11 Aug 2016
19 comentários

Roteiro de viagem pelo Peru – de 5/6 dias

Américas, Dicas de Viagens, Peru

Geralmente eu gosto de postar sobre nossos roteiros de viagem só no final da série de posts sobre cada destino, assim acho que faz mais sentido, consigo linkar posts e fotos e organizar melhor meu raciocínio.

Mas nunca recebi tantas perguntas em relação ao nosso roteiro de viagem pelo Peru, desde que chegamos por lá, em Dezembro de 2015! Então depois de tantos “qual foi seu roteiro?”, “quantos dias vocês ficaram na cidade X?”, “Foi suficiente?”, etc, etc, etc achei melhor pular a fila e já responder direto tudo que fizemos por lá com os (poucos) dias que tínhamos disponíveis.

Então espero conseguir responder as dúvidas principais! Posts mais detalhados sobre cada dia e lugar visitado virão nos próximos posts!

Roteiro de viagem pelo Peru

 

Nós saímos do Rio de Janeiro na noite do dia 26 de Dezembro, passamos a noite num hotel em São Paulo (nem saímos do aeroporto), para poder voar para Lima logo no primeiro voo do dia 27.

Os voos diretos entre o Rio de Janeiro e Lima são bem escarços (e imagino que pra outras capitais seja pior ainda), e a diferença de preços e horários dos voos não compensava voar direto.

Então curtimos o “pós Natal” com calma com a família no Rio, e pegamos um dos últimos voos pra SP no dia 26; dormimos no hotel Slavieiro Fast Sleep, que fica exatamente em frente ao portão de chegada e tivemos uma noite (relativamente) tranquila.

O quarto do hotel é praticamente uma gaveta, mas apenas precisávamos de um lugar semi-confortável para dormir por algumas horas e tomar uma chuveirada pela manha antes de enfrentar a maratona de voos-carro-trem até nosso destino final. Nos poupou ter que sair do aeroporto, achar um hotel, e no dia seguinte acordar (ainda) mais cedo pra voltar pra Guarulhos… Então foi um ótimo negócio!

O voo SP-Lima foi relativamente longo, pois estamos acostumados com os voos rapidinhos dentro da Europa, mas foi bem confortável, com a Tam-Latan, e chegando em Lima, fomos direto para as conexões domésticas (compramos os voos juntos, mas como é de praxe, você tem que retirar sua bagagem, passar pela imigração e alfândega, e só depois conectar com seu voo doméstico).

De Lima, já fomos direto para Cusco, num voo interno bem rapidinho.

Na verdade a maior dificuldade de montar o quebra cabeça do nosso roteiro, foi a disponibilidade e horários dos trens que conectam Lima ou Cusco à Aguas Calientes, a cidade base de Macchu Pichu.

Como fomos na alta temporada, a grande maioria dos trens já estavam esgotados, saindo tanto de Lima quanto de Cusco, então tínhamos que chegar até Ollantaytambo (umas 2 ou 3 horas de carro desde o aeroporto de Cusco) para pegar o trem que nos levaria à Aguas Calientes.

Então apesar de termos passado a noite em SP e embarcado no primeiro voo do dia para o Peru, passamos o dia inteiro “viajando” e só chegamos e, Aguas Calientes praticamente a noite.

Foram 5 horas de voo entre SP e Lima, mais algumas horas de conexão para o voo a Cusco (e nosso voo ainda atrasou bastante), e em Cusco contratei um transfer com a guia Ana Karina, e nossa intenção era fazer um mini tour pelo Valle Sagrado, já que íamos ter que dirigir por lá mesmo entre Cusco e Ollantaytambo, e não pretendíamos voltar nem parar pela região.

Mas com atraso do voo, nosso tempo antes do trem ficou apertado e nosso tour virou apenas um transfer (uma pena…), e só deu tempo mesmo de conhecer rapidinho o centro da cidade de Ollantaytambo, que não deixa de ser uma das cidade principais do Valle Sagrado, e também de onde saía nosso trem.

A cidade tem um mercadinho fofo, algumas ruínas e uma bela vista das montanhas – então apesar de não ser o dia que planejamos (e pagamos!), deu pra dar um gostinho da região.

Apenas mais 3 horinhas no trem (maravilhoso! Depois falo com mais calma) e thcaram! Chegamos em Aguas Calientes!

Roteiro de viagem pelo Peru

Passamos um total de 2 noites no hotel Hatun Inti em Aguas Calientes, pois queríamos madrugar para ser entre os primeiros a entrar em Macchu Pichu, e queríamos evitar e fugir de qualquer tipo de bate-volta, e ter que sair de lá correndo no meio do dia.

Macchu Pichu é enorme, e incrível, mas também um local relativamente difícil… não dá pra fazer com pressa, nem seguindo a bandeirinha de guias e excursões!

Passamos o dia todo por lá, e voltamos para mais uma noite em Aguas Calientes.

Além disso, como fomos em Dezembro, que é temporada de chuvas, eu quis incluir no roteiro uma “segunda chance” de voltar a Macchu Pichu, se por acaso tivesse chovido muito no nosso primeiro dia por lá. Acabamos dando muita sorte com o clima (mas sei que foi “sorte” mesmo, nessa época chove bastante nas montanhas por lá!), e decidimos não voltar a Macchu Pichu pela manhã, e apenas passear pela cidadezinha, mercado e curtir o hotel.

De Aguas Calientes, pegamos novamente o trem ate Ollantaytambo, e novamente um transfer da Ana Karina estava nos esperando e nos levou diretamente ao nosso hotel em Cusco, o incrível Palácio del Inka.

Passamos 1 noite e duas “metades” de dias em Cusco (chegamos um dia mais ou menos no começo da tarde, e fomos embora no dia seguinte, no fim do dia).

Foi corrido, mas não nos sentimos com “pressa” – não tínhamos grandes ambições turísticas em relação à Cusco, sem grandes planos para passeios nem excursões, então tivemos muitas horas para perambular e passear pela cidade e seu centro histórico, comemos muito bem, e fomos embora de Cusco sentindo que sim, conseguimos ver tudo que queríamos.

De lá, voamos novamente para Lima, onde passamos 2 dias (nos hospedamos no Sheraton Lima, mas depois de conhecer a cidade, acho que teria preferido ficar hospedada em Miraflores), incluindo a virada do ano.

Não era exatamente esse nosso plano inicial, mas entre os horários e disponibilidades de trens, e os preços das passagens de avião, isso foi o que melhor se encaixou em nosso roteiro.

Nosso primeiro dia em Lima, que na verdade foi uma tarde, não fizemos nada… dormimos e descansamos no hotel e saímos pra jantar a noite.

No dia seguinte já era dia 31 de Dezembro, e apesar de ser um dia mais corrido e “curto” por causa dos preparativos de revellion (que convenhamos não é grandes coisas no Peru), conseguimos aproveitar bem – Mas, mais uma vez não tínhamos grandes expectativas turísticas em relação à cidade, e acabamos só ficando pela região de Miraflores mesmo.

E finalmente, no dia 1 de Janeiro bem cedo, começamos nossa peregrinação de volta ao Rio de janeiro (num voo Lima-SP, e outro voo SP-RJ).

 

Os detalhes de cada dia & cidade virão nos próximos posts!

 

Resumindo:

1′ dia: Viagem do Rio de Janeiro à Aguas Calientes (basicamente o dia todo, principalmente se considerarmos que a viagem começou na noite anterior, com um pernoite em Guarulhos)

2′ dia: Aguas Calientes e Macchu Picchu

3’dia: Aguas Calientes pela manha, trem ate Cusco, tarde e pernoite em Cusco

4’dia: Cusco e voo para Lima no começo da tarde

5’dia: Lima

6’dia: Lima e viagem de volta ao Rio de janeiro (via SP)

 

Foi corrido? Claro!

“Ah, mas vocês perderam o lugar tal?!”

“Na próxima vez não deixem de incluir o lugar tal”

“Nossa, passei X dias na cidade tal e mal senti que conheci tudo”

Gente, a intenção não foi virar expert em Peru, muito pelo contrário. Nosso plano era única e exclusivamente conhecer Macchu Pichu, e todo o resto era lucro. Sinceramente não voltamos com a sensação de que faltou alguma coisa, ou que queríamos ter ficado mais tempo não… (sentimento bem comum no fim de várias da nossas viagens). Então apesar de corrido, conseguimos ver e conhecer exatamente o que queríamos, no ritmo e na medida que queríamos, e uma boa viagem é isso aí!

Mas esse foi um roteiro que ficou redondinho pra quem tem pouco tempo disponível e quer um (ótimo) gostinho do país, passando pelos pontos principais, e curtindo o que interessa.

Claro que poderíamos ter passado 6 meses viajando pelo Peru e ainda assim não conhecer tudo, mas se como a gente, você só tem uns dias num feriado, um fim de semana prolongado e etc, taí um ótimo roteiro bem redondinho que não deixa faltar nada!

 

Adriana Miller
Siga me!
Latest posts by Adriana Miller (see all)
Adriana Miller
19 comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!
19 comentários
  1. Fernanda P - 11/08/16 - 20h14

    Nossa, muito bom, perfeito para mim! Vou continuar acompanhando suas dicas desta viagem! Bjs

    Responder
  2. Aline - 11/08/16 - 21h48

    Dri, que viagem maravilhosa! Deve ter sido um sonho mesmo! Tenho muita vontade e sei que rolam algumas promoções para o Peru volta e meia, mas a questão da organização tem que ser levada bem a sério, pelo que puder ver. Parece ser aquela viagem cheia de pit stops e pouco fluida. Uma curiosidade: com sua experiência de viajante, esta viagem ao Peru foi $$ em relação à viagens pela Europa? Sei que são N variáveis mas com a sua experiência vc diria que é inflacionada? 💋

    Responder
    • Adriana Miller - 12/08/16 - 09h10

      Olha, a viagem não foi “barata” não, se considerarmos que é America latina (tecnicamente mais barata que a Europa) e estávamos numa época de moeda super forte (pra gente). Mas ainda não foi uma daquelas viagens que você volta achando tudo “de graça” não, muito pelo contrário.
      Era alta temporada então não teve como evitar os preços inflacionados, ficamos em hotéis bacanas (e pagamos os mesmos preços que pagaríamos na Europa) e comemos em restaurantes ótimos (mais baratos que o equivalente no Brasil ou Londres, mas ainda assim nada “de graça”) etc…
      Barato mesmo só o ultra básico, tipo táxis em Lima, souvenirs, uma cerveja aqui ou uma água acolá.
      Saiu bem mais barato do que um revellion no Brasil, sem dúvida alguma, mas ainda assim é uma viagem cara.

      Mas acho que é o tipo de lugar que, querendo, dá pra fazer beeeem mais em conta… depende do estilo de viagem. Nós queríamos “Peru sem aventura” e com muito conforto, mas se a viagem for num esquema mais mochileiro (ônibus em vez de voos, trens comuns em vez do trem turístico, albergues em vez de hotéis, comida de rua em vez de restaurante com a vista da praça principal etc…) daria pra reduzir beeeem o custo. Não foi nossa vibe, mas que dá pra fazer, isso dá!

      Responder
  3. Gabi - 12/08/16 - 11h07

    Dri, que sonho essa viagem!!! Não vejo a hora dO post sobre Macchu Picchu! O maior complicador de viagens curtas no Brasil é a combinação bombástica de horários e conexões bizarros + inflexibilidade de férias pingadas. Se as companhias começassem com uns vôos em horários inteligentes, seria tão possível passar um feriado quinta-domingo no Peru partindo das nossas capitais quanto é passar um feriado no leste Europeu ou norte da África partindo daqui, né?

    Agora… acho meio deselegantes esses comentários de “nossa, vc perdeu x?”, “ai se vc não foi em y, precisa voltar”. Quando se fala “conheci x e y e gostei muito” tudo bem, porque aí tá contribuindo pras viagens alheias também (sempre procuro mais dicas nos comentários em blogs sobre o destino que vou). Mas nesse tom de surpresa/choque, fico com a impressão que a pessoa quer mesmo é rain on the parade da outra que acabou de voltar feliz da vida com a viagem que fez.

    Responder
    • Adriana Miller - 12/08/16 - 11h23

      Isso! Com certeza!
      As mídias sociais e a proliferação de perfis de viagens e afins estão criando uma pressão sem noção de “eu viajo mais” “eu viajo melhor”, “eu vi mais coisa” e afins, e rola muita “dica” disfarçada de alfinetada!
      Aquela comentário fofo-meigo que se defende por trás do “mas é só minha opinião!” Que na verdade tem a única intenção de rain na parade alheia!

      Responder
      • Thais - 01/09/16 - 00h57

        As pessoas estao cansando mesmo com os comentários sobre as viagens. Rsrs E acho que tb estão viajando de uma maneira chata, já saem com todas as dicas possíveis e imagináveis, aquele bequinho ultra cool de NY ou os 1000 passos para explorar a Disney (como rolou nos comentários dos seus posts da disney). E ficam engessadas em dicas e mais dicas.
        É otimo ler relatos comos os seus, com dicas que dão certo de transfer, número de dias em cada lugar, pq vamos combinar q ng conhece melhor uma cidade pegando transfer errado, se dando mal com meios de transporte e tal. Rsrs
        E é ótimo ter referência de quem vc confia. Meu marido fazia MBA na Europa, e eu fiquei trabalhando do Brasil. Ia sempre por poucos dias para encontra-lo e sempre emendávamos uma viagem. Teve uma vez que surgiu um gap sem aulas de repente e saí do brasil e fomos para a turquia. Nada planejado. Abri seu blog, reservei o mesmo hotel, banho turco, tudo rsrsrs foi ótimo! Ate te agradeci na epoca. :)
        Mas vc mesmo pede uma dica local em seu hotel, descobre algum lugar novo andando pela cidade e encontrando um bom restaurante. Acho que isso que caracteriza a sua viagem.
        Eu fiz um mochilão de 35 dias para a Europa com meu marido (faz bastante tempo já ), eu já conhecia bem a europa, pq morei com meus pais em londres por 2 anos e viajamos bastante, mas ele nao. E fomos naquela época que os brasileiros não viajavam muito. Íamos mas não sabíamos quando poderíamos voltar com calma. E como primeira viagem dele e jovens e com muita disposição (rsrs), fizemos vários países, passamos noites em trem e muitas aventuras. Agora as pessoas viajam todos os anos para fora, vão esse ano para a Itália e sabem q no ano que vem voltarão para fazer Portugal. E vc acredita q ate hj criticam minha viagem???? Sempre daquele jeito velado, ahhh vcs precisam conhecer melhor aquele cantinho da costa francesa, pq qdo vcs foram… ou, a gente viaja em um ritmo diferente do de vcs…
        Arrrghhhh rsrsrs
        Acho que foi um desabafo hehe
        Suas dicas do jeito que são, são ótimas!!! E suas viagens uma delícia de acompanhar!
        Bj

        Responder
  4. Marcela - 13/08/16 - 17h05

    Isso aí! Super concordo. Destino perfeito é o que a gente pode chegar, e tempo ideal é o que a gente tem disponível!
    Expectativas na medida certa e curtição sem medidas!!! ;-)

    Responder
  5. […] deViagens DestaqueRoteiro de viagem pelo Peru – de 5/6 dias […]

    Responder
  6. Ana - 16/08/16 - 00h03

    Oi Adriana!
    Estou amando seus posts do Peru. Tive a chance de conhecer em 2008 e foi inesquecível.
    Sobre a questão dos dias acho q cada pessoa tem seu ritmo, seu estilo e, principalmente, sua disponibilidade de viagem. Eu tomei uma certa antipatia de blogs e perfis de viagem por causa das teorias e verdades absolutas. E não tem algo que me irrite mais do que quando eu chego toda feliz para falar de uma viagem e a outra pessoa começa a bombardear com pergunta de lugares q eu não fui. Nossa, que saco isso!
    Enfim… Estou AMANDO os posts e fico contente que tenha gostado do Peru. Bjs

    Responder
    • Adriana Miller - 16/08/16 - 08h12

      Com certeza!
      As redes sociais estão criando um clima de “experts” onde todo mundo tem que tirar vantagem de alguma maneira… Todo mundo quer mostrar (e comentar) que fez mais, melhor, e por mais tempo, ainda que isso signifique ser extremamente desagradável com outra pessoa, coisa que não fariam na vida “ao vivo” (tipo falar mal da viagem da pessoa durante a própria viagem! E constantemente “tirar vantagem” do quanto fez mais, disfarçado de “dicas”).

      Responder
  7. renata - 16/08/16 - 17h17

    Nossa, otima idéia aproveitar a visita do Brasil para deixar os filhos e ir viajar! Com certeza vou pensar no Perou na proxima vez que iremos visitar minha familia! Obrigada pelas dicas !

    Responder
  8. […] não era nosso caso. Como descrevi no roteiro de 1 semana no Peru que montamos, o tempo disponível era contadinho, e queríamos aproveitar ao máximo tudo que […]

    Responder
  9. Larissa Lyra - 17/02/17 - 01h50

    Dri, deixa eu te perguntar uma coisa: Tô dando uma olhada nos preços e vendo que incluir Lima torna a viagem mais de R$1000 mais cara. Compensa?

    Responder
    • Adriana Miller - 17/02/17 - 11h09

      Pra mim não compensou não. No nosso caso, só incluímos Lima pois ficava uns 1000 mais barato por pessoa, se não nem tinha incluído.

      Responder
  10. Carolina - 10/03/17 - 21h00

    Dri, você e Aaron conseguiram dormir bem no Slaviero?
    Pergunto porque vou ter que passar uma noite em Guarulhos e minha primeira opção era o Slaviero, para não precisar sair do aeroporto, mas fui ler os comentários no trip advisor e dizem que não dá para dormir no quarto por causa do barulho (dos funcionários, das pessoas passando) e do tamanho… então estou vendo se não valeria a pena ir para um hotel nas imediações do aerporto….
    O que você achou?

    Responder
    • Adriana Miller - 12/03/17 - 07h57

      Olha, não me lembro de ter sido uma noite “ruim” não.
      Se você fica lá achando que vai “relaxar” ou “descansar”, então com certeza se decepcionará (e provavelmente deixar reviews negativas).
      É um hotel de conveniência.
      A entrada do hotel fica a 10 passos do desembarque, check in e checkout são rápidos, os quartos minúsculos, mas com “tudo” que a gente precisava no momento: uma cama confortável e não desperdiçar tempo.
      No nosso caso tínhamos uma “noite” de conexão com apenas 4 horas. Ter nos hospedado lo, nos economizou pelo menos 1 hora, hora e meia só por ter evitado ter que pegar táxi, dirigir até outro hotel etc, e no dia seguinte fazer check out, esperar taxi, voltar pro aeroporto etc.
      Ou seja, pra gente, com as expectativas certas, foi uma ótima opção.

      Responder
  11. Lena - 18/09/17 - 05h26

    Adriana, tenho uma dúvida sobre o trem para Machu Picchu. Vi em todo lugar que só pode entrar no trem com mochila ou sacola de mão e que a mala deve ser deixada no hotel em Cusco ou Ollanta. Mas me parece que você carregou sua mala, certo? Você até comenta que não existe limite e posta uma foto do compartimento de malas. É isso mesmo?
    Obrigada!

    Responder
    • Adriana Miller - 18/09/17 - 08h52

      Sim, a recomendacao ‘e que voce nao leve malas – apenas mochilas ou malas de mao. NOssas malas eram bem pequenas, malas de bordo, e como viajamos na “primeira classe” e embarcamos cedo, tivemos espaco suficiente para nossas malinhas. Mas quando o espaco lota, eles nao deixam mais malas entrar, ou entao voce viaja com as malas no colo.
      Ja no trem de volta, viajamos na classe intermediaria, e o espaco era consideravelmente menor. Uma de nossas malas coube no maleiro, a outra veio entre nossos pes. Mas realmente uma mala ou mochila maior que uma mala de bordo nao caberia nao.

      Responder
      • Lena - 19/09/17 - 03h30

        Super obrigada, Adri!
        Você sempre respondendo hiper rápido ;-)
        Bj

        Responder