que Cingapura seja um destino arriscado para fumantes! Nao eh proibido fumar cigarro (nas areas permitidas, claro – que sao pouquissimas diga-se de passagem), mas eh proibidissimo importar cigarros de outros paises para Cingapura!

E voce ate pode fumar, desde que seja uma das marcas permitidas pelo governo. Ate ouvimos uma historia engracada de um colega da empresa do Aaron que foi “preso” por algumas horas pois o seguranca de um shopping viu que ele estava fumando uma marca estrangeira!

E sem falar nas dezenas de pessoas que vimos tendo suas compras do freeshop sendo confiscadas na alfandega na entrada do pais!

E se voce ja esta revirando os olhos pensando de como esse pais deve ser um saco, muito se enganou!

Essas leis e regras sao os pequenos detalhes que fazem com que um pais/cidade TAO internacional e que tem que conviver com TANTAS culturas tao diferentes entre si esteja entre os mais amigaveis e pacificos do mundo!

As ruas sao limpissimas, as pessoas educadissimas e muito prestativas, tudo funciona pontualmente! A seguranca da de mil e em nenhum momento voce se sentira como um turista indefeso sendo engada por alguem (sensacao bem comum na Asia…)!

Nos passamos apenas 3 dias em Cingapura, e adoramos! Voltaria facil facil outras muitas vezes, e inclusive moraria por la sem nem pestanejar!

As dicas praticas:

O Aeroporto de Cingapura eh novissimo, ultra moderno e ja ganhou inumeros premios de “o melhor aeroporto do mundo” – e sendo em Cingapura, nao dava pra esperar outra coisa!

Para entrar, Brasileiros, Americanos e Europeus nao precisam de visto: basta preencher o formulario de imigracao e esperar seu carimbo na fila de imigracao direto no aeroporto.

Para chegar ao centro de Cingapura, as opcoes tambem sao muitas, e super eficientes.

Voce pode pegar o MRT (a linha de metro de Cingapura) direto dentro do aeroporto ate o centro da cidade, ou entao utilizar os servicos de taxi tabelado – dependendo de onde voce estiver indo ou estiver hospedado o preco sera fixo, sem surpresas nem falcatruas.

E os taxis por la sao muito, muito baratos, entao nem sequer cogitamos a possibilidade de ficar se estressando com as mochilas no metro!

Os hoteis porem, sao carissimos, sendo mais caros inclusive que Hong Kong!

E como fomos em alta temporada, mesmo reservando hoteis com mais de 4 meses de antecedencia, ja nao demos sorte de achar nada central que fosse bom & baratinho, entao preferimos ficar um pouquinho mais afastados (porem com boa conexao de metro) e nos hospedamos no Arianna Hotel, em Little India, que eh um bairro super fofo e coloridinho (um dos musts em Cingapura!), mas eh um hotel estilo pensao/albergue bem pequeno e ultra basico apesar de reformado e limpo (mas eh daqueles que eh tao pequeno que o chuveiro fica em cima da privada, e com nossas mochilas no chao, mal tinhamos espaco pra pular da porta de entrada pra cama!). A cerca de 50€ a diaria, ele nao foi exatamente caro, mas definitivamente nao vale esse preco – mas ainda assim foi o melhor custo beneficio que conseguimos achar.

Mas recomendo pra quem quiser um bom servico, boa localizacao e precos acessiveis.

O servico de transporte publico eh otimo, com um MRT que chega em todos os cantos da ilha e taxis baratissimos, mas Cingapura eh bem pequena e voce vai fazer quase tudo a pe – entao se prepare pra andar MUITO e ficar muito cansado o tempo todo!

O que nao faltam sao muitissimas opcoes de coisas pra ver e fazer tanto de dia quanto de noite, e realmente nao tivemos descanso! Eram muitas atividades e cosias pra ver e conhecer e fazer todos os dias o dia todo… E depois de 3 dias por la, diria que definitivamente deveriamos ter ficado pelo menos o dobro!

A Lingua, segue o mesmo princio de que Cingapura esta se transformando e re-criando oque sera o pais-modelo do futuro, e verdadeiramente internacional.

A lingua historica eh um dialeto derivado do Malai, ja que antes de sua independencia, Cingapura era a pontinha sul da Malasia. Porem de uns anos pra ca, o governo “oficializou” o Ingles como a lingua administrativa oficial, entao eh a primeira lingua que as criancas aprendem na escola, eh a lingua usada em documentos oficiais, em sinais de transito, em formularios, jornais, legendas na TV etc.

Porem sem jamais esquecer sua populacao multi-cultural, e mantem e vive em inumeras outras linguas sub-oficiais. Entao o mais comum de se ver por Cingapura sao placas e sinais pelas ruas que na verdade trazem uma lista gigante de traducoes – por menor que seja o aviso na “lingua oficial” (Ingles), os cartazes acabam gigantes, pois eles incluem todas as principais linguas que atendem a maioria de sua populacao.

E eh justamente essa populacao multi-cultural que vai formando Cingapura no pais interessantissimo que eh.

Os cingapurianos “nativos” sao quase todos de etnicidade Malasia, porem os Indianos estao entre os primeirissimos extrangeiros a habitar o pais, e portanto tambem sao considerados “nativos” da ilha. E o mesmo eh verdadeiro para os Chineses, que se instalaram pela regiao ha centenas de anos atras e por ali ficaram.

Fast-forward muitos seculos e decadas, e hoje em dia sao os Europeus e Australianos (e ocidentais em geral) ocupando as ruas e criando suas “bolhas” de imigracao, com cada vez mais empresas multinacionais oferecendo oportunidades no pais, e cada vez mais estrangeiros expatriados querendo se beneficiar da qualidade de vida e das muitas oportunidades culturais e financeiras que Cingapura tem a oferecer.

E isso tudo somado ao Porto Naval mais movimentado e lucrativo do mundo, com um sistema financeiro rebusto e seguro, o comercio que vai de vento em popa, e a qualidade de vida altissima – realmente nao tem como negar que Cingapura realmente eh o pais-modelo do futuro!

E caso nao seja, eles rapidinho irao se transformar e construir esse tao futuro!

 

 

Categorias: Cingapura, Viagens
32
24
Jan
2012
Bali e Indonesia na pratica
Escrito por Adriana Miller

Os dias que passamos em Bali froam sem sombra de duvidas os mais relaxantes que tivemos em nossas ferias – mas ao mesmo tempo, viajar por essa minuscula ilha tem sua dose de estresse, e como em qualquer lugar do mundo, quando mais preparado voce estiver, melhor!

- Vistos:

Comecando pelo principio, a Indonesia requer visto a todos os seus visitantes, sendo que a maioria dos paises (inclusive Europeus, Americanos e Brasileiros) nao precisam aplicar oara vistos com antecedencia e eles sao concedidos na sua primeira entrada no pais.

Voce tera que preencher um formulario de imigracao (que provavelmente sera distribuido em seu voo) bem basico, e pagar a taxa do visto, que custa US$25.

A dica pra quem entra no pais via Bali eh ficar atento a ordem das coisas. O balcão para “compra” do visto eh diferente do balcão de imigracao, e na verdade eles ficam em lados opostos do salao de desembarque.

Muita gente saiu correndo pra entrar na fila da imigracao, e foram recusados quando chegou sua vez, tendo que voltar pra comprar seu visto e depois voltar pro final da fila.

As sinalizacoes nao sao muito obvias – por sorte eu dei uma olhadinha pra cima e vi uma plaquinha pequena indicando o balcao pra compra de vistos (e como tinha feito uma pesquisa sobre vistos antes da viagem, sabia que teriamos que pagar na entrada, e geralmente eh assim que funciona em outros lugares que seguem o mesmo sistema).

O visto custa US$25 ou equivalente (por exemplo 20€ ou 17£), em dinheiro vivo apenas. Nos esquecemos desse detalhe, e como eles nao aceitam cartoes (nem debito nem credito) acabamos tento que ir juntando dinheiro em varias moedas pra cobrir o valor (vexame mor!). Acabamos pagando o meu visto em libras e o do Aaron parte em Euros, parte em HK dollars! Entao deixe uma quantia ja separadinha pro seu visto (principalmente se vc, como nos, estiver fazendo uma viagem pinga-pinga envolvendo varias moedas diferentes).

Os caixa eletronicos ficam depois da imigracao, entao nao sei oque aconteceria se alguem nao tivesse dinheiro vivo pra pagar o visto…. tenso!

A imigracao foi tranquila, e uma vez com o visto “comprado” na mao, eles apenas colam no seu passaporte (voce precisa de pelo menos uma pagina inteira “livre” no passaporte) e carimbam a data de entrada e seu limite de permanencia, sem praticamente enm olhar na sua cara.

Outra dica e “aviso”: as falcatruas rolam solto em Bali, ate mesmo (e principalmente) dentro do aeroporto. Existem varios “funcionarios” uniformizados que te ajudaram sem nem pedir, que simplesmente vao sair carregando suas coisas, e claro, so vao devolve-las mediante pagamento de uma “propina”.

Eu quase cai nessa – enquanto tentava equilibrar bolsa, passaportes, guardar o dinheiro recem sacado no bolso e retirar minha mochila da esteira de bagagem, uma carinha uniformizado apareceu do nada pra me ajudar. De primeiro relance achei mesmo que fosse alguem do aeroporto, e em questoes de segundos ele ja estava carregando minha mala pra fora da area de embarque, sem nem ao menos passar pela alfandega – isso tudo sob os olhares complacentes do guardinha da alfandega que nao fez nem falou nada, apenas deixou ele passar pelo “lado” da barreira.

Imediatamente segurei a mochila pelas alcas e o Aaron bloqueo a passagem dele, e so entao ele apontou para a plaquinha “Porter” (ajudante) em seu uniforme e fez o sinal de dinheiro com os dedos.

Por sorte foi tudo muito, muito rapido, e estavamos juntos, entao conseguimos nos desvencilhar da “ajuda” sem problemas e sem complicacoes, mas foi uma susto!

Nao chega a ser perigoso, pois nao foi uma situacao de furto (e na verdade vimos muita gente usando o servico dos porters), mas nao tem nada pior doque essas ajudas nao solicitadas em troca de dinheiro que voce se sente forcado – a acuado – a dar.

- Chegando do aeroporto a qualquer lugar da ilha:

Pra comecar, Bali eh muito barato. Mas tambem pode sair MUITO caro se voce nao ficar esperto.

Geralmente eu sempre peco pro hotel organizar um pick up/transfer pra gente, mas sabia que os taxis em Bali eram baratos entao nem me preocupei.

Nessas situacoes (na verdade, sempre neh?) sempre pegue apenas taxis oficiais do aeroporto, no balcao oficial de taxis. Entao fomos seguindo as plaquinhas, ate que avistamos a fila quilometrica no (unico!) balcao de taxi.

Ja estava de noite, ja estava escuro, com um calor dos diabos e a fila nao andava.

Entao os taxistas nao-oficial nao deram descanso… “pra que esperar na fila…? Te levo no seu hotel por 50 dolares!”; “No meu carro eu faco por 30, mais uma taxa pra malas…!” e por ai vai.

Como sou desonfiada com essas coisas, nao sacumbi as reclamacoes de cansaco do Aaron e ficamos na fila esperando nossa vez.

Resultado? Com o taxi oficial do aeroporto pagamos miseros 7 dolares pra ir do Aeroporto ao nosso hotel (cerca de 1 hora de distancia) em vez de cair no conto dos 50 dolares!

E dento do balcao de taxis deu pra ver a tabelinha de precos, e todas as praias e os principais resorts sao tabelados, entao voce ja sabe quanto vai pagar. O pagamento eh no balcao, onde voce recebe um recibo com o endereco do seu hotel e um outro funcionario te acompanha ate seu taxi. Entao no final da corrida, a unica transacao em dinheiro eh uma pequena gorjeta ao motorista.

- Navegando pela Ilha:

Tudo bem que proporcionalmente, Bali eh uma ilha pequena e facil de se conhecer. mas a realidade eh que por mais epquena que seja, voce poderia gastar, facil, umas 5 horas pra cruzar a ilha de ponta a ponta, e se der azar com o transito esse trajeto facilmente sobe pra 8 horas!

E acredite, suas chances de pegar um transito fenomenal sao altissimas! (pegamos vaaaaaarios, de arrancar os cabelos!)

O transito eh caotico, as estradas sao estreitas, as motocicletas estao em todos-os-cantos (imagina os moto boys de SP no horario do rush multiplicado por um zilhao!) e ninguem, repito, ninguem respeita sinal de transito nem rega nenhuma.

Eu tinha lido alguns outros blogs falando de como era barato alugar carro em Bali, ou como era divertido alugar uma lambreta… ja na corrida entre o aeroporto pro hotel decidimos que nem sequer cogitariamos essa hipotese, tamanho o caos (que claro, super potencializado e piorado por ser nas vesperas do ano novo).

A verdadeira melhor opcao pra desbravar Bali sem riscos nem stress? Contratar um motorista.

Ja mesmo no aeroporto, pegamos um monte de folhetos de agencias, passeios e excursoes pela ilha, e todos eles ofereciam o servico de carro + motorista fluente em Ingles por X horas. Depois uma pesquisada rapidinha, vimos que todos os precos sao meio tabelados, entao pra garantir, seguimos a recomendacao do nosso hotel: carro novissimo, confortavel, ar condicionado (amem!) potente e um motorista simpaticissimo!

Gostamos tanto do Roby no nosso primeiro dia, que acabamos contratanto ele mais 3 vezes durante nossa estadia!

Eu e Roby em Ubud

Ele presta servico pro hotel que ficamos, mas tambem faz servicos de motorista-guia por conta propria, entao pra entrar em contato com ele: wayanrobyparwantoroby@yahoo.com ou pelo telefone (local) +005739149394

Os precos na epoca do revellion 2011/2012 ficavam entre 35 a 60 dolares (dependendo se vc queria o carro por 5 horas a 12 horas), incluindo o carro, motorista/guia, gasolina e pedagios.

Descartamos todas as opcoes de excursoes e passeios por agencias pois sempre acabavam saindo mais caro doque o aluguel do carro + motorista, e os programas nunca eram exatamente oque queriamos.

Mas tem que fazer o dever de casa e saber oque voce quer ver, quando e qual roteiro voce quer fazer (vou relatar os meus roteiros nos proximos posts). O Roby ate nos deu sugestoes, e tal, pra potencializar nossos dias, mas de maneira geral, ele estava ali apenas pra nos guiar pela ilha, e seguiu todas as nossas cordenadas.

Para entrar em contato com o Roby (super recomendo!): wayanrobyparwanturoby@yahoo.com ou pelo telefone (local) +005739149394

- O tal do ”exotismo”:

Uma das minhas decepcoes foi justamente a falta de “exotismo” da ilha.

Talvez eu tivesse idealizado demais Bali em comparacao com a Tailandia, por exemplo. Talvez tudo tenha sido piorado por ser tao altissima temporada… nao sei.

Mas a verdade eh que Bali hoje em dia eh uma metropole, porem sem a infraestrutura de uma metropole.

As vezes ate esqueciamos que estavamos na Asia, tamanha a aquantidade de turistas (principalmente Australianos!), ouvimos a lingua local pouquissimas vezes, e na superficie, Bali simplesmente nao me pareceu muito original.

Claro que tem os templos, o lado encantador e preservado da Ilha. Mas ainda assim, provavelmente voce vai poder beber seu double-expresso-double-mocha-vanilla-cream latte no Starbuck bem ao lado, comprar seu souvenir em formato falico, ou os “artesanatos” que leem “Comer Rezar Amar”, como se fosse a coisa mais original que a ailha jamais produziu.

Entoa tem que procurar, e estar na disposicao de que realmente querer se meter no mato e descobriu uma pouco mais doque ainda sobra da Bali de outrora, aquela ilha paradisiaca cercada de praias lindas por todos os lados.

 - As praias:

E por falar nisso, um aviso: as praias sao pessimas!

A nao ser que voce nao pretenda sair da agua do mar, seja pelo surfe, ou seja pelo mergulho, nao tenha grabndes expectativas sobre Bali.

Eu meio que ja tinha ouvido falar que as praias de Bali nao sao tao boas, mas pro Aaron foi uma grnadissima decepcao.

Muita sugeira. MUITOS vendedores ambulantes, secoes inteiras “particularizadas” (ilegalmente, claro) pelos resorts de luxo. Por sorte ficamos num hotel muito legal que tinham duas piscinas otimas – acho que nao passamos mais que 2 horas na praia durante toda a semana que ficamos em Bali.

Entao Bali deve ser encarada muito mais como uma viagem cultural doque uma viagem de “praia”, principalmente pra Brasileiros que tem acesso as melhores praias do mundo aos nossos pes!

Mas por outro lado, se voce gosta de mergulhar ou de surfar, sua impressao da ilha com certeza sera diferente!

- Compras e comidas:

Nos ficamos hospedados em Seynimiak, oque eh uma das melhores regioes do sul da ilha: um centrinho super charmoso, muitas opcoes de bons hoteis, otimos bares e restaurantes, uma praia rasoavel (a melhor pra quem quer “fazer” praia na verdade) e muitas lojinhas.

Mas sinceramente senti falta de mais autenticidade. Senti falta de uma lojinha de artesanato aqui ou ali. Um restaurante com comida tipica, uma rua coma “autenticidade” ou arquitetura charmosa…

Afinal nao se cruza meio mundo apenas pra fazer figuracao no Champagne Bar da moda, nem comprar Havaianas, ou camiseta Billabong, comer pizza italiana, e roupas de marcas Autralianas!

Claro que isso tudo eh uma delicia, e esses “confortos de casa” sao muito bem vindos quando se esta tao longe por tanto tempo, mas o tempo todo que estavamos por al, eu fiquei com aquela sensacao de que “ainda nao vi Bali” (e sim, exploramos muito, demais o interior e as outras partes da ilha. E nao, nem chegamos perto de Kuta.).

Quanto a comida, como disse, tivemos poucas oportunidades de prova-la, mas oque encontramos, comi e adorei!

De maneira geral, a comida Balinesa (que eh ao mesmo tempo muito parecida com a culinaria do resto da Indonesia, mas que tem sua personalidade propria) segu e alinha “Asiatica” da coisa, com muito arroz, noodles, vegetais e frutos do mar.

Na verdade, me lembrou demais a comida do Camboja, que volta e meia vinha com um ovo frito por cima de tudo (e qualquer coisa) e tem um tempero mais suave e menos picante que a Tailandesa, por exemplo.

Mas eles tambem incluem uma quantidade incrivel de carne de pato em seus pratos tradicionais, inclusive seu prato mais tipico, tradicional e especial eh o Bebek Betutu, um pato assado num periodo de 24 horas em estilo slow cook horas, num forno de chao especial e cheio de ervas e temperos!.

So consegui a achar essa iguaria em um lugar, em Ubud, e realmente estava sensacional!

Mas nesse quesito, acho mesmo que a regiao da ilha em que voce escolher se hospedar vai ter o maior impacto na “autenticidade” de sua experiencia: em Seyniiamk, rola uma vibe mais “trendy”, de modinha e com um publico alvo mais jovem, com um estilo meio Rua das Pedras em Buzios. Em Kuta, eh a area dos mochileiros Australiano peh rapados, entao rolam muito fast food, umas baladas bem fuleiras, e ja ouvi muitos relatos de roubos e violencia (foi la tambem que explodiu uma bomba em 2005 matando dezenas de turistas). Ja em Ubud tem um vibe mais familia, casais mais velhos, um clima mais de “retreat”, muito resort com campo de golfe, yoga e meditacao e tals – mas foi la onde vimos as opcoes mais “autenticas” de comida e lojinhas em toda ilha!

- Indo embora:

Além do visto na entrada do pais, a Indonesia tambem cobra uma taxa de saida, de Rp 150.000 paga apenas em dinheiro vivo na moeda local.

A taxa é paga diretamente para a policia de imigraçao, antes de passar pelo policia e segurança do aeroporto.

Ah! Mas antes mesmo de entrar no aeroporto, toda sua bagagem tem que passar por um detector de metais, e apenas passageiros podem entrar na are de check in do aeroporto – então fique com as informacoes do seu voo a mao, pra poder provar que voce eh passageiro.

 

- Religião:

Ao contrario do resto do pais (que é muçulmano), Bali é majoritariamente, Hindu.

O “estilo” do hinduismo  (tenho certeza que essa é a expressão errada) de Bali é bastante diferente doque vimos na India, por exemplo. Talvez seja a influencia do Busismo presente no resto da região (e minoritariamente tambem presente em Bali), mas os templos de Bali – chamados “Pura” – são super diferentes e únicos.

Geralmente a entrada principal do templo sempre tem um portão dividido que se chama “Candi Bentar” e significa ao mesmo tempo uma entrada elevada, mas tambem simboliza os tipos de templos e a separação das areas de oração e meditação.

Como muito comum em monumentos religiosos, a regra geral é que suas roupas sejam discretas e o mais cobertas possivel.

Infelizmente, muita vezes isso é muito dificil de manter, por causa do calor, da umidade e pelo clima de praia da ilha (no resto da ilha voce pode se vestir como quiser), mas todos os templos que fomos tinham saris/cangas a disposição dos turistas (homens e mulheres) para serem usados antes de entrar no templo, cobrindo suas pernas.

Se voce preferir, basta usar saias compridas (mulheres) ou calças (homens). Desde cubra seu joelho, geralmente é o suficiente.

Categorias: Bali, Indonésia, Viagens
51
20
Jan
2012
Como ir de Hong Kong a Macau?
Escrito por Adriana Miller

Macau e Hong Kong sao regioes administrativas vizinhas no sul da China, e cada qual com seus atrativos, tem atraido cada vez mais visitantes, tanto dentro da China quanto do mundo todo.

Se por acaso voce for visitar uma das duas cidades, provavelmente a outra tambem vai acabar entrando no seu roteiro. Seja sua intencao passar alguns dias em uma ilha ou outra, ou simplesmente fazer um bate volta rapido!

E realmente nao tem como evitar. Sao internacionais o suficiente pra nao assustar os China-fobicos, porem exoticas e diferentes o suficiente pra atrair os que gostam do diferente (tanto para Chineses e Asiaticos quanto para Ocidentais). Alem de ser incrivelmente facil de viajar entre as duas cidades!

Existem duas maneiras de viajar entre as duas regioes: Se vc tiver pouco tempo e muito dinheiro, servicos de helicoptero estao a sua diposicao a qualquer hora do dia, fazendo o trajeto em apenas 20 minutos.

Porem se vc tem um pouco mais de tempo e pouco dinheiro, um ferry moderno e confortabilissimo te leva de uma regiao a outra em cerca de 1 hora por modesto 15 dolares.

Um terceira opcao, por terra tambem eh possivel, mas isso significa cruzar a China “de verdade” por terra (trens ou onibus) oque nao eh recomendavel, a nao ser que vc tem visto de residente e livre transito entre as regioes – ou seja, nao eh um metodo valido para turistas.

O ferry foi o transporte que utilizamos e nao poderia ter sido melhor.

As barcas saem de cada terminal a cada 30 minutos, 24 horas por dia e as passagens nao precisam ser compradas com antecedencia (a oferta eh muito maior que a demanda – pelo menos em epocas normais de turismo).

Pegamos uma taxi ate o terminal de ferries de Macau em Hong Kong e fomos direto para o guiche de passagens no terceiro andar. O proximo trem saia dai a 15 minutos, compramos duas passagens soh de ida, e pronto!

Tambem eh possivel comprar sua passagem nas maquinhas automaticas espalhadas pelo terminal.

Sao duas empresas principais que fazem o trajeto, a TurboJet conecta HK a ilha principal de Macau (que se chama Macau) e a linha Cotai Jet Ferry que conecta HK a ilha Taipa, que eh a segunda ilha que faz parte da regiao adminstrativa de Macau, e onde os novos cassinos estao sendo construidos (mais sobre isso em breve).

A viagem eh tranquilissima, o ferry eh confortavel e o servico excelente!

Quem estiver viajando com bagagem volumosa existe um servico para despachar malas, ou entao voce pode carregar sua bagagem com voce e deixa-las num compartimento especial dentro do ferry. Como nos viajamos com mochilas, achamos mais pratico (e mais rapido pra embarcar e desembarcar) carregar nossas coisas e deixar nossa bagagem sob nossas vistas dentro do barco mesmo.

Eles tambem tem um servico de entretenimento de bordo, assim como bebidas e comidas a venda.

Uma vez chegando em Macau, tivemos que passar pela imigracao e alfandega, pois apesar de tecnicamente tanto macau quanto Hong Kong nao serem mais paises independentes e serem parte da Republica Chinesa, esses dois territorios sao independentes administrativamente, portanto nao exigem vistos de seus visitantes.

Para meu deleite o formulario de imigracao era em Portugues (com traducoes para Ingles e Chines)!!! Assim como as plaquinhas de “Bem vindo a Macau!” por todos os lados!

Ao sair da area de alfandega, o temrinal de barcas de Macau tambem eh super novo e moderno, com uma balcao de “Informacoes Turisticas” (em bom portugues) onde voce pode pegar mapas e informacoes de graca, alem de varios caixas eletronicos (que aceitam cartoes internacionais) onde eh possivel sacard inheiro tanto em Hong Kong Dollars quanto em Macau Patacas.

As moedas sao diferentes, mas ambas igualmente aceitaveis em Macau e com a mesma conversao de cambio. usamos as duas e nunca tivemos problema algum, muitas vezes ate pagando contas parte em HK Dollars, parte em Patacas.

A grande dica que descobrimos no balcao de informacoes turisticas eh que os grandes hoteis e cassinos de ambas as ilhas (Macau e Taipa) oferecem servico de translado gratix, em onibus confortaveis que coincidem perfeitamente com todos os horarios de ferries.

E mesmo que voce va se hospedar na ilha Taipa, mas pegou um ferry pra Macau (ou vice versa), ainda assim o seu hotel (se estiver entre os principais hoteis e cassinos) tera um servico de translado! Basta seguir as plaquinhas e pronto! Nao eh preciso fazer reservas nem nada e o onibus te deixara diretamente na entrada de check in do seu hotel.

 

 

Categorias: China, Hong Kong, Macau, Viagens
15
19
Jan
2012
Macau: Chinesa, ops…, Portuguesa, com certeza!
Escrito por Adriana Miller

Existem alguns lugares no mundo que podem ate nao fazer parte da sua listinha imediata de viagem a fazer, mas que sem perceber habitam no seu inconsciente viajistico.

Seja por um desejo de infancia (como visitar o cenario de um filme favorito de infancia), seja por ter se apaixonado por uma imagem, ou depois de ter lido um livro.

No meu caso, alguns dos lugares que tem esse sabor especial de “sonho realizado” sao as antigas colonias Portuguesas. Eu tenho muito orgulho de minha descendência e a historia da minha familia, alem de ter tido minha formacao escolar (todo o ensino medio e parte do segundo grau) em Portugal.

Minhas materias preferidas sempre foram historia e geografia, e entao eu me deliciava com as historias e relatos dos grandes explorados e descobridores Portugueses, os mapas da colonias, os textos de Luis de Camoes e Gil Vicente e aquele imaginario “exotico” de pensar, por exemplo, em um pedacinho da China que fala Portugues!

E eu me senti assim, embasbacada com a aula de geografia quando me vi cara a cara com o Cabo da Boa Esperanca na Africa do Sul ano passado.

Entao quando surgiu a oportunidade de incluir Macau no nosso roteiro Asiatico, nao pensei duas vezes! Ok, ok que a intencao da viagem foi muito menos nobre doque isso, mas ainda assim nao contive o orgulho de finalmente conhecer essa antiga Colonia.

E o engracado foi que ainda na estacao de barcas em Hong Kong eu rapidinho, inconcientemente achei o caminho certo para o guiche de tickets, enquanto o aaron ainda estava meio perdido sem saber pra onde ir e me questionou “como voce pode ter certeza?!”, e ai que me dei conta: As placas nos davam indicacoes em Portugues e Chines e o chip do meu cerebro imediatamente se confortou na lingua nativa e eu nem me dei conta que eu estava lendo Portugues enquanto o Aaron ainda estava buscando informacoes em Ingles (ja que ainda estavamos em Hong Kong e por la tudo aparece em Ingles e Chines).

Que sensacao surreal! Ler placas com frases como “Balcao de informacoes Turisticas de Macau”, ou “Venda de bilhetes”, “Alfandega e Imigracao” e o confortante “Bem vindo a Macau!”, assim, em bom Portugues!

A Verdade eh que o Portugues ja nao eh mais falado na cidade (Assim como Hong Kong, Macau tambem eh uma Regiao Administrativa Especial que faz parte integram da Republica Popular da China desde 1999), porem a nossa querida lingua “exotica” permanece a lingua administrativa oficial da regiao, pelo menos ate 2049, de acordo com o acordo Sino-Lusitano assinado entre os dois paises quando Portugal devolveu a Colonia a China.

Mas nao da pra negar que macau eh uma cidade Portuguesa com certeza!

As referencias estao por todos os lados – do formulario da imigracao, ao carimbo de entrada, ao nomes das lojas, das ruas… Tudo!

Eu achei aquilo tudo uma comedia, pois afinal como voce traduz o nome da rua “Estrada da Baia de Nossa Senhora, sem numero” para Chines?!?!

Queria muito, MUITO saber Mandarin fluente, ou entao ter coragem de chegar num Chines e perguntar que diabos aquela traducao realmente significa?!?! Acho dificil que as traducoes sejam tao literais…

Mas algumas sao hilarias- e meio Tabajara - Eu adorei a “Holy House of Mercy” (numa plaquinha com o nome em Portugues e a traducao para Chines e Ingles) indicando a praca da Santa casa da Misericordia!

Apesar de todo gltiz & glamour e as luzes de neon dos cassinos, Macau conserva um centrinho historico, ancorado em suas raizes Portuguesas que eh uma cosia fofissima!

Chega a ter ate um clima meio fake, meio parque de diversoes, e da pra notar que a sensacao eh comum a todos os outros turistas… como se fosse a sessao “little Portugal” do Epicot Center no meio de uma cidade Asiatica.

Um pedacinho (tao tipico e tradicional que se torna quase irreal!) da Europa e de Portugal depositado aleatoriamente nessa ilha no sul da China.

Seja pela Igreja de Sao Pedro, ou o Palacio do Senado… a Santa Casa da Misericordia ou o Forto dos Artilheiros. Todos ornados com as calcadas de pedrinhas Portuguesas, com suas curvas em preto e branco e ilustracoes com motivos marinhos, ressaltando ou grandes feitos dos exploradores e o talento nautico Lusitano de outrora!

O auge do turismo Colonial de Macau, e o simbolo da cidade eh sem duvidas as ruinas da Catedral de Sao Paulo, datada de 1600, mas que foi destruida por um incendio em 1835. Hoje em dia soh sobrou a fachada da igreja barroca, oque a torna incrivelmente unica e impossivel nao focar todas as lentes pra la!

Ultimamente Macau tem recebido muito mais atencao internacional devido a seus cassinos doque sua historial colonial, mas adorei ver que a historia da ilha permance muito bem preservada e exibida com orgulho – ainda que seja apenas por sua diferenca tao gritante do resto do pais.

 

Categorias: China, Macau, Viagens
16
18
Jan
2012
S.A.L.: Milhas, milhagem e fidelidade. Oque vale a pena?
Escrito por Adriana Miller

Enquanto eu nao edito e organizo as mais de 3 mil fotos tiradas durante a viagem a Asia e novos posts nao saem do forno, resolvi escrever sobre um assunto que muita gente me pergunta, mas ainda nao sei se tenho alguma opiniao inedita ou dica infalivel pra dar…

Essas sao algumas dicas sobre oque eu faco, e oque tem dado certo pra mim e meu estilo de viagens.

Alem disso, por coincidencia, na ultima noite que passamos em Pequim, assisti um programa na BBC que falava sobre milhagens, e pintava um cenario onde progrmamas de milhagem sao pura falcatrua, e eu discordo totalmente. Entao queridos leitores, malzae, mas resolvi dar minha opiniao tambem!

Pra comecar, acho que devemos levar algumas coisas em consideracao. Uma vez que voce analisa e entende os diferentes aspectos e vantagens de ser fiel a um determinado programa aereo, tudo faz mais sentido, as recompensas se tornam melhores, e entao tudo faz sentido.

- Acumulando milhas:

Eu pessoalmente acho que um dos principais problemas em toda essa questao de “milhagem”, eh que a maioria dos viajantes foca demais na milhagem propriamente dita.

Sim, sempre vale a pena se cadastrar e ter seu cartaozinho de milhagem, mas cuidado pra nao cair no buraco negro das centenas de cias aereas disponiveis no mundo.

Pode ate soar um pouco sem sentido, mas a verdade eh que quantos menos programas de fidelidade voce fizer parte, mais facil sera de acumular milhas.

Afinal, 1.000 milhas aqui, 5.000 acolah nunca vao te levar a lugar nenhum. Mas se todas as suas milhas estiverem concentradas na mesma cia, ou no mesmo grupo de cias (por exemplo a Star Alliance, OneWorld, SkyTeam), ai sim fica mais facil de colher as recompensas.

Eu possuo apenas dois cartoes, o da British Airways, que faz parte do grupo OneWorld, e da Continental, que faz parte da Star Alliance. O programa da BA pra mim, eh o principal pois eh a empresa “da casa” na Inglaterra, mas como a Star Alliance eh enorme e as vezes nao da pra evita-los, eu tambem mantanho minha afiliacao por la.

Como saber qual a melhor pra voce? Facil. Sempre de preferencia pra compania “da casa”, pois a probabilidade de que a maioria dos voos saindo de sua cidade sejam dessa empresa, do que empresas aleatorias de outros paises, alem de voce poder tirar vantagem de outros beneficios locais (como cartoes de credito, grupo de compras, etc).

Entao no meu caso a melhor cia para se afiliar eh a British Airways. Se voce mora no Brasil, talvez seja a TAM. Se mora na Alemanha, a Luftansa. Na Franca, a Air France, e assim por diante.

E considero que oque devemos dar mais importancia eh na verdade o grupo e alianca de cias aereas, e nao cada compania individual.

Entao antes de comprar uma passagem qualquer, eu faco o dever de casa e descubro qual grupo cada cia faz parte, e baseio minhas decisoes nisso.

Por exemplo, quando viajo pro Brasil, geralmente os voos da British Airways sao os mais caros, mas se tenho que optar por outra cia, digamos, a Iberia ou a Air France, sempre que possivel dou preferencia a Iberia, que faz parte do mesmo grupo que a BA.

Entao eu sei que posso acumular milhas (e colher vantagens) pela One World quando viajo Iberia, ou American Airlines, por exemplo. E posso acumular minhas pela Star Alliance quando viajo Tam, United ou BMI, por exemplo.

Mas se pensarmos e focarmos os esforcos apenas nas milhas, o processo se torna incrivelmente frustrante.

Porque pensa bem: mesmo quem viaja muito, a trabalho digamos, e tenha que fazer a ponte aerea RJ-SP todas as semanas (ou digamos Londres-Paris). Cada uma dessas viagens acumula miseras 500 milhas em media.

Ai voce viaja dezenas de vezes ao longo do ano, acha que tem um monte de milhas acumuladas, e vai dar uma olhada nas possibilidades de resgate: uma passagem Europa – America no Norte nao sai por mesno de 50.000 milhas.

Ou seja, eu preciso ir a Paris 100 vezes antes de poder fazer uma unica viagem para os EUA. E sem contar claro, com o lance das datas de black out, numero limitado de assentos por voo, etc.

Entao pra mim hoje em dia a vantagem de fazer parte dos programas de milhagem vai muito alem das milhas.

Outra tecnica eh usar bastante de outros metodos de acumulacao de milhas oferecidos pelas cias aereas.

Por exemplo, no meu caso, mesmo viajando praticamente todas as semanas a trabalho, acumular milhas em viagens curtinhas dentro da Europa eh impossivel.

Entao eu tambem uso o cartao de credito da British Airways. Eh o unico que eu uso, e tento usar pra absolutamente tudo.

Existem tipos diferentes de cartoes etc, o meu, me da cerca de 2 milhas para cada Libra gasta. Entao eu faco questao de pagar todos os meus gastos possiveis com o tal cartao.

Para nao perder a nocao da coisa, eu tambem uso bastante a App deles pro iPhone, e assim vou checando, todas as semanas meus gastos, e ja vou pagando tudo direto, sem deixar acumular juros nem taxas. Entao na verdade hoje em dia, eu acabo usando meu cartao de credito como cartao de debito, sem ter essa coisa de esperar a fatura vencer nem nada, mas entao sem esforco, e sem sair de casa, ganho centenas de milhas todos os meses.

(P.S. Muito cuidado pra nao cair na armadilha do cartao de credito, e usar demais seu “credito”, ou seja, nao gaste mais doque voce ganha, se nao, apesar de ganhar algumas milhas, voce acba pagando mais de juros doque o preco de uma passagem aerea! Ja falei sobre o planejamento financeiro pra viagens aqui)

Outra cosia que a British Airways tem que eu tento usar sempre que possivel, eh a sua loja virtual. Ao seguir o link dentro do site deles, eu acesso uma lista de lojas e sites Inglesas que fazem venda on line e dao milhas por sua compra.

Algumas dessas lojas chegam a dar 8 milhas por Libra gasta (ou seja, se vc comprar algo que custa 120 Libras, ganharam quase tantas milhas que duas viagens ida e volta a Paris! Ja outras lojas oferencem uma premiacao unica. Quando resolvi renovar meu contrato de celular, fiz tudo on line, via o site da BA e por isso a Phones4U me deu um premio de 3.000 milhas – mais doque eu ganharia em duas viagens ida e volta a Madrid!

Uma outra tecnica tambem muito eficaz (principalmente nas viagens a trabalho) eh se afiliar a redes de hoteis, que geralmente te dao a opcao de acumular pontos convertidos em milhas da compania X ou pontos de hoteis. Eu pessoalmente prefiro converter meus pontos Starwoods e Marriott em milhas da BA, e geralmente acabao ganhando mais milhas por causa da estadia em hoteis dessas redes doque com o voo.

Ou seja, apesar de viajar muito, muito mais que a grande maioria das pessoas, acumular milhas apenas dependendo das viagens eh praticamente impossivel – entao eu faco uso de todos os meios possiveis pra ir acumulando por outras vias.

- Acumulando Pontos:

Outra coisa que sempre presto atencao sao os tais dos “pontos”. A BA os chama de “Tier Points”,  e a Continental os chama de “Elite Points”, e quase todas as cias aereas tem algum equivalente proprio.

Sao esses tais pontos que diferenciam as milhas aucmuladas em viagens, e as milhas acumuladas via outroas meios.

Entao eu ate posso ganhar 3 mil milhas numa transacao on line, mas nao ganho Tier Points nenhum. Por outro lado quando viajo a Paris ou Madrid, ganho apenas cerca de 500 milhas, mas em compensacao ganho 40 pontos.

E sao esses pontos que vao acumulando e diferenciando seu nivel de “fidelidade”, que por sua vez te da um cartao de “cor diferente”, e principalmente um status diferenciado dentro da compania.

Ou seja, todo mundo pode se cadastrar on line em determinado programa de milhagem, mas apenas os viajantes frequentes acumulam pontos, e eh exatamente isso que as cias aereas prestam atencao na hora de te recompensar por sua fidelidade.

- Como saber como e quando ”gastar” as milhas?

Claro que acumular milhas, e poder viajar “de graca” eh o sonho de todo mundo que ja se cadastrou num programa de milhagem, mas infelizmente a coisa nao eh tao simples.

Geralmente eh muito dificil achar vaga nos voos que voce quer, e apesar da passagem ser de graca voce ainda tem que pagar todas as taxas e impostos, oque muitas vezes significa que a diferenca de precos nao eh tao grande assim, e voce alem de gastar uma grana preta, ainda vai “perder” todas as suas milhas.

Entao geralmente eu so considero uma vantagem gastar minhas milhas quando a diferenca entre o preco da passagem total e o preco das taxas a serem pagas vale a pena.

Na nossa viagem pra Asia essa troca valeu a pena, pois por termos pagos apenas as taxas de embarque e impostos ao utilizar minhas milhas, o preco final ficou cerca de 1/3 do preco de uma passagem comprada.

Ja para viagens aos EUA (que geralmente sao bem baratas saindo de Londres) isso nao vale a pena, pois a quantidade de milhas eh muito alta, e no fim das contas a diferenca de preco a ser pago fica na casa dos 100 a 200 Libras. Entao nessa caso, prefiro pagar a diferenca, acumular mais milhas, e principalmente, acumular mais pontos.

Ou seja, mesmo tendo centenas de milhares de milhas acumuladas, sua viagem nunca vai ser verdadeiramente “de graca”, pois voce sempre tera que pagar os extras por conta propria.

- Mas entao, qual eh a verdadeira vantagem de fazer parte de programas de milhagem?

No meu caso, a verdadeira vantagem de manter minha fidelidade ao programa de milhagem (que no meus caso eh o da British Airways) sao as regalias que fui acumulando ao longo dos anos e das muitas viagens.

Lounge da BA pre-voo

Hoje em dia eu tenho acesso a dezenas de lounges executivos em aeroportos no mundo todo (mesmo quando viajando de Economica), posso fazer cheack in no balcao da primeira classe (mesmo viajando de economica) e posso embarcar primeiro que todo mundo, no grupo “preferncial”. Ou entao passo pela fila do “fast track” na area de seguranca dos aeroportos.

Alem de claro, sempre ter direito a despachar mais malas (o normal para voos saindo da Europa eh sempre apenas 1 mala de 23 quilos), oque eh uma grande vantagem principalmente em voos para o Brasil ou EUA por exemplo (como aconteceu nessa viagem aqui onde me perguntaram sobre a mala extra e o progrmaa de milhagem)

Entao por ser recompensada e ter todas as essas regalias, a British Airways acaba conquistando ainda mais minha fidelidade, pois eu sei que viajar com eles (ou seus afiliados) me dara vantagens e uma moleza que podem transformar uma viagem transatlantica de um pesadelo, a uma experiencia prazerosa e confortavel.

E por isso mesmo, se as vezes tenho que pagar uns dolareas a mais, aqui ou ali, pra viajar numa das cias aereas do grupo, eu sei que no fim das contas vale a pena, em vezes de sempre ficar de olho apenas no preco final.

E eh tambem esse tipo de fidelidade que acaba sendo recompensada de outras maneiras, como os famigerados upgrades.

Upgrade da British Airways

Eu sei que existem trocentos posts em centenas de blogs dando “dicas” de como conseguir um upgrade nas cias aereas, mas a verdade eh que isso soh acontece em duas situacaoes: ou vc da muita sorte; ou voce esta bem cotado no programa de fidelidade.

Todo esse papo de se vestir bem, fingir que esta na lua de mel, ou que esta doente, ou oque for, eh puro bla bla bla.

Por exemplo, desde que passei a ser considerada com “status” executivo da BA eu ganhei upgrades em todos os voos, sem nunca pedir, e na maioria das vezes, vestida como uma mulamba!

Quando o voo esta vazio, eles dao upgrade aos frequent travelers para fazer um agrado. E quando o voo esta lotado, eles dao upgrades aos viajantes frequentes pra desocupar mais assentos na economica e conseguir vender mais passagens.

 

Entao hoje em dia pra mim a grande vantagem desses programas nao se limita as milhas e uma possivel (porem bem dificil de ser relaizada) viagem “de graca”, e sim ser tratada como um cliente especial e recebendo umas regalias aqui ou ali.

E uma ultima dica em relacao a resgatar milhagem eh a antecedencia: quanto antes voce planejar sua viagem e reservar sua passagem, maiores as chances de conseguir usar suas milhas. Na nossa viagem pra Asia, nossas passagens de milhas foram reservadas em Junho (soh viajamos no final de Dezembro) e ainda assim tivemos que voar pela opcao “plano B” em datas ligeiramente diferentes; e tambem queria poder voar pro Brasil esse ano usando milhas, e todos os assentos de resgate para o Rio de Janeiro ja estao esgotados ate Outubro de 2012!

Se voce chegar naquela situacao onde as milhas estao prestes a esgotar, mas voce nao estar conseguindo regata-las em voos, uma outra opcao eh comprar uma pasagem normal, e usar suas milhas pra comprar um upgrade!

 

Categorias: Dicas (Praticas!) de Viagem, S.A.L., Viagens
30
20
Dec
2011
Planejando sua viagem: Por onde comecar?
Escrito por Adriana Miller

Eu ja comentei aqui no blog outras vezes como me divirto planejando minhas viagens, e realmente acho que planejar e pensar em cada detalhe eh (quase) tao divertido quando a viagem em si!

Tem gente que gosta de videogame, tem quem goste de gibi, e muita gente mata algumas horas por dia assistindo novela. Eu? Eu gosto de planejar viagens – mesmo aquelas que nao tem a menor chance de sair dos sonhos nem tao cedo!

Entao a qualquer momento, te garanto que eu estou planejando umas 3 ou 4 viagens ao mesmo tempo. Digamos 1 ou duas talvez sejam reais, enquanto que as outras sao desejos futuros, ou apenas uma sondagem sobre a viabilidade de uma viagem.

E o planejamento, alem de divertido tambem deveria sempre ser encarado como a alma de qualquer viagem. Quanto mais e melhor voce pensar sobre as possibilidades e planejar uma viagem, melhores serao as chances dela dar certo. Porque? Porque so assim vc sabera qual a melhor epoca do ano pra viajar, qual melhor area pra se hospedar, quanto tempo deveria passar em cada destino e quanto voce vai gastar em determinado lugar.

Entao as vezes me perguntam: por onde comecar? Como eu planejo determinadas viagens? Quais criterios pra escolher o lugar X e nao o Y?

Os principais fatores sempre sao, e sempre serao duas coisas muitos simples: tempo e dinheiro.

Infelizmente nao tenho recursos infinitos de nenhum dos dois, entao tenho que sempre analisar cada possibilidade de acordo com a abundancia (ou falta de) de cada um. Quanto tempo eu tenho disponivel pra minha viagem, versus quanto tempo eu preciso pra viajar ate tal lugar e quanto tempo preciso ficar por la pra valer a pena.

E quanto custa pra chegar e ficar em tal lugar, versus quanto eu quero/tenho/estou disposta a gastar em tal lugar.

Dois exemplos simples: meu sonho eh fazer a viagem Trans-Mongoliana de trem, porem nao tenho Tempo pra passar quase 1 mes cruzando o planeta dentro de trem. E adoraria conhecer o Japao, mas eh uma viagem cara de se fazer. Entao ambos sonhos sao constantemente adiados em prol de outras oportunidades que oferecem melhor custo-beneficio em determinado momento.

Entao eu vou fazendo minhas listinhas dos lugares que gostaria de ir, digamos, ano que vem. Penso nas possiveis viagens de fim de semana e feriados prolongados. Penso tambem nos dias disponiveis de ferias, e outras viagens mais longuinhas, e talvez ate uma viagem maior durante o ano (eu pessoalmente prefiro fazer varias viagens curtas pinga-pinga ao longo do ano, e viajar mais, doque tirar um mes inteiro de uma vez soh e depois ter que esperar mais um ano inteiro pra sair de ferias de novo!) alem das visitas anuais pra visitar nossas familias (ja que ambos temos familias morando longe).

Ai as ideias vao surgindo e vamos debatendo orcamento, preferencias e fazendo uma sondagem generalizada.

O primeiro passo geralmente eh olhar passagens aleatorias em sites de busca, como Expedia.co.uk, Lastminute.com, Opodo.co.uk pra ter uma ideia de qual seria o gasto minimo de determinada viagem.

Geralmente no nosso caso, o preco da passagem eh um dos principais fatores determinantes, e se de cara soh pra chegar a tal lugar ja estouramos o orcamento, entao geralmente desconsideramos aquela opcao no ato. (ou vamos nos planejando - tempo de ferias E dinheiro - pra fazer tal viagem no ano seguinte, ou num determinado periodo de tempo, como foi o caso da nossa viagem a Tanzania, por exemplo).

Um exemplo eh uma viagem pra Patagonia que ambos sonhamos a anos. Infelizmente pra chegar ate o sul da Argentina a partir de Londres eh carrissimo, sem falar que demora mais tempo que chegar na Australia praticamente. Entao juntando o preco exorbitante + tempo demais em deslocamento, sempre acabamos deixando pra depois.

Quando entao decidimos que o preco da passagem pra determinado lugar eh razoavel, e que portanto a viagem seria viavel, entao comeco a olhar outros fatores, como precos de diarias de hoteis em sites de busca como booking.com, hotels.com e hostelworld.com.

E isso da mais uma indicacao do custo generalizado da viagem. Se as diarias sao carissimas, entao sabemos que a viagem devera ser bem curtinha. E se for um pouco mais barata, podemos ficar mais tempo. Ou seja, destinos como Egito e India sao super em conta, e entao da pra ficar masi tempo sem problemas. Ja destinos como Suica e Noruega, geralmente limitamos nossa estadia a um par de noites no maximo.

Um bom exemplo foi a viagem pra Islandia que fizemos esse ano. A passagem estava barata, mas a hospedagem era carissima e escassa. Portanto uma viagem longa seria impraticavel por la, mas ao fazer um pouco mais de pesquisa, decidimos alugar uma caravana, e assim juntamos o custo de um carro + hotel no mesmo item, oque barateou a viagem o suficiente!

Minha "Colecao" de guias de viagem.

O segundo passo geralmente eh a pesquisa sobre a viagem propriamente dita. Antes de comprar passagem e reservar hoteis, gosto de saber oque tem pra fazer em determinado lugar, as opcoes de transporte, os custos de atracoes e alimentacao, por exemplo e a viabilidade generalizada da viagem – que determina por exemplo, quantos dias precisamos passar em tal lugar.

E pra isso, apesar de sempre ler muitos blogs e  sites de reviews e tal, nada se comprar a um bom e velho guia de viagem!

As opcoes sao muitas, e acho que cada publicacao atende a uma necessidade especial, um tipo de viagem/viajante diferente.

Para viagens mais complexas eu gosto muito do Lonely Planet, que eh um guia bem pratico, que vai direto ao ponto e tem todo um approach e linguagem que eu gosto bastante, pois eh escrito por e para viajantes independentes. Para nossa viagem pra Asia por exemplo ele foi minha biblia e nao tomei decisao nenhuma antes de consultar o Lonely Planet.

Decisoes como: quanto tempo ficar em cada lugar, as principais atividades, a “navegacao” dentro da cidade e as atracoes em volta, dicas praticas sobre cambio, transporte, furadas e roubadas e afins.

Quando fomos pra Tailandia ha uns anos atras o Lonely Planet literalmente salvou a nossa vida, pois perdemos um voo crucial, e apenas um livro como o LP traz dicas tao praticas-faca-voce-mesmo-e-se-vire a ponto de nos guiar passo a passo sobre como pegar um taxi + barco + onibus + kombi pra cruxar o pais e chegar no nosso proximo destino a tempo de nao estragar a viagem.

Ja para nossas viagens mais simples e curtinhas, como por exemplo nossos fins de semana pela Europa, eu prefiro os guias da DK Witness (que no Brasil acho que tem a versao da Folha) que geralmente trazem boas fotos e mapas, e dicas mais simples sobre oque fazer e onde ir. Sem muito detalhe, nem muita informacao, mas o suficente pra te guiar quando voce nao tem tempo a perder.

Por exemplo, se eu sei que terei apenas um dia em Milao, tudo que quero eh um guia que me de as top 10 coisas a fazer na cidade, e nao preciso de mais lenga-lengas sobre a complexidade do sistema ferroviario, os trambiques dos Italianos ou como usar a mquina do metro.

 

Eu sei que esse post ficou meio aleatorio e confuso, mas realmente nao tenho uma “metodologia” de planejamento que seja muito cientifica.

Pra muita gente, passar por isso tudo, planejar e pensar em tantos detalhes seria uma tortura. Pra mim, eh uma diversao, uma hobby, entao faco com prazer e adoro!

Nao sei se depois de tantos pedidos de dicas e ajuda sobre o assunto, essa minha enrrolacao vai realmente ajudar alguem ou nao, mas eh mais ou menos assim que planejo cada uma de minhas viagens, e ate agora tem dado muito certo!  :-)

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Dicas (Praticas!) de Viagem, Viagens
34
Página 1 de 212