13
Jan
2010
Roteiro de viagem no Chile
Escrito por Adriana Miller

Como disse nos posts anteriores, o Chile eh o tipo de lugar que dah vontade de passar varias semanas viajando, tamanha quantidade de coisas legais pra ver e fazer, diversidade geografica, geologica e cultural.

Opcoes que variam do deserto mais seco do mundo ao frio do Polo Sul na Patagonia Chilena. Da heranca cultural deixada pelos Espanhois em Santiago a cultura nativa das “tribos” Incas e Mapocho. Dos esportes radicais nos slopes de ski, ao puro dolce fa niente com uma taca de vinho na mao.

Mas isso nao quer dizer que soh dah pra aprovetar o Chile caso voce tenha muito tempo disponivel nas maos pra conseguir conhecer ab-so-lu-ta-men-te tudo de cabo a rabo. Na verdade, pra quem esta no Brasil, o Chile eh a opcao perfeita de viagem facil, diferente e legal, podendo ser encaixada em qualquer feriado prolongado.

O meu roteiro jah foi detalhado nos posts anteriores, mas resumidamente fizemos o seguinte:

Rio – SP – Santiago: Saindo do Rio as 6 da manha com a TAM, e chegando em Santiago ao 12. Parece longe, afinal sao 6 horas de viagem entre conexoes, troca de aviao etc. Mas como os voos saem bem cedo, na verdade chegar em Sanatiago ao meio dia ainda eh um grande lucro. mais ou menos como sair do Rio (ou qualquer outra capital) no voo das 9 e chegar em Salvador (ou qualquer outra capital – inclusive Buenos Aires) as 11 e pouco. Ou seja, o seu dia “livre” para passear nao muda muinto…

Mas enfim, com uma tarde, ou um dia inteiro em Santiago jah dah pra ver bastante coisa, como sugeri nesse post aqui. Na verdade nos tivemos 2 tardes e 4 noites em Santiago (saimos pra jantar 1 noite, e as outras 3 capotamos no hotel), e deu pra fazer tudo que queriamos, sem pressa e correria… Caso vc esteja com pressa e afim de correria, 1 ou 2 dias esta de bom tamanho, como a Claudia sugere nesse post aqui.

Nos outros dias fizemos algumas viagens day-trip pelos arredores de Santiago, toda bem bate e volta, mas que poderiam facilmente durar varios dias, caso vc queria fazer um tour mais a fundo pela regiao dos vinhedos ou esquiar, por exemplo.

Em 1 dia eh facil facil percorrer uns 2 ou 3 vinhedos por perto de Santiago (usando agencia ou alugando um carro). Nos fomos na Concha Y Toro (vale do Maipo) e na San Esteban (Vale do Aconcagua), em 2 manhas separadas, e a Fe Costa sugere outras viniculas nos arredores de Santiago nesse post aqui.

Outra sugestao de passeio bate e volta eh Valparaiso e Vina del Mar, ambas pertinho de Santiago, e sao uma boa mostra de praia do Pacifico (agua gelaaaaada!), e boa pedida pra quem quer um pouco mais de badalacao – caso vc vah pra lah na alta temporada de verao (se sua viagem for no inverno, concentre seu tempo em outras regioes do pais).

Porem, seja inverno ou verao nao deixe de fazer uma viagem a Cordilheira dos Andes! Se for inverno vale a pena passar varios dias por lah, em qualquer um dos inumeros resorts e se arriscar nos slopes. Nos arredores de Santiago existem varios, e quase todos os resorts providenciam transporte diretamente de Santiago. Os mais conhecidos por perto da capital sao Valle Nevado (como fez o Breno), Chillan e Portillo.

Mas mesmo pra quem vai fora da temporada de neve, nao perca o passeio! Mesmo se sua esticada pro Chile for rapidinha, dah pra encaixar alguma cidade dos Andes com um vinhedo, por exemplo (que foi exatamente oque fizemos: Vinhedo San Esteban de manha e Portillo de tarde).

Outra otima opcao pra quem vai pro Chile com mais tempo (entre 1 semana e 10 dias, por exemplo) eh subir pro deserto do Atacama como fez a Pri e o Vini. Nessa serie de posts aqui, eles contam como foi o passeio no deserto, que agencia usaram, a experienci de chegar ateh lah e afins.

E essa eh a ideia desse “roteiro”. Uma sugestao de viagem rapidinha saindo do Brasil (jah que um dos comentarios mais comuns aqui no blog em relacao as minhas viagens rapidinhas eh “pena que aqui no Brasil nao dah pra fazer essas cosias…”), que dah pra ser encaixada num feriado prolongado (que no Brasil tem muitos!), pagar usando milhas e com custos gerais (hospedagem, alimentacao, passeios, taxi, etc) bem mais baratos que no Brasil. Ou entao como sugestao de ferias um pouco mais prolongada, aproveitando varios dias no deserto ou esquiando nos Andes (otima sugestao pras meninas que veem parar aqui no Blog procurando opcoes de roteiros de viagem de Lua de Mel).

As agencias utilizadas e os detalhes de cada lugar/passeio estao nos posts linkados.

Categorias: Andes, Chile, Dicas (Praticas!) de Viagem, Roteiros de Viagem, Santiago, Valparaiso & Vina del Mar, Viagens, Vinhedos
11
12
Jan
2010
Vale do Aconcagua e Portillo
Escrito por Adriana Miller

A principal coisa que queria ver quando estavamos no Chile eram os Andes. Mas nao simplesmente “ver” os Andes, como se ve de qualquer lugar em Santiago.

Na verdade eu queria estar lá em cima do Andes. Ver as montanhas de perto, e mesmo nao sendo temporada de esqui, fazer umas caminhas, ver a neve de perto e tals.

Mal sabia eu que isso seria praticamente impossivel de fazer independentemente, e depois do fiasco do passeio para Valparaiso, cancelei a excursao que iamos fazer.

Pesquisei, pesquisei, perguntei e nada. Ou alugavamos um carro (mas ninguem tava a fim de dirigir nas curvas vertiginosas dos Andes) ou o esquema seria sugismundo do tipo pegar um onibus em direcao a Argentina, saltar no quilometro tal da rodovia nao-sei-oque, fazer sinal pro onibus nao-sei-das-quantas (no meio da estrada! e torcer pro motorista parar), depois andar mais nao sei quantos quilometros. Ou seja, nao era uma opcao sã e aceitavel pelos meus pais (nem eu tava a fim de enfrentar esse nivel de perrengue!).

Entao arriscamos trocar de agencia, e usar a empresa recomendada pela Paola Rangel, que leu no Twitter que estavamos indo pro Chile e me mandou altas dicas!

Tivemos que resolver tudo de ultima hora, usando telefone publico do shopping, jah que mudamos de ideia no ultimo segundo antes da agencia fechar, mas nao tinha como estar no Chile e nao ir até os Andes!

Entao resolvemos ir para Portillo, que é na minha opiniao a estacao de esqui mais bonita do Chile, combinando as montanhas com um lago Andino de cair o queixo!

Durante a temporada de inverno Portillo é considerada uma estacao de esqui tao boa e importante que é usada como sede dos times olimpicos de esqui (esportes de inverno em geral) de paises como Austria, EUA e Canada, que se mudam pra lah entre Junho e Setembro atras de neve durante os meses de verao no hemisferio norte.

Apesar da estacao ser monopolio do Hotel Portillo, achei os precos bem razoaveis (cerca de 70 dolares para um quarto duplo), que deve aumentar na alta temporada, mas mesmo assim.. se fosse no Brasil, custaria 1000 reias permanentemente!

Porem, antes de sequer subir a cordilheira, dirigimos pelo vale do Aconcagua até o Viñedo San Esteban, que é uma vinicula “boutique” familiar, que faz seu vinho todo num processo organico semi artesanal, e exporta mais de 90% de sua producao pra Europa.

Foi bem legal conhecer outro vinhedo, de escalas tao diferente da Concha y Toro, com um tour totalmente personalizado, conhecendo cada tipo de uva, entendendo o processo de fermentacao para cada tipo de vinho (branco ou tinto), o processo de mistura, de envelhecimento e degustacao.

Alem disso, o vinhedo fica numa regiao linda, bem no meio do vale do Aconcagua, que é um dos picos dos Andes, dividido entre o Chile e a Argentina e é a montanha mais alta da America Latina e a 3a montanha mais alta do mundo, fora da cordilheira do Himalaia!!

O Aaron até quis parar no meio da estrada pra tirar foto, pois ha uns anos tras ele quase escalou o Aconcagua (mas acabou mudando de ideia e escalou o Illimani na Bolivia).

A subida dos Andes foi vertiginosa, com zilhoes de curvas e cheguei lah em cima com meu estomago embrulhadissimo!

Mas foi só dar uma olhadinha pela janela pra ficar tudo maravilhoso!!!

A vista do Lago dos Incas com os Andes cobertos de neve ao fundo é simplesmente arrebatadora! Obviamente um cenario tao bonito como esse é cercado de lendas e historias indigenas, da epoca que os Incas ainda moravam por lá, e a principal lenda diz que o lago, que um dia teria sido azul turquesa, foi escolhida para servir de tumulo a uma princesa Inca que morreu tragicamente. Depois de ser enterrada nas profundezas do lago, a cor da agua mudou para verde esmeralda, a cor dos olhos da princesa.

Independente da veracidade ou nao das historias, nao da pra negar que o lago é hipnotizante! Primeiro que nao dá pra escapar. De qualquer lugar, qualquer angulo no resort voce ve o lago. E se nao conseguisse ver, com certeza iria procurar!

Tiramos um zilhao de fotos e todas se parecem identicas, mas cada reflexo, cada angulo – lá, ao vivo – é completmente incrivel! Nao dá pra nao fotografar e querer capturar cada pedaço daquele lugar!

Passamos a tarde toda por lá, fazendo caminhadas, tirando fotos, descansando admirando a paisagem, e só voltamos pra Santiago bem de noite, prontos pra voltar pro Brasil!

Mais fotos do Vale do Aconcagua e Portillo AQUI.

Nesse passeio usamos a empresa Chilena Touristur, e super recomendo (que foi recomendeda peal Paola)! O grupo eram apenas nos 4 mais um casal canadense, a guia super simpatica dando varias dicas insider e até fazia sugestoes de lugares para pararmos na estrada para podermos tirar boas fotos!

Infelizmente o Chile eh um pais bem dificil de se viajar de maneira independente e barata, pois tem uma geografia muito complexa, muito estreito e super comprido, cheio de montanhas, lagos, desertos e glaciais, dificultanto a expansao e qualidade dos transportes publicos oferecidos.

Por causa disso, pra passear pelo pais os turistas acabam dependendo demais das agencias de turismo locais, que conhecem o terreno e a geografica, organizam tudo e te levam de um lado pro outro – Eh uma maneira bem facil e confortavel de conhecer o Chile, mas tambem bem cara!

Quam nao esta disposto a desembolsar uma media de 100 dolares por passeio, precisa de um outro bem ainda mais valioso: tempo! A unica maneir de se viajar barato pelo Chile eh com muuuuuito tempo nas maos, pra se dar ao luxo de enfrentar horas e horas de estradas, onibus atrasados, carona, arriscando dirigir pelas estradas estreitas e etc.

Oque nao faltam sao opcoes de agencias, entao faca uma boa pesquisa – alem de que quase todos os hoteis teem suas proprias opcoes e sugestoes de passeios, ou ateh mesmo motoristas/guias que podem te levar pra qualquer lugar!

Categorias: Andes, Chile, Viagens, Vinhedos
41
12
Jan
2010
Valpariso y Viña del Mar
Escrito por Adriana Miller

Uma otima opçoao de passeio bate e volta pra quem for a Santiago é conhecer as cidades balnearias do Pacifico Valparaiso e Viña del Mar.

Ambas estao pertinho da capital e sao o “point” do verao dos Santiaguinos.

Valparaiso é a cidade principal, e hoje em dia é uma cidade relativamente grande, e nao só dobra de tamanho durante os mese sde verao, mas tambem é a sede atual do parlamento Chileno, que foi transferido de Santiago em 1990 apos a queda da ditadura militar. Alem de ainda ser um dos portos mais importantes da America Latina (mas perdeu seu posto depois da abertura do Canal do Panama).

Ambas cidades sao de facil acesso partindo de Santiago, mas mais uma vez optamos por utilizar uma agencia (a Turistik), pois minha mae nao gostou muito da ideia de pegar onibus, trocar de linha, depois pegar outro onibus, nao ter confirmacao de horios e etc e correr grandes chances de passar alguns perrengues. Entao a excursao foi uma boa opcao, mas ao mesmo tempo, uma grande decepcao!

Assim que chegamos em Valparaiso a primeira parada foi na casa do poeta Pablo Neruda, que realmente tem uma vista maravilhosa da cidade, mas a fila pra entrar no museu estava enorme e nao teriamos tempo de fazer tudo.

Até 1914 Valparaiso era o principal porto da casta oeste da America Latina, conectando o continente com a Asia e Africa.

Dai pra frente o passeio desandou! Tinhamos que voltar pro onibus daí a cerca de meia hora, entao aproveitamos pra dar uma voltinha pelos arredores, tirar fotos da vista e das casinhas coloridas. E nada do guia voltar… nada do guia voltar. Com quase meia hora de atraso o guia aparece, mas metade do grupo nao voltou (2 diferentes grupos de Brasileiros! Só pra acabar com nossa reputacao!).

Quando finalmente seguimos com o passeio, (mais de uma hora de atraso) já nao tinhamos tempo de fazer mais nada por Valparaiso. Pra piorar, o transito estava um caos!

Resultado, depois mais uma voltinha pela cidade, sem nem sair do onibus! Eu só ouvia meu pais bufando de raiva na poltrona atras da gente! Afinal Valparaiso eh uma cidade considerada patrimonio historico da Unesco, e nem sequer colocamos nossos pes na rua! E os predios historicos? E as casinhas coloridas lindas?! Nem uma fotinho pra contar historia…

Entao seguimos pra Viña de Mar, que fica bem do lado (acho que uns 20 minutos entre uma e outra). Pra nossa surpresa (NOT) e aumento da revolta com o estilo da excursao, paramos num restaurante “recomendado” pelo guia, que nem sequer ficava dentro de Viña del Mar!

Depois de pedir satizfação pro guia (que disse que o motivo de nao termos saido do onibus em Valparaiso foi a falta de seguranca na cidade e o atraso dos Brasileiros), abandonamos o resto do grupo, demos balao no almoco e seguimos (a pé mesmo!) para Viña del Mar, tentar aproveitar o resto do dia soh nos 4 – eu e meu pai liderando o grupo dos viajantes independentes forever LTDA!!!

Até tinhamos planejado dar uns mergulhos no oceano Pacifico, mas apesar de ser alto verao e um super sol, o vento estava de matar, com uma temperatura nada convidadtiva de miseros 20 graus, entao ficamos passeando pelo calcadao da cidade.

No fim do dia, nos juntamos ao grupo e fomos conhecer uma outra parte da cidade, o Museo Arqueologico, que tem um Moai original (as estatuas da Ilha de Pascoa – existem apenas 5 fora da ilha), mas que o guia nao nos deixou sequer entrar, e depois seguimos para o Parque Vergara que era a residencia de uma das familias mais ricas do Chile, e hoje em dia é o principal parque da cidade.

A excursao foi uma decepcao, mas o passeio realmente vale a pena!

Uma viagem independente para a regiao deve ser bem legal. Acho que a viagem de onibus entre Snatiago e Valparaiso dura menos de 2 horas, e saindo bem cedinho de manha, dah pra aproveitar bem o dia, e encaixar facilmente as duas cidades.

Para se locomover por Valparaiso, que eh uma cidade inteira construida nas escontas, use os bondinhos! cada bairro tem seu funicular, facilitanto a vida dos turistas e dando uma folga pra sua panturrilha!

Entre Valparaiso e Vina del Mar existem inumeras linhas de onibus e bondinho, alem de taxi eh ridiculamente barato no Chile – e uma vez chegando em Vina del mar, tudo fica por lah mesmo, a cidade eh compacta, concentrada na beira da praia e na rua de tras, lotada de bares restaurantes e afins.

Mais fotos de Valparaiso e Viña del Mar, AQUI.

Categorias: Chile, Valparaiso & Vina del Mar, Viagens
20
11
Jan
2010
Concha y Toro
Escrito por Adriana Miller

Quando comecei a pesquisar coisa pra fazer por perto de Santiago, a primeira opcao sugerida em todos os guias e foruns sao os passeios pelas viniculas.

Para os apreciadores de vinhos, o Chile esta entre os principais produtores de vinho (bom) do mundo. Mas a verdade é que de conhecedora de vinho eu nao tenho nada. Gosto de vinho branco ou rose, bem gelado e adocicado… entao muita gente por ai diria que eu sou uma pessima consumidora de vinho por nao saber apreciar os diferentes tipos de uva, as diferentes safras, regioes, notas de sabor e afins.

Porem, entre as varias marcas de vinho Chileno tem uma unica marca que eu conhecia, a Concha y Toro. Varias pessoas e varios blogs nao recomendam essa vinicula, por ser muito comercial, muito turistica e pouco autentica. Mas ao mesmo tempo, como negar um passeio pela 3a maior produtora de vinho do mundo e a maior do Chile? E como nao querer ver de perto como é produzido o vinho que vende na lojinha na minha esquina e as garrafas dentro do meu armario da cozinha?

A verdade é que o tour nao decepcionou nem um pouco. A vinicula é bem pertinho de Santiago, é enorme, bem cuidade e linda.

O Tour começa por um passeio pela propriedade e seus Jardins, contando a historia da familia de Don Concha y Toro – descendentes de Espanhois, cheios da grana e fazendeiros do Chile; numas ferias da familia pela Europa ele resolveu trazer umas mudas de vinhas para tentar plantar uvas e produzir vinho em sua propriedade, e dai pra frente é historia…

Depois passamos para as vinhas. A guia explica os tipos de uvas plantados em cada regiao do Chile, e as caracteristicas geologicas, clima e temperatura que impactam cada tipo de uva e a qualidade de cada safra de vinho.

E por ultimo, visitamos as adegas, onde a uva vira vinho, onde o “suco” fermenta passando por diferentes tecnicas, o armazenamento e envelhecimento do vinho, e por fim as adegas antigas e historicas, onde o vinho “bom” fica armazenado para envelhecer sob condicoes ideais de CNTP.

E é nessa adega antiga que surgiu a lenda do Casillero del Diablo que acabou virando a marca mais conhecida da Concha Y Toro e sua principal marca de exportacao.

Segundo a guia, Don Concha y Toro guardava lá embaixo o seu melhor vinho, as melhores safras e os melhores barris, que só eram usados em ocasioes espciais. No dia a dia a familai usava um vinho de qualidade “media” e ele usava o vinho de baixa qualidade pra pagar seus empregados.

Até que um dia ele se deu conta que as garrafas de vinho estavam sendo roubadas por seus funcionarios, porem ele nao tinha provas contra ninguem.

Um tempao depois, a familia estava se preparando pra comemorar o casamento de uma sobrinha (ou seria prima?) e o vinho “bom” tinha sido completamente roubado de sua adega especial.

Entao, Don Concha y Toro espalhou um boato de que tinha feito um pacto com o diabo: o diabo iria morar em sua adega para proteger seu vinho de boa qualidade, e qualquer pessoa que lea entrasse sem autorizacao seria amaldicoado. Umas semanas depois, um funcionario morreu numa cidente dentro da adega, e dai pra frente o boato se espalhou como um furacao: o diabo morava na adega e nunca mais nenhuma garrafa foi roubada!

Segundo a guia, a lenda existe até hoje, a o vinhedo tem uma alta rotatividade de guardas noturnos e todos tem historias de baruhos estranhos e sombras perambulando pelo casarao…

O grande final do passeio foi a degustacao de aluns dos diferentes tipos de vinho produzidos pelo vinhedo e como identificar as diferentes notas e diferentes sabores dos vinhos.

A vinicula Conha y Toro fica a cerca de 40 minutos de Santiago, na cidade de Pirque. Nos fizemos o passeio com a empresa Turistik que tinha um escritorio no nosso hotel e fazem varias viagens e tours, e durou cerca de 1 manha.

Mais fotos da vinicula AQUI.

Categorias: Chile, Viagens, Vinhedos
7
10
Jan
2010
Santiago do Chile
Escrito por Adriana Miller

A viagem que fizemos com meus pais na semana entre Natal e ano novo foi bem corrida, e o ideal seria ter passados semanas a fio viajando pelo Chile… Mas quem nao cão, caça com gato, certo?

Na verdade queriamos fazer alguma coisa pelo Brasil mesmo – a intenção inicial das mini-ferias era poder passar mais tempo com meus pais e mostrar pro Aaron mais alguma parte do Brasil.

Mas alguem me explica porque TUDO é tão absurdamente caro no Brasil? Serio… 3 dias em Angra com pacotes de 1000 pra cima, Buzios só com pacotes de 10 dias, Nordeste com preços mais absurdos do que viagem pra Europa, Minas Gerais a preço de ouro, etc, etc. Quando já estavamos desistindo de fazer qualquer coisa descobrimos que podiamos usar milhas pra viajar pra qualquer lugar da America Latina pela Tam. Como fomos a Argentina ano passado, as outras opcoes “perto”eram Uruguay e Chile. Uruguay acabou sendo obcenamente caro tambem, já que ano novo por lá é ultra badalado, entao Santiago aqui vamos nós!

Primeiro veio a duvida: Oque vamos fazer em Santiago por 4 dias?!?!?! Entao comprei um livinho da Lonely Planet e comecei a pesquisar em foruns tudo que tinha pra fazer pertinho da capital, que dessem varios passeios bate-e-volta tendo Santiago como base.

Acabou que o tempo “dedicado” a Santiago foi bem pouco (dois 1/2 dias), mas acho que foi suficiente pra ter um bom gosto e ficar com uma otima impressao da cidade.

Entao assim que chegamos fomos direto pro centro da cidade, para o Mercado Central. O mercado central é um otimo ponto de partida para qualquer passeio pela cidade, ou entao uma otima opcao de “meio” ou fim do passeio, já que ali estao alguns dos melhores restaurantes de frutos do mar da cidade.

Aliais, em todo Chile frutos do mar sao o carro chefe de qualquer restaurante, e sao incrivelmente baratos e deliciosos! No mercado central em especial, fugindo dos grandes restaurantes na ala central (que sao mais atrai-turista style), a comida é sempre fresquissima e super barata. Entao antes de escolher um restaurante, resolvemos dar umas voltinhas pra tirar fotos e catar uma opcao que nao fosse tao lotada de turistas e tivesse mais “caracter”. Acabamos comendo na Marisqueira “Tio Lucho”, comandada diretamente pelo dono (que ficou logo amigo do meu pai) e nos mostrava na bancada da tenda do mercado, oque em breve estaria no nosso prato!

Foi uma orgia gastronomica com direito a todos os mariscos disponiveis, Robalo e Reina na grelha, camarao a alho e oleo, Ceviche de mariscos, vinho Chileno, cerveja Chilena, etc, et ateh os 4 já estarem prontos pra rolar pelo chao pela bagatelo de 50 dolares…!!

Para evitar a lesera pos almoço agravada por termos acordado as 4 da manha pra pegar o aviao no Rio, fizemos um roteiro de passeio a pé pelo centro historico de Santiago:

Saindo do mercado central (estação de metro “Puente Cal y Canto”), demos uma passadinha na Estación Mapocho, que fica praticamente do outro lado da rua. A antiga estação de trem de Santiago, que teve toda sua estrutura de fero construida e montada na França e so´depois transportada pro Chile, foi parcialmente destruida por um terremoto e hoje em dia eh um centro cultural.

Depois seguimos pelo Paseo Puente até a Plaza de Armas, que é uma das principais praças de Santiago. Alem da praça em si, ali esat a Catedral Metropolitana da cidade, que foi construida entre 1748 e 1800 e domina a paisagem da praça, apesar de nao demostrar o quao grande é por dentro!

Na mesma praça estao tambem o Museo Historico Nacional e a sede dos Correios do Chile, alem de uma enorme estatua de Pedro de Valdivia, explorador Espanhol que fundou a cidade no seculo 16.

De lá seguimos pelo Paseo Ahumada, que é uma rua peatonal enoooorme cheia de lojas, cafes e restaurantes por todos os lados, inclusive alguns cafes que “servem” o famoso “café con piernas”! O café con piernas sao cafés inofensivos espalhados pelo centro da cidade (principalmente no Paseo Ahumada) onde o cafe é sempre servido por mulheres vestida de trajes minimos.

Teoricamente sao estabaleciamentos “de familia” onde se serve apenas cafe e seus variantes, mas achamos comicos que a garconetes de fato usam mini-micro saias (quando na verdade deveriam estar usando calças semi bag…), o balcão do cafe nao tem “fundo” (para que as pernas sejam vistas por todos os angulos do estabelecimento) e todos os clientes eram do sexo masculino (tirando eu e minha mae…).

Quando chegamos na Calle Moneda, seguimos em direção a Plaza de la Constituición, onde estao o Palacio de la Moneda, Tribunales de La Justicia e o ex Congresso Nacional.

Entao seguimos pela Alameda (Avenida O’Higgins) até chegar no Cerro Santa Lucia, que tem uma vista super legal da cidade (apesar do nevoeiro cinza de poluicao que abafa Santiago 360 dias por ano!). Lá de cima dá pra ver bem toda a cidade e entender a situação geografica de Santiago, que fica num vale entre as cordilheiras dos Andes e a Cordilheira Oceanica.

As outras duas atrações turisticas de Santiago, que fizemos em outros dias, mas que poderiam – facilmente -  ser feitas no mesmo dia sao o Cerro San Cristobal e o Parque Arouca.

Ok, o Parque Arauco, nao é extamente uma atração turistica e sim um shopping center enorme, mas tem opcoes infinitas de restaurantes super legais, muitas lojas (que – eu saiba – nao existem no Brasil) diferentes (que nao cobram os preços absurdos do Brasil) e muitas opcoes de entretenimento.

Já o Cerro San Cristobal é um dos cartoes postais da cidade, e tambem o maior parque de Santiago. O bairro Bellavista me pareceu ser o hang-out preferido do mochileiros, e a Calle Pio Nono tem uma infinidade de opcoes baratinhas de albergues, pensoes, cafes e restaurantes, lojinhas de souvernir etc.

Já pra chegar lá em cima, alguns turistas contratam taxis ou vao apé, mas a menias mais “tradicional” de subir o Cerro é de Funicular, que já da uma pequena amostra da vista nos aguarda! mas infelizmente o bondinho estava fechado por causa do vento, entao nao pudemos ir ateh o outro lado do cerro, na Providencia, onde esta o Jardin Botanico de Santiago.

Os detalhes mais praticos da viagem foram o seguinte:

Voamos TAM, na ida com conexao em Sao Paulo, e na volta direto pro Rio. O fuso horario eh de apenas 1 hora, mas incluindo fuso, tempo de conexao em Sao Paulo etc, a viagem durou a manha toda (acho que umas 5 horas), oque nao é exatamente otimo, mas como o voo sai do Rio praticamente de madrugada, ainda deu pra aproveitar o dia todo por lá.

Ficamos hospedados no Sheraton Santiago Convention Center, no bairro Providencia, que é um bairro relativamente central, com varias opcoes de estacaoes de metro (a mais perto para agente era a “Pedro de Valdivia”), uma vista super legal da cidade (peincipalmente no por do sol, que o smog diminuia um pouco…).

Na nossa segunda noite na cidade, levamos meus pais pra jantar no restaurante Astrid y Gaston, que apesar de ser culinaria Peruana, aparece em todos os foruns de viagem sobre Santiago como um dos melhores restaurantes da cidade (e aparentemente o mais famoso tambem, já que estava cheio de Globais jantando por lá).

Os outros passeios que fizemos (proximos posts) usamos as empresas Turistik e Turistour (dica da Paola Rangel, que mora lá!).

O sistema de transporte publico em Santiago eh otimo, o metro vai pra tudo quanto eh canto, turisticamente falando, e taxi é ridiculamente barato. mas pra fazer qualquer coisa por fora da cidade, as opcoes de transporte sao bem precarias, sem grandes opcoes de onibus, trem e afins. Entao a nao ser que estivessemos viajando com muito tempo e num esquema bem roots, com dispiscao de passar 12 horas num onibus, saltando no meio da estrada nos Andes etc, é praticamente impossivel fazer alguma coisa independentemente por lá, e por isso acabamos dependendo demais (e gastando mais que queriamos) de agencias pra conseguir fazer os passeios que queriamos.

Entao meu conselho é fazer uma programação usando diferentes agencias e day tours onde der, ou entao ir pro Chile com muuuuito tempo e dispiscao pra se virar por lá e conseguir fazer tudo que voce quer conhecer.

Mais fotos de SAntiago AQUI e AQUI

Categorias: Chile, Roteiros de Viagem, Santiago, Viagens
45
07
Jan
2010
As ferias no Brasil
Escrito por Adriana Miller

A viagem no dia 18 de Dezembro comecou mal, super mal! Cheguei no escritorio mais cedo, pra dar tempo de terminar um zilhao de coisas e poder sair um pouquinho mais cedo, a tempo de pegar o aviao. Entre uma reuniao e outra, as 9 e pouco da manha resolvi checar meus e-mails: “A Air France informa que seu voo foi cancelado. Agradecemos a compreencao”. Sem nenhum link, telefone, opcao de ajuda. Desesperadamente liguei pro Aaron e conferimos tudo on line: devido as nevascas fora de epoca em Paris, nosso voo da Air France com conexao Londres-Paris havia sido cancelado, mas o voo Paris-Rio ainda estava firme e forte.

Depois de hooooooras tentando falar com alguem do SAC da Air France, sem sucesso, obviamente (Ah!? Jah contei que atendimento ao cliente eh um conceito inexistente nesse pais?!), largamos tudo, cancelei as ultimas reunioes e entrevistas e voamos pro Aeroporto, na esperanca de, uma vez lah conseguirimos falar cara a cara com alguem da Air France.

Pura ilusao. Metade da area de embarques do terminal 4 de Heathrow estava fechado pra ‘alojar’ os passageiros dos voos cancelados. Familias dormindo no chao, crianca chorando, adultos chorando. Muitos turistas que nao tinham pra onde voltar, e estavam se preparnado pra passar a noite ali, esperando uma solucao da Air France.

Ateh tentamos entrar na fila, mas jah fomos avisados pela mocinha da Air France que seria inutil, jah que a estimatica de espera eram de 6 horas. O nosso voo era em 4 horas. A solucao? Ah… a unica opcao eh tentar ligar direto pra AF (no mesmo numero que passamos o dia todo tentando ligar). No desespero o Aaron resolveu tentar mais um vez, e todas as centenas de pessoas desesperadas a nossa volta, tentando a mesma coisa, em vao.

Mas como ele eh sortudo que soh, de cara, de primeira conseguiu ser atendido, e ficou tao surpreso que comecou a gritar “qual o numero da reserva?!?! Reservaaaaaa?!?!”. Rapidinho, conseguimos um voo no dia seguinte pra Sao Paulo – naquela altura do compeonato qualquer lugar do Brasil tava valendo, o importante era chegar lah! Recusamos o voo direto pro Rio no domingo a noite, pois domingo tinha mais previsao de neve.

E como oque nao tem remedio, remediado esta, largamos todas as malas no aerporto mesmo e fomos de lah direto para um date: Assistimos New Moon (tinha acabado de terminar o livro!) e dorimos o sabado inteiro.

Chegamos em Paris sem problemas, mas pra nossa (nao) surpresa, estavamos em stand by, sem assentos no voo, e sem cartao de embarque da Varig pro Rio. Como eu jah me enfiei em tudo quanto eh roubada em viagens, sabia que isso nao ia dar certo, nao importa quantas zilhoes de vezes a francezinha repetisse que eu nao tinha motivo pra me preocupar!

Quando eu jah estava ficando alterada e batendo boca com a atendente (que sei muito bem que ao fazer isso, eles perdem a boa vontade de te ajudar, e voce perde sua razao de cliente!), o Aaron resolveu tentar tudo por mim, e de quebra descolamos um upgrade!

Mas conforme eu tinha previsto, assim que chegamos em Sao Paulo e fomos direto na Varig/Gol nossa reserva nao existia. Nao tinhamos voo, o codigo que nos deram nao era valido, a menina da Gol fazendo de tudo pra ajudar ligando ela mesma pra Air France Brasil e nada…! Foram 6 horas de um lado pro outro naquela aeroporto lotado e sem estrutura de Sao Paulo ate que finalmente conseguimos resolver o mau entendido e nos deram um voo da Tam.

Acabamos chegando no Rio com 36 horas de atraso e perdemos toda programacao do fim de semana…

****************

Mas dai pra frente, foi tudo tranquilissimo!

No domingo mesmo jah fomos jantar com parte da familia do meu pai, e os dias seguintes foram de muita sombra e agua fresca!

Dormindo ate tarde, depois praia, depois almoco em Ipanema, depois shopping e passeios, etc, etc. Dureza. Dureza. Mas nem soh de praia sobrevive o turista no Rio de janeiro, e tambem rolou passeio pela parte historia da cidade, incluindo almoco na Confeitaria Colombo, passeio no bondinho da Lapa, Biblioteca Nacional, Teatro Municipal e Igreja da Candelaria.

O Natal foi uma delicia, com um jantar dia 24 na casa dos meus pais, soh com a familia Portuga. A piada da noite foi que meu pai cismou de fazer um natal “tropical-exitoco” jah que foi o primeiro Natal do Aaron no Brasil, entao em vez de arvore de natal, como todos os anos, eles resolveram comprar uma palmeira… A palmeira acabou morrendo seca, e as piadas sobre a autenticidade de nosso “exotismo” renderam ateh o fim das ferias…

No dia 25, tentamos incorporar um pouco da tradicao Americana de natal, e guardamos alguns dos presentes do meus pais e minha irma pra serem abertos no dia 25 de manha. E logo depois fomos pra Barra da Tijuca, na casa da minha tia, onde eh comemorada a grande festa de natal com o resto da familia – ai a coisa ficou ainda melhor! Tios, tias, primos e afins que eu nao via ha anos (alguns nem reconheci!), Papai Noel suando de calor (ai sim o Aaron achou tudo bem exotico), muita, MUITA comida, bate papo, bagunca e falatorio.

Dia 26 aproveitamos o tempo bom e ceu impossivelmente azul (=calor dos infernos) para carimbar a ultima atracao turistica que o Aaron ainda nao conhecia no Rio: O Cristo Redentor. Por acasos aleatorios, todas as nossas outras viagens, acabava acontecendo alguma coisa que deixavamos pra lah, e o tempo virava. Entao ignoramos o calor senegales e subimos corcovado acima a busca de boas fotos (o brilho na testa e as gotas de suor escorrendo por todos os poros, foram devidamente pagadas no photoshop! hahahaha)

No dia 27 de manha fomos para o Chile com meus pais, por 4 deliciosos dias passeando por Santiago e arredores (que merecem posts separados, pois esse aqui jah tah ficando gigantesco e chato).

Voltamos do Chile no prorprio 31, que eu tinha quase-certeza-absoluta que ia dar errado e passariamos o revellion ilhados em algum lugar… Mas eu estava errada! E ainda deu tempo de dormir a tarde toda antes de partir pra Copacabana na noite do dia 31.

O revellion nao poderia ter sido melhor! Passamos em Copacabana, na casa da Deborah e do Gustavo, cercado de amigos, e minha irma conseguiu ser liberada do plantao no fim da tarde! Tivemos uma ceia digna de reis, e as 11:30 fomos par a praia: muito calor, havaianas nos pes, vestido branco de algodao, champagne e fogos, muitos fogos de artificio!

Nem a fumaca (resultado da humidade no ar pos chuvas) atrapalhou a comemoracao, com muitos beijos, abracos, votos de um ano e uma decada maravilhosos e com direito a banho de mar pra finalizar a noite!

Fiquei muuuuuito bem impressionada com a organzacao da cidade na noite do dia 31. Nota 10 pro Metro Rio, nota 10 pra policia, e era nitido que a populcao estava ali mesmo pra se divertir! Foi uma experiencia maravilhosa!

Pra comecar 2010 ainda melhor, dia 2 de janeiro fizemos o tradicional churrasco das meninas UERJ, onde juntamos todas minhas amigas da facultado, os agregados e simpatizantes numa bela churrascada e cervejada pra ninguem botar defeito. Nem o calor arrebatador e a umidade indigna estragaram nossas 12 horas inenterruptas de comilanca e bebelanca!

O ultimo domingo das ferias incluiu cafe da manha no Cafeina de Ipanema, um passeio pela feira hippie (nao dava pra ser feliz naquele calor), arpoador e Forte de Copacabana, terminando com almoco no Galeria Gourmet e comprinhas no shopping Downtown.

E como tudo que eh bom, dura pouco, as ferias acabaram, e tirei o ultimo dia pra ir no medico, e fazer uma bateria de exames, antes de arrumar as malas e rumar pro aeroporto!

E essa foi a primeira fez que voltei de ferias no Brasil sem saber quando sera a proxima…

Oque eh um pouco estranho, pois se pudesse iria todo ano, umas 3 vezes pro Brasil, mas o tempo e a grana sao curtas… Essa viagem, em altissima temporada, saiu carissima e uma de nossas decisoes para 2010 eh que esse ano faremos “greve” e vamos aproveitar nossos dias de ferias para de fato viajar para lugares novos e tirar ferias, jah que todo ano acabamos tirando entre 2 e 3 semanas de nossas ferias soh pra visitar familias no Brasil e nos EUA, oque torra nossos dias de ferias, nossas economias e nossa energia (porque ferias de visitar parente eh cansativo!).

Por um lado eh bom, porque temos varias viagens bem legais planejadas pra esse ano, mas por outro lado, dah um doh no coracao de ter deixado minha familia pra tras sem saber quando nos veremos de novo…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Amigos, Ano novo e resoluções, Brasil, Chile, Dia a dia, Natal, Party, Perrengues
22