05
Jul
2011
O Circuito dourado da Islândia
Escrito por Adriana Miller

A maioria das pessoas não sabe o tanto que a Islândia tem a oferecer como destino turístico até chegarem lá – nós inclusive! – e acaba passando tempo de menos por la.

Além disso a Islandia é assim um pouco terra de ninguém, que ao mesmo tempo que torna qualquer viagenzinha de fim de semana na viagem da sua vida, também assusta o mais experientes dos viajantes – e infelizmente muita gente acaba ficando “preso” no lado oeste do pais, usando Reykjavik como base para seus passeios bate-e-volta, que dá pra fazer bastante coisa legal, mas ao mesmo tempo, limita bastante seu acesso a lado selvagem do pais.

E por isso mesmo o Ciruito Dourado da Islandia faz tanto sucesso: a poucas horas da capital, seja de carro alugado ou de onibus turistico, em apenas um diazinho você podera ver algumas das atraççes naturais mais fenomenais do planeta!

Começamos nosso dia relativamente cedo e seguimos nosso rumo pelas estradas semi deserticas do pais. Mas dispensamos a auto estrada recem construída e seguimos a dica do carinha da loja de aluguel da caravana, que quando viu nossas cameras, lentes, tripes e afins, abriu o mapa rodoviario da ilha e foi categórico: se vocês gostam de boas paisagens, nem pensem em seguir a estrada “1″ – peguem o desvio e sigam pela “431″!

Não pensamos duas vezes e seguimos o conselho dele! No comando da nossa van/caravana, seguimos pela estradinha de terra e nos perdemos apenas 2 vezes… mas valeu a pena!

A caminho da primeira parada do Circuito Dourado, o parque Þingvellir, acabamos pegamos a estrada que cruza uma vale geo-termico e demos de cara com o lago de mesmo nome, que marca a entrada do parque nacional Þingvellir.

Foi nossa primeira sensação de que “Eba! Estamos na Islandia!”, porque aquilo lá, realmente não parece ser o mesmo planeta que eu e voce crescemos vendo com nossos olhos…

Uma das coisas que ficamos pensando muito durante a viagem foi sobre qual seria a impressão que extra-terrestres teriam de nosso planeta se em vez de pousarem em Nova Iorque (como acontece em 95% dos filmes que involvem alienigenas que querem aniquilar nossa espécie!) eles pousassem numa estradinha secundaria da Islandia?!

O cheio podre de enxofre, a terra fumegante, o lago sinistro e paisagem árida…

Então nossa primeira parada foi o Parque Nacional Þingvellir que é um dos principais na Islandia e tem uma caracteristica muito especial: é aqui nesse parque que é possivel visitar o Mid-Atlantic Ridge, que nada mais é doque a “fenda” na crosta terrestre onde as placas tectonicas da Europa e da America estao se separando!

Entao é possivel andar bem no meio dessa rachadura da crosta terrestre e tocar com suas proprias mãos os dois continentes ao mesmo tempo!

Geologicamente falando a Islandia é um pais novinho, um dos ultimos a serem criados no planeta (uma das ilhas que formam a Islandia só “nasceu” em 2005 numa das ultimas erupções de um vulcão sub-aquatico!), e ainda esta em fase de crescimento: a Islãndia cresce cerca de 1 centimetro por ano como consequencia do afastamento das placas – que so as mesmas placas que veem se separando ha milhoes de anos e que foram responsaveis pela separacao entre a Africa/Europa e as Americas.

Para uma nerd assumida como eu, não tem como não adorar estar ao vivo num lugar desses! E eu particularmente adoro ir a lugares que me colocam “no mapa” – naquele momento eu conseguia visualizar exatamente onde estava no planeta!

Depois seguimos a estrada que nos levou a Geysir, uma cidadezinha perdida no meio da Islandia e é conhecida por seus…. gêisers! E foi justamente o gêiser de Geysir que batisou todos os outros gêisers do mundo!

E o engraçado da Islândia é que essas coisas são tão naturais pra eles, que quando começamos a chegar perto da entrada de Geysir (ou onde achamos que teria uma entrada), voce olha pro lado e BOOOOOM! Agua fervente explodindo do chão!

Assim, na beira da estrada… É só estacionar seu carro, se agasalhar bastante e sair andando pelos geisers.

O grandão principal, o Geysir original, so explode (ou “entra em erupção”? Qual seria o termo técnico correto para o fenomeno de um geiser?) em momentos pré e pós terremotos, então ele é cuidadosamente estudado por geologistas do mundo todo, que conseguem chegar a varias conclusões sobre o humor do planeta, de acordo como ele estiver se comportanto.

Mas tem um outro bem do ladinho, que entra em erupção mais ou menos a cada 10 minutos, e as vezes a erupção pode acontecer varias vezes seguidas.

E realmente é um fenomeno da natureza!

Aquela agua azul cristalina levemente borbulhando… de repente o nivel da agua cai drasticamente, e voce se da conta que por baixo daquela agua calminha tem um buraco de profundeza inimaginável, conectando nosso mundo diretamente com as profundezas da crosta terreste… e BOOOM!!!! A agua explode com uma força e altura incriveis!!!

É hipnotizante… e o pequeno grupo de turistas que conseguia lutar contra o vento cortante, ficaram ali em volta, vidrados, esperando pela proxima explosão.

E nós ficamos, e ficamos, e ficamos… e conseguimos assistir umas 4 ou 5 explosões. São todas iguais, mas incrivelmente únicas, e igualmente fascinantes…!

A proxima parada foi a cachoeira Gullfoss, outra grande atracao do Circuito Dourado, e que eh a maior cachoeira da Islandia, em volume de agua.

Realmente a força da agua é incrivel, mas de maneira geral eu achei a experiencia “molhada” demais, ventania demais, e muito, muito frio! Mesmo no auge da alta temporada do verão, nesse dia pegamos temperaturas de 5 graus, e eu passei muito frio em Gullfoss!

Depois de Gulfoss, e já no meio da nossa tarde, nós resolvemos modificar um pouco nosso roteiro – a maioria das pessoas que faz o circuito dourado volta pra Reykjavik no fim do dia, mas nós iamos dirigir noite a dentro até o lado leste da ilha – então fizemos uma ultima parada do circuito: a cachoeira Seljalandsfoss.

Apesar de não ser tão grande nem tão impressionante quanto Gulfoss, a cachoeira Seljalandsfoss é uma única queda d’agua a cerca de 40 metros de altura, e que esconde um segredo: ela tem uma passagem por trás da cachoeira!

Essa queda d’agua – e sua passagem secreta – é cercada de historias e lendas de fadas, duendes e trolls. E com frio ou sem frio eu não resisti! Me aagasalhei inteira com minhas roupas a prova d’agua e ficar um tempão lá tras, hipnotizada com o arco iris, as gotinhas voando e o barulho da agua caindo numa força incrivel!

Não sei explicar porque gostei tanto daquela cachoeira, mas fica um tempão lá tras…. deixando a agua respingar, praticamente esperando as fadas aparecerem!

E de lá, aproveitamos os dias interminaveis da primavera da Islândia e seguimos viagem até o lado leste da Ilha…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categorias: Circuito Dourado, Islandia, Viagens
24