23 Feb 2018
82 comentários

Mudancas a vista! Ano novo, vida nova!

Dia a dia, Pessoal, T.V. EveryWhere, Trabalho, Vida no Exterior

2018 mal começou e eu já sinto como tivesse vivido mil anos em 2 meses… Mas para o ótimo sentido é claro!

Então como o propósito desse blog – que já existe ha 14 anos!! – e todas as novas mídias sociais que fui acumulando e participando ao longo dos anos, sempre foi servir como um diário virtual, uma maneira de registrar minha vida e suas etapas para a posteridade, claro que uma mudança tão drástica desse tipo não poderia deixar que vir ilustrar as paginas do Dri Everywhere.

Estamos de mudança!

Vamos morar nos EUA!

Eu sei que vocês não me conhecem, e eu não conheço vocês – mas esse blog e a minha “vida virtual” já fazem tão parte da minha historia, que eu juro que uma das primeiras coisas que passou pela minha cabeça quando tudo se desvencilhou nas ultimas semanas foi: qual a melhor maneira de contar essa novidade “pro pessoal” do blog???

Entao aqui estamos nós! E vamos começar pelo principio!

Como muitos de vocês sabem, o Aaron, meu marido, é Americano. Ele já mora em Londres ha muitos anos, mais até do que eu, e nos conhecemos ja ambos morando e trabalhando aqui. Logo no começo do nosso relacionamento, ele teve algumas idas e vindas entre a Inglaterra, EUA e Alemanha (por causa de dificuldades de visto), e sempre concordamos que Londres era nossa “casa”, nosso território em comum. Nos conhecemos aqui, nosso relacionamento foi todo baseado na vida aqui, e então por aqui ficamos,

Nos casamos, montamos nossas vidas, desenvolvemos nossas carreiras e montamos nossa familia.

Mas por outro lado, ele sempre foi muito sincero na sua votade de “um dia”, “no futuro”, voltar pros EUA. Eu pessoalmente, nunca me opus. Sempre me pareceu um bom plano pro nosso futuro: curtir tudo que Londres e a Europa tem a oferecer, e um dia, nos estabelecer nos EUA.

Então muuuuuuitos anos se passaram, volta e meia conversavamos sobre isso, mas nunca num sentido “real”, nunca com planos concretos de fazer com que tal mudança acontecesse e saisse do papel.

A vida em Londres ia muito bem obrigada, e no fundo, simplesmente não tínhamos nenhum motivo pra querer morar em nenhum outro lugar do mundo. Então por aqui fomos ficando.

Até que em Dezembro de 2016 – o Oliver recém nascido, eu de licença maternidade em casa, e fazendo as malas pra passar o Natal com a família nos EUA – o Aaron me ligou no meio do dia, do nada e disse que tinha recebido uma proposta irrecusável de uma promoção: o único porém era que o novo cargo seria nos EUA.

Confesso que foi um choque! Sempre falamos sobre uma possivel mudança como uma coisa muito no “futuro”, pra quando “a gente for mais velho” – então foi um choque aquela realização de que na verdade, o futuro é agora!

Afinal, já estamos “mais velhos”, já temos conforto financeiro, já temos uma família montada. Isso tudo somado a uma proposta irrecusável profissional, pulamos de cabeça na oportunidade.

Então, ainda de férias nos EUA em Dezembro de 2016, começamos a estudar sobre Green Card pra mim, fomos ver casas nos EUA, pesquisar sobre escolas no Colorado. Foi uma loucura!

A timelines que nos deram na epoca era para uma mudança em Março ou Abril de 2017!

Foi muito corrido, e na nossa cabeça, não conseguíamos fazer a conta do calendario fechar: só pra conseguir um visto de residência pra mim (Green card) demoraria quase 1 ano, eu ainda estava de licença maternidade, a Isabella começando escola nova, etc.

Mas então muitos meses se passaram, e acabou não dando em nada.

Por um lado sentimos um grande alívio! Foi tudo tão de supetão, que não deu tempo pra processar a magnitude da mudança, e simplesmente não estávamos prontos. AInda não era a hora de sair de Londres.

Mas por outro lado, apesar do alivio, nós dois nos sentimos inacrediavelmente decepcionados!

Foi uma época de muito conflito inerno. Ao mesmo tempo que sentiamos aquele alivio de poder ficar em Londres mais um tempo, a prespectiva da mudança tambem abriu todo um novo universo de uma vida nova, e com isso, acabou nos trazendo muitas frustrações em relação à vida em Londres.

Coisas que ate então nunca me incomodaram (o clima, as casas, a lotação das coisas, e o polêmico “FOMO” Londrino – o “fear of missing out” que aflige todo mundo que mora aqui!), começaram a incomodar demais!

De repente, eu comecei a enxergar vários pequenos defeitos na minha cidade preferida do mundo, e aos poucos isso foi gerando uma vontade de mudança. Não sabiamos exatamente o que, nem pra onde, nem pra quando. Mas como num passe de magica, Londres passou a não ser mais nosso lugar “pra sempre”.

E ao longo do ano, outro evento da nossa familia contribuiu pra esse desejo de mudança: a Isabella começou na escola de verdade, e entrou no sistema de ensino Inglês.

Por um lado, correu tudo MUITO bem. Ela entrou numa escola pública de excelente qualidade, se daptou super bem, fez muitos amigos novos muito rápido. Mas por outro lado, ao passarmos a entender melhor o sistema educacional Inglês, nos demos conta da fragilidade de nossa situação.

Ela esta crescendo, e cada vez mais se apegando ao dia a dia em Londres, aos seus amigos, atividades e aos costumes. Porém, como nunca quisemos comprar uma casa em Londres, isso nos colocou numa situação muito vulnerável, pois sabiamos que mais cedo ou mais tarde poderiamos ter que mudar toda nosa vida de novo, o que teria um grande impacto nas crianças, e principalmente na Isabella.

Entao começamos a pensar nas alternativas. Outros bairros de Londres, procurando casas e apartamentos no nosso proprio bairro que nos permitiria ainda ficar dentro do destrito escolar onde moramos. E traçamos um plano de mais 1 ou 2 anos no máximo.

Até que, exatamente 1 ano depois de que todo esse processo começou, em Dezembro de 2017 – eu já estava de férias no Brasil com as crianças e o Aaron ainda estava em Londres trabalhando mais uns dias. Então ele me liga de novo, do nada: “você nao vai acreditar… recebi mais uma proposta de promocao, e mais uma vez também é para um cargo nos EUA”.

Então dessa vez não tivemos dúvidas , e pulamos de cabeça e de olhos fechados! Poderia não dar certo de novo, mas pelo menos nos sentimos “experientes” no processo, o que tinhamos que fazer para nos preparar para uma possível mudança.

Incrível a diferenca que um ano faz!

Em 2016 foi uma situação de tanta insegurança , medos e incertezas! Nao sou muito religiosa, mas sei que Deus tem um plano maior, e tudo acontece no tempo certo, por um propósito certo.

Foram duas semanas intensas no Brasil, onde o Aaron teve que passar por incontáveis entrevistas, painéis, provas, reuniões.

Assim que voltamos pra Londres, eu já comecei a conversar com a minha empresa – que tem varios escritórios nos EUA – sobre uma transferência pra mim, e tudo começou a se encaixar.

Umas semanas depois, eu cheguei em casa um dia a noite, e o Aaron estava dando jantar para as crianças , mas deixou eles sozinhos na cozinha e estava falando no telefone na sala. Achei estranho, mas pelo tom de voz dele, percebi que era alguma coisa séria , e provavelmente alguma emergência de trabalho.

Mas assim que ele voltou pra cozinha, na mesma hora eu soube o motivo do telefonema! Ele tinha sido promovido, e nossa mudança estava confirmada!

Ainda tivemos um outro mini-susto: ele teria que começar seu novo cargo nos EUA em Março , cerca de 6 semanas depois!

Então como vocês devem imaginar, as últimas semanas tem sido pura correria. TANTA coisa pra organizar, planejar, se preocupar!

Meu visto já esta quase finalizado, mas também foi um processo muuuuuuito estressante nas últimas semanas (também estou gravando um video sobre o processo do Green Card, e depois falo sobre isso com mais calma!).

Minha transferência tambem esta (quase) finalizada, e a empresa (nos dois lados: UK e EUA) foram extremamente solícitos em me ajudar a achar um novo cargo, a entrevistar com as pessoas certas, entender as diferenças entre as duas empresas, conectar com futuros colegas, futuros clientes, etc. Já me sinto em casa com minha nova equipe! Eu sei que vai ser um tremendo choque cultural depois de tantos anos trabalhando na Europa – mas ao mesmo tempo, eu sempre trabalhei para empresas Americanas, e conheço bem a cultura e ética de trabalho deles, então pra mim, essa “mudança” não é uma coisa negativa não.

Ufa! Como vocês podem imaginar, são muitos detalhes, e muitas coisas pra pensar!

Eu também gravei esse vidoe aqui la pro canal do YouTube contando um pouco mais! E daqui pra frente, pretendo fazer vários outros posts e videos contando um pouco mais sobre todo esse processo de mudança e da nossa nova vida!

Obrigada por me acompanharem ha tantos anos! E podem puxar uma cadeira e pegar um cafe, porque ainda tem muito mais por vir!!

 

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Nos Acompanhe!

Além de todas as dicas que eu posto aqui no blog, você também pode me acompanhar nas redes sociais para mais notícias “ao vivo”:

 

Adriana Miller
82 comentários
21 Feb 2018
1 Comentário

Mercato Metropolitano – Mercado de food trucks em Londres

Dicas de Londres, Inglaterra, Mercados

Está na dúvida sobre o que fazer em Londres num dia chuvoso?

Ou quer comer (ou beber!) num lugar legal e animado, mas sem a formalidade de um restaurante e sem gastar muito?

Então os muitos mercados de comida e foodtruck em Londres são uma ótima opção!

O mais recente a virar sensção é o “Mercato Metropolitano”, que apesar do nome Italiano, é o mais internacional possível, assim como Londres!

o Mercato – ou festival, ou feirinha – fica numa antigo galpão, entre a região de Borough e Elephant and Castle, que pouco a pouco está sendo totalmente revitalizada e com muitas novas construções e lugares legais!

Então apensar da proposta “mercado de rua”, com food trucks, mesinhas espalhadas, etc, o lugar é fechado! Então é perfeito para dias chuvosos em Londres, quando os outros mercados – todos à céu aberto! – ficam as moscas (e molhados!) (vide o Borough Market, Flat Iron Square e Maltby Street).

As mesinhas são internas, dentro balcão, e mesmo as que ficam do lado de fora (mais ainda assim cobertas por um toldo), tem mesinhas com forro de pelinho de ovelha, cobertores e aquecedores de ambiente para os clientes.

Em relação à comida, tem pra todos os gostos: massas, pizza, hamburger, fish and chips, kebab, salsichão, comida Mexicana, Vietnamita, Libanesa, Argentina, Francesa… e a volta ao mundo culinário continua!

E também não faltam opções de bebidas: de pub Inglês à cervejaria Alemã, vinoteca francesa, e uma cocktail bar bem no meio do mercado, com tudo quanto é tipo de drinks que você puder imaginar!

Nós chegamos lá para café da manhã tarde / barra / almoço cedo e o Mercato estava cheio de famílias e crianças. Quando fomos embora, já no meio da tarde, o perfil da clientela já tinha mudado bastante, com muito mais gente ao redor dos bares e cervejarias, já entrando num clima de happy hour.

Mercato Metropolitano

42 Newington Causeway, SE1 6DR

 

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!
Adriana Miller
1 Comentário
06 Feb 2018
5 comentários

The Ned – uma “praça de alimentação” de luxo no centro de Londres

Dicas de Londres, Inglaterra, Pubs e Bares, Restaurantes

Se tem uma coisa que Londres sabe fazer com maestria é se reinventar, e nunca deixar de nos surpreender. E eu sei que Nova Iorque é que á a cidade conhecida pela máxima “se você consegue vencer aqui, você vence em qualquer lugar”, mas Londres com certeza não esta muito atrás!

E então o The Ned abriu suas portas! Na verdade o prédio é um novo hotel de luxo, exatamente no meio do centro financeiro da cidade (em Bank, bem no coração da The City), que foi construído no prédio do antigo banco Milbank Bank, que construiu sua sede por ali em 1925 e que estava semi abandonado nas últimas décadas.

Mas além do hotel propriamente dito, o que tem atraído multidões de Londrinos ao The Ned é seu conceito “praça de alimentação de luxo”, pois logo na entrada do hotel é isso que você encontra:

Onde antes eram os caixas e balcões do antigo banco, hoje estão dezenas de bares e restaurantes ao gosto do freguês – todos com aquela vibe art deco dos anos 20 linda!

No subsolo ainda tem um outro bar – porém esse é super exclusivo, apenas para membros-sócios do The Ned. Então nós não pudemos entrar, mas mesmo por fora o bar é incrível! Ele fica dentro do antigo cofre do banco, e parece uma cena saída diretamente de um cenário do James Bond, com direito a porta redonda, com maçaneta com código e gavetinhas para guardar dinheirinhos e jóias e afins!

Se você quiser reservar mesa em algum dos restaurantes ou nos bares, é imprescindível reserva antecipada, mas se quiser apenas uns drinks em um dos bares e tentar a sorte de conseguir uma mesa, aí é só chegar chegando!

No verão eles também terão um rooftop que com certeza será incrível (apensar de que a vista vai ser bem parecida com o “Le Coq D’Argent“) e um spa que também é aberto a não hóspedes.

The Ned27 Poultry, EC2R 8AJ

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Londres na Inglaterra, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!
Adriana Miller
5 comentários
Página 1 de 85012345678