11 Jan 2010
8 comentários

Concha y Toro

Chile, Dicas de Viagens, Vinhedos

Quando comecei a pesquisar coisa pra fazer por perto de Santiago, a primeira opcao sugerida em todos os guias e foruns sao os passeios pelas viniculas.

Para os apreciadores de vinhos, o Chile esta entre os principais produtores de vinho (bom) do mundo. Mas a verdade é que de conhecedora de vinho eu nao tenho nada. Gosto de vinho branco ou rose, bem gelado e adocicado… entao muita gente por ai diria que eu sou uma pessima consumidora de vinho por nao saber apreciar os diferentes tipos de uva, as diferentes safras, regioes, notas de sabor e afins.

Porem, entre as varias marcas de vinho Chileno tem uma unica marca que eu conhecia, a Concha y Toro. Varias pessoas e varios blogs nao recomendam essa vinicula, por ser muito comercial, muito turistica e pouco autentica. Mas ao mesmo tempo, como negar um passeio pela 3a maior produtora de vinho do mundo e a maior do Chile? E como nao querer ver de perto como é produzido o vinho que vende na lojinha na minha esquina e as garrafas dentro do meu armario da cozinha?

A verdade é que o tour nao decepcionou nem um pouco. A vinicula é bem pertinho de Santiago, é enorme, bem cuidade e linda.

O Tour começa por um passeio pela propriedade e seus Jardins, contando a historia da familia de Don Concha y Toro – descendentes de Espanhois, cheios da grana e fazendeiros do Chile; numas ferias da familia pela Europa ele resolveu trazer umas mudas de vinhas para tentar plantar uvas e produzir vinho em sua propriedade, e dai pra frente é historia…

Depois passamos para as vinhas. A guia explica os tipos de uvas plantados em cada regiao do Chile, e as caracteristicas geologicas, clima e temperatura que impactam cada tipo de uva e a qualidade de cada safra de vinho.

E por ultimo, visitamos as adegas, onde a uva vira vinho, onde o “suco” fermenta passando por diferentes tecnicas, o armazenamento e envelhecimento do vinho, e por fim as adegas antigas e historicas, onde o vinho “bom” fica armazenado para envelhecer sob condicoes ideais de CNTP.

E é nessa adega antiga que surgiu a lenda do Casillero del Diablo que acabou virando a marca mais conhecida da Concha Y Toro e sua principal marca de exportacao.

Segundo a guia, Don Concha y Toro guardava lá embaixo o seu melhor vinho, as melhores safras e os melhores barris, que só eram usados em ocasioes espciais. No dia a dia a familai usava um vinho de qualidade “media” e ele usava o vinho de baixa qualidade pra pagar seus empregados.

Até que um dia ele se deu conta que as garrafas de vinho estavam sendo roubadas por seus funcionarios, porem ele nao tinha provas contra ninguem.

Um tempao depois, a familia estava se preparando pra comemorar o casamento de uma sobrinha (ou seria prima?) e o vinho “bom” tinha sido completamente roubado de sua adega especial.

Entao, Don Concha y Toro espalhou um boato de que tinha feito um pacto com o diabo: o diabo iria morar em sua adega para proteger seu vinho de boa qualidade, e qualquer pessoa que lea entrasse sem autorizacao seria amaldicoado. Umas semanas depois, um funcionario morreu numa cidente dentro da adega, e dai pra frente o boato se espalhou como um furacao: o diabo morava na adega e nunca mais nenhuma garrafa foi roubada!

Segundo a guia, a lenda existe até hoje, a o vinhedo tem uma alta rotatividade de guardas noturnos e todos tem historias de baruhos estranhos e sombras perambulando pelo casarao…

O grande final do passeio foi a degustacao de aluns dos diferentes tipos de vinho produzidos pelo vinhedo e como identificar as diferentes notas e diferentes sabores dos vinhos.

A vinicula Conha y Toro fica a cerca de 40 minutos de Santiago, na cidade de Pirque. Nos fizemos o passeio com a empresa Turistik que tinha um escritorio no nosso hotel e fazem varias viagens e tours, e durou cerca de 1 manha.

Mais fotos da vinicula AQUI.

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
8 comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!
8 comentários
  1. Dedeia - 11/01/10 - 15h07

    Curti o pernao de fora!!!

    Responder
    • Adriana - 11/01/10 - 15h09

      Invejou o solzao, neh?
      Mas nem tava calor! Um vento friiiiio!

      Responder
  2. Flavia - 11/01/10 - 23h15

    Nunca gostei do Cocha y Toro, nenhum dos vinhos que eu experimentei eram pro meu gosto, entao eu sempre passava longe. Mas outro dia meu pai comprou uma garrafa de um que eu nunca tinha experimentado antes, olha, uma delicia, bem suave.

    bjs

    Responder
  3. Roteiro de viagem no Chile - 13/01/10 - 17h10

    […] uns 2 ou 3 vinhedos por perto de Santiago (usando agencia ou alugando um carro). Nos fomos na Concha Y Toro (vale do Maipo) e na San Esteban (Vale do Aconcagua), em 2 manhas separadas, e a Fe Costa sugere […]

    Responder
  4. Fê Costta - viaggio mondo - 19/01/10 - 04h20

    Ei Dri!!

    Eu adorei o passeio das vinícolas!! Muita gente me falou também sobre a Concha Y Toro que era só para turista e tal, mas aí encontrei um passeio que além dela, incluia a mais antiga vinícola da região, a Undurraga, lindíssima!! Adoramos o passeio e voltamos à noitinha para casa, bem alteradinhos com as degustações! rs

    Bjos!!

    Responder
  5. […] que ja tinha lido a respeito em outros blogs e no TripAdvisor. A escolha é batida, tipo uma “Concha y Toro” Uruguaia, mas não menos […]

    Responder
  6. Bruno - 31/10/13 - 13h40

    Adorei o post! Estou indo ao Chile em janeiro, e gostaria de saber qual foi o custo total para ir a Portillo.

    Responder
  7. Andre - 11/03/16 - 22h52

    Olá, qual é o preço desse tour? Quais seriam as vinicolas mais em conta pra se visitar?
    obrigado

    Responder