15 Aug 2016
0 Comentários

PeruRail – Nossa experiência em viajar de trem no Peru

Américas, Cusco, Dicas de Viagens, Machu PIcchu, Peru

Como contei no post sobre o roteiro da nossa viagem, um dos nossos principais empecilhos de planejamento foi a disponibilidade e horários dos trens que chegam em Aguas Calientes, que é a cidade base de Machu Picchu. Mas ao mesmo tempo, viajar de trem no Peru era uma de nossas prioridades da viagem!

viajar de trem no Peru

E é praticamente impossível evitar pegar trens para viajar pela região do Valle Sagrado e terra dos Inkas por lá, e as alternativas seriam horas e dias de viagens de ônibus ou carro.

viajar de trem no Peru

Então nosso roteiro foi meio que desenhado ao redor dos trens que conseguimos reservar.

E como valeu a pena!!

São 4 tipos de trem, com saídas de Lima, Cusco ou Ollayatatambo, operados pela PeruRail, ou então os trens operados pela empresa privada Inca Rail (menos opções de horários, e partindo apenas de Ollayatatambo.

Os mais comuns, e com mais disponibilidade de horários e classes são sem dúvida os trens da PeruRail, que oferecem assentos nas classes Expedition (Ecônomica), Vistadome (classe executive/Primeira classe) e os trens Hiram Bingham que são a opção super premium.

Na viagem de ida, entre Ollayatatambo e Aguas Calientes, nós viajamos no vagão Vistadome, que é o equivalente a primeira classe, e foi uma experiência sem igual!!

Pra começar que o trem é lindíssimo, com janelonas e tetos de vidro que oferecem uma vista panorâmica magnifica da subida dos Andes.

As poltronas são super confortáveis e espaçosas, com direito a um lanchinho a bordo, servido mais ou menos na metade do caminho.

Assim como outras viagens de trem que fizemos por ai, eles não impõem um limite de bagagem, mas o espaço para malas é restrito, e você é responsável por elas até a hora de embarcar (ou seja, nunca leva mais do que consegue carregar sozinho).

Na classe Vistadome as malas sao organizadas numa área especial pelo próprio pessoal do trem, mas nas outras classes, é cada um por si…

A viagem durou mais ou menos 3 horas (saindo de Ollayatatambo), e foi uma das mais legais que já fizemos, colocando muito trem Europeu no chinelo! Eu achei que a viagem já valeu só pela experiência de subir o Vale Sagrado de trem!

Na volta de Aguas Calientes a Ollaytatambo, nós viajamos no vagão Expedition (equivalente à classe Econômica, mas muito boa), que foi praticamente igual à experiencia no Vistadome.

Na verdade, por causa do horário e datas, acabamos pagando mais caro pela passagem numa classe inferior, mas no fundo não achei que fez tanta diferença não.

Os vagões são bem parecidos: muitas janelonas e tetos panorâmicos, mas as poltronas eram um pouco menores e mais apertadas, e sem serviço de bordo (eles passam um carrinho vendendo bebidas e umas besteirinhas pra comer, mas são pagos à parte e com pouca variedade/qualidade).

O difícil mesmo de viajar de trem no Peru é conseguir comprar as passagens, pois o site deles não é dos mais fáceis de usar, e o sistema bancário para o pagamento on line, aparentemente não se dá muito bem com cartões Brasileiros…

A princípio eu achei que a dificuldade de comprar as passagens fosse justamente por causa da lotação dos trens na época que fomos, mas acabei achando muitos fóruns (em Inglês e Português) falando sobre isso, e sobre a dificuldade de comprar e confirmar o pagamento on line no site do PeruRail.

A solução mais simples? PayPal! Registre seu cartão internacional no site do Paypal, e confirme sua compra assim!

Não tem nenhuma diferença de preço, nem taxas extras, nem nenhuma pegadinha (aliais, o PayPal é ótimo pra tudo! Uso muito no meu dia a dia).

A confirmação sai na hora, e você recebe o cartão de embarque no seu e-mail, que precisa ser impresso com antecedência e apresentado na hora do embarque.

E voilá! Prontinho!

No dia da viagem, eles pedem que você chegue na estação com meia hora de antecedência, para que dê tempo de verificar passagens e passaportes de todos os passageiros (eles requerem um documento na hora da compra, e o mesmo deve ser apresentado na hora do embarque), e para acomodar todas as bagagens, e o trem sai pontualíssimo!

Todos os vagões tem banheiros, e os funcionários são super prestativos, além de falarem Inglês super bem, e darem uma bela arranhada no Portunhol!

Foi uma experiência super tranquila, confortável e belíssima!

Minha dica é tentar pegar o trem num horário diurno, pra você poder aproveitar a vista também! (já que a noite não dá pra ver nada… você vai pagar pelas janelonas a toa).

Como mencionei acima, os trens são super disputados, principalmente em épocas de alta temporada (lembrando que nós estivemos no Peru bem na semana entre Natal e ano novo), e mesmo com várias semanas de antecedência, já não conseguimos nenhum dos horários que queríamos saindo de Cusco, e por isso tivemos que pagar por um transfer e viajar 3 horas até Ollayatatambo (já no meio do Vale Sagrado).

Saindo de Cusco, a viagem de trem é um pouco mais longa (acho que mais uma hora e pouco), mas acaba saindo bem mais econômico (de tempo e dinheiro).

Mas de qualquer maneira, a viagem até Ollayatatambo foi uma boa desculpa e oportunidade de viajar pelo Valle Sagrado e visitar algumas de suas cidades chave, que inicialmente não teriam entrado no nosso roteiro, mas que no fim das contas, valeu a pena!

Adriana Miller
Siga me!

Adriana Miller

Sobre a Autora at Dri EveryWhere
Adriana Miller, Carioca. Profissional de Recursos Humanos Internacional, casada e mãe da Isabella e do Oliver.
Atualmente morando em Denver, Colorado, nos EUA, mas sempre dando umas voltinhas por ai.
Viajante incansável e apaixonada por fotografia e historia.
Adriana Miller
Siga me!

Latest posts by Adriana Miller (see all)

Adriana Miller
0 Comentários
Comente pelo Facebook
Escreva o seu Comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que a sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!